Ilha de plástico

Uma realidade que poucos conhecem são as chamadas “ilhas de plástico” que existem nos oceanos, sendo formadas por gigantescas concentrações de lixo – basicamente plásticos (microplásticos – até 5 milímetros) que são atraídos por correntes rotativas e nelas ficam presos. Atualmente são reconhecidas 5 (cinco) grandes ilhas de plástico: (a) duas no Pacífico, (b) duas no Atlântico e (c) uma no Índico. Foi em 1997 que Charles Moore descobriu a ilha de plástico do Pacífico. A “ilha” é formada basicamente por micro plásticos, mas não só. As suas dimensões chegam a 1,6 milhão de metros quadrados que englobam cerca de 79 mil toneladas de plástico. O Fórum Econômico Mundial acredita que, em 2050, os mares e oceanos terão mais plásticos do que peixes. Paulo de Bessa AntunesGenJurídico

Estima-se que cerca de 80% da poluição dos mares tem origem telúrica. No Brasil não é diferente.  O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo indica que plásticos, medicamentos, drogas e esgoto doméstico formam a grande parte da poluição de nossos mares.

O Fundo Mundial para a Natureza – WWF identificou os seguintes danos econômicos causados pela poluição por  plásticos dos mares e oceanos: (a) redução de suprimento e demanda por frutos do mar   “devido às mortes dos animais e à preocupação da ingestão de plástico pelos animais. “, (b) obstrução dos motores das embarcações. Em relação a tais itens, estima-se que “os custos referentes à interrupção do comércio devido à poluição plástica na União Europeia sejam de 0,9% do total das receitas da indústria, o que equivale a € 61,7 milhões ao ano”. Ainda segundo o estudo “Solucionar a Poluição Plástica: Transparência e Responsabilização”, a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC) estimou o custo de danos por poluição à navegação comercial em US$ 297 milhões ao ano.

Em relação ao turismo, a poluição plástica pode reduzir as receitas e aumentar os custos da indústria do turismo. A poluição por plásticos é uma das mais graves que assolam os mares e oceanos. A cada ano são lançadas cerca de 8 milhões de toneladas de plástico nos mares, causando danos vultosos; acredita-se que até 1 milhão de pássaros marinhos e 100 mil mamíferos possam ser mortos anualmente em razão da quantidade de lixo plástico presente nos mares.

O Brasil possui litoral com aproximadamente 8,5 mil quilômetros de extensão, abrangendo 17 Estados e 280 municípios, por volta de 80% da população nacional está localizada a menos de 200 quilômetros do litoral, no que tange à zona econômica exclusiva, a sua extensão é de 4,5 milhões de quilômetros quadrados. Conforme consta do Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar, lançado pelo Ministério do Meio Ambiente, 90% do lixo monitorado em praias e restingas do litoral brasileiro são constituídos por resíduos plásticos, sendo os elementos mais comuns os seguintes: (1) tampas de garrafas e tampas em geral; (2) garrafas; (3) embalagens de comida; (4) sacolas plásticas; (5) cigarros, filtros ou bitucas; (6) derivados de cordas e cabos; cordas e cabos (menores que 1 metro); (7) hastes flexíveis; (8) fragmentos não identificados; (9) esponjas, espumas, espumas vinílicas acetinadas – EVAs; (10) copos e embalagens de isopor; (11) boias de isopor e fragmentos; (12) fragmentos de isopor. Aproximadamente 70% das tartarugas que encalham no litoral brasileiro ingeriram plástico.

WWF / Banco Mundial (What a Waste 2.0: A Global Snapshot of Solid Waste Management to 2050) * Valor total de lixo plástico descartado em resíduos sólidos urbanos, resíduos industriais, resíduos de construção, lixo eletrônico e resíduos agrícolas, na fabricação de produtos durante um ano.

Em 2010, pesquisadores do Centro de Análises Ecológicas da Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, contabilizaram 8 milhões de toneladas – e estimaram 9,1 milhões de toneladas para 2015.

O mesmo estudo, publicado na revista acadêmica Science em 2015, analisou 192 países com território à beira-mar que estão contribuindo para o lançamento de resíduos de plástico nos oceanos. E descobriu que 13 dos 20 principais responsáveis pela poluição marinha são nações asiáticas.

Enquanto a China está no topo da lista, os Estados Unidos aparecem na 20ª posição.

O Brasil ocupa, por sua vez, o 16º lugar do ranking, que leva em conta o tamanho da população vivendo em áreas costeiras, o total de resíduos gerados e o total de plástico jogado fora. BBC news

Fonte: Iberdrola

O Brasil ostenta a posição de 4º maior produtor de plásticos no mundo, produzindo cerca de 11,3 milhões de toneladas do material, tendo um índice de coleta elevado, todavia, a reciclagem não passa de 1,28% para uma média global de 9%, o que, também se julga baixa.

A grande quantidade de resíduos de plástico é resultado do estilo de vida moderno, em que o plástico é usado como matéria-prima para diversos itens descartáveis ou “de uso único”, como garrafas de bebida, fraldas, cotonetes e talheres.

Em 2016, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar alertou para o crescente risco à saúde humana, dada a possibilidade de micropartículas de plástico estarem presentes nos tecidos dos peixes comercializados.

Uma pesquisa da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, mostrou que resíduos de plástico foram encontrados em um terço dos peixes capturados no Reino Unido, entre eles o bacalhau.

Além de resultar em desnutrição e fome para os peixes, os pesquisadores dizem que, ao consumir frutos do mar, os seres humanos podem estar se alimentando, por tabela, de fragmentos de plástico. E os efeitos disso ainda são desconhecidos.

Plastifiqueze-se: , , , Iemanjá, Giorggio Abrantes,  Comida para pássaros, Reciclável e/ou não!,

Dia do Vira-lata!!!

De acordo com o Instituto QualiBest, esses pets estão presentes em cerca de 41% dos lares brasileiros. O carinho é tanto que em 31 de julho comemora-se o Dia do Vira-Lata, uma data que também reforça os cuidados necessários com esses cães, que são uma caixinha de surpresa e possuem muitos mitos a respeito da sua origem, saúde e personalidade. una

De acordo com o Instituto QualiBest, esses pets estão presentes em cerca de 41% dos lares brasileiros. O carinho é tanto que em 31 de julho comemora-se o Dia do Vira-Lata, uma data que também reforça os cuidados necessários com esses cães, que são uma caixinha de surpresa e possuem muitos mitos a respeito da sua origem, saúde e personalidade. Para desmistificar algumas informações sobre os cães sem raça definida, os SRDs, o professor do curso de veterinária do Centro Universitário Una Uberlândia, que faz parte do ecossistema Ânima Educação, Flávio Machado de Moraes, esclarece algumas questões sobre esses pets.

Os SRDs não possuem origem genética determinada e têm descendência do cruzamento entre raças diferentes. Os peludos não possuem o chamado pedigree, um documento que comprova a linhagem do cachorro, e sem ele não há como saber a linhagem familiar.

O especialista explica que apesar de já ter sido um forte costume dar restos de comida para animais, isso não é o adequado devido aos condimentos utilizados por humanos como tempero, sal e pimenta, que não são recomendados para cães.

De acordo com o professor, essa afirmação vale para todos os cães, não havendo distinção de olfato em relação aos de raça pura e aos peludos SRD.

Toluna Influencers

A Organização Mundial da Saúde estima que existam no Brasil mais de 30 milhões de animais abandonados, sendo 20 milhões de cães.

Se estiver pensando em ter um animal:

ADOTE !!

amigo não se compra

Vira-ze: A origem do vira-lata caramelo, Delegado cachorro., EU LEVO UMA VIDA DE CACHORRO!, Na Rússia, os cães atravessam as ruas na faixa de pedestres., Gatoterapia, Esse alguém é você!,  Remédio caseiro para controle de pulgas

CVV nas mídias sociais

Gostaríamos de convidar todos a visitar, seguir e compartilhar as páginas do CVV nas mídias sociais. Divulgar é uma forma de mantermos as pessoas informadas sobre seus serviços, além de cientes de que NÃO ESTÃO SOZINHAS e de que o CVV está pronto para acolhê-las de coração aberto.
Facebook
https://www.facebook.com/cvvoficial/
Instagram
https://www.instagram.com/cvvoficial/?hl=pt-br
Twitter
https://twitter.com/cvvoficial
YouTube
https://www.youtube.com/c/cvvoficial
Site
https://www.cvv.org.br/

CVVze-se: CVV, 57 anos!!!, CVV, Psiquiatra, Conemo, Um Homem Chamado Ove, 10 palavras positivas para todos os dias, Oito filmes que retratam o suicídio, Jardim da Empatia

Glândula pineal, e a calcificação da pinha.

Carol Capel – Facebook

Anatomia Radiológica: Pineal e assoalho do terceiro ventrículoJezreel

Cisto da pineal e calcificação da pineal: causas e tratamentosJulio Pereira – Neurocirurgião

O que é a Glândula Pineal?Sérgio Felipe de Oliveira

#GLÂNDULA#PINEAL – COMO EVITAR SUA #CALCIFICAÇÃO. Goldene Füsschen Gleide Neubaner – Suiça

Pinhaze-se: Glândula Pineal, Flúor reduz o QI?, 10x + y, Uma Mente Brilhante, Mapa 3D do cérebro humano, Como exercitar o cérebro no dia a dia, Beterraba, O que é colágeno?!?, Alimentos e saúde mental, vidacell®

Mandrágora

Los poderes de la Mandrágora – Criaturas Legendarias. Canal HISTORIA

Cultive sua Mandrágora de verdade!- DIY HARRY POTTER

Nome científico: Mandragora officinarum; Família: Solanaceae (batata).

O uso da raiz da mandrágora é muito antigo. Na Bíblia, em textos do antigo testamento (no livro do Gênesis e no Cântico dos Cânticos), é citado em Genesis 30:14 e Cantares 7:13. Sandra Rivetti – Jardim Cor

Desde tempos remotos usa-se a mandrágora para os mais diversos fins; dizem que ela possui qualidades de natureza medicinal e, tanto médicos como curandeiros, a recomendavam principalmente como analgésico e narcótico. Mas seu uso ia muito mais além, pois acreditava-se que ela era afrodisíaca e alucinógena. Vale do Mago

Era muito utilizada pelos antigos romanos como anestésico em suas cirurgias, mas em tempos medievais poucos a utilizavam por ser considerada uma planta de mau agouro.

Na Idade Média, acreditava-se que devia ser colhida somente em noite de lua cheia e arrancada da terra por um cão preto, pois se outro animal ou pessoa o fizesse, a raiz gritaria tão alto, que provocaria a morte.

As mandrágoras fazem parte do currículo de Herbologia do segundo ano da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. No ano letivo 1992-1993, o crescimento das mandrágoras da escola serviu para fazer uma poção restaurativa para reviver as vítimas de petrificação após a re-abertura da Câmara Secreta. Harry Potter Wiki

Durante a Batalha de Hogwarts, a Professora SproutNeville Longbottom e outros estudantes lançaram mandrágoras sobre as ameias do Castelo para atacar os Comensais da Morte.

Sempre que desenterrada, a raiz grita. O grito de uma mandrágora madura matará qualquer pessoa que o ouça, mas os gritos de uma mandrágora jovem normalmente só farão a pessoa desmaiar por algumas horas. Para estudá-las em Herbologia, a professora Pomona Sprout pede a seus alunos que usem abafadores para proteger seus ouvidos dos gritos. O grito de uma mandrágora é muito parecido com (se não o mesmo que) um grito de banshee, que também é fatal.

Entre as páginas do livro “Harry Potter e a Câmara dos Segredos”, de J.K.Rowling e de obras como “Romeu e Julieta” de William Shakespeare ou até em imagens de filmes como “Labirinto de Fauno”, de Guillermo Del Toro, a mandrágora está presente e desperta curiosidade em quem a vê.  Renata SilvaCiência 2.0

“A mandrágora é uma planta perene e que tem uma grande raiz principal, bifurcada e muito ramificada e que por vezes adquire a forma humana. As folhas têm 30 centímetros e são verde-escuras, ovadas, basais e as flores são de cor amarela ou púrpura”, explicou Carla Lixa, professora de Biologia. Os frutos por ela originados são carnosos e de cor amarela, sendo aromáticos e tóxicos. Foram apelidados pelos árabes como “as maçãs do diabo”, por terem propriedades consideradas afrodisíacas.

A mandrágora, planta que tem várias espécies e não apenas a referida, pertence à família botânica Solanaceae, é conhecida na história de várias civilizações por diversos nomes. A sua nomeclatura foi evoluindo ao longo dos anos, até que o nome científico que conhecemos hoje – Mandragora officinarum L. – foi dado pelo botânico sueco Carl von Linné (em Português, Carlos Lineu), criador da chamada nomenclatura binomial.

Há dois gêneros de plantas de nome “mandrágora” que são bem distintas e de famílias diferentes. Uma é parente do tomate e é considerada a verdadeiraTrata-se da Mandragora officinalis ; possui flores roxas e suas folhas se assemelham às da tançagem. A outra (Bryonia dioica) é parente da abóbora e possui as folhas em forma de palma; tem flores brancas e pequenos frutos vermelhos; é também conhecida como “Nabo-do-diabo”.

O nome mais abrangente desta planta, de acordo com o trabalho de Carla Lixa, provém do inglês, “mandrake”, ou seja, por um lado homem, devido à raiz que parece ter uma forma humana, por outro o “drake”, derivado de dragão, que faz alusão aos poderes mágicos.

Acreditava-se que a mandrágora tinha poderes mágicos, tendo sido associada muitas vezes a rituais de bruxaria, e que servia como tratamento, por exemplo, para a infertilidade. Ao longo de vários séculos, autores clássicos, como Sócrates, Demóstenes, Macróbio e Teodoreto, escreveram sobre as propriedades soníferas e anestésicas desta planta.

Mandrágora

De acordo com Rubim Almeida, docente de Biologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, consultado pelo Ciência 2.0, todas as mandrágoras “contêm alcaloídes (atropina, escopolamina, etc) que provocam delírios e outros efeitos hipnóticos e depressivos que podem causar muitos outros sintomas como bradicardia, delírios, vómitos e morte”.

No jardim de plantas mágicas e medicinais da Europa medieval do Cloisters, a filial do Museu Metropolitan à beira do Rio Hudson, no extremo norte de Nova York, reluzia a estrela em questão: a mandrágora. Marcelo Marthe – veja

Devido às dificuldades em encontrar mandrágoras em países fora da Europa, quando se trata de fins mágicos, utiliza-se, ao invés delas, o gengibre ou o ginseng. Ambas raízes também têm aspectos que se assemelham a um ser humano (antropomorfismo), com a vantagem de não serem venenosas.

Talvez, na Idade Média, onde as matas europeias eram mais densas, fosse mais fácil encontra-las na natureza. Hoje é realmente algo raro de se ver.

Teofrasto, filósofo grego que escreveu o primeiro tratado sobre plantas, contou, no livro “Enquiry Into Plants II” a história da lenda das mandrágoras que passamos a citar: “O herborista só o poderia fazer à noite. Primeiro, teria de se inclinar em direção do sol poente e homenagear as divindades infernais, isto é, as forças telúricas. O produtor deveria desenhar três círculos ao redor da planta com a sua espada de ferro virgem. Então, de frente para o oeste para evitar feitiços, ele deveria cortar porções das raízes secundárias. Em seguida, não deveria proceder pessoalmente à colheita pois, no momento em que era arrancada, a planta lançava um grito que matava ou enlouquecia aquele que o ouvisse. Por isso, depois de ter cuidadosamente tapado os ouvidos com cera, o herborista amarrava um cão à planta e atirava-lhe um pedaço de carne um pouco além do seu alcance. O cão corria e caía morto. Mas a mandrágora estava arrancada. Uma colheita tão perigosa merecia uma grande retribuição. Mas que importância tinha, já que a mandrágora reembolsava largamente seu comprador. Bastava fechá-la num cofre para que ela dobrasse o número de moedas que ele continha”.

 Jesse e Katherine Oldfield resolveram fazer um ensaio newborn do filho Theodore baseado em Harry Potter e a Câmara Secreta 

Jesse e Katherine Oldfield são moradores de Oregon, nos Estados Unidos, e grandes fãs de Harry Potter. Quando o primeiro filho do casal nasceu, Sebastian, ele teve um ensaio de fotos em que aparecia como o bruxo em um cemitério e foi um sucesso absoluto. NATHALIA SALVADOvírgula

Por isso, quando Theodore nasceu, eles decidiram fazer exatamente a mesma coisa. Inspirado na cena de Harry Potter e a Câmara Secreta, o bebê recém-nascido aparece como uma mandrágora chorosa, enquanto é observado por seu irmão mais velho.

Mandragoze-se: O colírio de Bald, poção de bruxa!, 4 receitas de bebidas que ajudam você a perder peso, Beterraba, Farmácia nunca mais, Ervas, chás e sucos para limpeza natural dos rins, 19 ervas medicinais, O Mundo Vegetal e as constelações, FAKE X DISCERNIMENTO e CARTA 7 de Platão, DENTE DE LEÃO, Cerveja Amanteigada de “Harry Potter “

A maior mentira contada contra a humanidade

MANIFESTO
CARTA ABERTA DE EXPOSIÇÃO DA OMS (ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE)

Você já parou para pensar no absurdo que é a proibição da maconha ao redor do mundo? Já parou para se perguntar por que tanta criminalização e perseguição a uma “simples planta”? Doctor Banz

É justamente isso. A maconha pode ser tudo, menos, uma “simples planta”. E todo mundo já sabe disso.

Hoje em dia, milhares de pessoas já se beneficiam da maconha com tratamentos medicinais. Além disso, ela gera energia, tecido, fibra, alimento e estima-se que é possível diversificá-la em mais de 20 mil produtos. Todos biodegradáveis e autossustentáveis. Perfeitos para os dias em que vivemos e nossas reais necessidades.

Com tantos benefícios e diversidade, ela só poderia se tornar um perigo eminente para as grandes corporações que logo, mostraram-se como a grande mola propulsora e uma das principais causadoras de sua proibição em boa parte do mundo.

Mas a algo bem pior por trás disso tudo e todo o esforço do lobby corporativo proibicionista perdem sua importância quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) assume toda a responsabilidade, atestando para o mundo inteiro que a maconha é uma droga letal, como fez na Convenção única de 1961, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A partir daí, a maconha passa a ser proibida no mundo inteiro, praticamente. A partir dessa mentira! Uma mentira consciente que gera um prejuízo incalculável para a humanidade e a biodiversidade de todo o planeta, até os dias atuais.

Aliás, eles sempre souberam que a maconha é muito mais do que uma droga. Uma das plantas mais versáteis de toda a flora, que poderia mudar o estilo de vida de todo o planeta.

Diante disso, tentar calcular o prejuízo à vida humana, gerado por essa mentira, seria o mesmo que somar todas as pragas, conflitos, guerras, racismo, xenofobia e mortes ao redor do mundo desde o início de nossa sociedade até a atual guerra as drogas, e não chegaríamos perto desse número. É estarrecedor.

Esse cálculo torna-se inimaginável e incalculável, quando se acrescenta mais de 60 anos de paralização de pesquisa científica. O resultado é um absurdo tão gigantesco que poderíamos dizer que essa é uma das mentiras que mais prejuízo gerou ao planeta e a todos nós. Desafiamos a você tentar fazer esse cálculo!

Não se acaba com uma doença, tomando remédio para a dor. E sim, atacando a causa. Estamos enxugando gelo.

Quando rebobinamos a fita, percebemos que todo problema em relação à maconha, tem origem nessa covarde e cruel mentira. Assinada e abalizada pela ONU e principalmente por quem quer gerir nossa saúde, a OMS.

É cruel demais. Covarde demais.
Eles têm que ser expostos.
Eles têm que assumir essa culpa!
A OMS tem que pagar por esse crime hediondo!

(Antonio Zanon)

https://www.instagram.com/zanonart/
https://www.behance.net/zanonart
zanonartcontato@gmail.com

Manifesteze-se: CDB e Olímpiadas, as Cannalimpíadas!, SOBRE MACONHA, Milton Friedman, MACONHA E A VANGUARDA BRASILEIRA, Uma breve história da maconha, Maconha, o prozac dos pobres?!?, O pai da maconha medicinal moderna, Fibra de “maconha” na produção têxtil, Tabaco e álcool sim, Maconha não. Por que?!?, Vaginóides!

CDB e Olímpiadas, as Cannalimpíadas!

Desde o surgimento da WADA, em 1999, os cannabinóides THC e CBD eram considerados de uso ilegal em competições esportivas oficiais, essa será a primeira Olimpíada onde atletas poderão se beneficiar dos efeitos do CBD em sua recuperação muscular e outros usos voltados ao esporte. Dr. Banz! 

Liberado pela Agencia Mundial Antidoping (WADA) em 2017 e retirado da lista de substâncias proibidas no esporte pela organização em 2018, o CBD já é uma realidade nas Olimpíadas de Tóquio deste ano. Atletas como o maratonista Daniel Chaves, que faz uso do CBD desde 2016 por conta uma depressão, afirma que a substância salvou sua carreira no esporte. João R. Negromonte – Sechat

De início, ele buscou ajuda nos remédios de tarja preta. “Não foi legal. Tomar aqueles medicamentos me deixava prostrado, por causa dos efeitos colaterais. Então parei de usá-los, mas não conseguia ficar estável”, relembra o corredor, que conheceu o óleo de canabidiol, também chamado de CBD, em 2018, por meio de um amigo que o utilizava para tratar dores resultantes de uma batida de carro. ANITA KREPP – piauí

Outros atletas brasileiros reforçam o time de Daniel, como o catarinense Pedro Barros, de 25 anos, considerado hoje o maior nome do skate brasileiro e Bruno Soares, tenista de 39 anos que faz uso do CBD há três anos.

O médico neurologista Renato Anghinah, professor da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) afirma também que não há relatos de efeitos colaterais relacionados com o uso da substância e que por isso, pode ser que cada vez mais atletas se interessem por esse medicamento.

Sha’Carri Richardson era a grande esperança dos Estados Unidos para acabar com o domínio da Jamaica na prova mais nobre do atletismo. O problema é que a norte-americana de 21 anos corre risco de ficar fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio por ter testado positivo para o uso de maconha. Kauê Vieira – Hypeness

Os outros compostos da cannabis, porém, continuam vetados. Não à toa, Sha’Carri Richardson, velocista norte-americana favorita ao ouro em Tóquio, foi suspensa dos cem metros rasos por testar positivo para o THC, a parte psicoativa da cannabis, que exibe propriedades terapêuticas similares às do canabidiol, mas também causa euforia e, dado o nível de estimulação dos atletas é um composto que possivelmente não sairá da lista de substâncias proibidas no esporte nos próximos anos.

O maratonista Daniel Chaves: atleta diz que o canabidiol o ajudou a vencer a depressão
O maratonista Daniel Chaves: atleta diz que o canabidiol o ajudou a vencer a depressão – FOTO: CADU VIGILIA/DIVULGAÇÃO

O episódio reavivou um debate antigo: por que seguir proibindo o THC se hoje os cientistas já sabem que o consumo da substância não influencia no rendimento dos atletas? Tanto é assim que até a Casa Branca, ainda em cima do muro sobre a legalização da cannabis em todos os Estados Unidos, vem tentando uma reunião com a Wada para discutir o afrouxamento das regras sobre o uso da planta por esportistas.

“Acredito que já na Olimpíada de 2024 o THC será permitido. Tomara, pois vai melhorar a qualidade de vida de muita gente. Eu sou a prova dos benefícios que a cannabis pode trazer quando ministrada na quantidade certa”, afirma Chaves. Com a pandemia, a procura pelo CBD aumentou no Brasil. Muita gente começou a buscá-lo para neutralizar a insônia e outros distúrbios psíquicos trazidos pela crise sanitária.

O tratamento de Chaves é patrocinado pela USA Hemp, empresa que produz desde medicamentos até sais de banho à base de cannabis. Criada em 2014 por uma família de Goiás que se estabeleceu nos Estados Unidos há 25 anos, a companhia reserva 500 mil reais por ano para apoiar atletas e doar produtos a brasileiros de baixa renda que necessitam de tratamento canábico. “A história de superação do Daniel nos inspirou tanto que vamos lançar uma linha com seu nome”, diz a matriarca Corina Silva, CEO da empresa.

Cada vez mais, empreendedores do gênero buscam patrocinar atletas de alto rendimento no Brasil como parte de um plano de marketing, uma vez que a publicidade explícita de produtos de cannabis está proibida no país, assim como o seu plantio (já importação, venda e uso são permitidos desde 2015 por uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a RDC 17/15). Motivar um esportista a relatar sua experiência positiva com a erva pode ser um golaço.

Na verdade, o óleo nunca enfrentou grandes barreiras no universo desportivo. Ao contrário, foi recebido com curiosidade por boa parte dos atletas profissionais no mundo. Só que a maioria dos adeptos ainda teme tocar publicamente num assunto que é tabu há várias décadas.

Dr Banz - CBD legalizado nas Olimpíadas do Japão 2020

O fato é o seguinte, alguns atletas por medo de perder seus patrocínios usarão produtos com CBD, mas não vão divulgar. Mas outros atletas seres humanos maravilhosos, vão levantar a bandeira, vão divulgar e por consequência levarão nossa torcida pelas medalhas!

Hoje Chaves se considera um porta-voz dos benefícios da cannabis. Nascido e criado numa comunidade em Petrópolis, na serra fluminense, precisou bater um papo sobre o assunto com a mãe, que até então só relacionava a maconha a uma série de malefícios

Foi o triatleta amador Fernando Paternostro quem colocou a USA Hemp em contato com Chaves. Ele também fez a ponte entre quase cem outros esportistas e seus patrocinadores. Sócio da Atleta Cannabis com Peu Guimarães, Paternostro oferece toda a assessoria necessária para os interessados em aliar o esporte à erva. No mês retrasado, a empresa patrocinou o reality show de jiu-jitsu The New Star, exibido no YouTube. Treze dos dezesseis participantes tomaram CBD. Dois preferiram não experimentar o novo hype do esporte, e um foi desaconselhado a consumir o óleo por fazer uso de medicamentos controlados. 

Nos Estados Unidos, o uso de compostos da cannabis no contexto esportivo, seja na forma de óleo, cigarro, pastilha, bebida, creme, pomada e mesmo biscoito, vem se normalizando rapidamente. Vários atletas norte-americanos já admitem consumir a substância, como Megan Rapinoe, eleita melhor jogadora de futebol do mundo em 2019, e de sua companheira de equipe, Alex Morgan. De tão encantada com o tema, Morgan até criou a Just Live, marca de CBD feita por e para desportistas.

Mike Tyson também investe milhões em plantações da erva e promove debates sobre o assunto, que é especialmente interessante aos lutadores de boxe e MMA, não raro acometidos por problemas neurológicos devido às recorrentes pancadas na cabeça. Estima-se que pelo menos 30% desses atletas desenvolvam algum tipo de demência ou disfunção psicológica, como depressão e agressividade.

Foi o que aconteceu com o ex-companheiro da empresária Rose Gracie, cujo sobrenome é internacionalmente associado à prática do jiu-jitsu. “Vi meu então marido tentar o suicídio na minha frente. Ele lutava MMA na época e sofria de depressão. Quando conheceu a cannabis, passou a usá-la. Foi o que o salvou.”

Depois disso, Gracie fez parceria com uma marca norte-americana de produtos à base da erva e os colocou à venda em várias academias do grupo. A empresária virou uma espécie de consultora canábica dentro da própria família, que não estava muito confortável em relacionar o sobrenome de peso a algo que muitos enxergam como droga. Ela planeja abrir uma ONG para tratar com cannabis os atletas e ex-atletas que desenvolveram patologias decorrentes da luta.

De acordo com Gracie, cerca de 70% dos lutadores nos Estados Unidos já utilizam a erva recreativa ou terapeuticamente. A Comissão Atlética do Estado de Nevada (NSAC), que regulamenta algumas das lutas mais vistas no mundo, se juntou à Comissão de Boxe do Estado da Flórida e, no início de julho, decidiu acabar com as punições aos esportistas por uso de qualquer substância presente na cannabis.

No Brasil, o Sindicato de Atletas de São Paulo (Sapesp) será pioneiro na implementação de pesquisas sobre a planta com o intuito de oferecer maior conforto e apoio aos lutadores. A previsão é de que os estudos comecem ainda este ano. O presidente da instituição, Rinaldo Martorelli, já está testando em si mesmo o potencial da cannabis contra enfermidades como a dor no ombro que carrega desde os anos 1980, quando foi goleiro do Palmeiras. 

O médico Renato Anghinah, professor de neurologia na Universidade de São Paulo aposta que, a partir de 2022, as discussões acerca da cannabis irão avançar no mundo inteiro. “Cerca de 40% dos pacientes que tiveram Covid-19 se queixam de cansaço crônico e déficit de memória prolongados. Há indícios de que o CBD pode ajudar a vencer tais problemas, com poucos efeitos colaterais, como diarreia ou sonolência, mas nada muito intenso. Por isso, a tendência é que se abra um campo de estudos muito grande sobre o uso da erva em síndromes pós-Covid.”

Dr Banz - CBD legalizado nas Olimpíadas do Japão 2020

“Meu sonho é rodar o mundo disseminando informações sobre a planta enquanto me preparo para a Olimpíada de 2024. Quero levar o CBD às favelas do Rio, por exemplo, e dizer que se trata de um remédio de verdade. As comunidades quase não têm acesso a essas informações, e o Estado, quando pega um morador de lá com alguma quantidade de cannabis, só pensa em punir. Ninguém pergunta se o cara precisa daquilo para ficar estável psicologicamente.” Chaves planeja depois dos Jogos comprar um motorhome.

Olimpize-se: Que comecem os Doodle Champion Island Games!, Patrono do esporte brasileiro, Centro de Esportes Radicais, Toda bike importa, Capitão Fantástico, Canabidiol, o CBD, Os benefícios da cannabis no tratamento da Covid, Seus pés e sua saúde, Invista na cannabis ativa, Máquinas Voadoras, Van movida a energia solar ou com banheiro?!?

Google Street View Olímpiadas Japan e others app

O Google Street View foi atualizado para permitir um tour virtual por diversas localidades além do ambiente urbano. É possível explorar as delícias da culinária japonesa, conhecer um pouco sobre arte e artesanato, adentrar em cavernas ou até admirar o belo Monte Fuji. Se quiser dar uma fugidinha de Tóquio, também dá para observar cidades históricas e outras curiosidades da cultura japonesa. Alveni Lisboa – Canaltech

Google preparou uma seleção de aplicativos, incluindo o aplicativo oficial das Olimpíadas, que conta com resultado dos eventos, ranking de medalhas, streams oficiais e muito mais. Além disso, a lista do Google também conta com aplicativos das emissoras oficiais, como o Globoplay, e aplicativos de Fitness, como o Strava Tracker, que acompanha e dá informações sobre as caminhadas dos usuários. Dácio AugustoShowmetech

Google Street View conta com possibilidades de explorar as montanhas japonesas, ou o artesanato japonês e saber mais sobre eles com o Google Arts & Culture. Por fim, se quiser aprender a língua, o já conhecido Google Tradutor está aí para te ajudar.

Explore o Japão com Street View, Google Arts & Culture e Google Tradutor

Exploze-se: CADTEC e Lei de Zoneamento, A arte de ler., Eu sou o meu Deus., Brasil termina Parapan em 1º lugar e faz a melhor campanha da história, Queda Livre!, Extintion by Japan, Brumadinho made Japan?!?, Coleção de arte japonesa de Van Gogh, para download, Takarazuka

Restaure Sua Fé na Humanidade Com Essas Pessoas Salvando O Planeta

Restaure Sua Fé na Humanidade Com Essas Pessoas Salvando O PlanetaFala Sério

Os humanos têm feito um péssimo trabalho em manter nosso planeta saudável mas algumas pessoas boas entre nós dão o exemplo de como devemos tratar o nosso planeta.

Salveze-se: Cataki, o “Tinder da reciclagem”, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, 5 DICAS PARA SER MAIS SUSTENTÁVEL NA IDA AO SUPERMERCADO, Lixo é dinheiro., Troque lixo por comida!?!, Nave Tierra, Lixo ou resíduos?

Toda bike importa

Aqui na redação repudiamos esse tipo de postura. Milhares de ciclistas já morreram em acidentes assim. Acreditamos que, além de mal gosto, essas colocações de Murilo Couto podem estimular atitudes criminosas contra ciclistas. Bike aos pedaços

Não nos cabe dizer quais são os limites do humor, mas sim alertar que, quando se trata da vida e da sobrevivência de pessoas, o efeito imediato das falas do Sr. Murilo Couto é a banalização das mortes. Sim, uma piada pode promover mais mortes, classificando a atitude do humorista como incitação ao crime (art. 286 do Código Penal) e discurso de ódio, travestidos de “humor”.

Como disse o secretário-geral da ONU, António Guterres, enfrentar o discurso de ódio não significa limitar ou proibir a liberdade de expressão. Significa evitar que este discurso se transforme em algo mais perigoso, particularmente que incite discriminação, hostilidade e violência, o que é proibido pela legislação internacional.

Portanto, repudiamos com veemência as falas do Sr. Murilo Couto. As risadas de um punhado de pessoas em uma sala de teatro não podem justificar a morte de milhares de ciclistas e o luto de seus familiares e amigos. Basta de mortes no trânsito e de discursos de ódio. Aliança Bike – Associação Brasileira do Setor de Bicicletas

 (crédito: WILLFOTOGRAFO)

Em sua apresentação o humorista fala com alguém da plateia e o questiona sobre qual esporte pratica, quando a resposta é ciclismo, Murilo começa a fazer comentários sobre a modalidade. O motivo da protocolação é a fala sobre o atropelamento de ciclistas “No caso dos ciclistas, eu dou razão para o motorista de ônibus que atropela” diz, Murilo. Correio Braziliense

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), os ciclistas devem utilizar ciclofaixas, ciclovias ou acostamentos. No caso de não haver estes espaços, devem usar a borda direita da pista, no mesmo sentido dos demais veículos.

O responsável pela denuncia é o defensor público, Alessandro Tertuliano, que apresentou queixa como cidadão e praticante da modalidade. A iniciativa veio através da revolta da classe pela “piada” sobre algo delicado para quem é praticante. “Sou ciclista amador e pedalo de 5 a 6 vezes, toda semana e sinto na pele o perigo que corremos diariamente com motoristas que não gostam de Ciclistas, como o Murilo Couto” afirma Alessandro.

“Ficamos alarmados que uma pessoa pública estimule que um motorista possa vir a ferir ou matar um ciclista. Acreditamos na liberdade de expressão como princípio fundamental da democracia, mas é inadmissível a expressão de discursos que incentivem o ódio e a violência contra quem quer que seja”, disse a União Brasileira dos Ciclistas (UBC) em nota. Diario do Nordeste

Bikeze-se: Bike or die!, Não Foi Acidente, NÃO É CARRO X BICICLETA., Uma Noite de 12 Anos, Muda Mooca, Eu vou de bike, e você?, Trânsito, amigo!, Bicimáquinas, Uma viagem de bicicleta, Por que os jovens já não querem comprar carro nem casa própria?

Conemo

O aplicativo Conemo (sigla para Controle Emocional) foi desenvolvido por pesquisadores da USP, do King’s College, de Londres, da Universidad Cayetano Heredia, no Peru, e da Northwestern University, nos Estados Unidos, com financiamento do National Institute of Mental Health (NIMH). Bruna Irala – Jornal da USP

Durante seis semanas, pessoas com doenças crônicas, como hipertensão e diabete, que apresentavam sintomas de depressão leve, participaram de um experimento para o tratamento do transtorno depressivo com o auxílio da tecnologia. O aplicativo Conemo (sigla para Controle Emocional) foi desenvolvido por pesquisadores da USP, do King’s College, de Londres, da Universidad Cayetano Heredia, no Peru, e da Northwestern University, nos Estados Unidos, com financiamento do National Institute of Mental Health (NIMH), para reduzir os sintomas da depressão dos pacientes por meio de uma série de sessões de ativação de comportamento, uma técnica da terapia cognitivo-comportamental que induz a pessoa a realizar atividades diárias prazerosas ou significativas para si. A intervenção digital conseguiu reduzir em 50% os sintomas de depressão nos pacientes que participaram do estudo. 

Um artigo descrevendo o projeto, Effect of a Digital Intervention on Depressive Symptoms in Patients With Comorbid Hypertension or Diabetes in Brazil and Peru: Two Randomized Clinical Trialsfoi publicado em maio na revista científica JAMA.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica a depressão como uma doença incapacitante caracterizada por uma tristeza constante e falta de interesse e prazer em realizar atividades do dia a dia ou que anteriormente foram prazerosas.

Segundo o responsável pelo projeto, o professor de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), Paulo Rossi Menezes, a ideia principal desse tipo de abordagem é “ampliar o acesso de pessoas com doenças crônicas e sintomas de depressão a algum tipo de cuidado que possa melhorar a vida delas sem precisar recorrer diretamente ao especialista, psicólogo ou psiquiatra.”

O aplicativo foi instalado em celulares entregues aos pacientes para uso restrito do experimento. As informações coletadas foram armazenadas em uma nuvem de dados de modo que os profissionais de enfermagem integrantes do projeto puderam acompanhar o progresso dos pacientes.

Duas cidades integraram a pesquisa: São Paulo, no Brasil, e Lima, no Peru. Em São Paulo, o estudo contou com a participação de 20 unidades de saúde da família na Zona Leste do município, com 880 pacientes ao todo. Metade fez parte do grupo controle. Eles receberam apenas o tratamento de rotina, ou seja, acompanhamento clínico e uso de medicamentos, mas sem o auxílio do aplicativo. A outra metade utilizou o aplicativo durante as seis semanas do projeto e recebeu tratamento clínico, quando necessário. Em Lima, 420 pessoas participaram da pesquisa, sendo 210 em cada grupo. O experimento com o aplicativo durou seis semanas, com três sessões de 10 minutos por semana.

 Se, por exemplo, o paciente deixasse de interagir com o aplicativo ou perdesse sessões, um enfermeiro entrava em contato para auxiliá-lo a dar continuidade às atividades. 

Ao final de três meses, os pesquisadores observaram uma maior proporção de pessoas com redução importante de sintomas no grupo que usou o aplicativo, em comparação ao grupo controle.

De acordo com o pesquisador, o resultado permitiu evidenciar que o aplicativo é, de fato, “uma ferramenta que ajuda pessoas nessa condição e pode ser utilizado sem a necessidade de um acompanhamento clínico especializado, o que amplia muito o acesso de pessoas a esse tipo de cuidado”.

A previsão dos responsáveis pelo aplicativo Conemo é de que uma nova versão será disponibilizada nas lojas de aplicativos de celulares em três meses, tanto para uso da população em geral, quanto para uso de profissionais de saúde, de forma que o seu acesso seja ampliado a um público maior e possa auxiliar no tratamento de outras pessoas.

Mais informações: e-mail pmenezes@usp.br, com o pesquisador Paulo Menezes Rossi

Salveze-se: CVV, 57 anos!!!, CVV, Um Homem Chamado Ove, Care me!, Oito filmes que retratam o suicídio, Jardim da Empatia, 188, Algumas coisas podem esperar!, Por que setembro amarelo?!?, Dinamarca, combate depressão com vitamina de cultura

Cortina de Fumaça (2010)

Cortina de Fumaça (2010)Rodrigo Mac Niven

Primeiro documentário brasileiro que levantou a discussão da política de drogas no Brasil e no mundo, com participação de vários profissionais das mais diversas áreas de autuação. O filme, gravado em diversos países do mundo, discute a relação histórica da humanidade com as drogas, o uso industrial e medicinal da maconha e a política de guerra nas grandes cidades, em particular no Rio de Janeiro. O documentário teve papel fundamental no movimento político brasileiro relacionado ao tema e viajou o mundo em dezenas de festivais de cinema. Foi eleito, ao lado de Food Inc, Ilha das Flores e The Corporation, como um dos 11 documentários que podem mudar a sua visão de mundo.

Fumaze-se: Ilha das Flores, Milton Friedman, Elisaldo Carlini, DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DAS ÁRVORES, MACONHA E A VANGUARDA BRASILEIRA, TODOS PRECISAMOS DA UTOPIA, Dia Internacional da Maconha – Weed`s Day, Legaliza essa porcaria, FHC = THC, Contrapropaganda sobre a Cannabis

SOBRE MACONHA

THIAGO VENTURASOBRE MACONHA

Trecho gravado no show do 4 amigos.

Rodrigo MarquesMaconha – Stand Up Comedy

Hempze-se: Catastrofe natural?, Medical Hemp, Hemp Church, Hemp Roll, Hemp Car, Baterias de cânhamo, CANNABIS LIVRE DA ONU, VERDINHA, Vaginóides!, Direito ao cultivo individual ou aceita um hamburger?, O pai da maconha medicinal moderna, As discípulas de Jesus, Contrapropaganda sobre a Cannabis, Fibra de “maconha” na produção têxtil

14 maneiras de como pessoas positivas lidam com a negatividade e saiba aplicá-las em sua vida

A energia negativa pode ser encontrada em quase toda parte. Há pessoas que se queixam sobre a vida constantemente, praticando maus hábitos e puxando a si mesmas para baixo. As emoções que se espalham influenciam seus pensamentos e ações de uma maneira ruim, então evitar as fontes de energia negativa é obrigatório se você quiser ser melhor sucedido. Todos podem ser facilmente afetados por emoções negativas e as únicas exceções são as pessoas que aprenderam a lidar com ela. Estas 14 maneiras irão mostrar como pessoas positivas lidam com a negatividade para que você possa aplicá-las em sua vida. Pitacos e Achados

1. Elas criam felicidade desde dentro

As pessoas felizes não baseiam sua felicidade em estímulos externos. Eles percebem que uma vez que o estimulante se fosse, seu humor estaria arruinado. Em vez disso, procuram por fontes internas de energia positiva e prática mindfulnes.

2. Elas praticam o pensamento positivo

Pensamentos influenciam suas ações, por isso, se você pensar negativamente, não há futuro brilhante à sua frente. Pessoas positivas não acreditam nas desculpas que suas mentes criam. Através de afirmações positivas e encontrar o lado bom de qualquer problema, se certificam de estar mentalmente prontas para o sucesso.

3. Elas procuram razões para acreditar em si mesmas

“Nunca deixe a negatividade chegar até você. Você terá que lidar com muitas pessoas, mas acreditar em si mesmo é tudo o que importa.” – Becky G. Há infinitas razões para acreditar em si mesmo, mesmo se você se sentir completamente impotente e inútil. Estes pensamentos negativos são obstáculos temporários e na maioria das vezes, eles são criados.

4. Elas cortam pessoas negativas

Seu entorno tem um tremendo impacto sobre si mesmo. Se você passar tempo com pessoas positivas, será mais propenso a ser feliz e completo. Por outro lado, se você estiver muito perto de opositores e queixosos, terá dificuldade em remover a negatividade de sua vida.

5. Elas treinam regularmente

O treinamento físico é associado com liberação de endorfinas responsáveis por “sentir-se bem.” Tratar seu corpo da maneira certa compensa e resulta em redução do estresse e impulsiona a felicidade. Por outro lado, se você ignorar as necessidades do seu corpo, ele vai deixar você experimentar as consequências negativas em breve.

6. Elas gastam tempo na natureza

Ficar na natureza limpa sua mente e relaxa o corpo. Pessoas positivas dedicam uma parte do seu do lado de fora e admiram a beleza do nosso planeta. É uma ótima maneira de carregar as baterias!

14 maneiras de como pessoas positivas lidam com a negatividade e saiba aplicá-las em sua vida - pitacos e achados

7. Elas evitam gastos impulsivos

Hoje em dia, as ofertas extras e vendas lutam por sua atenção, por isso é fácil acabar perdido no modo compra. Apesar de compra excessiva poder fazer você se sentir melhor instantaneamente, a partir de uma perspectiva de longo prazo, é um hábito que pessoas positivas evitam a todo custo. Eles preferem investir em experiências para descobrir o mundo e criar grandes memórias.

8. Elas aceitam o fracasso

Pessoas positivas abraçam o fracasso pois percebem que é a única maneira de aprender e crescer. Sempre que entram em colapso, trabalham duro para chegar ao topo novamente em vez de desistir. Mesmo que uma falha traga emoções negativas, elas compreendem que são breve e irão desaparecer rapidamente. Para acelerar o processo, elas continuam a pensar positivamente.

9. Elas assumem total responsabilidade

Pessoas positivas sempre se responsabilizam pelo o que acontece em suas vidas. Quer se trate de um sucesso ou fracasso, é sempre um efeito de suas ações e pensamentos. Uma pessoa positiva nunca culpa fatores externos e se concentra em coisas ao alcance que podem ser melhoradas.

Ao fazer isso, buscam ser melhor e estar em constante progresso em vez de ficar frustradas com as coisas fora de seu controle.

10. Elas aprendem a controlar seus pensamentos

A mente pode ser facilmente levada fora de controle por pensamentos negativos repentinos. Indivíduos positivos sabem que se não controlarem os seus pensamentos, vão perder o controle sobre suas ações e comportamentos. Por esta razão, praticam o controle da mente, por exemplo através da meditação.

11. Elas dedicam algum tempo para relaxar

Em vez de tentar ser perfeitas, as pessoas positivas percebem que às vezes precisamos ir mais devagar, colocar seus objetivos e ambições em segundo plano e simplesmente relaxar. Ao fazer isso, evitam o que causaria energia negativa desnecessária.Em poucas palavras, elas dão um passo para trás para avançar ainda mais no dia seguinte.

12. Elas acreditam que há sempre uma solução

Às vezes, a vida nos atinge com força. Nesses momentos, você tende a duvidar de suas capacidades para resolver o problema atual. O fato é que há sempre uma maneira de superar um obstáculo e pessoas positivas mantem isso em mente. Mesmo que atinjam o fundo do poço, acreditam que isso acontece para que possam chegar ao topo ainda mais fortes.

13. Elas sabem quando dizer “não”

O valor de dizer “não” e “sim” no momento certo não tem preço. Contrapondo-se a equívocos, estas duas palavras têm um poder imenso e como você usa-as dita o que acontece em sua vida.Pessoas positivas se concentram em suas prioridades, em vez agradar aos outros. É por isso que sabem que há muitas coisas para as quais não precisam dizer “sim”.

14. Elas não buscam a aprovação de ninguém

Se você deixar que a opinião dos outros te paralisem, será muito difícil se sentir bem e feliz. Muitas pessoas têm medo de não obter validação e ser criticado. Indivíduos positivos pensam e agem muito pelo contrário.Elas usam a desaprovação como um indicador de ser autêntico e verdadeiro. O fato é, há inúmeras coisas pelas quais você não precisa da aprovação de ninguém. Embora ache que precise.

Felize-se: 8 REGRAS DE SCHOPENHAUER PARA A FELICIDADE, Coisas, pessoas e a felicidade, Matemática da felicidade, Você está olhando para a felicidade., A inteligência emocional em 15 frases, Sexta Feira 13, muito amor para vocês!, Qual o Primeiro Animal na Imagem, 10 palavras positivas para todos os dias

Inverno x sistema imunológico: saiba como a alimentação é importante nessa época de gripes e resfriados

Infecções bacterianas, viroses de repetição e presença de quadros clínicos mais complicados e extensos, são indicadores de imunidade baixa. E no inverno, onde se agravam as doenças típicas da estação, como gripe, resfriado, rinite, asma e bronquite, alguns cuidados precisam ser redobrados.  Professor José Costa

Uma alimentação saudável e adequada é essencial para a manutenção do sistema imune e, consequentemente, na prevenção de doenças. Frutas, vegetais, folhosos, oleaginosas, proteínas de alto valor biológico e gorduras insaturadas são altamente recomendados pelos nutricionistas, assim como alimentos ricos em zinco, importante nutriente no combate a resfriados, gripes e outras doenças do sistema imunológico.

 “Uma alimentação natural, equilibrada e variada, oferece vitaminas, minerais e compostos indispensáveis para o funcionamento do sistema imune”, alerta a nutricionista Camila Avelar, professora, autora e pesquisadora, com especialização em fitoterapia.

Alimentos essenciais para o sistema imune:

Frutas e vegetais, de forma geral, contêm vitaminas e minerais, além de compostos bioativos;

Cereais integrais, sementes, leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico), ostras e frutos do mar, dentre outros, são alimentos ricos em zinco, que está envolvido em mais de 300 reações metabólicas, e é fundamental ao sistema imune;

Fontes de ômega 3, como peixes, ajudam a reduzir processo inflamatório e a melhorar a imunidade;

Para os temperos, os indicados são alecrim, orégano, manjericão, açafrão e pimenta do reino, compostos antibacterianos, antifúngico e antioxidante.

Controle do apetite x imunidade baixa

O inverno é uma época que parece aumentar a vontade de comer alimentos mais calóricos, portanto é importante ter um controle adequado com a alimentação, para evitar o sobrepeso, a obesidade e prejudicar o sistema imunológico.

Para quem está com quadro de imunidade baixa, ou precise de maiores cuidados, a orientação é procurar um nutricionista para individualizar a dieta e identificar a melhor forma de equilibrar o apetite e preservar a imunidade.

Mas, de forma geral, a indicação é aumentar ingestão de alimentos ricos em fibras e gorduras oleaginosas, óleos vegetais e peixes, e também aumentar a ingestão de líquidos e alimentos ricos em água. “No inverno, as pessoas tendem a beber menos água e muitas vezes a sensação de fome pode representar sede, e não fome, de fato”, alerta a nutricionista.

Previnaze-se: Farmácia nunca mais, Chilisalz, Fichtensalz und Tannensalz selbermachen, 8 cuidados que você precisa ter com os pets durante o outono, INTRODUÇÃO A FERMENTAÇÃO SELVAGEM, Planeta Terra é um ser vivo !, Cannabis é promissora no combate à Covid-19, Suco pra Gripe (tosse), 5 jeitos naturais de aumentar a imunidade e combater resfriados, Abacaxi (Ananas comosus)

Como exercitar o cérebro no dia a dia

Você já sabe que praticar atividades físicas é importante para manter uma boa saúde, mas e o cérebro? Este órgão também pode ser exercitado para melhorar seu desempenho e o melhor: você pode fazer isso em casa, no seu dia-a-dia com atividades chamadas de neuróbicas.

Quando acostumamos a fazer as mesmas atividades com frequência, é comum ligarmos o modo piloto automático, pois já temos domínio sobre as nossas ações. Assim, o nosso cérebro entra na zona de conforto e pode dar margem para algumas reações, como falhas de memória, raciocínio lento, problemas de concentração…

A proposta das neuróbicas – que funcionam como a aeróbica dos neurônios – é justamente tirar o cérebro da sua zona de conforto e potencializar as suas habilidades cognitivas.

A prática da neuróbica envolve desde exercícios simples – que podem ser feitos no dia a dia – até desafios mais complexos,  que proporcionam situações improváveis e podem ser feitos por pessoas de todas as idades.

“As neuróbicas estimulam padrões de atividade neurais que criam conexões entre as diferentes áreas do cérebro e fazem com que as células nervosas produzam nutrientes naturais do cérebro”, explica Solange Jacob, diretora pedagógica nacional do Método SUPERA, rede de escolas dedicadas ao desenvolvimento do cérebro no Brasil.

Para que uma atividade seja considerada “neuróbica”, é preciso desenvolver um ou mais dos nossos cinco sentidos em um novo contexto e/ou transformar uma atividade rotineira em algo inesperado e não-usual.

Como incorporar a neuróbica na rotina diária

Nós podemos praticar exercícios para o cérebro em qualquer lugar: seja em casa, no trabalho, na escola ou nos momentos de lazer.  Fazer atividades de maneira inusitada é uma nova técnica para melhorar a concentração, treinar a criatividade e inteligência.

Tente fazer um teste fazendo alguns exercícios no seu dia-a-dia. Sugerimos aqui 20 ações diferentes que podem ser feitas em casa e podem proporcionar momentos descontraídos com a família e amigos:

01 – Use o relógio de pulso no braço direito (ou no braço esquerdo, se for canhoto);

02 – Escove os dentes ou escreva em uma folha de papel com a mão contrária da de costume

03 – Ande pela casa de trás para frente;

04 – Vista-se de olhos fechados;

05 – Estimule o paladar, coma coisas diferentes;

06 – Veja fotos de cabeça para baixo e tente observar cada detalhes que antes lhe passara despercebido;

07 – Veja as horas num espelho ou troque o relógio do pulso que costuma usar;

08 – Faça um novo caminho para ir ao trabalho ou introduza pequenas mudanças nos seus hábitos cotidianos

09 – Converse com o vizinho que nunca dá bom dia.

10 – Comece a trocar o mouse de lado.

11 – Decore uma palavra nova por dia, de seu idioma ou de outro e tente aos poucos introduzi-la em suas conversas de forma adequada.

12 – Folheie uma revista e procure uma fotografia que lhe chame a atenção. Agora escreva 25 adjetivos que ache que a descrevem e/ou ao tema fotografado.

13 – Ao entrar numa sala onde esteja muita gente, tente determinar quantas pessoas estão do lado esquerdo e do lado direito. Identifique os objetos que decoram a sala, feche os olhos e enumere-os.

14 – Quando for a um restaurante, tente identificar os ingredientes que compõem o prato que escolheu e concentre-se nos sabores mais subtis.

15 – Selecione uma frase de um livro e tente formar uma frase diferente utilizando as mesmas palavras.

16 – Monte um quebra-cabeça e tente encaixar as peças corretas o mais rapidamente que conseguir, cronometrando o tempo. Repita a operação e veja se progrediu.

17 – Experimente memorizar aquilo que precisa comprar no supermercado, em vez de elaborar uma lista.

18 – Ouça as notícias na rádio ou na televisão quando acordar. Durante o dia escreva os pontos principais de que se lembrar.

19 – Ao ler uma palavra, pense em outras cinco que comecem com a mesma letra.

20 – Leia atentamente e reflita sobre o texto.

Pitacos: Para colocar as dicas em prática, se proponha a experimentar situações novas e sentir sua mente sendo desafiada! 

Temos muito potencial, mas acabamos nos limitando ao ficarmos presos nos mesmos hábitos e formas de agir. Permita-se e divirta-se com os desafios para seu cérebro!

Bônus: Atualmente, existem diversos aplicativos que te ajudam a saber como exercitar o cérebro. Veja algumas opções gratuitas:

  • Fit Brain: o aplicativo trabalha a concentração, o pensamento lógico e a memória visual.
  • Quick Brain: esse aplicativo disponibiliza exercícios matemáticos que te ajudarão a trabalhar a memória, a atenção, a concentração e a lógica. Além disso, você aprende a tabuada de forma fácil!
  • MatchUp: o MatchUp é um jogo para você exercitar a sua memória. É possível jogar individualmente ou em dupla.

Cerebroze-se: 10 utilidades do sal úteis no dia-a-dia, Vontade de doce?!?, Para refletir sobre se amar mais, Feliz dia dos namorados, Sexo frequente ajuda a turbinar o cérebro dos idosos, A Meditação e seu cerébro, Prato do dia: Cérebro, Vovô Tech e outras aulas grátis para idosos