Desconstruindo Amélia

Desconstruindo Amélia, de Priscilla Novaes Leone, uma compositora, cantora, multi-instrumentista e apresentadora de TV natural de Salvador, Bahia. Se você ainda não sabe quem é ela, deixo aqui também o apelido pelo qual ficou muito conhecida: Pitty. Solon SaldanhaVIRTUALIDADES. 23.04.2022

Desconstruindo Amélia – Pitty. letras.mus

Já é tarde, tudo está certo
Cada coisa posta em seu lugar
Filho dorme, ela arruma o uniforme
Tudo pronto pra quando despertar

O ensejo a fez tão prendada
Ela foi educada pra cuidar e servir
De costume, esquecia-se dela
Sempre a última a sair

Disfarça e segue em frente
Todo dia até cansar (Uhu!)
E eis que de repente ela resolve então mudar
Vira a mesa, assume o jogo
Faz questão de se cuidar (Uhu!)
Nem serva, nem objeto
Já não quer ser o outro
Hoje ela é um também

DICA DE LEITURA

A MULHER PERFEITA É UMA VACA

O título dessa crônica foi criado por duas mulheres que o deram a um livro que escreveram, A Mulher Perfeita é Uma Vaca é apresentado como “um guia de sobrevivência para mulheres normais”, sendo de autoria de Anne-Sophie Girard e Marie-Aldine Girard, irmãs gêmeas que nasceram em Montpellier, na França. Uma delas é humorista e a outra jornalista, na sua própria apresentação elas fazem questão de dizer que são “imperfeitas assumidas”. Solon SaldanhaVIRTUALIDADES. 23/04/2022

Com um texto mais do que objetivo elas explicam que ser perfeita é uma ilusão inatingível, apenas servindo para tornar infeliz quem ainda acredita que pode conseguir isso, segundo as autoras, é que essa ilusão não impede flacidez nem celulite, mas causa depressão e outros males para a saúde física e mental, uma mulher de modos requintados, corpo esbelto, ativa, culta, sem olheiras é alguém absolutamente insuportável. E se dirigem a quem passa a vida toda lutando contra a balança, tentando em vão evitar os chocolates e os doces; numa luta contra a preguiça e a favor da academia; fazendo malabarismos para administrar o tempo; e suportando inúmeros planos que terminam não dando certo.

O livro tem uma estrutura semelhante àqueles de auto ajuda, mas não se iludam, ele vai muito além disso, feito com uma série de capítulos curtos, que elas preferem chamar de “regras”. Onde as autoras abusam da ironia e do humor ácido que visa apenas derrubar muitos complexos que atormentam as mulheres, devido à estrutura machista e ainda conservadora que tem a sociedade. Tentam fazer com que as “imperfeitas”, que são todas as normais e aquelas não idealizadas, possam desfrutar a vida.

O prefácio é assinado por Christine Berrou, também francesa, uma atriz e escritora – recomendo Em Busca do Tempo Perdido na Internet – que é bastante conhecida em seu país, onde além de ser muito atuante no teatro mantém programa de TV, confessa que foi convidada para a tarefa por ter manifestado inveja por não ter pensado ela própria em escrever esse livro. E resume tudo ao dizer que “aceitar-se imperfeita é se aproximar da plenitude”.

Palavras Perdidas: Feminismo não, ser humano!?!, Feminismo, vai estudar!?!, Feminismo : Entrevista de Carolina Reis a Clarice Falcão, De Dentro do Ap, Feminista versus World

INVEJA E ADMIRAÇÃO

A inveja e a admiração são como as duas faces de uma mesma moeda, ambas refletindo sentimentos que expressamos diante de um outro e que só em função dele mesmo podem sobreviver. Explicando melhor, inveja e admiração só existem quando projetadas em alguém e jamais por vida própria. Solon SaldanhaVIRTUALIDADES.

A inveja é desejo de posse exclusiva; a admiração tem possibilidade de compartilhamento. Quando se inveja, se quer que a condição do outro seja nossa e não dele. Quando se admira, se deseja que as qualidades que se vê em alguém possam iluminar as nossas próprias, sendo bom exemplo e motivação. Quem inveja quer ser o invejado; quem admira gostaria de ser como o admirado. Mesmo assim, esses sentimentos são meio que irmãos, estando a diferença na carga emocional que carregam, que pode ser positiva ou negativa.

As invejas genéricas, não maliciosas e que se confundem com a admiração, em geral não são por uma pessoa, mas por aquilo que ela representa. Sempre invejei, na juventude, quem tinha toda aquela habilidade necessária para jogar um futebol de qualidade. Mas nunca desejei ser eu mesmo um Zico ou um Falcão: a mim bastaria não estar na categoria dos “pernas-de-pau”, mas não foram poucos os gols contra que tantos deles marcaram ao longo de suas vidas, apoiando causas e pessoas execráveis.

Há admirações que podem parecer incontestáveis, como se fosse uma prova a desmentir Nélson Rodrigues e a sua afirmação de que “toda a unanimidade é burra”. Quase não se teve tempo para admirar o Papa João Paulo I, que ficou apenas 33 dias no comando da Igreja Católica, mas quem poderia não gostar do seu sorriso sincero como o de uma criança? Temos ainda o pacifista indiano Mahatma Gandhi; a genialidade humilde de um Einstein, com sua língua de fora eternizada em fotografia; a luz suave do médium Chico Xavier, de Madre Teresa de Calcutá – que na verdade nasceu na Macedônia – ou de Dalai Lama; a inteligência de Marie Curie; a inquebrantável vontade de um Nelson Mandela, na sua luta por igualdade; a criatividade visionária de Leonardo Da Vinci; a enorme sensibilidade de uma Cora Coralina, dentre muitos.

Outras admirações, no entanto, são de fato inexplicáveis. Mas, fazer o quê? Sempre existirá alguém que prefira Ustra ao invés de Arns; Joseph Goebbels no lugar de Paulo Freire; Josef Mengele e não Nise da Silveira. O que representa dizer a tortura ao invés da proteção e acolhimento; a propaganda doutrinária e não a educação inclusiva; os experimentos brutais com seres humanos sendo cobaias ao invés da atenção e do cuidado respeitoso a doentes mentais, por meio da arte. Mas, enfim, são por situações como essas exemplificadas em três comparações que se pode dar razão ao que disse Lulu Santos em uma das suas canções: “Assim caminha a humanidade/Com passos de formiga e sem vontade”.

Discordâncias quanto às escolhas feitas não desqualifica em nada serem usadas, seja na íntegra, com alguns acréscimos ou retirada de nomes. Acho também que podemos listar admirações e reconhecimentos coletivos. Aos professores, profissionais da saúde, cientistas, líderes religiosos verdadeiramente desinteressados e muito mais. Não faz mal algum vibrarmos com o conhecimento e a ciência; com vitórias e conquistas alheias no esporte, na economia, na busca da paz e na valorização da vida. Porque esse é um caminho que nos humaniza, antes que a perdamos.

bônus musical de hoje é Admiração, com Paulinho Moska. Ele é um cantor e compositor carioca, cujo nome de batismo é Paulo Corrêa de Araújo.

Palavras Perdidas: Prêmio Darwin, Será que é amor?!?, Prêmio Nobel aos bombeiros de Brumadinho, José Mojica Marins