Ensaio sobre a cegueira hídrica

crisehidricaprojeto

1. O abastecimento do precioso líquido será feito de modo a atender apenas às necessidades mais elementares, como a preparação de alimentos, tomar uma breve ducha e escovar os dentes. Para descarregar a privada, fazer a limpeza da casa e dar banho no cachorro, o jeito será contar com a água das chuvas.
2. Restaurantes serão obrigados a baixar as portas. Não haverá água para lavar tanta louça. Outros estabelecimentos podem vir a ser obrigados a restringir o uso de seus banheiros.
3. Empresas que dependem do uso intensivo de água começarão a se preparar para sair de São Paulo, já que não há previsão para o término da crise. Vão em busca de melhores condições hídricas.
4. Depois do colapso do Sistema Alto Tietê, que abastece a zona leste de São Paulo, a água potável passou a ser um bem raro e caro. Bandidos já fazem sequestros-relâmpagos de caminhões-pipa cheios, a fim de vender a carga em condomínios fechados. Uma carga de 15 mil litros de água pode facilmente ser repassada por R$ 2.500.
5. O tráfico de água campeia. Em Itu, durante o apogeu da falta d’água, em setembro de 2014, quadrilhas comercializavam a água que deveria ser distribuída gratuitamente à população. É previsível que o mesmo ocorra por aqui.
6. Todos os 50 mil poços em funcionamento na cidade de São Paulo serão “confiscados”, mesmo os localizados em terrenos privados. Só o Estado estará autorizado a explorá-los.
7. Moradores de casas humildes terão de ir trabalhar sem tomar banho e com a mesma roupa do dia anterior. Quando eles chegaram em casa, não havia água; quando saíram, a água ainda não havia voltado. E a caixa d´água nem chegou a encher por causa da redução da pressão.
8. Haverá creches que interromperão os serviços por falta de água, gerando um efeito cascata. Se as crianças não puderem ir para a creche, a mãe terá de faltar no emprego.
9. Começarão os pedidos de socorro por parte de idosos, acamados, e de gente com deficiência de mobilidade, que não conseguirão colocar uma lata enorme de água na cabeça e levá-la para casa.
10. Surgirão aqui e ali focos de desidratação, atingindo principalmente indivíduos de terceira idade e crianças até 4 anos, mais vulneráveis.
11. Já se esperam protestos. Em Itu, vizinho de São Paulo, até donas de casa colocaram fogo nas ruas. “Aqui em São Paulo, vai haver um escalonamento de manifestações e de violência porque a água mexe com a questão da dignidade. Quantos dias nós aguentamos sem poder dar descarga?”, pergunta Marussia Whately. A tropa de choque da PM dará show de truculência, como sempre. Conta D’Água

logoarsesp

LEI Nº 9.433, DE 8 DE JANEIRO DE 1997, institui a Política Nacional de Recursos Hídricos.

ana_ag_nac_agua

Veja também: Parabéns Nestlé, Empoderamento dos recursos, Fome, Um Monte de mentiras, Ana Primavesi, Engenheira agrônoma., Rios do céu!, Por que falta água?, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Michael Moore, Fátima, Qual o volume ocupado por 1 trilhão de reais?, Air Purifier Bike, Santa Buceta, Feliz dia do índio!!!, Quem paga o Carnaval!, Mídia Ninja, Aniversário da revolução de 1964, No gás, Bolsa ruralista, quer que desenhe?

Por que falta água?

Nos serviços de construção civil, a água não é vista e nem tratada como material de construção e com consumo é bastante elevado, por exemplo, para a confecção de um metro cúbico de concreto, gasta-se em média de 160 a 200 litros e, na compactação de um metro cúbico de aterro, podem ser consumidos até 300 litros de água. Enciclopedia y Biblioteca Virtual de las Ciencias Sociales, Económicas y Jurídicas

anabconstrucaocivil

As poucas ações existentes estão relacionadas com o edifício em operação e pouco se fala no edifício em construção, embora o custo com o consumo de água no edifício em construção represente 0,7% do custo total da obra, de acordo com as pesquisas realizadas nas construtoras entrevistadas. Consumo de água nos canteiros, 24 mar. 2008.

O conteúdo do EcoDesenvolvimento.org está sob Licença Creative Commons. Para o uso dessas informações é preciso citar a fonte e o link ativo do Portal EcoD. http://www.ecodesenvolvimento.org/voceecod/guia-da-construcao-verde-economia-de-agua#ixzz2zqxzufrk
Condições de uso do conteúdo
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), cada pessoa precisa de 40 litros de água diariamente para atender as suas necessidades de consumo e higiene. No entanto, nos grandes centros urbanos do país e em cidades com mais de 120 mil habitantes, o consumo por pessoa pode chegar a mais de 200 litros por dia. EcoDesenvolvimento.org

O US Green Building Council informa que a construção civil consome 21% de toda a água tratada do planeta e que 13,6% é de
responsabilidade das edificações. Segundo a SABESP, a região metropolitana de São Paulo tem seu sistema de abastecimento integrado por 8 complexos e é responsável em atender 39 municípios com a produção de 67 mil litros de água por segundo. AECweb

A construção civil é uma das atividades humanas que mais causam danos ao meio ambiente no mundo. Segundo dados da ANAB (Associação Nacional de Arquitetura Bioecológica) cerca de 50% dos recursos extraídos da natureza são destinados ao setor e, no caso do Brasil, ele é responsável pelo consumo de 40% dos recursos naturais e da energia produzida, 34% da água, 55% de madeira não certificada, além de responder pela produção de 67% da massa total de resíduos sólidos urbanos.

Veja também: Águas de março, Clima louco?, Parabéns Néstle, Dia Mundial do Meio Ambiente., Gente inteligente, Tutubarão, Vida inteligente., Liberdade de expressão, Sheherazade e a Secom, Folhas ao ar, O que, de quem?, Instituto Pindorama, voluntariado., O que, de quem?, O de Otário