RE 1.017.365

Em abril, o STF reconheceu a repercussão geral do Recurso Extraordinário (RE) 1.017.365, caso que discute uma reintegração de posse movida contra o povo Xokleng, em Santa Catarina. Por isso, no prazo de um ano, a Suprema Corte poderá dar uma solução definitiva aos conflitos envolvendo terras indígenas no país, e garantir um respiro às comunidades que se encontram, atualmente, pressionadas por poderosos setores econômicos.

Por este motivo, no 15º Acampamento Terra Livre (ATL), os povos indígenas decidiram realizar uma vigília em frente ao STF, para chamar a atenção à luta por justiça histórica e em defesa de seus direitos originários.

Entenda do que se trata esse julgamento e o que está em jogo. Mobilização Nacional Indígena


No limite, o que está em jogo é o reconhecimento ou a negação do direito mais fundamental aos povos indígenas: o direito à terra. Há, em síntese, duas teses principais que se encontram atualmente em disputa: de um lado, a chamada “teoria do indigenato”, uma tradição legislativa que vem desde o período colonial e que reconhece o direito dos povos indígenas sobre suas terras como um direito originário – ou seja, anterior ao próprio Estado. A Constituição Federal de 1988 segue essa tradição e garante aos indígenas “os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam”. Do outro lado, há uma interpretação mais restritiva, que pretende restringir os direitos dos povos indígenas às suas terras ao reinterpretar a Constituição com base na tese do “marco temporal”.


A tese do marco temporal defende uma interpretação mais restritiva dos direitos constitucionais dos povos indígenas. Nessa interpretação, defendida por ruralistas e setores interessados na exploração dos territórios indígenas, os povos só teriam direito à demarcação das terras que estivessem sob sua posse no dia 5 de outubro de 1988, ou que estivessem sob disputa física ou judicial.Na avaliação de indigenistas, juristas, lideranças indígenas e do Ministério Público Federal (MPF), essa é uma tese perversa, pois legaliza e legitima as violências a que os povos foram submetidos até a promulgação da Constituição de 1988. Além disso, essa posição ignora o fato de que, até 1988, os povos indígenas eram tutelados pelo Estado e não tinham autonomia para lutar, judicialmente, por seus direitos.

Na origem, o juízo considerou que houve tumulto no exercício da posse da área da reserva pela presença da reserva biológica pela presença dos índios na região, e ressaltou, na sentença, que não há elementos que permitam inferir que as terras sejam tradicionalmente ocupadas pelos índios, ao observar que quem ocupa a área, para fins de preservação ambiental, é a parte autora (Fatma).

No RE, a Funai alega que a decisão, que foi mantida pelo TRF, ofende o artigo 5º (incisos XXXV, LIV e LV) e o artigo 231 – sobre o reconhecimento da posse e usufruto de terras tradicionalmente ocupadas pelos índios – da CF/88. A fundação sustenta que a área em questão já foi reconhecida como de tradicional ocupação indígena, tendo sido afastada a interpretação do artigo 231 da CF/88 pelo TRF da 4ª região, privilegiando o direito de posse daquele que consta como proprietário no registro de imóveis em detrimento do direito originário dos índios. Migalhas

O relator do caso, ministro Edson Fachin, defendeu a ampla participação de todos os setores interessados no tema, dada a importância da matéria. Tal participação pode se dar partir da figura do amicus curiae – termo em latim que significa “amigo da corte” e que permite que pessoas, entidades ou órgãos com interesse e conhecimento sobre o tema contribuam subsidiando o tribunal. Por esse caminho, comunidades e organizações indígenas deverão estar habilitadas a contribuir com o processo. CIMI – CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO

Poetize-se: Radio Yandê, Parabéns Néstle, Adriana Plens e o Tanque Grande, Mão Santa, O papel da lareira, Trator, 30 Matrix indígenas, Território, O Brasil visto do Céu, Mapa da indecência, Conhecimento Ancestral, Bolsa ruralista, quer que desenhe?, Coletores de sementes, Mapa dos ecossistemas intactos da Terra, Biblioteca Web, Princípio do ou não, Árvores?

Peixe-boi marinho

peixeboi_icmbio

O peixe-boi marinho é o mamífero aquático mais ameaçado do Brasil. Para tentar reverter a situação, o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos, o CMA, investe em programas de resgate, proteção e educação ambiental em todo o território nacional. Good News

peixeboi

manateesjusticeleague

peixe-boi-lenda

Enxergue mais: Comida de gente, O Ponto de Mutação, Convite à Filosofia, Morcego do interior, Cadeia plástica, Terroristas?, Manguetown, Norte Nordeste Me Veste, Curupira, MORADOR DE RUA CUIDA DE 11 CÃES

Nada se cria, tudo se copia!

Cinco casos de fraude científica – incluindo plágio e fabricação de dados – foram divulgados nesta terça pela Fapesp, fundação pública que financia a pesquisa científica no Estado de São Paulo. Desde o lançamento do Código de Boas Práticas Científicas, em 2011, é a primeira vez que a instituição expõe conclusões de investigações. A medida é inédita no Brasil. Estadão

cienciadenisealves

“É importante que os recursos para pesquisa não caiam em mãos erradas. A divulgação dos nomes ajudará a coibir as violações de boas práticas”. (Sérgio Pena, um dos autores do guia Rigor e Integridade na
Condução da Pesquisa Científica, da Academia Brasileira de Ciências – ABC)

thebeagles

O Brasil apareceu no mapa da fraude cientifica mundial pela primeira vez com o caso de Denis de Jesus Lima Guerrater por ter forjado onze artigos anulados pela Elsevier, maior editora científica do mundo, conforme publicou a revista Piauí, de 2011. (olhar direto)

arardilla

CalvinAndHobbespalgio

“Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”, Lei de Lavoisier. Sobrevivendo na Ciência

ratos-de-laboratorio

Veja também: Umbrella Corporation, Mão Santa, Como a indústria do fumo enganou as pessoas?, A máscara e algumas verdades, Turbina eólica caseira, Demãos dadas, A Ultima Ceia, Fusca híbrido, Free Energy, Veneno ecológico para matar ratos., Quem matou o carro elétrico?, Recadastramento Eleitoral Biométrico, Pegadinhas do Marco Civil da Internet, Sheherazade e a Secom, Ranking Mundial de Liberdade de Imprensa