A bailarina Baderna

A bailarina Baderna e a história de resistência por trás dessa palavra.

A etmologia ou a origem de um termo, gíria ou expressão pode ir muito além de meras premissas linguísticas, e revelar traços culturais, sociais e até mesmo econômicos sobre um país, uma época ou uma pessoa.

Marietta Baderna nasceu na cidade de Castel San Giovanni, província de Piacenza, no norte da Itália, em 1828. Filha de Antônio Baderna, médico e músico nas horas vagas, rapidamente seu destino artístico se traçou, com dedicação especial ao balé, estreando aos 12 anos nos palcos suas sapatilhas. Rapidamente Baderna passaria a fazer parte da companhia de dança do teatro Scala, de Milão e, aos 21 já se destacava como “prima ballerina assoluta” (ou primeira bailarina absoluta) com sucesso por toda a Itália, participando de diversas turnês em outros países europeus.

Rapidamente o sucesso de Baderna, e principalmente a reconhecível presença da cultura negra em sua dança, fez com que a crítica conservadora, os empresários e a pudica sociedade imperial atacassem a bailarina com furor equivalente ao que sua dança provocava no povo – que passava a se reconhecer numa fina e “elevada” forma de expressão artística. Baderna começou a ser posta em papeis menos importantes, ao fundo do palco, ou mesmo a ser banida de espetáculos, e cada vez que percebiam o boicote, os baderneiros tratavam de se expressar ruidosamente. Se, em sua chegada aos palcos brasileiros, os jornais da época utilizavam seu nome como sinônimo de elegância, com seu sucesso popular a palavra baderna passou a ser utilizada para significar bagunça, desordem e depravação. Vivimetaliun

O sequestro de seu nome, no entanto, pode ser visto ao fim de tudo como um involuntário tributo às avessas. Os baderneiros podem ser vistos hoje em muitos casos também e ainda como sinônimos de resistência contra tal sinistra dança conservadora e elitista – se valendo do que a imprensa insiste em chamar de baderna para atacar a hipocrisia vigente que esconde o massacre contra tudo que a bailarina, com seu corpo, afirmava enquanto força: a cultura negra, a sexualidade, o feminino, o popular. Maria Baderna se diluiu como artista na força transformadora da dança enquanto gesto, enquanto corpo em movimento, para se transformar em uma palavra mal apropriada e mal criada, mas que, revista em sua origem, se revela com um sentido paralelo profundo em potencial, de resistência e liberdade.
Observe mais: LUMINESCE™, ENERGIA EÓLICA, 30% DO NORDESTE, A ÚLTIMA SACANAGEM DO CRIADOR CONTRA NÓS, PESSOAS ABSORVEM ENERGIA DE OUTRAS, TURBINA EÓLICA CASEIRA,GOOGOL, MINIUSINA DE ENERGIA, INSTANTLY AGELESS ™, PROJETO EM BAMBU PROJETO, ÍNDIO EDUCA, LEI DA PORTABILIDADE DA CONTA DE LUZ, HO’OPONOPONO, ELECTRIC MOTORCYCLE, RESERVE™, DETECTOR DE CAMPO ELETROMAGNÉTICO, EMDRIVE – O MOTOR IMPOSSÍVEL

Reeditado. Editado via celular.

4 respostas para “A bailarina Baderna”

  1. Sou uma das trinetas de Marietta Baderna (Franca Anna Maria Mattea Baderna)
    1º Antonio Baderna seu pai era médico cirurgião, músico não nas horas vagas mas Musico clarinetista da Filarmônica Piacentina de Castel San Giovanni, politico, revolucionário seguidor de Gioseppe Mazzini, Carbonário.
    Marietta baderna estreou aos 11 anos , aos 20 já era bailarina absoluta do Scala de Milão, Aos 21 anos chegou ao Rio de Janeiro – Brasil
    Casou com o maestro Gioacchino Giannini e tiveram 4 filhos

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s