The Bee Is The Most Important Of The Planet

The Apiculture Entrepreneurship Center of the Universidad Mayor (CeapiMayor) and the Apiculture Corporation of Chile (Cach) with the support of the Foundation for Agrarian Innovation (FIA), conducted a study where it was determined that bees are the only living being that it is not a carrier of any type of pathogen, regardless of whether it is a fungus, a virus or a bacterium. Physics And Astronomy Zone

Bees around the world have disappeared up to 90% according to recent studies, the reasons are different depending on the region, but among the main reasons are massive deforestation, lack of safe places for nests, lack of flowers, use uncontrolled pesticides, changes in soil, among others.
Bees around the world have disappeared up to 90% according to recent studies, the reasons are different depending on the region, but among the main reasons are massive deforestation, lack of safe places for nests, lack of flowers, use uncontrolled pesticides, changes in soil, among others.
A polinização é o transporte de pólen de uma flor para a outra. É através desse processo que as flores são fecundadas, dando início ao desenvolvimento de frutos e sementes. Ela pode ser feita pela água, pelo vento e por muitos animais, como borboletas e beija-flores. Mas o animal mais famoso pela capacidade de polinização – e é de fato o mais eficiente – é a abelha, pois é mais rápida, consegue voar em ziguezague e, após um tempo com a colônia instalada em certo local, consegue saber qual o melhor horário para coletar pólen (elas observam a flora próxima à colmeia e associam com a intensidade da luz do dia).

As abelhas são pequenas no tamanho, mas de uma importância gigante para toda a vida na Terra. Sem as abelhas, não perderíamos só o mel e os produtos agrícolas. A produção de animais para consumo humano também sofreria grandes perdas, já que esses bichos são herbívoros. A vida selvagem de uma forma geral sofreria sem elas: a vegetação seria drasticamente reduzida e, assim, a vida como um todo. eCycle

Palavras Perdidas: Manual de Apicultura em Pequena Escala, Comida de gente, Bandeirantes Modernos, Comida de tubarão, Vegeta, Carta da Terra, Abelha poliverde, Makota Valdina, Pare e pense, Na estrada havia uma pedra, Ervas medicinais, Abelhas nos telhados de Paris

Leite de Mamaconha

According to the findings of several major scientific studies, human breast milk naturally contains of the same cannabinoids found in the cannabis plant, which are vital for proper human development. CBDLife

Dr. Melanie Dreher studied women using cannabis during their entire pregnancy and then studied the babies one year after birth. She found that babies of the women who had smoked cannabis daily during their pregnancy socialised more quickly, made eye contact more quickly and were easier to engage.

Furthermore, a study on the endocannabinoid receptor system that was published in the European Journal of Pharmacology reported: “The medical implications of these novel developments are far reaching and suggest a promising future for cannabinoids in paediatric medicine for conditions including ‘non-organic failure-to-thrive’ and cystic fibrosis.”

There are two types of cannabinoid receptors in the body; the CB1 variety which exists in the brain, and the CB2 variety which exists in the immune system and throughout the rest of the body. Each one of these receptors responds to cannabinoids, whether it be from human breast milk in children, or from cannabis.

This essentially means that the human body requires and produces endocannabinoids, as these nutritive substances play a critical role in supporting and maintaining human health.

Also, learn more about the legality status of cannabis oil in the UK.

References:

https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0014299904007423?via%3Dihub
https://pubs.acs.org/doi/abs/10.1021/acsomega.6b00253

O THC é solúvel em gordura e pode ser armazenado no tecido adiposo e qualquer droga que é solúvel em gordura fica também depositada no leite materno. Algumas pesquisas sugerem que o uso da maconha durante o primeiro mês de amamentação pode causar impedimentos no seu desenvolvimento motriz (controle dos movimentos dos músculos). Outras porém, afirmam que não há comprovação científica e que na prática a história é outra. Crianças submetidas ao THC na primeira infância, através do leite materno, tem desenvolvimento igual ou melhor do que os não submetidos. Nessa Bruxinha .:. – HEMPADAO

Dr. Melanie Dreher, enfermeira de Chicago faz pesquisas envolvendo a Marijuana, esses estudos foram feitos em 1992. Vamos a elas:

• Não existem diferenças significativas no peso de nascimento dos bebês expostos VS os que não foram;

• Crianças cujas mães usaram maconha, apresentaram melhor estabilidade fisiológica no 1º mês;

• Recém-nascidos fortemente expostos ao THC foram mais sociáveis e mais estáveis autonomicamente durante 30 dias;

• Crianças expostas ao THC ainda no útero, foram mais alertas;

• O sistema motor e o sistema nervoso autônomo de crianças expostas, foram mais robustos;

• As crianças expostas foram mais tranquilas e menos propensas a demonstrar desequilíbrio emocional;

• Depois de cinco anos de acompanhamento, conclui-se que não existem relações negativas, pelo contrário, as crianças apresentaram resultados mais favoráveis para a flexibilidade e estabilidade autônoma.

Fonte: Lombra

Uma das grandes preocupações dos pais é a de que seus filhos utilizem drogas, substâncias que alterem o estado mental. E se eu disser que o primeiro contato com substâncias psicoativas ocorre logo no primeiro dia de vida? O leite humano está repleto dessas substâncias, incluindo uma série de endocanabinoides, esses componentes são imprescindíveis para o desenvolvimento humano e atuam de forma similar aos efeitos da maconha. Grow
Os endocanabinoides mais conhecidos e abundantes no corpo humano são a anandamida e o 2-AG — similares ao THC da cannabis — que se ligam aos receptores CB1 e CB2. Esses receptores estão presentes em células de diversos órgãos (veja a imagem), especialmente no cérebro.

A ativação de receptores canabinoides no cérebro está ligada à ação neuroprotetora, prevenindo morte de células cerebrais. O sistema também interage com outros sistemas cerebrais, como o dopaminérgico, regulando a liberação de dopamina e a quantidade de receptores.

O rimonabant, um bloqueador de receptores de canabinoides, foi cogitado como um medicamento contra a obesidade, já que o sistema endocanabinoide está diretamente ligado ao apetite. O rimonabant, porém, foi rejeitado: ao impedir os endocanabinoides de se ligarem a seus receptores, o medicamento induz depressão, ansiedade e pensamentos suicidas. Similarmente, ratos geneticamente criados com deficiência em receptores canabinoides são mais agressivos, ansiosos e tendem a sofrer anedonia (inabilidade de sentir prazer).

Porque o sistema endocanabinoide é capaz de aumentar, mas também inibir o apetite, pesquisadores acreditam que esse seja o motivo porque bebês que amamentam nunca se alimentam demais, enquanto bebês alimentados com fórmula comumente se encontram acima do peso.

O sistema endocanabinoide, contudo, se adapta rapidamente, aumentando a quantidade de receptores na ausência de canabinoides, aumentando assim as chances de serem estimulados por qualquer substância que se ligue a eles. Da mesma forma, quando há abundância de canabinoides, há uma diminuição no número de receptores, criando assim uma resistência aos efeitos psicoativos – os benefícios à saúde, contudo, não diminuem.

Quando adultos, o ideal é que nosso organismo possua um sistema endocanabinoide equilibrado e produza canabinoides e receptores suficientes. Acredita-se que em casos de depressão, ansiedade e outros quadros psiquiátricos, possa haver uma falha nesse sistema e, por isso, pessoas com essas enfermidades têm uma tendência ao uso de substâncias que o estimulem, como a maconha.

A camellia sinesis, planta de onde é produzido o chá preto, branco e verde, também contém uma substância que se liga a receptores CB1: o antioxidante catequina. O guaraná também é uma fonte com grandes quantidades de catequina.

O cacau e, consequentemente, o chocolate, também possuem catequina e canabinoides, estimulando o sistema endocanabinoide. Não surpreende que o chocolate é um dos alimentos favoritos quando estamos tristes ou deprimidos.

Estudos também constataram que há uma perturbação no sistema endocanabinoide quando somos expostos ao stress. Já que o leite materno não está disponível depois de adultos (por favor, não vá atrás de leite humano! Tome um chá.), não é natural esperarmos que as pessoas recorram a substâncias que estimulem seus sistemas endocanabinoide? Usuários da maconha não estaria, então, na maioria esmagadora das vezes, fazendo uso medicinal?

Referências:

Poetize-se: Comida esperta, Cursos de saúde da UFPB: Uso medicinal da maconha, Vegeta, Comida de gente, Alzheimer, Comida de tubarão, A maconha como porta de entrada, Nunca comer., MORADOR DE RUA CUIDA DE 11 CÃES, A história das coisas,

Luto, maconha mata!!!

Facebook

Facebook

O governo mexicano deu início ao processo de legalização total da maconha recreativa. Após uma consulta nacional no mês passado em uma série de reuniões públicas, os legisladores do México concordaram em honrar a promessa de discutir a perspectiva de legalizar a maconha.

Tudo começou após uma decisão da Suprema Corte do país, no ano passado, que declarou ser inconstitucional “proibir o uso pessoal de cannabis”, alegando que feria o direito de livre criação de personalidade. Esta decisão foi uma parte essencial do processo para que o México afrouxasse suas leis sobre maconha.

Gil Kerlikowske, ex-comissário de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA do ex-presidente Bacarack Obama, participou de uma cúpula no Senado mexicano na semana passada para debater a legalização assim como sua regulamentação: algo que ele insistiu que seria fundamental para o sucesso da legislação.

Destacando a necessidade de proteger os jovens dos riscos da maconha por meio de controle rigoroso, ele pediu às autoridades mexicanas que garantissem que as receitas arrecadadas com a tributação da cannabis fossem investidas em reabilitação de drogas, programas educacionais assim como métodos de combate a qualquer reação dos cartéis de drogas.

“Se você quer um ambiente controlado para a maconha, precisa fazer todo o possível para eliminar o mercado negro” concluiu. Portal Mundo

Mônica Lopes Ferreira toma o chá de agrotóxico, aceita um gole?!?

https://youtu.be/eR-RCyOxg7UVídeo: Agrotóxicos são seguros? por Mônica Lopes-Ferreira – Daniele Bragança (Texto e Vídeo), Márcio Lázaro (Edição)
Há 30 anos, a imunologista Mônica Lopes Ferreira desempenha uma celebrada carreira no Instituto Butantan, instituição pública centenária ligada à Secretaria da Saúde de São Paulo, que atua como centro de pesquisa biológica.A imunologista analisou dez agrotóxicos que estão entre os mais utilizados no Brasil e revelou que todos, em qualquer quantidade aplicada, causam graves prejuízos à saúde humana. São eles: abamectina, acefato, alfacipermetrina, bendiocarb, carbofurano, diazinon, etofenprox, glifosato, malathion e piripoxifem.

Os resultados demonstram que os pesticidas causam mortes e malformação de fetos em embriões de peixe-zebra até mesmo em dosagens equivalentes a até um trigésimo do recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“Quando ele não matava, causava anomalia, o que para mim é uma coisa extremamente preocupante”, alerta Mônica, explicando que a genética do zebrafish, como é conhecido, é 70% semelhante à dos seres humanos.

O estudo foi encomendado em 2018 pela Fiocruz, pertencente ao Ministério da Saúde – que indicou os agrotóxicos a serem testados, o diretor da Anvisa Renato Porto e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, deram entrevistas contestando o estudo. Além deles, o ex-secretário de Agricultura e de Meio Ambiente de São Paulo, Xico Graziano, que tem ecoado a linha da ministra em seu blog, publicou um tweet desqualificando a pesquisa.

No final de 2018, eu comecei a ser procurada por um pesquisador da Fiocruz e me disseram que eu tinha sido indicada pelo próprio Ministério de Saúde para realizar uma análise de toxicidade por agrotóxicos usando o zebrafish. A Fiocruz, por ser um órgão do Ministério da Saúde, foi quem me enviou os dez agrotóxicos a serem testados, com a tabela já das doses. Essas eram as doses que eles consideram ideal para a saúde humana. Eu fui então testar cada um desses.

Ou eles causam mortalidade nos animais ou eles causam anomalias. Não morreu? Mas o bicho ficou doente, ficou com uma anomalia. Eu não fui a primeira a dizer que agrotóxicos causam problemas. Não fui a primeira e não serei a única. Existem muito estudos sobre isso.

Alguns outros colegas que eu conheço que trabalham com agrotóxicos me relataram que eles também têm sido perseguidos por conta dos agrotóxicos. Eu não sabia, até então, que existia todo um mundo de perseguição contra pessoas que estudam os agrotóxicos. Mariana Simões, Agência Pública/Repórter BrasilEsta entrevista (clique aqui para ler na íntegra) faz parte do projeto Por Trás do Alimento, uma parceria da Agência Pública e Repórter Brasil para investigar o uso de Agrotóxicos no Brasil. A cobertura completa está no site do projeto.

O Danio rerio é geneticamente parecido com a espécie humana e possui todo genoma sequenciado.

Os pesquisadores testaram dosagens variadas dos dez agrotóxicos mais usados no país – Abamectina, Acefato, Alfacipermetrina, Bendiocarb, Carbofurano, Diazinon, Etofenprox, Glifosato, Malathion e Piriproxifem –, desde as doses mínimas indicadas pelos fabricantes até concentrações 30 vezes inferiores, e que, portanto, deveriam a princípio ser consideradas inofensivas à vida e ao meio ambiente. A pesquisa mostrou o contrário: mesmo exposto a concentrações mínimas, o Zebrafish apresentava anomalias ou não resistia após ser submetido ao veneno. Oeco

Poetize-se: CIDADES DEMOCRÁTICAS, Conheça 13 maneiras de reaproveitar sobras e cascas de frutas e vegetais, Café com Dengue., VIA LÁCTEA PELO NAVEGADOR, MEDICINA TRADICIONAL YANOMAMI ON-LINE, Desordem mental, depressão e suicídio???, Substituto de agrotóxico: eucalipto, Remédio caseiro para controle de pulgas, A HISTÓRIA DO JARDINEIRO DE OXALÁ, VIDA INTELIGENTE., Inseticida Natural contra lesmas e lagartas, Amazônia S. A., Repelente de pescador, Mapa do envenenamento de alimentos no Brasil

RE 1.017.365

Em abril, o STF reconheceu a repercussão geral do Recurso Extraordinário (RE) 1.017.365, caso que discute uma reintegração de posse movida contra o povo Xokleng, em Santa Catarina. Por isso, no prazo de um ano, a Suprema Corte poderá dar uma solução definitiva aos conflitos envolvendo terras indígenas no país, e garantir um respiro às comunidades que se encontram, atualmente, pressionadas por poderosos setores econômicos.

Por este motivo, no 15º Acampamento Terra Livre (ATL), os povos indígenas decidiram realizar uma vigília em frente ao STF, para chamar a atenção à luta por justiça histórica e em defesa de seus direitos originários.

Entenda do que se trata esse julgamento e o que está em jogo. Mobilização Nacional Indígena


No limite, o que está em jogo é o reconhecimento ou a negação do direito mais fundamental aos povos indígenas: o direito à terra. Há, em síntese, duas teses principais que se encontram atualmente em disputa: de um lado, a chamada “teoria do indigenato”, uma tradição legislativa que vem desde o período colonial e que reconhece o direito dos povos indígenas sobre suas terras como um direito originário – ou seja, anterior ao próprio Estado. A Constituição Federal de 1988 segue essa tradição e garante aos indígenas “os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam”. Do outro lado, há uma interpretação mais restritiva, que pretende restringir os direitos dos povos indígenas às suas terras ao reinterpretar a Constituição com base na tese do “marco temporal”.


A tese do marco temporal defende uma interpretação mais restritiva dos direitos constitucionais dos povos indígenas. Nessa interpretação, defendida por ruralistas e setores interessados na exploração dos territórios indígenas, os povos só teriam direito à demarcação das terras que estivessem sob sua posse no dia 5 de outubro de 1988, ou que estivessem sob disputa física ou judicial.Na avaliação de indigenistas, juristas, lideranças indígenas e do Ministério Público Federal (MPF), essa é uma tese perversa, pois legaliza e legitima as violências a que os povos foram submetidos até a promulgação da Constituição de 1988. Além disso, essa posição ignora o fato de que, até 1988, os povos indígenas eram tutelados pelo Estado e não tinham autonomia para lutar, judicialmente, por seus direitos.

Na origem, o juízo considerou que houve tumulto no exercício da posse da área da reserva pela presença da reserva biológica pela presença dos índios na região, e ressaltou, na sentença, que não há elementos que permitam inferir que as terras sejam tradicionalmente ocupadas pelos índios, ao observar que quem ocupa a área, para fins de preservação ambiental, é a parte autora (Fatma).

No RE, a Funai alega que a decisão, que foi mantida pelo TRF, ofende o artigo 5º (incisos XXXV, LIV e LV) e o artigo 231 – sobre o reconhecimento da posse e usufruto de terras tradicionalmente ocupadas pelos índios – da CF/88. A fundação sustenta que a área em questão já foi reconhecida como de tradicional ocupação indígena, tendo sido afastada a interpretação do artigo 231 da CF/88 pelo TRF da 4ª região, privilegiando o direito de posse daquele que consta como proprietário no registro de imóveis em detrimento do direito originário dos índios. Migalhas

O relator do caso, ministro Edson Fachin, defendeu a ampla participação de todos os setores interessados no tema, dada a importância da matéria. Tal participação pode se dar partir da figura do amicus curiae – termo em latim que significa “amigo da corte” e que permite que pessoas, entidades ou órgãos com interesse e conhecimento sobre o tema contribuam subsidiando o tribunal. Por esse caminho, comunidades e organizações indígenas deverão estar habilitadas a contribuir com o processo. CIMI – CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO

Poetize-se: Radio Yandê, Parabéns Néstle, Adriana Plens e o Tanque Grande, Mão Santa, O papel da lareira, Trator, 30 Matrix indígenas, Território, O Brasil visto do Céu, Mapa da indecência, Conhecimento Ancestral, Bolsa ruralista, quer que desenhe?, Coletores de sementes, Mapa dos ecossistemas intactos da Terra, Biblioteca Web, Princípio do ou não, Árvores?

Fridays For Future


As greves estudantis contra o aquecimento global começaram em agosto de 2018, com Greta Thunberg, de 16 anos, e se espalharam pelo mundo, esta talvez tenha sido a maior manifestação pelo clima já realizada no planeta. Nem as Marchas pelo Clima reuniram tanta gente. E, em alguns casos, os jovens ainda tiveram o apoio dos pais, dos professores e das escolas. Mônica Nunesconexão planeta

Aqui estão algumas diretrizes gerais:

1. As sextas-feiras para o futuro querem que você ataque apenas de uma maneira com a qual se sinta seguro.
2. Muitos atacantes de sexta-feira a sexta-feira têm aprovação da polícia para a greve.
3. É comum que essas aprovações permitam apenas um protesto silencioso e sentado.
4. É improvável que as sextas-feiras do futuro sejam capazes de fornecer apoio jurídico se houver problemas; portanto, a FFF aconselha os grevistas a estabelecer uma ligação com as ONGs locais. Essas ONGs geralmente conhecem advogados locais, que são bem versados em situações de protesto.
5. Somos uma organização de greve pacífica e silenciosa, mas, infelizmente, já vimos exemplos em alguns países, onde alguns indivíduos ou organizações tentam entrar em uma greve com o objetivo de causar problemas. Tome cuidado e priorize sua própria segurança.

Informe-nos se pudermos ajudar com mais perguntas.

#FridaysforFuture é um movimento popular após a ligação de @GretaThunberg à greve escolar.

As crianças em idade escolar são obrigadas a frequentar a escola. Mas com o agravamento da Destruição Climática, esse objetivo de ir à escola começa a ser inútil.
– Por que estudar para um futuro, que pode não estar lá?
– Por que gastar muito esforço para ser educado, quando nossos governos não estão ouvindo os educados?
Greta Thunberg pede que as pessoas batam na frente de sua prefeitura mais próxima, toda sexta-feira. Com uma placa, tire uma foto e publique-a com as hashtags
#Fridaysforfuture
#Climatestrike

A emergência climática é uma questão urgente, já que agrava e amplia as desigualdades existentes. Os seus efeitos vão continuar a crescer e a piorar com o tempo, criando uma ruína para as gerações atuais e futuras. Para a Anistia Internacional, o fracasso dos governos em agir contra as alterações climáticas pode ser a maior violação intergeracional de direitos humanos da história.

“Direitos humanos e a crise climática andam de mãos dadas. Não podemos resolver um sem resolver o outro. As alterações climáticas significam que as pessoas não vão conseguir cultivar alimentos, que suas casas estarão sob ameaça e que sua saúde ficará comprometida. Os governos têm o dever de nos proteger, então por que razão não estão fazendo nada para impedir que as alterações climáticas destruam as nossas vidas?”, questiona Greta Thunberg. Anistia

O Prêmio de Embaixador de Consciência foi criado em 2002 para celebrar pessoas e grupos que promovem a causa dos direitos humanos ao agir em consciência, confrontando a injustiça e usando suas competências para inspirar outras pessoas. Entre os homenageados estão nomes como Nelson Mandela, Malala Yousafzai, Harry Belafonte, Ai Weiwei, os Grupos da Juventude da África Ocidental e Central, Angélique Kidjo, o movimento dos direitos indígenas no Canadá, Alicia Keys e Colin Kaepernick.
A ativista Greta Thunberg e o movimento estudantil Fridays for Future foram homenageados Embaixadores de Consciência da Anistia Internacional em 2019.
Veja também: Felix Finkbeiner: Plant For The Planet, Puta Que Pariu!!!, Índice de Desenvolvimento Humano, O que é ser defensor dos direitos humanos, afinal?, Impostômetro, Portal da Transparência, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, O que, de quem?, Só Pra Variar, Cadê os Amarildos?, Um Monte de mentiras, Dia Internacional do Direito a Saber, Velozes e Incompetentes, Semana do Consumidor, Flúor reduz o QI?

Torta geométrica

A norte americana Lauren Ko é escritora, artista e confeiteira autodidata, nasceu em San Diego – Califórnia, se mudou para o estado de Washington, onde abriu sua confeitaria, a Lolo Kitchen, em Seattle, sua especialidade são tortas nada convencionais, milimetricamente perfeitas, com sabores variados, cores e texturas que nunca imaginamos encontrar em tortas, seu trabalho é uma verdadeira arte, e já estampou diversas revistas, como Vogue e O Magazine. Vivimetalium

Torta de pera com cardamomo

Lauren nasceu em San Diego – Califórnia, porém recentemente se mudou para o estado de Washington, onde abriu sua confeitaria, a Lolo Kitchen. Sua conta no Instagram possui cada vez mais seguidores, ávidos por experimentar suas incríveis tortas.

Torta de cerejas com flores

Não é à toa que suas tortas estejam sendo super disputadas. Além de lindas, possuem sabores exóticos e são sempre pensadas levando em conta uma alimentação saudável e balanceada. Mas, e a coragem de comer uma obra de arte como essa?

Uma torta de maçã nada convencional

No perfil @LokoKitchen ela já possui quase 60 mil seguidores impressionados com suas criações artísticas dignas das paredes dos mais renomados museus do mundo. Alguns de seus trabalhos incluem uma bela torta de batata doce com tons dourados e alaranjados enfeitada com uma rosa de maçã com nozes ao molho de açúcar.

Uma outra foto mostra uma torta de mirtilo com uma crosta de treliça pouco cozida para o jantar de Ação de Graças. Também são comuns tortas inspiradas em obras de mestres como uma feita em homenagem a Vincent Van Gogh.

fonte:via Fotos: Lauren Ko
Poetize-se: Mousse de vinho, Leite de aveia, Sucos verdes, Chás que Ajudam a Emagrecer, Conheça 13 maneiras de reaproveitar sobras e cascas de frutas e vegetais, WASABI, Receitas rápidas de verão, Sua cara, Comidinhas de Maconha, Tortine di ceci e spinaci (gluten free e vegan), Comida colorida

Como aprendemos a comer plantas tóxicas sem ajuda da ciência

Ao longo das gerações, nossos ancestrais acumularam ideias úteis por tentativa e erro, que foram copiadas pelas gerações seguintes.

Em 1860, os exploradores Robert Burke e William Wills lideraram a primeira famosa expedição europeia pelo interior desconhecido da Austrália, mas a sorte não esteve ao lado deles. Devido a uma combinação de falta de comando, mau planejamento e azar, ficaram sem comida na viagem de volta.

Os yandruwandha deram aos exploradores bolos feitos a partir de vagens esmagadas de uma samambaia chamada nardoo, que é um tipo de samambaia nativa da Austrália. Burke brigou com eles e, imprudentemente, os afastou ao disparar sua pistola.
O nardoo, um tipo de samambaia, é coberta por uma enzima chamada tiaminase, que é tóxica para o corpo humano. A tiaminase impede a absorção pelo corpo da vitamina B1, que tem entre suas principais funções o metabolismo dos carboidratos, lipídios e proteínas e a estimulação de nervos periféricos.

Como comida, a nardoo é mais uma curiosidade. O que não é o caso da mandioca, que é uma fonte vital de calorias em várias regiões do mundo, em particular na África e na América Latina.
À rigor, há dois tipos de mandioca, a mandioca mansa, também chamada de mandioca de mesa (conhecida também no Brasil pelos nomes de macaxeira e aipim), e a mandioca brava, conhecida como mandioca de indústria, mas a mandioca brava é altamente tóxica – e requer um procedimento industrial ou um ritual de preparação tedioso e complexo para torná-la um alimento seguro. Ela libera cianeto de hidrogênio.

Plantas tóxicas estão por toda parte. Às vezes, processos simples de cozimento são suficientes para torná-las comestíveis. Mas como alguém aprende a elaborada preparação necessária para a mandioca ou o nardoo?

Para Joseph Henrich, professor de biologia evolucionária humana na Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, esse conhecimento é cultural, e nossas culturas evoluem por meio de um processo de tentativa e erro análogo à evolução em espécies biológicas.

Na América do Sul, onde humanos comem mandioca há milhares de anos, as tribos aprenderam os muitos passos necessários para desintoxicá-la completamente: raspar, ralar, lavar, ferver o líquido, deixar a massa repousar por dois dias e depois assar.
Estudos realizados posteriormente mostram que o comportamento de imitar é instintivo entre humanos. Os psicólogos chamam isso de superimitação. Acordo Coletivo

Gastronomia Funcional

Os alimentos funcionais são considerados promotores de saúde e podem estar associados à diminuição dos riscos de algumas doenças crônicas degenerativas, como câncer, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças autoimune, dentre outras. É necessário que o consumo destes alimentos seja regular, a fim de que seus benefícios sejam alcançados. Artemis Gourmet

SOPA CURA GRIPA

CREME DE MILHO SEM GLÚTEN

LEITE DE AMÊNDOAS

RISOTO DE BETERRABA

CREME DE MANDIOQUINHA COM SHITAKE

SOPA DE ERVILHA

CUSCUZ COM FEIJÃO FRADINHO

ESTROGONOFE DE LEGUMES

OMELETE DE ORA-PRO-NÓBIS

PANQUECA DE BETERRABA

PÃO FUNCIONAL RÁPIDO

ESTROGONOFE DE GRÃO DE BICO

GELADINHO DE LIMÃO FUNCIONAL

CARPACCIO VEGETAL

SALADA PROTEICA

SALADA ARTEMIS

QUICHE SEM GLÚTEN

LASANHA DE VEGETAIS

SALADA REFRESCANTE

DOCE DE ABÓBORA EM PEDAÇOS

QUIBE ASSADO VEGETARIANO

POLENTA COM INHAME

BIOMASSA DE BANANA VERDE

TORTA DE RICOTA COM ESPINAFRE

SALADA DE LENTILHA

PANQUECA FIT

LEGUMES FIT

BOLACHA DE AMENDOIM

SALADA VERDE COM NOZES PERA E BRIE

TERRRINE DE PEPINO

SALADA DE FEIJÃO DE CORDA

HAMBÚRGUER DE QUINOA COM ABOBRINHA

HAMBÚRGUER DE QUINOA COM ABOBRINHA

BRIGADEIRO FIT

BRIGADEIRO FIT

BIOMASSA DE BANANA VERDE

BIOMASSA DE BANANA VERDE

ARROZ DE COUVE FLOR

ARROZ DE COUVE FLOR 3

BOLO DE CHOCOLATE CREMOSO

BOLO DE CHOCOLATE CREMOSO

CREME DE ABÓBORA COM GENGIBRE

PROTEIN COOKIE DE LIMÃO

PROTEIN COOKIE DE LIMÃO

RISOTO COM SHITAKE

RISOTO COM SHITAKE

BROWNIE DE BATATA DOCE

BROWNIE DE BATATA DOCE

PÃO COM FARINHA DE LINHAÇA

PÃO DE FRIGIDEIRA LINHAÇA3

BOLACHA SALGADO COM CHIA

BOLACHA SEM GLUTEN2

OVO DE PÁSCOA SALGADO

Abacate recheado

CHUCHU RECHEADO

CHUCHU RECHEADO

BRIGADEIRO CREMOSO FIT

BRIGADEIRO CREMOSO FIT

MACARRONADA DE ABOBRINHA

MACARRONADA DE ABOBRINHA

PÃOZINHO DE BATATA DOCE COM KEFIR

BOLINHO DE BATATA DOCE KEFIR

ABOBRINHA RECHEADA DE QUINOA

ABOBRINHA RECHEADA QUINOA

MOUSSE DE CHIA

MOUSSE DE CHIA

TOMATES LEVES FIT

TOMATES FIT FIT

COOKIES MACIOS

COOKIES MACIOS

PIZZAIOCA

PIZZAIOCA

SORVETE FUNCIONAL

SORVETE FUNCIONAL

CHARUTINHO DE FOLHA DE COUVE

charuto de couve quinoa

TORRE DE YACON E QUINOA

TORRE YACON QUINOA 1

HAMBÚRGUER DE QUINOA

HAMBURGUER QUINOA 5

FAROFA FUNCIONAL

FAROFA VEGANA2

BISCOITO FUNCIONAL

BOLACHINHA FUNCIONAL

PIZZA DE INHAME

PANQUECA DE INHAME

ARROZ INTEGRAL COM LENTILHA

ARROZ COM LENTILHA3

OMELETE DE ESPINAFRE E QUEIJO COALHO

FRITADA ESPINAFRE AMARANTO CAPA

SALADA DE ORA-PRO-NÓBIS COM COUVE FLOR

SALADA ORA PRO NOBIS

PAÇOCA FIT

PAÇOCA FIT RECEITA

GRANOLA

Granola ok

IOGURTE

IOGURTE4

ABACATE RECHEADO

abacate 2

PÃOZINHO FUNCIONAL

SALADA DE GRÃO DE BICO

SALADA GRÃO DE BICO

TAPIOCA

IMG_20170918_134628

Onde estudar maconha medicinal?!?

A comunidade acadêmica tem se interessado pelo tema, especialmente ao acompanhar estudos estrangeiros sobre o uso da maconha no tratamento de doenças como depressão, Síndrome de Hett, Alzheimer e esclerose múltipla.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte está abrindo o primeiro curso sobre o uso terapêutico da cannabis, além das informações sobre pesquisas recentes acerca da maconha medicinal, com foco na redução de dores crônicas e crises epiléticas, os participantes também vão aprender mais sobre a história da erva e de seu uso pela humanidade.

As inscrições podem ser feitas no Sistema Integrado de Atividades Acadêmicas da UFRN. Hipeness


Seguindo a onda de legalização da maconha para uso medicinal e recreativo, universidades pelo mundo todo estão lançando cursos especializados em seu uso medicinal, como é o caso em alguns lugares da Europa e Estados Unidos e Israel, que acaba de criar um curso de pós graduação neste mercado, que tem tudo para continuar crescendo.
Itzhak Harpaz – presidente da instituição, situada entre as cidades de Afula e Nazareth, a Max Stern Yezreel Valley College, completa: A indústria de cannabis hoje é o que a indústria cibernética fez há 10 anos e Israel precisa e pode liderar esta indústria também”. Enquanto isto, o Brasil continua perdendo tempo e dinheiro, já que em 2018 somente os Estados Unidos faturou mais de R$ 20 bilhões. Gabriela Glette


A combinação maconha e faculdade nunca foi uma novidade. Mas na Universidade do Norte do Michigan (MNU), nos EUA, a planta deixou o intervalo e as matadas de aula para virar tema de quatro anos de graduação, surgiu o curso de Química de Plantas Medicinais. Quase metade dos 50 estados norte-americanos já reconhecem o uso terapêutico da planta, sendo que oito unidades da federação legalizaram inclusive o uso recreativo. Nasceu assim um mercado bilionário, mas ainda faltam pessoas capacitadas para lidar com ele.

Somente no ano passado, no mercado legal de maconha e seus usuários movimentados U $ 6.7 bilhões somente nos EUA. A expectativa é de que o volume seja disponibilizado nos próximos anos, atingindo uma marca de U $ 44 bilhões em 2020, tanto para a revista Forbes como para o mercado de erva como a melhor oportunidade de negócios para empreendedores e investidores de startups. A Sociedade Americana de Química criou recentemente uma subdivisão que apresenta os novos lançamentos da indústria nos seus encontros nacionais. REDAÇÃO GALILEU
Reflexo disso é a consolidação e surgimento de novos cursos que visam esmiuçar e formar profissionais em diversas áreas relacionadas à maconha – de cultivo a empreendedorismo, passando por bioquímica e horticultura, conheça 10 universidades que oferecem cursos sobre maconha:

1- Oaksterdam;

2- THC University;

3- Cannabis Training University;

4- Niagara College;

5- Northern Michigan University;

6- Seattle Central College;

7- University of California/Davis;

8- The Ohio State University;

9- University of Washington;

10- Scuola Italiana Della Canapa. Maryjuana

A inteligência coletiva é fundamental no enfrentamento ao proibicionismo e e o preconceito.

O curso online “O uso médico da cannabis no tratamento da dor crônica”, oferecido pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID), Universidade Federal de São Paulo.

O curso conta com diversos recursos didáticos e interativos, como vídeos, imagens, ilustrações, entrevistas com especialistas, trabalhos científicos para download e discussão de caso clínico. É coisa de alto nível, com um time de pesquisadores que estuda essa querida planta há décadas. Hempadão

Para ter acesso ao conteúdo basta clicar neste link http://www.cebrid.com.br/curso/


O estudo foi divulgado pela Vegetation History and Archaeobotany, segundo o artigo, a maconha deve ter sua origem precisa pelos lados do Planalto do Tibete, próximo ao Lago Qinghai, uma parte especial do planeta. Hempadão
Mude conceitos, você pode e deve: VENDE-SE MACONHA, SNOOP DOGG LION, NAARA BEAUTY DRINK!!!™, MOVIDA A ÁGUA, NEVO™, MEDICINAL VIBES, VIRTUDE, INSTANTLY AGELESS™, NISE – O CORAÇÃO DA LOUCURA., KID VINIL, VIDACELL®, BECAUSE I GOT HIGH, RESERVE™, OIL, WHICH ONE TO CHOOSE HEALTHWISE?, FHC = THC, PLANTEI MACONHA?!?, Cursos de saúde da UFPB: Uso medicinal da maconha

Cursos de saúde da UFPB: Uso medicinal da maconha

A UFPB será a primeira instituição do Brasil a ministrar a disciplina em três cursos da área da saúde, os estudantes dos cursos de medicina, biomedicina e farmácia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) terão aulas sobre o uso medicinal da maconha, por meio da disciplina Sistema Endocanabinoide e Perspectivas Terapêuticas da Cannabis Sativa e Seus Derivados.


“Já faz um tempo que trabalho com pesquisa e extensão e percebi que há uma demanda enorme de profissionais de saúde, principalmente médicos, que não se sentem seguros em prescrever a medicação porque não tiveram essa formação dentro da universidade”, afirmou Katy Albuquerque, do departamento de fisiologia e patologia da UFPB e idealizadora da disciplina.
A professora destacou que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já libera a importação de remédios a base de maconha para tratar pessoas com autismo, depressão, esclerose múltipla, alguns tipos de câncer etc, uma vez que muitas vezes a terapia medicamentosa tradicional não responder de forma satisfatória.


“Há uma gama enorme de doenças que pode ser tratada com a cannabis, e cada vez mais essas doenças se tornam frequentes na população”.

Poetize-se: HEMP ROLL, NAARA BEAUTY DRINK!!! (10% de DESCONTO), Inicie um abaixo-assinado, Carta de um policial nos protestos de São Paulo, VIDACELL® (10% de DESCONTO), De quem é o poder?, HEMP CAR, K2, SPICE OU MACONHA SINTÉTICA?, FIM DOS TRAFICANTES?!?, SNOOP DOGG LION, A IGREJA DE TODOS OS DEUSES, LUMINESCE™ (10% de DESCONTO), SETEMBRO AMARELO,VOCÊ NUNCA ESTEVE SOZINHO?, Hemp Church

Nothing is happening

Caso você não saiba:

🔥 Ilhas Canárias estão queimando
🔥Califórnia está queimando
🔥 Oregon está queimando
🔥 Washington está queimando
🔥 Columbia está queimando
🔥 Alberta está queimando
🔥 Montana está queimando
🔥 Nova Escócia está queimando
🔥 Grécia está queimando
🔥 O Brasil está queimando
🔥 Portugal está queimando
🔥 Argélia está queimando
🔥 Sibéria está queimando
🔥 A Amazônia boliviana está queimando

⛈Texas está debaixo de água
⛈ Índia, Paquistão e Nepal com enormes Monsones estão debaixo d’água
⛈ Serra Leoa e Nigéria com inundação maciça debaixo d’água

🌞 Itália, França, Espanha, Suíça, Hungria, Polônia, Romênia, Bósnia, Croácia e Sérvia são atacados por uma impressionante onda de calor
🌞 sul da Califórnia sob onda de calor infernal
🌞 Excepcionalmente em agosto, a cidade de San Francisco alcançou os recordes de 106 graus, quando chega a 115 graus Fahrenheit. Enquanto a Carolina do Norte ainda está cozinhando no inferno.
🌞 Groenlândia (a ilha que o presidente Trump quer comprar) é debatida em sua pior crise ambiental devido ao forte calor. Como se isso não bastasse, a possibilidade de um nível de tempestade solar X10 C.M.E é anunciada para as próximas semanas. O maior já registrado. Thuka Samarsdn – Facebook

Você ainda acha que nada está acontecendo?

Substituto de agrotóxico: eucalipto

Uma pesquisadora baiana dedicou um olhar mais sensível para esta problemática e questionou se poderia haver um agrotóxico capaz de prevenir pragas, mas que não ameaçasse a saúde. A partir daí, a engenheira florestal Cátia Libarino desenvolveu um estudo com óleo de eucalipto para reduzir a manifestação de doenças em plantas.

A pesquisadora conta que há um déficit sobre estudos do controle de doenças em plantas com o uso de produtos de origem vegetal, em vez de químicos.

A extração do óleo é produzida através de um processo chamado hidrodestilação. As árvores de eucalipto atualmente são utilizadas desde a sua madeira, para construção de vigas, fabricação de móveis, etc, passando pelas suas flores que dão origem a essências, até a celulose que dá origem ao papel. Neste processo, é comum que as folhas sejam desprezadas, entretanto, utilizá-las para gerar um agrotóxico natural pode ser uma alternativa para evitar que as mesmas sejam descartadas.

O projeto recebeu apoio dos professores Quelmo Novaes e Dalton Júnior, da Uesb – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, além da professora Patrícia Krepsky, da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Correio

Um dos parasitas mais comuns nas criações de gado leiteiro, a mosca-do-chifre alimenta-se do sangue das vacas debilitando o animal. Atualmente são utilizados no controle do vetor inseticidas sintéticos altamente tóxicos que acabam contaminando o leite produzido.Na busca por alternativas menos tóxicas, o laboratório de pesquisa em entomologia da Universidade Anhanguera Uniderp, com a coordenação do engenheiro agrônomo Prof. Silvio Fávero, trabalha há mais de seis anos na produção de um óleo de eucalipto que seja capaz de atuar como repelente destes vetores. IAGRO
“Já temos resultados positivos na utilização do óleo de eucalipto no combate às pragas agrícolas como a lagarta do cartucho e o percevejo marrom da soja, além de ser eficaz em vetores como o barbeiro e a mosca doméstica”, afirma Fávero.
Segundo o pesquisador, o óleo possui uma ação inseticida que age diretamente no sistema nervoso do inseto nos sítios octopaminérgicos. “Esta solução é menos tóxica para o homem e fatal para a mosca”, garante o pesquisador. Fundect – Publicado por: kventorim@semagroEm consequência a alta demanda de alimentos, existe a necessidade de aumentar a produtividade, sem perdas qualitativas e quantitativas. As perdas nos processos de armazenagem do feijão ocorrem, principalmente, pelo ataque do caruncho Acanthoscelides obtectus, sendo seu controle feito por
inseticidas líquidos aplicados diretamente nos grãos ou por expurgos. A aplicação destes produtos
químicos tornam preocupante o consumo dos grãos na alimentação, tendo em vista o resíduos que
permanece nos mesmos (Mazzonetto e Vendramin, 2003). Segundo a ANVISA (2006) o consumo de
produtos que contenham agrotóxicos envolvem riscos para a saúde humana, pois seus efeitos cumulativos podem ser desconhecidos em longo prazo.
Em razão destes resíduos existe uma necessidade crescente na busca por métodos alternativos
no controle do caruncho Acanthoscelides obtectus. Neste sentido, os óleos essenciais surgem como uma opção para esse controle, não deixando resíduos nos alimentos e sendo de fácil obtenção. De acordo com Gallo et al. (2002), a utilização de plantas como inseticida apresentam inúmeras vantagens, dentre elas
menor toxicidade a mamíferos, baixa probabilidade de desenvolver resistência e grande disponibilidade
de matéria prima na natureza. USO DE ÓLEOS ESSENCIAIS DE Eucalyptus NO CONTROLE DE Acanthoscelides obtectus EM GRÃOS DE FEIJÃO
ARMAZENADO – UFRGS
Os tratamentos folha de eucalipto, expurgo e tratamento ténnico-folha de eucalipto se equivalem em eficiência. Os tratamentos ténnico-folha de eucalipto, expurgo-folha de eucalipto, inseticida, tratamento ténnico-inseticida e expurgo-inseticida também se equivalem em eficiência e foram os que se mostraram mais eficazes no controle do caruncho do feijão armazenado, sendo que o tratamento alternativo mais indicado para a conservação do produto foi o tratamento ténnico- folha de eucalipto. Ester Rodrigues – Unicamp

A pesquisadora Cátia Libarino deu início a um estudo com eucaliptos, que vem sendo desenvolvido no Mestrado em Ciências Florestais da Uesb.

A ideia de trabalhar com produtos menos nocivos surge em meio à divisão entre ruralistas, entidades de saúde e meio ambiente, devido ao Projeto de Lei 6299/02, que visa atualizar a legislação dos Agrotóxicos de 1989. A proposta segue em tramitação no legislativo, mas, na prática, a flexibilização na liberação dos produtos, que está entre os pontos da pauta, já vem acontecendo. Resultado disso é que, até junho deste ano, o Ministério da Agricultura liberou 239 novos agrotóxicos no país, de acordo com publicações do Diário Oficial da União (DOU). Uesb – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

“Os pequenos agricultores podem comercializar um novo produto, que são as próprias plantas, mas agora com um viés diferente, que é vender o óleo fungicida natural. Além disso, caso não possa produzi-lo, o próprio extrato das folhas pode ser uma opção imediata (mesmo não sendo tão eficaz quanto o óleo), pois é fácil de preparar com um processador mecânico, e sua capacidade de biodegradabilidade no ambiente torna o processo mais acessível”, concluiu Cátia Libarino. Ascom/Fapesb
Poetize-se: CIDADES DEMOCRÁTICAS, EXAME COM UMA GOTA DE SANGUE, Café com Dengue., VIA LÁCTEA PELO NAVEGADOR, MEDICINA TRADICIONAL YANOMAMI ON-LINE, Monsanto é condenada a pagar indenização bilionária para jardineiro com câncer terminal, VIDACELL®, Remédio caseiro para controle de pulgas, A HISTÓRIA DO JARDINEIRO DE OXALÁ, VIDA INTELIGENTE., Inseticida Natural contra lesmas e lagartas, Amazônia S. A., Repelente de pescador

TRATAMENTOS PSICOLÓGICOS também INDICADOS PARA O ALCOOLISMO

A maioria dos tratamentos psicológicos indicados para o alcoolismo se baseia no modelo cognitivo-comportamental, no qual esta substância é assumida como um poderoso reforçador capaz de manter a autoadministração do álcool.

O modelo cognitivo-comportamental oferece uma alternativa à abordagem clássica do alcoolismo como doença e, portanto, ao modelo médico.

O objetivo final dos tratamentos psicológicos indicados para o alcoolismo é diminuir a preferência da pessoa pelo álcool. Assim, aumentam a sua preferência por outras atividades que permitam manter um funcionamento adaptativo a longo prazo.

O Treinamento em habilidades sociais ou autocontrole é utilizado em pacientes que não possuem habilidades interpessoais e intrapessoais adequadas ou que não conseguem controlar o seu estado emocional se não for através do álcool.

Os viciados consomem menos álcool se, em uma situação social estressante, dispuserem de uma estratégia de enfrentamento alternativa. O manual de Monti e colaboradores (2002), fornece estratégias sociais tanto para o paciente quanto para sua rede de apoio, sem recorrer ao consumo.

A Abordagem de reforço comunitário orientada o paciente a mudar o estilo de vida relacionado ao consumo da substância, inclui técnicas como a resolução de problemas, terapia comportamental familiar, aconselhamento social e treinamento para a busca de emprego.

Também pode ser usada para a estratégia de beber de forma controlada.

A Terapia Comportamental Marital, consiste em fazer com que o consumo de álcool deixe de ser um reforçador para que a abstinência seja a meta, é necessário o envolvimento em atividades agradáveis, especialmente aquelas que não envolvem beber, juntamente com o companheiro.

O Programa Sisson e Azrin, visa ensinar aos membros não-alcoólatras maneiras de reduzir os abusos físicos, estimular a sobriedade e procurar tratamento.

Na Terapia aversiva, o objetivo é reduzir ou eliminar o desejo do indivíduo pelo álcool, por meio de estímulos ou imagens diferentes usados para que uma resposta condicionada negativa seja alcançada para os sinais relacionados à bebida (cor, cheiro…).

Diferentes estímulos aversivos foram usados, desde o clássico choque elétrico com Kantorovich em 1929 até a aversão química ou por meio da imaginação outro exemplo desse tratamento poderia ser a ‘sensibilização encoberta’ proposta por Cautela em 1970.

A Prevenção de recaídas, o método mais conhecido é o de Marlatt e Gordon, onde o cliente é desafiado a se responsabilizar pela sua mudança de comportamento e, portanto, pela manutenção da referida mudança, uma vez obtida, além de levar em consideração o aumento de suas estratégias de enfrentamento em situações de estresse de alto risco.

Os Tratamentos orientados para beber de forma controlada, são utilizados quando a pessoa não quer alcançar a abstinência completa ou não tem problemas físicos.

O Programa Sobell & Sobell visa garantir que os bebedores problemáticos não se tornem crônicos, numa abordagem de autogestão. O programa de Sobell & Sobell dura quatro semanas e é realizado em nível ambulatorial.

As recomendações incluem não consumir mais de 3 unidades de bebida por dia e não beber mais de 4 dias na semana, com o objetivo de reduzir o nível de tolerância ao álcool, assim como não beber em situações de alto risco, não beber mais de uma unidade de bebida por hora, e atrasar o tempo entre a decisão de beber e beber em 20 minutos.

O treinamento em resolução de problemas e prevenção de recaídas possibilita que a pessoa delimite as situações relacionadas com o consumo de álcool em sua vida e desenvolve estratégias para lidar com elas.

Aprendendo habilidades sociais para dizer não às pessoas que nos incentivam a beber, ou resolvendo com eficiência os problemas que, anteriormente, eram enfrentados com o álcool. É fundamental garantir que os jovens não se tornem bebedores patológicos e aprendam maneiras eficazes de administrar as suas vidas que não envolvam o uso de drogas.

Poetize-se: BEBER MENOS, TRAFICANTES DE POLÍTICAS, Milton Friedman, 15 MIND OPENING LSD QUOTES, #LAS TÉCNICAS #’MINDFULNESS’ AYUDAN AL #ENFERMO MENTAL A SER CONSCIENTE DE SUS #EMOCIONES Y A ESCUCHAR SUS NECESIDADES, naara beauty drink™, ROCKEFELLER, nevo™, FHC LEGALIZE, RELATÓRIO FIGUEIREDO, instantly ageless™, TIMOTHY LEARY, MACONHA NO SENADO, vidacell®, RICARDO LSD BOECHAT DOIDÃO, reserve™, SISTEMA NACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS, JÁ NÃO ME SINTO EM CASA NESSE MUNDO

Gilberto Orivaldo Chierice

O professor aposentado do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), em São Carlos, Gilberto Orivaldo Chierice morreu aos 75 anos, (19/07/2019), no Hospital Instituto de Moléstias Cardiovasculares, em São José do Rio Preto (SP). Chierice ficou conhecido no Brasil por desenvolver a fosfoetanolamina sintética, conhecida popularmente como a “pílula do câncer”. G1 São Carlos e Araraquara
No final dos anos 1980, ele desenvolveu um polímero a partir do óleo de mamona, que era perfeito para fabricar próteses bem mais baratas que as de silicones e que também não causavam rejeição. O trabalho que deu a ele, em 1996, reconhecimento como um dos 100 melhores cientistas brasileiros dos últimos 100 anos.

Nascido em Rincão (SP), Chierice se formou em química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras da Unesp de Araraquara (1969), realizou mestrado (1973) e doutorado (1979) em química pela USP, na capital. Em 1976, ingressou no quadro de docente da USP de São Carlos e se aposentou em 2013 como professor titular. GaúchaZH

A diretoria do Instituto de Química da USP lamentou a morte do professor:

“Foram 37 anos de trabalho dedicados ao Instituto, desde seus primeiros anos no curso de bacharelado em química, até a consolidação do programa de pós-graduação em química analítica, do qual foi orientador de dezenas de mestres e doutores.
Possuia graduação em Bacharelado e Licenciatura em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Araraquara (1969), mestrado em Química (Físico-Química) pela Universidade de São Paulo (1973) e doutorado em Química (Química Analítica) [Sp-Capital] pela Universidade de São Paulo (1979), fpi professor titular-ms-6-RDIDP da Universidade de São Paulo, tinha experiência na área de Química com ênfase em Equilíbrio Químico, atuando principalmente nos seguintes temas: resina de mamona, óleo essencial, óleo essencial, thermal decomposition e resinas poliuretanas. (Fonte: Currículo Lattes). CDi/FAPESP – Centro de Documentação e Informação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo

Poetize-se: Adoro essa parte da anatomia femimina., Suco de limão e Bicarbonato, Doenças degenerativas, Limão: alcalino x ácido, Novembro Azul, Caju e Castanha, Projeto Divas, Outubro Rosa, Graviola, Sexo seguro!, vidacell®

Fosfoetanolamina, a pílula do câncer?!?

Fosfoetanolamina é uma molécula encontrada no corpo humano que participa na formação das membranas celulares. Ela ajuda na sinalização de informações nas células. Um professor de química da USP (Universidade de São Paulo) de São Carlos desenvolveu um processo para sintetizar essa molécula em seu laboratório. A substância estava sendo distribuída a pacientes com câncer há vários anos. A.C.Camargo Cancer Center


É importante a mobilização e atenção dos pacientes às questões relacionadas à pesquisa e à aprovação de novos medicamentos no Brasil. Novos tratamentos promissores devem ser testados adequadamente antes de serem liberados para uso rotineiro.As alternativas naturais, como a homeopatia, e até as saídas espirituais, baseadas na fé de cada um, também podem ser excelentes opções para complementar o tratamento convencional. Além disso, você pode acompanhar os resultados dos estudos que vêm sendo feitos com a substância. Os relatórios estão disponíveis na internet. Saúde

O início dos testes em humanos, que será conduzido pelo Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), na capital paulista, será possível já que a realização do estudo foi aprovada pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, do Ministério da Saúde.

O Icesp recebeu da Fundação para o Remédio Popular (Furp), laboratório oficial da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, cápsulas suficientes da substância para realizar a pesquisa.

A sintetização da fosfoetanolamina foi feita pelo laboratório PDT Pharma. A Furp encapsulou a substância e entregou ao Icesp.

Em vista da necessidade de se observar o que dispõe a legislação federal (lei no 6.360, de 23/09/1976 e regulamentações) sobre drogas com a finalidade medicamentosa ou sanitária, medicamentos, insumos farmacêuticos e seus correlatos, foi editada em junho de 2014 a Portaria IQSC 1389/2014 (clique aqui para ver a Portaria), que determina que tais tipos de substâncias só poderão ser produzidas e distribuídas pelos pesquisadores do IQSC mediante a prévia apresentação das devidas licenças e registros expedidos pelos órgãos competentes determinados na legislação (Ministério da Saúde e ANVISA). Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP)

A Portaria IQSC 1389/2014 não trata especificamente da fosfoetanolamina, mas sim de todas e quaisquer substâncias de caráter medicamentoso produzidas no IQSC. Essa Portaria apenas enfatiza a necessidade de cumprimento da legislação federal e não estabelece exigências ou condições adicionais àquelas já determinadas na lei.

Desde a edição da citada Portaria, o Grupo de Química Analítica e Tecnologia de Polímeros não apresentou as licenças e registros que permitam a produção da fosfoetanolamina para fins medicamentosos. Sendo assim, a distribuição dessa substância fere a legislação federal.

A Universidade Federal do Ceará (UFC) começou os primeiros testes da chamada “pílula do câncer” em seres humanos. Ao todos, 64 voluntários vão participar do experimento, realizado pela primeira vez no Brasil. GaúchaZH

Poetize-se: Adoro essa parte da anatomia femimina., Suco de limão e Bicarbonato, Doenças degenerativas, Limão: alcalino x ácido, Novembro Azul, Caju e Castanha, Projeto Divas, Outubro Rosa, Graviola, Sexo seguro!, vidacell®

BOLO DE ARROZ CRÚ

Você não usará farinha nesta receita, somente o arroz. Ótimo para quem não quer consumir glúten.

Ingredientes:

  • 1 xícara de arroz cru
  • ¾ de xícara de chá (180 ml) de óleo de girassol
  • 1 xícara de chá (200 ml) de iogurte natural
  • 4 ovos
  • ½ xícara de chá (50 g) de coco ralado
  • 1 xícara de açúcar
  • 1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de preparo:

  1. Lave rapidamente o arroz cru e coloque de molho em uma vasilha, cobrindo com água e deixe de molho por 3 horas.
  2. Escorra o arroz e coloque no liquidificador.
  3. Acrescente o óleo, o iogurte natural e bata até dissolver o arroz.
  4. Com o liquidificador ligado, adicione os ovos, o coco ralado, o açúcar e bata até ficar homogêneo.
  5. Coloque o fermento e bata somente para misturar.
  6. Pré-aqueça o forno a 180ºC.
  7. Despeje a massa em uma forma de pudim untada e enfarinhada e leve para assar por 30 minutos ou até dourar.
  8. Retire do forno e deixe amornar para desenformar.

Dicas:

O segredo deste bolo é bater bem, bem mesmo. Até praticamente sumir os grânulos do arroz.

Ele não fica muito doce, você pode acompanhar com uma geléia caso prefira um bolo mais doce ou aumentar o açúcar da receita.

Se gostar de queijo é só acrescentar ½ xícara de queijo parmesão ralado, traz um saborzinho especial para este bolo. Artemis Gourmet

Mude conceitos, você pode e deve: Comida esperta, Fome, Vegeta, , , Cadeia plástica, Nunca comer., MORADOR DE RUA CUIDA DE 11 CÃES, A história das coisas, São Paulo Tokyo, SALADA DE MAIONESE GOURMET PARA DOMINGOS, Conheça 13 maneiras de reaproveitar sobras e cascas de frutas e vegetais

Os heróis invisíveis da vida selvagem

Guardas-florestais: os heróis invisíveis da conservação da vida selvagem

Andando ‘de elefante’, guardas-florestais fazem patrulha em parque da Indonésia. Muitos deles eram madeireiros ilegais, mas resolveram se dedicar à conservação após receberem treinamento e entenderem como a preservação da vida silvestre traz benefícios econômicos, sociais e ecológicos. Foto: DFID/Abbie Trayler-Smith/Panos Pictures

Você sabia que o número de gorilas das montanhas dobrou nos últimos 30 anos graças à proteção efetiva dos seus habitats por guardas-florestais?

“Os gorilhas das montanhas são um exemplo fantástico: nenhum gorila sequer foi morto nos últimos dez anos.”

Polícia Florestal ou Guarda Florestal é o nome do serviço de vigilância e fiscalização das florestas e das actividades nelas realizadas, como a caça e, complementarmente, a pesca nos rios e outras águas interiores. Os guardas-florestais são funcionários públicos que trabalham na divisão das florestas e dos parques estaduais, fiscalizando essas áreas. Web Bobeira

“Contudo, não devemos esquecer o importante trabalho dos guardas-florestais em ‘parques (em situação) de conflito’ na República Democrática do Congo — Garama, Virunga, Maiko e Kahuzi-Biega”, aponta Johannes Refisch, coordenador da Parceria pela Sobrevivência dos Grandes Primatas, do Programa da ONU para o Meio Ambiente.O Dia Mundial dos Guardas-Florestais, uma iniciativa da Federação Internacional dos Guardas-Florestais, é 31 de julho para celebrar o trabalho que esses profissionais empreendem para proteger os tesouros naturais do planeta. A data lembra os guardiões do meio ambiente que foram mortos em serviço. Nações Unidas

“As evidências são claras: quando as comunidades e os guardas-florestais trabalham juntos, com o apoio dos governos e das organizações internacionais, podemos proteger a vida selvagem e garantir que os que suportam os custos de viver com a vida selvagem sejam capazes de colher os maiores benefícios.” Chefe da ONU Meio Ambiente para Vida Selvagem, Doreen Robinson.

O coordenador da Parceria de Sobrevivência dos Grandes Símios, do Pnuma, Johannes Refisch, disse que “há muitas formas de olhar para o importante trabalho dos guardas florestais e guardas ecológicos.” Para ele, “os gorilas das montanhas são um exemplo fantástico” porque “nem um único gorila da montanha foi morto nos últimos 10 anos.” ONU News

A foto foi tirada por Mathieu Shamavu, em um orfanato de gorilas no Parque Nacional de Virunga, na República Democrática do Congo. Neste local, os animais são criados e cuidados depois que caçadores ilegais mataram seus pais. Go Outside

Poetize-se: PARE ou DIMINUA?, Efeito Borboleta, Anestesia mental., Fome, Morreu Koko, Reciclável e/ou não!, Pac man,Dia Mundial do Meio Ambiente., Evolução,Meio o quê?, Arveres somos nozes, A história das coisas, A Terra a Gastar, I AMazonia

Abelhas nos telhados de Paris

Começou na capital francesa, no início dos anos de 1980, e hoje já faz outras cidades da Europa. Há estudos que indicam que esta é uma cidade alternativa à produção rural, já que as colônias têm grandes taxas de mortalidade. Filomena Naves

Em 1982 a A Ópera de Paris tomou uma decisão de albergar colmeias no topo do seu edifício, com o propósito, e as coisas correram tão bem que a ideia pegou, as colunas multiplicaram nos telhados dos edifícios mais importantes da capital francesa, do Louvre ao Palácio da Bolsa, do Quai d’Orsay ao Hotel Savoy, por exemplo, de outros menos, e até anónimos. Certo é que o miel de Paris é hoje, na sua particularidade de produção em contexto urbano, um produto cobiçado gourmet.
Um Censo de 2017 apontou para a existência de mais de 700 colunas de melíferas nos telhados da capital francesa, e em outras cidades europeias, como Berlim, Bruxelas e Copenhagen.

A causa das tendências das abelhas não se completa, mas, na prática, acompanha um declínio generalizado dos próprios insetos que está bem documentado em países como uma Alemanha ou uma França – em Portugal Atinge os trabalhos de campo para a primeira lista vermelha dos invertebrados. Diário de Notícias

Grâce à la spécificité des fleurs parisiennes, le Miel de Paris a une saveur incomparable à d’autres miels. Au nez, une puissante et persistante senteur de cassis et de griottes macérées. En bouche, une belle rondeur avec une finale vive et fraîche.


Poetize-se: Manual de Apicultura em Pequena Escala, Mãe Abelha, Comida de tubarão, Vegeta, Carta da Terra, Carlos Marighella, Makota Valdina, Pare e pense, Na estrada havia uma pedra, Ervas medicinais, Abelha poliverde, Comida de gente

A maconha como porta de entrada

Um dos argumentos, muito repetido nas mídias sociais, nas conversas do dia a dia e até mesmo por autoridades é a famosa frase: “A maconha é a porta de entrada para drogas mais pesadas”. Norberto Fischer


Postado por
Se alguém seguir a mesma lógica para verificar quantas pessoas haviam consumido, por exemplo, refrigerante em suas vidas antes de usar cocaína, possivelmente chegaríamos à conclusão de que a bebida doce a é porta de entrada, o que não faz nenhum sentido, assim como não faz no caso da maconha.

Anarquista

Nos últimos anos me deparei com três posicionamentos diferentes, os que defendem:

  • A completa proibição da maconha no Brasil, independente do uso, mesmo medicinal;
  • Regulamentação da planta, incluindo a descriminalização do uso recreativo;
  • Uso medicinal, mas o uso industrial e social deveriam ainda ser debatidos pela sociedade.

Hoje, por estar vivendo diariamente com a maconha medicinal no tratamento da Anny posso garantir que “a maconha é sim uma porta de ean Lefebvreentrada, mas para a qualidade de vida de muita gente, para uma vida em abundância e com saúde. Hemp Meds Brasil

“Um assunto tão delicado pede um amplo debate, consultando especialistas com posições diferenciadas. A questão da maconha medicinal, expressão bastante difundida na sociedade, não se mostra verdadeira, e os especialistas apontados por nós terão a capacidade de diferenciar o uso terapêutico do canabidiol, do uso indiscriminado e nocivo à saúde da maconha e suas 500 substâncias psicoativas”, pontuou Eduardo Girão no requerimento.

A proposta analisada na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) foi uma iniciativa da ONG Rede Brasileira de Redução de Danos e Direitos Humanos (Reduc). Os representantes da ONG informam que o texto baseia-se em legislações já em vigor nos estados norte-americanos da Califórnia, Nova York e Oregon, assim como no Uruguai. Também garantem que o texto obedece à Convenção Única sobre Entorpecentes (ratificada pelo Decreto 54.216, de 1964) e à Convenção sobre Substâncias Psicotrópicas (ratificada pelo Decreto 79.388, de 1977), tratados internacionais assinados pelo Brasil junto à Organização das Nações Unidas (ONU). senado notícias

A professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Luciana Boiteaux chamou a atenção para as dificuldades em debater sobre acesso a medicamentos derivados da cannabis, saúde e usos de substâncias que deveriam estar dentro da liberdade individual. “O Brasil é um dos países mais proibicionistas do mundo e isso faz mal à saúde. O Brasil importa o modelo da política de cannabis medicinal dos Estados Unidos e lá essa política tem passado por mudanças significativas, então, qual a dificuldade que temos em trazer esse debate para o país?”, disse. Luciana afirmou que não é só reduzir danos e impedir retrocessos, mas tentar avanços e mostrar que a política de drogas não só inclui grupo de cultivadores, mães e universitários. “É um cenário que até na América Latina o Brasil está muito atrasado”, concluiu.

Gulnar Azevedo, presidente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), ressaltou a importância de trabalhar para manter os avanços já conquistados na saúde pública e a relevância do SUS para a população. Gulnar aprofundou o argumento da acessibilidade aos medicamentos e saúde básica citando o caso de populações em área remota e indígenas. “Às vezes a condição financeira para comprar medicamentos não é o único problema, mas, essas pessoas também não têm nenhum acesso à assistência médica, e isso é muito grave”, disse. A médica lembra que o acesso a saúde melhorou bastante nos últimos anos, mas que infelizmente esse tempo não foi suficiente para que houvesse uma diminuição na desigualdade existente no país. Gustavo Mendelsohn de Carvalho, Julia Dias e Matheus Cruz (Agência Fiocruz de Notícias)

Jean Lefebvre – Hempadão

A maconha, além de tudo, pode ser também a porta de saida para as drogas! Existem diversos relatos de pessoas que eram viciadas em crack, cocaína, cigarro e álcool, que conseguiram se livrar do seu vício com a ajuda da cannabis, e não se pode culpar um ser humano por experimentar algo diferente, a curiosidade e necessidade de alterar a consciência, para alguns, é muito grande. Jean Lefebvre
Poetize-se: Comidinhas de Maconha, Ervas medicinais, Avaliação química, E agora???, Quase imortal!!!, Manual de Apicultura em Pequena Escala, A VERDADE por trás da proibição da MACONHA, Desenho de criança, Estupidez, Doenças degenerativas, Polícia 24 horas, Manual dos remédios tradicionais Yanomami, Suco de limão e Bicarbonato,