Madre Teresa de Calcutá

Madre Teresa de Calcutá (1910-1997) foi uma missionária católica macedônia, famosa por seu trabalho de ajuda às populações carentes do Terceiro Mundo. Dilva Frazão – ebiografia

Logo cedo descobriu sua vocação religiosa. Com dezoito anos entrou para a Casa das Irmãs de Nossa Senhora do Loreto. Criou a Congregação Missionárias da Caridade.

Dedicou toda sua vida aos pobres. Em 1979 recebeu o Prêmio Nobel da Paz. Foi Beatificada pela igreja católica em 2003 e canonizada em 2016.

Agnes Gonxha Bojaxhiu é o nome de nascimento de Madre Teresa de Calcutá. Ela nasceu no dia 26 de agosto de 1910, em Üsküp, cidade que fazia parte do Império Otomano, mas que atualmente se chama Skopje, atual capital da Macedônia do Norte, nação que surgiu depois do desmembramento da Iugoslávia. Mundo Educação

A congregação Missionárias da Caridade foi fundada por Madre Teresa de Calcutá em 1950 e atualmente está em mais de 100 países.

Os pais de Madre Teresa eram descendentes de albaneses e chamavam-se Nikola Bojaxhiu e Dranafile Bojaxhiu. O pai era um empreendedor de sucesso que trabalhava com diferentes negócios, enquanto a mãe era dona de casa e cuidava do lar e dos três filhos: Agnes, Aga e Lazar.

A família de Teresa era muito católica e, desde a infância, ela se envolveu com assuntos da igreja. Essa aproximação de Teresa com a religião aumentou consideravelmente depois que seu pai faleceu em 1919.

Foi educada numa escola pública da atual Croácia. Ingressou na Congregação Mariana. Com o consentimento dos pais, no dia 29 de Setembro de 1928, entrou para a Casa das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto, em Dublin, Irlanda.

O seu sonho era ir para a Índia, onde faria um trabalho missionário com os pobres. Em 24 de maio de 1931, fez votos de pobreza, castidade e obediência, recebendo o nome de Teresa.

Em 1937, ela professou os votos de pobreza, castidade e obediência e, assim, recebeu o título de “madre”. Seguiu trabalhando na Saint Mary’s High School (a escola administrada pelas Irmãs de Nossa Senhora de Loreto) até 1948. No entanto, ela decidiu abandonar o convento e a escola na qual lecionava para ajudar os pobres de Calcutá de maneira voluntária e independente.

Da Irlanda, Irmã Teresa partiu para Índia. Foi enviada para Darjeeling, local onde as Irmãs de Loreto possuíam um colégio.

Madre Teresa alegou que decidiu abandonar a ordem em que esteve por quase vinte anos porque teria recebido um chamado para trabalhar entre os pobres na Índia. A pobreza na Índia era muito grande, e o contexto do país era de fome e violência, uma vez que, entre 1943 e 1944, a Índia Britânica tinha registrado a morte de milhões de pessoas pela fome. A violência, por sua vez, estava relacionada com o acirramento de ânimos entre hindus e muçulmanos.

De Darjeeling a Irmã Teresa foi para “Calcutá” onde passa a ensinar História e Geografia no Colégio de Santa Maria, da Congregação de Nossa Senhora do Loreto.. Mais tarde foi nomeada diretora.

Em setembro de 1946 durante uma viagem de trem, ouviu um chamado interior que a fez decidir abandonar o noviciado e se dedicar aos necessitados.

Depois de apresentar seu plano, recebeu a autorização do Papa Pio XII, no dia 12 de Abril de 1948. Embora deixando a congregação de Nossa Senhora de Loreto, a Irmã Teresa continuava religiosa sob a obediência do arcebispo de Calcutá. Só em 08 de Agosto de 1948 ela deixou o colégio de Santa Maria.

Madre Teresa dirigiu-se para Patna, para fazer um breve curso de enfermagem. Em 21 de dezembro obtém a nacionalidade indiana. Data em que a irmã reuniu um grupo de cinco crianças, num bairro pobre e começou a dar aula.

Pouco a pouco, o grupo foi aumentando. Dez dias depois eram cerca de cinquenta crianças. Tendo abandonado o hábito da Congregação de Loreto, a Irmã Teresa usava um sari branco (roupa indiana), debruado de azul e colocava no ombro uma pequena cruz.

As missionárias visitavam os abrigos levando, mais que donativos, palavras amigas e as mãos sempre prestáveis para qualquer trabalho.

Em 19 de março de 1949, as vocações começaram a surgir entre as suas antigas alunas do colégio. A primeira foi Shubashini. Filha de uma rica família, disposta a colocar sua vida ao serviço dos pobres.

Outras voluntárias foram se juntando ao trabalho missionário. Mais tarde chamadas de “Missionárias da Caridade”. Em 1949, a constituição da irmandade, começou a ser redigida.

A Congregação de Madre Teresa, foi aprovada pela Santa Sé em 07 de outubro de 1950. Em agosto de 1952, é aberto o lar infantil Sishi Bavan (Casa da Esperança) e inaugurado o “Lar para Moribundos”, em Kalighat, auxiliando pobres, doentes e famintos.

A partir dessa data, a sua Congregação começa a expandir-se pela Índia e por várias partes do mundo. Em 1963, em reconhecimento a seu apostolado, o governo indiano concede-lhe a medalha “Senhor do Lótus”.

Em outubro de 1979 a Madre Teresa de Calcutá recebeu o Prêmio Nobel da Paz.

No mesmo ano, João Paulo II recebeu a Madre, em audiência privada e a nomeia “embaixadora” do Papa em todas as nações.

Muitas universidades lhe conferiram o título “Honoris Causa”. Em 1980, recebe a ordem “Distinguished Public Service Award” nos EUA. Em 1983, estando em Roma, sofre o primeiro grave ataque do coração. Tinha 73 anos.

Em setembro de 1985, foi reeleita Superiora das Missionárias da Caridade. Nesse mesmo ano, recebeu do Presidente Reagan, na Casa Branca, a Medalha Presidencial da Liberdade, a mais alta condecoração do país.

Em agosto de 1987, viajou para a União Soviética quando foi condecorada com a Medalha de ouro do Comitê Soviético da Paz. Em agosto de 1989, realiza um dos seus sonhos, abrir uma casa na sua Albânia, sua terra natal.

Em setembro de 1989, sofre o seu segundo ataque do coração e recebe um marca-passo. Em 1990, pede ao Papa para ser substituída no seu cargo, mas volta a ser reeleita por mais seis anos, até 1996.

Madre Teresa de Calcutá faleceu no dia 05 de setembro de 1997, depois de sofrer uma parada cardíaca. Seu corpo foi transladado ao Estádio Netaji, onde o cardeal Ângelo Sodano, Secretário de Estado do Vaticano, celebrou a Missa de corpo presente.

O mesmo veículo que, em 1948, transportara o corpo do Mahatma Gandhi foi utilizado para realizar o cortejo fúnebre da “Mãe dos pobres”. Em 19 de outubro de 2003 Madre Teresa de Calcutá é beatificada pelo Papa João Paulo II. No dia 4 de setembro de 2016 foi canonizada, pelo Papa Francisco.

Frases da Madre Teresa de Calcutá

  • “Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz.”
  • “É fácil amar os que estão longe, mas nem sempre é fácil amar os que vivem ao nosso lado.”
  • “Temos que ir a procura das pessoas, porque podem ter fome de pão ou de amizade.”
  • “Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las.”
  • “Enquanto estiver vivo, sinta-se vivo.”

Há quem critique a gestão das doações realizadas para as ações de caridade dela e houve até quem a denunciasse por corrupção financeira. Por fim, as relações de amizade que Madre Teresa tinha como Jean-Claude Duvalier, o ditador haitiano conhecido como Baby Doc, também renderam críticas.

Calcutaze-se: Kobra, personalidade do ano em Nova York, Papas Reformadores, Noel ou Jesus?!?, Tornar-se adulto…, As discípulas de Jesus

Uma resposta para “Madre Teresa de Calcutá”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: