the prayer

art – the prayer – wood sculpture.  Paul Militaru 
God bless you!
It is better to light just one little candle

Prayeze-se: Dor é isso!!!, Roda Viva – Ailton Krenak – 19/04/2021, Quando me amei de verdade, 8 REGRAS DE SCHOPENHAUER PARA A FELICIDADE, A lenda do fio vermelho, Sexta Feira 13, muito amor para vocês!, A igreja de todos os Deuses

Aqui tem justiça!?!

Jusbrasil

O Tribunal Superior do Trabalho está participando da campanha “Aqui Tem Justiça”. Criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com os Tribunais Superiores e as associações de magistrados, o projeto busca aproximar os cidadãos das informações do Poder Judiciário por meio das redes sociais.

A participação da Justiça do Trabalho tem como intenção valorizar programas, projetos e ações que tratam da garantia dos direitos individuais e coletivos previstos na Constituição da República e nas leis do trabalho.

Justize-se: Um bom lugar, Camarote.21 – Especial “Curiosidades Gastronômicas”, Dinâmicos, RIGOLETTO, DE GIUSEPPE VERDI, Futuras gerações?!?, Industria da multa, Gente superior, Perdão

MACACOS entraram na IDADE DA PEDRA, e agora?

MACACOS entraram na IDADE DA PEDRA, e agora?Ponto em Comum

Gorilas, chimpanzés, orangotangos e todos as outras espécies de primatas possuem muito em comum, porém dentre esses animais somente o ser humano é capaz de criar ferramentas tão complexas. A humanidade levou milhares de anos pra chegar até computadores e foguetes espaciais mas tudo começou com objetos bem mais simples, tudo começou quando éramos apenas caçadores coletores, mulheres e homens das cavernas que usavam somente pedras pra caçar e se defender de predadores. E recentemente macacos também entraram na sua própria idade da pedra. Porém será que isso quer dizer que eles vão dar os passos seguintes? Será que farão ferramentas cada vez mais complexas e vão se aproximar da nossa civilização humana? Será que um dia eles se tornarão tão inteligentes quanto nós? Será que o destino de todo primata é se tornar futuros humanos?

Larica. Truques para não extrapolar.

Não tem jeito, o assunto larica sempre surge quando a galera da Doctor Banz se reúne pra uma sesh. E de fato, sempre tem alguém que precisa maneirar na comilança e um outro que chega a passar mal de tanto comer.

Já falamos aqui sobre a variedade THCV encontrada em algumas strains que agem como inibidores de apetite, mas enquanto essa tecnologia não chega tão facilmente ao nosso alcance decidimos reunir algumas ideias para BURLAR A LARICA.

O porquê de maneirar nesse tipo de alimentação é muito particular, já que para muitos laricar é um verbo obrigatório pós mente feita, mas não podemos deixar de afirmar que, às vezes, perdemos o limite e acabamos extrapolando na alimentação.

1- Beba muita água

Um estudo realizado pela Universidade Virginia Tech nos Estados Unidos, divulgou que beber água faz com que o estômago fique dilatado, trazendo temporariamente a sensação de saciedade.

2- Coma antes de fumar

Caso seja um momento especial do seu dia… porque não se preparar um pouquinho mais? Comer antes do ritual fumaçonico é uma bela jogada pra na hora que a fome bater: Epa! Acabei de comer, impossível ser fome!


3- Frutas geladas

Certamente nada melhor do que comer com vontade e ainda sentir o gosto acentuado da sua fruta predileta. A dica é: escolha uma fruta de sua preferência, corte em pedaços e reserve na geladeira. Só não esqueça de maneirar, tudo é equilíbrio.

4- Pratique alguma atividade

Desde uma simples corrida até uma partida de cartas o importante é focar em outro assunto. Aproveite esse momento para relaxar rindo de algo, se exercitando ou realizando alguma tarefa produtiva. Use o efeito com foco em alguma ação.

Enfim, já usaram um desses truques? Nos ajudem a aumentar essa lista!

Banzai!

Larize-se: CDB e Olímpiadas, as Cannalimpíadas!, A maior mentira contada contra a humanidade, 4 receitas de bebidas que ajudam você a perder peso, Receita de Spa em casa, 15 RECEITAS COM TAPIOCA: PRÁTICAS E DELICIOSAS, Bao’, receita de massa de sua mãe, Receitas rápidas de verão, Receita contra a depressão

Wuthering Heights

Kate Bush – Wuthering Heights (A História por trás da música)Leandro Dias

Em 1977, uma Kate Bush de apenas dezoito anos escreveria a música que, um ano depois, se tornaria seu single de estreia e marcaria sua entrada explosiva na indústria fonográfica. A inspiração para aquela, até então adolescente, seria uma reprise pelo canal BBC da adaptação televisiva de 1967 do livro Wuthering Heights, em português O Morro dos Ventos Uivantes, publicado em 1847 por Emily Brontë. A minissérie de quatro episódios despertou na jovem o interesse em ler a obra original e ao já estar completamente fascinada pela história, veio a descobrir que dividia o mesmo dia de aniversário com a autora. A canção, além de levar aquela novata ao estrelato, torna-se número um em cinco países – incluindo a Inglaterra, onde Bush nasceu e criou-se – e a ratificaria como a primeira artista feminina a alcançar o primeiro lugar com uma música completamente autoral. Yasmin T

Retrato de Emily Brontë, escritora de Wuthering Heights

As referências e alusões que Bush faz ao livro, tanto na música quanto no vídeo, são múltiplas e para quem não é familiarizado com o texto de Brontë elas podem passar desapercebidas ou perderem seu impacto.

Ian McShane e Angela Scoular como Heathcliff e Cathy na adaptação de quatro episódios para a BBC. A conexão inicial da artista com o livro.

Kate Bush chegou para gravar seu primeiro album, The Kick Inside, com várias músicas compostas, mas Wuthering Heights ela escreveu em poucas horas. Os executivos nem queriam lançar essa música, mas Kate insistiu e foi o sucesso que conhecemos até hoje. Caderninho da Tia Helo

Uize-se: INGLÊS COM MÚSICA, HUMAN’s Musics, 11 músicas que falam de saudade, The bad trip da música, Músic of Cold Case, Music of House, Racunho Music, Perdidos na Noite 1986-1988, Heal The World

Ouça o meu chamado

Ouça o meu chamadoClaudiney Prieto

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã
Esteja aqui escute essa canção
Ouça o meu chamado através dos mundos

Jovem, Mãe, Anciã. letras.mus

Ouçaze-se: Poesia mística em Kabir, Rumi e Tagore 2018, HUMAN’s Musics, 11 músicas que falam de saudade, Dia do músico, Racunho Music, You Get What You Give, VERDINHA, TIMEOUT CONVIDA! | LOVE WILL TEAR US APART feat. MY LAST BIKE, Eju orendive

Ora Ballet Cat, um Fusca elétrico?!?

On the Shanghai Auto Show, Great Wall’s trendy ORA EV brand unveiled the ORA Punk Cat, a concept that looked a tad too much like a mix between the Volkswagen Beetle and the New Beetle, with two extra doors. ORA has just released an official image of the production version of the Punk Cat. CarNewsChina

Através da submarca baseada em veículos elétricos da Great Wall, chamada Ora, o famoso Fusca reaparece com duas opções de acabamento, uma sob o nome de Punk Cat (para o público masculino) e outra com o nome de Ballet Cat (para o público feminino), movimento inclusive que vai na contramão do mundo focado em ESG.

A marca aponta que não se trata do mesmo carro pois um deles tem asa traseira e novas cores e as diferenças devem ser relacionadas com os conjuntos óticos tanto dianteiros como traseiros.

Durante o Salão de Chengdu, a empresa Great Wall fez a apresentação oficial do Ora Ballet Cat, o controverso carro elétrico com visual inspirado no VW Fusca. Julio CesarInsideEVs

Na prática, o Ballet Cat é uma versão atualizada do conceito Ora Punk Cat, apresentado em abril no Salão de Xangai e que causou alvoroço pela semelhança com o clássico alemão, inclusive com declarações e ameaças de processo por parte Volkswagen. Isso motivou algumas modificações no conceito, que tem lançamento e início de vendas previsto para o início de 2022 na China.

A aparência do Punk Cat é mais retrô que a dos modelos New Beetle e Beetle produzidos pela Volkswagen entre 1997 e 2019. Parece mesmo um Fusca alargado e esticado. São quatro portas, mas até que os acessos ao banco de trás estão bem disfarçados.

Algumas alterações foram realizadas no modelo pela Great Wall Motors, em relação à versão apresentada em Xangai (o Ora Punk Cat) . Por exemplo, os faróis dianteiros e as lanternas traseiras receberam novo design, a fim de diferenciar o Ballet Cat do Fusca original. Além disso, uma nova placa surgiu na tampa do porta-malas. Garagem 360

Por dentro, o ambiente destoa da inspiração exterior, exceto pelo volante de três raios com aro cromado “meia-lua”. Cluster digital, multimídia de tela grande e um console de cristal, mostram que a proposta desse Fusca passa longe de ser popular. Ricardo de OliveiraNotícias Automotivas

Com relação à parte mecânica, as opções que ventilaram sobre as baterias seriam de 47,8 kWh e 59,1 kWh, com 401 km e 501 km de autonomia, respectivamente. Claudia Carsughi

Com bancos em couro com costuras retas, o Ballet Cat busca o cliente feminino e exibe no acabamento desenhos de flores, plantas e pássaros, tudo para agradar aquelas que passarão o cartão magnético para ter um, na garagem.

Curiosamente, a mídia chinesa informa que a ORA solicitou a patente para o design do Punk Cat no Escritório de Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) e que o pedido foi aprovado. A patente é considerada válida por 5 anos, podendo ser renovada por um máximo de 25 anos. Naturalmente, o máximo de 25 anos significa que todas as patentes do Volkswagen Fusca original perderam a validade há muito tempo, mas o Novo Fusca estreou em 1997 + 25 = 2022.

Great Wall Motors | Ora Ballet Cat | Fake Chinese Volkswagen Beetle Has a New Name | Ora Ballet Cat

Oraze-se: Nada se cria, tudo se copia!, Fusca versão Porsche, O Fusca está de volta e agora será elétrico, , Aline Gonçalves Santos e o fusca elétrico, ID.3, quer ser o Fusca elétrico.

Setembro amarelo: prevenção ou mercantilização?

A prevenção do suicídio é um tema de esclarecimento necessário, sobretudo quando nos defrontamos com os dados epidemiológicos: quase 80% de todas as mortes por suicídio do mundo ocorrem nos chamados países em desenvolvimento; mesmo nos países com alta renda, os suicídios se concentram nas populações vulnerabilizadas e periféricas; no Brasil, os segmentos que mais se matam são aqueles que mais sofrem violência, a saber, a população indígena, preta, LGBTQIA+ e idosa. Deste modo, revela-se muito explicitamente a relação entre suicídio e violência estrutural, assim como a complexidade do fenômeno para se pensar políticas de prevenção de tipo universal, seletiva e indicada. THIAGO BLOSS DE ARAÚJO – a terra é redonda

Entretanto, a generalização da campanha para todo o mês de setembro produziu, nos últimos anos, um efeito contrário ao pretendido: a mercantilização e a desinformação sobre o comportamento suicida. Tornou-se já um “market trend” neste período que profissionais qualificados e não qualificados, blogueiros, celebridades e políticos se aproveitem da questão social do suicídio como plataforma de autopromoção.

Um dos dados equivocados repetidamente difundidos no Setembro Amarelo – tanto por alguns “especialistas”, quanto por oportunistas – é o de que 90% dos casos de suicídio estão associados a transtornos mentais.

Este dado, já refutado por sua fragilidade metodológica, tem sua origem em pesquisas de análise retrospectiva de mortes por suicídio no final dos anos 1990 e início dos 2000. Tais pesquisas estão embasadas sob forte olhar medicalizado do fenômeno humano, que acaba por reduzir o suicídio a uma patologia.

Com efeito, a reprodução irresponsável desses dados obedece a uma racionalidade mercadológica. Neste mês vemos crescer de forma exponencial profissionais da saúde mental ou até da administração de empresas, que vendem soluções mágicas para o comportamento suicida, sejam elas de origem comportamental, motivacional ou medicamentosa.

Deste modo, um fenômeno socialmente determinado como o suicídio, converte-se em objeto de discursos individualizantes e patologizantes, reduz-se a uma anormalidade a ser corrigida. Ou seja, tal como na Idade Média, o indivíduo que apresenta comportamento suicida se torna alvo de expiação e culpabilização por seu desespero diabólico.

Mesmo os profissionais com formação adequada no tema tendem a cair nesse tipo de racionalidade. A tendência neoliberal de converter tudo, inclusive a saúde mental, em objeto de administração empresarial de si, torna muitos profissionais qualificados reféns dessa lógica mercadológica. Mesmo sem a intenção, muitos colaboram para a espetacularização e mercantilização do suicídio ao restringirem seu campo de reflexão a soluções morais, discursos de união e empatia, por justamente serem os mais propícios ao consumo nas redes sociais e à aceitação pelo senso comum. Esta fórmula seduz inclusive gestores públicos, que compram a ideia e assim se eximem da responsabilidade de implementar políticas públicas de redução das desigualdades. Aliás, é importante lembrar que a redução das desigualdades tem impacto na redução dos suicídios. Por exemplo, os municípios brasileiros que dispõem de um Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e programas de transferência de renda bem estruturados apresentam números menores de suicídios.

Deste modo, em seu atual formato o Setembro Amarelo se mostra ineficaz para dar conta da principal raiz do comportamento suicida: a violência estrutural. Ao invés de o mês de conscientização sobre a prevenção do suicídio apontar para a necessidade da redução das desigualdades, da implementação de políticas públicas, da garantia de direitos e da busca por uma sociedade justa, o que se vê atualmente é a redução da saúde mental à sua dimensão mais abstrata, a saber, a do indivíduo convertido em “empresa-de-si”.

Fora desta relação, cada indivíduo-empresa defende os valores que bem entende, desvinculados de qualquer compromisso coletivo. Daí a contradição presente em muitos casos de pessoas que se dizem a favor da prevenção do suicídio e que, ao mesmo tempo, são a favor da pena de morte. Tornam-se defensores da “valorização da vida” conforme a ocasião, conforme o negócio, conforme a conveniência.

Obviamente, a solidariedade e a sensibilização com o sofrimento do outro é de extrema importância. Isto seria o fundamento de qualquer relação que se queira saudável e é sem dúvida uma premissa para a prevenção do suicídio. Entretanto, atualmente paramos nessa premissa.

É sempre necessário lembrar da importância do trabalho do Centro de Valorização da Vida (CVV) no acolhimento de pessoas em crise suicida. Trata-se de um serviço gratuito, disponível 24 horas por dia, que pode ser acessado pelo telefone 188 de qualquer região do país.

O que significa o 10 de setembro? com a psicóloga Luana Lima e a Jornalista Cleisla GarciaCVVOficial

Setemze-se: , , Setembro amarelo, UM PASSADO AINDA MUITO PRESENTE

Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio

O suicídio pode ser definido como um ato deliberado executado pelo próprio indivíduo, cuja intenção seja a morte, de forma consciente e intencional, usando um meio que acredita ser letal. Também fazem parte do que habitualmente é chamado de comportamento suicida: os pensamentos, os planos e a tentativa de suicídio. Biblioteca Virtual em Saúde – MINISTÉRIO DA SAÚDE

É um comportamento com determinantes multifatoriais, resultado de uma complexa interação de fatores psicológicos e biológicos, inclusive genéticos, culturais e socioambientais. Dessa forma, deve ser considerado como o desfecho de uma série de fatores que se acumulam na história do indivíduo, não podendo ser considerado de forma causal e simplista apenas a determinados acontecimentos pontuais da vida do sujeito. É a consequência final de um processo.

Diversos fatores podem impedir a detecção precoce e, consequentemente, a prevenção do suicídio. O estigma e o tabu relacionados ao assunto são aspectos importantes. Durante séculos de nossa história, por razões religiosas, morais e culturais, o suicídio foi considerado um grande “pecado”, talvez o pior deles.

A prevenção deve ser também um movimento que leve em consideração os aspectos biológico, psicológico, político, social e cultural, no qual o indivíduo é considerado como um todo em sua complexidade.

O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias.

Preveze-se: Gamers e o CVV,Setembro Amarelo, CVV nas mídias sociais, Setembro amarelo, 10 de Setembro é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, Setembro Vermelho

31 Brutally Honest Illustrations By Gerhard Haderer Show What’s Wrong With Today’s Society

satirical-illustrations-gerhard-haderer-1


Art isn’t created just to please our eyes; it also transfers ideas and provokes thought on social problems. Austrian cartoonist Gerhard Haderer has been producing satirical illustrations and cartoons for adults for decades now, highlighting the awful problems with society. Greta JaruševičiūtėBoredPanda

Satirical Illustrations
Did you know that a couple of years ago, there were more selfie related deaths than shark related deaths?

Gerhard Haderer had even faced the court for one of his brutally honest books, The Life of Jesus. It triggered violent reactions, because of the society problems discussed in it, in Europe, especially from the Catholic Church. The story culminated in 2005 when Haderer was convicted in Greece for insulting the religious community and was given a six-month suspended sentence in absentia. A few months later, however, this verdict was corrected on appeal, and Gerhard Haderer was acquitted.

Satirical Illustrations
this happens so much at live concerts, just put the damn phone down and enjoy the experience!

The artist developed his realistic style when working as a graphic designer and illustrator for advertising agencies early in his career. It wasn’t until a cancer operation in 1985 when Gerhard abandoned his commercial dreams and became a freelance caricaturist and satirical illustrator, mainly focusing on social issues.

Satirical Illustrations
Actually even a put-on smile can lift your mood, say neuro-scientists.
Satirical Illustrations
Children missing childhoods.
Satirical Illustrations
This I do not understand. I like reading books in paper but there is nothing wrong with electronic editions. If anything, they are more eco friendly. It is still the same activity just different medium.
Satirical Illustrations
Well, at least it looks like they’re all getting along.
Satirical Illustrations
I’ve heard it said, how ironic it is that often times today, family time is getting everyone to put down their small screens and all look at the same big screen for a while.
Satirical Illustrations
same with our used clothes which we graciously “donate”
Satirical Illustrations
I’m not seeing this as a “fast food/obesity” thing, more like a CEO or corporate leader just greedily eating funds. Fat in wealth kind of thing
Satirical Illustrations
you can roll a piece of shit in glitter, it’s still a piece of shit.
Satirical Illustrations
Our governments today
Satirical Illustrations
“I thought that there would be more fish.”
Satirical Illustrations
Tinder date wile you go on tinder
Satirical Illustrations
tis the season
Satirical Illustrations
He can’t escape his reality, even in his day-dreams…
Satirical Illustrations
I immediately thought that the commando in the middle thinks in black and white, and reality is all sorts of colors.
Satirical Illustrations
Hose it down. Drone freak.
Satirical Illustrations
could someone translate?
Satirical Illustrations
Oh god I’m reading this on the toilet at work
Satirical Illustrations
Might be the smartest move?
Satirical Illustrations
George Orwell – Animal Farm: ”Twelve voices were shouting in anger, and they were all alike. No question, now, what had happened to the faces of the pigs. The creatures outside looked from pig to man, and from man to pig, and from pig to man again; but already it was impossible to say which was which.”
Satirical Illustrations
Context, variation on Albrecht Dürer’s Praying Hands.
Satirical Illustrations
Cannot unsee!
Satirical Illustrations
VEGAN?
Satirical Illustrations
Enough money you can do anything.
Satirical Illustrations
Not sure how many people knew this, but there is a forth monkey in this series. See no evil, hear no evil, speak no evil and do no evil.
Satirical Illustrations
No!!! How will you get the ball back now!
Satirical Illustrations
As the crisis of 29
Satirical Illustrations
this would be even better with teachers.
Satirical Illustrations
Holidays…so many people leaves at same time…so they get stuck on the road..,and they spend half of their vac waiting on the car…sad…reality

Hadererze-se: OS CARTUNS DA CONSCIÊNCIA, 20 comics para quem entende a loucura do mundo de hoje, Os índios nos gibis., TURMA DA MÔNICA TOY, ESQUENTA PARA AS OLIMPÍADAS DO JAPÃO, Cats In Different Art Style, Ficha Limpa!!!