O Poder Que A Bunda Tem

O Poder Que A Bunda Tem – Caju & Castanha

Dona Raimunda Dona Raimunda

Eu agora vou falar olha o poder que tem a Bunda

Dona Raimunda Dona Raimunda
Eu agora vou falar o poder que tem a Bunda

Nesse verso de humorismo não quero atingir ninguém
Assim arrancar do povo o riso que nos faz o bem
O meu intuito somente é dizer detalhadamente o poder que a Bunda tem

O poder que a Bunda tem

A bunda que me refiro é da mulher com razão
Com seu poder oculto de magia e sedução
Que faz a visão direta deixando a mulher completa
De beleza e perfeição

O poder que a Bunda tem

Com bunda grande e bem feita a mulher se sente bem
Onde passa todos olham, mas a mulher que não tem
Faz um gesto e sai olhando quem sabe até desejando ter
Bunda grande também

O poder que a Bunda tem

Mulher batida sem bunda é a maior negação
Busto pequeno e magrela não tem a mínima atração
Mulher que tem bunda cheia ainda que seja feia
A bunda chama atenção

O poder que a Bunda tem

Mulher magrela é difícil de arranjar um marido
Mas se casa ele diz eu estou arrependido
Com essa cruz que carrego eu estava doido e cego
De casar com pau vestido

O poder que a Bunda tem

Ele enjoa da magrela de relação se atrasa
Pega uma mulher fora na hora quer mandar brasa
Diz com essa eu me derreto não é aquele esqueleto
Que eu tenho na minha casa

O poder que a Bunda tem

Velho que não pode mais nem a de casa procura
Se vê a mulher bunduda diz o minha tanajura
Vamos a de um lugar eu pago só pra pegar
No volume da fartura

O poder que a Bunda tem

A mulher vai pela grana que dele quer receber
Lá no hotel tira tudo o velho pega a tremer
Vendo a tamanha fartura se lambuza na gordura
Mas nada pode fazer

O poder que a Bunda tem

Na minha terra eu conheço uma Francisca Raimunda
Que tem o busto tão grande chega até andar corcunda
O rosto dela é bem feito, mas tem dez quilos de peito
Por trinta e cinco de bunda

O poder que a Bunda tem

Um rapaz muito guloso gostou e casou com ela
Numa cama perfumada os dois se deitaram nela
No começo do programa a moça quebrou a cama
Com o peso da bunda dela

O poder que a Bunda tem

Na alta sociedade se dar coisa interessante
Mulher magrela faz tudo para atrair o amante
Quando o homem não cobiça usa até bunda postiça
Para ficar elegante

O poder que a Bunda tem

O cabra que não conhece diz esta aqui é de luxo
Leva para uma suíte sem saber que é um buxo
Na hora ele se lasca de bunda só tem a casca
E o miolo é todo murcho

O poder que a Bunda tem

E quando perde o prazer diz ele entrei numa fria
Gastei com lanche e suíte uma senhora quantia
Sem saber que aquela calça guardava uma bunda
Falsa com péssima mercadoria

O poder que a Bunda tem

Moça com bunda bem grande com quase tudo de fora
Pela rua onde passa é cantada toda hora
Diz o pilantra: hora veja desta é a que mamãe deseja
Para ser a sua nora

O poder que a Bunda tem

Todo o tipo de piada cai na bunda da mulher
Um diz que coisa gostosa é desta que o papai quer
Outro diz é boa à beça quem tem uma bunda dessa
Só é pobre se quiser

O poder que a Bunda tem

Rapaz que quer se casar, mas não compreende bem
A mãe dele diz meu filho moça magra na convém
Arranje uma gordinha que aquela sua é magrinha
Que até bunda não tem

O poder que a Bunda tem

Mulher pra ser cobiçada não é preciso ser bela
Basta ter a bunda grande empinada como sela
Mesmo casada que seja tem homem até que deseja
Montar na garupa dela

O poder que a Bunda tem

A maioria dos homens gosta de mulher peixão
Busto cheio bunda grande que chame muita atenção
Na hora daquilo bom a carne é filet-mignon
Macia que como um colchão

O poder que a Bunda tem

Mulher de bunda bem feita tem sempre um andar faceiro
Que atrai a simpatia do mais nobre cavalheiro
Que com ela se depara antes de olhar a cara
Olha pra bunda primeiro

O poder que a Bunda tem

A mulher pode ser linda que enfeite uma vidraça
Loira morena ou mulata sem ter distinção de raça
Uma rainha perfeita não tendo bunda bem feita
Perde o valor e a graça

O poder que a Bunda tem

A moça para ser miss não precisa ter riqueza
E sim toda perfeição dos dotes da natureza
Não tendo uma bunda exata não pode ser
Candidata ao concurso de beleza

O poder que a Bunda tem

A mulher mostrara bunda é o que mais ela quer
Não há lei que funcione contra a bunda da mulher
Seja feia, ou seja, bela é propriedade dela e ela
Faz a quem quiser

O poder que a Bunda tem

Vi um homem criticando de uma mulher seminua
Dizendo você é doida mostrando a bunda na rua
Ela disse eu sou sozinha mostro porque ela é minha
Você quiser mostre a sua

O poder que a Bunda tem

Para rainha ou princesa dos blocos de carnaval
Escolhe veia cabrocha que tem a bunda legal
Só representa a escola a que mais se rebola
Mostrando o material

O poder que a Bunda tem

Qualquer setor de negócio é a bunda quem domina
No bar na churrascaria na fábrica e oficina
Pra trair as pessoas tem até mulheres boas
Nos postos de gasolina

O poder que a Bunda tem

Você viaja de ônibus automóvel ou caminhão
Aonde estacionar para lanche ou refeição
As lanchonetes são cheias dessas mulheres sereias
Chamando os homens atenção

O poder que a Bunda tem

Você fica rodeada por Rosa por Marieta
Que lhe serve com agrado cobrando uma nota preta
Mostrando a bunda e o umbigo dizendo o troco é comigo
Pra caixinha da gorjeta

O poder que a Bunda tem

A mulher hoje tornou-se um poderoso instrumento
Usada em todos os negócios pra crescer o movimento
Por isso tem que ser bela mostrando a bunda dela
Nos estabelecimentos

O poder que a Bunda tem

Comerciais de bebidas roupas cigarro e charuto
A mulher exibe a bunda no vídeo mais de um minuto
Sem censura e sem demanda a bunda faz propaganda
Pra vender qualquer produto

O poder que a Bunda tem

Nas companhias aéreas esse transporte excelente
Só aceita aeromoça bonita e inteligente
Com exigidos diplomas que fale três idiomas
E tenha a bunda atraente

O poder que a Bunda tem

Tem homem desempregado que trabalha muito bem
Quando procura emprego o patrão diz com desdém
Se tem mulher boa traga aqui pra mulher tem vaga
Mas para macho não tem

O poder que a Bunda tem

Mulher anjo atraente admirada e querida
Zeladora da família uma jóia preferida
Linda da cabeça ao pé, além disso, ainda é
O seio que nos deu a vida

O poder que a bunda tem

Dona Raimunda Dona Raimunda
Eu agora já falei o poder que tem na bunda

Dona Raimunda Dona Raimunda
Eu agora já falei o poder que tem a bunda

vagalume

Embolarize-se: A Cidade, Novembro Azul, Caju e Castanha, Clarice Lispector do Samba, Clara Nunes., O Último Cine Drive-in, Um dia, um ladrão

Cavalo louco

Cavalo Louco (ou Doido, Crazy Horse ou Tashunkewitko no idioma original Lakota) viveu em uma época dramática para os índios norte-americanos. A Guerra Mexicano-Americana (1846–1848), as sucessivas descobertas de ouro e a necessidade de ocupar as terras do oeste norte-americano, acarretaram enxurradas de militares, colonos, aventureiros e mineradores às — “protegidas” por decreto, o Tratado do Forte Laramie (1868), — terras indígenas.


Estima-se que existiam entre 20 e 30 milhões de índios na América do Norte quando os primeiros colonos europeus desembarcaram, mas, ao final do século XIX, esse número teria sido reduzido a apenas 2 milhões.
Embora tenha ocorrido um morticínio indígena durante séculos, no séc. XIX os índios sofreram sucessivas “intervenções controladas” por parte do governo estadunidense que resultaram na extinção de diversas culturas pré-colombianas.


Cavalo Louco decidiu viver livre e morreu jovem, aos 35 anos. Incrível História
Devido ao seu excelente desempenho nas batalhas e suas muitas vitórias contra tribos inimigas, Crazy Horse foi considerado um herói indígena. Foi-se observado também que ele, mesmo tendo a chance, muitas vezes se absteve de matar e apenas golpeou o inimigo. Guerreiros Sioux
Ao lado de Touro Sentado, Cavalo Louco conduziu seus guerreiros durante a batalha de Little Bighorn, onde morreu o célebre General Custer. Cavalo Louco foi um respeitado ameríndio Sioux, líder militar da tribo dos Oglala Lakota. Seu povo além de lutar contra a Cavalaria americana também vencera várias tribos rivais. A história do povo Sioux é contada no belo filme “Enterrem meu Coração na Curva do Rio” lançado em 2007. Obvious
Mas há porém que se lançar sobre os povos indígenas, um olhar que passe ao largo do estigmas de apenas vítimas ou então selvagens antropófagos. Os índios já foram sacralizados e demonizados conforme a época e o interesse político das américas colonizadas. Mas os indígenas foram antes de tudo seres humanos que viviam em grupos sociais que também poderiam se chamar, antes dos povos do velho continente aqui chegarem; de nação, com suas crenças e seus costumes. E, como humanos que eram também gostavam das disputas entre si, eram povos guerreiros. Quando o homem branco chegou, se encantaram com as facilidades e também com os vícios do mundo civilizado mas ao que tudo indica, fizemos mais mal à eles do que eles à nós.

Cavalo Louco possui uma extensa biografia sobre suas atuações militares. Ficou conhecido por rechaçar toda uma força do exército americano, fazendo parte assim da grande vitória indígena na Batalha de Little BigHorn, durante a Guerra Sioux, ao lado de Touro Sentado. Cavalo Louco acabou se rendendo ao exército. 4 meses depois, foi morto por um guarda em sua cela.
A expansão territorial dos Estados Unidos custou a vida e a terra dos índios. Nuvem Vermelha disse uma vez: Radio Yandê
”Fizeram-nos muitas promessas, mais do que eu posso lembrar. Mas eles nunca as cumpriram, menos uma: prometeram tomar nossa terra e a tomaram”

A fala “Today is a good day to die”, ou “hoje é um bom dia para morrer” muito usada pelos Klingons de Star Trek, foi primeiramente dita em Pequeno Grande Homem pelo Old Lodge Skins, interpretado por Chief Dan George. Adoro Cinema

Humanize-se: The Lone Ranger, A, Os índios nos gibis., Era da Pilhagem, Erva Mate, Bandeirantes Modernos, Humans, A Odisseia dos Tontos, Manual dos remédios tradicionais Yanomami

Dia da consciência negra e dos seres humanos

A foto é capa do disco “Samba Enredo”, do Martinho da Vila.

“Saíram da África 12 milhões e meio de seres humanos. Chegaram 10 milhões e 700 mil. Morreram na travessia 1 milhão e 800 mil pessoas. Se dividir isso pelo número de dias, dá 14 cadáveres, em média, lançados ao mar todos os dias ao longo de 350 anos. Um número tão alto que, segundo depoimentos da época, isso mudou o comportamento dos cardumes de tubarões no Oceano Atlântico, que passaram a seguir os navios negreiros”. Conversa Com Bial – gshow
20 músicas para 20 de Novembro, tem música afirmativa, música combativa e música de celebração. Toca Fitas

Sandra de Sá – Olhos Coloridos (1982)
Gilberto Gil – Sarará Miolo (1979)
Martinho da Vila – Nego, Vem Cantar (1974)
Tássia Reis – Se Avexe Não (2014)
Rappin’ Hood (part. Leci Brandão) – Sou Negrão (2001)

Ellen Oléria – Zumbi (2013)
Emicida – Mufete (2015)
Emílio Santiago – Brother (1975)
Tim Maia – O Caminho do Bem (1976)
Dona Ivone Lara (part. Jorge Ben Jor) – Sorriso Negro (1981)

Wilson Simonal – Tributo a Martin Luther King (1967)
Xênia França – Respeitem Meus Cabelos, Brancos (2017)
Itamar Assumpção – Vá Cuidar da Sua Vida (1998)
Rashid – Estereótipo (2017)
Toni Tornado – Podes Crer, Amizade (1972)

Thaíde & DJ Hum (part. Paula Lima e Ieda Hills) – Sr. Tempo Bom (1996)

Daúde – Ilê Ayê (Que Bloco é Esse?) (2002)
Margareth Menezes – Raça Negra (1993)
Rincon Sapiência – A Coisa Tá Preta (2017)
Jorge Ben Jor – Negro é Lindo (1971)

“Na economia escravagista havia até um negócio paralelo, tão constrangedor que nunca recebeu grande destaque na história da escravidão: a reprodução sistemática de escravos, com objetivo de vender as crianças, da mesma forma como se comercializam animais domésticos. Era uma prática tão repulsiva que são esparsos os relatos de experiências conduzidas em Portugal, na Espanha e nos Estados Unidos. Uma delas foi registrada no palácio ducal de Vila Viçosa, sede dos duques de Bragança, a dinastia que assumiria o trono de Portugal a partir do fim da União Ibérica, em 1640, com a ascensão de dom João IV ao poder. Ao visitar o local, em 1571, o italiano Giambattista Venturino se surpreendeu com a existência ali de um centro de reprodução de escravos. Segundo ele, eram tratados da ‘mesma forma como manadas de cavalos são na Itália’, com objetivo de obter o maior número possível de crianças cativas, que seriam vendidas em seguida por preços entre trinta e quarenta escudos”. Rodrigo Casarin – UOL Entretê

Negre-se: Manuel Edmilson da Cruz, 30 Matrix indígenas, África Liberdade, Santo Padre José de Anchieta, Cultura da paz?, Bandeirantes Modernos, Te desejo Vida, O que é ser defensor dos direitos humanos, afinal?, Boas Práticas Legislativas

O Lago de Nós

Com criação e direção de Chris Belluomini, o espetáculo apresenta em sua poética discussões como a intolerância, as relações e os papeis sociais, a moral e a consciência ética, a posse e o amor. Metáforas como a imagem poderosa do lago – que transita da superfície à profundidade, do reflexo à imersão – e a palavra “nós” – que carrega o sentido daquilo que nos prende, além de significar o pronome que soma o eu ao outro – contribuíram para a construção da obra.
Com criação e direção de Chris Belluomini, o espetáculo apresenta em sua poética discussões como a intolerância, as relações e os papeis sociais, a moral e a consciência ética, a posse e o amor. Metáforas como a imagem poderosa do lago – que transita da superfície à profundidade, do reflexo à imersão – e a palavra “nós” – que carrega o sentido daquilo que nos prende, além de significar o pronome que soma o eu ao outro – contribuíram para a construção da obra. Teatro Sérgio Cardoso


‘Lago’ é uma imagem poderosa que transita da superfície à profundidade, do reflexo à imersão. ‘Nós’ carrega o sentido daquilo que nos prende, além de significar o pronome que soma o eu ao outro. Estas e outras metáforas contribuíram para a construção do espetáculo, que trata, principalmente, das relações afetivas, daquilo que nos afeta e é afetado por nós, daquilo que nos conecta e nos desconecta, seja a partir de nós mesmos, do outro ou do mundo que nos cerca. Fabricas de Cultura


Em 2015, meses antes da estreia, a ‘Intervenção Luz – O Lago de Nós’ ocupou o prédio do Núcleo Luz com fragmentos do espetáculo. A experiência permitiu ao público uma intimidade e proximidade com as cenas, que percorreram todo o espaço do projeto.

Poetize-se: Território Político – A Força da Ação Coletiva, Piratas do Tietê vão invandir os cinemas, Dia da baderna, Territórios Culturais, Frevo, sim, Carnaval!, O VENTO QUE VARRE A CASA, For all, Fiesta de Día de los Muertos

As Aventuras de Raul Seixas Na Cidade de Thor

As Aventuras de Raul Seixas Na Cidade de Thor – Raul Seixas

Tá rebocado meu compadre
Como os donos do mundo piraram
Eles já são carrascos e vítimas
Do próprio mecanismo que criaram

O monstro SIST é retado
E tá doido pra transar comigo
E sempre que você dorme de touca
Ele fatura em cima do inimigo

A arapuca está armada
E não adianta de fora protestar
Quando se quer entrar
Num buraco de rato
De rato você tem que transar

Buliram muito com o planeta
E o planeta como um cachorro eu vejo
Se ele já não aguenta mais as pulgas
Se livra delas num sacolejo

Hoje a gente já nem sabe
De que lado estão certos cabeludos
Tipo estereotipado
Se é da direita ou dá traseira
Não se sabe mais lá de que lado

Eu que sou vivo pra cachorro
No que eu estou longe eu tô perto
Se eu não estiver com Deus, meu filho
Eu estou sempre aqui com o olho aberto

A civilização se tornou complicada
Que ficou tão frágil como um computador
Que se uma criança descobrir
O calcanhar de Aquiles
Com um só palito pára o motor

Tem gente que passa a vida inteira
Travando a inútil luta com os galhos
Sem saber que é lá no tronco
Que está o coringa do baralho

Quando eu compus fiz Ouro de Tolo
Uns imbecis me chamaram de profeta do apocalipse
Mas eles só vão entender o que eu falei
No esperado dia do eclipse

Acredite que eu não tenho nada a ver
Com a linha evolutiva da Música Popular Brasileira
A única linha que eu conheça
É a linha de empinar uma bandeira

Eu já passei por todas as religiões
Filosofias, políticas e lutas
Aos 11 anos de idade eu já desconfiava
Da verdade absoluta

Raul Seixas e Raulzito
Sempre foram o mesmo homem
Mas pra aprender o jogo dos ratos
Transou com Deus e com o lobisomem

Mude conceitos, você pode e deve: FALANDO SOBRE PATO FU, Cambalache, HOJE., MEDIEVAL CLASSIC ROCK, Aluga-se, IRÔNICO, MEDICINAL VIBES, VIRTUDE, INSTANTLY AGELESS ™, EU SOU O MEU DEUS., KID VINIL, BECAUSE I GOT HIGH, Só Pra Variar, RUMI, SAADI, HAFIZ (POEMS AND QUOTES), MONÓLOGO AO PÉ DO OUVIDO / BANDITISMO POR UMA QUESTÃO DE CLASSE

Almeida Prado – Cartas Celestes

Cartas Celestes (Celestial Charts) is one of prolific Brazilian composer José Antônio Rezende de Almeida Prado’s most important achievements. Exploring every kind of resonance and sound the piano has to offer and using a new harmonic language called “transtonality”, this set of works is described by pianist Aleyson Scopel as “a heroically audacious cycle” that depicts the sky and constellations in “colours, light, darkness and an almost mythological understanding and approach to the universe”. Gran Piano

DIÁLOGOS COM ALMEIDA PRADO – Compositor de “Cartas Celestes”. Fulvia Gonçalves

Raquel Cepeda


Raquel Cepeda is a Jazz Singer and Songwriter who brings the best styles and rhythms from around the world to the refined language and aesthetics of Jazz, who has shared the stage with Jazz legends such as Ellis and Delfeayo Marsalis. A performer whose interpretative quality, approach to story telling, and multi-cultural style has the ability to reach and move the hearts and ears.

Instagram

Sweet Jane

Sweet Jane – Lou Reed

Standing on the corner
Suitcase in my hand
Jack is in his corset, and Jane is her vest
And me I’m in a rock’n’roll band Hah!
Ridin’ in a Stutz Bear Cat, Jim
You know, those were different times!
Oh, all the poets they studied rules of verse
And those ladies, they rolled their eyes

Sweet Jane! Whoa!
Sweet Jane, oh-oh-a!
Sweet Jane!

I’ll tell you something
Jack, he is a banker
And Jane, she is a clerk
Both of them save their monies, ha
And when, when they come home from work
Oh, Sittin’ down by the fire, oh!
The radio does play
The classical music there, Jim
“The March of the Wooden Soldiers”
All you protest kids
You can hear Jack say, get ready, ah

Sweet Jane! Come on baby!
Sweet Jane! Oh-oh-a!
Sweet Jane!

Some people, they like to go out dancing
And other peoples, they have to work, just watch me now!
And there’s even some evil mothers
Well they’re gonna tell you that everything is just dirt
Y’know that, women, never really faint
And that villains always blink their eyes, woo!
And that, y’know, children are the only ones who blush!
And that, life is just to die!
And, everyone who ever had a heart
They wouldn’t turn around and break it
And anyone who ever played a part
Oh wouldn’t turn around and hate it!

Sweet Jane! Whoa-oh-oh!
Sweet Jane! Sweet Jane!

Heavenly wine and roses
Seems to whisper to her when he smiles
Heavenly wine and roses
Seems to whisper to her when she smiles
La lala lala la, la lala lala la
Sweet Jane
Sweet Jane
Sweet Jane

Saci Wèrè

All For You

All For You – Sister Hazel. Somewhere More Familiar

Finally I figured out, but it took a long, long time
And now there’s a turnabout, Maybe cause I’m trying

There’s been times, I’m so confused
All my roads, They lead to you
I just can’t turn, And walk away

It’s hard to say, What it is I see in you
Wonder if I’ll always, Be with you
But words can’t say, And I can’t do
Enough to prove, It’s all for you

I thought I’d seen it all, ‘Cause it’s been a long, long time
But then we’ll trip and fall, Wondering if I’m blind

There’s been times, I’m so confused
All my roads, They lead to you
I just can’t turn, And walk away

It’s hard to say, What it is I see in you
Wonder if I’ll always, Be with you
But words can’t say, And I can’t do
Enough to prove, It’s all for you

Rain comes pouring down
Falling from blue skies
Words without a sound
Coming from your eyes
Finally I figured out, but it took a long, long time
And now there’s a turnabout, Maybe cause I’m trying
There’s been times, I’m so confused
All my roads, They lead to you
I just can’t turn, And walk away
It’s hard to say, What it is I see in you
Wonder if I’ll always, Be with you
But words can’t say, And I can’t do
Enough to prove, It’s all for you
It’s hard to say, What it is I see in you
Wonder if I’ll always, Be with you
But words can’t say, And I can’t do
Enough to prove, It’s all for you
Hard to say
Hard to say it’s all for you. vagalume

13 Reasons Why: trilha sonora da série

13 Reasons Why, série adaptada do livro de Jay Asher de mesmo nome (aqui no Brasil, o título virou “Os 13 Porquês”). O que chama a atenção para os amantes de música é a trilha sonora da série, com bastante apelo pop.

Selena Gomez é uma das produtoras da série e criou duas músicas para a trilha sonora: a sua versão inédita de “Only You” (cover do Yazoo) e uma versão lentinha e acústica para o hit “Kill ‘Em With Kindness”. Damy Coelhocifraclubnews

Selena Gomez – Only You

The Cure – Fascination Street

Joy Division – Love Will Tell Us Apart

Chromatics – Into The Black

Billie Elish – Bored

Selena Gomez – Kill Them With Kindness

Todas as músicas dão a impressão que foram escolhidas a dedo, pois as letras fazem muito sentido em conjunto com o roteiro. Bastidores

  • “THE NIGHT WE MET”, LORD HURON

  • “A 1000 TIMES”, HAMILTON LEITHAUSER + ROSTAM

  • “HIGH”, SIR SLY

  • “COOL BLUE”, THE JAPANESE HOUSE

  • “THE KILLING MOON”, ECHO & THE BUNNYMEN

as músicas da segunda temporada de 13 Reasons Why. todateen

O Dia em que a Terra Parou

Tá rebocado meu compadre
Como os donos do mundo piraram
Eles já são carrascos e vítimas
Do próprio mecanismo que criaram

O monstro SIST é retado
E tá doido pra transar comigo
E sempre que você dorme de touca
Ele fatura em cima do inimigo

A arapuca está armada
E não adianta de fora protestar
Quando se quer entrar
Num buraco de rato
De rato você tem que transar

Buliram muito com o planeta
E o planeta como um cachorro eu vejo
Se ele já não aguenta mais as pulgas
Se livra delas num sacolejo

Hoje a gente já nem sabe
De que lado estão certos cabeludos
Tipo estereotipado
Se é da direita ou dá traseira
Não se sabe mais lá de que lado

Eu que sou vivo pra cachorro
No que eu estou longe eu tô perto
Se eu não estiver com Deus, meu filho
Eu estou sempre aqui com o olho aberto

A civilização se tornou complicada
Que ficou tão frágil como um computador
Que se uma criança descobrir
O calcanhar de Aquiles
Com um só palito pára o motor

Tem gente que passa a vida inteira
Travando a inútil luta com os galhos
Sem saber que é lá no tronco
Que está o coringa do baralho

Quando eu compus fiz Ouro de Tolo
Uns imbecis me chamaram de profeta do apocalipse
Mas eles só vão entender o que eu falei
No esperado dia do eclipse

Acredite que eu não tenho nada a ver
Com a linha evolutiva da Música Popular Brasileira
A única linha que eu conheça
É a linha de empinar uma bandeira

Eu já passei por todas as religiões
Filosofias, políticas e lutas
Aos 11 anos de idade eu já desconfiava
Da verdade absoluta

Raul Seixas e Raulzito
Sempre foram o mesmo homem
Mas pra aprender o jogo dos ratos
Transou com Deus e com o lobisomem

188

Eu Consegui sair da Depressão e fiz essa musica pra você que nesse momento acha que sua vida não tem mais faz sentido.
Saiba que você é MUITO IMPORTANTE pras pessoas que estão ao seu arredo, converse com elas conte o que você esta sentindo busque ajuda e assim como eu você vai ficar bem.

Em “188”, Das Quebradas imprime certa confusão mental e tristeza profunda, além de um grito de socorro. Segundo o cantor e compositor, a ideia da música é ajudar as pessoas a identificarem a doença e incentivar a procura por ajuda, até por isso a canção foi batizada com o número de telefone do Centro de Valorização da Vida, disponível 24 horas por dia para auxiliar pessoas depressivas.

“A melhor forma para a pessoa sair da depressão é conversar, pedir ajuda. Fale com as pessoas que te ama, com as pessoas que estão do seu lado. A gente está no tempo do virtual e, muitas vezes, não temos um contato real com as pessoas. E, claro, se não estiver confortável para falar com os amigos e familiares, ligue 188”, finaliza.

Contato para Shows: contato.dasquebradas@gmail.com

Facebook: https://www.facebook.com/dasquebradas
Instagram:

http://instagram.com/dasquebradas
Twitter:

https://twitter.com/DasQuebradasDQ

Mude conceitos, você pode e deve: CVV, Ilumina o Mundo, A MEDITAÇÃO E SEU CERÉBRO, SAUDAÇÃO AO SOL, Eju Orendive, Portal Rap Nacional, Xeque Monte, Catastrofe natural?, Território, Quebrada Queer, O povo da caixa, Tribo de Jah – Mata Atlântica, A verdade pode estar no ovo, MC SOFFIA

Masaka Kids Africana


The Masaka Kids Africana is composed of African children, from the age of 2 and up. Many have lost one or both parents through the devastation of war, famine and disease. They represent all the children of a continent and they demonstrate the potential of African children to become strong leaders for a better future in their land.

MASAKA KIDS AFRICANA
POBox 1536 MASAKA UGANDA EAST AFRICA

Há mais órfãos no Uganda do que em qualquer outro lugar do mundo – mais de 2,4 milhões de crianças – devido à epidemia de SIDA, pobreza extrema e décadas de conflito civil. Damos às crianças abrigo seguro, comida, roupas, educação e assistência médica, as crianças ganham uma educação e as habilidades de vida que precisam para o sucesso futuro. Suas vidas são completamente transformadas.

Yesterday

Nesta fábula na qual todas as pessoas, após um apagão de 12 segundos na Terra inteira, eliminaram da sua memória que existiu um grupo chamado The Beatles, assim como desapareceram uma famosa bebida e essas coisas que se fumam e que faziam parte aditiva da vida cotidiana. CARLOS BOYERO – El País

Yesterday é uma carta explícita de amor aos Beatles. Derrama doçuras a cada minuto, a cada referência, a cada música apresentada.


Os Beatles tomaram o mundo porque, explique como quiser, era o momento perfeito para a sua existência. O mundo (e os Estados Unidos) estava de braços abertos para a euforia inicial, abertos às experimentações, entregues às pirações estética-sonoras do fim. PEDRO ANTUNES – Rolling Stone

RIGOLETTO, DE GIUSEPPE VERDI

Theatro Municipal de São Paulo

A ópera em três atos, com libreto de Francesco Maria Piave, é baseada na peça Le rois’amuse (O Rei se Diverte) de Victor Hugo e faz parte da chamada trilogia popular de Verdi (junto a Il Trovatore e La Traviata). Rigoletto é um bufão corcunda da corte, de língua afiada e mordaz que serve ao Duque de Mântua, um libertino incontrolável, com direção cênica de Jorge Takla e direção musical do maestro Roberto Minczuk, ópera de Giuseppe Verdi traz temas como assédio, vingança, maldição e poder.

Rigoletto estreou no La Fenice em Veneza, em 11 de março de 1851. Uma produção polêmica para a época, inspirada na peça O Rei se diverte de Victor Hugo que retratava um monarca libertino que explorava o seu criado corcunda, totalmente complexado por sua condição. A peça, que já havia sido banida dos palcos franceses por ofender a monarquia, sofreu também censura em sua adaptação operística. Verdi insistiu (chegou a pedir ao libretista Piave que percorresse Veneza para tentar encontrar uma pessoa influente que ajudasse a liberar o texto) e acaba por adaptar o local da ação, ao invés da França o enredo se passaria em Mântua na Itália; e o Rei, seria substituído por um Duque. Theatro Municipal de São Paulo


No palácio do Duque de Mântua acontece um baile. A música preenche o salão. O Duque conversa alegremente sobre suas aventuras e conquistas amorosas com o cortesão Borsa. Fala, em especial, da sua mais recente aventura: há três meses, uma bela jovem é observada por ele. Mas, até aquele momento, a oportunidade que teve de vê-la foi na igreja, ela desconhece quem ele é. Diogenes Junior
The work was in many ways a turning point for the composer, representing the start of his middle period. For many, “Rigoletto” is easily one of Verdi’s finest operas. OperaWire

Dinamarca, combate depressão com vitamina de cultura

Segundo a OMS, até 2020 a depressão será a doença mental mais incapacitante do mundo. Porém, alguns países estão buscando maneiras alternativas de lidar com ela, como a Dinamarca. Através do programa Kulturvitaminer (Vitamina de Cultura), as pessoas estão sendo incentivadas a participar de atividades culturais. A iniciativa envolve reunir pacientes em pequenos grupos, com o intuito de evitar drogas e seus efeitos colaterais. Gabriela Glette – hypeness

Por enquanto o tratamento já foi implementado em 4 cidades: Aalborg, Silkeborg, Nyborg e Vordingborg. Na cidade de Aalborg, por exemplo, o programa possui um convênio com a orquestra sinfônica local, para que desta maneira os pacientes participem de ensaios e concertos. Já foi comprovado cientificamente que ouvir música reduz o estresse e a ansiedade, ambos diretamente associados à depressão.


No entanto, também faz parte do programa passeios na praia, sessões de leitura e passeios à galerias de arte e museus. Por enquanto em fase de testes, os participantes são convidados a participar de 2 ou 3 excursões culturais por semana durante 10 semanas. Já são 200 pessoas que participam em Aalborg. Além das atividades, o simples fato de compartilhar suas experiências com outras pessoas na mesma situação tem ajudado estas pessoas.

A abordagem dinamarquesa tem mostrado resultados promissores, segundo os pesquisadores. A depressão afeta 300 milhões de pessoas no mundo e, por ser a doença mais desabilitante que existe, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, tem impactos sobre indivíduos e também sobre a riqueza das nações: estima-se que ela custe à economia global US$ 1 trilhão por ano. Scandinavianway


Além de evitar o uso de remédios e seus efeitos colaterais, o”vitamina de cultura” não requer o envolvimento direto do pessoal clínico, mas pode ser administrado por leigos treinados. A abordagem envolve reunir pessoas em pequenos grupos para experimentar tudo, desde concertos a corais comunitários, segundo registra o blog do Fórum Econômico Mundial.

Poetize-se: CVV, Efeito Werther, A MEDITAÇÃO E SEU CERÉBRO, SAUDAÇÃO AO SOL, A arte de culpar, OS JOVENS, O SUICÍDIO E A AUTOMUTILAÇÃO, VANUSA SABBATH,EM BUSCA DA VERDADE, LIVROS QUE ENSINAM AS CRIANCAS CUIDAR DO PLANETA, MEDO?, ATARI 2600,VIDACELL®, I WILL SURVIVE,HO’OPONOPONO, BESOURINHA, OS CINCO PRINCÍPIOS DE BEM VIVER, Love vigilantes, Setembro Amarelo

Pra quem duvidou

[Intro]
Quebrada Queer!
Apuke no beat!
[Verso 1: Murillo]
Puxei um pra abrir a mente, me faço presente
Mais respeito pra falar das bixa, conserve seus dente
Nóis chega com as rima no pente pra ficar ciente
Réu inocentado da condenação dos crente
Tô de rolê na quebrada
Com as bixa bolada
Vários olho torto
Mas nem pega nada
Nóis já tá blindada
E até armada
Porque respeito tá sendo conversa fiada
[Verso 2: Guigo]
Segura a emoção, que hoje cês vão rodar
Pediram pra eu pegar mais leve, pra não incomodar
Verdades sejam ditas, e hoje eu vim pra questionar
Mas não atravessa a pista que eu não hesito em pisar
Dona da empresa “close” e agora eu me firmei
Chamam de bíblia os versos da primeira cypher gay
Guigo virou papisa e hoje eu me canonizei
Diva do rap? Irônico que agora eu virei rei
[Verso 3: Murillo]
Disseram que eu sou brabo nas rima
E é claro, cês pira
Mas no dia a dia me oprime
E é mó covardia
Dizendo que é opinião quando é homofobia (Não fode)
Ameaçam de morte os meus
Quando foi que tudo se perdeu?
Percebe como é contraditório aqueles que matam em nome de Deus?
[Verso 4: Guigo]
Me chamaram de louco e me imploraram pra parar
Me queimam na estaca e mesmo sem saber rezar
E ainda com a crítica, trouxeram caviar
Escrevo com sangue seus nomes, pra amanhã cobrar!
[Verso 5: Tchelo]
Tchelo, Tchelo, Tchelo, Tchelo
Tchelo vem pesado, pronto pra tumultuar (yeal)
Cheio de deboche, quero mais é incomodar (vrau)
Com a mente amolada
E a língua afiada
Aqui são seis facadas perfurando sua escrotidão (aiiii)
Me achou ofensivo, então eu só lamento
Vem sentir na minha pele o que diariamente é o meu tormento
Aqui não apavora, não!
Nas mana não encosta, não!
Olha essa situação pra gente agora cê perde cifrão
Favela sinistra, na madrugada
Filha da puta assassino de trava
Se nóis te ver nem tenta correr
Que seja no inferno, nóis acha você, cuzão!
Ficou passada? Então
Aprende a fazer carão
Pois só lhes restarão ver nossa dominação! Vrau
[Verso 6: Lucas Boombeat]
E eles reduzem as notas
Eu canto e eles chora
No meu fone, a Flora
Lembro da volta pra escola
Gay, o que passo eu sei
Hoje ele implora
Play play play no meu som
Eu sei que ele toca
Pode me trazer flores na porta
Guarda esse amendoim que faz mal pra mim
Eu sou light, vegana, não encosta!
Good good, money is very good
Foda-se skr
Quero ver meu progresso
Pro meu pai um teto
E um green on the beach to the moon
Ah, cês são tudo igual, tô cansado igual
Macho coça pau se achando uau
Pensa que é o tal, cérebro sem sal
Quer biscoito? Toma!
Rar rar rar
[Verso 7: Harlley]
Cês falam muito e não dão nada pra mim
Falam demais e não dão nada pra mim
Esperam meu fim
Mas não é assim
Eu não vou rodar
Nossa união fez força
Quero ver quebrar
Se emocionou com o meu pai, mas é tua irmã que sofre
Não contestou a atitude escrota do teu parça
Riu da minha cara, mas olha onde eu tô
Onde tu sempre sonhou, mas tu desacreditou
[Verso 8: Lucas Boombeat]
Cada verso eu canto além do palco, descalço, no asfalto
Aprende o que é ser rua numa que não seja a sua
Mirando no peito do seu preconceito
Aprende o que é rap, depois bate no peito
Se não soma, some; que se foda seu vulgo ou nome
Não pago pau pra nenhum homem, vai vendo
Pode pá que não tô perdendo
Quem fecha, quem força e quem quer meu dinheiro
[Harlley]
Cês falam muito e não dão nada pra mim
Falam demais e não dão nada pra mim
Esperam meu fim
Mas não é assim
Eu não vou rodar
Nossa união fez força
Quero ver quebrar
[Refrão: todos]
Minas gritando hey
Monas gritam ho
Pra quem duvidou
Quebrada chega pra te incomodar
Bicha no jeito de ser
Bicha no jeito de andar
Se isso incomoda você
Vim pra incomodar
Que-que-quebrada
Minas gritando hey
Monas gritam ho
Pra quem duvidou
Quebrada chega pra te incomodar
Bicha no jeito de ser
Bicha no jeito de andar
Se isso incomoda você
Vim pra incomodar
Que-que-quebrada

Quebrada Queer

Se o debate em cima da democracia racial é pilar fundamental do rap, o machismo e, principalmente, a homofobia, são defeitos da cena ainda em discussão extremamente embrionária.

O Quebrada Queer nasceu por acaso. O que era para ser apenas uma música acabou virando o nome do grupo composto por seis jovens da periferia, Murillo Zyess, Guigo, Harlley, Lucas Boombeat, Tchelo Gomez e Apuke estão na faixa dos 20 e poucos anos e vieram das mais diversas regiões de São Paulo: Parelheiros, Guarulhos, Jandira e Jardim Martins Silva.

O homossexual na cena rap não é novidade, mas ainda assusta muita gente, um grupo de rap só com gays não existe no Brasil e pelo o que pesquisamos em lugar nenhum. E nós provamos que conseguimos fazer um som e que isso não depende da nossa sexualidade.
Representamos muita gente: o negro, quem é da periferia, as mulheres. Não dá para agradar todo mundo. Para alguns gays, somos muito “heteros” [por não serem afeminados]. Para alguns heteros, somos muito gays. Queremos apenas mostrar o nosso som, exatamente do jeito que somos. Não queremos tentar pertencer ou agradar algum grupo. Edu Garcia/R7
o segundo clipe do grupo que foi feito em um dia e com orçamento baixíssimo, quase que inteiro de favor com os profissionais envolvidos. Pra quem duvidou foi feito no Castelinho da rua Apa, casarão famoso no centro de São Paulo e com fama de mal assombrado por causa de um crime que aconteceu em 1937. Hoje, funciona a ONG Clube de Mães do Brasil, com quem o Quebrada pretende fazer alguns trabalhos em conjunto.
Primeiro Cypher Gay do Brasil e América Latina!!

Quebrada Queer – Guigo | Murillo Zyess | Harlley | Lucas Boombeat | Tchelo Gomez. Rap Box
Veja também: Eju Orendive, Portal Rap Nacional, Xeque Monte, Catastrofe natural?, Território, A Terra a Gastar, O povo da caixa, Tribo de Jah – Mata Atlântica, A verdade pode estar no ovo, MC SOFFIA, Rap na esteira, Brô Mc´s