Bitcoins de graça

O Bitcoin é uma criptomoeda que tem ganhado cada vez mais espaço no mercado financeiro. Entre um dos principais motivos para a sua forte adesão, está o alto nível de segurança, proporcionado pelo sistema de Blockchain, que assegura as transações online e controla a criação de novas unidades de moedas. Além disso, o Bitcoin, que dispensa a intermediação de instituições financeiras, pode ser usado para compras em todos os lugares do mundo. Kris Gaiato – tecmundo

A forma mais comum de adquirir esse “dinheiro virtual” é através da conversão de um valor em real (ou dólar, por exemplo) para essas criptomoedas — o que pode ser feito através de plataformas, como o Mercado Bitcoin ou por casas de câmbio. Alguns usuários ainda utilizam a técnica de mineração por meio de softwares como o Bitcoin Miner. Contudo, há ainda uma terceira forma de aquisição, em alguns sites e aplicativos que distribuem essa criptomoeda gratuitamente.

É importante esclarecer que uma unidade de Bitcoin equivale a uma grande quantidade de dinheiro em real — aproximadamente R$ 335.095 na conversão do dia. No entanto, ela pode ser fracionada e essas frações são chamadas de “Satoshis”: justamente o que é distribuído de forma grátis na web. Para fins de comparação, um Bitcoin gera até cem milhões de Satoshis.

Conheça formas de ganhar Bitcoins de graça:

Freebtico.in: Uma espécie de loteria virtual que oferece um mínimo de 340 bônus Bitcoins por hora e que pode chegar a 47 milhões de unidades distribuídas gratuitamente. No site há ainda a possibilidade de multiplicar as moedas adquiridas em um jogo de cassino ou comprando bilhetes sorteados.

777Bitco.in: Semelhante ao anterior, esse site pode distribuir até 11 milhões de Satoshis.

Boxbit: Aqui, o usuário pode escolher duas entre 10 caixas, que possuem prêmios entre 18 a 18.818 Satoshis.

Paidbooks: Nesta opção, o usuário recebe 150 Satoshis a cada dez minutos para ler livros.

Bitvisitor: A cada cinco minutos, são oferecidos 240 bônus Bitcoins se o usuário visitar três sites.

Ads4Btc: Paga até 500 Satoshis a cada 20 segundos de link aberto para visitar sites e visualizar anúncios.

PlayBitco.in: Trata-se de um jogo que entrega bônus Bitcoins para quem participar de uma votação que elegerá o animal mais popular entre os usuários. Apenas para votar, você recebe 200 bônus Bitcoins e se o seu animal for o escolhido, são transferidos mais 150 Satoshis. Cada votação tem uma duração de 10 minutos e é preciso participar até o final.

Coinad: Esse site paga até 600 Satoshis por publicidade visualizada.

Btcclicks: Funcionando da mesma forma, aqui o usuário recebe até 144 Satoshis para ver anúncios de até 30 segundos.

SaruTobi: Outro game que dá prêmios em dinheiro virtual oferecendo até 1 mil Satoshis. Com um estilo que lembra Mario Bros, o app está disponível apenas para iOS.

Getyourbitco.in: A cada 5 minutos, o usuário recebe 250 Satoshis para responder corretamente captchas.

Btc-tree: Esse site funciona da mesma forma, mas paga entre 100 e 500 bônus Bitcoins.

Bitcoinzebra: Aqui, o usuário também precisa responder captchas, podendo faturar até três mil Satoshis por hora.

Free Bitcoin: Mais um jogo, dessa vez para Android, que possui uma pegada de cassino e oferece até 1 mil bônus Bitcoins por tentativa.

Bitcoinker: Paga 58 criptomoedas a cada 15 minutos apenas para o usuário permanecer no site.

Visitbit: Oferece até 200 Satoshis por visitas em sites que podem durar entre 5 e 30 segundos.

Blockchain Game: Trata-se de jogo para Android que explora a agilidade e reflexo do usuário, que pode faturar até 30 mil bônus Bitcoins por dia.

Bitcoinze-se: Bitcoin, O que o Google sabe sobre você?, Pitaia e o blockchain, Segurança da informação, Poupatempo Digital, O dinheiro e suas ordas, Extra, mais roubado!!! Black Friday, Paper Planes, Super Trunfo

Society 5.0

A Sociedade 5.0 refere-se a uma nova sociedade criativa, aportada pela inovação e pela transformação digital, representando uma nova visão com o objetivo de resolver questões sociais, utilizando as evoluções tecnológicas. Esta sociedade sucede as passadas: a sociedade de caça (Sociedade 1.0), sociedade agrícola (Sociedade 2.0), sociedade industrial (Sociedade 3.0) e sociedade da informação e do conhecimento (Sociedade 4.0).

O termo “Society 5.0” surgiu no Japão em 2016, pelo Gabinete Japonês na 5th Science and Technology Basic Plan. Ela conecta todas as pessoas e coisas através da Internet das Coisas (IoT – Internet of Things), compartilha vários conhecimentos e informações e cria novo valor nunca antes existente. Além disto, traz uma nova perspectiva de vida humana, aprimorando a produtividade e a qualidade de vida, com desenvolvimento pautado por transformações acopladas pela inovação científica e tecnológica. Por meio da inteligência artificial (IA), as informações e conhecimentos necessários são fornecidos, e tecnologias como robôs, drones,  transportes públicos automatizados, criptomoedas, Blockchain, mobilidade e veículos autônomos, vencerão questões que hoje estão nos bloqueando.

Bem-vindos à Sociedade 5.0

A Sociedade 5.0 é realizada por um sistema que combina espaço cibernético (espaço virtual) e espaço físico (espaço real), potencialmente conectados. Uma enorme quantidade de dados dos sensores do espaço físico é acumulada no ciberespaço. No ambiente do ciberespaço, a IA analisa esses dados e os resultados são devolvidos aos seres humanos no espaço físico de várias maneiras.

O ambiente ao redor do Japão e do mundo está em um período de grandes mudanças. À medida que o desenvolvimento econômico avança, a vida das pessoas se torna mais conveniente e rica, cresce a demanda por energia e alimentos, e aumenta a expectativa de vida e o envelhecimento das pessoas. Além disso, a globalização da economia progride, a concorrência internacional se intensifica e também há aspectos como concentração de riqueza e desigualdade entre regiões. Percebe como as questões sociais estão se tornando mais complexas? Medidas como a promoção da industrialização sustentável, realocação de riqueza e correção de disparidades entre regiões estão se tornando imprescindíveis. No entanto, no atual sistema social, é difícil alcançar o desenvolvimento econômico e a resolução de questões sociais. Acordo Coletivo

5.0ze-se: Ka’apor buscam romper com o resto da sociedade, Aumento da Desigualdade ou Diminuição da Pobreza: o que mais importa para a sociedade?, Não sou de postar coisas religiosas, mas as vezes, esse tipo de coisa é que me deixa com muita raiva da sociedade!, Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída, Ailton Krenak: próxima missão do capitalismo é se livrar de metade da população do planeta

Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial

Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial é uma expressão que engloba algumas tecnologias para automação e troca de dados e utiliza conceitos de Sistemas ciber-físicosInternet das Coisas[1] e Computação em Nuvem.[2][3][4] O foco da Indústria 4.0 é a melhoria da eficiência, segurança e produtividade dos processos e do retorno de investimento.[5]

A Indústria 4.0 facilita a visão e execução de “Fábricas Inteligentes” com as suas estruturas modulares, os sistemas ciber-físicos monitoram os processos físicos, criam uma cópia virtual do mundo físico e tomam decisões descentralizadas. Com a internet das coisas, os sistemas ciber-físicos comunicam e cooperam entre si e com os humanos em tempo real, e através da computação em nuvem, ambos os serviços internos e intra-organizacionais são oferecidos e utilizados pelos participantes da cadeia de valor.[2]

Estas novas tecnologias trazem inúmeras oportunidades para a agregação de valor aos clientes e aumento de produtividade de processos, mas sem o enfoque adequado podem desperdiçar grandes investimentos, com poucos resultados.[6]

HISTÓRIA DAS OUTRAS REVOLUÇÕES INDUSTRIAIS

  • Primeira Revolução Industrial: A revolução industrial na antiga Grã-Bretanha entrou para introduzir máquinas em produção no final do século XVIII. Isso incluía sair da produção manual e começar o uso de motores a vapor e água como fonte de energia. Isso ajudou muito a agricultura e o termo “fábrica” ​​se tornou um pouco popular. Uma das indústrias que se beneficiaram com essas mudanças é a indústria têxtil e foi a primeira a adotar esses métodos. Representou também uma grande parte da economia britânica na época.
  • Segunda Revolução Industrial: A segunda revolução industrial, datada entre 1870 e 1945, introduzindo sistemas preexistentes, como telégrafos e ferrovias, nas indústrias. Talvez a característica definidora desse período tenha sido a inclusão da produção em massa como principal meio de produção em geral, popularizada por Henry Ford. A eletrificação das fábricas ajudou na concepção dos primeiros sistemas de automação industrial. A produção em massa de aço ajudou a inserir ferrovias no sistema, o que consequentemente contribuiu para a produção em massa. Inovações em química, como a invenção do corante sintético, também marcam um período em que a química estava em um estado bastante primitivo na época. No entanto, essas abordagens revolucionárias da indústria foram encerradas com o início da Primeira Guerra Mundial. A produção em massa, é claro, não foi encerrada, mas apenas desenvolvimentos no mesmo contexto foram feitos.
  • Terceira Revolução Industrial: A terceira revolução industrial, datada entre 1950 e 1970. É frequentemente chamada de Revolução Digital e surgiu da mudança de sistemas analógicos e mecânicos para sistemas digitais. Outros chamam de Era da Informação também. A terceira revolução foi, e ainda é, um resultado direto do enorme desenvolvimento em computadores e tecnologia da informação e comunicação.[7]

O termo foi usado pela primeira vez na Hannover Messe. Em Outubro de 2012, o Grupo de Trabalho na Indústria 4.0, presidido por Siegfried Dais (Robert Bosch GmbH) e Henning Kagermann (German Academy of Science and Engineering) apresentaram um conjunto de recomendações para implementação da Indústria 4.0 ao Governo Federal Alemão. Em Abril de 2013, novamente na Feira de Hannover, o relatório final do Grupo de Trabalho da Indústria 4.0 foi apresentado.

IMPACTOS E BENEFÍCIOS DA INDÚSTRIA 4.0

  • Postos de Trabalho: O impacto no número de empregos é o que mais gera polêmica na Indústria 4.0. Os debates têm sido polarizados por aqueles que acreditam em oportunidades ilimitadas de novos empregos e aqueles que preveem a substituição direta da mão de obra e o desaparecimento de postos de trabalho (Fórum Econômico Mundial, 2016). A necessidade do aperfeiçoamento de competências e habilidades é uma consequência lógica da geração de empregos que exigem uma maior qualificação.[10]
  • Interação homem-máquina: A interação entre o homem e a máquina é um dos impactos a serem provocados pela Indústria 4.0 no trabalho, trazendo, segundo o “BGC” (2015b), significativas mudanças para a natureza do trabalho, utilizando alta tecnologia para a estrutura produtiva das firmas.[11]
  • Menos custos: Como a tecnologia é baseada em nuvem, não será necessário muitas pessoas para gerenciar e manter sistemas, o número de funcionários irá diminuir, uma vez que as maquinas irão fazer muitas funções que hoje adotamos pessoas para realizá-las, tendo assim um trabalho mais rápido, e com menor custo.
  • Operações em tempo real: Utilizando a tecnologia, será possível a construção de um banco de dados,vindo diretamente dos processos de produção da fábrica, em tempo real. desse modo, operar em tempo real irá auxiliar em grande escala na tomada de novas decisões da empresa.
  • Manufatura modular: As máquinas poderão ser alteradas/reprogramadas com facilidade, dessa forma, a flexibilidade nos processos de produção irá ser maior, permitindo a facilidade na criação de novos produtos, alterando algum produto já existente, já que a forma de alterar as máquinas será mais rápida.
  • Operações integradas: Com a adoção do Sistemas ciber-físicos, as fábricas ficarão mais inteligentes, dessa forma, a infraestrutura será capaz de estabelecer contato com a cadeia de fornecedores e clientes, tendo assim, uma demanda mais sincronizada, proporcionando mais benefício à empresa.
  • Otimização: A otimização é importantíssima para uma empresa, com a otimização da indústria 4.0, a empresa que utiliza os dispositivos inteligentes, terá tempo de inatividade quase zero, já que as máquinas não precisam de descanso como as pessoas, oferecendo maior numero de produção, com menor custo e mais facilidade, não precisando da mão de obra humana.[13]
  • Interoperabilidade: a habilidade dos Sistema ciber-físicos (suporte de peças, estações de montagem e produtos), dos humanos e das Fábricas Inteligentes de se conectarem e se comunicarem entre si através da Internet e da Computação em nuvem.[14]
  • Virtualização: uma cópia virtual das Fábricas Inteligentes é criada por sensores de dados interconectados (que monitoram processos físicos) com modelos de plantas virtuais e modelos de simulação.[15]
  • Descentralização: a habilidade dos sistemas Sistema ciber-físicos das Fábricas Inteligentes de tomarem decisões sem intervenção humana.
  • Capacidade em Tempo-Real: a capacidade de coletar e analisar dados e entregar conhecimento derivado dessas análises imediatamente.
  • Orientação a Serviço: oferecimento dos serviços (dos sistemas ciber-físicos, humanos ou das Indústrias Inteligentes) através da Computação em nuvem.
  • Modularidade: adaptação flexível das Fábricas Inteligentes para requisitos mutáveis através da reposição ou expansão de módulos individuais.
  • maior segurança: a documentação digital constante permite codificar e rastrear todos os processos, aumentando a segurança e a transparência da produção.
  • menos custos: devido à autorregulação das máquinas, à automatização dos processos e à diminuição do componente humano, o custo da empresa será reduzido.

TECNOLOGIAS DA INDÚSTRIA 4.0

Sistemas Ciber-Físicos: Os CPS (Sistemas ciber-físicos) é a associação entre a computação, rede e processos físicos.É a combinação de vários sistemas de natureza diferente, cujo objetivo principal é administrar um processo físico e, através do seu feedback, adequar-se a novas condições, em tempo real.

Big Data Analytic: O vocábulo “big data” se refere aos gigantescos armazenamentos digitais de informações, velocidade e variedade. A análise de big data é o recurso da utilização de software para descobrir tendências, padrões, correlações ou outras informações úteis nesses enormes armazenamentos de dados.

Computação na nuvem: Computação em nuvem é um vocábulo geral para qualquer coisa que compreenda a transmissão de serviços hospedados pela Internet. Esses serviços fazem com que empresa não necessite mais de uma infraestrutura de TI em sua unidade. A computação na nuvem divididos em três categorias: Infraestrutura como Serviço (IaaS), Plataforma como Serviço (PaaS) e Software como Serviço (SaaS).[16]

Internet das Coisas(IoT): A IoT é o conceito de conectar algum dispositivo à Internet e a outros dispositivos conectados. É uma rede imensa de coisas e pessoas conectadas ,que coletam e compartilham dados sobre a maneira como são utilizadas e sobre o ambiente ao seu redor. Cada vez mais, organizações de diversos setores estão usando a IoT para operar com mais competência, compreender melhor os clientes para oferecer um serviço aperfeiçoado ao cliente, melhorar a tomada de decisões e aumentar o valor dos negócios.

Internet dos Serviços(IoS): A IoS é, fundamentalmente, o acompanhamentos dos serviços da Internet das Coisas ou a produção de serviços profundamente ligados à IoT. Partindo basicamente que a IoT abrange a comunicação constante entre máquinas/máquinas e entre máquinas/homem.[16]Uma brincadeira com um crânio fazendo alusão a IA

Manufatura aditiva: É um tipo de ideia pelo qual divergentes processos são empregados ​​para replicar fisicamente objetos 3D criados por CAD (desenho auxiliado por computador). A fabricação aditiva pode ser realizada com variados tipos de materiais e não necessita necessariamente de ferramentas ou um bloco de matéria-prima transformando a fabricação muito mais rápida e barata. Esse processo fabrica um artefato adicionando material camada por camada, motivação pela qual também é chamado de fabricação aditiva, adverso a usinagem convencional, fundição e forjamento – procedimentos em que o material é retirado de um item de estoque ou derramado em um molde e modelado por meio de matrizes, [16]

Inteligência Artificia(IA): É a habilidade da máquina para executar tarefas normalmente associadas a seres inteligentes. A IA é frequentemente empregado ao projeto de elaboração de sistemas dotados dos processos intelectuais peculiares aos seres humanos, como a predisposição de raciocinar, descobrir significado, generalizar ou aprender com a experiência passada. Desde a criação do computador digital na década de 1940, foi comprovado que os computadores podem ser programados para efetuar tarefas muito complexas.[16]

[17]

Sensores Inteligentes: Sensores Inteligentes são dispositivos capazes de providenciar funções além daquelas necessárias para gerar uma correta representação da quantidade medida e/ou controlada. [18] Resumidamente, um sensor inteligente recebe um estímulo externo do ambiente em que se encontra, recebe os dados relacionados com esse estímulo e faz o processamento dos mesmos de forma a gerar informação relevante. Um dos métodos computacionais utilizado para realizar o processamento dos dados são as Redes Neuronais Artificiais, método este relacionado também com o conceito de Machine Learning (Aprendizado de Máquina), que se inspira no neurónio animal. Um exemplo da integração de sensores inteligentes em aparelhos eletrónicos trata-se do caso dos Wearables ou relógios inteligentes, onde estes sensores, através dos dados recebidos do movimento dos utilizadores, fazem o processamento dos mesmo e como resultado contabilizam esses mesmos passos e conseguem converter em número de calorias queimadas e número de quilómetros percorridos. Muitas vezes, os sensores inteligentes são aplicações inseridas no conceito de Internet das Coisas – IoT (Internet of Things). Mais informações: Acordo Coletivo

4.0ze-se: 13º Salário, Somos sobreviventes de nossos antepassados …, SENAI: 20 cursos online sem processo seletivo, Waldschule für kränkliche Kinder, Os desafios da transição energética, Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), Peixinho!!!

deepfake

Deepfake é uma técnica que utiliza recursos de inteligência artificial para substituir rostos em vídeos e imagens com o propósito de chegar o mais próximo possível da realidade. O termo é uma mistura das expressões deep learning e fake esignifica o emprego da IA para criar uma situação falsa. Ramalho Lima – tecmundo

O deepfake é uma tecnologia que usa inteligência artificial (IA) para criar vídeos falsos, mas realistas, de pessoas fazendo coisas que elas nunca fizeram na vida real. A técnica que permite fazer as montagens de vídeo já gerou desde conteúdos pornográficos com celebridades até discursos fictícios de políticos influentes.  Isabela Cabral – TechTudo

O que era caro e extremamente trabalhoso se tornou simples e acessível a princípio para especialistas da área e posteriormente para o grande público por meio de aplicativos móveis e plataformas online. Hoje, é possível criar manipulações realistas usando computador e internet em casa.

No início de 2019, uma das ferramentas de deepfake mais conhecidas era o ZAO, um app chinês criado para iOS que permitia capturar uma selfie e embutir o rosto no corpo de um personagem de filme ou série em segundos. Por questões de segurança, o programa limitava as cenas em que os usuários podiam editar vídeos falsos, uma vez que a técnica poderia ser usada para a criação de fake news.

Para quem precisa de algo mais sofisticado, o FSGAN reproduz não apenas os trejeitos do rosto da fonte mas também sua voz. A ferramenta foi criada por Yuval Nirkin e está disponível na Open University of Israel. Para que funcione, no entanto, é necessário um hardware de altíssimo desempenho que é praticamente impossível de ser adquirido por usuários finais.

De acordo com John Vilasenor, pesquisador do Centro de Inovações Tecnológicas Brookings Institution, organização que pesquisa o tema, a popularidade da técnica tem chamado atenção de autoridades para a necessidade da fiscalização e regulamentação da tecnologia.

O termo deepfake apareceu em dezembro de 2017, quando um usuário do Reddit com esse nome começou a postar vídeos de sexo falsos com famosas. Com softwares de deep learning, ele aplicava os rostos que queria a clipes já existentes. Os casos mais populares foram os das atrizes Gal Gadot e Emma Watson. A expressão deepfake logo passou a ser usada para indicar uma variedade de vídeos editados com machine learning e outras capacidades da IA.

Efeitos especiais de computador que criam rostos e cenas no audiovisual não são nenhuma novidade; o cinema faz isso há muitos anos. A grande virada do chamado deepfake está na facilidade com que ele pode ser produzido. Comparado ao que costumava ser necessário, o método atual é simples e barato. Qualquer um com acesso a algoritmos e conhecimentos de deep learning, um bom processador gráfico e um amplo acervo de imagens pode criar um vídeo falso convincente.

A técnica é baseada em deep learning, uma subclassificação de IA para definir algoritmos de podem reconhecer padrões com base em um banco de dados. Isso significa que, para criar um vídeo de deepfake de determinada personalidade, o sistema precisa ser alimentado com fotos e vídeos em que ela aparece. Quanto mais material houver, maiores serão as chances de se obter um bom resultado. Treinada com base no conteúdo fornecido, a IA aprende como a pessoa se comporta, passando a reconhecer padrões de movimento, trações do rosto, da voz e de outras características.

São utilizados softwares baseados em bibliotecas de código aberto voltadas ao aprendizado de máquina. Segundo entrevista ao site Motherboard, o usuário do Reddit usou TensorFlow aliado ao Keras, uma API de deep learning escrita em linguagem Python. O programador fornece centenas e até milhares de fotos e vídeos das pessoas envolvidas, que são automaticamente processadas por uma rede neural. É como um treinamento, no qual o computador aprende como é determinado rosto, como ele se mexe, como ele reage a luz e sombras.

O deepfake é muito recente e sua definição é fluida. O fenômeno se confunde na discussão pública com tecnologias com funções similares ou complementares. Há, por exemplo, um programa anunciado pela Adobe que consegue criar falas com a voz de uma pessoa a partir de amostras reais. Existem ainda experimentos de reencenação facial, com a recriação das mesmas falas e expressões de uma pessoa no rosto de outra, e de sincronização labial, vídeos de alguém falando gerado com áudio e imagens de seu rosto.

Agora que os deepfakes fazem parte da nossa realidade, é essencial aprender a identificá-los. Pode ser que cheguemos a um ponto em que isso seja impossível ou muito difícil, mas hoje ainda existem alguns detalhes que ajudam a revelar um vídeo falso. Preste atenção nos movimentos da boca, se eles correspondem bem ao que está sendo dito. Fique atento também para a própria voz: a entonação e o tom soam normais?

Verifique os olhos para notar se eles estão piscando. Na maioria das vezes, os algoritmos não reproduzem bem esse aspecto nem a respiração da pessoa. Veja ainda se ela se mexe de forma natural como um todo. As recriações podem ter dificuldade em encaixar todas as partes do rosto e do resto do corpo e duplicar certos movimentos orgânicos. E se a pessoa no vídeo em questão é alguém que você não conhece bem, procure outros clipes, de preferência em que haja certeza de veracidade, para comparar.

Ze-se: FAKE X DISCERNIMENTO e CARTA 7 de Platão, AMAZÔNIA E AS FAKE NEWS, OS INIMIGOS DE BOLSONARO, PT E PSDB, PRIVATIZAÇÃO E O CROCODILO DO FIDEL, Fake News Journal, Cartilha feita em parceria com o E-farsas ensina como reconhecer uma notícia falsa!, Vídeo simula ação de robô-soldado, Máquinas viventes

Linguagem Simples ou Plain Language

A Linguagem Simples é uma forma de comunicação usada para transmitir informações de maneira simples, objetiva e inclusiva. Ao se comunicar em Linguagem Simples você deve garantir que o seu público-alvo entenda com facilidade o que está sendo comunicado. O objetivo da Linguagem Simples é que o leitor ou a leitora encontre facilmente a informação que procura, compreenda o que encontrou e então consiga usar essa informação. Para isso, textos em Linguagem Simples apresentam ideias, palavras, frases e estrutura de forma organizada.

Linguagem simples não é linguagem informal! É possível escrever de forma simples e acessível, seguindo as normas da Língua Portuguesa.

O incentivo ao uso da Linguagem Simples no setor público é um movimento global. O debate começa em meados de 1940 nos Estados Unidos e Inglaterra. No Brasil, a primeira política pública para tratar exclusivamente do tema de Linguagem Simples surge em 2019 com a criação do Programa Municipal de Linguagem Simples da Prefeitura de São Paulo.

Programa Municipal de Linguagem Simples da Prefeitura de São Paulo

 https://www.linguagemsimples.prefeitura.sp.gov.br/

Site do Programa de Linguagem Simples da Prefeitura de São Paulo. Lá você encontra como o programa funciona, materiais de apoio de como escrever e revisar um documento para que ele fique em linguagem simples e divulgação de eventos.

Plain Language Association International

https://plainlanguagenetwork.org/

É a principal associação internacional de Linguagem Simples no mundo. Ela apoia práticas e instituições que disseminam a linguagem simples. No site você pode encontrar definições de linguagem simples, os países associados, conferências, eventos e materiais de referência. O site está em inglês.

Legislação

Lei de direitos do usuário de serviços públicos – lei nº 13.460, de 26 de junho de 2017.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13460.htm

Política Municipal de Linguagem Simples – lei nº 13.460, de 06 de março de 2020

https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/lei-ordinaria/2020/1732/17316/lei-ordinaria-n-17316-2020-institui-a-politica-municipal-de-linguagem-simples-nos-orgaos-da-administracao-direta-e-indireta

Programa Municipal de Linguagem Simples – Decreto nº 59.067, de 11 de novembro de 2019

https://leismunicipais.com.br/a/sp/s/sao-paulo/decreto/2019/5907/59067/decreto-n-59067-2019-institui-o-programa-municipal-de-linguagem-simples-no-ambito-da-administracao-publica-municipal

Simplifiqueze-se: Melhores Agencias de Modelos – RANKING OFICIAL, Cursos de Programação informática, ClarinhaMar, Poesia mística em Kabir, Rumi e Tagore 2018, IA – Indígena é Ateu? E os emojis com isso?, Sign-IO e Roy Allela, ALFALUVA e a Unipampa

Cursos acadêmicos online

ALISON – plataforma com uma grande quantidade de cursos de diferentes especialidades: de administrar negócios até aprender idiomas. A página dá a oportunidade de se submeter a provas online e receber um certificado virtual gratuito.

Khan Academy – milhares de aulas gratuitas (com duração de 5 a 15 minutos) sobre assuntos variados.

MIT Open CourseWare – um grande número de cursos do Instituto Tecnológico de Massachusetts, incluindo anotações de aulas, tarefas e questões de provas.

edX – oferece palestras gratuitas de professores das melhores instituições de ensino (Harvard, Berkeley e outras). O site foi criado especificamente para o apredizado online.

The University of Reddit – plataforma educativa com aulas gratuitas sobre diversos assuntos, indo de arte a programação.

Saylor – são cursos gratuitos criados com base em programas universitários. A capacitação é completada em um mês. 

Berkeley Lectures – são videoconferências que foram gravadas para alunos da Universidade da Califórnia, em Berkeley, Estados Unidos.

Zooniverse – é a página com maior conteúdo para estudar o meio ambiente, o que permite aos interessados participar de investigações científicas modernas nas áreas de astronomia e climatologia.

Learner’s TV – oferece a você videoconferências sobre matemática, história, filosofia e outros assuntos.

Open Yale Courses – compartilha com os usuários os áudios e vídeos de palestras dos professores da Universidade de Yale (Estados Unidos).

TED («technology, entertainment, design» ou «tecnologia, entretenimento, design») – é um site no qual cientistas, empresários, artistas, tec., se reunem para compartilhar suas ideias. 

VideoLectures.NET – videoconferências a respeito de variados temas. 

OEDb – site educativo que contém mais de 10.000 aulas em áudio e vídeo.

Curze-se: IBMEC: 10 cursos gratuitos com certificado, SENAI: 20 cursos online sem processo seletivo, Cursos online e gratuitos sobre agrofloresta, permacultura e ecodesign, Cursos online e conteúdos gratuitos, FGV libera 55 cursos online gratuitos, Cursos de saúde da UFPB: Uso medicinal da maconha, Cursos na USP

Conselhos para escrever bem!

Steven Pinker, autor do best seller “A loja do estilo- o guia da pessoa pensante para escrever no século XXI” dá 6 boas dicas para escrever:

1) seja coloquial e visual (imagine que o leitor é tão capaz quanto você, mas não sabe tudo o que você sabe);

2) não confie apenas em si para avaliar a clareza (parece contraditório com a dica anterior, mas pense que nem todos são como você);

3) não esconda o principal (não tente ser inteligente demais, procure ser claro no assunto a ser tratado);

4) não é preciso seguir as regras de correção, mas é bom tentar (licenças criativas são boas, mas avalie quando se deve quebrá-las);

bomba.jpg

5) leia, leia, leia (simples: leia muito!);

6) revise sempre (releia quantas vezes for necessário para que o leitor tenha tranquilidade de entender). DISCUTINDO CONTEMPORANEIDADES

Escreze-se: Musée National d’Art Moderne, O Lago de Nós, Barulho D’água, Territórios Culturais, A bailarina Baderna, ERA UMA VEZ UM REI, For all, Ailton Krenak

Outros cursos

Chesscademy – site que ensina como jogar xadrez.

My own business – cursos online gratuitos de administração de empresas que podem ser úteis tanto para gerentes quanto para quem quer começar o próprio negócio.

BBC Languages – tutoriais em vídeo que ajudam você a aprender idiomas estrangeiros.

Creative Flow – site para aqueles que querem aprender a trabalhar com Photoshop em nível profissional.

Launch This Year – guia para começar um negócio online

Snapguide – conta com mais de mil instruções sobre como fazer algo com suas próprias mãos. Cada instrução traz não apenas uma descrição, mas também oferece uma série de imagens passo a passo de como fazer.

Curze-se: 10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, Reciclagem, flores e pneus, Crie, recrie, recicle., 5 DICAS PARA SER MAIS SUSTENTÁVEL NA IDA AO SUPERMERCADO, Giorggio Abrantes

Curso de Arte online

Cambridge in Colour –  ajuda fotógrafos a melhorar suas habilidades. Aqui você pode aprender a fazer fotografias com exemplos ilustrados. Também oferece conselhos para fotografar alguns objetos específicos.

Drawspace – um dos maiores e mais populares sites para ensinar a desenhar. Você precisa apenas escolher uma imagem e a ferramenta mostra o passo a passo de como criar seu desenho.

Google Art Project – maior plataforma online que oferece acesso livre a obras de arte.

The Bastards Book of Photography – site para aqueles que querem aprender a produzir belas fotografias de alta qualidade. 

Ctrl + Paint – recurso gratuito de capacitação dedicado aos fundamentos da pintura digital.

PetaPixel – traz a você tutoriais e truques para que suas fotos fiquem maravilhosas.

Curze-se: Bolo do chocolate e coco low carb de frigideira, CopenHill, a usina de lixo., World Kindness Day, Universidades do mundo, Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, O colírio de Bald, poção de bruxa!

Cursos de Programação informática

UDACITY – cursos e tutoriais em forma de videoaulas em Inglês. Cada palestra inclui um texto incorporado para ajudar os estudantes a entender conceitos e ideias propostos.

Codeacademy – plataforma online interativa que, de maneira simples, explica os fundamentos da programação.

Learn to code HTML & CSS – guia completo para aqueles que estão começando a aprender HTML & CSS.

HTML Dog – site para quem quer aprender a linguagem da programação (HTML, JavaScript). 

Wibit – tutoriais em vídeo que ensinam linguagens de programação (C, C++, Objective-C, С# & Java).

Treehouse – serviço completo de cursos online que permitem estudar rapidamente a programação para Android, iOS e inclusive o desenvolvimento para web. Tanto principiantes quanto conhecedores do assunto poderão encontrar algo interessante neste site.

The Code Player – recurso com tutoriais em vídeo passo a passo, demonstrando como as coisas são criadas partindo do zero. O projeto ensina HTML5, CSS3, Javascript e outras linguagens de programação.

Curze-se: Hora do Código, WordCamp Denver, SEU COMPUTADOR FAZ ISSO! – Windows 10, Google Doodle Jogos, Fundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, renunciam, LEGO e sua turbina eólica de cana

Uncanny Valley

O poder de atração de um robô aumento à medida em que ele se assemelha a um ser humano. Mas quando ele começa a ter uma aparência muito similar à nossa, a simpatia é substituída bruscamente por medo e repulsa. Incrível.club

10 Efeitos misteriosos mais intensos que um déjà vu

Originally coined by Masahiro Mori in 1970, the term “uncanny valley” describes our strange revulsion toward things that appear nearly human, but not quite right. This revulsion usually involves robots, but can also include computer animations and some medical conditions. Rob Schwarz

A graph of the uncanny valley, according to Masahiro Mori

One theory is that our experience with the uncanny valley (the “valley” being the “region of negative emotional response” in the chart over there) stems from an evolutionary tendency to be repulsed by anyone who looks sick or unhealthy or wrong. In other words, “pathogen avoidance.”

Another is that the uncanny valley, particularly in regards to humanoid robots, triggers an innate fear of death, as they often seem to move like lifeless puppets, reminding us of our own mortality.

A hipótese original de Masahiro diz que, à medida em que a aparência do robô vai ficando mais humana, a resposta emocional do observador humano em relação ao robô vai se tornando mais positiva e empática, até um dado ponto onde a resposta rapidamente se torna uma forte repulsa. Entretanto, à medida em que a aparência continua a ser menos distinguível de um ser humano, a resposta emocional passa a ser positiva novamente e finalmente aproxima-se do nível de empatia entre dois humanos reais. Wikipédia, a enciclopédia livre.

Essa área de resposta repulsiva gerada por um robô com aparência e movimentação entre “praticamente humano” e “completamente humano” é o vale da estranheza. O nome abrange a ideia de que um robô com aparência quase humana aparenta “estranho” para alguns humanos, produzindo essa sensação e falhando em ativar uma resposta empática necessária para uma interação humano-robô produtiva.

Estranheze-se: AMAZON APRESENTA TÁXI ROBÔ, Vídeo simula ação de robô-soldado, Robôs do Face criam língua própria – mas calma, não é a revolução das máquinas, Como Fazer um Robô, A evolução dos robôs.

Museu Galileo Galilei

O Museu Virtual Galileo na Itália é fácil de ser visitado de qualquer lugar do mundo, graças à tecnologia da informação, com a qual foi criado um arquivo digital de exposições e passeios virtuais pelas salas do Museu Galileo Galilei.

Um passeio virtual pelo museu em Florença demonstra como a ciência se desenvolveu. Você verá muitos instrumentos e dispositivos de medição antigos com a ajuda dos quais um grande número de descobertas científicas em física, química e astronomia foram feitas.

Domínio Público

domínio público o que é

O C cortado na imagem deste post é o símbolo que indica que uma obra está em domínio público! Quando você o encontrar em algum material, pode estar certeza que ele está nessa situação. Assim, é possível baixar e até comercializar sem enfrentar problemas com os autores nem cometer nenhuma ilegalidade. Escrever e Ler

No Brasil, os direitos autorais duram por 70 anos após a morte do autor (contados a partir de 1 de janeiro do ano seguinte ao falecimento). Em geral, a regra é a mesma em outros países. Depois de um tempo do falecimento dos autores, os direitos autorais vencem.

O domínio público vale não apenas para livros, mas também para artigos, músicas, invenções e outras obras de tecnologia, cultura ou informação.

O “Portal Domínio Público“, lançado em novembro de 2004 (com um acervo inicial de 500 obras), propõe o compartilhamento de conhecimentos de forma equânime, colocando à disposição de todos os usuários da rede mundial de computadores – Internet – uma biblioteca virtual que deverá se constituir em referência para professores, alunos, pesquisadores e para a população em geral.

O portal Domínio Público constitui-se em um ambiente virtual que permite a coleta, a integração, a preservação e o compartilhamento de conhecimentos, sendo seu principal objetivo o de promover o amplo acesso às obras literárias, artísticas e científicas (na forma de textos, sons, imagens e vídeos), já em domínio público ou que tenham a sua divulgação devidamente autorizada, que constituem o patrimônio cultural brasileiro e universal.

Dominize-se: Biblioteca de objetos Leila Berlin, Maior biblioteca de magia e ocultismo do mundo digitaliza seu acervo, Biblioteca Tabera, Biblioteca Web, Flash na Biblioteca

10 sites para aprender um pouco de tudo

Aprender todos os idiomas do mundo

Um presente para quem adora aprender novas línguas. Com a ajuda de um mapa interativo, você pode escutar a mesma palavra em vários idiomas. Basta escrever e observar como ela se conecta com a equivalente em outras línguas.

Aprender a desenhar com areia

Se alguma vez você viu alguém desenhando com areia e ficou com vontade, este site é para você. Com ajuda de areia colorida você pode criar verdadeiras obras de arte. Para começar, basta apertar o botão direito do mouse e mover o cursor pela tela para acrescentar areia. Ao terminar o trabalho, você pode salvar o arquivo, imprimir e pendurar.

Administrar uma fazenda

Todas as informações sobre como criar galinhas, cultivar verduras, etc. O jogo começa com a informação de que, em 1931, 1 em cada 3 canadenses vivia numa granja, enquanto, hoje, 1 em cada 46. Em seguida, começa a brincadeira, em si. Escolha um personagem, o tipo de fazenda e mergulhe nos detalhes sobre como cultivar batatas, construir cercas, usar fertilizantes, leis, e muito mais.

Se sentir um artista

Você pode se transformar em Henrique V no cenário do Royal Shakespeare Theatre, interpretar Peer Gynt no Carnegie Hall, dançar na Grand Opera ou cantar a ária do cavaleiro Lohengrin, na ópera de Wagner. Basta escolher o gênero e o lugar e você chega a grandes cenários e tem a oportunidade de observar o ato desde os mais diferentes pontos de vista.

Conhecer a história da comida

Neste site, você pode ir ao supermercado e aprender como são produzidos seus alimentos favoritos, viajar a fazendas e aprender como é feito o açúcar, como são elaborado os doces, nadar até países longínquos e aprender como os mariscos chegam a nossas mesas. Tudo em apenas um site.

Se sentir um astronauta

Quer ir ao espaço sem sair da cadeira? Uma maravilha criada com a ajuda do telescópio Hubble que permite olhar para o espaço que envolve o nosso Planeta. Você consegue ver cada estrela de perto. Incrível!

As pinturas de Monet ganham vida

Interessante também para quem não tem nenhuma relação com a arte. Os famosos quadros de Claude Monet ganham vida e deixam o público se integrar aos eventos. Apertando alguns botões você pode tocar o sino de uma catedral pintada, dissolver uma neblina e deixar a água mais ondulada.

Café: da semente à xícara

Essa viagem interativa começa com um grão de café e vai até uma xícara de café. Desenhado de forma muito bonita, com ilustrações, animação e dados curiosos. Em inglês.

Visitar o Museu Virtual do Galileu Galilei

Graças às tecnologias informáticas, você pode visitar este museu científico sem sair de casa. Cada sala vem acompanhada de uma descrição. Infelizmente, está apenas em inglês e italiano. Não obstante, você pode ativar a opção Text e usar um tradutor automático.

Saber quantas pessoas há no espaço neste momento

Você pode consultar dados biográficos de cada astronauta. Muito legal!

Fontetheoryandpractice 
Fotogoodfon
Tradução e Adaptação: Incrível.club