Grafite na rua

Presto VinteTreis (Walyson Nogueira) e o amigo Babu SeteOito, pintaram quatro faixas de pedestres em terceira dimensão (3D) nas principais avenidas de Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá, na semana passada. O objetivo é reduzir o número de acidentes causados por excesso de velocidade. G1

A iniciativa já foi adotada em vários países com o objetivo de reduzir atropelamentos, como China, Índia, Geórgia e Islândia. A ideia é usar a ilusão de ótica como um fator a mais para fazer o motorista reduzir a velocidade e permitir a passagem dos transeuntes.
A uma distância de até 20 metros, lembram elementos de concreto encravados no asfalto. Na Islândia, é onde há os resultados mais positivos. Os atropelamentos caíram 25% nas ruas em que as faixas 3D foram pintadas. No Brasil, existe a expectativa de alcançar percentuais próximos disso. Massa Cinzenta
A cidade brasileira mais populosa a adotar as faixas de pedestres em 3D é Santo André, no ABC Paulista, com mais de 500 mil habitantes. Dois projetos-pilotos foram instalados no município, no final de 2017. O trabalho foi executado por funcionários do Departamento de Engenharia de Tráfego (DET) de Santo André, treinados para esse tipo de pintura.
Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, 22% das mortes no trânsito no mundo são causadas por pedestres atropelados. O Brasil aparece em 5º lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito, precedido por Índia, China, EUA e Rússia e seguido por Irã, México, Indonésia, África do Sul e Egito.

Grafite-se: Relatos Salvajes, Velozes e Incompetentes, 22 de todos os dias, Multa Moral, No lugar da multa, um sorriso!, Grafite são artes públicas, Arte Fora do Museu

Dia Internacional do Voluntário

O Dia Internacional do Voluntário (ou Dia Internacional do Voluntariado) é celebrado anualmente em 5 de dezembro e foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) desde 1985. Os voluntários são aquelas pessoas que têm espírito cívico e interesse por ajudar a construir uma sociedade melhor, dedicando para isso parte do seu tempo em trabalhos sociais, sem receber qualquer tipo de remuneração por isso.

No Brasil, o Dia do Voluntário também é celebrado em 28 de agosto, data esta conhecida como Dia Nacional do Voluntariado, e instituída através da Lei nº 7.352, de 28 de agosto de 1985. Calendarr

Imagens: Natalia KelbertVoluntariado Empresarial
Veja também: Voluntário, Coincidence or not, Casas de Mediação, Dia Mundial do Meio Ambiente., Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, Pessoas criativas são mais propensas à depressão e dependência química, Violentamente pacífico, Efeito Borboleta

O Poder Que A Bunda Tem

O Poder Que A Bunda Tem – Caju & Castanha

Dona Raimunda Dona Raimunda

Eu agora vou falar olha o poder que tem a Bunda

Dona Raimunda Dona Raimunda
Eu agora vou falar o poder que tem a Bunda

Nesse verso de humorismo não quero atingir ninguém
Assim arrancar do povo o riso que nos faz o bem
O meu intuito somente é dizer detalhadamente o poder que a Bunda tem

O poder que a Bunda tem

A bunda que me refiro é da mulher com razão
Com seu poder oculto de magia e sedução
Que faz a visão direta deixando a mulher completa
De beleza e perfeição

O poder que a Bunda tem

Com bunda grande e bem feita a mulher se sente bem
Onde passa todos olham, mas a mulher que não tem
Faz um gesto e sai olhando quem sabe até desejando ter
Bunda grande também

O poder que a Bunda tem

Mulher batida sem bunda é a maior negação
Busto pequeno e magrela não tem a mínima atração
Mulher que tem bunda cheia ainda que seja feia
A bunda chama atenção

O poder que a Bunda tem

Mulher magrela é difícil de arranjar um marido
Mas se casa ele diz eu estou arrependido
Com essa cruz que carrego eu estava doido e cego
De casar com pau vestido

O poder que a Bunda tem

Ele enjoa da magrela de relação se atrasa
Pega uma mulher fora na hora quer mandar brasa
Diz com essa eu me derreto não é aquele esqueleto
Que eu tenho na minha casa

O poder que a Bunda tem

Velho que não pode mais nem a de casa procura
Se vê a mulher bunduda diz o minha tanajura
Vamos a de um lugar eu pago só pra pegar
No volume da fartura

O poder que a Bunda tem

A mulher vai pela grana que dele quer receber
Lá no hotel tira tudo o velho pega a tremer
Vendo a tamanha fartura se lambuza na gordura
Mas nada pode fazer

O poder que a Bunda tem

Na minha terra eu conheço uma Francisca Raimunda
Que tem o busto tão grande chega até andar corcunda
O rosto dela é bem feito, mas tem dez quilos de peito
Por trinta e cinco de bunda

O poder que a Bunda tem

Um rapaz muito guloso gostou e casou com ela
Numa cama perfumada os dois se deitaram nela
No começo do programa a moça quebrou a cama
Com o peso da bunda dela

O poder que a Bunda tem

Na alta sociedade se dar coisa interessante
Mulher magrela faz tudo para atrair o amante
Quando o homem não cobiça usa até bunda postiça
Para ficar elegante

O poder que a Bunda tem

O cabra que não conhece diz esta aqui é de luxo
Leva para uma suíte sem saber que é um buxo
Na hora ele se lasca de bunda só tem a casca
E o miolo é todo murcho

O poder que a Bunda tem

E quando perde o prazer diz ele entrei numa fria
Gastei com lanche e suíte uma senhora quantia
Sem saber que aquela calça guardava uma bunda
Falsa com péssima mercadoria

O poder que a Bunda tem

Moça com bunda bem grande com quase tudo de fora
Pela rua onde passa é cantada toda hora
Diz o pilantra: hora veja desta é a que mamãe deseja
Para ser a sua nora

O poder que a Bunda tem

Todo o tipo de piada cai na bunda da mulher
Um diz que coisa gostosa é desta que o papai quer
Outro diz é boa à beça quem tem uma bunda dessa
Só é pobre se quiser

O poder que a Bunda tem

Rapaz que quer se casar, mas não compreende bem
A mãe dele diz meu filho moça magra na convém
Arranje uma gordinha que aquela sua é magrinha
Que até bunda não tem

O poder que a Bunda tem

Mulher pra ser cobiçada não é preciso ser bela
Basta ter a bunda grande empinada como sela
Mesmo casada que seja tem homem até que deseja
Montar na garupa dela

O poder que a Bunda tem

A maioria dos homens gosta de mulher peixão
Busto cheio bunda grande que chame muita atenção
Na hora daquilo bom a carne é filet-mignon
Macia que como um colchão

O poder que a Bunda tem

Mulher de bunda bem feita tem sempre um andar faceiro
Que atrai a simpatia do mais nobre cavalheiro
Que com ela se depara antes de olhar a cara
Olha pra bunda primeiro

O poder que a Bunda tem

A mulher pode ser linda que enfeite uma vidraça
Loira morena ou mulata sem ter distinção de raça
Uma rainha perfeita não tendo bunda bem feita
Perde o valor e a graça

O poder que a Bunda tem

A moça para ser miss não precisa ter riqueza
E sim toda perfeição dos dotes da natureza
Não tendo uma bunda exata não pode ser
Candidata ao concurso de beleza

O poder que a Bunda tem

A mulher mostrara bunda é o que mais ela quer
Não há lei que funcione contra a bunda da mulher
Seja feia, ou seja, bela é propriedade dela e ela
Faz a quem quiser

O poder que a Bunda tem

Vi um homem criticando de uma mulher seminua
Dizendo você é doida mostrando a bunda na rua
Ela disse eu sou sozinha mostro porque ela é minha
Você quiser mostre a sua

O poder que a Bunda tem

Para rainha ou princesa dos blocos de carnaval
Escolhe veia cabrocha que tem a bunda legal
Só representa a escola a que mais se rebola
Mostrando o material

O poder que a Bunda tem

Qualquer setor de negócio é a bunda quem domina
No bar na churrascaria na fábrica e oficina
Pra trair as pessoas tem até mulheres boas
Nos postos de gasolina

O poder que a Bunda tem

Você viaja de ônibus automóvel ou caminhão
Aonde estacionar para lanche ou refeição
As lanchonetes são cheias dessas mulheres sereias
Chamando os homens atenção

O poder que a Bunda tem

Você fica rodeada por Rosa por Marieta
Que lhe serve com agrado cobrando uma nota preta
Mostrando a bunda e o umbigo dizendo o troco é comigo
Pra caixinha da gorjeta

O poder que a Bunda tem

A mulher hoje tornou-se um poderoso instrumento
Usada em todos os negócios pra crescer o movimento
Por isso tem que ser bela mostrando a bunda dela
Nos estabelecimentos

O poder que a Bunda tem

Comerciais de bebidas roupas cigarro e charuto
A mulher exibe a bunda no vídeo mais de um minuto
Sem censura e sem demanda a bunda faz propaganda
Pra vender qualquer produto

O poder que a Bunda tem

Nas companhias aéreas esse transporte excelente
Só aceita aeromoça bonita e inteligente
Com exigidos diplomas que fale três idiomas
E tenha a bunda atraente

O poder que a Bunda tem

Tem homem desempregado que trabalha muito bem
Quando procura emprego o patrão diz com desdém
Se tem mulher boa traga aqui pra mulher tem vaga
Mas para macho não tem

O poder que a Bunda tem

Mulher anjo atraente admirada e querida
Zeladora da família uma jóia preferida
Linda da cabeça ao pé, além disso, ainda é
O seio que nos deu a vida

O poder que a bunda tem

Dona Raimunda Dona Raimunda
Eu agora já falei o poder que tem na bunda

Dona Raimunda Dona Raimunda
Eu agora já falei o poder que tem a bunda

vagalume

Embolarize-se: A Cidade, Novembro Azul, Caju e Castanha, Clarice Lispector do Samba, Clara Nunes., O Último Cine Drive-in, Um dia, um ladrão

Fundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, renunciam

Na tarde desta terça-feira (3), os cofundadores do Google, Larry Page e Sergey Brin, anunciaram que estão deixando o controle da empresa-mãe Alphabet para o atual CEO do Google, Sundar Pichai, mas os dois permanecerão empregados da Alphabet e manterão os assentos no conselho.

A Alphabet, no ano de 2015, marcava uma nova estrutura corporativa sem precedentes para o Vale do Silício, em uma época que gigantes da tecnologia estavam acumulando grande poder e consolidando indústrias. A empresa foi projetada para dividir o Google em seu negócio principal, incluindo os mecanismos de pesquisa e outros produtos massivos, além dos braços diversos, como o laboratório X (anteriormente chamada de Moonshot Google X) e agora a auto-unidade motriz Waymo.
Desde a criação da Alphabet, o preço das ações da empresa mais do que dobrou, assim como a receita. O primeiro relatório trimestral de ganhos da Alphabet registrou vendas de US$ 18,7 bilhões, enquanto o mais recente apontou US$ 36,6 bilhões.
“Não poderíamos imaginar que, em 1998, quando transferimos nossos servidores de um dormitório para uma garagem, a jornada se seguiria”. Olhar Digital

2º Pedal Anchieta

O objetivo aqui é, além de um agradecimento sincero a todos que fizeram o Pedal Anchieta acontecer, é aproveitar para mostrar quem são as pessoas físicas e jurídicas responsáveis por esse sonho se tornar realidade. bicicleteiro

Aproximadamente 40 mil ciclistas da Capital e de outras regiões do país desceram a serra em direção à Baixada Santista na manhã deste domingo (1º), na segunda edição do Pedal Anchieta. O evento de cicloturismo é o segundo maior do mundo em número de participantes.

O trajeto começou no Km 9,7 da Via Anchieta e seguiu por essa rodovia até o Km 40, onde os ciclistas passaram pela Interligação Planalto até a Imigrantes. A descida da serra foi feita pela pista Sul da rodovia. Na altura do Km 61, os participantes se dirigiram novamente para a pista Norte da Anchieta, chegando à entrada de Santos por volta das 10h30. A Tribuna On-line

O ‘embrião’ do evento – organizado pela ONG BRCiclos (Instituto de Pesquisas Ambientais e Mobilidade Sustentável) – teve início em 2008. No ano seguinte, já com a participação de mil cilistas, foi batizado de Passeio Cicloturístico da Rota Márcia Prado, em homenagem à ciclista atropelada e morta por um ônibus em plena Avenida Paulista, em São Paulo. Prefeitura de Santos

Bike-se: NÃO É CARRO X BICICLETA., Bicimáquinas, PLANETÁRIO, BICICLETA EMPRESTADA!, FREE ENERGY, NO LUGAR DA MULTA., Batata Frita, o Ladrão de Bicicleta, Uma viagem de bicicleta, hiBike, Kombi House

A blogueirinha e a Joana

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=2825413017520908&id=173920672670169

Gabriela Pugliesi, a blogueirinha fit, postou no seu instagram que não tem nada melhor do que: “acordar, meditar, alongar, fazer atividade física, ir pra crioterapia e depois fazer drenagem!” Numa Segunda-feira. Não, ela não está de férias!

Ela recebe pra fazer atividade física, pra publicar as marcas que a patrocinam, pra divulgar a massagista, pra dizer que a vida é “mara” e que ela é muito feliz.

Ela também diz que Cúrcuma e Magnésio são “mara” e que fazem bem “pra tudo”. E aí, a Joana (nome fictício) vê isso.

Ela, Joana, acorda cedo, passa um café rapidinho, corre pro trabalho, come no refeitório do serviço, chega em casa depois das 19h, pega seu material de estudos e corre pro inglês. Volta, come qualquer coisa, e dorme porque “todo dia ela faz tudo sempre igual, se sacode às 6h da manhã”. Então, a Joana que é uma pessoa normal, começa a se sentir fracassada. Triste. Talvez seja falta de cúrcuma ?

Ela não consegue acordar, meditar, alongar, treinar, fazer crioterapia e drenagem.
Enquanto a blogueira faz drenagem, ela já está na segunda reunião. Entregando o quarto relatório do dia. E nem 10min de meditação ela consegue fazer!

E o que que essas blogueiras fazem pra humanidade, além de demonstrar uma vida fictícia que NINGUÉM normal pode ter?

E aí vemos jovens cada dia mais depressivos, pessoas cada vez mais imediatistas, profissionais mais frustrados e, a vida real, que era pra ser a vida realmente boa, mesmo com os seus tropeços, vai sendo vista como uma vilã cruel.

Umas semanas atrás, um “coach de life style” se matou. Um tal de Coach Bueno.
Desses que tinham a vida plena na rede social. Mas a vida real, que é boa mesmo com seus percalços, pesou. E ele não aguentou. Vejam só: a maioria dos influenciadores digitais se consultava com ele.
E ele? Se consultava com quem?

Em tempos de cúrcuma, magnésio, vida “mara”, água com limão de manhã, crioterapia, meditação e life style… eu fico com o churrasco, o arroz (pode até ser com açafrão!) com feijão, a vida em família, a religião, a atividade física moderada, e um brigadeiro, que nunca matou ninguém de decepção.

(Texto: Valéria Araujo)

Dia Nacional do Samba

O Dia Nacional do Samba ou Dia do Samba é comemorado anualmente em 2 de dezembro.

O Dia Nacional do Samba não é uma data comemorativa oficial e foi aprovado como lei estadual do Estado da Guanabara (atual município do Rio de Janeiro), através da Lei n° 554, de 27 julho de 1964.

Na Bahia, também havia um projeto de lei, de 1963, que pretendia instituir o Dia do Samba.

Existem variações do samba com outros estilos músicas, o que se destaca é o Samba Rock, o Samba enredo, o Samba pagode, o Samba carnavalesco, o Samba de gafieira e dentre outros. Calendarr

O samba é o gênero musical que mais representa o Brasil. O brasileiro tem no samba a representação de suas raízes e o gênero identitário do povo, não só o marginalizado.

“Pena que sobreviver de cultura hoje é fazer mesmo por amor”.
“Samba é uma cultura que está na pele, nos costumes, na religiosidade”.

A comunidade só tem a ganhar, com a cultura chegando à sua porta de forma espontânea e gratuita”, avalia Negro Vatto, integrante do grupo Samba na Comunidade. Correio Brasiliense

O pesquisador Eduardo Pontin, do Instituto Glória ao Samba (IGS), idealizou um projeto, convidou o sambista e pesquisador Fernando Paiva, também do IGS, para auxiliar a coordenar o projeto, assim, os dois passaram a convocar os maiores pensadores sobre o tema, como Sérgio Cabral, Haroldo Costa, Nei Lopes e Rachel Valença, além de sambistas consagrados, como Cristina Buarque, que se lembraram de 183 livros. Dessa maneira, entre setembro e novembro do ano corrente, 80 especialistas diretamente ligados ao gênero escolheram 10 livros que considerassem ser os mais relevantes da historiografia do tema ou os mais importantes para as suas formações. O resultado é o projeto 50 Livros essenciais da literatura do Samba, que irá se tornar livro pelo IGS. Francisca Sousa – GGN

Não deixe o Samba morrer: Clarice Lispector do Samba, Clara Nunes., Dia da consciência negra e dos seres humanos, De Jobim a Hermeto, JEITO PIRITUBA, CarnaDoria, Monólogo Ao Pé do Ouvido / Banditismo Por Uma Questão de Classe, LIESA, Camarão Que Dorme a Onda Leva

A gente sempre soube.


Todos os indícios — e não há como negar vídeos, esconder ferimentos e calar depoimentos — mostram que a operação Pancadão foi mais uma lamentável demonstração do retrocesso civilizatório que atingiu o país depois das eleições de 2018. A violência policial, os abusos das autoridades que têm a força e o desrespeito em relação a direitos humanos estão, aos poucos, sendo naturalizados. Discute-se o excludente de ilicitude — na verdade, uma licença policial para matar — como se fosse banalidade. Helena Chagas – Brasil 247
Não é. Mas a brutalidade, estimulada pelo poder público, passou a ser aceita por alguns, na ilusão de que ela só atinge os “bandidos” nas periferias, e que eles merecem. Nao é assim. Um dia, o seu filho pode estar no baile. E, se não houver um freio a essa onda por parte de quem foi eleito para governar para todos, um dia ela vai engoli-los também.

Com mais de 100 mil habitantes, Paraisópolis é a segunda maior comunidade de São Paulo, atrás apenas de Heliópolis. O pancadão em que as mortes ocorreram se chama Dz7, conhecido também como Paraíso do Mal, e é um dos maiores de São Paulo. Segundo a PM, havia cerca de 5.000 pessoas no momento das mortes.

Esse tipo de evento ocorre de maneira relativamente descentralizada, principalmente nas periferias de cidades paulistas. Pessoas levam carros com potentes aparelhos de som para a rua, onde música e festa ocorrem pela madrugada.

O fenômeno cultural desperta debates sobre a vida em sociedade. De um lado, há moradores que reclamam do barulho e das aglomerações. De outro, há uma juventude sem acesso a lazer. Desde o início do ano, o governo de São Paulo vem tomando medidas mais enérgicas para tentar suprimir as centenas de pancadões que ocorrem na cidade.

Segundo relatos de dezenas de moradores colhidos pelo site de jornalismo especializado em direitos humanos Ponte Jornalismo, a ação policial ocorreu após cerca de um mês de ameaças de policiais aos moradores.

O sargento da PM Ronald Ruas Silva foi morto em uma troca de tiros na avenida Professor Alcebíades Delamare, próxima a Paraisópolis, no dia 1º de novembro. Depois disso, a PM anunciou uma “operação saturação” na área. Ou seja, uma ação com presença de um grande contingente de policiais.

Segundo relatos obtidos pela Ponte Jornalismo, a polícia estaria, desde então, constrangendo moradores. Ao site a PM afirmou que “faz rondas diárias na região da ocorrência para aumentar a sensação de segurança da população e como medida de prevenção às práticas criminosas”.

Ao vencer a disputa pela prefeitura de São Paulo em 2016, João Doria (PSDB) definiu os pancadões como um “cancro que destrói a sociedade”, e disse que esses eventos eram administrados pela facção PCC (Primeiro Comando da Capital). NEXO JORNAL LTDA.
Joselicio Junior: “Mesmo recheado de contradições, de apropriações pela indústria cultural, de apropriação até mesmo do crime organizado, em alguma medida a transgressão de jovens através dos pancadões tem um caráter insurgente e antissistêmico”
O samba, que hoje é exaltado como um símbolo de nossa identidade nacional, tem suas origens nas senzalas, nos quilombos, na cultura de resistência produzida pelo povo negro e não por acaso, por muitos anos, reprimido duramente pelas forças repressoras do Estado. Basta pesquisar o depoimento de sambistas mais velhos, para ouvir relatos da repressão policial em rodas de samba e desfiles. Os cordões carnavalescos paulistas do início do século XX também eram reprimidos pelo Estado, assim como os estereótipos do malandro, do vadio, sempre foram usados como pretextos para a ação violenta. Joselicio Junior

Os cegos do castelo

Ainda bastante impactado pelas cenas chocantes e brutais da ação policial de repressão ao baile funk em Paraisópolis, na cidade de São Paulo, lembro que hoje é o Dia Nacional do Samba e, inevitavelmente, começo a traçar paralelos entre o samba e o funk.

O samba, que hoje é exaltado como um símbolo de nossa identidade nacional, tem suas origens nas senzalas, nos quilombos, na cultura de resistência produzida pelo povo negro e não por acaso, por muitos anos, reprimido duramente pelas forças repressoras do Estado. Basta pesquisar o depoimento de sambistas mais velhos, para ouvir relatos da repressão policial em rodas de samba e desfiles. Os cordões carnavalescos paulistas do início do século XX também eram reprimidos pelo Estado, assim como os estereótipos do malandro, do vadio, sempre foram usados como pretextos para a ação violenta.

Nos anos 80, os jovens que se reuniam na região central para dar os primeiros passos da cultura hip hop no Brasil também eram reprimidos, sem contar os inúmeros eventos que foram impedidos ou reprimidos nas quebradas.

O funk tem a mesma origem do samba, suas raízes estão no batuque, na batida do maculelê, “é som de preto, de favelado, mas quando toca ninguém fica parado”, como descrevem Amilcka e Chocolate na música “Som de Preto”. Um ritmo dançante, envolvente e que se tornou uma grande expressão cultural da juventude e se ramificou em diversas vertentes, que vão da ostentação, proibidão, melody, ousado, vida real entre vários outros.

Há várias críticas ao funk por conteúdos sexistas, machistas, objetificação das mulheres, ostentação ao crime, ostentação ao consumismo. Críticas que também cabem a outros estilos musicais. Porém, ganham mais potência em relação funk, o que gera uma criminalização da cultura. Como qualquer outra expressão cultural, o funk é fruto do seu tempo e externaliza também as contradições do seu tempo, em alguma medida, é a explosão de uma juventude duramente reprimida em seu cotidiano, uma válvula de escape, uma busca por pertencimento. Portanto, a repressão não será capaz de acabar com essa cultura, pelo contrário, alimenta um espírito de corpo.

Que o Dia Nacional do Samba também nos sirva de reflexão. Se o samba não pode morrer, como exaltou Aloisio Silva e Edson Conceição em 1975, através da linda interpretação de Alcione, que o hip hop, o funk e tantas outras expressões culturais de resistência do nosso povo também permaneçam vivas, mas sobretudo que nosso povo, nossa juventude permaneça viva e tenha direito a um futuro.

Minha solidariedade aos familiares das vítimas, aos feridos fisicamente e psicologicamente. Força à toda comunidade de Paraisópolis! Revista Forum

Funk-se: The policeman, negro e da periferia?!?, Os cegos do castelo, Alexandra Baldeh Loras, Preconceito, é preciso admitir!?!, Jesus do Funk, MC SOFFIA, Isso é normal?, Exu tranca-copa, Bolsa família, Mas que dogs, PANCADARIA DO Ó, Mulheres ou Bruxas?

Cavalo louco

Cavalo Louco (ou Doido, Crazy Horse ou Tashunkewitko no idioma original Lakota) viveu em uma época dramática para os índios norte-americanos. A Guerra Mexicano-Americana (1846–1848), as sucessivas descobertas de ouro e a necessidade de ocupar as terras do oeste norte-americano, acarretaram enxurradas de militares, colonos, aventureiros e mineradores às — “protegidas” por decreto, o Tratado do Forte Laramie (1868), — terras indígenas.


Estima-se que existiam entre 20 e 30 milhões de índios na América do Norte quando os primeiros colonos europeus desembarcaram, mas, ao final do século XIX, esse número teria sido reduzido a apenas 2 milhões.
Embora tenha ocorrido um morticínio indígena durante séculos, no séc. XIX os índios sofreram sucessivas “intervenções controladas” por parte do governo estadunidense que resultaram na extinção de diversas culturas pré-colombianas.


Cavalo Louco decidiu viver livre e morreu jovem, aos 35 anos. Incrível História
Devido ao seu excelente desempenho nas batalhas e suas muitas vitórias contra tribos inimigas, Crazy Horse foi considerado um herói indígena. Foi-se observado também que ele, mesmo tendo a chance, muitas vezes se absteve de matar e apenas golpeou o inimigo. Guerreiros Sioux
Ao lado de Touro Sentado, Cavalo Louco conduziu seus guerreiros durante a batalha de Little Bighorn, onde morreu o célebre General Custer. Cavalo Louco foi um respeitado ameríndio Sioux, líder militar da tribo dos Oglala Lakota. Seu povo além de lutar contra a Cavalaria americana também vencera várias tribos rivais. A história do povo Sioux é contada no belo filme “Enterrem meu Coração na Curva do Rio” lançado em 2007. Obvious
Mas há porém que se lançar sobre os povos indígenas, um olhar que passe ao largo do estigmas de apenas vítimas ou então selvagens antropófagos. Os índios já foram sacralizados e demonizados conforme a época e o interesse político das américas colonizadas. Mas os indígenas foram antes de tudo seres humanos que viviam em grupos sociais que também poderiam se chamar, antes dos povos do velho continente aqui chegarem; de nação, com suas crenças e seus costumes. E, como humanos que eram também gostavam das disputas entre si, eram povos guerreiros. Quando o homem branco chegou, se encantaram com as facilidades e também com os vícios do mundo civilizado mas ao que tudo indica, fizemos mais mal à eles do que eles à nós.

Cavalo Louco possui uma extensa biografia sobre suas atuações militares. Ficou conhecido por rechaçar toda uma força do exército americano, fazendo parte assim da grande vitória indígena na Batalha de Little BigHorn, durante a Guerra Sioux, ao lado de Touro Sentado. Cavalo Louco acabou se rendendo ao exército. 4 meses depois, foi morto por um guarda em sua cela.
A expansão territorial dos Estados Unidos custou a vida e a terra dos índios. Nuvem Vermelha disse uma vez: Radio Yandê
”Fizeram-nos muitas promessas, mais do que eu posso lembrar. Mas eles nunca as cumpriram, menos uma: prometeram tomar nossa terra e a tomaram”

A fala “Today is a good day to die”, ou “hoje é um bom dia para morrer” muito usada pelos Klingons de Star Trek, foi primeiramente dita em Pequeno Grande Homem pelo Old Lodge Skins, interpretado por Chief Dan George. Adoro Cinema

Humanize-se: The Lone Ranger, A, Os índios nos gibis., Era da Pilhagem, Erva Mate, Bandeirantes Modernos, Humans, A Odisseia dos Tontos, Manual dos remédios tradicionais Yanomami

República dos bananas

O acampamento produzia anualmente mais de 7,2 mil toneladas de alimentos, gerando trabalho e renda para mais de 5 mil pessoas, segundo o MST. Juliana Almirante – Metro1

A ação de reintegração de posse foi deflagrada pela Polícia Federal em favor da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), para desocupação de uma área de aproximadamente 1727 hectares.

Banalize-se: Embalos de bananas, Banana power verde, 1ª Feira de Economia Solidária e Agricultura Familiar, Conheça 13 maneiras de reaproveitar sobras e cascas de frutas e vegetais, Banana, tumblr, Banana Republic, Gastronomia Funcional

Van movida a energia solar ou com banheiro?!?

Por anos Brett Belen idealizou veículos elétricos abastecidos coma luz do sol. Ou seja, nada de posto de gasolina, bastava estacionar o carro e esperar algumas horas para cair na estrada de novo. E para viabilizar suas viagens em família, ele transformou a icônica “pão-de-forma” da Volkswagen numa van elétrica alimentada a energia solar, altamente funcional.solarvan3

Aproveitou o modelo de 1973, espaçoso e com uma vasta área de tejadilho para aplicar um enorme painel fotovoltaico, que proporciona exposição solar máxima ao sol. Ele é composto por quatro paineis LG de 305 watts que, quando levantados, assumem a posição diagonal num ângulo máximo de 40º, e se encarregam de gerar mais combustível para a van.

Quando posicionada de forma correta para acompanhar o movimento do sol, ela pode ser carregada e aproveitar 6 horas de energia solar! Seu interior é equipado com mesas dobráveis as laterais feitas com tecido à prova de água, como o de uma tenda de campismo, garantido conforto para toda a família. Vivimetaliun

solarvan1

Todas as fotos © Brett

Concentrador Solar Luminescente

Pesquisadores da Universidade Estadual do Michigan, EUA, desenvolveram painéis solares completamente transparentes, que podem ter inúmeras aplicações na arquitetura e também em outros campos, como por exemplo no desenvolvimento de automóveis, um concentrador solar luminescente transparente, que pode ser colocado sobre uma superfície transparente como uma janela, por exemplo. Pode colher energia solar sem afetar a passagem da luz. bastanteinteressante

A tecnologia utiliza moléculas orgânicas que absorvem comprimentos de onda de luz que não são visíveis ao olho humano, como a luz infravermelha e ultravioleta.

Yimu Zhao, estudante e doutorada em engenharia química e ciência dos materiais, e Richard Lunt, professor assistente de engenharia química e ciência dos materiais – Fotografia: por GL Kohuth

“Se as células puderem ser feitas de forma a durarem muito tempo, estes dispositivos poderão ser integrados em janelas de modo relativamente barato, já que grande parte do custo da energia fotovoltaica convencional não é da própria célula solar, mas dos materiais em que é aplicada, como o alumínio e o vidro. O revestimento de estruturas existentes com células solares eliminaria parte desse custo de material.” New York Times

O material é ajustado para captar ondas no campo do ultravioleta e do infravermelho, convertendo depois essa energia em eletricidade, graças a pequenos filamentos de células fotovoltaicas presentes no seu interior, por conta disso não há perda nenhuma de visibilidade — já que nenhum humano consegue ver acima do ultravioleta ou abaixo do infravermelho.

De acordo com Richard Lunt, que liderou os experimentos, as células solares transparentes registraram eficiência na casa dos 5%. A efeito de comparação, a eficácia de painéis tradicionais fica entre 15 e 18%. A principal diferença entre os dois, no entanto, é a possibilidade de se aplicar a cobertura transparente em uma área maior e mais diversa. Guilherme Eler, de SUPERExame

Blocos de vidro que geram energia solar são desenvolvidos por pesquisadores na Inglaterra.

Na Inglaterra, pesquisadores da Universidade de Exeter desenvolveram blocos de vidros com pequenas células solares integradas. Esta invenção foi batizada de “Solar Squared”. Os responsáveis pelo invento garantem que os blocos contam com isolamento térmico e também permitem que a luz natural entre nas casas e edifícios.
Fabricados com tecnologia que garante máxima absorção solar, os blocos possuem outra vantagem: eles podem ser utilizados tanto em novas construções quanto em reformas. Portal Solar

Sistema fotovoltaico transparente de gel de silício

Semicondutor que explora a propriedades do silício. Os fotões, que compõem os raios solares, atingem os átomos de silício presentes no gel, provocando energia cinética (é como um impulso que gera movimento e este se transforma em energia elétrica dentro da estrutura cristalina do silício, que atua como semicondutor).

É aplicado entre o vidro duplo, através de uma injeção do gel no espaço do vidro duplo, mas se for num vidro simples, este é pulverizado.

Sistema fotovoltaico transparente de base orgânica

Determinados tipos de polímeros. As novas células solares consistem em dois elétrodos no meio dos quais se coloca uma camada de semicondutor orgânico.

Este tem a função de absorver a energia solar incidente e gerar eletrões, quando estes são recolhidos pelos elétrodos é produzida a corrente elétrica.

Sistema fotovoltaico transparente de grafeno

O grafeno é composto por uma única camada de átomos de carbono, e devido a ser transparente, não bloqueia a absorção de luz solar. Mas este não adere à base da célula, como tal, ainda há investigadores a tentar modificar a superfície que é impura. Portal Energia

Filtro de barro brasileiro é considerado o melhor do mundo

Os filtros de barro estão presentes em muitas casas brasileiras, e de acordo com pesquisas realizadas por cientistas norte-americanos, e publicadas no livro “The Drinking Water Book”, de Colin Ingram, nossos filtros têm, provavelmente, o melhor sistema de purificação de água do mundo.

Um dos fatores que contribuem para essa eficiência dos filtros de barro é a sua câmara de filtragem de cerâmica, feita de velas de cerâmica, que são muito eficazes no trabalho de retenção de cloro, pesticidas, ferro e alumínio.

Nos filtros de barro, a filtragem é realizada através da gravidade, com a água passando pelas velas e gotejando lentamente para o reservatório inferior.

Fabricados de maneira quase artesanal a partir de barro ou argila, os filtros eram antigamente feitos por pequenos fabricantes, mas hoje em dia existem muitas fábricas especializadas nesse tipo de produção. A história do filtro de argila é, na verdade, bem antiga: foi em 1827 que o inglês Henry Doulton inventou o sistema de tratamento de água através das velas de cerâmica; então, após 8 anos, a Rainha da Inglaterra Victoria pediu que ele passasse a produzir tais filtros para a corte britânica.

O funcionamento desse filtro é simples, porém muito eficiente. De maneira lenta, pela ação da gravidade, a água passa pelos poros do filtro de cerâmica, sendo filtrada, e então fica armazenada na parte inferior, alguns filtros de cerâmica podem ainda serem tratados com uma camada de prata, que previne que microrganismos e algas comecem a crescer no interior dos recipientes. Ciencia Informativa

Os filtros de barro já foram testados por cientistas de várias universidades e sua eficácia foi comprovada por esses testes. É claro que a qualidade da cerâmica e dos outros materiais interferem nessa eficácia. Além da eficiência em filtrar a água, todos que têm um filtro desse em casa sabem que ela fica bem fresquinha, até 5ºC mais gelada que a temperatura externa. O filtro de cerâmica, no entanto, não é eficiente para remover partículas virais, pois essas são menores que o tamanho que os poros conseguem filtrar.
A eficácia do filtro de barro é tanta que, inclusive, ele é o mais recomendado em países que têm grandes problemas com doenças transmitidas pela água contaminada, principalmente diarreia em crianças, que frequentemente pode levar à morte. Nesses casos, além de ser um método fácil de ser usado, ele é muito mais barato e precisa de pouca manutenção. Nathália de Moraes – nathalia.esalq.bio@gmail.com

Ague-se: Pés no chão, Piscina biológica sem cloro, Água forever, Água aromatizada, Dia Mundial da Água, Carmina Burana: Introduction (O Fortuna)

The policeman, negro e da periferia?!?

Quem é a pessoa por trás do uniforme?!?

No período pós-Abolição, cientistas argumentavam ma visão calcada na antropometria; as afirmações demonstravam uma inferioridade dos africanos, a partir dos traços fenotípicos (cor da pele, lábios grossos, textura do cabelo), e uma capacidade degenerada de reprodução de seus descendentes, que influenciaria a composição do povo brasileiro.

Fonte: Farda & “cor”: um estudo racial nas patentes da polícia militar da Bahia. Jaime P. Ramalho Neto – Mestre em Estudos Étnicos e Africanos pela Universidade Federal da Bahia

Bill Gates, Heliogen and combustões

O mais importante passo para reduzir ou mesmo acabar com o uso de combustíveis fósseis e enfim começar a salvar de fato o planeta pode ter sido dado pela combinação de duas tecnologias, uma supermoderna, e outra ancestral: inteligência artificial e espelhos. A técnica, desenvolvida e realizada pela startup Heliogen, cria uma espécie de forno de altíssima potência, capaz de atingir temperaturas acima de mil graus – o equivalente a um quarto da temperatura do sol – e, com isso, substituir o uso de combustíveis fósseis nas indústrias mais poluentes do mundo. Vivimetaliun

O sistema é tão simples quanto eficaz: ao invés de capturar energia com painéis solares, ele concentra e acumula os raios do sol em um único ponto – apontando milhares de espelhos para o tal “forno” com precisão através da inteligência artificial. “Se você pegar mil espelhos e alinhá-los exatamente em um único ponto, poderá atingir temperaturas extremamente altas”, diz Bill Gross, fundador e CEO da Heliogen. A novidade pode, por exemplo, reduzir em até 60% o uso de combustíveis fósseis para produção de cimento, aço, vidro e mais materiais – responsáveis por boa parte da emissão de carbono no planeta.

Um dos apoiadores e patrocinadores da Heliogen foi o bilionário estadunidense Bill Gates, que vê na empresa um trabalho “promissor na busca de um dia substituir o combustível fóssil”, afirmou. Segundo Gross, a usina – que funciona mesmo em dias nublados, graças a um sistema de reserva – é capaz de gerar energia suficiente para um dia poder sintetizar hidrogênio em larga escala, capaz de ser transformado em combustível para aviões e carros. A produção de um hidrogênio “verde” seria, segundo Gross, uma mudança de jogo real na questão ambiental. “A longo prazo, queremos ser a empresa do hidrogênio verde”, afirmou.

Até lá, porém, a produção de energia solar e a substituição dos combustíveis fósseis nessas industrias poluentes é o foco da Heliogen. Em breve serão anunciados os primeiros clientes da startup, para assim convencer outras empresas e indústrias a escolherem o novo sistema, mais sustentável e limpo – e com o selo de aprovação de Bill Gates e do futuro do planeta. © fotos: divulgação/fonte:via

Zero Carbonize-se: Miniusina de energia, Planta autosuficiente, Minhocário., NAARA BEAUTY DRINK!!!, Árvores?, Empoderamento dos recursos, Árvore de energia solar, Parede de energia infinita, Energia eólica, 30% do Nordeste, Casa sustentável tem conta de luz de R$ 7,50 por ano

Patrono do esporte brasileiro

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (24) o Projeto de Lei 2793/19, do deputado Filipe Barros (PSL-PR), que declara o piloto Ayrton Senna da Silva, morto em 1994, como patrono do esporte brasileiro.
Filipe Barros lembra que Senna morreu de maneira trágica, recebendo tratamento de herói nacional, em 1º de maio de 1994, aos 34 anos, após acidente no Grande Prêmio de San Marino, em Ímola.

O projeto tramitou em caráter conclusivo e seguirá para a análise do Senado, a menos que haja recurso para votação pelo Plenário da Câmara. Câmara dos Deputados – Pierre Triboli

Para o deputado é importante destacar que a relevância do piloto é reconhecida mundialmente, mesmo após 25 anos da sua morte. “Anos após sua morte, em 2009, Ayrton Senna foi eleito, numa consulta a 217 pilotos da Fórmula 1 pela revista inglesa Autosport, o melhor piloto de Fórmula 1 de todos os tempos”.

Diversos documentários foram feitos para contar a história de Senna. Em 2017 foi lançado um vídeo com depoimentos de diversos pilotos e integrantes do universo da F1 sobre o piloto brasileiro. Diário do Poder

Ayrton Senna da Silva, ou simplesmente Senna, foi um piloto de Fórmula 1 das décadas de 80 e 90 e maior ídolo brasileiro do automobilismo. Nasceu em São Paulo, no dia 21 de março de 1960, e morreu de maneira trágica em 1º de maio de 1994, após colidir com uma mureta de proteção no Grande Prêmio de San Marino, em Ímola. Seu velório foi um dos mais marcantes da história do Brasil, durou cerca de 22 horas e foi acompanhado por aproximadamente 240 mil pessoas.

A carreira de Senna no automobilismo começou como a da maioria dos pilotos: no kart. Aos quatro anos, Ayrton ganhou o seu primeiro kart, construído pelo seu pai. O motor foi tirado de um cortador de grama, mas chegava aos 60 km/h. O kart foi montado pelo pai foi o principal “brinquedo” de Ayrton na infância.

A partir dos sete anos de idade, Ayrton passou a dirigir um kart profissional, mas sem participar de competições. A primeira volta de Senna em um circuito de kart foi aos 11 anos, na chuva. Um ano depois, desmontou seu próprio kart para descobrir a função de cada peça e entender como poderia ser mais rápido. BrasilEscola

Terry Fullerton era, pra mim, um piloto completo. Tenho boas lembranças disso. Era competição pura, automobilismo puro. Sem política nem dinheiro envolvido.” (Ayrton Senna).


Apesar dos bons resultados nos testes pela Williams e McLaren, era arriscado para as grandes equipes contratarem um jovem como piloto titular. Senna conversou com a Lotus, equipe mediana da época, mas a única proposta oficial veio da pequena equipe Toleman. “Era melhor assinar com a Toleman do que me aposentar no automobilismo”, afirmou Senna.
As vitórias e ações de Senna o fizeram se tornar um herói nacional. No final da década de 80, o Brasil havia recém-saído da Ditadura Militar e passava por um momento econômico difícil. A renda per capita declinou e o percentual de brasileiros na linha da pobreza havia aumentado. O brasileiro não tinha muito do que se orgulhar, mas Senna fazia questão de afirmar sua nacionalidade e desfilava com a bandeira nacional em suas vitórias. Esses gestos e a exploração da imagem de Senna pela TV contribuíram para a construção de um arquétipo de herói nacional.

Silve-se: Ayrton Senna dSilva, Centro de Esportes Radicais,

O POVO BRASILEIRO

Darcy Ribeiro tem uma interpretação própria da formação do povo brasileiro a partir de três matrizes básicas: os índios que habitavam originalmente a terra, o europeu descobridor-colonizador (os portugueses) e os africanos escravizados. Nesse caldo cultural mais miscigenado do mundo, coexistem culturas tão diferentes entre si e dão origem a um povo e uma sociedade singular. Bons livros para ler

Quem são os brasileiros? Para respondermos a essa pergunta, temos que ir ao ponto central e, como todos aqueles que aprenderam História sabem, os índios encontrados no litoral foram principalmente de tronco Tupi. Somavam um milhão de índios divididos em dezenas de grupos tribais, cada um deles compreendendo várias aldeias de trezentos a dois mil habitantes. Podemos dizer que (em número) a população indígena era a mesma que a de Portugal.

Os povos indígenas eram estruturados autonomamente. No entanto, quando eles perceberam a chegada de europeus, viram como algo espantoso, mítico, algo enviado pelo Deus Sol, o criador. Esses recém-chegados, saídos do mar, eram feios, fétidos e infectos. Pouco mais tarde, essa visão idílica que os índios tinham dos novos visitantes se dissipa. A destruição das bases da vida social indígena, a negação de todos os seus valores, o despojo, o cativeiro, muitíssimos índios deitavam em suas redes e se deixavam morrer, como só eles têm o poder de fazer.

Para os “civilizados”, a vida era uma tarefa, uma sofrida obrigação, subordinada ao lucro. Condenados à tristeza, os índios cativos, sobretudo suas mulheres através do sexo, forneciam também as alegrias para os invasores. Frente a essa invasão, os índios defenderam até o limite possível seu modo de ser e de viver, principalmente depois de perderem as ilusões dos primeiros contatos pacíficos, quando perceberam que a submissão ao invasor representava sua desumanização como bestas de carga.

Os invasores trouxeram a coqueluche, a tuberculose e o sarampo. O encontro entre essas duas civilizações começa como uma guerra bacteriológica. De um lado, pessoas que viveram entre pestes, que sobreviveram e que desenvolveram resistência a doenças desse tipo. Do outro lado, pessoas indefesas, que morreram aos milhares pelas doenças trazidas. O encontro da civilização com os povos indígenas em um primeiro momento acontece através de pestes mortais e a dizimação.

“Os brasilíndios ou mamelucos paulistas foram vítimas de duas rejeições drásticas. A dos pais, com quem queriam identificar-se, mas que os viam como impuros filhos da terra,aproveitavam bem seu trabalho quando meninos e rapazes e, depois, os integravam a suas bandeiras, onde muitos deles fizeram carreira. A segunda rejeição era do gentio materno. Na concepção dos índios, a mulher é um simples saco em que o macho deposita a semente. Quem nasce é o filho do pai, e não da mãe, assim visto pelos índios. Não podendo identificar-se com uns nem com outros de seus ancestrais, que o rejeitavam, o mameluco caía numa terra de ninguém, a partir da qual constrói sua identidade de brasileiro.” (pg 82, pg 83)

Mameluqueze-se: Manuel Edmilson da Cruz, A Invasão do Brasil, EU SOU GUARANI KAIOWÁ, TODO DIA ERA DIA DE ÍNDIO, ÍNDIO EDUCA, TERRA SEM MALES, EJU ORENDIVE, RELATÓRIO FIGUEIREDO, SANTO PADRE JOSÉ DE ANCHIETA, BRÔ MC´S