1984 X 2022

George Orwell, autor do livro “1984”, lendo “2022”. Maria Odete Vilela@vilela_odete. Jan 23, 2023

‘Who controls the past controls the future:
who controls the present controls the past.’ (1949)

Sugestão de leitura: 1984 (Nineteen Eighty-Four) – George Orwell (Eric Arthur Blair)

Deviam parar com a demagogia sobre as massas. As massas são rudes, sem preparação, ignorantes, perniciosas em suas reivindicações e influências. Não precisam de lisonjas mas de instrução. Ralph Emerson – EDSON JESUS14 DE JUNHO DE 2011

1984capabook

Palavras PerdidasRelatório FigueiredoFahrenheit 451, Memória dos CamposA culpa é de quem!Empoderamento dos recursosInside JobTerceira OndaCarlos Marighella, SaramagoBrô Mc´sPai (de quem) trocinio!Cabo Jardim, George Orwell, 1984 e Revolução dos Bichos

Aguenta coração

Instagram: saulo_pessato

O sopro cardíaco é o ruído que pode ser ouvido – auscultado durante o exame clínico – e que é produzido pela passagem do fluxo de sangue pelas estruturas do coração, e acontece quando o sangue precisa passar por um orifício que está menor do que deveria, enfrentando maior dificuldade para fazer a travessia, a passagem do sangue acaba por emitir o som. CCR – 22/04/2021

Palavras PerdidasA inteligência emocional em 15 frasesminhas playlists no spotify é tipo isso (SORTEIO)A Thousand Miles13 Reasons Why: trilha sonora da série, Cerejas do Brasil e Grumixama!?!

Todo odeia o Chris Animação

reboot de ‘Todo Mundo Odeia o Chris’ (Everybody Hates Chris) desenvolvido pela CBS Studios de forma independente, sem compromisso prévio com canais ou plataformas, para em seguida oferecer ao mercado que possa ter interesse, de acordo com informações do The Hollywood Reporter. Arthur Henrique – Olhar Digital. 16/03/2021

Ali LeRoi, o co-criador da série original, retornará para o novo projeto, assim como Michael Rotenber, que era o produtor executivo da sitcom, mas não há detalhes sobre se o elenco central voltará a fazer as vozes dos personagens, o ator e cocriador Chris Rock volta ao papel de narrador..

Exibida de 2005 a 2009, a série ‘Todo Mundo Odeia o Chris’ é extremamente famosa e querida no Brasil. As quatro temporadas – disponíveis nas plataformas de streaming Globoplay, Prime Video e Paramount+ – contam as experiências de infância e adolescência do ator comediante Chris Rock no Brooklyn dos anos 1980. ‘Todo Mundo Odeia o Chris’ trazia no Tyler James Williams como Chris, e ainda contou Terry Crews (Julius), Tichina Arnold (Rochelle), Tequan Richmond (Drew), Imani Hakim (Tonya) e Vincent Martella (Greg) nos papéis principais.

No Brasil, Todo Mundo Odeia o Chris era exibida diariamente na grade da Record e se consolidou como um verdadeiro fenômeno. A série foi aclamada pela crítica e conquistou 95% de aprovação do agregador Rotten Tomatoes. Giulianna Munerattotangerina. 02.08.2022

O sucesso do sitcom foi tão grande que o programa foi indicado como Melhor Série de Televisão na edição de 2006 do Globo de Ouro. Além disso, Todo Mundo Odeia o Chris recebeu ainda três indicações ao Emmy Awards. Flávio Motta Coutinhotecmundo. 16/03/2021

E aí, o que você achou da novidade sobre Todo Mundo Odeia o Chris?

Deixe sua opinião abaixo e compartilhe o artigo nas redes sociais!

Palavras PerdidasTodo mundo odeia Chris fala sobre “Respeito” 1.2, minhas playlists no spotify é tipo isso (SORTEIO), A Thousand Miles, 13 Reasons Why: trilha sonora da série

Revista Manchete e Curandeiros Potiguares

Revista Manchete era publicada semanalmente e distribuída quase todo o Brasil. Além disso, trazia reportagens especiais sobre vários acontecimentos nacionais e internacional. No ano de 1982, eles criaram uma reportagem para falar dos curandeiros que aprenderam ler pelo programa Mobral e participaram do encontro da instituição que tinha o objetivo reunir a tradição. O repórter foi o potiguar Valério Marinho. Lara Paiva – Brechando

Ao mesmo tempo, a Mobral queria catalogar toda a documentação e promoveu o encontro dos curandeiros com o folclorista Luís da Câmara Cascudo. Edson Jesus

Para Maria de Lourdes Guerra, coordenadora do Mobral-RN, programa especial destinado à valorização, preservação e difusão da cultura local, o encontro foi idealizado com o propósito de “possibilitar a troca de experiências e o intercâmbio de informações entre os participantes, bem como despertar, no curandeiro/rezadeira, a consciência do papel que ambos exercem dentro da comunidade”.

João de Souza Pinheiro é o mais famoso curandeiro do município de São Miguel (Rio Grande do Norte), ele tem 77 anos e há 40 anos vive curando gente com rezas e ervas medicinas, também lê mão.

  • O senhor tem algum poder especial?

A resposta clássica vem na hora:
-Não, meu filho, quem cura é Deus. Sou apenas um rezador. Se a pessoa tem fé em Jesus, fica boa.

A grande maioria já passa dos 50 anos. O mais velho tem 88. Um deles, paralítico, dava consultas em cadeira de rodas. Os homens, em menor números, geralmente trabalham no campo. No que concerne às mulheres, muitas delas são lavadeiras, e outras atuam também como parteiras. O conhecimento dos curandeiros, quase todos analfabetos ou semi-analfabetos, repousa sobre uma tradição oral secular, transmitida de pai para filho.

Ao contrário do catimnbozeiro, que faz feitiços e trabalha para o mal, o curandeiro só procura fazer o bem. Em seu trabalho intitulado “A Medicina do Povo”, Iaperi Araújo revela que as “benzedeiras e rezadeiras procuram, na inovação aos santos católicos, a proteção ou a cura das doenças, baseando-se sobretudo no conceito de corte celestial, onde cada santo é um pequeno deus com poderes sobre as enfermidades, sobre o bem e o mal”.

Antigamente, o termo catimbó era usando pejorativamente para chamar pessoas que praticavam religião de matriz africana, no qual sempre se referia como algo maldoso. Era como se fosse sinônimo de “macumba”, que também é um termo preconceituoso. Lembrando que a reportagem é de 1982, onde a descriminação ainda era pior do que hoje.

De uma maneira geral, o curandeiro não cobra por seus serviços. Aceita pequenos presentes – uma galinha, meia dúzia de ovos, um pedaço de queijo do sertão, ou coisa semelhantes. Dona Clotilde da Silva, 58 anos, analfabeta, residente em Ielmo Marinho, explica por que não cobra:

“Não exijo nada, pois não vou vender as palavras de Deus”.

“não cobro porque não posso vender a palavra de Deus. Foi ele quem me deu este dom e procuro cumprir minha missão.”

Dona Jozefa Teixeira, 75 anos, rezadeira há 50 anos, é muito procurada em sua cidade, Caiçara, onde chega a atender a mais de 300 pessoas por mês.

As rezadeiras se mostram acessíveis, atenciosas, com exceção de uma ou outra mais desconfiada, que se recusou a ditar a letra de suas orações sob o pretexto de que “as rezas perderiam seu efeito milagroso”.

Sentada à sombra de uma mangueira, dona Rosa atendia a uma moça que lhe pedira para ler sua mão. Jovem da cidade, demonstrando mais curiosidade do que fé, a garota queria saber quando iria casar, se seu marido seria seu namorado atual, e outras coisas do gênero. Notando o deboche, a velha tirou o cachimbo da boca, deu uma cusparada, e proclamou irônica, dando por encerrada a consulta:

“Na sua mão está escrito que você só casa na hora que Deus Marcar.”

Às vezes, a popularidade do curandeiro entra em conflito com o médico da pequena cidade. Um dos rezadores conta:

“O doutor me chamou para reclamar de que o povo estava indo pouco ao seu consultório. Eu respondi: mas doutor, eu não vou atrás de doente, não cobro nada, só faço rezar. Meu remédio é raiz de pau.”

Segundo um outro, certa feita, o dono da farmácia o chamou e lhe propôs um trato:

“Homem, em lugar de planta do mato, receita remédio da farmácia que eu lhe dou 10 por cento do apurado.”

Iaperi Araújo afirma em seu trabalho:

“A medicina do povo tem influências marcantes das raças que formam a base étnica do homem brasileiro. Dos indígenas, nos veio o conhecimento das propriedades farmacológicas da flora brasileira.”

O Mobral está coletando dados, copiando receitas, documentando orações. Entre as revelações deste I Encontro de Curandeiros e Rezadeiras, um chamou particularmente a atenção: o desinteresse dos jovens pelo ofício. Atraído por inúmeras ou outras solicitações, os filhos dos curandeiros estão abandonando a tradição dos antepassados.

Nas palestras dos técnicos do Mobral, indagava-se aos curandeiros quais seriam as causas das doenças, de tanto sofrimento. Tudo para eles se resume na vontade de Deus:

“É Deus quem dá a doença, e é Deus quem cura.”

Sem querer, de maneira alguma, interferir neste plano místico, os técnicos procuraram, nos trabalhos de grupo, iniciar um programa de higiene e saúde que futuramente será desenvolvido nas próprias comunidades dos curandeiros. E Maria de Lourdes Guerra, explica:

“Afinal, o curandeiro é, à sua maneira, um líder dentro da sua pequena comunidade. Para quem está doente, necessitando de ajuda, o que ele diz tem força de lei. Nós queremos que, além de suas rezas, de suas receitas de erva, ele diga também que a água deve ser fervida, que a mosca contamina os alimentos, que se deve lavar as mãos antes de comer, enfim, que transmita certas informações elementares de higiene e educação sanitária.”

Ao final do encontro, 25 curandeiros foram levados à presença do historiador e folclorista Luís da Câmara Cascudo. Aos 82 anos, surdo, porém inteiramente lúcido, Cascudo lamentou não poder ouvir as rezas e palavras sagradas que, através dos tempos, compõe a magia da medicina do povos. Rezas e palavras que fizeram parte essencial daquela tradição oral que, durante toda a sua vida, ele tratou de resgatar da boca do povo para os livros.

Gratidão pelas preces recebidas!

Palavras PerdidasENTENDA O EFEITO PLACEBO, A história da Homeopatia, AYAHUASCA FUNCIONA? EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS?, SAL DE ÍNDIO, GUAJAJARA REVELA SEUS PLANOS, Revista Manchete e Curandeiros Potiguares

Art and culture of the native peoples of our planet. ART AMBA MIRIM

Share, help us lift other flights.

ritos

arquivo pessoal, 2022

Às vezes não nos damos conta da quantidade de ritos de passagem que vivenciamos ao longo da vida. Os Ritos de passagem, de acordo com site de buscas: “são celebrações que marcam mudanças de status de uma pessoa no seio de sua comunidade, que podem ter caráter social, comunitário ou religioso. Os Ritos de passagem são aqueles que marcam momentos importantes na vida das pessoas”. De quantas cerimônias somos constituídos? Quantos ciclos finalizamos e reiniciamos ao longo da nossa existência? Edson Jesus

Suponho que hoje – último dia do ano – seja uma boa oportunidade para pausar algumas horas, olhar para trás e rememorar os ritos vividos durante o ano – o que conseguir lembrar ou talvez o que não se quer lembrar. Corre-se o risco de cair uma lágrima ou outra pelas memórias evocadas, mas água com sal liberta. Cá estou eu – com mais um rito para vivenciar – decidi elaborar meu rito de final de ano, um momento para se reconectar com minhas ancestrais – as mulheres que vieram antes – as sábias, as bruxas, as deusas, todas aquelas que contribuíram biologicamente e energeticamente pela nossa criação.

Faço um Rito simples, mas carregado de significados: água, ervas aromáticas, especiarias e pés descalços, conexão com a natureza sagrada. Molhar as raízes, adubar o solo para o que virá. Refazer minhas forças, seguir com todas as minhas ancestrais segurando minha mão, pois, elas me compõe – sozinha não estou.

Um Feliz Ano para vocês! Que dois mil e vinte três seja um ano de LUZ para “nossas” famílias!

HISTÓRIAS E REFLEXÕES DE UMA MULHER QUE FOI QUEBRADA EM MIL PEDAÇOS E ESTÁ JUNTANDO TODOS ELES. C. MENEZES – [De repente solteira]

Palavras PerdidasMenino que conversava com os espíritos de todas as coisas, Turismo internacional da Ayahuasca na AmazôniaEscrever,

Art and culture of the native peoples of our planet. ART AMBA MIRIM

Share, help us lift other flights.

Fantastic Planet

PLANETA FANTÁSTICO (Fantastic Planet 1973 1080p Legendado) – CURTANIMATION HD. 29 de out. de 2021

No planeta Yagam vivem humanóides chamados de Oms, que são escravos (ou animais de estimação) dos Draggs, uma raça de gigantes com mais de dez metros de altura, olhos vermelhos e pele azul. O planeta é um lugar indefinido onde os homens parecem insetos aos olhos dos Draggs.

Palavras PerdidasO EPISÓDIO DE RICK AND MORTY QUE ME FEZ ENTENDER A SOCIEDADEJames Cameron afirma que a Skynet destruiria a humanidade apenas com deepfakes 1.2ShortbusPsycho Killer, My Friend Dahmer, Ready Player One

Art and culture of the native peoples of our planet. ART AMBA MIRIM

Share, help us lift other flights.

Touché Turtle 1.2

A Tartaruga Tuchê – Touché Turtle (Syn, 1962): Uma tartaruga espadachim, que duela contra raios, dragões, outros bichos mais e ainda tem que salvar a “linda” princesa presa na torre do castelo, com a ajuda do fiel escudeiro Dumdum. Hanna Barbera. EDSON JESUS

touche

LINKS: Download

Touché Turtle and Dum Dum (conhecido no Brasil por Tartaruga Touché e Dum Dum) é um dos segmentos do programa infantil The New Hanna-Barbera Cartoon Series, série de desenhos animados lançada pela Hanna-Barbera em 1962.

laertemedico

A dinâmica Tartaruga Touché e o cão felpudo Dum Dum eram um par de heróis que batalhavam contra vilões em todo tipo de aventuras, salvando reis, rainhas, donzelas, crianças e outros. Touché era o bravo e destemido líder, sempre com um chapelão ornamentado com uma pena e uma espada na mão. Dum Dum era seu companheiro e seguia fielmente Touché em suas aventuras.

dilmaespadachim

O editor deve ter achado genial mostrar a presidenta (ex-presidente) como se estivesse sendo golpeada pelas costas. É a chamada metáfora de imagem. Mas, expliquem-me: qual a metáfora nesse caso? O que a foto tinha a ver com a solenidade de que fala o jornal? Há, no meio militar, quem queira golpear Dilma pelas costas? O jornal sabe e não vai dizer? Ou, quem sabe, a turma do “Estadão” tenha achado graça em “brincar” com a imagem da presidenta de todos os brasileiros. Como na fábula da Rã e do Escorpião, o Estadão expõe em estado bruto toda sua natureza. Rodrigo Vianna – Ficha Corrida. 22/08/2011

FUNKO POP TOUCHÉ TURTLE AND DUM DUM : FIGURA TOUCHÉ TURTLE 170. FIGURA COLECCIONABLE. CF-ToyShop

A entrada favorita de Touché era segurando uma corda e se arremessando contra os vilões empunhando a espada na outra mão, bradando a frase “Viva Touché!” (versão da dublagem original para a expressão em inglês “Touché and away!”)

posse de Lula foi a matéria de capa de diversos e importantes jornais internacionais, como o norte-americano The New York Times, o The Guardian do Reino Unido, o francês Le Monde, o argentino La Nación, o espanhol El País, e o Lá Nación, da Argentina. Rodrigo FernandesJornal do Commercio. 02/01/2023

Os veículos de informação mostraram a grandiosidade da festa petista em Brasília e fizeram críticas ao ex-presidente Jair Bolsonaro, que não compareceu à cerimônia de transmissão de posse.

Veja tambémJornada ninjaPai (de quem) trocinio!Mídia NinjaEconomia de mercadoTrânsito, amigo!Monte seu FuscaMarvelCALVIN WARS69 com moral da história.A Melhor plástica de todas!!!Brô Mc´s

Idoso de 64 anos constrói a própria prótese com cano de PVC

O idoso construiu por conta própria uma prótese com canos de PVC para tentar voltar a andar, já que uma prótese adequada para fazer sua reabilitação pelo SUS tem demorado muito. VOAA – Razões para Acreditar

​Seu Maurício, com 64 anos, sempre muito trabalhador, enquanto estava indo fazer uma entrega na moto que usava, um carro entrou na contramão em alta velocidade, e um horrível acidente aconteceu, com a batida ele teve que amputar parte da sua perna esquerda e teve que ficar mais de um mês internado, pois contraiu uma bactéria na cirurgia que fez. Linkedin

A prótese de perna caseira de Marcos de Oliveira Moraes, de 23 anos, contém um tubo de PVC, um tubo metálico e um selim (banco de bicicleta) com custo de R$ 40. Gustavo Kaesemodelem – Universidade Libertária.

O jovem teve a perna amputada em um acidente de moto em abril de 2018, juntou algum dinheiro, mais uma ajuda da ex-patroa, e conseguiu os R$ 5 mil necessários para comprar uma prótese básica, porém esta machucava e apenas 3 meses depois, ela rachou, mas, sem um prazo para receber uma nova de volta, não quis esperar e construiu a sua própria.

Os restos que sobraram da moto após o acidente, seu Maurício vendeu, para tentar pagar algumas contas de casa, mas o dinheiro não deu para muita coisa, sem nenhuma renda, descobriu que só poderá tentar se aposentar ao completar 65 anos. A pessoa que o atropelou ajudou algum tempo com alimentos e remédios. A família tem recebido ajuda de parentes e amigos com a alimentação. Voaa – A vaquinha do Razões

Ele e sua esposa, Sandra, 64 anos, moram em Francisco Morato (SP), onde antes do acidente vendia produtos de limpeza, muitos produtos ele mesmo fabricava em casa, no bairro mesmo ou em lojas e em fábricas da região, sua única forma de sustento da casa, já que nem ele e nem dona Sandra são aposentados. Ele ganhava com as vendas, em média, R$1.000 por mês.

Marcos cria prótese de perna com 40 reaisCarlos Rix. 28 de nov. de 2019

Criatividade e engenho, onde esta este menino, se souber nos avise, ok? Todo mundo quer mais detalhes.

Cano de PVC, cano galvanizado, resina, uma sandália, cola e uma armação de selim de bicicleta, foram os materiais empregados.

– Cabe fazer um vídeo: “como se faz”

– Empresas que fabricam próteses ficam em cheque, concorda???

O capitalista malvadão não quer abrir mão de suas enormes margens de lucro para ajudar os pobres, ou então, talvez, ele não é capaz de atender as pessoas a um custo baixo o suficiente, sendo necessário subsídios do estado.

Se alguém preocupado com as dificuldades dos deficientes, ou mesmo o Marcos e o Seu Maurício, quisesse replicar a construção da prótese de perna caseira dele, para ajudar outros amputados a um preço acessível, afinal, seria apenas comprar os mesmos insumos em maior quantidade e mão de obra, que nem precisa ser especializada. Certo?

Não exatamente. Em um livre mercado isso seria verdade, mas em um mercado regulado pelo governo, isto não é possível. Um exemplo disso é uma função do Apple Watch 4 chamada ECG. Ele vem ativado por padrão nos EUA, mas no Brasil ele é proibido.

Caso eles quisessem produzir as próteses de perna caseira, teria que seguir as normas RDC 192/2002 e RDC 185/2001 da Anvisa, realizar vários testes de forma gratuita, produzir diversos relatórios científicos para enviar ao agente regulador, contratar um técnico ortopédico com pelo menos 5 anos de experiência na área, construir ou reformar um estabelecimento seguindo regras rígidas e, com sorte, ter a autorização concedida (o que pode levar anos, especialmente para pequenos empresários).

Como é feita uma PERNA MECÂNICA #Boravê – Manual do Mundo. 14 de out. de 2017

Apresentação: Iberê Thenório

Não faz sentido econômico para eles fazer isso, e mesmo se quisesse fazer por caridade, estaria proibido da mesma forma. pois estão sujeitos a multas e sanções, até mesmo de exercício ilegal da profissão.

Palavras PerdidasPrótese grátis!?!, Brinquedos transplantados, Concurso de Moda Inclusiva, Demãos dadas, Setembro Amarelo, Faça você mesma, para economizar!

Nezha: Correndo Pela Vida – Filme Completo Dublado

Nezha: Correndo Pela Vida – Filme Completo Dublado – Filme de Ação | NetMovies

Nome do Filme: Nezha: Correndo Pela Vida

Título Original: Nezha

Gênero: Ação, Aventura, Drama

Sinopse: O campeão do simulador de corrida Du Jieke se une à equipe Lions e desafia os campeonatos de fórmula 1 por sua paixão pela piloto Lu Lili. Com um oponente forte e conflitos a resolver, a equipe enfrentará uma batalha feroz.

Estrelando: Alan Kuo | Evonne Hsu | Hannah Quinlivan | Jay Chou | Kao Ying-Hsuan | Karry Wang | Ken Lin | Liu Genghong | Nolay Piho | Philip Chan | Tsao Yu-ning | Van Fan

Direção: Jem Chen. filmow

💲 Se você gosta do conteúdo, colabore com o nosso trabalho! 💲

Palavras Perdidas: Memes Otakes, COMO ZERAR ASPHALT 9 SEM GASTAR DINHEIRO, A corrida de Motos mais insana que você já viu, Homem cai ao tentar fazer slackline, 4 filmes sobre crescimento para quem passa pela crise dos 20 e poucos anos, Jovem Tupã (atualizado “diariamente”) Compartilhe!

Art and culture of the native peoples of our planet. ART AMBA MIRIM

Share, help us lift other flights.

Killing In the Name (Official HD Video)

Rage Against The Machine – Killing In the Name (Official HD Video). 26 de mar. de 2011

HD music video for “Killing In the Name” by Rage Against the Machine

Lyrics:

[Intro]

Killing in the name of

[Verse]

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Uh!

[Refrain]

Killing in the name of

Killing in the name of

[Pre-Chorus]

Now you do what they told ya

Now you do what they told ya

Now you do what they told ya

Now you do what they told ya

And now you do what they told ya

And now you do what they told ya

And now you do what they told ya

And now you do what they told ya

And now you do what they told ya

And now you do what they told ya

But now you do what they told ya!

Well, now you do what they told ya

[Chorus]

Those who died are justified

For wearing the badge, they’re the chosen whites

You justify those that died

By wearing the badge, they’re the chosen whites

Those who died are justified

For wearing the badge, they’re the chosen whites

You justify those that died

By wearing the badge, they’re the chosen whites

[Verse]

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Some of those that work forces

Are the same that burn crosses

Uh!

[Refrain]

Killing in the name of

Killing in the name of

[Pre-Chorus]

Now you do what they told ya

Now you do what they told ya

Now you do what they told ya

Now you do what they told ya

And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

(Now you’re under control) And now you do what they told ya

[Chorus]

Those who died are justified

For wearing the badge, they’re the chosen whites

You justify those that died

By wearing the badge, they’re the chosen whites

Those who died are justified

For wearing the badge, they’re the chosen whites

You justify those that died

By wearing the badge, they’re the chosen whites

Come on!

[Guitar Solo]

Ugh!

Yeah!

Come on!

Ugh!

[Outro]

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Fuck you, I won’t do what you tell me

Motherfucker!

Ugh!

Released in 2007 by Neversoft and Activision, Guitar Hero III: Legends of Rock brought the addictive gameplay of the original two games to a wide variety of platforms. Steam Games

For the first time in the Guitar Hero franchise, GHIII saw the inclusion of real-world celebrities. A huge addition was the inclusion of Slash (of Velvet Revolver/ex guitarist for Gun N’ Roses) and Tom Morello (Guitarist of Rage Against The Machine). Brett Michaels also makes an appearance in the game (excluding the Wii and PS2 version). Each had their faces scanned and did their own motion capture work for the game. As well, each of the celebrity guitarists recorded their own original guitar pieces to be played during a guitar duel against them in career mode.

Palavras PerdidasThe actor-musician is Johnny Depp a Guitarist?, Psycho Killer, My Friend Dahmer, VAGAS PARA AULA MÚSICA, Benefícios Da Música Na Aprendizagem Das Crianças, 10 MÚSICAS FEITAS PRA QUEM MORREU

minhas playlists no spotify é tipo isso (SORTEIO)

minhas playlists no spotify é tipo isso. Lobisomem Pidão@_LobisomemPidao.  Jan 10, 2023

Palavras PerdidasA Thousand Miles, Até quando você vai pagar pela TV a cabo?, Punk Rock???, Mozart – Metallica (Symphony No. 40 – Enter Sandman), Joelho de Porco, Todo mundo odeia Chris fala sobre “Respeito” 1.2, Iburi – Trompete dos Ticunas

Sorteio de 13 (TREZE) colares exclusivos art amba mirim

Visite a mbaemopara e deixe um comentário dizendo: “HAE’VETE”

Recomendo: Pajé também é mulher

The show is just beginning… #DoctorWho returns in 2023

“The show is just beginning…” #DoctorWho returns in 2023 – Teaser Trailer | @DoctorWho – BBC. 25 de dez. de 2022

All our TV channels and S4C are available to watch live through BBC iPlayer, although some programmes may not be available to stream online due to rights. If you would like to read more on what types of programmes are available to watch live, check the ‘Are all programmes that are broadcast available on BBC iPlayer?

Palavras Perdidas: 50º aniversário do Doctor Who, Assista ao Trailer da 11ª Temporada de DOCTOR WHO, JOGOS ESCONDIDOS NO GOOGLE, TERRA OCA

6 Evil Things Done By Corporations Throughout History

Corporations entering the crosshairs of regulatory battles is a typical scene, you’ll find that regulatory issues and litigious mistakes are part of the package. You will hardly find a corporation that presents itself as a saint, however, some corporations are known for their ignoble roles in facilitating some of the most atrocious acts in history. 6 Evil Things Done By Corporations Throughout History – Eric Chang

Pharmaceutical companies selling opioids abroad after creating an addiction epidemic in the US, which explains why US pharmaceutical companies would convince doctors to prescribe powerful painkillers and claim they are safe, not quite, because over time, these addictive drugs kickstarted a nationwide epidemic of opioid abuse that killed an estimated 200,000 people.

US opioid sales plummeted as subsequent legislation began cracking down on such atrocities. Pharmaceutical companies such as Purdue had already redirected their painkiller marketing operations to conquer new markets abroad.

With the same marketing strategy in the US, mainly paying doctors to hold seminars where they can sugarcoat the benefits of opioids as the best way to manage pain, recording incredible numbers in China and territories generally familiar with massive opioid addiction.

The world often suffers from opioid shortages, with terminal cancer patients, end-stage HIV/AIDS patients and pregnant women being the most affected.

The best target market for these drug behemoths, the middle and upper class who suffer from chronic pain – long term loyal buyers and “enthusiastic devotees”. And guess what the Oxford Languages Dictionary calls them? Addicts, as the short-term pain and cheaper generic morphine can help manage pain, as opposed to more expensive, fancy drugs like OxyContin.

In the early 20th century, the practice of eugenics began to spread like wildfire, led by Darwin’s ambitious cousin Francis Galton, spurring a master race of humans who decided who could reproduce and who couldn’t.

People classified as mentally feeble, deformed, handicapped, deaf or blind had to be gathered in one place and sterilized from time to time to make them better human beings.

Of course, the Americans adopted this idea, except that they probably took it to extraordinary extremes. When Fernald State School opened in the 1920’s, what many saw was a school, an institute to serve people with developmental skills.

But as time went on, it degenerated into a playpen for children who were considered idiots, imbeciles and idiots. Even unwanted children and orphans of normal intelligence were included; after all, the institution could use some free handiwork every now and then.

In the 1940s conditions at Fernald were worse than deplorable. Hard labor, beatings, isolation and sexual abuse flourished so much that you would think you were in Sodom.

A few gentlemen from the Massachusetts Institute of Technology showed up, offering gifts like extra breakfast rations and trips to football games to a select group of kids after enlisting them as members of a “Science Club for Kids,” What they didn’t know was that the breakfast oatmeal given to these children was laced with tracers of calcium and radioactive irons.

The whole Science Club hoax was a front to facilitate an experiment commissioned by the Quaker Oats Company, the radiation levels in the oatmeal were “harmless”, but Quaker failed to respect the consent of children and even parents if they were willing to make a quick appearance of the Lab Rat.

In law, Quaker Oats knew they were completely out of line as the Nuremberg Code banning exploratory research practices had just been released. In the late 1990s, dozens of Fernald students banded together to file a class-action lawsuit against Quaker, MIT, and the government, but later settled on a $3 million out-of-court settlement.

In 2010, US restaurants lost revenue because most customers preferred flavored water to Coca-Cola, Coca-Cola launched a program called “Cap the Tap”, according to the company’s official website, “Cap the Tap” was a campaign against wasting water, however, the same campaign material brings suggestive sales methods to convert orders for tap water into orders for revenue-generating beverages.

The program invites, trains, and rewards bartenders for offering customers diet soda, smoothies, and iced tea, and if they insist on drinking water, they should offer them Coke bottled water, of course. But this is where things get really weird.

Bottled water represents an environmental disaster and is worse for children than tap water, which is safer when well regulated. Even worse, bottled water is tap water itself, so Coca-Cola takes more water to pack free tap water and sells it at ridiculous prices.

The program invites, trains, and rewards bartenders for offering customers diet soda, smoothies, and iced tea, and if they insist on drinking water, they should offer them Coke bottled water, of course. But this is where things get really weird.

Bottled water represents an environmental disaster and is worse for children than tap water, which is safer when well regulated. Even worse, bottled water is tap water itself, so Coca-Cola takes more water to pack free tap water and sells it at ridiculous prices.

The NFL has a problem, kids make up the league’s most vibrant talent pool and audience, but the numbers dwindle each year as football takes on a somewhat sordid reputation across the United States. Research data shows that 60% of the most loyal NFL fans started following football before elementary school.

The first hook was to alleviate the mother’s fears, saying that the media is the enemy, guilty of misinforming the public and exaggerating the frequency of concussions and other sporting risks, moreover, it is on record that these clinics also minimize the risk of brain damage in football or, in some cases, pretend that there is no risk of harm.

And when you use twisted facts and pathos to manipulate parents into seeing themselves as an obstacle to their children achieving their dreams and goals, that is corporate fraud and conspiracy to cause grievous bodily harm.

As the 2010 US Congressional elections approached, Facebook embarked on an experiment that essentially tricked random people into voting by filling their feeds with photos of civically responsible friends, over 340,000 Facebook users may have been influenced to go to the polls.

From selling $100,000 worth of ads to Russian troll farms during the 2016 election, to running fake stories over the real ones to generate mass panic and harvesting your activities to sell your personality profile to advertising companies, Facebook clearly does not it has limits.

This explains why companies like Cambridge Analytica could somehow harvest the data of 87 million Facebook users to manipulate users into voting for Donald Trump in the election. Or use new feeds and articles to discourage anti-Jewish or anti-Muslim voters from voting against Hillary Clinton.

Enron isn’t that bad, in fact they are the bottom line. For example, in 2001, rumors circulated that Enron had intentionally caused blackouts so that demand for energy would legitimize rising energy prices. .

The CEO of Enron, Kennedy Law, joked, responding that they were just conspiracy theories and should be disregarded, but two months later, a scandalous tape reached the media, where Enron is heard causing a blackout, precisely from the 38th second of the audio playback, and you can imagine this has been going on for some time.

On this tape, employees are laughing about stealing $1 million daily from California, swindling old grandmothers, and then talking about the country’s problems, according to sources, Enron made over $1.6 billion in profits, and a poor Gray Davis, then governor of California, lost his job to Terminator after one of the most tumultuous terms in the state’s history.

There is a legal concept that treats corporations as human beings hiding behind a veil, humans often make up these establishments. The irony, however, is that this legal fiction suggests that corporations can be just as bad, sometimes more so. Quaker Oats, Facebook, NFL, Enron, Coca-Cola and Purdue are all required evidence.

Palavras Perdidas: A água oculta, Dolly vira o jogo, Leite de aveia, Museu dos grandes fracassos criativos, Ranking da poluição plástica nos oceanos, Exu tranca-copa, Meta e a moeda digital Zuck Bucks, 5 INVENÇÕES PERDIDAS DE NIKOLA TESLA QUE AMEAÇARAM A ELITE GLOBAL, Micro hidrelétrica e redemoinhos

a vida 1.2

[...] E mesmo quando entorta / O caminho seu / Você verá que há paisagens mais bonitas / Que numa reta não se nota. [...] (Escute Quando Estiver Triste - Saulo Fernandes). C. MENEZES - MARÇO 30, 2022. A.I. Carr - 12 de janeiro de 2023
arquivo pessoal, 2022

HISTÓRIAS E REFLEXÕES DE UMA MULHER QUE FOI QUEBRADA EM MIL PEDAÇOS E ESTÁ JUNTANDO TODOS ELES. C. MENEZES – [De repente solteira]

Others lifes: O Universo Numa Casca De Noz Stephen Hawking 1.2O que colocamos na vida?!?Humans, 16 MINUTOS QUE VALERÃO POR UMA VIDA INTEIRA! – EDUARDO MARINHO (EMPATIA E CONEXÃO), O Beijo da Vida

Art and culture of the native peoples of our planet. ART AMBA MIRIM

Share, help us lift other flights.

POR QUE O BRASIL ODIAVA CARMEN MIRANDA E COMO ELA SE TORNOU UM ÍCONE DA CULTURA POP? 1.2

No final do século 19, o Brasil tinha 17 milhões de habitantes. Mais da metade era formada por ex-escravos e seus descendentes. Ale Santos (@Savagefiction) – SuperInteressante. 19 Nov 2019

POR QUE O BRASIL ODIAVA CARMEN MIRANDA E COMO ELA SE TORNOU UM ÍCONE DA CULTURA POP? Sociocrônica – Iconegrafia. 26 de fev. de 2022

Enquanto viveu, Carmen Miranda só foi amada pelo Brasil durante seu período como cantora do rádio. Após se mudar para Hollywood, a mídia e os brasileiros não paravam de lhe atacar, a ponto de Carmen desenvolver ansiedade quando voltou aqui em 1954. Apenas com o passar do tempo, ela se tornou um símbolo; mas de onde vinha esse ódio e como Carmen se tornou esse ícone que é hoje para nós? Existe Guarani em São Paulo, 

A eugenia brasileira e a Academia conviviam lado a lado: foi entre os professores das primeiras faculdades de medicina, os políticos e os sociólogos que ela cresceu. Boa parte dos nomes desses eugenistas é familiar – eles batizam ruas e avenidas País afora. Esta é a história deles.

Praça Carmen Miranda em Hollywood, California, USA.

O termo “eugenia” foi criado por um certo Francis Galton, geógrafo, membro da elite britânica e primo de Charles Darwin, na década de 1880. O eu vem do grego, e significa “bom”. Genia quer dizer “linhagem”. Sua intenção não era exatamente criar uma “raça superior”, mas uma “sociedade perfeita”, tentou interpretar o cenário sob o prisma da seleção natural de Darwin. E de perfeita a sociedade londrina da época não tinha nada. Faltavam saneamento e água tratada. Sobravam alcoolismo, doenças contagiosas e pobreza.

O branqueamento era pautado pela ideia de que o “sangue branco” se sobrepunha a qualquer outro, até do ponto de vista biológico. Por consequência, os descendentes de negros e brancos ficariam progressivamente mais claros… até se tornarem brancos. Sílvio Vasconcelos da Silveira Ramos Romero, um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras (e que dá nome a uma grande praça em São Paulo), acreditava que a “solução” era outra: deixar os negros morrerem.

“Pela seleção natural, o tipo branco irá tomando preponderância até mostrar-se puro e belo como no Velho Mundo”, escreveu Romero em 1879. “Dois fatos contribuirão largamente para esse resultado: de um lado, a extinção do tráfico africano e o desaparecimento constante dos índios, e, de outro, a imigração europeia.”

Os Sertões (1902) de Euclides da Cunha, outro membro da Academia Brasileira de Letras e um dos mais importantes autores da literatura nacional, também tratou de raça e miscigenação sob um olhar eugenista, onde associa mestiçagem, degeneração e criminalidade: “O mestiço … é, quase sempre, um desequilibrado (…), um decaído, sem a energia física dos ascendentes selvagens, sem altitude intelectual dos ancestrais superiores”.

João Batista de Lacerda, médico e diretor do Museu Nacional, era partidário dessa ideia. Em 1911, ele representou o Brasil no Congresso Universal das Raças, em Paris. A programação era um show de horrores: tinha temas como “O destino da raça judaica” e “A posição mundial do negro e do negroide”.

Silvio Romero e outros eugenistas se entusiasmavam com a ideia de trazer uma população europeia para ocupar o lugar do grupo que estava desaparecendo. A morte de negros e mestiços era tratada como benéfica.

Carmen tendo seus sapatos impressos em cimento no Chinese Theatre em 24 Março 1941.

Carmen Miranda became a famous singer in Brazil after she recorded ‘Tahí’ (For you to like me) in 1930 which was the biggest hit in Brazilian history until then, she also recorded thousands of 78 rpm singles for RCA Victor and with the growing popularity of radio, he switched from American Victor to British EMI (Odeon). Análise sobre as cartas em “A Cena Muda” – Brazilian Pop. Wednesday, July 25, 2012

Carmen had her weekly radio show on Rádio Mayrink Veiga, the most popular radio station in the country, and alongside Francisco Alves, they were the two most popular bands in the country throughout the 1930s. to Argentina and Uruguay every year to perform on local radio stations and in expensive nightclubs. Carmen also acted in films produced in Rio de Janeiro.

Marcas dos sapatos e mãos de Carmen na calçada da fama em Hollywood – 24 Março 1941.

Around 1943, when many of Carmen Miranda’s Hollywood flicks had already been shown in Brazil there was a backlash against her from Brazilian movie-goers.

Especially upper-class Brazilians didn’t like the way Carmen was portrayed in their American films, middle-class Brazilians saw for the first time in their lives how condescending Americans treated South Americans… and they didn’t like what they saw on the big screen.

Instead of resigning themselves to being treated as second-class citizens by the Big Brother of the North, Brazilians turned furiously against Carmen Miranda, she became almost Enemy Number One of a certain sector of the Brazilian upper class and its intelligentsia. which he hated for his own inadequacies, for being a third world country.

Scena Muda’ (Mute Scene), a film fan magazine printed in Rio de Janeiro since the early 1930s, after many hate letters from film fans denouncing Miranda’s ‘betrayal’, started a weekly section in which asked readers for their opinion on the role of Carmen Miranda. in Hollywood: ‘Carmen Miranda in the opinion of Brazilian fans’. Fans and haters alike wrote hundreds of letters to the magazine.

De-repente o brasileiro, que estava acostumado a se identificar com os heróis e heroínas das fitas norte-americanas desde os primórdios do cinema na década de 10, se viu retratado na tela prateada e não gostou nada do que viu. Pela primeira vez o brasileiro viu como ele era retratado pelos loiros anglo-saxões: simples ‘caboclos’ morenos, geralmente de bigodes, usando chapéus de abas largas à la mexicana. O brasileiro já estava acostumado a ver sheiks árabes sendo representados como assassinos bárbaros, chineses, a serem tratados como sub-espécie, negros como simples burros-de-carga, e principalmente, o nativo americano, o mais vilipendiado de todos, como sanguinários colecionadores de escalpelados piedosos brancos.

Boris Karloff como o horrível chinês Fu Manchu fazia todas espécies de maldades possíveis… o estereótipo levado às ultimas conseqüências. O mais irônico de tudo é que Karloff era inglês-da-gema. Hollywood além de reforçar estereótipos contra varias etnias, ainda dava emprego a atores de sua própria raça, a anglo-saxã.  

Desde os tempos de Rudolph Valentino, o árabe é visto como assassino desalmado.

O turbante ou pano-na-cabeça indica que o personagem é um facínora estrangeiro.

‘The birth of a nation’, de 1916, mostra que o bom negro (sempre um ator branco com a cara pintada) é aquele enforcado num tronco de árvore.

Todo ‘índio’ (nativo norte-americano) bom é um índio morto. Assim rezava a cartilha dos anglo-saxões que ‘conquistaram’ a América.

Cova coletiva para milhares de índios barbarizados pelos anglos no massacre de Wounded Knee em Dezembro de 1890. 

Peter Lorre em ‘M’… como Carmen Miranda sendo acusada, condenada e executada.

Carmen Miranda caiu como uma ‘luva’ ao estereótipo já pré-especificado pelo norte-americano, para o qual, a mulher latina é vista como espalhafatosa, extravagante, sensual-em-demasia, não-muito-inteligente e outros epitetos mais. Só a título de comparação, o brasileiro é visto pelo norte-americano, como o imigrante nordestino é visto pelos paulistas e cariocas. Paulistas chamam as pessoas vinda do nordeste de ‘baiano’ ou ‘cabeça-chata’ e o carioca a chama de ‘paraíba’. Lá nos Estados Unidos, o latino-americano é tratado da mesma forma, e ainda com o agravante da barreira lingüística.

Springtime in the Rockies’ foi, talvez, o filme que mais irritou os brasileiros. Não se conformavam que Carmen ‘rebolasse’ para os yankees. Aqui Carmen dança acompanhada pelo ‘Bando da Lua’… os brasileiros ‘morriam de vergonha! Talvez pelo Bando da Lua serem todos morenos? Além de usarem bigodinhos ‘mexicanos’?  O brasileiro se identificava com John Wayne, Clark Gable… onde já se viu ser ‘moreno’?

Preconceitos são preconceitos. Geralmente o preconceito vem da ignorância, da falta de conhecimento. Carmen era portuguêsa, o que os yankees chamam de ‘mediterrâneos’, o que já vem com uma carga considerável de preconceito e atitudes superiores embutidas.

O brasileiro comum, consumidor de filmes made-in-Hollywood não sabia disso, o “brazilian” coitado, saía do escurinho do cinema achando que era Cary Grant ou Tyrone Power, e iriam conquistar as beldades loiras e ruivas num país tropical onde a maioria de nossa população sempre foi morena, mestiça, mulata. A ficha não chegou a cair, pois a maioria dos brasileiros se rebelaram contra a Carmen, coitada, que não estava sabendo de nada.

O brasileiro não gostou de ver Carmen Miranda protagonizando o papel subalterno que nós temos no ‘concerto das nações’. Nós somos, simplesmente, a periferia do mundo-industrializado loiro e protestante. O brasileiro é de tradição católica ou até mesmo de ritos africanos… tudo, menos calvinista.

Os jornais brasileiros e a ‘classe pensante’ nacional, justamente por serem quase todos ‘colonizados culturalmente’, também não conseguiram equalizar a questão e passar o resultado de uma análise mais refinada para o público, analisando o relacionamento de superioridade que o norte-americano tem em relação a nós, brasileiros ou latino-americanos.

Raul Roulien no set de ‘Delicious‘ (1931) posa ao lado de uma bandeira brasileira, com seu colega Brendel batendo a continência.

La historiografía contemporánea sobre la eugenesia produjo un arsenal de interpretaciones destinadas a explicar tanto un concepto como procesos referidos a problemas más o menos acotados y pertinentes a la vida individual y social. Enfocados temáticamente o con pretensiones más abarcativas, esos estudios han ido desplegando una agenda que destacó una serie de cuestiones: las tecnologías empeñadas en controlar los cuerpos individuales y “mejorar la raza” utilizando recursos de identificación, clasificación, jerarquización y exclusión; la localización de ideas y perspectivas que demandaron de la formalización de redes profesionales que excedían los ámbitos nacionales; los discursos locales interesados en intervenir en la realidad; la instrumentación – si en efecto ocurrió tal cosa – de políticas específicas y sus efectivos resultados a nivel individual y social. Diego Armus – Eugenesia en Buenos Aires: discursos, prácticas, historiografía. SciELO – Jul 2016

O brasileiro ainda não se conscientizou que ele não é branco, ele é ‘moreno’. É por isso que nossa classe dominante é tão preconceituosa e, francamente, desprovida de cultura. Parem de bobeira e acordem p’ra cuspir, como se dizia nos anos 30.

Hubo muchas eugenesias a juzgar por la rica adjetivación usada en el pasado y en la actualidad. Como es habitual, a mayor maleabilidad o viscosidad de un cierto concepto, tanto mayor el arsenal de adjetivos destinados supuestamente a reducir esa maleabilidad y viscosidad. Así, se ha hablado de eugenesia anglosajona o latina, positiva o negativa, blanda o dura, ambientalista o genetista, preventiva o selectiva, abiertamente o disimuladamente coercitiva. Son solo algunos de los adjetivos utilizados a lo largo de la primer mitad del siglo XX por los contemporáneos y, mas recientemente, por los historiadores.

Para quem nunca pensou no assunto, é uma ótima oportunidade para se entender o papel que o brasileiro faz no ‘concerto das nações’. É um papel que ele não gosta muito, mas a aceitação é o começo para se poder mudar a situação, ou não!

John Payne fica com a loiríssima Alice Faye… e o moreno Cesar Romero fica com Carmen Miranda, que teve a paxôrra de ter nascido morena e mediterrânea. O brasileiro, colonizado culturalmente, não perdoa seu similar. Ele, no fundo, se identifica com seu Opressor, o loiro anglo-saxão, que impõe sua música, cinema e cultura aos povos morenos dos Trópicos. Além de tudo, Carmen fazia uma cubana no filme. Que ousadia ser uma relés ‘centro-americana’. Isso tudo nos anos 40. Imagina se fosse depois de 1959, Carmen, provavelmente teria sido chamada de comunista pró-Castro.

Carmen Miranda ajuda Mickey Rooney em sua imitação dela em filme da MGM em 1941.

É certo que as grandes personalidades foram e continuam sendo objeto das mais desencontradas críticas. Boas ou más, justas ou não, certas ou erradas, não importa. O fato é que há sempre uma tendência forte para falar nos nomes iluminados pelas luzes ofuscantes da celebridade. Carmen encontra-se nesse caso. Muitos reconhecem nela a simpática artista que logrou atingir o zenith da gloria por ser, de fato, notável. Já outros pensam de maneira diversa, mas pensam. Por quê? Porque o célebre desconhece o impossível.  Se alguém afirmou ser Carmen ingrata, espalhafatosa, isenta de atributos artísticos, não significa isso, em absoluto, que ela faça jus a tais comentários, pelo contrário. Conquanto pareça paradoxal, isso significa que Carmen é uma criatura querida e apreciada, popularíssima, pois o que é desconhecido não pode ser notável e porque não é notável, é indigno de realce público. Por isso afirmo de coração: Quanto mais ouço e leio sobre Carmen, mais me convenço de sua notabilidade. Ela canta e dansa com um modo incomparável. Carmen faz um paralelo com as melhores figuras da constelação cinematográfica. VITORIA DAVID – Rio de Janeiro/DF. 15 Junho 1943. 

Cine Admiral é inaugurado em Seattle em 1942 com ‘Weekend in Havana’, justo o filme mais odiado pelos brasileiros.

A fim de conferir o que foi citado, segue os links:

1. Estudos/teses/análises acadêmicas sobre Carmen Miranda:

2. Jornais/Revistas/Matérias digitalizadas:

3. Phill Emmanuel & Ravenc Imagens (e gratidão pelo trabalho fundamental): @CarmenMirandaFC

Hae’vete: Cantora nortista lança ‘Your Crime’ com influências clássicas do Pop e ‘pitada’ amazônicaALAÍDE COSTA, A DIVA QUE A BOSSA NOVA TENTOU APAGAR!?!Hino Nacional em dialeto ticunaCabanagem

Art and culture of the native peoples of our planet. ART AMBA MIRIM

Share, help us lift other flights.

Lembrando que VOCÊ PODE AJUDAR A MANTER O NOSSO CANAL.

Blowin In The Wind

Uma das canções de protesto mais famosas do mundo foi composta em apenas 10 minutos, em abril de 1962, de acordo com Bob Dylan, quando estava em uma casa noturna de Nova York. A melodia também foi fácil de criar, porque foi inspirada em uma antiga canção spiritual afro-americana, No More Auction BlockAnos depois, em 1985, Dylan gravou uma versão da original para a coletânea Biograph. Rafaela Damasceno – Analisando letras, 28 de Maio de 2021

Bob Dylan / Keith Richards / Ron Wood – Blowin’ In The Wind (Live Aid 1985). Live Aid. 21 de set. de 2018

Bob Dylan, Keith Richards and Ron Wood performing at Live Aid in front of 100,000 people in the John F. Kennedy Stadium, Philadelphia USA on the 13th July, 1985. The event was organised by Sir Bob Geldof and Midge Ure to raise funds for the Ethiopian famine disaster. Broadcast across the world via one of the largest satellite link-ups of all time, the concerts were seen by around 40% of the global population.

How many roads must a man walk down (letras.mus)
Before you can call him a man?
Yes, and how many seas must a white dove sail
Before she sleeps in the sand?
Yes, and how many times must cannonballs fly
Before they’re forever banned?

The answer, my friend, is blowin’ in the wind
The answer is blowin’ in the wind

Yes, and how many years can a mountain exist
Before it is washed to the sea?
Yes, and how many years can some people exist
Before they’re allowed to be free?
Yes, and how many times must a man turn his head
And pretend that he just doesn’t see?

The answer, my friend, is blowin’ in the wind
The answer is blowin’ in the wind

How many times must a man look up
Before he can see the sky?
Yes, and how many ears must one man have
Before he can hear people cry?
Yes, and how many deaths will it take till he knows
That too many people have died?

The answer, my friend, is blowin’ in the wind
The answer is blowin’ in the wind

Remember to subscribe to stay up to date with all new releases in the channel.

Palavras Perdidas: Yesterday, Paint It, Black, Paper Planes, Grito ancestral no Tapajós, Cantos que acalentam Encantados, Cuara çu e Tetchi’arü’ngu

Cowboy Fora da Lei

Raul seixas Cowboy fora da leiRogershoiti

Cowboy Fora da Lei – Raul Seixas. letras.mus

Mamãe, não quero ser prefeito
Pode ser que eu seja eleito
E alguém pode querer me assassinar
Eu não preciso ler jornais
Mentir sozinho eu sou capaz
Não quero ir de encontro ao azar

Papai não quero provar nada
Eu já servi à Pátria amada
E todo mundo cobra minha luz
Oh, coitado, foi tão cedo
Deus me livre, eu tenho medo
Morrer dependurado numa cruz

Eu não sou besta pra tirar onda de herói
Sou vacinado, eu sou cowboy
Cowboy fora da lei
Durango Kid só existe no gibi
E quem quiser que fique aqui
E entrar pra história é com vocês

Mamãe, não quero ser prefeito
Pode ser que eu seja eleito
E alguém pode querer me assassinar
Eu não preciso ler jornais
Mentir sozinho eu sou capaz
Não quero ir de encontro ao azar

Papai não quero provar nada
Eu já servi à Pátria amada
E todo mundo cobra minha luz, minha luz
Oh, coitado, foi tão cedo
Deus me livre, eu tenho medo
Morrer dependurado numa cruz

Eu não sou besta pra tirar onda de herói
Sou vacinado, eu sou cowboy
Cowboy fora da lei
Durango Kid só existe no gibi
E quem quiser que fique aqui
E entrar pra história é com vocês
Eu não sou besta pra tirar onda de herói

Sou vacinado, eu sou cowboy
Cowboy fora da lei
Durango Kid só existe no gibi
E quem quiser que fique aqui
E entrar pra história é com vocês

Composição: Claudio Roberto / Raul Seixas

Palavras Perdidas: A INJUSTIÇADA carreira de Bezerra Nietzsche da Silva! Carburografia, A história da energia elétrica no Brasil, NASA descobre ouro em Marte, As Aventuras de Raul Seixas Na Cidade de Thor, Xibom Bombom

FUSCA DE ♻ LATINHA TUTORIAL

(PASSO A PASSO) FUSCA DE ♻ LATINHA TUTORIAL [PARTE 01]Luc Artes BR. 28 de fev. de 2022

Tutorial de como fazer Fusca de latinhas, uma miniatura que se torna uma arte, detalhando passo a passo, os materiais utilizados e a construção, tudo feito artesanalmente, com um baixo custo e materiais recicláveis.

Dimensões: Comprimento 32 cm X Largura 14,5 cm X Altura 12 cm

(PASSO A PASSO) FUSCA DE ♻ LATINHA TUTORIAL [PARTE 02]Luc Artes BR. 28 de mar. de 2022

LISTA DE MATERIAIS:

  • 16 Latas
  • 1 Garrafa PET transparente incolor
  • 1 Papelão 30x20cm 3mm
  • 2 Palito de churrasco
  • 1 Canudinho (5mm diâmetro)
  • 1 Clips tamanho grande
  • 1 Clips tamanho médio
  • 2 Embalagem de remédio redonda (8mm diâmetro)
  • 2 Embalagem de remédio retangular (± 20x10mm)
  • 1 Rolo de fita isolante preta
  • 1 Tinta acrílica preto fosco ou um marcador permanente preto
  • 1 Primer
  • 1 Marcador permanente vermelho
  • 1 Cola de contato (75g)
  • 1 Cola de silicone
  • 1 Cola tek bond T6000
  • 2 Tubo de cola quente
  • 1 Cola de bastão (papel)
  • 5 LED branco alto brilho
  • 1 Resistor 100 ohm
  • 2m Fio de telefone (0,5mm) duas cores
  • 1 adaptador micro USB fêmea ou um suporte para 2 pilhas AA
  • Estanho

TEMPLATES MOLDES

Palavras PerdidasFAÇA VOCÊ MESMA | Porta Mantimentos com latas | Artesanato com reciclagem, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, A NASA CHEGOU NO BRASIL! FUSCA GIGANTE COM MECÂNICA V8 NA DIANTEIRA, Lixo ou resíduos?

Escrever

Eu as vezes leio artigos escritos por jornalistas, escritores, acadêmicos e simples escrivinhadores como eu e me surpreendo com a qualidade da escrita, seja pelo estilo, pela organização das ideias, pela capacidade de síntese, pela clareza, pela profundidade, relevância e pela erudição. Sou possuído pela sensação bastante comum de “puxa, gostaria de escrever assim!”. Ric Jones – Orelhas de Vidro – 5 DE JANEIRO DE 2023

Eu não aprendi a escrever direito, mas depois de passar 25 anos escrevendo num ritmo diário eu cheguei à conclusão que a única forma consistente de aprender esse ofício e essa arte é… escrever sempre, verter a vida em letras, condensar as ideias em tinta, massacrar o papel com os sulcos do pensamentos.

Como em muitas outras áreas, o exercício da escrita se faz na experiência diária da transmutação das ideias embaralhadas, na revivescência de lembranças enoveladas e nas propostas misturadas para a linearidade do texto, permitindo ao leitor que capte o fio do seu pensar e o utilize como assim o desejar.

Se pudesse dar a mim mesmo um conselho diria para ter escrito minhas histórias desde a adolescência, porque isso teria sido muito mais útil do que se pode imaginar.

Palavras Perdidas: A tábua de argila, Si.427. 1.2, Os idiomas que sobreviveram ao colapso das civilizações, Neurocientistas explicam que o esquecimento constante é um sinal de inteligência extraordinária, Antes e Depois de Memes Famosos, POKÉMON E STAR WARS DENUNCIAM PREDADORES DA CIÊNCIA, Ghost Writer ou Escritor Fantasma!!!

A avó-estrela do lago Baical: aos 79 anos, Baba Liuba vive e desliza no gelo “com o coração”

Lyubov Morekhodov, 79 anos, vive sozinha nas margens do lago Baical, na Sibéria russa. A fama já não é novidade para esta resistente. Há alguns anos foi fotografada a “dançar” no gelo com os seus patins artesanais e a Internet e os media fizeram o resto. Vivimetaliun – 2022/12/23

Agora, Baba Liuba (avózinha Liuba, como lhe chamam na Rússia) voltou à ribalta porque a Reuters a visitou. Na sua casa isolada, vive feliz, diz. Os filhos vivem a mais de 300km e ela tem a companhia dos seus cães de guarda, das suas vacas e galinhas. Para ir buscar mercearias e afins, patina uns 40 minutos para lá, 40 minutos para cá, até à urbe mais próxima.

“Preciso dos patins para tratar das minhas compras. E também só para me divertir. Para deslizar ou para ir ver as minhas vacas”, diz, explicando: “Assim posso patinar para um lado e para o outro, que andar na neve é duro”.

“Ainda há bocadinho fui ali, dei uma vista de olhos. As minhas vacas não estavam lá, por isso patinei pelo gelo para o outro lado e vi-as. Andavam a passear perto da montanha. Chamei-as. Elas voltaram para casa”.

“É assim. E mesmo sem ter coisas a fazer, vou patinar no gelo quando me apetece”. Sempre “com o coração” e, aparentemente, sem grandes preocupações nem medos de quedas.

Como se não bastasse, Baba Liuba usa os seus já célebres patins de madeira e lã, feitos pelo pai quando ela era criança, em 1943. Quando há uns anos se tornou uma celebridade, o patinador e campeão olímpico russo Evgeni Plushenko​ ofereceu-lhe uns patins modernos, tecnologia de ponta. Nada feito, prefere os dela.

Patinar e morar no lago, na região siberiana de Irkutsk, com mais ou menos gelo, é a coisa que ela mais gosta na vida. “O Baical é a melhor coisa no mundo. É prístino, natureza virgem. Está acima de tudo, tudo”.

Para ela, o Baical é algo de espiritual, mítico, como dizia em 2018 à Deutsche Welle, numa reportagem que ajudou a internacionalizar a fama. “Poderoso e livre Baikal”, cantou a avó do lago. Na reportagem alemã, uma coisa que ficou provada é que além dos patins também tem a língua afiada. Sem medos. Tanto critica os exageros da igreja (no caso, a ortodoxa russa), como dos que só querem “ouro e palácios”. “De uma maneira ou outra, vamos todos morrer, seja num palácio, seja aqui”. Uma grande gargalhada no fim desta tirada põe ponto final à conversa.

Quando fotografias e vídeos das suas “coreografias” no gelo se tornaram virais, chegou a ir à televisão russa e foi também alvo de vários trabalhos sobre a sua vida no Baikal, como este acima (em russo) da Current Time TV. via

Palavras Perdidas: Nossa Senhora Aparecida, mãe das crianças!, A arca da Aliança – Tecnologia muito avançada no Egito Antigo, Madre Teresa de Calcutá, Momentos Satisfatórios Em Que O Karma Recompensou Pessoas Boas, Meios de transporte do Papai Noel