por que nosso CÉREBRO está ENCOLHENDO?

por que nosso CÉREBRO está ENCOLHENDO?Ponto em Comum

Nosso cérebro está encolhendo se comparado com a massa cinzenta de nossos antepassados. Em média, o tamanho do interior do crânio de fósseis de seres humanos modernos de alguns milhares de anos atrás eram maior do que é hoje. Isso quer dizer que possivelmente temos menos neurônios ou até somos menos inteligentes atualmente do que no neolítico ou no paleolítico (idade da pedra).

A espécie homo sapiens passou por um longo caminho evolutivo pra se tornar inteligente, mas agora será que a humanidade está perdendo sua inteligência? Quando éramos apenas caçadores coletores, mulheres e homens das cavernas eram mais espertos do que hoje?

Cerebroze-se: Mapa 3D do cérebro humano, Como exercitar o cérebro no dia a dia, A Meditação e seu cerébro, Glândula pineal, e a calcificação da pinha., Alimentos e saúde mental, Vovô Tech e outras aulas grátis para idosos

Maria Montessori

Maria Montessori, a criadora do método pedagógico que leva seu nome, era uma mulher de caráter enérgico, cujo nascimento completou 150 anos em 31 de agosto, projetou seu revolucionário sistema educacional para ajudar crianças confinadas em hospícios, crianças presas em reformatórios, as crianças mais pobres e desfavorecidas. Irene Hernández Velasco – BBC News Mundo

Hoje, paradoxalmente, as beneficiadas com seu método são principalmente famílias ricas, capazes de arcar com as altas despesas para seus filhos estudarem em uma das 65 mil escolas montessorianas que existem no mundo e que recebem uma educação exclusiva e potencialmente melhor do que a tradicional.

Um fato é que os criadores da Amazon (Jeff Bezos) e Google (Sergey Brin e Larry Page), todos eles hoje multimilionários, estudaram em escolas que seguem o método Montessori.

Montessori tinha 28 anos quando, em 1898, começou a visitar um hospício em Roma e contemplou, horrorizada, como os pequenos internados naquela instituição eram tratados de forma absolutamente desumana, praticamente como animais. Alguns romanos iam ao local para atirar comida para as crianças, como faziam com animais do zoológico.

Vestidas com aventais sujos e esfarrapados, deixadas à própria sorte, essas crianças eram chamadas de “retardadas”, “deficientes” ou simplesmente “idiotas”. Entre elas estavam crianças com deficiência mental, epilépticas, cegas, surdas e autistas, que eram vistas como incuráveis.

Ela já havia visitado bairros pobres de Roma como médica voluntária (ela foi a terceira mulher em Roma a se formar em Medicina). Também havia ido ao reformatório, e ficou tão escandalizada quanto no hospício quando viu o abandono das crianças confinadas.

Com base nisso, ela moldou um método didático revolucionário para a época. Um método baseado em confiar nas crianças.

Os pequenos, disse Maria Montessori, não devem ser perseguidos, forçados ou dirigidos. Nem recompensados, nem punidos, nem mesmo corrigidos. Devem ser respeitados e, sem interferência, liberados em um ambiente em que tudo (espaço, móveis, objetos) esteja sob medida.

Ao defender o respeito às necessidades e aos interesses de cada estudante, de acordo com os estágios de desenvolvimento correspondentes às faixas etárias, Montessori argumentava que seu método não contrariava a natureza humana e, por isso, era mais eficiente do que os tradicionais. Os pequenos conduziriam o próprio aprendizado e ao professor caberia acompanhar o processo e detectar o modo particular de cada um manifestar seu potencial. Márcio Ferrarinovo escola

“Sigmund Freud descobriu o inconsciente; Albert Einstein, a relatividade; e Maria Montessori, a criança. Seu pensamento inaugurou uma nova era e muitas das coisas que consideramos naturais hoje, como respeito pelas crianças e escola democrática, são fruto das suas ideias”, diz à BBC News Mundo Cristina de Stefano, autora da biografia de Maria Montessori.

“Foi ela quem explicou que a criança é uma criatura com um cérebro muito poderoso, capaz de se concentrar muito e até se autoeducar, desde que seja respeitada desde o início e tenha permissão para trabalhar, tanto na família como na escola, no seu próprio ritmo”, acrescenta De Stefano.

Por causa dessa perspectiva desenvolvimentista, Montessori elegeu como prioridade os anos iniciais da vida. Para ela, a criança não é um pretendente a adulto e, como tal, um ser incompleto. Desde seu nascimento, já é um ser humano integral, o que inverte o foco da sala de aula tradicional, centrada no professor. Não foi por acaso que as escolas que fundou se chamavam Casa dei Bambini (Casa das crianças), evidenciando a prevalência do aluno. Foi nessas “casas” que ela explorou duas de suas ideias principais: a educação pelos sentidos e a educação pelo movimento.

A biografia, intitulada Il bambino è il maestro: Vita di Maria Montessori (A criança é a professora: Vida de Maria Montessori, em tradução livre), levou cinco anos de pesquisa.

Foi em 1907 que Maria Montessori abriu em San Lorenzo, então um dos bairros mais pobres de Roma, sua primeira escola: a Casa das Crianças. A partir daí, em alguns anos, seu método daria a volta ao mundo e a tornaria uma pessoa famosa.

Foi em 1907 que Maria Montessori abriu em San Lorenzo, então um dos bairros mais pobres de Roma, sua primeira escola: a Casa das Crianças. A partir daí, em alguns anos, seu método daria a volta ao mundo e a tornaria uma pessoa famosa.

Hoje, entretanto, muitas escolas Montessori estão em áreas abastadas e custam uma fortuna.

“É uma contradição. Um método que nasceu em um bairro pobre de Roma e que foi pensado com base na inclusão, para ajudar as crianças em dificuldade, tornou-se um método para os ricos”, disse Cristina de Stefano.

“Sem dúvida é um paradoxo. Mas também é preciso dizer que nos países em desenvolvimento o método montessori é usado para ajudar, por exemplo, crianças que passaram por guerras. Ainda há pessoas que continuam aplicando seu método para ajudar crianças em dificuldade”, complementa.

Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e objeto do ensino. Montessori defendia uma concepção de educação que se estende além dos limites do acúmulo de informações. O objetivo da escola é a formação integral do jovem, uma “educação para a vida”. A filosofia e os métodos elaborados pela médica italiana procuram desenvolver o potencial criativo desde a primeira infância, associando-o à vontade de aprender – conceito que ela considerava inerente a todos os seres humanos.

O método Montessori é fundamentalmente biológico. Sua prática se inspira na natureza e seus fundamentos teóricos são um corpo de informações científicas sobre o desenvolvimento infantil. Segundo seus seguidores, a evolução mental da criança acompanha o crescimento biológico e pode ser identificada em fases definidas, cada uma mais adequada a determinados tipos de conteúdo e aprendizado.

Mas essa não é a única incongruência relacionada a Maria Montessori. A mulher que dedicou sua vida às crianças, que nos ensinou a respeitá-las e valorizá-las, não foi a responsável por criar seu próprio filho.

Ela havia iniciado um relacionamento amoroso com um colega médico, Giuseppe Montesano. Era uma relação livre, sem vínculos.

A ideia do casamento não entrou nos planos de Montessori porque ela não acreditava na instituição do casamento e porque naquela época uma mulher casada não podia trabalhar fora de casa sem a autorização do marido.

Mas um dia, no final de 1897, Montessori descobriu que estava grávida de Montesano. Ela sabia que um filho fora do casamento encerraria sua carreira.

As duas famílias concordam que ela daria à luz em segredo. E quando em 31 de março de 1898 nasceu um menino, Mario, eles o registraram como filho de pai e mãe desconhecidos e o entregaram a uma enfermeira para criá-lo em Vicovaro, a 45 quilômetros de Roma.

Montesano e Montessori concordaram que os dois cuidariam da criança à distância. E também concordaram que nenhum dos dois jamais se casaria. Ela manteve o acordo, mas ele, não.

“Quando Montesano se casou com outra mulher e reconheceu a criança perante a lei como seu filho, Maria perdeu todos os direitos sobre a criança, que tinha 3 anos na época”, afirma De Stefano.

A emocionante biografia de Montessori tem outro ponto obscuro: sua colaboração, por exemplo, com o regime fascista de Benito Mussolini.

Mussolini ascendeu ao poder em 1922, iniciando um regime que desmantelou instituições democráticas italianas e se converteu em totalitário em 1925. Ele fora professor durante a juventude. E sonhava em fazer das escolas italianas uma fábrica de pequenos fascistas, de jovens disciplinados e obedientes.

Ela e Mussolini se encontram várias vezes e começaram uma estranha colaboração que durou dez anos. Até que, em 1933, profundamente decepcionada ao ver que Mussolini não cumpriu suas promessas de transformar as escolas italianas de acordo com seu método pedagógico, Montessori decidiu romper qualquer relação com o fascismo.

Mas essa mancha em sua biografia cobrou seu preço: ela foi indicada três vezes ao Prêmio Nobel da Paz, mas nunca ganhou.

Eduze-se: Índio Educa, A Educação Proibida, Outras famílias, Brincadeiras ao ar livre, Dia da baderna, Um sonho, Elisa de Oliveira Flemer e o Homeschooling, Jovens chineses minimalistas!, Capitão Fantástico

Quatro maneiras para você observar o Multiverso

4 MANEIRAS DE OBSERVAR O MULTIVERSOCanal do Schwarza

Os dados não confirmam e nem descartam a teoria dos multiversos, o que pode estar ajudando a proposta a ganhar força entre os físicos. New Scientist – Inovação Tecnológica

Para alguns, a pergunta se existe vida em outros universos é fácil de ser respondida, uma vez que os múltiplos universos seriam nada menos do que réplicas deste nosso universo, em cada um dos quais ocorreria uma das inúmeras possibilidades de eventos que são tão caras à mecânica quântica.

Nessa interpretação, toda vez que você faz uma escolha, você influencia uma infinidade de universos, o que inclui uma infinidade de outros “vocês” – alguns deles levando vidas muito diferentes da sua porque suas decisões “colapsaram” de forma diferente.

Isso pode soar como um conceito vindo de uma imaginação febril, mas muitos físicos acreditam que o multiverso é real.

E eles apresentam seus indícios. Aqui estão quatro deles, quatro maneiras que o multiverso pode estar se manifestando em nosso mundo cotidiano.

A função de onda

Ela nasceu como uma entidade matemática, embora alguns físicos defendam que a função de onda é uma entidade real.

A função de onda descreve as propriedades de qualquer sistema quântico. Essas propriedades – a direção do spin de um átomo, por exemplo – podem assumir vários valores de uma só vez, no que é conhecido como superposição quântica. Mas quando medimos uma dessas propriedades, ela tem sempre um único valor – no caso de spin, esse valor é expresso como “para cima” ou “para baixo”.

Princípio da exclusão de Pauli: Cada estado ou orbital eletrônico pode comportar um máximo de dois elétrons, que devem possui valores de spins opostos. Cola da Web

Na tradicional interpretação de Copenhague da mecânica quântica, diz-se que a função de onda “colapsa” quando a medição é feita, mas não está claro como isso acontece. O famoso gato de Schrodinger, nem vivo nem morto até que alguém olhe dentro de sua caixa, ilustra isso.

Na teoria dos multiversos, a função de onda nunca colapsa. Em vez disso, ela descreve a propriedade ao longo de vários universos. Neste universo o spin do átomo está para cima; em outro universo, ele está para baixo. Quando você fizer a medição, “infalivelmente” encontrará o valor da propriedade que vale para este universo.

Dualidade onda-partícula

No experimento de referência para explicitar a dualidade onda-partícula, foram enviados fótons, um de cada vez, por um par de fendas, com uma tela fosforescente atrás delas. A medição em cada uma das fendas registra fótons individuais, que passam como partículas por uma ou por outra fenda.

Mas deixe o aparelho funcionando e um padrão de interferência irá se acumular na tela, como se cada fóton tivesse passado pelas duas fendas ao mesmo tempo e difratado em cada delas, como uma onda clássica.

Esta dualidade tem sido descrita como o “mistério central” da mecânica quântica. Na interpretação de Copenhague, ela é devida ao colapso da função de onda. Deixado à própria sorte, cada fóton vai passar pelas duas fendas ao mesmo tempo: é a medição que os força a “escolher” uma das fendas.

Na teoria dos multiversos, contudo, cada fóton só passa por uma das fendas. O padrão de interferência emerge quando um fóton interage com seu clone que está passando pela outra fenda em um universo paralelo.

Computação quântica

Embora os computadores quânticos ainda estejam em sua infância, eles são, em teoria, incrivelmente poderosos, capazes de resolver problemas complexos muito mais rapidamente do que qualquer computador clássico.

Na interpretação de Copenhague, isto ocorre porque o computador quântico está trabalhando com qubits entrelaçados e superpostos, que podem assumir muitos mais estados do que os valores binários disponíveis para os bits usados pelos computadores clássicos.

Na interpretação dos multiversos, os computadores quânticos são rápidos porque realizam seus cálculos em muitos universos ao mesmo tempo, com as partículas trocando dados de um universo para outro.

Se isso parece muito estranho, lembre-se que, na tradição mais aceita, essas partículas influenciam-se mutuamente mesmo que estejam em extremos opostos da galáxia, tudo instantaneamente – ninguém sabe como.

Einstein chamou isso de ação fantasmagórica à distância, enquanto alguns físicos já defendem que existem influências escondidas além do espaço-tempo.

Se as propriedades quânticas não fossem estranhas o suficiente, físicos já separaram uma partícula de suas propriedades. Vienna University of Technology

Roleta russa quântica

Isto equivale a interpretar você mesmo o papel de gato de Schrodinger.

Você vai precisar de uma arma cujo disparo seja controlado por uma propriedade quântica, como o spin de um átomo, que tem dois estados possíveis quando medido.

Se a interpretação de Copenhague está certa, você tem os familiares 50% de chance de sobrevivência. Quanto mais vezes você “jogar”, menos provável será que você sobreviva.

Se o multiverso for real, por outro lado, sempre haverá um universo em que “você” estará vivo, não importa quanto tempo você jogar. Além do mais, você pode sempre acabar nele, graças ao elevado status do “observador” na mecânica quântica. Você vai apenas ouvir uma série de cliques, já que o disparo da arma vai falhar todas as vezes.

Em outras palavras, “você” vai perceber que é essencialmente imortal – o problema é que não é exatamente esse “você” que agora você chama de eu.

Assim, talvez seja melhor não tentar, mesmo porque tudo isto são hipóteses ou teorias – ou interpretações de hipóteses e teorias.

Segundo um experimento mental chamado “Suicídio quântico”, se você for colocado em uma sala com uma arma nuclear e um gatilho de prótons, você pode sobreviver. Felipe SérvuloMistérios do Universo

Não tente isso em casa

Obserze-se: Multiverso MARVEL, OS ETERNOS DA MARVEL ESTÃO NA BÍBLIA, Free Acess, Se eu não tivesse te conhecido, Esta estação de metrô parece abandonada?, Rick and Morty, C1.21, The Who – My Generation, Outros viajantes do tempo

Onde Estão Todas as Civilizações Inteligentes? (O Paradoxo de Fermi)

Onde Estão Todas as Civilizações Inteligentes? (O Paradoxo de Fermi) Ciência Todo Dia

Os nossos cálculos mais recentes mostram que deveriam existir pelo menos 100.000 civilizações na Via Láctea. A questão que fica é: onde estão todas elas? Esse é o Paradoxo de Fermi, e nesse vídeo apresentaremos as melhores hipóteses para tentar explicar o porquê de nenhuma civilização (caso elas existam) terem feito contato com a gente ainda.

Fermize-se: Australia Day, O PARADOXO DE MORAVEC, O Paradoxo de Fermi, FAKE X DISCERNIMENTO e CARTA 7 de Platão, Religião mental

MICÉLIO: O Plástico do Futuro?

MICÉLIO: O Plástico do Futuro?Elementar

Cientistas estão criando o plástico do futuro a partir do Micélio, e o que eles estão fazendo com esse material é incrível. Mas será que vamos conseguir substituir todo o plástico?

De início, o plástico surgiu como um substituto pro marfim, um material retirado das presas de elefantes selvagens. O primeiro plástico totalmente sintético foi inventado em 1907 por Leo Baekeland, ele se chamava baquelite e, além de ser um bom isolante, era durável, resistente ao calor e oferecia possibilidades infinitas de aplicação. Mas, foi só durante a Segunda Guerra Mundial que a indústria do plástico realmente cresceu.

O plástico passou a ser usado nas engrenagens dos veículos, em cabos de paraquedas, nos pneus dos carros… enfim, o material foi descoberto quase como um milagre durante a guerra. O problema é que depois de colocar o plástico num pedestal, a geração do pós-guerra começou a enxergar ele mais como uma maldição do que como um indício de sucesso.

Em uma rápida pesquisa no Google ele nos informa que em média, o plástico demora 500 anos pra se decompor, podendo variar de acordo com o tipo e uso. E como a descoberta do material em si tem pouco mais de 100 anos, é provável que o primeiro plástico da história ainda esteja por ai, e vai continuar por um bom tempo.

A situação é tão assustadora que pode ser encontrado plástico até no nosso estômago, um estudo concluiu que é como se estivéssemos comendo cerca de um cartão de crédito por semana.

Pesquisadores de todo o mundo já perceberam o problema, por isso estão procurando materiais alternativos pro plástico, ou pelo menos pra algumas das intermináveis aplicações dele, e foi exatamente nessa busca que descobriram os cogumelos. Mas, o interesse dos pesquisadores não tá na parte que você usa pra fazer sopa, o foco é no micélio, que é basicamente a raiz do fungo.

Fungoze-se: A chocante monotonia das prateleiras de supermercados, Fortalecer a imunidade é importante: saiba o que comer e o que evitar, Concreto verde e parede viva, Cogumelos mágicos para a dor crônica, Cogumelos transformam resíduos agrícolas tóxicos em ração animal, Saúde no pé

The Batmobile Documentary Livestream

Batman | The Batmobile Documentary Livestream | Warner Bros. Entertainment

For #DCTuesdays, discover the history of the iconic #Batmobile from the early comics to the animated series and everything in between.

Notable Batman movie directors including Chris Nolan, Joel Schumacher and Tim Burton, as well as actors Christian Bale from “The Dark Knight” and Adam West from the 1960s Batman series discuss the evolution of the Dark Knight’s eponymous automobile.

Batmolize-se: Carrinho de controle remoto, simples e rápido, Batmóvel – Infográfico, Batman – O Livro dos mortos, Rick and Morty: 5ª temporada, A mente do coringa, The Art of the Brick: DC Super Heroes, Kay Pike and Lianne Moseley

Your Name – Filme

Your Name fala sobre uma garota do interior, que troca de corpo com um garoto da cidade.

Mitsuha Miyamizu é uma jovem que mora no interior do Japão e que deseja deixar sua pequena cidade para trás para tentar a sorte em Tóquio. Enquanto isso, Taki Tachibana, é um jovem que trabalha em um restaurante italiano em Tóquio, e deseja largar o seu emprego para tentar se tornar um arquiteto.

Como é uma animação gostosa de ser assistida, dá vontade mesmo de ter uns minutos a mais, principalmente no final!

Yourze-se: Trilha sonora de Akira, Round 6 apavora partido comunista chinês com sucesso estrondoso na China, apesar do firewall, Akai Koudan Zillion Dublado, 30 Matrix indígenas

A Equação de Drake: Existe Vida Fora da Terra?

A Equação de Drake: Existe Vida Fora da Terra? Ciência Todo Dia

A Equação de Drake é bastante famosa quando o assunto é a busca por vida extraterrestre. Ela não é uma equação “científica”, mas serve perfeitamente como uma base para sabermos o que e onde procurar. Nesse vídeo analisaremos cada termo dela.

E se uma Bomba Nuclear EXPLODISSE em São Paulo?

Vamos para um cenário hipotético: o que aconteceria se uma bomba nuclear fosse detonada em São Paulo? A ideia desse vídeo é usar esse cenário hipotético para ensinar alguns conceitos de física nuclear, como radiação, radioatividade e os efeitos no corpo humano da radiação.

Drakeze-se: Só Os Loucos Sabem, Mandrágora, Substância de membrana celular é encontrada no espaço, Australia Day, Antropoceno, Cerejas do Brasil e Grumixama!?!, Eu voto em você!?!, Preconceitos, padrões, estigmas e outras anomalias, Prêmio Darwin, Darwin cadê você?