Destino Certo

Instagram
Facebook

Destineze-se: Campanha recolhe óleo de fritura para fabricação de biodiesel, Fries car, Cataki, o “Tinder da reciclagem”, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, Ilha de plástico, Restaure Sua Fé na Humanidade Com Essas Pessoas Salvando O Planeta

Plástico de cânhamo

A criação do plástico totalmente sintético, feito à base de petróleo, carvão e gás natural, segundo a revista Super Interessante, aconteceu em 1907 e com um bom propósito: substituir o marfim, a matéria que forma nos dentes dos elefantes, moldado desde o século XVII. Hoje, o impacto da produção e descarte do plástico ao meio ambiente, coloca às empresas e cidadãos o papel vital de repensar atitudes e maneiras de reduzir o uso do material. The Green Hub

O Cânhamo tem um crescimento rápido e baixo custo para produzir.  Seu cultivo é um dos mais diversamente aplicados e sustentáveis do mundo.  Além disso, o Brasil possui enorme potencial agrícola e condições climáticas favoráveis para tornar o país um grande exportador da matéria.

Ao ser fabricado com cânhamo, o plástico se torna um item biodegradável e não tóxico, o que o torna mais seguro para a saúde das pessoas e do meio ambiente. Enquanto uma sacola plástica convencional levará séculos para se degradar na natureza, o bioplástico levará de três a seis meses. Naturalmente, isso significa que o bioplástico de cânhamo não é ideal para utensílios de longo prazo, mas é perfeito para os de uso único.

Infográfico da Sana Packaging traduzido pela The Green Hub

A empresa Sana Packaging produz embalagens feitas 100% a partir do bioplástico de cânhamo, plástico oceânico recuperado e outros materiais que visam reduzir o impacto do plástico tradicional no mundo.

A versatilidade da planta é outro ponto positivo. Sua semente, caule e folha podem ser aproveitados e transformados em matéria-prima para diversos setores: construção civil, alimentício, vestuário, biocombustível, pet, cosmético, entre tantos outros. O plástico, no entanto, é feito a partir do caule e fibras, tal como papel, tecidos, cordas e materiais de construção.

A empresa LEGO, que possui seis décadas de história em plástico, agora está investindo milhões de dólares para eliminar esse material. A estimativa é que em 2030, 60 bilhões de peças que a empresa fabrica a cada ano serão totalmente substituídas por cânhamo, uma variedade da Cannabis sativa. Sechat

Outra empresa, a australiana Zeoform, está trabalhando há anos no avanço das tecnologias de cânhamo biodegradáveis. Ela conta que desenvolveu um novo tipo de plástico feito inteiramente com cânhamo. Este material pode ser injetado ou moldado em produtos sem fim que vão desde botões até móveis de casa e até mesmo tijolos de brinquedo.

THCze-se: SOBRE MACONHA, Baterias de cânhamo, Vaginóides!, Your Cannabis Grow, em outubro tem colheita., Fibra de “maconha” na produção têxtil, Plástico Pena, Ranking dos 10 setores que mais consomem no país

130 mil itens são descartados por semana em depósito da Escócia

Olhar Digital – Facebook

Durante o ano de 2020, a Amazon destruiu mais de 2 milhões de produtos falsificados. De acordo com a empresa, apesar da facilidade de cadastro de produtos que ela oferece aos seus parceiros, os seus centros de distribuição buscam identificar produtos não originais e proteger o consumidor. Além disso, destruição do material também evita que ele volte a ser vendido. tudo celular

Mas ao que parece, a empresa mais valiosa do mundo também produz um desperdício de produtos chocante em escala semanal, mesmo em tempos de grande preocupação ambiental com o efeito estufa e consequente colapso dos oceanos.

Uma investigação da emissora de televisão britânica ITV revelou que um depósito da Amazon na cidade de Dunfermline, na Escócia, destrói mais de 130.000 itens não vendidos por semana.

Segundo um ex-funcionário da empresa, entre o material “descartado” estão produtos muito desejados como MacBooks, TVs, joias, fones de ouvido, livros e máscaras PFF2 para prevenção do coronavírus.

Os trabalhadores, de acordo com o colaborador não identificado, têm uma meta semanal de separar 130.000 itens para “descarte”. Pelo menos metade desses produtos são destruídos ainda embalados, enquanto a outra metade, embora constituída de itens devolvidos por clientes, ainda apresenta em boas condições de uso mesmo fora das caixas.

E essa não é uma exclusividade da unidade de Dunfermline. Em 2019, repórteres franceses descobriram que a Amazon destruiu mais de 3 milhões de produtos em apenas um ano em dos armazéns na França.

A informação foi revelada por um ex-funcionário da gigante do e-commerce. Ele filmou um dos 24 centros de distribuição que operam no Reino Unido e capturou a chamada “zona de destruição”. Lá, a empresa descarta milhares de produtos nunca usados. Entre eles estão Smart TVs, notebooks, drones, secadores de cabelo, fones de ouvido de última geração, livros, milhares de máscaras seladas. tecmundo

“A nossa meta era destruir 130 mil itens por semana. Não há razão para o que é destruído: aspirador de pó, MacBooks e iPads; no outro dia, 20 mil máscaras [faciais] de Covid ainda fechadas foram destruídas”, conta.

De acordo com o ex-funcionário — que não quis se identificar na reportagem —, todos esses itens são separados em caixas com a marcação “destruir”.

Antes de saber da investigação, o diretor da Amazon no Reino Unido, John Boumphrey, contou à ITV News que a quantidade que a empresa destrói é “extremamente pequena”.

Após a reportagem, Boumphrey afirmou: “Estamos trabalhando para uma meta de descarte zero de produtos e nossa prioridade é revender, doar para organizações de caridade ou reciclar quaisquer produtos não vendidos. Nenhum item é enviado para aterro no “Reino Unido”. Como último recurso, enviaremos itens para recuperação de energia, mas estamos trabalhando muito para reduzir o número de vezes que isso acontece”.

Descarteze-se: Cataki, o “Tinder da reciclagem”, Caroço de abacate vira talher biodegradável no México, Organizando a casa, Lixo ou resíduos?

Friend of Glass

Friends of Glass

Friends of Glass is a community which supports everything about glass packaging. In a slightly bigger nutshell, Friends of Glass advocates a lifestyle which includes glass for three main reasons: health, taste and sustainability.

Instagram

Glass is the only packaging material available that is 100% inert and 100% recyclable. Unlike other packaging that leach chemicals that are hazardous to your health and change the way your food tastes; glass preserves and protects your food without adding anything. Not only that, glass is made from all natural materials and is infinitely recyclable without a loss in quality or purity.

Friends of Glass started in 2008 as an awareness campaign for glass.It was created by FEVE, the European Container Glass Federation, an international not-for-profit association representing glass packaging for food and drink, flacons for perfumery, pharmacy and cosmetics and glass tableware makers. Friends of Glass unites a community of people from different countries in Europe and beyond who are convinced that glass is an ideal packaging material because of its unique environmental, economic and family-friendly benefits. Individuals, national organisations, agencies and companies that believe in the sustainability credentials of glass are also proud members of the community. For more details contact us at info@friendsofglass.com, or for further information on national activities you can refer to the national contact points

Vidrize-se: Glass Design, Truques simples e originais para o ajudar no jardim, Jardim em garrafa, sem água desde 1972, 3 RECEITAS DE CONSERVAS DE FERMENTAÇÃO SELVAGEM, Mercado de Resíduos Sólidos, Lixo, 40% de desconto., 20 ideias para girar o mundo – Ailton Krenak

eBussy, os Carros Modulares chegaram!

Os Carros Modulares chegaram! (e parecem um transformer..)Elementar

Algumas empresas inclusive estão desenvolvendo o que eles chamam de o Android dos carros, uma estrutura que qualquer empresa pode comprar e construir o seu modelo em cima.

Os veículos elétricos oferecem aos fabricantes de automóveis a oportunidade única de apresentar projetos exclusivos. Hitechglitz

Empresas como a General Motors e a Rivian desenvolveram os chamados “skates”, que permitem usar a mesma potência e o mesmo trem de acionamento para um grande número de veículos e mudar a carroceria de acordo com as necessidades do cliente.

Este é o primeiro veículo de quatro rodas real da Electric Brands, mais conhecido por fabricar scooters, e a nova oferta é certamente única. A empresa diz que oferecerá o eBussy em 10 variações diferentes (algumas das quais são mostradas acima), incluindo uma picape, um caminhão basculante, uma van de painel e meu favorito pessoal, um motorhome.

Além desses princípios básicos do acionamento elétrico, a coisa mais fascinante sobre o eBussy é o design modular e personalizável. O chassi está disponível em duas configurações: Offroad e City. Você também pode escolher entre dez estilos diferentes de corpo. Isso significa que você pode mudar de um simples carro de passageiro para uma pick-up, um motorhome ou até um carro de surf. Se você quer uma van, basta substituir um novo corpo.

La estética, aunque no se podría definir una sola, se basa en un cuerpo de rectangular y como detalle en su parte frontal, una franja que incorpora lo que serían los faros de luz, y un parachoques de una pieza que sobresale ligeramente. Ventanas en todo el contorno de la carrocería. Jessica Paola Vera García – el carro colombiano

En el interior del eBussy, se encuentra adaptado un volante que se puede pasar fácilmente de izquierda a derecha o ajustar en la parte centrar del panel, simplemente deslizándolo. Esta opción se ofrece, gracias a que el vehículo utiliza tecnología de conducción por cable.

O eBussy também terá painéis solares no telhado para carregar as baterias quando o sol estiver lá fora.

Segundo a Electric Brands, o eBussy está equipado com uma bateria de 10 kWh que oferece um alcance de 200 km. Também é oferecido um modelo de 30 kWh, que aumenta o alcance para mais de 595 km. O eBussy também usará motores durante o curso – semelhante ao captador elétrico de Lordstown Endurance.

E mesmo sendo bem pequeno, com apenas 3,64 de comprimento, ele pode levar até mil quilos de carga, o suficiente para o acoplamento de um trailer. Para carregar tamanho peso, o torque disponibilizado pelos motores elétricos do veículo impressiona: são 101,6 kgf/m, praticamente o dobro da picape média Volkswagen Amarok V6, uma das maiores e mais fortes já avaliadas pelo Canaltech.

A troca de bateria, em que você dirige para uma estação especial, remove as pilhas vazias e as substitui por novas, totalmente carregadas, foi vista como uma boa resposta para aumentar a ansiedade. Isso permitiria aos motoristas “reabastecerem” seus veículos elétricos em minutos, em vez de horas.

O modelo básico começa em cerca de US $ 18.000 e sobe para US $ 33.000 para o modelo mais caro, o campista off-road. befitglitz

Agora, a Electric Brands evoluiu o conceito e lançou a versão definitiva do protótipo, já com a nova designação X-Bus, mas seguindo o mesmo princípio Lego, de construção por módulos que se trocam de forma bastante fácil num distribuidor ou por duas pessoas, sem a necessidade de ferramentas especiais.

O X-Bus está classificado como veículo de classe L7e, para quadriciclos. Motor 24

O modelo é apontado à produção em série, na fábrica em Itzehoe, na Alemanha, já em meados de 2022, por preços que arrancam nos 17.000 euros. Mas na página oficial da Electric Brands já é possível configurar o versátil elétrico em todas as suas versões, incluindo como autocaravana.

A Electric Brands já disponibilizou encomendas do XBus em seu site oficial para toda a Europa, com preços partindo de € 18.070 na configuração Freedom. Seu lançamento está marcado para 2022.

Moduze-se: Carro elétrico gastando R$3 mil, Monte seu Fusca, Fusca de Lego, Monte o seu Drone caseiro (Quadricóptero), Itaipu E-400: o primeiro carro elétrico brasileiro, Carro da Tesla completa órbita ao redor do Sol, Reinventando a roda, Quem matou o carro elétrico?

Reuso de água na Semana do Químico

Palestra Reuso de água Semana do Químico CRQ 06/2021Jamur Gerloff

A reutilização ou o reuso de água ou o uso de águas residuárias não é um conceito novo e tem sido praticado em todo o mundo há muitos anos. Cetesb – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Existem relatos de sua prática na Grécia Antiga, com a disposição de esgotos e sua utilização na irrigação. No entanto, a demanda crescente por água tem feito do reuso planejado da água um tema atual e de grande importância.

Neste sentido, deve-se considerar o reuso de água como parte de uma atividade mais abrangente que é o uso racional ou eficiente da água, o qual compreende também o controle de perdas e desperdícios, e a minimização da produção de efluentes e do consumo de água.

Dentro dessa ótica, os esgotos tratados têm um papel fundamental no planejamento e na gestão sustentável dos recursos hídricos como um substituto para o uso de águas destinadas a fins agrícolas e de irrigação, entre outros.

As águas de chuva são encaradas pela legislação brasileira hoje como esgoto, pois ela usualmente vai dos telhados, e dos pisos para as bocas de lobo aonde, como “solvente universal”, vai carreando todo tipo de impurezas, dissolvidas, suspensas, ou Simplesmente arrastadas mecanicamente, para um córrego que vai acabar dando num rio que por sua vez vai acabar suprindo uma captação para Tratamento de Água Potável. Claro que essa água sofreu um processo natural de diluição e autodepuração, ao longo de seu percurso hídrico, nem sempre suficiente para realmente depurá-la.

Reuze-se: Método Kabyle, Water Crisis in Pakistan, O mar de Aral virou areia., Tapetes do fundo do mar e reflexão sobre preservação dos oceanos, Ranking da poluição plástica nos oceanos

Ranking da poluição plástica nos oceanos

Foi proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU) que entre 2021 e 2030 seja a Década dos Oceanos, visando expor e conscientizar as populações sobre a importância dos oceanos, além de mobilizar atores públicos, privados e a sociedade civil em ações que favoreçam a sustentabilidade dos mares. Ana Rita AlbuquerqueMonitor Mercantil

O plástico tem uma grande permanência no ambiente. Sua produção em massa, a partir da década de 1940, levou a uma quantidade imensa desse material na natureza, visto que o produto não se degrada, o que facilita o acúmulo de resíduos sólidos e o crescente aumento de lixo marinho, com graves consequências para a fauna. O lixo acumulado na praia ou na superfície do mar representa apenas 1% do plástico que é despejado nos oceanos, porque quase tudo fica concentrado a centenas de metros de profundidade. Agência Senado

A cada ano, cerca de 8 milhões de toneladas de plástico acabam no oceano, o que equivale a um caminhão de lixo cheio desse produto jogado no mar a cada minuto, segundo dados do Fórum Econômico Mundial.

O Brasil é o maior produtor de plástico na América Latina, produzindo cerca de 6 milhões de toneladas por ano, dentre os quais aproximadamente 5% acabam parando no fundo do mar. Estudos também indicam que até 2040 o lixo plástico dos oceanos poderá chegar ao triplo do atual. Estima-se que cerca de 150 milhões de toneladas métricas de plásticos já estejam flutuando nos oceanos.

A produção de plástico deve crescer cerca de 50% até 2025, pois muitos itens da vida moderna os tornam indispensáveis.

“Se o plástico é produzido a partir do petróleo — o que corresponde a mais de 90% do total —, problemas decorrem, também, de seu processo de fabricação. Os impactos das refinarias vão desde as consequências dos estudos sísmicos realizados na etapa de exploração até o consumo de grandes quantidades de água e de energia, geração de vultosas quantidades de despejo líquido, liberação de diversos gases nocivos na atmosfera (como os policíclicos aromáticos), produção de resíduos sólidos de difícil tratamento, além dos frequentes vazamentos de petróleo em ambiente marinho, como ocorreu com a British Petrolium (BP), nos Estados Unidos, e com a Chevron Brasil, no estado do Rio de Janeiro”.

O novo índice “Plastic Waste Makers Index: Revealing the source of the single-use plastics crisis”, ou O Índice do Desperdício de Plásticos: Revelando as origens da crise dos plásticos de uso único, foi divulgado no dia 18 de maio. Brasil Econômico – Ig

Em três anos consecutivos, 2018, 2019 e 2020, esse ranking elaborado pela organização internacional Break Free From Plastic revela que três multinacionais se mantêm no topo dessa lista lamentável: são as principais responsáveis pelo descarte de lixo plástico no mundo: Coca-Cola, PepsiCo e Nestlé. Suzana CamargoConexão Planeta

Em 2020, quase 15 mil voluntários, em 55 países, incluindo o Brasil, participaram de mutirões de limpezas em praias, rios, parques e outras localidades públicas. Juntos, eles coletaram mais de 350 mil resíduos plásticos, que depois, foram analisados por auditorias que apontam quais são as marcas fabricantes dessas embalagens.

Além das três multinacionais citadas acima, o levantamento revela o nome de outras sete empresas que contribuem para o descarte global de lixo plástico:

  1. Coca-Cola
  2. PepsiCo
  3. Nestlé
  4. Unilever
  5. Mondelez International
  6. Mars Incorporated
  7. Procter & Gamble
  8. Phillip Morris International
  9. Colgate-Palmolive
  10. Perfetti van Melle

Segundo o relatório, sete das empresas que aparecem no ranking – Coca-Cola, PepsiCo, Nestlé, Unilever, Mondelez International, Mars e Colgate-Palmolive aderiram ao Compromisso Global da Nova Economia do Plástico, mas um relatório divulgado recentemente pela Fundação Ellen MacArthur afirma que as signatárias do acordo reduziram o uso do plástico virgem em apenas 0,1% entre 2018 e 2019.

Para a Break Free From Plastic, é fundamental que essas companhias não só reduzam urgentemente a quantidade de plástico descartável que usam, mas também, definam metas claras e mensuráveis para tal, assim como assumam total responsabilidade pelo custo externalizado de seus produtos, tais como os custos de coleta e tratamento de resíduos e os danos ambientais por eles causados.

Trata-se de um estudo  elaborado com a colaboração de pesquisadores do London School of Economics, do Instituto Indiano de Tecnologia de Delhi, do Instituto do Meio Ambiente de Estocolmo, da consultoria Wood Mackenzie, do think tank Planet Tracker e da gigante australiana de minério de ferro Fortescue (cujo CEO, Andrew Forrest, é o fundador da Minderoo). O índice é auditado pela KPMG.

Em todo mundo, diversas associações de catadores também fizeram parte do esforço. Elas denunciam que a grande maioria dessas embalagens produzidas pelas gigantes multinacionais não pode ser reciclada. Além disso, o que é reciclável vale muito pouco para esse setor.

O levantamento revelou que um terço da produção global de plástico é de descartáveis. Dentre eles, 98% são feitos de derivados de petróleo. Mais de 130 milhões de toneladas desse material acabaram em aterros, incinerados ou descartados no meio ambiente em 2019. Quase 20% desse total, cerca de 25 milhões de toneladas, foram para os oceanos e terrenos baldios. Cem empresas estão por trás de 90 por cento da produção global de plástico descartável.

#BrandAudit2020 Reveals this Year’s Top Plastic Pollutersbreakfreefromplastic

Apenas 20 empresas produzem mais de 50% de toda a resina mãe, isto é – a matéria prima dos plásticos. O pódio é da ExxonMobil, que produziu 5,9 milhões de toneladas de lixo plástico global, a norte-americana Dow e a Sinopec. Só estas três respondem por 16% do lixo plástico de uso único global.

Toda esta cadeia é pouco transparente, além de muito poluente e concentrada, diz o documento. Quase 60% dessa produção de uso único é financiada por apenas 20 bancos globais. “Vinte gestores de ativos institucionais – liderados pelas empresas americanas Vanguard Group, BlackRock e Capital Group – detêm mais de US$ 300 bilhões em ações das empresas-mãe desses produtores de polímeros, dos quais cerca de US$ 10 bilhões vêm da produção de polímeros virgens para plástico de uso único”, aponta o estudo.

O relatório também estima que 20 dos maiores bancos do mundo, incluindo Barclays, HSBC e Bank of America, tenham emprestado quase US$ 30 bilhões para a produção desses polímeros desde 2011.

De acordo com o consultor legislativo do Senado Joaquim Maia Neto que elaborou o estudo Contribuições do Poder Legislativo no Combate à Poluição Causada por Plástico, além de garantir maior proteção ambiental, uma lei nacional traria uma uniformidade desejável e seria indutora de investimentos na produção de materiais sustentáveis.

As dificuldades para a aprovação de eventual projeto de lei no sentido pretendido não seriam de ordem jurídica, mas, sim, política. Em primeiro lugar é preciso considerar que o lobby da indústria de plástico é forte e atua contrariamente à aprovação das proposições que já tramitam no Congresso, observa o estudo de Joaquim Maia Neto. A outra dificuldade refere-se à existência de várias proposições em tramitação que tratam do tema. Uma nova proposição viria no sentido de dispersar ainda mais os esforços para a aprovação de legislação nos moldes pretendidos, avalia o estudo do consultor legislativo Joaquim Maia Neto.

A auditoria global da Break Free From Plastic revelou também que sachês descartáveis, usados para embalar pequenos volumes de produtos – como ketchup, café e xampu –, são o tipo de item mais frequentemente encontrado, seguidos por bitucas de cigarro e garrafas de plástico. Vale lembrar que o descarte correto de embalagens também é responsabilidade do consumidor. Ao adquirir um produto, dê preferência a embalagens ecológicas, recicláveis ou biodegradáveis, e procure dar a elas a destinação adequada. eCycle

Waterze-se: Brazilian Berry, Patrick Kilonzo Mwalua, Como deixar ela molhadinha, Filtro de água “improvisável”!, Esgoto como fonte de recursos, Sea angels, Piscina biológica sem cloro, Método Kabyle, Water Crisis in Pakistan

Ilha de plástico

Uma realidade que poucos conhecem são as chamadas “ilhas de plástico” que existem nos oceanos, sendo formadas por gigantescas concentrações de lixo – basicamente plásticos (microplásticos – até 5 milímetros) que são atraídos por correntes rotativas e nelas ficam presos. Atualmente são reconhecidas 5 (cinco) grandes ilhas de plástico: (a) duas no Pacífico, (b) duas no Atlântico e (c) uma no Índico. Foi em 1997 que Charles Moore descobriu a ilha de plástico do Pacífico. A “ilha” é formada basicamente por micro plásticos, mas não só. As suas dimensões chegam a 1,6 milhão de metros quadrados que englobam cerca de 79 mil toneladas de plástico. O Fórum Econômico Mundial acredita que, em 2050, os mares e oceanos terão mais plásticos do que peixes. Paulo de Bessa AntunesGenJurídico

Estima-se que cerca de 80% da poluição dos mares tem origem telúrica. No Brasil não é diferente.  O Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo indica que plásticos, medicamentos, drogas e esgoto doméstico formam a grande parte da poluição de nossos mares.

O Fundo Mundial para a Natureza – WWF identificou os seguintes danos econômicos causados pela poluição por  plásticos dos mares e oceanos: (a) redução de suprimento e demanda por frutos do mar   “devido às mortes dos animais e à preocupação da ingestão de plástico pelos animais. “, (b) obstrução dos motores das embarcações. Em relação a tais itens, estima-se que “os custos referentes à interrupção do comércio devido à poluição plástica na União Europeia sejam de 0,9% do total das receitas da indústria, o que equivale a € 61,7 milhões ao ano”. Ainda segundo o estudo “Solucionar a Poluição Plástica: Transparência e Responsabilização”, a Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC) estimou o custo de danos por poluição à navegação comercial em US$ 297 milhões ao ano.

Em relação ao turismo, a poluição plástica pode reduzir as receitas e aumentar os custos da indústria do turismo. A poluição por plásticos é uma das mais graves que assolam os mares e oceanos. A cada ano são lançadas cerca de 8 milhões de toneladas de plástico nos mares, causando danos vultosos; acredita-se que até 1 milhão de pássaros marinhos e 100 mil mamíferos possam ser mortos anualmente em razão da quantidade de lixo plástico presente nos mares.

O Brasil possui litoral com aproximadamente 8,5 mil quilômetros de extensão, abrangendo 17 Estados e 280 municípios, por volta de 80% da população nacional está localizada a menos de 200 quilômetros do litoral, no que tange à zona econômica exclusiva, a sua extensão é de 4,5 milhões de quilômetros quadrados. Conforme consta do Plano Nacional de Combate ao Lixo no Mar, lançado pelo Ministério do Meio Ambiente, 90% do lixo monitorado em praias e restingas do litoral brasileiro são constituídos por resíduos plásticos, sendo os elementos mais comuns os seguintes: (1) tampas de garrafas e tampas em geral; (2) garrafas; (3) embalagens de comida; (4) sacolas plásticas; (5) cigarros, filtros ou bitucas; (6) derivados de cordas e cabos; cordas e cabos (menores que 1 metro); (7) hastes flexíveis; (8) fragmentos não identificados; (9) esponjas, espumas, espumas vinílicas acetinadas – EVAs; (10) copos e embalagens de isopor; (11) boias de isopor e fragmentos; (12) fragmentos de isopor. Aproximadamente 70% das tartarugas que encalham no litoral brasileiro ingeriram plástico.

WWF / Banco Mundial (What a Waste 2.0: A Global Snapshot of Solid Waste Management to 2050) * Valor total de lixo plástico descartado em resíduos sólidos urbanos, resíduos industriais, resíduos de construção, lixo eletrônico e resíduos agrícolas, na fabricação de produtos durante um ano.

Em 2010, pesquisadores do Centro de Análises Ecológicas da Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, contabilizaram 8 milhões de toneladas – e estimaram 9,1 milhões de toneladas para 2015.

O mesmo estudo, publicado na revista acadêmica Science em 2015, analisou 192 países com território à beira-mar que estão contribuindo para o lançamento de resíduos de plástico nos oceanos. E descobriu que 13 dos 20 principais responsáveis pela poluição marinha são nações asiáticas.

Enquanto a China está no topo da lista, os Estados Unidos aparecem na 20ª posição.

O Brasil ocupa, por sua vez, o 16º lugar do ranking, que leva em conta o tamanho da população vivendo em áreas costeiras, o total de resíduos gerados e o total de plástico jogado fora. BBC news

Fonte: Iberdrola

O Brasil ostenta a posição de 4º maior produtor de plásticos no mundo, produzindo cerca de 11,3 milhões de toneladas do material, tendo um índice de coleta elevado, todavia, a reciclagem não passa de 1,28% para uma média global de 9%, o que, também se julga baixa.

A grande quantidade de resíduos de plástico é resultado do estilo de vida moderno, em que o plástico é usado como matéria-prima para diversos itens descartáveis ou “de uso único”, como garrafas de bebida, fraldas, cotonetes e talheres.

Em 2016, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar alertou para o crescente risco à saúde humana, dada a possibilidade de micropartículas de plástico estarem presentes nos tecidos dos peixes comercializados.

Uma pesquisa da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, mostrou que resíduos de plástico foram encontrados em um terço dos peixes capturados no Reino Unido, entre eles o bacalhau.

Além de resultar em desnutrição e fome para os peixes, os pesquisadores dizem que, ao consumir frutos do mar, os seres humanos podem estar se alimentando, por tabela, de fragmentos de plástico. E os efeitos disso ainda são desconhecidos.

Plastifiqueze-se: , , , Iemanjá, Giorggio Abrantes,  Comida para pássaros, Reciclável e/ou não!,

Restaure Sua Fé na Humanidade Com Essas Pessoas Salvando O Planeta

Restaure Sua Fé na Humanidade Com Essas Pessoas Salvando O PlanetaFala Sério

Os humanos têm feito um péssimo trabalho em manter nosso planeta saudável mas algumas pessoas boas entre nós dão o exemplo de como devemos tratar o nosso planeta.

Salveze-se: Cataki, o “Tinder da reciclagem”, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, 5 DICAS PARA SER MAIS SUSTENTÁVEL NA IDA AO SUPERMERCADO, Lixo é dinheiro., Troque lixo por comida!?!, Nave Tierra, Lixo ou resíduos?

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

1. Vaso para flores

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Basta decorar com o que você tiver em casa. Pode ser com um simples barbante e um pouco de tinta, ou, para ficar ainda mais bonito, um barbante de palha. Com argila também fica ótimo.

2. Embrulho para presente

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Pinte, cole, rabisque, faça o que quiser. Quando pronto, aproveite o tubo para colocar, por exemplo, biscoitos de Natal ou outros presentes pequenos. 

3. Porta grãos ou porta macarrão

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

As latas compridas são ótimas para guardar espagueti ou qualquer outro alimento. Use a sua imaginação.

4. Porta algodão ou porta plástico

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Basta fazer um pequeno furo na parte de baixo para tirar o algodão. Se fizer um pequeno furo na tampa, o tubo se transforma em um porta saco plástico.


5. Caleidoscópio

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Ótima ideia para pais e filhos. Você vai precisar de martelo e pregos (para fazer um furo no fundo do tubo), papel colorido, pedrinhas coloridas, inspiração e um pouco de tempo.

6. Caixa para coisinhas

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Guarde faixas, lãs, objetos de costura, etc. Tudo em ordem e sempre a mão.

7. Molde para velas

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Coloque cera derretida em diferentes combinações de cores e não se esqueça do pavio. Você pode fazer lindas velas com este tipo de material.

8. Mini-forno para salsicha

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Talvez não seja a forma mais prática para preparar salsichas, mas é divertida. 

9. Castelos, torres e casas

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

O tubo é uma base perfeita para fazer uma linda torre de castelo. Se for bem feita, ninguém consegue dizer qual foi a matéria-prima.

10. Papelaria

10 maneiras incríveis de reciclar potes de batatas

Ótimo para organizar canetas, lápis, pincéis, réguas, etc. 

Fotofabyoubliss
Tradução e Adaptação: Incrível.club

Batataze-se: Glass Design, Sistema aquapónico Pet, Faça você mesma, para economizar!, CASES SEBRAE: BANCO PÉROLA, HERSELF E SUMÁ, Projetos incríveis com pet e botellas, Como fazer máscara com camiseta

Cataki, o “Tinder da reciclagem”

Os catadores recolhem cerca de 90% de tudo o que é reciclado no Brasil. Os trabalhadores autônomos são a base da pirâmide de um setor não regulamentado e não reconhecido. Cataki

No Brasil, são 800 mil catadores. Em Cataki, apenas 1.400 estão cadastrados. Ainda temos muito trabalho a fazer.

Um aplicativo chamado Cataki, disponível para Android e iOS, foi reconhecido com o prêmio de inovação do fórum Netexplo, que é concedido anualmente para projetos de tecnologia com maior impacto social e nos negócios.

Como a ferramenta é destinada a uma população vulnerável, ela não requer que os catadores tenham um smartphone sempre consigo. O usuário procura uma pessoa nas proximidades para fazer o descarte de determinado material e, quando encontra alguém, acessa os contatos do catador para fazer uma ligação. tecmundo

E você pode ajudar a ampliar esta rede. Catador, catadora, se cadastrem.

Voluntário, voluntário, inscreva-se no catador de sua rua. Aquela mulher da cooperativa, aquele homem que puxa carroça … fala com eles!

Nesse contato inicial, data e hora do serviço são agendados, e os catadores combinam com seus clientes o preço adequado para a realização do transporte do material.

Os idealizadores do app arrecadaram R$ 160 mil para desenvolver a ferramenta e inscreveram seu projeto no prêmio de inovações tecnológicas do Netexplo, um observatório independente de estudos sobre o impacto de tecnologias na sociedade e nos negócios, parceiro da Unesco. Segundo a Deutsche Welle, mais de dois mil projetos de várias partes do mundo foram avaliados pela comissão do Netexplo, e o Cataki foi o vencedor.

Cataki é um processo aberto, sem fins lucrativos e colaborativo.  Nós precisamos da sua ajuda. Você pode:

  • Registre colecionadores
  • Escritório
  • Arrecadar fundos
  • Desenvolver (nodeJS, React, HTML, CSS)
  • Design e comunicação
  • Outro trabalho voluntário

Catakize-se: Contrapropaganda sobre a Cannabis, Sexo seguro!, 69 com moral da história., CATAKI, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, Reciclagem, flores e pneus, Como a Suécia consegue reciclar 99% do lixo que produz?

Giorggio Abrantes

Conhecido nas redes sociais como Gari Ecológico, o paraibano tornou-se um dos maiores exemplos da reciclagem no país, mas a guinada aconteceu somente depois que ele conheceu o “fundo do poço”. – QUOKKA MAG

Depois de vencer o alcoolismo, gari brasileiro torna-se exemplo de reciclagem e cria canal no Youtube 1

Natural de Aparecida, sertão do Paraíba, enfrentou uma longa e dura luta contra o alcoolismo, nesse período que permaneceu internado em uma clínica de reabilitação, no entanto, entre as atividades propostas pela instituição, ele acabou conhecendo a reciclagem, hoje responsável por esta guinada, que o transformou em youtuber famoso. Razões para Acreditar

Desta forma, além de ajudar o meio ambiente, ele vem inspirando milhares de pessoas a enxergar nas dificuldades uma oportunidade. Depois de sair da clínica e voltar a trabalhar nas ruas de Aparecida, Giorggio, começou a colocar todo o aprendizado em prática e passou a recolher garrafas PET e a guardar em casa e juntar com outros equipamentos que encontra no lixo e ferramentas que ele mesmo comprou, todo este plástico é transformado em vassouras, varal para roupas e até mesmo caixa de som.

O plástico tornou-se um dos maiores desafios, o trabalho do gari é tão essencial quanto fascinante. As vassouras, assim como os varáis, são altamente resistentes e possuem uma durabilidade de cerca de 3 anos. Para um varal de 15 metros de extenção, ele utiliza 4 garrafas, que “se não fosse por ele, acabaria nos oceanos”.

gari-ecologico-4

Se todo mundo compreendesse a importância de se compartilhar conhecimento, o mundo certamente seria um lugar muito mais generoso. Ainda bem que Giorggio entendeu, e por isto criou o seu canal Gari Ecológico no Youtube, onde ensina suas técnicas para quem quiser aprender.

Nos vídeos, ele não somente orienta as pessoas a como transformar garrafas em outros instrumentos, como fala da importância de separar bem o lixo e de lavá-lo antes de jogar fora. A prática, é uma demonstração de respeito por aqueles profissionais que passam boa parte de suas vidas limpando nossas cidades.

Foi pensando nos mais vulneráveis que Abrantes inventou uma caixinha de som inteiramente feita de garrafas PET. Acessível, sustentável e eficaz, o equipamento é a prova de inteligência e criatividade deste brasileiro, que encontrou toda sua força na adversidade.

Georggio Abrantes - Fotos: arquivo pessoal

Giorggio Abrantes Pordeus, de 37 anos, trabalha há 9 anos na cidade de Aparecida, no sertão da Paraíba, e nas horas vagas, faz os vídeos em casa. SóNotíciaBoa

Num dos vídeos ele usa uma engenhoca que corta a garrafa pet e tece o fio, que mais tarde é usado para fazer a tira do varal. Ele diz que produziu a máquina com ferro velho, um motor de tanquinho, uma roda de bicicleta, algumas partes de ventilador e uma bobina para armazenar o fio.

“Meus amigos me chamavam de louco porque eu estava compartilhando detalhes e segredos dos produtos como forma de capacitar pessoas com poucos recursos”, lembra.

“Eu sonho um dia fazer palestras para formadores novos de recicladores para juntos diminuir os resíduos que poluem nossos Rios e cidades”.

Convivendo diariamente com materiais que encontra na rua, ele se preocupa com a importância da reciclagem.

“Demora muito tempo para uma garrafa se decompor. Então a forma que a gente achar de fazer alguma coisa com ela já é uma utilidade”, concluiu.

Pordeuze-se: Dia do Gari, Trabalho e desigualdade social na contemporaneidade: reflexões sobre os agentes de limpeza pública, OURO VERDE E PROTEÇÃO DO PLANETA, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, Lixo é dinheiro., O TEATRO BARROCO DE O ALEIJADINHO, Jeremias 5, Idiocracy, Tijolo

Meu Fogão, Minha Vida (homemade wood stove, bushcraft, espiriteira)

Meu Fogão Minha Vida (homemade wood stove)Meantime

Fogão a lenha feito em uma lata de tinta, uma ideia bem prática, econômica ,e feita com materiais reciclados.

Materiais Utilizados:

– Lata De Tinta 3,6Lt;

– Lata Solvente 900Ml;

– Lata De Milho Verde 200g.

como fazer um foguete ou foguete, foguete * muito fácil *Victor Taller Bushcraft

Uma nova versão do #Estufa #Cohete ou #Rocket caseiro e com materiais reciclados e mais acessíveis! Ideal para acampar ou passear com os amigos, ele funciona tanto para cozinhar em uma panela quanto para ferver água para uma infusão, é pequeno e portátil e muito fácil de construir. Funciona com muito pouca lenha, pois é muito eficiente.

Fogão a lenha caseiro para o acampamento V2, poderoso para cozinhar – M Stove Project. Camping Together

Fogareiro: Como fazer um Super Eficiente e Prático para expedição, camping e bushcraft (espiriteira)Celso Cavallini

Espiriteirize-se: O papel da lareira, Coletores de sementes, Grude na Tela Rural, Coco gas, Outros olhos, Frida

Troque lixo por comida!?!

O Acre existe SIM – e está dando um banho de sustentabilidade nos demais Estados do país. A região acaba de ganhar o primeiro supermercado brasileiro em que é possível comprar comida com lixo reciclável. Bem Mais Mulher

O estabelecimento, batizado de TrocTroc, oferece aos clientes a possibilidade de trocar PETs, latas de alumínio e lacres de garrafas plásticas por qualquer produto vendido no mercado.

Cada quilo de material reciclável vale R$ 0,50 em compras. Caso o cliente traga os resíduos já limpos e amassados, facilitando sua reciclagem, o valor do bônus tem acréscimo de 20%.

O TrocTroc foi idealizado por Marcelo Valadão, presidente da House of Indians Foundation – uma entidade internacional que luta pelo respeito e preservação da cultura indígena e que, não por acaso, deixou o supermercado aos cuidados de membros da tribo Ashaninka, a fim de fomentar a economia local e valorizar seus costumes de troca.

Photo

Com o objetivo de diminuir a poluição e a degradação do meio ambiente na floresta Amazônica, o brasileiro Marcelo Valladão, idealizador do projeto e o lider indígena Ashaninka Benki Piyãko , com financiamento da Fundação House of Indians,  inauguraram um ecomercado no município de Marechal Thaumaturgo, no Acre.


O empreendimento sustentável, batizado como TrocTroc, é o primeiro do gênero a ser instalado no país. O mercado foi inaugurado no dia 31 de março e fica na Rua Raimundo Bezerra, no centro do município.

Embalos de bananas

O supermercado Rimping, em Chiangmai, na Tailândia, recebeu elogios no Facebook por ter inventado as embalagens ecologicamente corretas depois que uma empresa local as publicou em sua página na semana passada.
Grandes cadeias de supermercados no Vietnã, como Lotte Mart, Saigon Co.op e Big C, começaram a seguir os passos da loja tailandesa experimentando folhas de bananeira como uma alternativa de embalagem também em suas lojas.
Um relatório recente destacou a incrível quantidade de resíduos plásticos gerados por pessoas vietnamitas, eliminando cerca de 2.500 toneladas de resíduos plásticos por dia.um vice- relatório observou, proibir ou reduzir sacos plásticos de uso único em supermercados é uma tendência crescente na Ásia.

https://nextshark.com/banana-leaves-asia-plastic-packaging/

A culpa das velhas plásticas

Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa:
– A senhora deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que sacos de plástico não são amigáveis com o ambiente.

A senhora pediu desculpas e disse:
– Não havia essa onda verde no meu tempo.
O empregado respondeu:
– Esse é exatamente o nosso problema hoje, minha senhora. Sua geração não se preocupou o suficiente com o nosso meio ambiente.

– Você está certo – respondeu a senhora. Nossa geração não se preocupou adequadamente com o meio ambiente. Naquela época, as garrafas de leite, garrafas de refrigerante e cerveja eram devolvidos à loja. A loja mandava de volta para a fábrica, onde eram lavadas e esterilizadas antes de cada reuso, e eles, os fabricantes de bebidas, usavam as garrafas, umas tantas outras vezes.
Realmente, não nos preocupamos com o ambiente no nosso tempo.
Até as fraldas de bebês eram lavadas, porque não havia fraldas descartáveis. A secagem era feita por nós mesmos, não nestas máquinas secadoras elétricas. A energia solar e eólica é que realmente secavam nossas roupas.
Mas é verdade: não havia preocupação com o ambiente, naqueles dias. Naquela época tínhamos somente uma TV ou rádio em casa, e não uma TV em cada quarto. E a TV tinha uma tela de 14 polegadas, não um telão do tamanho de um estádio; que depois será descartado, como não sei.
Na cozinha, tínhamos que bater tudo com as mãos porque não havia batedeiras elétricas, que fazem tudo por nós. Quando enviávamos algo frágil pelo correio, usávamos jornal velho como proteção, e não plástico bolha ou pellets de plástico que duram cinco séculos para começar a degradar.
Naqueles tempos não se usava motor a gasolina para cortar a grama, era utilizado um cortador de grama que exigia músculos. O exercício era extraordinário, e não precisava ir a uma academia e usar esteiras que também funcionam à eletricidade.
Mas você tem razão: não havia naquela época preocupação com o meio ambiente. Bebíamos água diretamente da fonte, quando estávamos com sede, em vez de usar copos plásticos e garrafas pet que agora lotam os oceanos.
Na verdade, não tivemos uma onda verde naquela época. Naquele tempo, as pessoas tomavam o bonde ou ônibus coletivos e os meninos iam em suas bicicletas ou a pé para a escola, ao invés de usar os pais como serviço de táxi 24 horas.
Então, não é incrível que a atual geração fale tanto em “meio ambiente”, mas não queira abrir mão de nada e não pense em viver um pouco como na minha época!

Uma aula gratuita ministrada por uma idosa considerada ultrapassada.

Autor desconhecido. (WhatsApp)

www.desistirnunca.com.br
Entenda mais: A ILHA DE LIXO, CUCO, O MAR DE ARAL VIROU AREIA., BE MY EYES APP, PEIXE-BOI MARINHO, Plástico Pena, XEQUE MONTE, O AMARANTO INCA KIWICHA INVADE PLANTAÇÕES DE SOJA TRANSGÊNICA DA MONSANTO NOS ESTADOS UNIDOS, CARTA DA TERRA, ÁGUAS DE MARÇO, THE MARTIAN, PLANETARIO, PELADOS EM SANTOS

Ciclolix e a bike lixo!

Os catadores de lixo realizam um trabalho fundamental para impulsionar a coleta seletiva de materiais recicláveis, especialmente em cidades cujas prefeituras não dispõem de caminhões e lixeiros para cumprir a tarefa, capaz de evitar que várias toneladas de lixo reaproveitável parem em lixões.As chamadas Ciclolix fazem parte do projeto Relix, uma iniciativa do Sesi que propõe de ações de educação e arte para conscientizar sobre a importância da sustentabilidade.. Vivimetaliun

O projeto Pró-Catador, tem como objetivo ampliar a geração de renda nas cooperativas e grupos econômicos solidários de catadores de materiais recicláveis no estado.
Um dos fundadores da cooperativa, Valdemilson Santos, 58 anos, mostra com orgulho, o trabalho desenvolvido pelo empreendimento e fala sobre as perspectivas de desenvolvimento a partir dos conhecimentos e equipamentos ofertados pelo projeto Pró-Catador. “Com as capacitações aprendemos mais sobre a tecnologia da reciclagem. Com a chegada dos equipamentos, vai facilitar ainda mais a nossa vida, porque vamos prensar, organizar o material e poder vender por um preço melhor; isso vai gerar mais renda para nós da cooperativa”. Blog Mivan Gedeon

Um grupo que passa despercebido pela sociedade e que está envolvido diretamente com o processo de reciclagem de resíduos é o dos catadores. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) apontam que os catadores são responsáveis por quase 90% do lixo reciclado no Brasil.

De acordo com o Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, há 800 mil profissionais do tipo em atividade no país e aproximadamente 85 mil associados ao Movimento Nacional.

A maioria desses trabalhadores encontrou na profissão uma alternativa ao desemprego. No trimestre de julho a setembro deste ano, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) contabilizou 12,4 milhões de pessoas desempregadas em todo o país. Blog do Pedlowski

Kamikatsu, como separar o lixo?!?

Você acha que separar lixo por papel e plástico é uma tarefa árdua? Então pense nos moradores de Kamikatsu, uma pequena cidade nas montanhas da ilha de Shikoku, no sudoeste do Japão, que precisam separar o lixo em 45 categorias diferentes.

No centro de coleta de lixo, há caixas separadas para diferentes tipos de produtos: jornais, revistas, caixas, tampas de metal, garrafas de plástico, latas de alumínio, latas de aço, latas de spray, lâmpadas fluorescentes e assim por diante. Você pode pensar que isso é um exagero, mas os moradores de Kamikatsu têm uma meta para alcançar – o desperdício zero, e eles já já alcançaram 80% desta meta. Vivimetaliun

O Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), que reúne, entre outros dados, detalhes sobre o gerenciamento de resíduos no país, estima que, por ano, cada habitante produz cerca de 347 kg de lixo. Mas, ainda de acordo com esses estudos, apenas 13,7 kg (ou 4%) do lixo gerado anualmente por cada brasileiro vai para a reciclagem.
As lixeiras de reciclagem são divididas basicamente em quatro cores, uma para cada tipo de material: azul (papel), vermelho (plástico), verde (vidro) e amarelo (metal). O lixo orgânico é representado pela cor marrom.
Se o seu município tem serviço de coleta seletiva, você só precisa separar o lixo em duas categorias: recicláveis e não recicláveis (orgânicos). Tudo o que pode ser descartado nos lixos de cor vermelha, azul, verde e amarela entra na parte dos recicláveis, enquanto o lixo orgânico (marrom) vai para a lixeira de não recicláveis.
Você pode entregar o lixo reciclável para catadores ou diretamente em cooperativas de reciclagem na sua cidade. O Cempre (Compromisso Empresarial para Reciclagem) disponibiliza online o Mapa da Reciclagem, onde você pode encontrar os pontos de coleta de materiais recicláveis mais próximos da sua residência. O mapa também mostra locais de coleta de lixos tóxicos, isto é, que não podem ser descartados no lixo comum, itens como pilhas, baterias, óleo de cozinha, medicamentos vencidos, pneus, produtos eletrônicos e lâmpadas fluorescentes não podem ser descartados no lixo reciclável e nem no orgânico! Consulte o mapa aqui. Vivimetaliun

Quase todo mundo sabe da importância da reciclagem de lixo, mas, na prática, pouca gente adere ao hábito de separar os resíduos secos (sem falar nas áreas onde não há coleta seletiva): um estudo de 2017 aponta que apenas 13% do lixo que poderia ser reciclado no Brasil realmente tem esse destino.

Por isso é necessário destacar iniciativas que contribuem para mudar esse quadro. É o caso do Club do Condomínio, criado em Santos, no litoral de São Paulo, para incentivar síndicos de prédios a convencer os moradores a separar os resíduos.

Para isso foi criada uma espécie de moeda virtual, chamada bio-coin. A cada quilo de material recolhido por recicladores parceiros da iniciativa o prédio recebe 1 bio-coin, que equivale a 20 centavos. A cada 5000 bio-coins acumulados, o condomínio pode fazer o resgate de mil reais para ser usado nos serviços que o síndico considerar necessários. Vivimetaliun

A empresa belga Ecover foi fundada em 1980 para criar produtos de limpeza sem fosfato, um componente que poluía as águas. Por bastante tempo eles se dedicaram às fórmulas, mas recentemente perceberam que também era preciso prestar atenção nas embalagens.

Foi assim que surgiu o Rubbish Cafe (algo como “Café do Lixo”), uma ação promovida pela subsidiária da Ecover em Londres. Por dois dias, moradores da capital inglesa e turistas puderam ir ao local e trocar embalagens plásticas usadas por refeições. Vivimetaliun