Fusca versão Porsche

Como uns dos carros os mais legendários de todos os tempos, o Volkswagen Fusca não necessita nenhuma introdução. Mais de 21 milhões de fuscas foram construídos nos últimos 65 anos e, embora a sua forma seja imediatamente reconhecível, está longe de ser o carro mais elegante alguma vez construído. Auto Car Style

O Fusca passou longe de ser esportivo, mas sabemos da relação que o modelo tem com os primeiros Porsche, principalmente quando se trata do motor boxer. Renan Bandeira – mobiauto

Ícone da indústria, modelo às vezes sofre nas mãos de entusiastas, digamos, empolgados demais, e recebe as mais impresíveis modificações

Na década de 1950, a empresa alemã Okrasa já realizava preparações nos Volkswagen. Mas mostrou que ainda não era o bastante quando lançou, em 1973, um Fusca com visual inspirado no Porsche 935, que era movido pelo motor boxer seis-cilindros de 255 cv.

Seus olhos, pode quase confundir com um velho Porsche 356 Speedster. O fundador de Memminger, Georg Memmingming, começou a restaurar os Clássicos Beetles, que são hoje o principal negócio da empresa, já em 1992. No entanto, acolher o Memminger Roadster 2.7 como um autêntico fusca pode ser um desafio.

O Fusca esportivo é obra dos alemães da Memminger Feine-Cabrios, empresa de restauração e customização de conversíveis e limusines. O Volkswagen surgir sob a forma de um rodster, com direito a motor 2.7 boxer de quatro cilindros e 210 cv. Gazeta do Povo

|

O modelo usado para a transformação foi um exemplar de 1992. O teto foi retirado e o carro ficou só com dois lugares, ao melhor estilo roadster. Também ganhou freios a disco de um Porsche 911, suspensão reforçada e rodas de liga aro 18.

O propulsor foi instalado em posição central para melhorar a distribuição do peso, afinal o Fusca teve o peso reduzido para 800 kg e ficou arisco demais com a nova motorização. O câmbio é manual de cinco marchas também emprestado da Porsche, o restaurador alemão transforma modelo original e instala motor 2.7 do Porsche 914, com 210 cavalos de potência

O Fusca roadster será exclusivíssimo, com apenas 20 unidades produzidas e colocadas à venda na Alemanha.

Além de mais largo e baixo, o pequeno conversível recebeu faróis com lâmpadas de xenônio, dupla saída de escapamento na traseira e rodas de aro 18 montadas com pneus largos. iG São Paulo

O visual é um tanto diferente dos demais Fusca. Ele tem a bitola mais larga, é mais baixo, e teve os bancos traseiros removidos, substituídos por santantônios para os passageiros da frente. Os pneus são bem mais largos do que os do modelo “civil” – 225/45 na frente e 255/40 atrás. G1

Fusca conversível da Memminger — Foto: Divulgação

Por dentro, os bancos com apoios laterais mais largos, volante de três raios e cluster com cinco instrumentos: velocímetro, contagiros, relógio e marcadores da pressão e do nível de óleo do motor.

Fuzca-se: Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Antártica 1, Bumblebee era um Fusca???, Volkswagen transforma Fusca em elétrico, Rolê De Natal Volks Club Mooca, Volkswagen SP2 Clássico, Van movida a energia solar ou com banheiro?!?, Wellcome Boxerville (Adulto)

Bianca e Leila, by SPTrans

Com o objetivo de homenagear as atletas paulistas Bianca e Leila, da Seleção Brasileira de Rugby e que estão representando o Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, estão em circulação nas ruas de São Paulo quatro ônibus adesivados com arte temática ao esporte. Mobilidade Sampa

Os veículos da Auto Viação Transcap circulam com a homenagem até o dia 10 de agosto, nos bairros da Zona Sul como Paraisópolis, Campo Belo e Santo Amaro e também na região da Avenida Paulista, com as frases: “O Rugby de Paraisópolis representando o Brasil” e “Bianca e Leila estamos na torcida”.

As atletas, moradoras do bairro de Paraisópolis, são consideradas exemplo de muita dedicação e sucesso. A ação pretende reforçar que o esporte é um dos principais meios de inclusão e transformação social existentes e pretende incentivar jovens que estão no caminho do aprendizado. Assessoria de Imprensa da SPTrans

Vejam as quatro linhas a seguir:

  • 746K/10 Paraisópolis – Campo Belo
  • 746P/10 Paraisópolis – Santo Amaro (via Giovanni Gronchi)
  • 807P/10 Paraisópolis – Santo Amaro (via Panamby)
  • 6412/10 Paraisópolis – Paulista

“A arte permanecerá estampada até o final dos jogos em Tóquio como forma de apoio, homenagem e torcida às atletas e ao esporte que cresce a cada dia em nosso país”. – diz a companhia por meio de redes sociais. ADAMO BAZANI – Diário do Transporte

O  encerramento das Olimpíadas é previsto para 08 de agosto de 2021.

Fusca Porsche é um dos mais caros do Brasil

Parece que a ligação do André com o VW Fusca já estava marcada desde o seu nascimento, pois a porta do quarto da maternidade estava decorada com o Fusca abaixo, e o melhor da história é que ele nasceu no dia 20 de janeiro — que depois viria a ser o Dia Nacional do Fusca! Alexander GromowFalando de Fusca & Afins

Entre 1976 e 1990, as importações estavam fechadas no Brasil. Em outras palavras isso quer dizer que nada poderia ser trazido de fora seja para indústria automobilística ou outros setores. Renato Bellote – iCarros

Por conta da proibição, esse período é considerado um dos mais criativos em termos de veículos fora de série. Utilizando a plataforma Volkswagen do Fusca ou da Brasília, criadores pensaram em projetos bem diferentes e até mesmo bastante ousados pra época.

Fusca Cintra reproduz visual do Porsche 959 e só 3 exemplares foram feitos; pioneiro foi restaurado e teve proposta de R$ 300 mil - Arquivo pessoal

André Cintra, um estudante paulista de 15 anos, em 1988 teve a ideia de colocar o visual arrojado do Porsche em um Fusca. Quatro anos depois, nascia o Fusca “959 Cintra”, que foi manchete de revistas especializadas da época. Alessandro Reis – UOL

Primeiro Fusca Cintra produzido foi restaurado e hoje está com colecionador anônimo de Balneário Camboriú (SC) - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

Os três exemplares, todos produzidos artesanalmente no início dos anos 1990, estavam sumidos nos últimos anos e foram resgatados em 2020. Hoje pertencem a um colecionador anônimo de Santa Catarina e são bastante valiosos.

Interior do Fusca 959 Cintra pioneiro; carro traz motor 1.8 a ar sobrealimentado com turbo - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

Quem conta a história é o caçador de carros antigos Rodrigo Ziliani, o Bilinha, que “salvou” os Fuscas e os repassou a esse colecionador. Cada carro, conta ele, foi achado em local diferente de São Paulo. Todos em estado de abandono.

No ano passado, 2020, o André foi informado que os três carros que ele montou originalmente foram encontrados. Isto foi o resultado do diligente trabalho do Rodrigo “Bilinha”.

Além disso, Rodrigo irá construir outros três Cintras em parceria com seu criador. Hoje com 48 anos, André Cintra revela que ainda tem os moldes originais para produzir as peças de fibra de vidro.

Os moldes foram feitos sobre o Fusca modelado, com os moldes prontos seguiu-se o penoso trabalho de “desmoldar” o Fusca retirando todo o poliuretano expandido e a massa plástica, para depois aplicar as peças em fibra de vidro formando o ‘CINTRA 959’.

O trabalho de confecção dos moldes foi muito bem feito já que eles se mantiveram preservados até os dias de hoje e foram usados na confecção de um quarto carro como veremos abaixo:

Resgate dos três carros originais reacendeu a vontade de produzir mais veículos, como este de corrida - Julio D'Paula/PhotoPress - Julio D'Paula/PhotoPress

Daí veio a a amizade com Ziliani e a ideia de dobrar a produção original do Fusca 959 Cintra. Os três novos veículos serão para uso pessoal, pontua o arquiteto, Cintra.

André conta que o primeiro carro da nova safra acabou de ser concluído e é de corrida, pois só pode ser usado em circuitos fechados.

Esboços da transformação que resultaria no Fusca 959, feitos por André Cintra há cerca de 30 anos - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

A fabricação dos carros número cinco e seis já começou em um galpão de Tupi Paulista com as participações de Bilinha e Plínio Cintra – primo de André que cedeu o chassi para a produção do Fusca Cintra número 4, o de competição – equipado com motor AP 1.6 injetado de 130 cv.

Cartaz do curso que André fez com o designer Anísio Campos, de quem se tornaria discípulo e amigo - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

André Durgante Da Cunha Cintra relata que os primeiros esboços do Fusca 959 nasceram em 1988, durante o curso 1ª Oficina de Design de Automóveis. Os professores foram os designers Fernando Stickel e Anisio Campos – desenhista de clássicos nacionais como Puma GT e Kadron Tropi, considerado o primeiro buggy brasileiro.

Um estudo usando “overlay” em papel vegetal do desenho da lateral de um Fusca de maneira a poder visualizar as partes que seriam modificadas com apliques em fibra de vidro.

Os desenhos que Cintra apresentou ao Anísio Campos no contexto da 1º Oficina de Design de Automóveis e que deram início aos acontecimentos que levaram à confecção dos ‘CINTRA 959’, eles datam de julho de 1988! Verdadeiras raridades.

Cintra recorda que projeto exigiu criatividade; faróis do Porsche original valiam mais do que Fusca 'doador' - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal

Apresentação do Fusca Cintra foi realizada em meados de 1992, no mesmo local onde André fez o curso. O Fusca 959 Cintra pioneiro traz motor 1.8 a ar sobrealimentado com turbo e faróis do Porsche original valiam mais do que Fusca ‘doador’.

O ‘CINTRA 959’ participou de vários eventos como o 5º Encontro Nacional do Fusca realizado em Interlagos no dia 17 de janeiro de 1993 pelo Fusca Clube do Brasil que eu presidia. Neste evento ele foi distinguido com o prêmio de “Fusca mais excêntrico” ganhando uma placa comemorativa.

Fusze-se: Porsche, Fusca: a volta dos que não foram., Blue Bug, Fusca de Lego, A última despedida do Fusca!?!, Aline Gonçalves Santos e o fusca elétrico, DIA NACIONAL DO FUSCA, PARABÉNS!!!, FUSCA ACELERADOS, FUSCA ELÉTRICO – RESGATE DE CARROS CLÁSSICOS, GURGEL MOTORES: O LEGADO

Toda bike importa

Aqui na redação repudiamos esse tipo de postura. Milhares de ciclistas já morreram em acidentes assim. Acreditamos que, além de mal gosto, essas colocações de Murilo Couto podem estimular atitudes criminosas contra ciclistas. Bike aos pedaços

Não nos cabe dizer quais são os limites do humor, mas sim alertar que, quando se trata da vida e da sobrevivência de pessoas, o efeito imediato das falas do Sr. Murilo Couto é a banalização das mortes. Sim, uma piada pode promover mais mortes, classificando a atitude do humorista como incitação ao crime (art. 286 do Código Penal) e discurso de ódio, travestidos de “humor”.

Como disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, enfrentar o discurso de ódio não significa limitar ou proibir a liberdade de expressão. Significa evitar que este discurso se transforme em algo mais perigoso, particularmente que incite discriminação, hostilidade e violência, o que é proibido pela legislação internacional.

Portanto, repudiamos com veemência as falas do Sr. Murilo Couto. As risadas de um punhado de pessoas em uma sala de teatro não podem justificar a morte de milhares de ciclistas e o luto de seus familiares e amigos. Basta de mortes no trânsito e de discursos de ódio. Aliança Bike – Associação Brasileira do Setor de Bicicletas

 (crédito: WILLFOTOGRAFO)

Em sua apresentação o humorista fala com alguém da plateia e o questiona sobre qual esporte pratica, quando a resposta é ciclismo, Murilo começa a fazer comentários sobre a modalidade. O motivo da protocolação é a fala sobre o atropelamento de ciclistas “No caso dos ciclistas, eu dou razão para o motorista de ônibus que atropela” diz, Murilo. Correio Braziliense

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), os ciclistas devem utilizar ciclofaixas, ciclovias ou acostamentos. No caso de não haver estes espaços, devem usar a borda direita da pista, no mesmo sentido dos demais veículos.

O responsável pela denuncia é o defensor público, Alessandro Tertuliano, que apresentou queixa como cidadão e praticante da modalidade. A iniciativa veio através da revolta da classe pela “piada” sobre algo delicado para quem é praticante. “Sou ciclista amador e pedalo de 5 a 6 vezes, toda semana e sinto na pele o perigo que corremos diariamente com motoristas que não gostam de Ciclistas, como o Murilo Couto” afirma Alessandro.

“Ficamos alarmados que uma pessoa pública estimule que um motorista possa vir a ferir ou matar um ciclista. Acreditamos na liberdade de expressão como princípio fundamental da democracia, mas é inadmissível a expressão de discursos que incentivem o ódio e a violência contra quem quer que seja”, disse a União Brasileira dos Ciclistas (UBC) em nota. Diario do Nordeste

Bikeze-se: Bike or die!, Não Foi Acidente, NÃO É CARRO X BICICLETA., Uma Noite de 12 Anos, Muda Mooca, Eu vou de bike, e você?, Trânsito, amigo!, Bicimáquinas, Uma viagem de bicicleta, Por que os jovens já não querem comprar carro nem casa própria?

Alugar ou Comprar um Carro?!?

Alugar ou Comprar um Carro (Tá Todo Mundo Louco?) – APRENDA A CALCULAR VOCÊ MESMO! – PRIMO POBRE

ALUGAR CARRO ou COMPRAR FINANCIADO – O QUE É MELHOR? (Vídeo DEFINITIVO pra TIRAR SUAS DÚVIDAS)

Alugar por 4 ANOS ou Comprar Financiado um CARRO? Qual é melhor? – Cálculo completo. Como Eu Vou?

Calculeze-se: O lar autossuficiente, Por que os jovens já não querem comprar carro nem casa própria?, Saúde financeira: 5 dicas para equilibrar as finanças, Carro elétrico e a drogar da bateria, TORNE-SE UM MENDIGO., Consumo colaborativo e sustentabilidade

Motor elétrico para carros que pode ser instalado nas rodas dos veículos

A britânica Saietta Group criou um novo produto voltado para carros elétricos, que é focado no ganho de espaço e eficácia. A empresa inventou um novo motor, conhecido como AFT 140 (tração por fluxo axial). Valdemar MedeirosClick Petróleo e Gás

Após anos trabalhando no projeto para novos carros elétricos, a empresa está pronta para mostrar o AFT 140, um motor de imã permanente sem escova que é totalmente selado. O objetivo da nova tecnologia da Saietta é transformar os carros elétricos mais eficientes com uma única carga.

A inclusão do motor na roda dos carros elétricos também reduz a complexidade da unidade motriz, permitindo a redução no número de peças necessárias, ou seja, diminuindo o peso total do conjunto. Esta solução permite a maximização do espaço disponível para o chassis e tem a vantagem de se poder adaptar a todo o tipo de veículos.

A inclusão dos motores nas rodas também reduz a complexidade da unidade motriz e permite diminuir o número de peças necessárias algo que, consequentemente, diminui o peso total do conjunto. “Nós não pretendemos tornar-nos num fabricante de plataformas e apenas desenvolvemos um chassis para demonstrar o potencial do nosso inovador motor na roda. Nós queremos trabalhar com criadores de plataformas, complementando ao invés de competir com as suas inovações”, refere Wicher Kist, CEO da Saietta Group. SAPO

Para saber a eficácia do motor nas rodas dos veículos, a Saietta testou a tecnologia em um Renault Twizy. O teste foi feito em Amsterdã, colocando dois modelos Twizy para competir. Um possuía o motor AFT 140 e o outro não, fora isso nada foi alterado. Os veículos dirigiram indefinidamente através de uma gama diversificada de tráfego, temperatura, clima e até mesmo diversas superfícies de estradas, apenas para avaliar se o motor é eficiente ou não.

Para que os testes fossem feitos de forma limpa, cada um dos veículos foi equipado com um laptop que processava todos os dados de desempenho para a empresa New Eletric. O motivo de utilizar o Twizy nos testes é que ele é um veículo de transição perfeito com qual a Saietta pode medir o quanto de batida o seu novo motor elétrico pode aguentar.

Apesar de parecer uma grande novidade, sempre bom lembrar que há mais de 100 anos, entre 1900 e 1905, o Lohner-Porsche usava esse conceito, inicialmente nas rodas dianteiras e, depois, nas quatro rodas. Auto&Técnica

A ideia era tão boa que, quase 70 anos depois, a Boeing e a NASA aplicaram os princípios desse projeto no Lunar Roving Vehicle, o “jipe lunar” que fez parte do Projeto Apollo.

Trazida para os dias de hoje, esta ideia pode trazer diversos benefícios para os veículos sem emissões poluentes, pois os motores elétricos nas rodas do Protean Drive System anunciam ganhos consideráveis em nível do espaço e peso para estes automóveis.

Além disso, poderá transformar carros elétricos que já estejam nas ruas apenas com tração dianteira ou traseira, em automóveis com tração integral. Esta tecnologia apresentada pelos britânicos da Protean Eletric poderá ser a primeira utilização comercial desta tecnologia em veículos de passageiros (a Schaeffer e a Ford, por exemplo, criaram em 2013 protótipos do Fiesta com este sistema), embora já existam aplicações em viaturas pesadas.

Este é um “pacote completo”, que inclui o motor elétrico, o imã permanente e toda a eletrônica exigida para o seu funcionamento. No site da empresa consta que este sistema tem potência de 54 kW (72 cv), que pode ser elevada no máximo aos 75 kW (100cv), o que significa interessantes 200 cv de potência para um modelo com tração em duas rodas. Isto com dois motores elétricos nas rodas que tenham dimensões de 16,5 polegadas de diâmetro e 4,5’ polegadas de largura. Entre as vantagens estão desde a eliminação da transmissão e do eixo da transmissão, bem como a utilização mínima de fiação, o que ajuda a reduzir o peso. Segundo apuramos, um par destes motores elétricos nas rodas acusa apenas 72 kg na balança, marca inferior em 30 kg ao total de 102 kg, por exemplo, da motorização do BMW i3.

Entre os destaques do sistema estão também a eliminação das perdas friccionais de energia por meio da transmissão entre 6% e 8%, num modelo com duas rodas motrizes. Esta situação tem também o benefício de melhorar a capacidade de regeneração da energia nas acelerações e frenagens.

A empresa utilizou um protótipo do Volkswagen Golf para testes, com ajustes específicos para a suspensão, tendo constatado funcionamento com eficácia similar ao do e-Golf. A versão de produção deste componente será fabricada na China, inicialmente com volume baixo, situado entre 5 a 10 unidades por semana.

Na pista, os protótipos com duas e-wheels traseiras (total de 109 cv) mostraram uma aceleração brilhante e enorme estabilidade, combinadas com uma agilidade fora do comum: mérito do controle independente dos motores. A ativação do controle de estabilidade é instantânea, pois ele é ligado ao powertrain elétrico, e não aos freios: a e-wheel reage em 5 a 10 milésimos de segundo, em comparação com 60 a 80 milésimos de um freio hidráulico. Tambores ou discos desaparecem das rodas traseiras: há apenas um pequeno tambor que funciona como freio de estacionamento, já que a desaceleração é con ada aos motores elétricos. Emilio BrambillaMotor Show

Rodeze-se: Reinventando a roda, Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Roda tecnobikelógica, Sobre Rodas, Quem matou o carro elétrico?, eTruck, Giorggio Abrantes, Conversão de veículos elétricos, EmDrive – O motor impossível, BATERIA ULTRA QUICK, Nikola Tesla, Carro autônomo vai atropelar VOCÊ, 900.000 km de elétrico

AMAZON APRESENTA TÁXI ROBÔ

O robô táxi tem apenas 3,63 metros de comprimento. Ou seja, é bastante compacto. Isto acontece porque não há bagageira ou um capô dianteiro que abrigue um motor mecânico sofisticado. Em vez disso, o Zoox robotaxi tem um design semelhante a uma cabine, em que quatro passageiros sentam-se frente a frente em pares. BRUNO FONSECA

A empresa revelou, nesta segunda-feira (14), seu modelo inicialmente conhecido apenas como robotáxi, que deve competir por passageiros nas ruas dos Estados Unidos com a Lyft e a Uber nos próximos anos, mas também com outras empresas como Alphabet e GM, que já estão testando seus táxis autônomos. Raphael Coraccini

A responsável pelo desenvolvimento do carro da Amazon é a Zoox, startup que foi adquirida este ano pela empresa de Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo. O robotáxi, que recebe até quatro passageiros, não tem volante, chega a atingir 120 km/h e tem autonomia de 16 horas, proporcionada por duas baterias instaladas embaixo dos assentos.

The carriage also has some unique safety features to go along with its unconventional design, including an airbag system specially built for its bi-directional design. Zoox says that all four seats get the equivalent of five-star crash safety protection. Meanwhile, the camera, LIDAR, and radar system provides a 270-degree field of view from all four corners of the robotaxi, which basically eliminates blind spots.  Jed John Ikoba

Outra diferença importante é a presença de dois motores elétricos, um instalado na parte frontal e outro na traseira. A mecânica e o design do veículo foram projetados para que ele se movimente em qualquer direção.

Além de revolucionar o conceito de carro, o robotáxi tem o desafio de tornar possível um serviço de transporte privado de passageiros via aplicativo para a Amazon. As primeiras corridas devem acontecer em cidades como São Francisco e Las Vegas, segundo a startup.

Porém, ainda que os carros já estejam sendo fabricados, as corridas, ainda vão demorar um tempo para acontecer. O aplicativo não estará disponível antes do final de 2021.

A empresa já está produzindo seus primeiros exemplares do táxi autônomo em uma fábrica em Fremont, na Califórnia, que poderá levar às ruas até 15 mil unidades anualmente em sua capacidade máxima, segundo os executivos da Zoox.

Com o lançamento, a Amazon avança na disputa com a Alphabet, dona do Google, que apostou na startup Waymo para criar o seu táxi sem motorista. O projeto já está sendo testado em Phoenix, no Arizona.

A Cruise desenvolve tecnologia de carros autônomos para a General Motors e também já testa carros em São Francisco, mas usando veículos adaptados, como o Chevrolet Bolt. UM CANCERIANO SEM LAR

Zooze-se: Carro elétrico, R$ 100 por mês!?!, Carro elétrico, 900 km com uma carga, Carro elétrico e a drogar da bateria, O carro flutuante, Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Carro da Tesla completa órbita ao redor do Sol

Cataki, o “Tinder da reciclagem”

Os catadores recolhem cerca de 90% de tudo o que é reciclado no Brasil. Os trabalhadores autônomos são a base da pirâmide de um setor não regulamentado e não reconhecido. Cataki

No Brasil, são 800 mil catadores. Em Cataki, apenas 1.400 estão cadastrados. Ainda temos muito trabalho a fazer.

Um aplicativo chamado Cataki, disponível para Android e iOS, foi reconhecido com o prêmio de inovação do fórum Netexplo, que é concedido anualmente para projetos de tecnologia com maior impacto social e nos negócios.

Como a ferramenta é destinada a uma população vulnerável, ela não requer que os catadores tenham um smartphone sempre consigo. O usuário procura uma pessoa nas proximidades para fazer o descarte de determinado material e, quando encontra alguém, acessa os contatos do catador para fazer uma ligação. tecmundo

E você pode ajudar a ampliar esta rede. Catador, catadora, se cadastrem.

Voluntário, voluntário, inscreva-se no catador de sua rua. Aquela mulher da cooperativa, aquele homem que puxa carroça … fala com eles!

Nesse contato inicial, data e hora do serviço são agendados, e os catadores combinam com seus clientes o preço adequado para a realização do transporte do material.

Os idealizadores do app arrecadaram R$ 160 mil para desenvolver a ferramenta e inscreveram seu projeto no prêmio de inovações tecnológicas do Netexplo, um observatório independente de estudos sobre o impacto de tecnologias na sociedade e nos negócios, parceiro da Unesco. Segundo a Deutsche Welle, mais de dois mil projetos de várias partes do mundo foram avaliados pela comissão do Netexplo, e o Cataki foi o vencedor.

Cataki é um processo aberto, sem fins lucrativos e colaborativo.  Nós precisamos da sua ajuda. Você pode:

  • Registre colecionadores
  • Escritório
  • Arrecadar fundos
  • Desenvolver (nodeJS, React, HTML, CSS)
  • Design e comunicação
  • Outro trabalho voluntário

Catakize-se: Contrapropaganda sobre a Cannabis, Sexo seguro!, 69 com moral da história., CATAKI, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, Reciclagem, flores e pneus, Como a Suécia consegue reciclar 99% do lixo que produz?

Vídeo simula ação de robô-soldado

Em função disso, a ‘Corridor Digital’, estúdio de produção de Los Angeles especializado em efeitos visuais, fez uma montagem impressionante simulando a ação de um robô-soldado, desenvolvido com inteligência artificial do Pentágono, em um cenário de batalha fictício com soldados humanos. Apesar de se tratar de uma brincadeira cheia de efeitos especiais, nos dá a entender que, em breve, a intervenção humana em conflitos de guerra se tornará completamente desnecessária. Matheus Luque

Só no ano de 2019, diversos projetos envolvendo diferentes robôs entraram em ação, como o robô pizzaiolo, o robô cozinheiro e o robô carregador.

Runzer-se: Robôs do Face criam língua própria – mas calma, não é a revolução das máquinas, Como Fazer um Robô, A evolução dos robôs., Robô em busca de liberdade, Nikola Tesla

GURGEL MOTORES: O LEGADO

GURGEL MOTORES: O LEGADO – Canal Flashback, com Carlos Bighetti

Em setembro de 2019, a Gurgel Motores completaria 50 anos de fundação! Uma história construída com estudo, trabalho duro, talento e persistência, além de muito dinheiro e teimosia, por João do Amaral Gurgel, um brasileiro de valor.

Ele tinha espírito empreendedor e era um visionário: antecipou em décadas os conceitos de carro elétrico, hoje festejado pelos seguidores da Tesla, de Elon Musk; do carro ultra compacto Smart e até de algo mais cosmético, como o estilo “cross” ou “adventure”, de veículos para uso na cidade e fora da estrada. Da prancheta do Gurgel, saíram dezenas e mais dezenas de projetos de tudo quanto é tipo de carro. São tantos que não consegui colocar todos nessa reportagem especial de 52 minutos: acabou virando um documentário.

O Canal Flashback apresenta uma bela seleção, com representantes de todas as famílias e estilos de veículos produzidos por ele, graças aos novos amigos colecionadores do Gurgel Clube de São Paulo e do grupo X-15 & Cia., do Facebook e do WhatsApp, ainda tem imagens raríssimas dos arquivos da fábrica de Rio Claro, resgatadas por arqueólogos urbanos como Leandro Basso e Felipe Olivani, que foram essenciais para a realização deste trabalho.

Moplast, kart, minicarros, Macan, Gurgel, 1200, Ipanema, Enseada, Augusta, Xavante, X-10, X-12, Itaipu, Transa, X-15, Jipão, X-20, G-15, E-400, E-500, GTA: Gran Turismo Articulado, XEF, Carajás, Cena, BR-800, Furgão, Tocantins, Motomachine, Supermini, Delta.

Gurzel-se: Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Conversão de veículos elétricos, Usina Solar no Brazil. Aluga-se!, Índio? No Brazil? Nunca existiu?!?, Copaíba do Brazil!?!, eTruck

eTruck

O E-Delivery é o primeiro caminhão 100% elétrico desenvolvido no Brasil. O exemplar mostrado aqui ainda é uma versão experimental derivada da linha Delivery, que a VW lançou em 2018. Paulo Campo Grande

A expectativa é de que ele chegue ao mercado no final de 2020. A VW ainda não fala quanto ele custará, mas será mais caro que a versão diesel, com preço sugerido de R$ 150.700.

O protótipo roda entre 50 e 100 km por dia. Ele sai da central de distribuição da Ambev, que fica no bairro da Mooca, na zona leste, carregado de bebida e eletricidade e volta com baú e baterias vazios.

A recarga das baterias é feita à noite, quando o consumo de eletricidade diminui e as tarifas são menores. E o carregamento das bebidas ocorre de madrugada.

O primeiro caminhão 100% elétrico da Scania está disponível com baterias de 165 ou 300 kilowatt hora(kWh). O veículo também conta com motor elétrico de 230 kilowatt (kW) que entrega 310 cavalos e torque de 2.200 Nm. tecmundo

Segundo a empresa, o modelo com 165 kWh utiliza cinco baterias, enquanto a versão de 300 kWh traz nove unidades de alimentação. O modelo mais potente da nova linha traz autonomia de até 250 km com apenas uma carga.

Os veículos serão vendidos com cabines das séries L e P, e podem ser adaptados não apenas para carga de produtos, mas também transporte com temperatura controlada e até para obras.

Algumas marcas, como a japonesa Toyota, acreditam mais no caminho dos elétricos a pilha/célula de combustível, que usam o hidrogênio como um meio de armazenamento –  para depois gerar a eletricidade a partir de sua eletrólise, emitindo só vapor d’água.

Além de usarem baterias muito menores, ainda evitam a recarga, que é substituída por um rápido abastecimento.

Outras, como a norte-americana Tesla, acreditam totalmente no caminho atual, dos elétricos a bateria. Mas essas baterias dependem muito de elementos químicos encontrados em regiões limitadas da superfície terrestre. Elon Musk chegou a sugerir uma invasão da Bolívia, rica deste elemento, e o dono da Tesla, inclusive, ridiculariza a rival Nicola, que aposta nas células de combustível (não só ela; indústrias do segmento têm se valorizado muito recentemente).

A ofensiva elétrica da JAC do Brasil anunciada pelo seu presidente, Sérgio Habib, à imprensa brasileira em Xangai já começou.

Além do iEV40, que segue em pré-venda por R$ 153.990, a marca começou a oferecer em seus concessionários o caminhão elétrico iET 1200, por R$ 259.900. O utilitário tem PBT de 5,8 toneladas e exige CNH de categoria C.

Segundo a JAC, o alcance do iET 1200 é de 200 km, suficiente apenas para entregas urbanas. No entanto, a marca não revelou uma informação crucial para o segmento: a capacidade de carga.

Uma versão de menor potência (82 cv) do caminhão na China consegue levar modestas 2,6 toneladas. Como referência, o mesmo Delivery 6.160 usado como referência anteriormente leva quase 3,5 toneladas.

Como já sabemos, a corrida pelos carro mais limpo tem vários trajetos possíveis, diferentes e simultâneos. Além dos modos de estocar a energia dos carros elétricos (pilha de combustível, baterias, etc.), – precisamos ter cuidado com como gerar a eletricidade (energia hidrelétrica, eólica, solar, etc.). Este é apenas mais um caminho, em meio a tantas possibilidades. O resultado, e qual vale mais a pena, saberemos daqui a alguns anos. Motorshow

e-truze-se: Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Conversão de veículos elétricos, Carro elétrico, 900 km com uma carga, Carro elétrico e a drogar da bateria, Reinventando a roda, Como Tirar Ferrugem com Pilhas, Coca-cola, Maizena, Papel Higiênico e Vinagre!!!

Reinventando a roda

A Ree, uma empresa sediada em Tel Aviv, Israel, afirma ter revolucionado a forma de se fabricar os veículos, em especial os movidos a eletricidade.

A grande alteração feita pela empresa está nas rodas. Elas estão conectadas a uma base plana junto com todos os demais componentes do veículo, como motor, transmissão, suspensão e freios.

A novidade permitiu criar uma base que pode ser usada para qualquer veículo, desde carrinhos de golf a uma caminhonete off-road.

O CEO e co-fundador da REE Daniel Barel passou por várias fases de inicialização, principalmente trazendo a SoftWheel para o mercado internacional. Loz Blain

A manutenção desses veículos será uma tarefa árdua. Levante-os, retire as rodas, retire todo o módulo da roda e repare ou substitua as peças necessárias.

Roda-ze: Carro elétrico, 900 km com uma carga, Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Carro da Tesla completa órbita ao redor do Sol, Como Tirar Ferrugem com Pilhas, Coca-cola, Maizena, Papel Higiênico e Vinagre!!!

Bolo da retenção

Ângela decidiu se mudar de Sorocaba para Marília, interior de São Paulo, depois de sofrer ameaças do ex-marido. Ela viveu um relacionamento abusivo por 10 anos. DANIEL FROES – Razões para Acreditar

post facebook confeiteira humilha cliente reclamou taxa entrega bolo

“Depois de um ano separada dele, comecei a sofrer ameaças de morte. Ele me perseguia e dizia que tiraria meus filhos de mim.”

selfie confeiteira e filhos

“Eu nunca tinha feito bolo antes, mas me vi no desespero de ter aluguel para pagar e as contas chegando. Pedi R$ 100 emprestados para minha mãe e comecei primeiro com recheios que eu sabia fazer como brigadeiro e prestígio.”

A esperança de dias melhores está na venda de bolos de pote. “Faço bolos todos os dias e vendo de porta em porta ou quando tem pedido.”

O que você faria se todo mundo que você conhecesse esquecesse de seu aniversário?

Tudo começou quando um policial viu uma moto em alta velocidade e deu ordem de parada ao motociclista. Kanokpan Putthapong se deu conta de que ele era apenas adolescente triste que não tinha policial e estava sem capacete, ele se sensibilizou quando o adolescente disse que era seu aniversário, que ninguém havia se lembrado dele, e que sua família o odiava. GABRIELA GLETTERazões para acreditar

Policial compra bolo de aniversário para jovem que chorava por terem esquecido a data 1

Depois deste gesto inesperado, o garoto finalmente se acalmou e percebeu que as coisas não eram assim tão ruins assim e que, muitas vezes, podemos encontrar o amor em um gesto de um simples desconhecido.

Mas não podemos esquecer que o trabalho do policial consiste em organizar o trânsito e multar aqueles que não respeitam as leis, por isto ele deu uma bronca dizendo que é ridículo arriscar a vida por causa de um bolo ou de uma festa.

Retez-se: BOLO DE ARROZ CRÚ, BOLO DE LARANJA VEGANO COM LEITE DE ARROZ INTEGRAL, Vegano Periférico e Veganos Pobres do Brasil, 15 RECEITAS COM TAPIOCA: PRÁTICAS E DELICIOSAS, Policial da Flórida mostra como se trata reclamação de que garotos estão jogando basquete na rua, Dia do Guarda Civil, Engenharia do Consentimento

Corredores ecológicos urbanos & Brent’s Bee Corridor

A seven-mile long “bee corridor” is being planted in a bid to boost the number of pollinating insects. The wildflower meadows will be put in place in 22 of Brent Council’s parks in north London. BBC

O conselho municipal de Brent, distrito de Londres, na Inglaterra, está plantando flores silvestres em parques e espaços verdes. A ideia é construir um espaço propício para atrair polinizadores, especialmente as abelhas. SÃO PAULO SÃO

Um estudo recente mostrou uma queda enorme no número de insetos polinizadores em todo o Reino Unido desde os anos 80. Os pesquisadores acreditam que a perda de habitats tem desempenhado um papel importante nisso, com mais de 97% dos prados de flores silvestres tendo desaparecido desde a Segunda Guerra Mundial. Muitas borboletas, abelhas, libélulas e mariposas confiam nestas flores para prosperar.

Segundo a IPBES (Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos), desde a década de 80 houve 82% de declínio de animais mamíferos silvestres em todo mundo. Denise Maldonado – Mundo Certo

Além de beneficiar as abelhas, o projeto vai criar uma explosão de cores para a população. A meta é inaugurar o corredor para polinizadores até o verão, que na Europa tem início em 21 de junho. Aliás, a ideia de criar um verdadeiro “corredor de abelhas” já não é de hoje. Há pouco mais de um ano, a organização sem fins lucrativos National Park City lançou uma campanha (#WildflowersForLondoners) de financiamento coletivo para alastrar flores pela capital da Inglaterra, veja aqui: https://chuffed.org/project/grow-the-nationalparkcity. BBC News

A swarm of bee facts

  • There are about 250 species of bees;
  • Bees can fly as far as five miles (8km) for food, however the average distance is less than half a mile from the hive. They use the position of the sun to navigate;
  • They have a top speed of about 15-20mph (21-28 kmph) when flying to a food source;
  • The honey bee has five eyes, two large compound eyes and three smaller ocelli eyes in the centre of its head;
  • In the height of summer, there are an average of 35,000-40,000 bees in a hive, in the winter this drops to about 5,000;
  • Other than honey, bees also produce beeswax, bee bread and royal jelly. Source: British Beekeepers Association

Estes .

Se quer fazer parte deste movimento e criar o seu santuário de flores, habitats artificiais, pensados para ajudar as populações locais de abelhas, normalmente compostos por uma mistura de três tipos de espécies nativas de flores, cultivadas sem recurso a fertilizantes ou químicos, veja aqui a lista de flores prediletas das abelhas. No entanto, informe-se sempre sobre as espécies nativas da sua região. Be The Story

De acordo com o Journal of Insect Conservation, algumas das melhores flores silvestres para plantar no seu santuário para abelhas são:

Abelha a polinizar flor
  • Silene vulgaris, chamada Bermim, Erva-cucubalus, Erva-traqueira ou Orelha-de-Boi;
  • Geranium sp., conhecida como Gerânio;
  • Veronica chamaedrys, as Verónicas, de cor azul;
  • Ranunculus acris, ou Ranúnculo;
  • Viola arvensis, mais conhecida por Amor-Perfeito;
  • Crepis capillaris, com os nomes comuns Almeirão-branco, Almeiroa ou Barba-de-falcão;
  • Taraxacum adamii, o Dente-de-Leão (ou O-Teu-Pai-É-Careca, como é conhecido por vezes entre os mais novos);
  • Convolvulus arvensis, uma flor bastante comum e conhecida por nomes tão diversos como Corriola, Corriola-campestre, Corriola-mansa ou ainda Verdeselha ou Verdisela;
  • Centaurea sp., que abrange várias subespécies de flores conhecidas por Cardos.

Lembre-se que outras espécies de flores, silvestres ou não, bem como ervas aromáticas, são também amigas das abelhas! É o caso da lavanda, a sálvia, os coentros, o tomilho, a calêndula, a papoila ou o girassol.

A Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (A.B.E.L.H.A.), com apoio do Instituto Biológico de São Paulo, lançou em 2017 o e-book “Biodiversidade em ação: conservando espécies nativas – Corredores ecológicos urbanos… seguindo a trilha da jataí em São Paulo”, das pesquisadoras Isabel Cruz Alves, Marilda Cortopassi-Laurino e Vera Lucia Imperatriz-Fonseca.

Aobra é um guia prático para orientar cidadãos de centros urbanos que queiram promover corredores de plantas destinados a conservar a biodiversidade local, denominados corredores ecológicos urbanos, compostos por vegetações de diferentes características (arbustos, árvores) que fazem a conexão entre áreas naturais ou seminaturais, auxiliando na sobrevivência de muitas espécies, isoladas umas das outras pelas construções urbanas.

“Essas áreas verdes possibilitam a sobrevivência dos animais que as polinizam e os que dispersam suas sementes, num ciclo de ajuda mútua bom para todos”, explica Isabel Cruz Alves, que concebeu e organizou a obra.

Um dos caminho é por meio da conservação da abelha jataí (Tetragonisca angustula), uma espécie sem ferrão inofensiva ao homem, por isso mesmo, ideal para áreas urbanas, e que são excelentes polinizadoras. O livro traz detalhes sobre as abelhas e ensina como identificar e proteger ninhos de jataís.

“Biodiversidade em ação: conservando espécies nativas” é a terceira publicação lançada pela A.B.E.L.H.A. neste ano. Ele foi precedido por “A história natural ilustrada de um polinizador: a abelha mamangava Xylocopa frontalis” e pela versão em português de “Soja e Abelhas”, publicado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Beezze-se: O Elo Perdido (2019), The Bee Is The Most Important Of The Planet, As abelhas-azuis, Protea, Abelha, o ser humano mais importante do planeta, Abelha Mãe, O Jardim do Éden e os Anunnaki, Abelhas nos telhados de Paris, Manual de Apicultura em Pequena Escala

Como Tirar Ferrugem com Pilhas, Coca-cola, Maizena, Papel Higiênico e Vinagre!!!

Como Tirar Ferrugem com Pilhas! – Eletrólise. Celso Cavallini

Lista de material:

– Pilhas; Fonte de NoteBook; Carregador de bateria; Bateria 6v ou 12v

– Fios de 2 cores

– Fita isolante

– Alicate

– Arame

– Garrinhas tipo jacaré

– Sal

– Vasilha com água

– Colher

– Metal de sacrifício

– Escova de metal ou Palha de aço – Bucha – Lixa

ferrugem- Qual a melhor maneira de tirar ferrugem faça você mesmo #138 – BR2 brasileiros um dia por vez

04 maneiras de retirar ferrugem, peças oxidadas: Eletrólise; Vinagre; Coca-Cola, Gel em pasta de amido de milho e vinagre

Removendo ferrugem com papel higiênico – Meantime

Um método de remover a ferrugem apenas utilizando papel higiênico e vinagre de álcool, fácil, sem lixar, e sem utilizar produtos caros.

Ferruzem-se: Ferro de passar, FERRO VELHO DE MINIATURAS, Piscina biológica sem cloro, Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Patinhos, versão combustível!, Sal e vinagre, Amaciante de que?!?, 10 utilidades do sal úteis no dia-a-dia

iDvogados

GREG NEWS | DELIVERY – HBO Brasil

O delivery conquistou de vez os consumidores, e ajuda a evitar aglomeração em mercados e lojas, até mesmo porque muitos estão proibidos de funcionar em seu espaço físico, exceto os serviços essenciais, os problemas desse tipo de serviço também foram potencializados. Jessica MouraAlmanaque SOS

A média de brasileiros que permaneceram dentro de suas residências já atingiu o pico de 69,6%, segundo informações da empresa de inteligência a partir de dados de localização, In Loco.

Os entregadores não têm vínculo empregatício com as empresas de onde recolhem os produtos ou com os representantes dos aplicativos. Para 3,8 milhões dos entregadores, essa é a principal fonte de renda. Com uma rotina de 12 horas de trabalho, eles têm de estar disponíveis e aceitar todos os pedidos para não perder as bonificações.

O ator e humorista Gregório Duvivier, a frente do programa Greg News, da HBO, juntamente com sua equipe do programa decidiram agir: comproram o domínio idvogados.com.br, e agora convoca programadores voluntários para tornar o que é apenas um link de uma página vazia em uma plataforma on-line para unir advogados trabalhistas e entregadores, garantindo os direitos desses trabalhadores.

Gregze_se: Pare e pense, Gloss Delivery, Extra, mais roubado!!! Black Friday, Jeremias 5, Os Cegos e o Elefante, Jeunesse, Verdade Ou Mentira?, Aplicativos para fazer chamada de vídeo, inspirAR, o respirador e outros brasileiros!!!, Substituto de agrotóxico: eucalipto, Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro

Poupatempo Digital

“No momento do distanciamento social e das dificuldades que as pessoas encontram por conta da orientação de ficar em casa, a utilização do serviço digital facilita e poupa tempo. Agora, mais de 60 serviços são feitos integralmente, de forma rápida e gratuita, pelo celular. Você não precisa e não deve sair da sua casa”, disse o governador de São Paulo, João Doria. Allan GavioliInfoMoney

O aplicativo será o primeiro projeto do estado a utilizar o LoginSP, um autenticador desenvolvido para que o cidadão paulista tenha um nome de usuário e senha único para acessar os serviços do Estado.  A plataforma foi desenvolvida pela Prodesp, empresa de tecnologia do Governo de São Paulo.

O app oferecerá todos os 40 serviços já disponíveis online no portal do Poupatempo, como Atestado de Antecedentes Criminais, serviços da CDHU, Sabesp e Educação, bem como a emissão de boletos e certidões municipais, e ainda inclui mais 25 opções. Estas serão exclusivas do app, e por enquanto apenas 17 estão liberadas, incluindo solicitação de segunda via e renovação da CNH, Licenciamento de Veículos, IPVA 2020, acordo da CDHU, acesso ao Seguro Desemprego, Carteira de Trabalho, entre outros. Felipe JunqueiraCanaltech

Para baixar o app, é só buscar por Poupatempo Digital, desenvolvido pela Prodesp, na App Store ou na Play Store. Ou, de preferência, é só clicar neste link, se o seu dispositivo for um Android. O app ainda não está disponível na loja da Apple. Se optar pela busca, certifique-se de verificar o desenvolvedor antes de baixar: PRODESP – Cia de Proc. de Dados do Estado de SP. Governo de SP

Serviços e órgãos disponíveis no app

Detran-SP: Segunda via da CNH, Renovação da CNH, CNH Definitiva, Certidão de Prontuário, Consulta de Pontos, Consulta de Multas, Pesquisa de Débitos de Veículos de Terceiros, Multas de veículos, Situação do Licenciamento, Licenciamento (CRLV), Indicação de Condutor, Consulta de Centro de Formação de Condutor (CFC), Consulta de Empresa Credenciada de Vistoria (ECV), Consulta de Peças Usadas, Autenticidade de Certidões e o acompanhamento da emissão de segunda via de CNH.

– IIRGD: Acompanhamento da emissão de RG.

Secretaria de Desenvolvimento Econômico: Seguro Desemprego, Carteira de Trabalho e Intermediação de Mão-de-Obra (IMO).

Secretaria da Fazenda e Planejamento: Consulta de IPVA.

– Secretaria de Habitação – CDHU: Acordo

– Cetesb: Qualidade do Ar.

– Metrô/CPTM: Situação das linhas do Metrô/CPTM.

SABESP.

Secretaria da Educação.

Secretaria da Saúde.

Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho.

Prefeituras: Jales e Lençóis Paulista, Salto e Aguaí.

Poupeze-se: GeoSampa, Brumadinho made Japan?!?, CADTEC e Lei de Zoneamento, Governo Aberto, Iniciativas Solidárias frente ao Surto do Coronavírus, Maior encontro dos povos indígenas do Brasil será on-line, Os heróis invisíveis da vida selvagem, Google Station