Remédio e recurso renovável 1.2

A cannabis sempre foi usada como remédio e recurso renovável. Há pelo menos 5 mil anos desde o seu primeiro registro, ela era utilizada por diversas culturas. Vibe positiva – Legalize

Até que um belo dia, homens poderosos decidiram que ela deveria ser proibida, e a proibiram no mundo inteiro. Jesus Hemp10 de janeiro de 2023

Interesses políticos, industriais, financeiros e muito preconceito dominam o debate a pelo menos 100 anos.

A realidade que os ignorantes não aceitam, é que a proibição da Cannabis nunca foi por questões de saúde pública!

It only took special interests, big money, & politics to mess everything up!! #Cannabis has been considered medicine for hundreds of years…. David Dinenberg – @daviddinenberg1:00 PM · Dec 5, 2022

MarleyMac – @MarleyMac11

Palavras PerdidasPotenciais interações farmacológicas com a cannabis, Gravidez, Cannabis ou Álcool, Comidinhas de Maconha, Mais pessoas estão usando maconha como um substituto ao álcool e remédios, diz estudo, Cannabis é promissora no combate à Covid-19

6 Evil Things Done By Corporations Throughout History

Corporations entering the crosshairs of regulatory battles is a typical scene, you’ll find that regulatory issues and litigious mistakes are part of the package. You will hardly find a corporation that presents itself as a saint, however, some corporations are known for their ignoble roles in facilitating some of the most atrocious acts in history. 6 Evil Things Done By Corporations Throughout History – Eric Chang

Pharmaceutical companies selling opioids abroad after creating an addiction epidemic in the US, which explains why US pharmaceutical companies would convince doctors to prescribe powerful painkillers and claim they are safe, not quite, because over time, these addictive drugs kickstarted a nationwide epidemic of opioid abuse that killed an estimated 200,000 people.

US opioid sales plummeted as subsequent legislation began cracking down on such atrocities. Pharmaceutical companies such as Purdue had already redirected their painkiller marketing operations to conquer new markets abroad.

With the same marketing strategy in the US, mainly paying doctors to hold seminars where they can sugarcoat the benefits of opioids as the best way to manage pain, recording incredible numbers in China and territories generally familiar with massive opioid addiction.

The world often suffers from opioid shortages, with terminal cancer patients, end-stage HIV/AIDS patients and pregnant women being the most affected.

The best target market for these drug behemoths, the middle and upper class who suffer from chronic pain – long term loyal buyers and “enthusiastic devotees”. And guess what the Oxford Languages Dictionary calls them? Addicts, as the short-term pain and cheaper generic morphine can help manage pain, as opposed to more expensive, fancy drugs like OxyContin.

In the early 20th century, the practice of eugenics began to spread like wildfire, led by Darwin’s ambitious cousin Francis Galton, spurring a master race of humans who decided who could reproduce and who couldn’t.

People classified as mentally feeble, deformed, handicapped, deaf or blind had to be gathered in one place and sterilized from time to time to make them better human beings.

Of course, the Americans adopted this idea, except that they probably took it to extraordinary extremes. When Fernald State School opened in the 1920’s, what many saw was a school, an institute to serve people with developmental skills.

But as time went on, it degenerated into a playpen for children who were considered idiots, imbeciles and idiots. Even unwanted children and orphans of normal intelligence were included; after all, the institution could use some free handiwork every now and then.

In the 1940s conditions at Fernald were worse than deplorable. Hard labor, beatings, isolation and sexual abuse flourished so much that you would think you were in Sodom.

A few gentlemen from the Massachusetts Institute of Technology showed up, offering gifts like extra breakfast rations and trips to football games to a select group of kids after enlisting them as members of a “Science Club for Kids,” What they didn’t know was that the breakfast oatmeal given to these children was laced with tracers of calcium and radioactive irons.

The whole Science Club hoax was a front to facilitate an experiment commissioned by the Quaker Oats Company, the radiation levels in the oatmeal were “harmless”, but Quaker failed to respect the consent of children and even parents if they were willing to make a quick appearance of the Lab Rat.

In law, Quaker Oats knew they were completely out of line as the Nuremberg Code banning exploratory research practices had just been released. In the late 1990s, dozens of Fernald students banded together to file a class-action lawsuit against Quaker, MIT, and the government, but later settled on a $3 million out-of-court settlement.

In 2010, US restaurants lost revenue because most customers preferred flavored water to Coca-Cola, Coca-Cola launched a program called “Cap the Tap”, according to the company’s official website, “Cap the Tap” was a campaign against wasting water, however, the same campaign material brings suggestive sales methods to convert orders for tap water into orders for revenue-generating beverages.

The program invites, trains, and rewards bartenders for offering customers diet soda, smoothies, and iced tea, and if they insist on drinking water, they should offer them Coke bottled water, of course. But this is where things get really weird.

Bottled water represents an environmental disaster and is worse for children than tap water, which is safer when well regulated. Even worse, bottled water is tap water itself, so Coca-Cola takes more water to pack free tap water and sells it at ridiculous prices.

The program invites, trains, and rewards bartenders for offering customers diet soda, smoothies, and iced tea, and if they insist on drinking water, they should offer them Coke bottled water, of course. But this is where things get really weird.

Bottled water represents an environmental disaster and is worse for children than tap water, which is safer when well regulated. Even worse, bottled water is tap water itself, so Coca-Cola takes more water to pack free tap water and sells it at ridiculous prices.

The NFL has a problem, kids make up the league’s most vibrant talent pool and audience, but the numbers dwindle each year as football takes on a somewhat sordid reputation across the United States. Research data shows that 60% of the most loyal NFL fans started following football before elementary school.

The first hook was to alleviate the mother’s fears, saying that the media is the enemy, guilty of misinforming the public and exaggerating the frequency of concussions and other sporting risks, moreover, it is on record that these clinics also minimize the risk of brain damage in football or, in some cases, pretend that there is no risk of harm.

And when you use twisted facts and pathos to manipulate parents into seeing themselves as an obstacle to their children achieving their dreams and goals, that is corporate fraud and conspiracy to cause grievous bodily harm.

As the 2010 US Congressional elections approached, Facebook embarked on an experiment that essentially tricked random people into voting by filling their feeds with photos of civically responsible friends, over 340,000 Facebook users may have been influenced to go to the polls.

From selling $100,000 worth of ads to Russian troll farms during the 2016 election, to running fake stories over the real ones to generate mass panic and harvesting your activities to sell your personality profile to advertising companies, Facebook clearly does not it has limits.

This explains why companies like Cambridge Analytica could somehow harvest the data of 87 million Facebook users to manipulate users into voting for Donald Trump in the election. Or use new feeds and articles to discourage anti-Jewish or anti-Muslim voters from voting against Hillary Clinton.

Enron isn’t that bad, in fact they are the bottom line. For example, in 2001, rumors circulated that Enron had intentionally caused blackouts so that demand for energy would legitimize rising energy prices. .

The CEO of Enron, Kennedy Law, joked, responding that they were just conspiracy theories and should be disregarded, but two months later, a scandalous tape reached the media, where Enron is heard causing a blackout, precisely from the 38th second of the audio playback, and you can imagine this has been going on for some time.

On this tape, employees are laughing about stealing $1 million daily from California, swindling old grandmothers, and then talking about the country’s problems, according to sources, Enron made over $1.6 billion in profits, and a poor Gray Davis, then governor of California, lost his job to Terminator after one of the most tumultuous terms in the state’s history.

There is a legal concept that treats corporations as human beings hiding behind a veil, humans often make up these establishments. The irony, however, is that this legal fiction suggests that corporations can be just as bad, sometimes more so. Quaker Oats, Facebook, NFL, Enron, Coca-Cola and Purdue are all required evidence.

Palavras Perdidas: A água oculta, Dolly vira o jogo, Leite de aveia, Museu dos grandes fracassos criativos, Ranking da poluição plástica nos oceanos, Exu tranca-copa, Meta e a moeda digital Zuck Bucks, 5 INVENÇÕES PERDIDAS DE NIKOLA TESLA QUE AMEAÇARAM A ELITE GLOBAL, Micro hidrelétrica e redemoinhos

COMO CULTIVAR O WASABI

A planta do wasabi foi mencionada pela primeira vez em um antigo dicionário médico no Japão, que citava o uso de suas folhas. De 1603 a 1867, o wasabi foi usado como um condimento para soba, um tipo de macarrão. Recentemente começou a ser utilizado em Niguiri, que é o sushi moldado à mão, e foi usado pela primeira (1804 e 1818) vez para disfarçar o odor do peixe cavala. Em 1970 a Indústria S&B desenvolveu o primeiro wasabi em tubo – o primeiro produto de seu tipo a ser lançado no mercado japonês. UM CANCERIANO UNIVERSAL.11 DE SETEMBRO DE 2014

COMO CULTIVAR O WASABIREZENHANDO. 29 de jun. de 2020

Um hobby ou fonte de renda e alimentos saudáveis, cultivar frutíferas, ervas medicinais e flores é um pode ser delicioso desafio e um documentário sobre Wasabi desvenda o quão é difícil seu cultivo, mesmo no Japão, país de origem, que não dá conta da demanda, onde muitos locais servem a raiz forte (Krein,Crem) ou o Nabo Japonês, ambos com corante e algumas especiarias para enganar o paladar de seus fregueses.  / FELIPE CALABREZ

El wasabi: la planta más difícil de cultivarGreat Big Historias. 28 de mar. de 2018

La mayoría de las veces, el wasabi que recibes en un restaurante o compras en una tienda es falso. En realidad es rábano picante que tiñen de color verde. ¿Por qué? Resulta que el wasabi es una planta sumamente difícil de cultivar. De hecho, se considera la planta más difícil de producir comercialmente en el mundo. Sin embargo, desde el siglo pasado, la Granja Daio Wasabi, en Hokata, Japón, ha estado produciendo wasabi exitosamente con agua de manantial de sus montañas aledañas.

Ven con nosotros mientras exploramos las historias más extrañas y deliciosas del mundo culinario.

¿Tienes alguna idea para una gran historia?

E aí curtiu a dica? Comente, seu comentário é a alma do blog e canal!

Até mais e obrigado pelos peixes!

Palavras PerdidasWASABI, Google Street View Olímpiadas Japan e others app, Extintion by Japan, Horóscopo Japonês (Zenchi Juunichi Onmyodo), Coleção de arte japonesa de Van Gogh, para download, 13 Reasons Why: trilha sonora da série, Guia para quem vai a SP pela primeira vez na vida…e Sozinha!

A indústria farmacêutica está fora de controle??? 1.2

Confira abaixo e responda você mesmo a pergunta do título! (Homeopatia Ação Pelo Semelhante)

Construímos um sistema médico em que o ato de enganar não é apenas tolerado, mas recompensado, a afirmação é de Carl Elliot, professor de Bioética e Filosofia na Universidade de Minnesota e autor do livro White Coat, Black Hat – Adventures on the Dark Side of Medicine em português: Jaleco branco, chapéu preto: aventuras no lado negro da medicina. EDSON JESUS

O livro de Elliot se junta a uma série de obras que, nos últimos 17 anos, vem revelando que a indústria farmacêutica escapou de todo o controle e que tem influência sobre a formação, a pesquisa e os médicos. Quando o Estado é cúmplice, ele mostra-se incompetente e corrupto e a doença é a desinformação. Celso Galli Coimbra – 02/03/2013

A entrevista com a médica Ghislaine Lanctot, feita por Laura Jimeno Muñoz para a Revista Discovery Salud permite refletir, por exemplo,  porque a reposição hormonal da Vitamina D – de vital importância para a saúde humana – é recusada, censurada, objeto de mentiras dentro da Medicina, enquanto as terapias de alta complexidade e de alto custo são privilegiadas, como por exemplo, a persistente indução a transplantações de órgãos desnecessárias, quando 80% destas últimas situações poderiam ser evitadas por atitude médica gestoramédica clínica e políticas governamentais de simples prevenção da saúde.

A autora de A Máfia Médica acabou os seus estudos de Medicina em 1967, numa época em que estava convencida de que a Medicina era extraordinária e poderia curar qualquer enfermidade. Só que essa primeira ilusão foi-se apagando até extinguir-se.

Ao dar-se conta do controle e da manipulação a que estão sujeitos os médicos – e os futuros médicos, ou sejam os estudantes – entendeu claramente que a Medicina é, antes de tudo, um negócio. A Medicina está controlada pelos seguros-públicos ou privados, o que dá na mesma, porque enquanto alguém tem um seguro perde o controle sobre o tipo de medicina a que acede. Já não pode escolher. E há mais, os seguros determinam inclusivamente o preço de cada tratamento e as terapias que se vão praticar.

“A Máfia Médica” é o título do livro lançado em 2010 que custou à doutora Lanctot a sua expulsão do colégio de médicos e a retirada da sua licença para exercer medicina. Trata-se provavelmente da denúncia publicada mais completa, integral, explícita e clara do papel que forma, a nível mundial, o complô formado pelo Sistema Sanitário e pela Indústria Farmacêutica. Notícias Naturais

O chamado sistema sanitário é na realidade um sistema de enfermidade, uma medicina da enfermidade e não da saúde, só reconhece a existência do corpo físico e sem considerar nem o espírito, nem a mente, nem as emoções. Trata apenas o sintoma e não a causa do problema mantendo o paciente na ignorância e na dependência, estimulando-o para que consuma fármacos de todo o tipo.

Em que pese as denúncias deste livro e na  entrevista de sua autora, é fundamental os cidadãos entenderem que cabe a eles, tanto como membros da sociedade ou como pacientes, exigirem por atitudes de quem está bem informado, o retorno da ética na medicina voltada para o paciente e para a prevenção de doenças. E isto começa por usar suas informações para escolher os médicos éticos a quem recorrer e passa por exigir do Estado transparência, honestidade em sua obrigação constitucional (Art. 196 da CF) de universalizar o atendimento à saúde e a promoção da saúde, sem atender os interesses contrários da indústria farmacêutica e de quem estiver, em qualquer meio profissional, comprometido com esta motivação escusa.

No que concerne ao médico, lembramos a diretriz básica da Resolução do Conselho Federal de Medicina, 1098, de 30.06.83, ratificando decisão da ASSEMBLÉIA MUNDIAL DE MÉDICOS EM TÓQUIO, de 1975, que foi esquecida:

“No tratamento de um paciente, o médico deve ter liberdade para empregar um novo diagnóstico e uma nova medida terapêutica se, em sua opinião, ela oferece esperança de salvar vida, restabelecer a saúde ou minorar os sofrimentos.”

“O livro é pura artilharia pesada contra todos os medos e mentiras que destroem a nossa saúde e a nossa capacidade de auto-regulação natural, tornando-nos manipuláveis e completamente dependentes do sistema.”

“A OMS é a organização que estabelece, em nome da saúde, a “política de enfermidade” em todos os países. Todo o mundo tem que obedecer cegamente às diretrizes da OMS. Não há escapatória. De fato, desde 1977, com a Declaração de Alma Ata, nada pode escapar ao seu controle.”

Trata-se de uma declaração que dá à OMS os meios para estabelecer os critérios e normas internacionais da prática médica. Assim, foi retirada aos países a sua soberania em matéria de saúde para transferi-la para um governo mundial não eleito, cujo “ministério da saúde” é a OMS. Desde então, “direito à saúde” significa “direito à medicação”. Foi assim que, impuseram as vacinas e os medicamentos, a toda a população do globo.”

Uma máfia sumamente poderosa, onipotente, diria Lanctot, eliminou toda a competência, orientam os investigadores e os dissidentes são encarcerados, manietados e reduzidos ao silêncio. Aos médicos “alternativos” intitulam-nos de loucos, retiram-lhes a licença, ou encarceram-nos, também.

umbrella

Em diferentes escalas e com distintas implicações, com certeza, a indústria farmacêutica, as autoridades políticas, os grandes laboratórios, os hospitais, as companhias seguradoras, as Agencias dos Medicamentos, as Ordens dos Médicos, os próprios médicos, a Organização Mundial de Saúde (OMS) – o Ministério da Saúde da ONU – e, com certeza, o governo mundial na sombra do dinheiro.

Investigações de eminentes médicos indicam que o HIV foi criado enquanto se faziam ensaios de vacinação contra a hepatite B em grupos de homossexuais. E tudo indica que o continente africano foi contaminado do mesmo modo durante campanhas de vacinação contra a varíola. Claro que outros investigadores vão mais longe ainda e afirmam que o vírus da sida foi cultivado como arma biológica e depois deliberadamente propagado mediante a vacinação de grupos de população que se queriam exterminar.

O chamado câncer, ou seja, a massiva proliferação anômala de células, é algo tão habitual que todos o padecemos várias vezes ao longo da nossa vida. O problema surge quando o nosso sistema imunitário está débil e não pode eliminá-las. Então o conjunto de células cancerosas acaba crescendo e formando um tumor.

O médico é – muitas vezes de uma forma inconsciente, é verdade – a correia de transmissão da grande indústria, nos 5 a 10 anos que passa na Faculdade de Medicina, nos hospitais e congressos médicos, o sistema encarrega-se de lhe inculcar uns determinados conhecimentos e de lhe fechar os olhos para outras possibilidades, reforçando a ideia de que a função do médico é curar e salvar vidas, de que a enfermidade e a morte são fracassos que deve evitar a todo o custo e de que o ensinamento recebido é o único válido, ensina-se-lhes que o médico não deve implicar-se emocionalmente e que é um «deus» da saúde. Daí resulta que exista caça às bruxas entre os próprios profissionais da medicina. A medicina oficial, a científica, não pode permitir que existam outras formas de curar que não sejam servis ao sistema.

A medicina científica se baseia na física materialista de Newton: tal efeito obedece a tal causa, uma medicina que ademais só reconhece o que se vê, se toca, ou se mede e nega toda a conexão entre as emoções, o pensamento, a consciência e o estado de saúde do físico. E quando a importunamos com algum problema desse tipo cola a etiqueta de enfermidade psicossomática ao paciente e envia-o para casa, receitando-lhe comprimidos para os nervos.

Os produtos alternativos rentáveis igualmente monopolizados nas mãos das multinacionais graças às normativas da OMS e às patentes da Organização Mundial do Comércio, as autoridades e os seus meios de comunicação social ocupam-se a alimentarem o medo da enfermidade, da velhice e da morte. De facto, a obsessão por viver mais ou, simplesmente, por sobreviver, fez prosperar inclusivamente o tráfico internacional de órgãos, sangue e embriões humanos. E em muitas clínicas de fertilização, na realidade “fabricam-se” uma multitude de embriões, que logo se armazenam para serem utilizados em cosmética, em tratamentos rejuvenescedores, etc. Isso sem contar com o que se irradiam os alimentos, se modificam os genes, a água está contaminada, o ar envenenado. E mais, as crianças recebem, absurdamente, até 35 vacinas antes de irem para a escola. E assim, cada membro da família tem já o seu comprimido: o pai, o Viagra; a mãe, o Prozac; o filho, o Ritalin. E tudo isto para quê? Porque o resultado é conhecido: os custos sanitários sobem e sobem, mas as pessoas continuam adoecendo e morrendo da mesma forma.

A medicina convencional só se ocupa em fazer desaparecer os sintomas, salvo no que se refere à cirurgia, os antibióticos e algumas poucas coisas mais, como os modernos meios de diagnóstico, têm-se a impressão de curar mas não cura. Simplesmente elimina a manifestação do problema no corpo físico mas este, cedo ou tarde, ressurge.

Ghislaine Lanctot apresenta três hipóteses para a existência desse sistema de enfermidade. A primeira é que talvez não saibam que tudo isto se passa (difícil de aceitar, nos últimos 32 anos várias publicações denunciaram a corrupção do sistema e a conspiração existente), a segunda hipótese é que não podem acabar com ele, mas os governos têm esse poder e a terceira é que não querem acabar com o sistema.

mafia-medica

A medicina atual está concebida para que os seres humanos permaneçam doentes o maior tempo possível e compre fármacos; se possível, toda a vida.

As chamadas medicinas suaves ou não agressivas são uma melhor opção porque tratam o paciente de uma forma holística, qualquer das chamadas medicinas alternativas constituem uma boa ajuda mas apenas isso: complementos, porque o verdadeiro médico é o próprio. A soberania sobre a própria saúde permite ao enfermo (seres soberanos) curar-se, nada pode fazê-lo em seu lugar, a autocura é a única medicina que cura. Nas nossas mãos está pois, romper essa escravidão.

A máfia médica desmoronar-se-á como um castelo de cartas quando 5% da população perder a sua confiança nela. Basta que essa percentagem da população mundial seja consciente e conectado com a sua própria divindade.

Palavras PerdidasA história da Homeopatia, Farmácia de manipulação, Farmácia de manipulação?!?, El sistema endocannabinoide, Elisaldo CarliniRemédio caseiro para controle de pulgas

A história da Homeopatia

A história da HomeopatiaVocê sabia disso? 4 de dez. de 2022

    A história da homeopatia é fundamentada nas descobertas de Christian Friedrich Samuel Hahnemann (1755-1843), nascido no leste da Alemanha, um médico que cunhou o termo homeopatia a partir da junção das palavras “ὅμοιος hómoios,/homoion” que significa similar em grego, e “ πάθος páthos” sofrimento/doença.  Para se referir ao princípio de cura pelos semelhantes, que se tornou o princípio da homeopatia. Associação médica Homeopática – 22/10/2019

    Segundo Paul Ulrich Unschuld, o regime nazista na Alemanha era fascinado pela homeopatia e gastou grandes somas de dinheiro na pesquisa de seus mecanismos, mas sem obter um resultado positivo. Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Sendo que a lei dos semelhantes foi descrita por Hipócrates e Paracelso séculos antes, bem como foi utilizada por diversas sociedades, como os maias, chineses, gregos, índios nativos americanos e asiáticos.

    Baseia-se no princípio similia similibus curantur (do latim: “semelhante pelo semelhante se cura”), ou seja, o suposto tratamento se dá a partir da diluição e dinamização da mesma substância que produz o sintoma num indivíduo saudável.

    Selo alemão comemorativo dos 200 anos de homeopatia, repetindo a máxima de Hahnemannsimilia similibus curantur

    A homeopatia considera os sintomas uma reação contra a doença. A doença seria uma perturbação de uma energia vital, e a homeopatia buscaria o restabelecimento do equilíbrio, que o sistema de cura natural da pessoa seria estimulado a estabelecer uma reação de restauração da saúde por suas próprias forças, de dentro para fora, seria para a pessoa como um todo e não somente para a doença.

    Nos primeiros 15 anos de sua prática da medicina Samuel Hahnemann lutou desesperadamente para ganhar a vida, um dia desconfiou da explicação dada pelo autor para a ação do medicamento sobre a malária, e publica em 1796 um artigo onde descreve uma teoria sobre o poder curativo das plantas, seguindo por seu famoso trabalho publicado em 1810 The Organon of Healing Art., onde introduziu o conceito de “miasmas” como “princípios infecciosos” subjacentes à doença crônica. Marcelo Gerra – Iris Homeopatia

    Os testes para descobrir que efeitos as substâncias produziam em seres humanos, um procedimento que mais tarde se tornaria conhecido como “provação homeopática”, exigiam que os indivíduos testassem os efeitos da ingestão de substâncias registrando claramente todos os seus sintomas, bem como as condições auxiliares sob as quais eles apareciam, publicando uma coleção de provações em 1805, e uma segunda coleção de 65 preparações apareceu em seu livro; Materia Medica Pura (1810).

    Hahnemann desenvolveu uma técnica para fazer diluições que acreditava preservar as propriedades terapêuticas de uma substância ao mesmo tempo que removia seus efeitos nocivos, no qual esse processo despertava e aprimorava “os poderes medicinais espirituais das substâncias brutas”. Uma visão completa de seu novo sistema médico em seu livro Organon da Arte de Curar (1810), cuja 6ª edição, publicada em 1921, ainda hoje é usada pelos homeopatas.

    O preparo dos compostos homeopáticos segue princípios e técnicas bem definidos e simples em si [a questão da validade não é aqui discutida]. De ordinário, há as seguintes etapas:

    1. Extração dum princípio mineral ou vegetal da fonte;
    2. Pulverização (trituração e moagem) do insumo, quando necessário;
    3. Dissolução num veículo adequado, aquoso, hidroalcoólico, etc.;
    4. Diluição em sequência centesimal hahnemanniana;
    5. Sucussão, Dinamização ou Potencialização.

    O termo cunhado por Hahnemann apareceu pela primeira vez em 1807, enquanto traduzia um tratado médico do médico e químico escocês William Cullen para o alemão. uma teoria de Cullen sobre o uso de cinchona na cura da malária. Hahnemann ingeriu um pouco de casca especificamente para investigar o que aconteceria. Ele teve febre, tremores e dores nas articulações, sintomas similares aos da própria malária. Um relato dos efeitos da ingestão de casca de cinchona, observado por Oliver Wendell Holmes, e publicado em 1861, não conseguiu reproduzir os sintomas relatados por Hahnemann. A lei de Hahnemann sobre similares é um ipse dixit que não deriva do método científico.

    Trabalhos científicos posteriores mostraram que a cinchona cura a malária porque contém quinina, que mata o parasita Plasmodium falciparum que causa a doença; o mecanismo de ação não tem relação com as idéias de Hahnemann.

    Após sua primeira constatação: “Substâncias acarretam sintomas semelhantes aos apresentados pela enfermidade que curava”, ele decidiu testar em si mesmo substâncias que desenvolveram sintomas semelhantes aos de doenças. Após isso, realizou mais testes com outras substâncias, e concluiu sua teoria de “semelhante cura semelhante”.

    Segundo o princípio dos semelhantes de Hahnemann a mesma substância que causa a doença em uma pessoa saudável, mas em grau mais baixo, pode curar o problema numa pessoa doente, esta descoberta levou Samuel a criar seu famoso aforismo “como cura como”, ou cura pelos semelhantes. 

    Desde o início o tratamento homeopático começa com uma longa entrevista, com duração de pelo menos uma hora, na qual são levantados todos os aspectos da doença e vida do paciente. Por isso a homeopatia é considerada uma medicina holística, ou seja, que considera o ser humano como um todo.

    No Brasil foi introduzida por um discípulo francês, Benoit Jules Mure, que aqui chegou em 1840. Mure vem inicialmente para introduzir a doutrina social de Charles Fourier (1772/1837); para tanto Mure consegue o apoio do governo brasileiro de D. Pedro II e vai para o interior de Santa Catarina onde funda um falanstério, o qual não vinga. Volta então ao RJ no dia 21 de novembro de 1840, onde inicia o ensino, a prática e a propagação da Homeopatia. Por este motivo, esta data foi eleita como o dia da homeopatia no Brasil. Medicina Homeopatica

    O discípulo francês de Hahnemann, Mure que faz seu primeiro discípulo no Brasil, um médico português chamado João Vicente Martins que propaga a homeopatia começando pelas regiões Norte e Nordeste. Mangolini Homeopatia 

    A Homeopatia rapidamente se propagou no Brasil, principalmente na Bahia, Pernambuco e no Rio de Janeiro. No final do século XIX foi abraçada pelo movimento positivista brasileiro através de seus adeptos do instituto militar de engenharia, no Rio de Janeiro. Disso resulta um grande apoio oficial do governo republicano à Homeopatia, reconhecendo o seu ensino e a sua prática, criando enfermarias no Hospital Central do Exército e no Hospital da Marinha, no começo do século passado.

    O Conselho Federal de Medicina, reconheceu a Homeopatia como uma especialidade médica pela portaria número 1000 de 1980. Em 1988 a Constituição brasileira coloca a Homeopatia oficialmente no SUS (estipula a obrigatoriedade de haver um médico homeopata em cada posto de saúde). Portanto a Homeopatia no Brasil é uma prática médica oficial e reconhecida, com custo mais baixo que a média no atendimento convencional e com maior qualidade de atendimento e relacionamento médico-paciente.

    No mundo, atualmente a Homeopatia é praticada na Europa (Alemanha, França, Inglaterra, Espanha, Suíça), EUA, Índia (país onde tem o maior apoio oficial e é exercida oficialmente), Brasil, Argentina e México. A aceitação da homeopatia como uma forma autônoma e válida de medicina depende da legislação de cada país.

    A Homeopatia é capaz de tratar qualquer doença curável ou reduzir os efeitos colaterais dos tratamentos convencionais, como a quimioterapia e a radioterapia, e pode ser adotado por pessoas de qualquer idade, sendo ideal para bebês, grávidas e idosos, pela baixíssima ocorrência de efeitos adversos.

    A homeopatia, é uma medicina oficialmente reconhecida pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e foi criada para revolucionar os métodos terapêuticos. Vamos contar neste artigo a história da homeopatia que foi criada por um médico alemão chamado Christian Friedrich Samuel Hahnemann, nascido em 1755 no leste da Alemanha, que após algumas desilusões com a pouca eficácia e reações a medicamentos que as vezes pioravam a condição do paciente naquela época.

    Pesquisas científicas têm mostrado que os remédios homeopáticos não são eficazes e seu mecanismo de funcionamento é implausível. Há consenso na comunidade médica e científica internacional de que a homeopatia é uma pseudociência, e é amplamente considerada charlatanismo. Numerosas revisões sistemáticas indicaram que homeopatia não é mais efetiva que o placebo, de modo geral, os produtos (medicamentos) são considerados inertes e livres de efeitos colaterais, a relutância em buscar tratamento médico convencional, preferindo a homeopatia pode levar a complicações e até mortes.

    Organização Mundial de Saúde (OMS) aconselha os seus estados membros a regular a homeopatia de forma a garantir a inocuidade dos produtos que são comercializados sem prescrição médica, e reconhece que, apesar de se verificar um aumento da utilização de produtos homeopáticos, são poucos os estados com regulamentação aplicável. O documento de Estratégia da OMS sobre medicina tradicional 2002 – 2005 “aborda as questões de segurança, qualidade e eficácia da medicina tradicional (MT) e medicina complementar e alternativa (MCA).

    ancap, libertário, analise, acreditar, emsigno, homeopatia, marxismo, negatá, biologia, pessoas, que, chamam, os, outros, de, negacionistas, memes

    #homeopatia – Fpxh_2021. iFunny Brazil – 6 jul 2021

    Os defensores da homeopatia referem-se regularmente aos documentos produzidos pela Organização Mundial de Saúde, porém a OMS condena o uso da homeopatia contra doenças graves como malária, tuberculose, aids, gripe e diarreia infantil.

    Em Portugal, a profissão de homeopata é regulamentada em lei, sendo exclusiva a profissionais com carteira da ACSS. Em muitos países não é sequer considerada especialidade médica. Em 2015 o National Health and Medical Research Council (NHMRC) da Austrália declarou não existirem condições de saúde tratáveis com a homeopatia e que o uso da homeopatia pode colocar a saúde das pessoas em risco. Em 2019, as academias francesas de medicina e farmácia condenaram o gasto de dinheiro público em remédios homeopáticos, e também a existência de títulos acadêmicos em homeopatia.

    Em julho de 2019, o ministro da saúde francês anunciou que os reembolsos da previdência social para medicamentos homeopáticos seriam eliminados antes de 2021. Na França se localiza o maior fabricante mundial de medicamentos para medicina alternativa, a Boiron.

    Ainda em 2019, o governo canadense parou de financiar a ajuda homeopática a Honduras. A instituição de caridade Terre Sans Frontières (TSF), de Quebec, recebeu US$ 200 000 em cinco anos do Programa de Cooperação Voluntária da Global Affairs, que apoia “curas” homeopáticas da doença de Chagas.

    No Brasil, é considerada como especialidade médica desde 1980, reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina, tendo sido incluída no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2006 e listada pelo Ministério da Educação em 2017 dentre os conhecimentos requeridos para a graduação em Farmácia. Existem hoje, aproximadamente 20 associações de representação médico-homeopatas filiadas a AMHB (Associação Médica Homeopata Brasileira) e estima-se que o Brasil esteja entre os três maiores países com mais médicos homeopatas do mundo.

    No final da década de 1970, a homeopatia retornou significativamente e as vendas de algumas empresas homeopáticas aumentaram dez vezes. O homeopata grego George Vithoulkas, que realizou “uma grande quantidade de pesquisas para atualizar os cenários e refinar as teorias e práticas da homeopatia”, começando na década de 1970, mas Ernst e Singh consideram que a causa real tenha ligação com a ascensão do movimento da Nova Era.

    As principais redes de farmácias reconheceram o potencial comercial da venda de preparações homeopáticas. A Food and Drug Administration realizou uma audiência em 20 e 21 de abril de 2015 solicitando comentários públicos sobre a regulamentação de medicamentos homeopáticos. O FDA citou o crescimento das vendas de medicamentos homeopáticos vendidos sem receita, que foram de US$ 2,7 bilhões em 2007.

    Homeopatia Olha para os Horrores da Alopatia, uma pintura de 1857 de Alexander Beydeman, mostrando figuras históricas e personificações da homeopatia, observando a brutalidade da medicina do século XIX

    Nos séculos XVIII e XIX, a medicina convencional era bastante ineficaz e muitas vezes prejudicial. Práticas como sangrias e purgas eram usadas indiscriminadamente, e misturas complexas com efeitos perigosos eram frequentemente administradas aos pacientes. Um exemplo dessas misturas perigosas é o melaço de Veneza, composto por 64 substâncias, incluindo ópio, mirra e carne de víbora, tratamentos que geralmente pioram os sintomas e podem ter resultados fatais.

    Hahnemann cunhou a expressão ” medicamento alopático “, que era usado para se referir pejorativamente à medicina ocidental tradicional.

    Oscillococcinum, um produto homeopático na forma de glóbulos de sacarose

    Hahnemann rejeitou essas práticas – exaltadas durante séculos – como irracionais e desaconselháveis, e defendeu o uso de drogas únicas em doses mais baixas e promoveu uma visão imaterial e vitalista de como os organismos vivos funcionam, os tratamentos em si não tinham efeito, eles eram muito mais seguros do que a maioria das práticas médicas da época, associado a um repouso apropriado era geralmente superior ao da medicina convencional praticada no momento do início da homeopatia.

    A visão holística do todo sobre as partes, impressa em toda a sua obra segue quatro princípios que orientam a prática homeopática:

    • Lei dos Semelhantes: Lei universal da cura: similia similibus curantur;
    • Experimentação na pessoa sadia: Os homeopatas realizam provas, chamadas patogenesias; em geral são eles mesmos os experimentadores;
    • Doses infinitesimais: Diluições infinitesimais seguidas de sucussões rítmicas, ou seja: mistura-se uma pequena quantidade de uma substância específica em muita água e/ou álcool e agita-se bastante, afim de “despertar” as propriedades latentes da substância, chamado de “dinamização” ou “potencialização” do medicamento;
    • Medicamento único: Após a primeira prescrição é que se pode fazer a leitura prognóstica, ver se é necessário repetir a dose, modificar o medicamento ou aguardar a evolução.
    medicina, tradicional, muito, eurocêntrica, branca, hetero, cis, vou, tomar, homeopatia, floral, fazer, constelação, familiar, são, práticas, milenares, de, povos, sagrados

    Ze_Ruela1_2019 – 27 apr 202117

    Esta é a história de um homem obstinado, quase arrogante, que não se curvou ao senso comum nem para evitar sua fome e a de sua numerosa família. Um homem que defendeu arduamente o ideal de curar sem prejudicar, contra uma classe médica irada que não podia aceitar que este médico de origem humilde fosse ensinar-lhes uma nova arte e ciência de curar. Um homem que até seus últimos dias cuidou de aprimorar seu legado maior à humanidade, a Homeopatia.

    Palavras PerdidasA VERDADE SOBRE DJOKOVIC E AS VACINAS, ENTENDA O EFEITO PLACEBO, Medicina fake, A indústria farmacêutica está fora de controle?, Parto natural ou vertical?!?, Aprenda remédios caseiros que ajudam a fortalecer a imunidade, Remédio caseiro para controle de pulgas

    PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CANNABIS SATIVA DO BRASIL 1.2

    INSCREVA-SE PARA ASSISTIR A PALESTRA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CANNABIS SATIVA EAD DA SBEC/FGE EM PARCERIA COM O INSTITUTO PADRE TICÃO, UM COMPLETO PROGRAMA DE PESQUISA E FORMAÇÃO EM CANNABIS DO BRASIL. SBEC – Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis

    O Programa de Pós-graduação Lato Sensu em Cannabis sativa da SBEC objetiva formar profissionais especialistas em Cannabis sativa e suas aplicações medicinais, com ênfase na prática da produção (plantio e cultivo em estufas), extração e prescrição da Cannabis sativa. Capacitando profissionais para lidar com toda a linha produtiva de produtos derivados da cannabis, além dos aspectos clínicos, farmacológicos, jurídicos e associações terapêuticas.

    Realizado de forma totalmente virtual, o programa conta com aulas ao vivo, por videoconferência, com professores especialistas em Cannabis sativa, com experiência acadêmica e de consultório.

    O programa de pós-graduação lato sensu, com reconhecimento do MEC, nasceu como resultado de pesquisa científica e um importante convênio de intercâmbio científico e tecnológico entre a SBEC, o Instituto Sendtko de Ensino Superior e as Faculdades FGE.

    Hae’vete: ISA lança manual sobre plantas indígenas com download gratuitoColetivo organiza nova Marcha para Maconha (Atualizado em 10.jun.22)Cartilhas de agroecologia, saberes técnicos e tradicionaisAula 1 – I Curso Online de Plantas Medicinais e Fitoterápicos da UFJF, Padre Ticão e o Kaneh-bosm, Agrotóxicos da mesa nossa de cada dia.

    Arte e cultura dos povos originários aqui: ART AMBA MIRIM

    Compartilhe, ajude nos a alçar outros voos.

    Diplomas

    Concordo com o com os textos que tentam demonstrar que a aquisição de um diploma – em especial mestrado e doutorado – não garante excelência, apesar de reconhecer que, de certa forma, tais manifestações podem parecer antipáticas e dar a falsa ideia de que os títulos acadêmicos são inúteis. Não, eles não são. Pelo contrário, são fundamentais para o crescimento científico. São aprofundamentos em pontos específicos do conhecimento humano e auxiliam na compreensão de infinitas questões. Orelhas de Vidro1 DE OUTUBRO DE 2022

    O problema é o valor exagerado que se pode dar a eles. Imaginar que um sujeito tenha mais virtudes morais por causa de um título acadêmico é absurdo. Acreditar que esse título lhe dá mais capacidade de resolver questões outras, as quais fogem do escopo de seu estudo, também. Na área médica isso é muito comum. Médicos com formação acadêmica não são melhores (e nem piores) do que aqueles profissionais com formação básica para o atendimento aos pacientes, a não ser na área específica à qual se dedicaram.

    O mesmo vai ocorrer no direito, na enfermagem, na sociologia, na filosofia, etc. Na teoria, a formação acadêmica existiria basicamente para formar professores nos cursos superiores, mas hoje se tornou uma extensão do curso superior, e visa gabaritar o sujeito para a realização de concursos.

    Quando eu cursei medicina os professores ainda não tinham essa formação. Depois esses cursos foram sendo exigidos, mas a qualidade das aulas não melhorou. A arte de dar aulas é um talento que a formação acadêmica é incapaz de produzir, assim como a o talento para a pintura ou o futebol. Também não é capaz de oferecer curiosidade, cultura abrangente, abertura para o novo, posição crítica diante do mundo e (por certo) não oferece consciência de classe.

    Os cursos de mestrado e doutorado oferecem classes de estatística, de teoria da ciência, de pedagogia e muitas outras coisas, além de um funil poderoso para estudar aspectos do conhecimento. Estes sujeitos tornam-se Reis e Rainhas de seus minúsculos castelos, mas por vezes alienam-se da realidade ao redor, criando uma visão unívoca do universo – uma sedução onipresente.

    Não esqueçam que as figuras mais nefastas do cenário político atual são doutores em suas áreas, o que não impediu que tratassem esposas por “conges“, além de outras aberrações absurdas e inconsequentes.” Dicionarioinformal

    “Moro chama cônjuge de ‘conge‘ por duas vezes e erro crasso viraliza” – (Revista Fórum, 02 de abril de 2019).

    Palavras PerdidasElisa de Oliveira Flemer e o Homeschooling, Ensino superior 2022 gratuito: veja como se inscrever, Bacharelado em Ciência e Tecnologia gratuito, BRANCA ALVES DE LIMA, O Poder Que A Bunda Tem, O Espião Inglês

    Preconceitos, tabus alimentares e a globalização do gosto

    Direto da política para o centro da mesa e do prato, ganhou os holofotes o clássico e manjado Miojo – o trivial e popular macarrão instantâneo de pacotinho encontrado em todo mercadinho de esquina deste País – , colocando na “sombra” e em segundo plano na mídia os festejados peixes crus locais, glória da culinária do país dos samurais. MARCO MERGUIZZO23/10/2019

    O sushi massificou-se e hoje é apreciado no mundo todo

    O desconhecimento, preconceito e predileções à mesa, é preciso lançar um olhar mais profundo, menos radical e ideologizado sobre essa discussão, que para muitos é no mínimo polêmica, seja à mesa ou fora dela. Comer peixe cru e insetos, como o fazem há milênios os asiáticos, não é nenhuma piração gourmet e bizarrice gastronômica. Tabu alimentar é antes de tudo uma questão cultural, que fique claro.

    Acredita-se que o primeiro macarrão instantâneo de baixo custo – batizado de E-fu – tenha sido inventado na China, no século 16. É uma massa semipronta, pré-cozida e, a seguir, frita para ser desidratada e finalizada em água fervente durante alguns minutos, um pouco antes de ir à mesa. O tipo que conhecemos hoje foi criado por Momofuku Ando, um taiwanês que aperfeiçoou a sua técnica de produção, na década de 1910, durante a ocupação japonesa, que patenteou e industrializou a sua própria marca: a popular e conhecida Nissin.

    O antológico desenho animado O Rei Leão, de 1994, onde o leãozinho Simba, carnívoro por natureza e instinto, degustava meio que a contragosto lagartas, besouros e lesmas tendo a companhia à mesa dos engraçadíssimos e inseparáveis Pumba e Timão. “Viscoso mas gostoso” era o mantra do espirituoso suricate para convencer o hesitante leãozinho a provar alguns ortópteros pegajosos, o que deve prevalecer, portanto, é a pluralidade gastronômica e a diversidade no prato.

    O suricate Timão: o “garçom” dos pitéus viscosos em O Rei Leão. HAKUNA MATATA

    Na cena do banquete celebrizado nas telonas de cinema pelo filme Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984), em que os representantes da realeza local e os seus convidados se esbaldavam com uma sopa borbulhante de olhos de cabra, um punhado de insetos gigantes bem crocantes e a mais festejada das iguarias indianas servidas aos comensais presentes: cérebro de macaco servido no próprio crânio dos símios. (Confira no final do post).

    Enquanto achamos normal comer um ocidentalizado cachorro-quente no carrinho da esquina ou um hambúrguer com fritas, ao melhor estilo fast food, esses alimentos provocariam engulhos em povos indígenas. E o que dizer do sofisticado foie gras – o fígado de ganso gordo ou de pato superalimentado e o método nada civilizado com que ele é obtido? Ou dos queijos malcheirosos como o epoisses, munster franceses? Ou mesmo roquefort e do gorgonzola italiano, nos quais são injetados fungos no processo de envelhecimento que vai de 18 a 24 meses?

    “Politicamente incorreto não é comer carne de cachorro ou insetos. Condenável é padronizar o paladar, não respeitando a história e a tradição culinária de um país e das pessoas”, opina o chef de cozinha franco-brasileiro Laurent Suadeau, proprietário de uma escola de gastronomia em São Paulo.

    “A gastronomia de um povo está relacionada a fatores históricos, ambientais, econômicos, antropológicos e, portanto, repleta de simbologias”, explica a antropóloga Lux Boelitz Vidal, professora emérita da USP.

    Em todas as culturas, há alimentos que podem ser considerados “estranhos” e “bizarros”, mas bastante valorizados e apreciados em alguns países. Já outros, mais conhecidos do nosso paladar, são por vezes proibidos de serem consumidos devido às tradições culturais locais. Caso da Índia, por exemplo, em que cérebro de carneiro é tido como um manjar culinário. Ao contrário de um típico bife ou outro corte bovino que são terminantemente proibidos à mesa, já que a vaca é considerada um animal sagrado.

    e as baratas de Madagascar grelhadas: manjares indo-asiáticos …
    … versus o hambúrguer com fritas: bizarrice é padronizar o paladar.

    Em algumas aldeias indígenas brasileiras, por exemplo, quando uma criança nasce, seus familiares não comem carne de caça. Acreditam que assim manterão a alma do bebê. Mulheres menstruadas ficam isoladas do grupo e também não se alimentam da caça para não atrair maus espíritos. Da mesma forma, alguns pratos são considerados “fortificantes”.

    Em alguns Estados brasileiros, quem está precisando de uma “forcinha sexual”, por exemplo, costuma comer testículos de boi, um “viagra natural”. “Embora muitos acreditem estar ingerindo virilidade, não existe nenhuma base científica que comprove tais propriedades. É apenas crença popular”, desmistifica a a professora Elisabeth Torres, do departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP.

    Aqui no Brasil, também estamos no mapa de alimentos que costumam beirar à excentricidade, fazem parte do cardápio de muito brasileiro, lagartos, cobras, olhos de cabra, fígado cru, cérebro e testículos de galo e de boi, jacaré, tartaruga e macaco (estes três últimos, vale o parêntesis, são protegidos, inclusive, pela legislação brasileira que busca preservar animais silvestres e as espécies consideradas em extinção.

    Formiga no prato: iguaria, a saúva amazônica brilha na alta gastronomia

    A formigas tanajura ou saúva amazônica, utilizada na alta gastronomia, como o faz o premiado Alex Atala, famoso chef brasileiro e um dos primeiros a introduzir o inseto no menu de seu restaurante em São Paulo, o premiado D.O.M., servida numa colher de espuma de batata baroa (ou mandioquinha).

    A içá, uma espécie de formiga voadora encontrada no vale do Paraíba, no interior paulista, apelidada de “caviar caipira”, é o principal ingrediente da receita de uma famosa farofa. A estação reprodutiva do inseto acontece nos primeiros dias de novembro, período que as içás deixam a colônia para o voo nupcial e, depois do acasalamento, perdem as asas e saem para fundar um novo ninho. É nesse momento que são capturadas para o consumo e deleite de seus apreciadores.

    No vale do Paraíba, as içás voadoras: “caviar caipira”

    Além da sopa de cachorro (também muito popular na Coréia do Norte), costuma integrar o menu tradicional dos chineses, ninho de andorinha (feita a partir da gosma do pássaro), pênis de cobra ou de tigre, cérebro de macaco, gafanhotos, grilos, escorpiões e outros insetos. Insetos? “Muitas vezes, o gosto por comidas exóticas não é uma questão de opção. Pessoas que moram em países pobres têm de arrumar uma outra fonte de proteína, como os insetos”, explica a nutricionista Neide Rigo, colunista do caderno Paladar do Estadão e autora do blog Come-se.

    Criada em tempos de escassez, o prato foi incorporado ao dia a dia chinês

    Duas superpotências econômicas, Japão e China, civilizações de histórias milenares, viveram duros e longos períodos de escassez alimentar e essa matriz alimentar alternativa volta a ser cogitada e desenvolvida por vários países, como os Estados Unidos e a Austrália, diante do quadro de mudanças climáticas causadas pelo aquecimento global, o povoamento descontrolado, superpopulação e desertificação do planeta.

    Na China, por exemplo, comer órgãos genitais de animais é bastante comum. Há lojas de conveniência que os vendem como afrodisíacos.

    Uma panela de sopa de pênis de tigre vendida em Taiwan é um artigo de luxo: custa US$ 350. Seja na capital, Pequim, ou nas províncias espalhadas no interior chinês, pode-se provar, por exemplo, o torresminho de cobra (feito com o couro do ofídio) e a seqüência de gafanhoto frito no espetinho, que tem gosto e é crocante como camarão. É comum a cobra ser morta na frente do freguês. Com ela se produz duas bebidas bastante populares. Uma é feita com o sangue misturado com destilado de arroz. E a outra, um licor elaborado a partir da bílis da cobra, esverdeado – argh! – que, acredita-se, ser afrodisíaca. Ou seja, uma iguaria feita sob medida para fortes e machos.

    Autor do livro Strange FoodsBushmeat, Bats, and Butterflies – Extreme Cuisines (Comidas Estranhas: Carnes de animais selvagens, morcegos e borboletas – Cozinhas Extremas), de 1999, o escritor Jerry Hopkins declarou ao jornal norte-americano USA Today que grande parte desses insetos são bem fritos, alguns ficam com gosto do óleo e do sal, como o nosso conhecido camarão no alho e óleo. A única coisa que ele jamais comeu ou comerá na vida é um embrião de pato cru temperado com sal e vinagre, prato filipino bastante popular e que é vendido nas ruas de Manila.

    O wagyu é o foie gras das carnes vermelhas, reverenciada nos restaurantes da capital japonesa, um prato de wagyu pode chegar aos 40.000 ienes, próximo de 370 dólares ou a bagatela de 1.500 reais, proveniente da Manchúria e da península coreana, a raça wagyu uma antiga raça de gado negro japonês (wa significa “japonês” e giu, “gado”), foi provavelmente levada ao Japão como animal de carga no início do século II d. C.. Durante pelo menos 1.000 anos, o gado trabalhou nos campos de arroz, antes de ser servido à mesa como alimento. No Brasil, já há também alguns criadores que fazem cruzamentos com excelentes resultados, como é o caso da Beef Passion.

    PARA VER E CURTIR:
    O REI LEÃO (DISNEY) 1994 – DESENHO ANIMADO – TRAILER
    O REI LEÃO (DISNEY) 2019 – O FILME – TRAILER
    INDIANA JONE E O TEMPLO DA PERDIÇÃO (1984) – TRAILER

    Palavras PerdidasCarne de cachorro no Brazil, Sua comida no Brasil, Segunda sem carne: sete receitas para apostar na semana, PAÇOCA DE CARNE SECA, Ode a carne, Frutas e verduras que gatos podem comer e o detox, Mitos Sobre A Alimentação

    Vagas em Marca de iogurte: R$ 200 mil e aceitar trabalhar na Islândia

    A Siggi’s, empresa de laticínios que produz iogurte no estilo islandês, abriu uma vaga de emprego que para muitos pode ser considerada uma verdadeira realização: um cargo de executivo, jornada de quatro dias por semana e o selecionado ainda receberá US$ 50 mil (ou R$ 262 mil) para se mudar para a Islândia. Redação Finançasyahoo!financas. 23 de setembro de 2022

    • Empresa de laticínios oferecerá 262 mil para o selecionado se mudar para a Islândia;
    • Trabalho inclui criação de conteúdo para as mídias sociais da empresa e sugestões de novos sabores de iogurte;
    • Interessados precisam ter um passaporte válido e boas habilidades de escrita e fotografia.

    No comunicado da vaga, a empresa escreveu que “os últimos anos encorajaram as pessoas a redefinir o que elas mais valorizam” e que “essa mudança de cultura está enraizada na ideia de liberdade e flexibilidade. Como resultado, muitos estão buscando um modo de vida mais simples, incluindo sair das grandes cidades ou priorizar o trabalho remoto”.

    Executivo também terá que documentar seu tempo explorando a aurora boreal, cachoeiras, geleiras e outras maravilhas naturais da Islândia (Getty Creative)
    (Getty Creative)

    Segundo o portal Insider, o selecionado, que exercerá o cargo com o nome de “Chief Simplicity Offi-skyr”, “criará conteúdo para as mídias sociais da empresa, sugerirá novos sabores de iogurte inspirados na cozinha tradicional islandesa e documentará seu tempo explorando a aurora boreal, cachoeiras, geleiras e outras maravilhas naturais da Islândia”.

    Para se candidatar ao posto, os interessados devem ter um passaporte válido, boas habilidades de escrita e fotografia e “desejo de viver uma vida simples”.

    A Deel, empresa de contratações de funcionários internacionais, está buscando um trabalhador para a vaga de “social media nômade”. O funcionário terá de viajar em uma van mobiliada para habitar pela Austrália e Nova Zelândia por seis meses, criando conteúdo turístico sobre os destinos que irá visitar e compartilhando seu dia a dia como um nômade digital.

    Para melhorar, além de ganhar a van totalmente equipada para seu uso e ter seu custos de viagem, refeições, combustível, estacionamento, vistos e transferências pagos, o viajante profissional irá receber um salário mensal de US$ 3.400 (aproximadamente R$ 17 mil).

    Contudo, não é todo mundo que poderá se inscrever. A oportunidade é destinada para profissionais com mais de três anos de experiência como criadores de conteúdo para redes sociais ou embaixadores de marcas, e é preciso saber escrever e falar em inglês. Como o profissional irá viver em uma van, é necessário também ter uma carteira de motorista com validade até outubro de 2023 e um passaporte válido.

    Palavras Perdidas: Profissões que pode acabar no Brasil, Brasileira conta como é trabalhar com cannabis no Canadá, A inteligência artificial e o fim do trabalho, 12 competências profissionais mais requisitadas pelas empresas, Google vai distribuir 500 mil bolsas para formação de jovens

    Como tirar tártaro dos dentes (com opções caseiras)

    O tratamento para retirar tártaro dos dentes geralmente é feito em consultório do dentista, que pode fazer uma limpeza profunda com raspagem, ultrassom e laser para remover a película formada sobre dos dentes e gengivas, promovendo também o clareamento dos dentes. Tua Saúde – dezembro 2021

    As opções caseiras, como enxaguante bucal, óleo de coco e bicarbonato de sódio, também podem ajudar a combater as bactérias, prevenindo as placas bacterianas e, assim, reduzindo a formação do tártaro.

    O tártaro, conhecido também como cálculo, é causado pelo acúmulo de alimentos e bactérias na boca, formando uma placa, que, quando não é retirada com a escovação e uso de fio dental, endurece e se torna amarelada, recobrindo os dentes e a gengiva, e que pode favorecer o surgimento de manchas permanentes nos dentes, cáries, gengivite e mau hálito. Veja como identificar e como evitar o tártaro.

    Os tratamentos que são indicados para tirar tártaro dos dentes devem ser feitos no consultório de um dentista e incluem:

    1. Limpeza com raspagem: O principal instrumento usado para a raspagem é o raspador ultrassônico, um equipamento que faz pequenas vibrações em alta velocidade, ajudando na remoção das placas bacterianas e do tártaro dos dentes, também podem ser feitas com instrumentos mais simples, como raspadores e curetas, onde o dentista raspa manualmente os dentes para retirar as placas e o tártaro.

    2. Laser: O laser é um equipamento que ajuda a centralizar o tratamento somente na área do dente e gengiva afetados, tirando o tártaro e deixando os dentes mais limpos, sem causar danos aos dentes e às gengivas saudáveis.

    3. Sistema Vector: O sistema Vector é similar ao raspador ultrassônico, retirando a placa bacteriana e o tártaro e deixando os dentes mais limpos e saudáveis. No entanto, esse equipamento causa menor desconforto e dor durante a limpeza dos dentes.

    Algumas opções caseiras, como bicarbonato de sódio e óleo de coco podem ajudar a combater as bactérias, diminuindo a formação da placa e reduzir a formação de tártaro nos dentes, incluem:

    1. Manter uma boa higiene bucal: Manter uma boa higiene bucal, escovando bem os dentes cerca de 30 minutos após todas as refeições, utilizando o fio dental e enxaguante bucal, é a melhor forma de eliminar as bactérias da boca, evitando a placa e diminuindo a formação de tártaro nos dentes. Veja algumas dicas de como escovar bem os dentes.

    2. Limpeza com bicarbonato de sódio: A limpeza com bicarbonato de sódio ajuda a equilibrar o ph da boca após as refeições, evitando a formação da placa bacteriana e prevenindo o tártaro, porém o uso contínuo de bicarbonato, pode aumentar a porosidade do dente, deixando-o mais sensível. Por isso, o ideal é usar esta técnica apenas sob orientação do dentista e no máximo 1 vez por semana.

    Ingredientes:

    • 1 colher de café de bicarbonato de sódio;
    • Pasta de dentes.

    Modo de uso:

    Colocar a pasta de dentes na escova, polvilhar com o bicarbonato e, depois, escovar os dentes por 2 minutos. Ao final, enxaguar a boca com água.

    3. Enxaguante com óleo de coco: Outra forma de combater naturalmente as bactérias na boca, prevenindo a formação de placas, é usando o óleo de coco como enxaguante bucal, pois contém propriedades bactericidas, diminuindo a formação do tártaro, além disso, o óleo de coco também ajuda a formar uma película nos dentes, evitando a adesão de bactérias e prevenindo a formação das placas.

    Ingredientes:

    • 1 colher de sopa de óleo de coco.

    Modo de uso:

    Colocar a colher de óleo de coco na boca e bochechar durante 5 a 10 minutos, 1 a 2 vezes por dia. Por fim, cuspir o óleo e, depois, enxaguar a boca com água.

    No início pode ser mais desafiador bochechar o óleo de coco por vários minutos seguidos e, por isso, é recomendado começar com alguns minutos e ir aumentando gradativamente.

    Como Não Ter Dentes Manchados | Nunca Mais!Tua Saúde

    Para não ficar com os dentes manchados, um gole de água depois de tomar café ou suco de uva pode ser uma boa estratégia. Além disso, é importante ter cuidado com outros alimentos como chás escuros, ou mesmo frutas coloridas como os mirtílos e alimentos que deixam a boca ácida como o abacaxi ou limão porque podem facilitar o aparecimento de manchas nos dentes. Para não deixar os alimentos mancharem, especialmente quando tem os dentes mais sensíveis, usar o canudo pode ser uma excelente alternativa para diminuir o contato do alimento com o dente e um truque bom é mastigar a salvia depois da refeição para manter o dentes bem branquinhos.

    Palavras Perdidas: Perfect Piano app, Medicina, 18 usos surpreendentes de sabonete em barra, Rir até cair os dentes, O que a saúde bucal tem a ver com a sua qualidade de vida, O que ‘Supernanny’ viu em 10 anos

    O Clube do Bangue-Bangue (Repórteres de Guerra)

    Clube do Bangue-Bangue (nome original, traduzido como Repórteres de Guerra) é um filme baseado no trabalho de fotógrafos para capturar os últimos dias do apartheid na África do Sul, um dos períodos mais violentos da História. iphotochannel

    Publicado em 2001, com fotos de Greg Marinovich, João Silva, Kevin Carter e Ken Oosterbroek, o livro retrata os violentos conflitos entre diversos grupos políticos no período entre a libertação de Nelson Mandela, em 1990, e as primeiras eleições livres da história do país, em 1994. Rafael Pirrho, Johanesburgo (África do Sul) – BBC Brasil. 14 maio 2009

    Quatro fotojornalistas arriscam suas vidas para mostrar ao mundo o que acontecia em lugares que ninguém mais tinha coragem de ir. O filme é baseado em fatos reais e é fundamental para todos apaixonados por fotografia (veja trailer abaixo e assista o filme completo no final do post. O filme é legendado e tem 105 minutos de duração).

    Um dos 4 fotógrafos interpretados no filme é Kevin Carter, que foi um premiado fotojornalista sul-africano e membro do Clube do Bangue-Bangue. Em 1994, Carter ganhou um Prêmio Pulitzer por uma fotografia de sua autoria que retrata a fome no Sudão em 1993. Ele cometeu suicídio aos 33 anos de idade e sua história é retratada no filme.

    A irmã de Oosterbroek, Athele, também participou da produção. Para ela, foi uma forma de homenagear o irmão assassinado.

    “No início das filmagens tudo foi muito real e doloroso. Mas estou feliz em contar essa história que homenageia quatro amigos, incluindo meu irmão. O filme vai ajudar a curar feridas e creio que muita gente vai aprender com ele”, disse Athele.

    Em 27 de julho de 1994, Kevin Carter dirigiu até um córrego, em Joanesburgo, uma área onde ele costumava brincar quando criança, e tirou a própria vida colocando uma das extremidades de uma mangueira no escapamento de sua caminhonete e a outra na janela do lado do passageiro. Ele morreu por intoxicação por monóxido de carbono, aos 33 anos de idade. Partes da nota de suicídio de Carter diziam:

    “Eu sinto muito. A dor da vida ultrapassa a alegria ao ponto em que a alegria não existe…. deprimido … sem telefone … dinheiro para o aluguel … dinheiro para sustentar as crianças … dinheiro para dívidas … dinheiro! … Estou assombrado pelas vívidas memórias de mortes e cadáveres e raiva e dor … de crianças famintas ou feridas, de loucos com dedo no gatilho, muitas vezes policiais, carrascos assassinos … Fui juntar-me ao Ken (Ken Oosterbroek, seu colega fotógrafo que havia falecido há pouco tempo), se eu tiver tamanha sorte.”

    Agora que você já sabe um pouco dos fotógrafos que fazem parte desse icônico filme, chegou a hora de assistir. Anteriormente o filme estava disponível na Amazon Prime, mas foi removido da plataforma recentemente. Mas o canal Extrema – Produção Criativa postou no Youtube a versão completa e legendada do filme. Assista abaixo:

    Fontes: Adoro Cinema e Wikipedia

    Banze-se: É ao morrerem que se tornam santos., Manguetown, Motivos para aprender sobre fotografia, O poço (El hoyo), “The Nu Project” – Nudez de mulheres comuns pelo mundo

    A Demonização Científica

    A ciência não é boazinha nem tenta ser. A sua única promessa é a de encontrar relações evidentemente verdadeiras entre as ideias e a realidade. Não é um processo divino, mágico ou obscuro. É humano e documentado. Despenhadeiro

    Algumas religiões colocam o sofrimento como uma necessidade que será recompensada em outro mundo, um plano eterno e soberano. Para a ciência, este outro mundo é irrelevante, simplesmente porque ele é imensurável. É exatamente por isso que tentar comprovar a inexistência de Deus com a ciência seria a mesma coisa que tentar trocar o pneu de um carro utilizando uma jabuticaba. O método científico é uma ferramenta com funcionalidade em um mundo específico: o natural.

    Existem ramos desta ferramenta engajada na compreensão da realidade que são utilizados para a diminuição dos sofrimentos. A psicologia é um exemplo e graças a sua documentação, qualquer pessoa pode percorrer todo o caminho para se chegar em todas as conclusões e explicações sobre os tratamentos mais complexos. Não há mistério nem deturpação de qualquer coisa criada por Deus, pois tudo o que há é um encadeamento de observações básicas e conclusões simples sobre o que se é observável na Natureza.

    A demonização do método científico é uma resposta religiosa aterrorizada pela possibilidade da desmitificação dos fenômenos naturais. Quando livros escritos por homens interpretando a palavra de Deus tentam explicar a realidade, eles erram, porque a conservação dogmática de uma explicação sobre o mundo não é pariu para a constante competição entre as explicações dentro da ciência.

    O meio científico, para além de um pequeno grupo acadêmico, recompensará o mais ultrajante dos questionamentos. A completa destruição de falsos axiomas, a quebra de qualquer teoria fundamentalmente equivocada será celebrada, desde de que todos os argumentos dessa antítese sejam observáveis. Graças a isso, a ciência se tornou a melhor ferramente para explicarmos a realidade.

    Existem outros mundos além da explicação de fenômenos observáveis, temos a necessidade de definir o que é felicidade e perseguir propósitos. Para isso lhe servirá, além de qualquer outra coisa, a religião.

    Não use o dogma para confrotar a realidade, pois aquilo que a ciência chama de real já é por si uma provável obra daquilo que você chama de Deus. Por exemplo, não veja a teoria da evolução como uma depreciação da humanidade, pois o mesmo mecanismo que criou a sua capacidade de pensar, se apaixonar e enxergar beleza, também foi responsável por criar a capacidade dos pássaros voarem e não há nenhum demérito nisso.

    Palavras PerdidasGhost Writer ou Escritor Fantasma!!!, EXPERIMENTOS SOCIAIS SIGILOSOS | Cortes do Venus

    CIENTISTAS CONSEGUIRAM REGENERAR MEMBROS!

    CIENTISTAS CONSEGUIRAM REGENERAR MEMBROS!Olá, Ciência!

    A regeneração humana está a caminho? Cientistas já desvendaram os mecanismos pelos quais o axolote, um tipo de salamandra, consegue regenerar membros amputados e estão aplicando essa técnica na tentativa de regenerar membros humanos. Será que um dia será possível regenerar um braço amputado? Uma perna amputada em um acidente? Como cientistas estão conseguindo regenerar membros? Lucas Zanandrez

    Para milhões de pacientes que perderam membros, por diversas razões, como por exemplo, diabetes ou acidentes, a possibilidade de recuperar a função através da regeneração natural permanece fora de alcance. A regeneração de pernas e braços continua a ser algo que só acontece aos super-heróis da banda desenhada. INÊS COSTA MACEDOZap.aeiou

    Um dos mistérios da natureza que despertou mais interesse desde Aristóteles a Darwin, passando por Voltaire, é a capacidade das salamandras de regenerar os seus membros. Clube Ciência em Movimento

    Imagem: O Segredo da Salamandra

    Martin Kragl do Instituto Max Planck da Alemanha e uma equipa de cientistas alemães e norte americanos conseguiram descobrir o enigmático processo celular que ocorre nos seus organismos. A nova descoberta publicada na revista ‘Nature’, revela que as células das salamandras conseguem conservar na sua “memória” os tecidos dos quais são provenientes e regenerá-los.

    Os axolotes “Ambystoma mexicanum“, uma espécie de salamandra que pode viver até 12 anos, vive num lago mexicano, é fácil de criar em cativeiro e com embriões grandes bons para estudar. Quando um axolote, sofre uma amputação, os vasos sanguíneos no coto remanescente contraem-se imediatamente, reduzindo o sangramento ao mínimo, e uma camada de células epiteliais rapidamente recobre a superfície do local da amputação. Nos primeiros dias após o ferimento essa repidermização se transforma em uma camada de células sinalizadoras, chamadas capa epitelial apical (AEC, na sigla em inglês), que é indispensável para o sucesso da regeneração. Enquanto isso os fibroblastos são dispensados da função de sustentação do tecido conjuntivo e atravessam a superfície amputada até o centro da ferida, onde proliferam para formar um blastema – agregado de células semelhantes a células estaminais que actuarão como progenitoras do novo membro. E passado três semanas o axolote já tem uma nova pata.

    Usando estas técnicas, os investigadores analisaram os 4 tipos de tecidos: derme, cartilagem, músculo e as células de Schwann -tecido neural que isola os nervos dos membros. Com excepção das células dérmicas descobriram que cada tipo de célula fluorescente regenera o mesmo tipo de tecido do membro amputado. As células da derme contribuem para a formação da cartilagem e tendões, além da derme. Esta aparente excepção pode ser resultado da origem comum às células da derme e da cartilagem do embrião, referiu Tanaka. Assim a formação do blastema quer pode activar uma célula estaminal progenitora comum duma célula dérmica ou de cartilagem quer causar a desdiferenciação de células dermais numa ou noutra dessas células progenitoras.

    Sapo africano com garras (Xenopus laevis). Shutterstock 

    Um estudo publicado na revista Science Advances, cientistas da Universidade Tufts e do Instituto da Universidade de Harvard, deram um passo que nos aproxima deste objetivo da medicina regenerativa. Lucas Vinicius Santostecmundo

    Segundo o SciTechDaily, os autores do estudo conseguiram desencadear a regeneração de uma perna perdida, em rãs adultas — que são naturalmente incapazes de regenerar membros — usando um “cocktail” de cinco drogas.

    Os investigadores usaram com uma cápsula de biorreatores de silicone, que aplica o elixir sobre o coto, durante 24 horas. Este breve tratamento desencadeia um período de regeneração de 18 meses que restaura uma perna funcional.

    Muitas criaturas têm a capacidade de regeneração total de pelo menos alguns membros, incluindo salamandras, estrelas-do-mar, caranguejos e lagartos. Alguns vermes podem mesmo ser cortados em pedaços, mantendo cada parte a capacidade de reconstruir um organismo inteiro.

    Os humanos são capazes de cicatrizar feridas com regeneração de tecido, e os nossos fígados têm uma notável capacidade de regeneração, quase como vermes planos, após uma perda de 50%.

    No seu estudo, investigadores da Tufts iniciaram o processo regenerativo em rãs com garras africanas, e envolveram a ferida numa cápsula de silicone, a que chamam BioDome, com um gel de proteína de seda com o “cocktail” de cinco substâncias.

    Cada substância tem um objetivo diferente, inclusive atenuar a inflamação prevenindo a produção de colagénio que levaria à cicatrização. Outro dos objetivos destas cinco substâncias é estimular o crescimento de fibras nervosas, vasos sanguíneos e músculo.

    O novo membro moveu-se e respondeu a estímulos, e as rãs foram capazes de fazer uso do membro para nadar na água, movendo-se como uma rã normal o faria.

    Nirosha Murugan, investigadora associada do Allen Discovery Center em Tufts e  autora principal do artigo, diz que “é emocionante ver que as substâncias que selecionámos estavam a ajudar a criar um membro quase completo.”

    Os animais com a capacidade natural de regeneração vivem na sua maioria num ambiente aquático. A primeira fase de crescimento após a perda de um membro é a formação de uma massa de células estaminais no final do coto chamado blastema, que é utilizado para reconstruir gradualmente a parte do corpo perdida.

    De acordo com David Kaplan, professor de Engenharia da Família Stern na Tufts e co-autor do estudo, “os mamíferos e outros animais regeneradores terão normalmente as suas lesões expostas ao ar ou ao contacto com o solo, e podem demorar dias a semanas a fechar com tecido cicatrizado”.

    No trabalho anterior da equipa Tufts, com uma única substância — a progesterona— houve um grau significativo de crescimento de membros com o BioDome. No entanto, o membro resultante cresceu como um espigão e estava mais longe de ser normal e funcional, do que o alcançado no estudo atual.

    “Vamos testar como é que este tratamento poderia ser aplicado aos mamíferos a seguir” afirma o autor correspondente Michael Levin, diretor do Allen Discovery Center na Tufts.

    Malcolm Maden, co-autor da Universidade de Florida, assegura que estes resultados “dão novas esperanças de que un dia sejamos capazes de regenerar tecidos nas pessoas e conseguir curar sem cicatrizes”. De facto, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos já financiou investigações sobre este animal, na esperança de encontrar uma solução para os soldados amputados no Iraque e Afeganistão.

    Palavras Perdidas: Robôs vivos já podem se reproduzir, Organismo volta à vida depois de 24 mil anos congelado na Sibéria, Remedios Saludables, O que é colágeno?!?

    Ghost Writer ou Escritor Fantasma!!!

    Seja para escrever livros, artigos, colunas ou até mesmo textos para marketing de conteúdo, há muitas opções disponíveis no mercado para quem quer ser um ghost writer.

    Ghost writer é o profissional que não recebe créditos de autoria pelo texto que escreveu. Isso faz parte de um contrato ou acordo de cessão de direitos autorais. O ghost writer escreve livros, textos, apostilas e outros materiais, vende a uma pessoa (física ou jurídica) os direitos autorais sobre essa obra e recebe por isso. Luiza Drubscky – Comunidade Rock Content

    Ghostwriter é definido como um “escritor fantasma”, um escritor profissional que é contratado para escrever obras pelas quais não receberá crédito oficial, permanecendo anônimo, prática comum desde tempos imemoriais, onde secretários e escribas escreviam discursos e cartas aos governantes, ou os discípulos de um mestre completavam seu trabalho sob a sua direção e, por vezes, a título póstumo. Até hoje, é costume os presidentes lerem discursos públicos que outra pessoa os tenha escrito, ou que “escritores fantasmas” respondam a cartas de cidadãos em nome do presidente, ou que sejam contratados para escrever suas “autobiografias”. UM CANCERIANO SEM LAR.

    O “escritor fantasma” nas revistas médicas gera problemas éticos e legais. A preocupação se deve ao fato de que é frequente que as empresas farmacêuticas e as indústrias de produtos de tecnologia médica possam distorcer as evidencias produzidas por ensaios clínicos e não sejam imparciais. SciELO

    Posteriormente, não há nenhuma violação ou irregularidade se o texto for divulgado como sendo de autoria de outra pessoa. Aliás, é justamente isso que se pretende fazer por meio da contratação de um escritor-fantasma. Então, se não há autoria e direitos sobre a obra, por que essa é uma ocupação que tem crescido tanto no mercado de trabalho?

    Ser um ghost writer é uma forma de praticar suas habilidades de redação diariamente. Quanto maior o fluxo de trabalho, mais regularidade você terá para praticar sua escrita em frente ao computador.

    Com o tempo, isso não apenas melhora sua capacidade de argumentação, organização de ideias e exposição de informações importantes, como também reduz a incidência de erros gramaticais e expande seu vocabulário. Ou seja, ainda que você queira escrever textos autorais no futuro, terá muita experiência com a qual contar para aprimorar suas habilidades.

    Muitas vezes, o regime de contratação de ghost writers ocorre por meio de trabalhos freelancer. Isso significa que você é contratado por obra, livro ou texto que escreve. Assim, você ganha exatamente pelo trabalho que faz. Se quiser escrever mais textos e pegar mais trabalhos, vai receber mais por isso. Se precisar dar um tempo nas atividades e tirar férias, terá que se programar com um período sem essa renda.

    Porém, em sua grande maioria, os contratos celebrados para serviços de escrita ghostwriting são pagos antecipadamente ou por pacotes fechados. Se um escritor convencional precisa aguardar os royalities e variáveis de sua produção, uma vez que o cliente esteja satisfeito com seu texto, o pagamento é realizado de acordo com o combinado.

    Blog A.I. Carr

    Se você sabe o quanto vai receber e em que intervalo de tempo, pode planejar retiradas mensais que se assemelham aos salários convencionais do regime CLT.

    Também é possível determinar valores mensais para a construção de um décimo terceiro, poupança emergencial e para investimentos com muito mais precisão.

    Não há uma área específica em que o trabalho de um escritor-fantasma é mais requisitado. Existe a necessidade de escrever sobre os mais variados assuntos, desde livros sobre nutrição, fitness e saúde, até textos sobre finanças pessoais, administração e recursos humanos.

    Se você é uma pessoa criativa, curiosa e interessada em aprender sobre temas distintos de sua área de formação, terá a oportunidade de escrever em várias temáticas. O que realmente importa é a qualidade de sua redação, correção ortográfica e gramatical, além de um trabalho preciso de pesquisa e verificação de informações.

    Ghost writers não serão de forma alguma vinculados à autoria dos textos que escrevem. Por mais que isso possa ser um problema para alguns redatores, isso também representa uma boa oportunidade pessoal para se distanciar emocionalmente de seus textos e escrever com mais liberdade. Ao saber que sua autoria não será identificada, você pode se arriscar a escrever sobre temas até então inexplorados, sem medo da reação do público, amigos e familiares.

    Na verdade, você inclusive poderá testar suas habilidades escrevendo sobre temas que sempre te interessaram, mas que você nunca teve a coragem de pesquisar e escrever. Nesse contexto, um engenheiro poderá escrever sobre psicologia e comportamento, assim como um advogado poderá explorar seus conhecimentos sobre arte e entretenimento.

    O autor de um blog, colunista ou outro profissional de produção de texto intelectual, na maioria das vezes, precisa comercializar seu conteúdo.

    Isso significa vender para um veículo de informação, compartilhar nas redes sociais, interagir com os leitores para gerar engajamento por e-mail marketing, fóruns especializados e comentários no post, são muitas responsabilidades, após a atividade produtiva, que demandam tempo e estratégia comercial.

    Um ghostwriter não precisa se preocupar com a gestão comercial e relacionamento com leitores, e pode concentrar na produção de conteúdo. Isso é especialmente prazeroso para quem prefere criar a fazer marketing.

    Uma paciente de câncer de mama de endstate de meia idade deitava-se na cama e conta sua história de vida para uma escritora fantasma escrever sua biografia e seu livro de memória depois de ela morrer.

    Em geral, o ghost writer não é contratado diretamente pela pessoa ou empresa que assumirá a autoria dos textos. Esse tipo de distanciamento também é benéfico ao redator, que poderá escrever com mais liberdade e autonomia, tendo recebido suas instruções de escrita de forma objetiva e sintética.

    Lidar com clientes é um problema para muitas pessoas, principalmente, aquelas mais introvertidas ou que têm pouca paciência para lidar com o público. Geralmente, o escritor-fantasma não tem que se preocupar com isso.

    Cada vez mais, empresas, colunistas e outros interessados estão migrando sua atuação para plataformas online (sites, apps, blogs, redes sociais, etc.). Isso faz com que a importância do marketing de conteúdo, por exemplo, seja ainda maior.

    Blogs institucionais são uma boa forma de atrair clientes, enriquecer os produtos e serviços oferecidos, além de fidelizar consumidores. Por essa razão, há uma demanda crescente por redatores nessa área. Além disso, os desenvolvimentos tecnológicos que facilitaram o acesso a e-books e outras obras digitais também expandiram as possibilidades de atuação como escritor.

    Para se tornar profissional, não é preciso ter uma formação específica em letras, jornalismo ou áreas similares. Embora isso ajude bastante, não é um fator que elimine um candidato que goste de escrever e tenha bons conhecimentos gerais.

    Escrever sobre pães sem glúten, pão-de-queijo sem glúten, água e até glúten sem glúten vai bombar! O conteúdo deve ser relevante para quem vai comprar, uma vez que ele atrairá o consumidor até dentro da padaria.

    Quando ele chegar lá, o padeiro — ou o cheirinho do pão — se encarregará de fechar a venda.

    Memes are funny not just because they are ridiculous, but because they point out something ridiculous about life. The fact is that most of us know very little about what other people do for a living. DAVID LEONHARDT – The Happy Guy Marketing

    We have neighbours, and we have no clue what they do.

    We meet people on the job, doing their job, and we still have no clue what they do.

    We have brothers and sisters and aunts and, yes, spouses…and we have no clue what they do.

    And many of us would be hard pressed to explain what we, ourselves, do. Yes, it sounds ridiculous. But it’s also true, and it’s reflected in the last two panels of most of these memes:

    • What I think I do.
    • What I really do.

    É preciso escolher aquela que se adapta melhor ao seu estilo ou que lhe dará mais oportunidades de ganho e aprendizagem.

    Textos escritos com estratégias de otimização do conteúdo. Ou seja, além de informarem o leitor, também contribuem para que os mecanismos de buscas priorizem o texto nos resultados.

    Nesse caso, os conhecimentos de marketing de conteúdo se fazem necessários. Nos blog posts, a persona, o tipo de linguagem, o SEO e suas outras diversas estratégias farão companhia aos demais conhecimentos do escritor fantasma.

    São conteúdos maiores, que exigem entrevistas e pesquisas mais intensas e estão atreladas a profissionais e pessoas que têm uma história para contar, mas não sabem como fazê-la interessante por meio das palavras.

    Existem autobiografias, biografias de presidentes, de famosos, empresários, atletas, modelos, artistas e mais uma infinidade de temas que podem ser explorados pelo ghostwriter.

    Além de contribuir para a concepção do conteúdo, nessa modalidade você também estará transmitindo seus conhecimentos. Ele pode ter, por exemplo, o domínio do conteúdo, mas não saiba como desenvolvê-lo.

    É parecido com a relação do escritor fantasma na produção de uma biografia e com o foco mais direcionado para a área jornalística ou comercial de uma empresa.

    Bom, você já viu que existem diversas oportunidades e iniciar na carreira não é propriamente difícil. Então, o que ainda é preciso considerar?

    A rotina de um ghost writer não é livre de desvantagens. Inclusive, é preciso lidar com diversos problemas no dia a dia, que podem ser mais ou menos graves, a depender da personalidade e das características de cada redator.

    Já que o texto não é seu, você precisa encontrar exatamente a voz de seus clientes. Muitas vezes, a linguagem deve ser jovem e informal, enquanto em outras precisa ser elaborada e técnica. Ou seja, cada texto apresenta necessidades próprias. Você precisa conseguir adaptar sua linguagem a elas!

    Você está confortável com a ideia de ceder completamente seus direitos sobre um texto? Algumas pessoas não se sentem bem com essa ideia, preferindo escrever apenas para sites e editoras que garantam seus créditos de autoria.

    Para suprir essa necessidade, você pode criar um blog para fazer suas publicações pessoais, com os temas que curte, e de quebra, ainda pode transformá-lo em seu currículo online e atrair clientes.

    Ghost writers, normalmente, são contratados em regime de prestação autônoma de serviços (freelancer). Isso pode significar uma relativa incerteza profissional, já que há épocas com mais oferta de trabalho e outras com menos.

    Para superar essa incerteza, é preciso muito planejamento e disciplina financeira, além de um bom histórico de compromisso e relacionamento com seus clientes para garantir maior regularidade de serviços no futuro.

    Se você quiser se aventurar como uma profissional autônoma e abrir mão do conforto e abundância de tarefas das plataformas de redação, terá que negociar e colocar preço em sua produção. Ela poderá ser realizada de acordo com o tamanho do texto, volume de caracteres ou palavras, por exemplo.

    Existe Guarani em São Paulo
    Conhecimento e cultura dos povos ancestrais.

    É preciso preparar psicologicamente e financeiramente, pois, será freqüente ouvir contrapropostas indecentes, que desvalorizam seu trabalho e dedicação.

    Em alguns casos, será preciso aceitar ofertas de trabalho com valores abaixo de mercado e ainda ter que cobrar do cliente caso ele atrase seus pagamentos.

    Outra situação que você como escritor-fantasma independente terá que lidar é com a concorrência. Fora de uma plataforma, será necessário disputar clientes com agências de conteúdo grandes e outros profissionais mais experientes ou dispostos a receberem bem menos que o projeto efetivamente vale.

    Do you know what you really do? I mean, do you know what you do well enough to create a meme like this for yourself? The challenge is on!

    Contact me: edsjesusii@gmail.com

    Palavras perdidas: O que é redator web?, A INVASÃO DO BRASILPEIXE-BOI MARINHOA vida como ela é, Marvel, ThunderComics, Guia dos Quadrinhos, Flash na Biblioteca, Jornada ninja,Via Láctea pelo navegador, Criacionismo., Blue Dragon (Dragão azul), Neil Armstrong, Signo Geek, Cifras

    TEORIA DO CAPITAL HUMANO – RESUMO

    A teoria do capital humano inovou a concepção de sociedade dos políticos e empresários modernos. Enquanto o mundo todo buscava aumentar a linha de produção, intensificar o ritmo de trabalho e focar no maquinário, Theodore Schultz caminhou na direção contrária, focando a economia na alegria do homem de carne e osso. TÊTE-À-TÊTE

    A Teoria do Capital Humano alega que investimentos em educação e saúde podem aprimorar as habilidades e a vontade de trabalhar dos indivíduos, aumentando sua satisfação e produtividade, o que melhoraria a sociedade como um todo.

    Capital vem do latim, capitale, palavra latina originada da palavra caput, que significa “cabeça”. Isto é uma alusão à riqueza, que em outros tempos era maior de acordo com a quantidade de cabeças de gado possuídas. O termo também pode significar liderança e poder.

    Em economia, capital é um bem destinado à produção de outros bens econômicos. Por exemplo, uma máquina que faz xícaras é um capital, porque produz outros bens econômicos.

    O dinheiro é uma espécie de capital, porque com ele é possível adquirir outros bens ou comprar materiais necessários para alguma produção. O dinheiro, portanto, gera valor ou itens de valor. 

    Por sua vez, os bens de consumo estão diretamente ligados à satisfação do homem. Antes de Schutz, grande parte dos intelectuais da economia não consideravam os bens de consumo como capital.

    A teoria do capital humano de Schultz, em resumo, traz uma inovação na maneira de classificar o capital e no modo de hierarquizar os bens econômicos.

    Muitos economistas encaravam os bens de consumo como algo não produtivo, focando no desenvolvimento do capital técnico, ou seja, equipamentos e geração de valor stricto sensu. Schultz vê a economia de modo diferente.

    Para ele, quanto mais um funcionário estiver satisfeito na vida pessoal, maior será a possibilidade de que ele trabalhe mais e melhor.

    Schultz vê nos bens intelectuais, nos bens de consumo e nos bens pessoais uma possibilidade de aumentar as produções de capital. Assim, os bens da vida particular, que estão fora do termo capital da economia, foram chamados de capital humano.

    A teoria afirma que o auxílio no aperfeiçoamento da vida pessoal dos trabalhadores é um investimento que pode ser feito pelo governo e pelas empresas. Alguns exemplos são:

    • investimento do governo para aprimorar escolas, pensando na diversão dos alunos e no ensino da moral;
    • investimento das empresas na saúde dos trabalhadores, fornecendo médicos, dentistas e nutricionistas;
    • investimento no aprimoramento intelectual dos funcionários, com cursos de ética, psicologia, literatura e etc.;
    • realização de palestras sobre temas importantes para a vida particular e social;
    • investimento das empresas no aprimoramento dos funcionários em questões técnicas, que não sejam 100% relacionadas com o trabalho do funcionário;
    • incentivo à união dos funcionários através de confraternizações e prática de esportes coletivos e atividades de lazer.

    A maneira como Theodore Schultz descobriu esses elementos influenciou grande parte dos postulados da teoria do capital humano, segundo sua teoria, quanto maior o desenvolvimento do capital humano, maior o desenvolvimento do capital.

    Theodore Schultz, criador da teoria do capital humano
    Theodore Schultz, criador da teoria do capital humano.

    A teoria do capital humano surgiu em 1971, através das observações do economista da Universidade de Chicago, Theodore Schultz, ganhador do prêmio Nobel de economia. Schultz estava desenvolvendo a disciplina da Economia da Educação, até que chegou ao ápice dos seus estudos no lançamento do livro Investment in Human Capital: The Role of Education and of Research, em 1971.

    O rápido reerguimento de alguns países após a II Guerra Mundial foi vital para a teoria do capital humano.

    O Japão e a Alemanha reergueram suas economias rapidamente no pós-guerra. Em contrapartida, a Inglaterra fazia racionamento de alimentos anos depois do fim dos conflitos.

    Estudando esse fenômeno, Schultz percebeu que os países que melhor se reconstruíram, passaram por uma intensa dedicação nas áreas da saúde e da educação de todos os seus cidadãos.

    Sem os empecilhos de ter que correr atrás de sua sobrevivência e com um bom foco profissional, fornecido pela educação, os cidadãos japoneses e alemães podiam dedicar-se à vida acadêmica e de produção técnica com muita facilidade.

    Schultz também constatou que os EUA tinham uma vantagem que os favorecia economicamente: seus cidadãos investiam em aprimoramento pessoal. Os EUA eram a maior economia do mundo, e ao mesmo tempo eram um dos países que mais possuíam a cultura de desenvolvimento pessoal.

    Schultz relacionou os dois fatores e descobriu que os investimentos pessoais eram uma das causas primárias do sucesso econômico dos Estados Unidos.

    A teoria do capital humano passou a ver o investimento em bens particulares e bens de consumo como um dos principais potencializadores da economia, diferentemente do que propõe a tese marxista.

    Os representantes da teoria econômica do capital humano, por sua vez, afirmam que a aplicação de seus métodos é benéfica tanto para os patrões quanto para os funcionários. Os trabalhadores receberiam o salário justo e investimentos que vão além do pagamento devido.

    Os capitais humanos são todos os bens pessoais que geram satisfação à pessoa e que elevam as capacidades que não estão diretamente ligadas a função do trabalhador, exemplos de capitais humanos são:

    • Desenvolvimento cultural — conhecimentos humanos como filosofia, psicologia, literatura;
    • Desenvolvimento de conhecimentos técnicos, como informática, comunicação objetiva e conhecimento gramatical;
    • Conhecimento de bons valores através da ética, especialmente ética profissional;
    • Atividades de lazer.
    Em que sentido a teoria do capital humano está presente nas políticas educacionais?

    Um dos principais fatos sociológicos para a disseminação da teoria foi o apoio das instituições pertencentes ao acordo de Bretton Woods, que consistiu na resolução de grandes instituições financeiras para financiar iniciativas vocacionais e educacionais pelo mundo. As principais instituições que assinaram o pacto foram o Fundo Monetário Internacional – FMI e o Banco Mundial.

    Um dos principais investimentos no Brasil é o BIRD, projeto que emprestou 250 milhões de dólares para a realização do projeto Novo Ensino Médio.

    Gary Becker foi um dos responsáveis em disseminar a teoria do capital humano no meio acadêmico, fazendo com que o pensamento adquirisse importância intelectual em diversas faculdades.

    Uma das influências de Schultz no Brasil pode ser vista no grande investimento do país em educação, que cresceu exponencialmente após a década de 80. Brasil, Pátria Educadora, era o principal lema do governo da presidente Dilma Rousseff, a partir de 2015.

    Um estudo feito por Ricardo Paes de Barros demonstra que os investimentos financeiros na educação brasileira cresceram, mas a produtividade profissional ficou estagnada e demonstrou quedas em alguns períodos.

    Gráfico à respeito da evolução da qualidade de ensino em certos países, incluindo o Brasil.

    Em 2018 o Brasil participou do PISA, uma pesquisa de avaliação do ensino escolar internacional. Dos 79 países que participaram, o Brasil ficou na 60ª posição. Atrás dos Emirados Árabes Unidos, Vietnã e México. 

    O percentual do PIB brasileiro que sai dos cofres públicos para financiar a educação chega a ser de quase 6%, totalizando mais de R$100 bilhões de reais. Esse número não está abaixo do padrão da OCDE; antes, pelo contrário, é 30% maior que a média.

    O problema da educação brasileira não é de investimento. É necessário analisar como é usado esse investimento e qual é o método de ensino.

    O Brasil utiliza o método educacional do socioconstrutivismo, na vertente do educador Paulo Freire, que vislumbra uma educação que liberta. Platão, Aristóteles e tantos outros falaram sobre o papel que a educação tem, incluindo o viés de libertação da alma.

    O professor de história, Thomas Giulliano, autor do livro Desconstruindo Paulo Freire, explica que o patrono da educação tratava a história do Brasil como formada pela alienação, pelas desigualdades e pela opressão e, assim, sua pedagogia deveria ser o meio de libertação do aluno, tornando-o um agente transformador da sociedade.

    O ensino de Paulo Freire é baseado na doutrina da luta de classes de Karl Marx, segundo o aluno deve ser educado para militar contra a lógica da economia de mercado e dos valores conservadores, instituições que Marx encarava como as causas dos males da sociedade.

    Segundo o especialista em educação, professor Felipe Nery, o problema da educação no Brasil não é um problema de falta de recursos ou de pouco investimento, o Brasil aplica em seu sistema educacional um “valor” acima da média dos países desenvolvidos. O problema é ideológico e começou no período militar. 

    Nesse período, o primário passou a ser voltado à formação intelectual do aluno e o secundário à preparação de trabalhadores para o mercado.

    Paulo Freire tornou-se secretário da educação de São Paulo, criou a medida da aprovação automática e sua doutrina educacional, que envolve a alfabetização e a educação militante, tornou-se regra nos currículos universitários brasileiros, estabelecendo esses fundamentos na sua maior obra, intitulada Pedagogia do Oprimido.

    Ou seja, há um problema na cultura educacional: ela instrumentaliza politicamente os alunos ao mesmo tempo que compacta seus conhecimentos e técnicas para o mercado de trabalho. brasilparalelo

    Humanize-se: E se Karl Marx vivesse hoje em dia? Socialismo vs ou = Capitalismo, Marx escreve uma carta de repúdio ao professor, BRANCA ALVES DE LIMA, Paulo Freire plagiou professor americano e destruiu a educação brasileira, Gatos x cachorros x escravos

    Dia Internacional da Maconha – Weed`s Day

    O dia 20 de abril, grafado como 4/20 em inglês, é comemorado internacionalmente como Weed`s Day. Traduzindo, é o Dia Internacional da Maconha. Ou Pot Day, como é conhecido em outros países. Jesus Hemp

    14249

    A data sempre foi marcada pela realização de mobilizações, marchas e manifestações, cujas lutas se centram na descriminalização e na regulamentação da maconha a nível global. Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis (SBEC)

    Originária da região do norte do Afeganistão, a planta Cannabis Sativa, a maconha, é utilizada há aproximadamente 6.000 anos. O primeiro escritor a mencionar o uso do cânhamo em cordas e tecidos é Heródoto, um historiador grego que é considerado o pai da história. A fibra do cânhamo, presente no caule da maconha, foi muito utilizada nas cordas e velas dos navios gregos e romanos, e era usada também para fabricar tecidos, papel, palitos e óleo. ENTRETENIMENTOS

    flor coracao vermelho São Paulo pode criar hoje o “Dia Municipal da Maconha Terapêutica”

    Há registros do uso medicinal de maconha desde a era de Assurbanípal, o último grande rei da Assíria, que morreu em 626 a.C., de acordo com relato histórico no livro Cannabinoids as therapeutic agents (Canabinoides como agentes terapêuticos), publicado em 1986 pelo bioquímico israelense Raphael Mechoulam. Também há registros no Egito antigo, na Grécia e na Roma antigas. O naturalista Plínio, o Velho (23-79 d.C.), da Roma Antiga, descreveu em detalhe o uso médico.

    Da Idade Média ao século XIX os registros continuaram na Europa, na Índia e na Pérsia (atual Irã), na medicina tradicional chinesa. Com o uso generalizado, tanto do ponto de vista geográfico como em tipos de tratamentos, o surpreendente é que a partir do século XX tenha se tornado uma substância tão proibida nos países de cultura ocidental. Aconteceu por motivos principalmente políticos, com liderança norte-americana.

    Mas como surgiu o código 4:20? O que, dentro da cultura canábica, é um número usado para se referir ao ritual do uso da maconha, tem a origem em um mito da Califórnia. Por coincidência, um dos primeiros estados americanos a autorizar o uso medicinal (1996) e recreativo (2016) da maconha.

    20 de abril ou 4/20: O Dia Mundial da Erva

    Segundo o jornalista Steven Hager, de uma das mais conhecidas revistas especializadas em cannabis, a High Times, o termo surgiu em 1971 na Califórnia com um grupo de adolescentes da San Rafael High School, uma espécie de confraria chamada “Os Waldos”. Eles se encontravam sempre às 4:20 pm (16:20) para fumar maconha perto de um muro, na parte externa da escola.

    Em certa ocasião, os jovens, que já curtiam a erva, receberam um mapa de um trabalhador da guarda costeira que levaria a uma plantação de maconha em Point Reyes, próximo à São Francisco. Outra referência era que 4:20 era um código usado para se referir ao momento que eles deveriam se encontrar para sair em busca do tesouro nunca encontrado.

    Uma outra crença comum é que 420 era a polícia da Califórnia ou o código penal para a maconha. Mas não há muitas evidências sobre essa teoria. Cannabis & Saúde

    Há também a versão de que existem 420 compostos químicos ativos na maconha, daí uma conexão óbvia entre a droga e o número. Mas esse número é, na verdade, superior a 500 – sendo mais de 100 canabinoides.

    Segundo Steve Bloom, editor High Times, uma das primeiras publicações sobre a maconha nos Estados Unidos. o termo virou uma um código semiprivado, que os usuários de maconha vão encontrar por todos os lados. O número aparece até no filme Pulp Fiction, de Quentin Tarantino, no relógio de um dos personagens. BBC

    Bom, seja como for, 4:20 se tornou universal símbolo da cultura canábica em todo o mundo. Em países onde o consumo adulto da Cannabis já está legalizado, festas e festivais são amplamente promovidos para celebrar o Dia da Maconha.

    A promessa de contribuir para todos esses tratamentos tem gerado interesse na esfera acadêmica sobre a farmacopeia produzida pela planta Cannabis sativa. Uma busca na base de dados Pubmed revela um número quintuplicado de artigos científicos entre 2000 e 2019 sobre essa classe de substância.

    Na mídia, as menções também se tornaram mais e mais frequentes em anos recentes, assumindo ares de novidade apesar do histórico de uso que remonta a cerca de 2 mil anos. É por isso que a empresária Viviane Sedola, fundadora da empresa Dr. Cannabis e eleita pela High Times – revista norte-americana que defende a legalização da erva – como uma das 50 mulheres que se destacaram nessa área no mundo, qualifica a planta e seus derivados como uma novidade milenar. Em alguns países, como parte dos Estados Unidos, Uruguai e Canadá, a medida adotada foi liberar o uso medicinal da maconha – por vezes a própria erva a ser fumada –, uma decisão controversa. Nos Estados Unidos também está disponível uma profusão de preparados vendidos como suplementos alimentares, cremes para a pele, biscoitos que prometem acalmar bichos de estimação estressados ou com dor, entre outros. Maria Guimarães – Revista Pesquisa FAPESP

    Here’s more: Horóscopo Canábico: confira o que os astros reservam para os canabistas em 2022.Sisters of the Valley, 1ª Live MMJ – Chá das Mães Jardineiras – Farmácia Viva e Direito de Cultivo Doméstico

    Dia mundial da Saúde?!?

    Em 1946, a Organização Mundial de Saúde aprovou um conceito que visava ampliar a visão do mundo a respeito do que seria estar saudável. Ficou definido então que “a saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”. Não-Me-Toque/RS

    Você pode adotar outras maneiras mais simples ainda para favorecer sua saúde. Veja:

    • Programe o fim de semana: De acordo com a pesquisa, projetar algo bom provoca mudanças no cérebro, além da pessoa ter a velocidade dos batimentos cardíacos e a pressão sanguínea diminuídas;
    • Fuja um pouco da rotina. Entre tantos afazeres, tente quebrar a rotina, faça uma caminhada, visite um amigo, brinque com as crianças, sente em um lugar para observar a natureza. Estudos indicam que isso diminui o estresse e pode prevenir problemas cardíacos;
    • Dispense tempo às amizades. Pessoas solitárias são mais propensas a desenvolver problemas de saúde relacionados ao estresse, como hipertensão e doenças cardíacas;
    • Atente-se para sua alimentação. Coma devagar, varie sempre os alimentos e evite o sal, já que ele faz a pressão aumentar;
    • Durma o suficiente. O sono é uma necessidade básica, como se alimentar e beber água. As pessoas que dormem um tempo inferior àquele que é necessário ganham peso com maior facilidade e podem desenvolver diabetes e depressão.

    Saúdeze-se: Dia Mundial da Saúde, Dia Mundial da Saúde Mental, Dia do trabalho, e a saúde?, Saúde nossa de cada dia!