Outras famílias

7 FAMILIAS MAIS ESTRANHAS E INCOMUNS DO MUNDO

O aumento surpreendente da desarmonia não pode continuar indefinidamente. Podemos participar da criação de novas relações baseadas em contribuições solidárias. Só assim seremos mais ricos: lutando contra as desigualdades. Negar a solidariedade seria um erro moral humanamente inconcebível. Heloisa LimaO sentido do ser

Daí, é possível pensar: “não consigo resolver todos os problemas; ninguém pode”.

Às vezes, esse sentimento de desamparo pode nos levar à paralisia. Sentimos que, individualmente, não podemos corrigir o que está errado ou não sabemos quem, onde ou como ajudar. Desta forma, então, é bem possível que não façamos nada.

Mas se todos se concentrassem nas pequenas coisas, nos gestos mais simples, capazes de nos fazer compartilhar o que temos de melhor a fim de aliviar a carga de outros, poderíamos mover montanhas.

E, assim, se revela o quanto precisamos cuidar uns dos outros.

Como crianças que percebem que podem assumir atitudes de grande impacto – mesmo sendo “apenas crianças”.

Ao longo dos recentes desastres naturais, fomos tocados por pessoas trabalhando lado a lado – não apenas os profissionais responsáveis por atender emergências, mas os cidadãos comuns que decidem cavar, através de escombros, um balde de cada vez. E por crianças que doam o conteúdo de seus cofrinhos na esperança de ver o outro sorrir.

Quando se trata de uma postura mais humana, isso é tudo o que podemos fazer – pequenas coisas edificadas individualmente que podem, coletivamente, fazer uma grande diferença.

É o que devemos fazer para aliviar o sofrimento (nosso e dos demais) – superando, desta forma, a paralisia e estendendo a mão para ajudar.

Familyze-se: Capitão Fantástico, Índio Educa, The Family: Democracia Ameaçada, 10 sites para aprender um pouco de tudo, Somos sobreviventes de nossos antepassados …, Thomas Malthus ou Thanos, Organizando a casa, Como enriquecer e educar licitamente falando!?!, Neon, Só Os Loucos Sabem, Quintais produtivos, Cine Belas Artes,

Cia dos Clownáticos

Cantinho Mágico no GRAAC – Instagram

“Nós, da Cia dos ClownAticos, podemos nos considerar inspiradores; mas a companhia só é o que é, hoje, devido aos seus voluntários. Sem eles, nada disso seria possível. Somos uma família de farda Azul e Laranja com um único objetivo: deixar o nosso legado. E o legado dos ClownAticos será propagado pela eternidade – não temos dúvidas disso – pois, fazemos um trabalho muito sério e com muito empenho, pautado em um de nossos maiores valores: a ética, o amor e respeito ao próximo, sem vaidade e sem hipocrisia. Não queremos saber a bandeira que você defende, mas sim, o que você tem para doar aí dentro do seu coração. Se for amor, carinho e respeito ao próximo, estaremos juntos, e está apto a se tornar um ClownAtico.”

Alexandre Cardoso, Diretor – Presidente e idealizador da Companhia dos ClownAticos – Arte/Humanização/Solidariedade. Facebook

Maiores informações:
ciadosclownaticos@gmail.com
Cia dos ClownAticos – ASSOCIAÇÃO COMPANHIA DOS CLOWNATICOS – é uma Associação sem fins lucrativos que atua e desenvolve suas ações, trabalhamos, fortemente, com duas vertentes: a Artística e a do Desenvolvimento Humano. O objetivo é o desenvolvimento, o aprendizado e o aperfeiçoamento artístico, solidário e humanitário de seus voluntários e, principalmente, de seus assistidos. A Cia dos ClownAticos foi idealizada e fundada, em setembro de 2014, por Alexandre Cardoso, advogado, ator e criador do palhaço LiminhA Limex. Linkedin

Clownatize-se: Dia Internacional do Palhaço, De ambulante nas ruas do Rio a palestrante em Harvard: Rick Chester, TritoneKings, Norte Nordeste Me Veste, Pandora, Robin Hulk, John Titor , o VIAJANTE-ZERO, Processo licitatório?, Folhas ao ar, Rick and Morty, Estantes num instante

Another Day In Paradise

INTRO: /

  • F#m7
  • E
  • Bm7

/ (4x)

  • VERSE
  • 1
  • F#m7
  • E
  • Bm7

She calls out to the man on the street

  • F#m7
  • E

‘Sir can you help me?

  • F#m7
  • E
  • Bm7

It’s cold and I’ve nowhere to sleep

  • F#m
  • E

Is there somewhere you can tell me?’

  • VERSE
  • 2
  • F#m7
  • E
  • Bm7

He walks on… doesn’t look back

  • F#m7
  • E

He pretends, he can’t hear her

  • F#m7
  • E
  • Bm7

Starts to whistle as he crosses the street

  • F#m
  • E

She’s embarrassed to be there…

F#m

  • Cm#7

Oh, think twice

  • Bm7
  • Cm#7

Cause it’s another day for you and me in Paradise

  • F#m
  • Cm#7

Oh, think twice

  • Bm7
  • E
  • Bm7
  • E
  • Bm7
  • Fm#7

Cause it’s another day for you… you and me in Pa – ra – dise

  • BRIDGE
  • 1

/ (

  • F#m7

)

  • E
  • Bm7

/ (2x)

{Just think about it}

/

  • F#m7
  • E
  • Bm7

/ (2x)

  • VERSE
  • 3
  • F#m7
  • E
  • Bm7

She calls out to the man on the street

  • F#m7
  • E

He can see shes been crying

  • F#m7
  • E
  • Bm7

She’s got blisters on the soles of her feet

  • F#m7
  • E

She can’t walk but she’s trying…

CHORUS
BRIDGE 1

  • BRIDGE
  • 2
  • E
  • F#m
  • E
  • A

Oh, Lord… is there nothing – more… anybody… can do?

  • E
  • F#
  • E
  • A

Oh-oh-oh, my Lord… there – must – be something… you can say

  • F#m
  • E
  • Bm7

You can tell from the lines on her face

  • F#m7
  • E

You can see that she’s been there

  • F#m7
  • E
  • Bm7

Probably been moved on from ev-e-ry-place

  • F#m7
  • E

Cause she didn’t fit in there…

CHORUS
BRIDGE 1

  • ENDING

(Repeat to end)
(

  • Bm7

)

  • F#m7
  • E
  • Bm7

It’s just another day for you and me

  • F#m7
  • E
  • Bm7

In paradise (it’s just a…)

Cifra

Lionel Messi abriu as portas para o frio.

Uma propriedade que pertence a família de La Pulga promove uma linda iniciativa pensando nos moradores de rua de Rosario, cidade onde Messi nasceu e cresceu a pouco menos de 300 km de Buenos Aires. Alberto BarbosaFutebolatino

“Comida quente e abrigo! Se sabes de alguém em situação de rua, convide-o a passar pelo Vip das 19 às 21 h, lhe daremos algo quente para comer e agasalhos!”

O craque argentino Lionel Messi abriu as portas do seu restaurante em Rosário, na Argentina, para pessoas que vivem nas ruas se alimentarem durante 15 dias. O restaurante “Bar Vip Rosário” também informou, por meio de redes sociais, que está recolhendo agasalhos para doação.

Conforme a publicação, feita na sexta-feira (5), o restaurante irá oferecer alimento para as pessoas que forem até o local entre 19h e 21h. Já as roupas de frio serão doadas as pessoas que pedirem. É inverno na Argentina, e a temperatura de Rosário, de acordo com o Climatempo, na madrugada desta terça-feira foi de 4°c. Super.FC

O ‘mercado grátis’ que está ajudando a combater o desperdício na Nova Zelândia

A Free Store, ou mercado grátis, foi criada pelo artista Kim Paton para ser um projeto temporário, de duas semanas de duração, reunindo sem suas prateleiras alimentos em perfeita qualidade que, por motivos diversos, tornaram-se excedentes em supermercados e padarias, e se tornariam parte da estatística do desperdício. Sete anos depois felizmente a iniciativa se tornou permanente, e já possui quatro lojas na Nova Zelândia.

Um dos males mais perversos do capitalismo e do mercado como regulador é sem dúvida o desperdício. São diversos os motivos, de controle de preços e mercados, custos diversos, publicidade ou outras intervenções que fazem com que quase metade da comida produzida no mundo seja jogada no lixo, alcançando cerca de 1,3 bilhões de toneladas desperdiçadas anualmente. Vivimetaliun

Veja também: Voluntário, Coincidence or not, Casas de Mediação, Dia Mundial do Meio Ambiente., Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, Pessoas criativas são mais propensas à depressão e dependência química, Violentamente pacífico, Efeito Borboleta

Editado via celular.

A Lua de Aquário

http://horoscopodia.virgula.uol.com.br/index.php/2017/08/03/lua-cheia-do-dia-7-tera-eclipse-e-traz-transformacoes-aceleradas-por-6-meses/

Mude conceitos, você pode e deve: ALZHEIMER,.  NAARA BEAUTY DRINK!!!DIA DO VOLUNTARIADOSUA CARACASAS DE MEDIAÇÃOVIRTUDESAÚDE NOSSA DE CADA DIA!ADORO ESSA PARTE DA ANATOMIA FEMIMINA.PROJETO VIBRAR PARKINSONA MEDITAÇÃO E SEU CERÉBRO

Editado via celular.

Comente, critique e conheça a sua loja:

Jesusnesse World

Elegância, eu?

A elegância no comportamento

Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja cada vez mais rara: a elegância do comportamento. É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.

É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando não há festa alguma nem fotógrafos por perto.

É uma elegância desobrigada.

É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam. Nas pessoas que escutam. E quando falam, passam longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca. 

É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz ao se dirigir a frentistas.

Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem prazer em humilhar os outros.

É possível detectá-la em pessoas pontuais.

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece, é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete.

É elegante não ficar espaçoso demais.

É elegante você fazer algo por alguém e este alguém jamais saber o que você teve que se arrebentar para o fazer…

É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao outro.

É elegante retribuir carinho e solidariedade.

É elegante o silêncio, diante de uma rejeição….

Sobrenome, joias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto.

Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo, a estar nele de uma forma não arrogante.

É elegante a gentileza; atitudes gentis falam mais que mil imagens…

Abrir a porta para alguém? É muito elegante.

Dar o lugar para alguém sentar? É muito elegante.

Sorrir, sempre é muito elegante e faz um bem danado para a alma…

Oferecer ajuda? Muito elegante.

Olhar nos olhos ao conversar? Essencialmente elegante.

Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural pela observação, mas tentar imitá-la é improdutivo.

A saída é desenvolver em si mesma a arte de conviver, que independe de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que acha que “com amigo não tem que ter estas frescuras”.

Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que não irão desfrutá-la. 

Educação enferruja por falta de uso.

E, detalhe: não é frescura.

Martha Medeiros

Editado via celular.

Rockefeller

A Comunicação Empresarial surgiu nos Estados Unidos, em 1906. Naquele ano, em Nova Iorque, Ivy Lee decidiu deixar o jornalismo de lado para montar o primeiro escritório de Relações Públicas do mundo, mudou de atividade com o objetivo de recuperar a credibilidade perdida pelo poderoso empresário John D. Rockfeller. Cláudio Amaral

rockefellers_thumb[8]

“Crises são criadas pelos governos para manter as pessoas em um perpétuo estado de desequilíbrio físico, mental e emocional. Confundirão e desmoralizarão à população para evitar que decidam seu próprio destino.”

rockffeler kruschev

Rockefeller, além de um grande filantropo, foi o inventor das Assessorias de Imprensa, tudo isso tinha um grande objetivo, além de “fazer o bem para o próximo”: melhorar sua imagem, corroída por políticas monopolistas detratórias, junto à sociedade. Um Pouco de Prosa

historychannelrockefeller

No dia 20 de abril, na cidade mineira de Ludlow, Colorado, um grupo de pessoas inocentes foram cruelmente assassinadas por seguranças armados que faziam a proteção das minas de carvão. Ao todo, duas mulheres, doze crianças e seis mineiros. Revoltados, mineiros armados destruíram as instalações das minas e o que encontravam pela frente. Mais pessoas viriam a morrer. O levante se prolongou por uma dezena de dias e inflamou a indignação americana. A causa única era que as empresas mineradoras operavam como universos autônomos, com suas próprias leis e polícia. Tudo o que estivesse associado à palavra sindicato era considerado maldito por se constituir numa ameaça à propriedade privada. Francisco Viana

ludlow29

Veja também: Parabéns Nestlé, A onda, Sheherazade e a Secom, Repo man, Pai (de quem) trocinio!, Como a indústria do fumo enganou as pessoas?, O pai da propaganda, The Who – My Generation, Nada se cria, tudo se copia!, Patrocinadores da Copa, Pegadinhas do Marco Civil da Internet

O pai da propaganda

heil hitlerSieg Heil!, Heil Hitler!, Heil mein Führer!
august landmesse
anders-breivik
hitlergenuinodirceu
vargas pt
Punho-fechado-lula

Veja também: Como a indústria do fumo enganou as pessoas?, Portal da Transparência, Terceira Onda, Ta foda ser brazileiro!!!, PÁTRIA MADRASTA VIL, O Combate a Corrupção nas Prefeituras do Brasil, Bode expiatório, Bike or die!, Viabilidade???, Frase do Dia: Rui Barbosa e a Honestidade, Inside Job, Os sentidos da política – problemas e perspectivas, Maldito homem!, V de Vingança

PÁTRIA MADRASTA VIL

‘PÁTRIA MADRASTA VIL’

Onde já se viu tanto excesso de falta? Abundância de inexistência… Exagero de escassez… Contraditórios?? Então aí está! O novo nome do nosso país! Não pode haver sinônimo melhor para BRASIL.

Porque o Brasil nada mais é do que o excesso de falta de caráter, a abundância de inexistência de solidariedade, o exagero de escassez de responsabilidade.

O Brasil nada mais é do que uma combinação mal engendrada – e friamente sistematizada – de contradições.

Há quem diga que ‘dos filhos deste solo és mãe gentil.’, mas eu digo que não é gentil e, muito menos, mãe. Pela definição que eu conheço de MÃE, o Brasil; está mais para madrasta vil.

A minha mãe não ‘tapa o sol com a peneira’. Não me daria, por exemplo, um lugar na universidade sem ter-me dado uma bela formação básica.
E mesmo há 200 anos atrás não me aboliria da escravidão se soubesse que me restaria a liberdade apenas para morrer de fome. Porque a minha mãe não iria querer me enganar, iludir. Ela me daria um verdadeiro Pacote que fosse efetivo na resolução do problema, e que contivesse educação + liberdade + igualdade. Ela sabe que de nada me adianta ter educação pela metade, ou tê-la aprisionada pela falta de oportunidade, pela falta de escolha, acorrentada pela minha voz-nada-ativa. A minha mãe sabe que eu só vou crescer se a minha educação gerar liberdade e esta, por fim, igualdade. Uma segue a outra… Sem nenhuma contradição!

É disso que o Brasil precisa: mudanças estruturais, revolucionárias, que quebrem esse sistema-esquema social montado; mudanças que não sejam hipócritas, mudanças que transformem!

A mudança que nada muda é só mais uma contradição. Os governantes (às vezes) dão uns peixinhos, mas não ensinam a pescar. E a educação libertadora entra aí. O povo está tão paralisado pela ignorância que não sabe a que tem direito. Não aprendeu o que é ser cidadão.

Porém, ainda nos falta um fator fundamental para o alcance da igualdade: nossa participação efetiva; as mudanças dentro do corpo burocrático do Estado não modificam a estrutura. As classes média e alta – tão confortavelmente situadas na pirâmide social – terão que fazer mais do que reclamar (o que só serve mesmo para aliviar nossa culpa)… Mas estão elas preparadas para isso?

Eu acredito profundamente que só uma revolução estrutural, feita de dentro pra fora e que não exclua nada nem ninguém de seus efeitos, possa acabar com a pobreza e desigualdade no Brasil.

Afinal, de que serve um governo que não administra? De que serve uma mãe que não afaga? E, finalmente, de que serve um Homem que não se posiciona?
Talvez o sentido de nossa própria existência esteja ligado, justamente, a um posicionamento perante o mundo como um todo. Sem egoísmo. Cada um por todos…
Algumas perguntas, quando auto-indagadas, se tornam elucidativas. Pergunte-se: quero ser pobre no Brasil? Filho de uma mãe gentil ou de uma madrasta vil? Ser tratado como cidadão ou excluído? Como gente… Ou como bicho?

Clarice Zeitel Vianna Silva, 26, estudante da Faculdade de Direito da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro – RJ), concorreu com outros 50 mil estudantes universitários, foi a Paris receber um prêmio da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) por uma redação sobre ‘Como vencer a pobreza e a desigualdade.’ A redação intitulada ‘Pátria Madrasta Vil’, foi incluída num livro, com outros cem textos selecionados no concurso. A publicação está disponível no site da Biblioteca Virtual da UNESCO.

Veja também: Cabeças de bagre, Brasileiro Reclama De Quê?, A onda, Inside Job, Carta da Terra, UNESCO BR, Mundo Vestibular, Os cães, 1984!, Opção de escolha?, Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, Convite à Filosofia, Saramago, Estrito cumprimento do dever, Impostômetro, Problemas sociais, O analfabeto político, Carlos Marighella, Ficha Limpa!!!, O Combate a Corrupção nas Prefeituras do Brasil, Incêndio, apenas 4° andar é salvo., O mundo dos espertos, Carta à Sra. “Presidenta” da República, Bandeirantes Modernos