Conheça 13 maneiras de reaproveitar sobras e cascas de frutas e vegetais

Após as refeições, a grande maioria das pessoas joga fora o que sobrou da comida, assim como após o consumo de frutas e demais vegetais, porêm esses resíduos aparentemente inúteis podem ser aproveitados de diversas maneiras.

Muitos não apreciam o gosto ou a textura das cascas, sem contar que elas têm uma taxa maior de agrotóxicos, mas ao mesmo tempo, têm nutrientes e fibras que são passíveis de reaproveitamento. As cascas de cítricos, batata, abacate sem o caroço e até mesmo as cascas dos queijos podem ser reaproveitadas na casa, na comida ou como produto de beleza.

Aqui, mostraremos 13 maneiras de se reaproveitar esses alimentos. Vamos às receitas:

Casa

1. Limpeza de gordura: antes de usar os produtos considerados tóxicos, como detergentes, na cozinha, experimente o limão. Aplique, na área afetada pela gordura, os seguintes ingredientes: sal e bicarbonato de sódio. Então introduza limão espremido. Só tome cuidado para não utilizar a mistura em superfícies sensíveis, como as feitas de mármore. Atente também para, após a limpeza, lavar bem as mãos para que resíduos do limão não remanesçam em sua pele, pois o contato com o sol pode provocar queimaduras;

2. Limpeza interna de chaleira: sabe quando a parte interna da chaleira fica muito escura? Para limpar, encha-a com água e um punhado de cascas de limão e ponha-a para ferver. Assim que começar a borbulhar, desligue o fogo e deixe descansar por uma hora. Na sequência, é só escorrer e lavar bem;

3. Tecido corante: apesar de a fruta não ser tão comum no Brasil, cascas de romã são ótimos corantes vermelhos de tecido. Basta encher com água quente uma grande panela de aço inoxidável, adicionar cascas de romã e deixar em descanso durante a noite. Ferva a água com as cascas no dia seguinte e, em seguida, remova as cascas e adicione o tecido que você quer tingir de vermelho, mas ele precisa estar molhado. Ferva a roupa por uma hora e deixe-a esfriando durante mais uma noite. Remova-a da panela no dia seguinte, enxague em água fria e a partir daí lave-a com roupas de cores semelhantes;

4. Espante os mosquitos: Use em um daqueles velhos aparelhos repelentes de insetos que são ligados na tomada e substitua o tablete convencional por um pedaço de casca de laranja ou por alguma outra fruta cítrica qualquer;

Comida

5. Congele raspadinhas: se você fez um suco de limão, laranja ou de alguma outra fruta cítrica e as cascas sobraram, você pode ralá-las com um ralador e acondicioná-las no freezer em um recipiente adequado. Quando você tiver vontade, é só retirar as raspas do freezer e fazer sua raspadinha.

6. Azeite cítrico: triture cascas de frutas cítricas com um pilão (em um vaso de metal ou de madeira) com um pouco de óleo. Coloque em um frasco com mais óleo e deixe descansando por seis horas. Depois desse período, acondicione em um recipiente limpo para uso em sua salada;

7. Fazer batatas fritas: misture cascas de batata com bastante suco de limão e azeite. Espalhe as cascas de batata em camadas em uma assadeira e leve ao forno na temperatura de 400 graus, mexendo de vez em quando até dourar (cerca de dez minutos). Tempere a gosto;

8. Faça uma sopa: Ferva cascas de batata, de cebola, de cenoura, além de alho poró e de outros vegetais a gosto para fazer uma bela sopa. Salsinha e cebolinha também vão bem nesse caldo;

9. “Algo a mais” na sopa ou no caldo verde: cascas de queijo podem ser acrescentadas a sopas ou caldos para dar um toque especial no sabor e na textura;

10. Adicionar queijo às verduras: cascas de queijo podem ser acrescentadas às verduras refogadas. O sabor fica excelente;

11. Açúcar mascavo suave: se você é vítima do açúcar mascavo endurecido, tente adicionar casca de limão para mantê-lo úmido e maleável.

Beleza

12. Esfoliação de açúcar da banana: coloque açúcar na casca da banana e esfregue-a suavemente em seu corpo . Em seguida, basta enxaguar no banho;

13. Hidratar: esfregue a parte carnuda da casca de um abacate em seu rosto e você terá um hidratante muito eficiente.

Veja também: Minhocário., Repelente de insetos, Água oxigenada, Dia Mundial do Meio Ambiente., A Revolta dos Macacos, Hour guitar, Indivíduos perigosos, Desenho de criança, EU LEVO UMA VIDA DE CACHORRO!, Todos querem ser felizes!, O tempo chegará, Veneno ecológico para matar ratos., Pés no chão, Boca boa, Tijolo

Agrotóxicos da mesa nossa de cada dia.

Da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), sobre os resultados do relatório:

…chama a atenção a grande quantidade de amostras de pepino e pimentão contaminadas com endossulfan, de cebola e cenoura contaminados com acefato e pimentão, tomate, alface e cebola contaminados com metamidofós. Além de serem proibidas em vários países do mundo, essas três substâncias já começaram a ser reavaliadas pela Anvisa e tiveram indicação de banimento do Brasil. De acordo com Dirceu Barbano, diretor da Anvisa, “são ingredientes ativos com elevado grau de toxicidade aguda comprovada e que causam problemas neurológicos, reprodutivos, de desregulação hormonal e até câncer”.

Veja também: Refrigerante, O Futuro da Alimentação, Adoro essa parte da anatomia femimina.Você é o que você come., Semana do Consumidor, Como a indústria do fumo enganou as pessoas?, Viabilidade???, Veneno ecológico para matar ratos., Outros olhos

Ana Primavesi, Engenheira agrônoma.

O solo sempre me fascinou, porque do solo dependem as plantas, a água, o clima. Tudo está interligado. Não existe ser humano sadio se o solo não for sadio e as plantas bem nutridas” – Ana Maria Primavesi

“Uma planta precisa de 45 nutrientes para crescer bem, e não apenas três (nitrogênio, fósforo e potássio), como prega a agricultura convencional, que é feita sobre um solo morto.” Ana Primavesi, primeira filiada da AAO – Associação de Agricultura Orgânica.

Para recuperar um solo morto, leva no mínimo quatro anos, é necessário agregar ao solo vida, os microrganismos, precisa de comida, que é a matéria orgânica, restos vegetais principalmente, a adubação química só mata o solo.

A produção num solo vivo é até três a quatro vezes superior do que a agricultura convencional e a obrigatoriedade de certificação orgânica é uma maneira de cobrar mais caro pelo produto orgânico.

Fonte: Grupo Estado

Veja também: Carta da Terra, Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, Território, Meio o quê?, Makota Valdina, Bolsa ruralista, quer que desenhe?, Free Energy, Steve’n’Seagulls, Coletores de sementes