INVEJA E ADMIRAÇÃO

A inveja e a admiração são como as duas faces de uma mesma moeda, ambas refletindo sentimentos que expressamos diante de um outro e que só em função dele mesmo podem sobreviver. Explicando melhor, inveja e admiração só existem quando projetadas em alguém e jamais por vida própria. Solon SaldanhaVIRTUALIDADES.

A inveja é desejo de posse exclusiva; a admiração tem possibilidade de compartilhamento. Quando se inveja, se quer que a condição do outro seja nossa e não dele. Quando se admira, se deseja que as qualidades que se vê em alguém possam iluminar as nossas próprias, sendo bom exemplo e motivação. Quem inveja quer ser o invejado; quem admira gostaria de ser como o admirado. Mesmo assim, esses sentimentos são meio que irmãos, estando a diferença na carga emocional que carregam, que pode ser positiva ou negativa.

As invejas genéricas, não maliciosas e que se confundem com a admiração, em geral não são por uma pessoa, mas por aquilo que ela representa. Sempre invejei, na juventude, quem tinha toda aquela habilidade necessária para jogar um futebol de qualidade. Mas nunca desejei ser eu mesmo um Zico ou um Falcão: a mim bastaria não estar na categoria dos “pernas-de-pau”, mas não foram poucos os gols contra que tantos deles marcaram ao longo de suas vidas, apoiando causas e pessoas execráveis.

Há admirações que podem parecer incontestáveis, como se fosse uma prova a desmentir Nélson Rodrigues e a sua afirmação de que “toda a unanimidade é burra”. Quase não se teve tempo para admirar o Papa João Paulo I, que ficou apenas 33 dias no comando da Igreja Católica, mas quem poderia não gostar do seu sorriso sincero como o de uma criança? Temos ainda o pacifista indiano Mahatma Gandhi; a genialidade humilde de um Einstein, com sua língua de fora eternizada em fotografia; a luz suave do médium Chico Xavier, de Madre Teresa de Calcutá – que na verdade nasceu na Macedônia – ou de Dalai Lama; a inteligência de Marie Curie; a inquebrantável vontade de um Nelson Mandela, na sua luta por igualdade; a criatividade visionária de Leonardo Da Vinci; a enorme sensibilidade de uma Cora Coralina, dentre muitos.

Outras admirações, no entanto, são de fato inexplicáveis. Mas, fazer o quê? Sempre existirá alguém que prefira Ustra ao invés de Arns; Joseph Goebbels no lugar de Paulo Freire; Josef Mengele e não Nise da Silveira. O que representa dizer a tortura ao invés da proteção e acolhimento; a propaganda doutrinária e não a educação inclusiva; os experimentos brutais com seres humanos sendo cobaias ao invés da atenção e do cuidado respeitoso a doentes mentais, por meio da arte. Mas, enfim, são por situações como essas exemplificadas em três comparações que se pode dar razão ao que disse Lulu Santos em uma das suas canções: “Assim caminha a humanidade/Com passos de formiga e sem vontade”.

Discordâncias quanto às escolhas feitas não desqualifica em nada serem usadas, seja na íntegra, com alguns acréscimos ou retirada de nomes. Acho também que podemos listar admirações e reconhecimentos coletivos. Aos professores, profissionais da saúde, cientistas, líderes religiosos verdadeiramente desinteressados e muito mais. Não faz mal algum vibrarmos com o conhecimento e a ciência; com vitórias e conquistas alheias no esporte, na economia, na busca da paz e na valorização da vida. Porque esse é um caminho que nos humaniza, antes que a perdamos.

bônus musical de hoje é Admiração, com Paulinho Moska. Ele é um cantor e compositor carioca, cujo nome de batismo é Paulo Corrêa de Araújo.

Palavras Perdidas: Prêmio Darwin, Será que é amor?!?, Prêmio Nobel aos bombeiros de Brumadinho, José Mojica Marins

O motorista e o palestrante.

Havia, certa vez, um palestrante que era muito famoso. As pessoas o convidavam para fazer palestras em cidades distantes. Ele ia de carro, e tinha o seu motorista. PE. ANTÔNIO QUEIROZ – A12

Um dia, durante uma longa viagem, o palestrante ficou afônico. Perdeu completamente a voz. Ao se aproximar da cidade, teve uma ideia. Disse ao motorista: “Você já ouviu muitíssimas vezes a minha palestra. Sabe-a de cor. Como ninguém nos conhece pessoalmente aqui, faça a palestra no meu lugar”.O motorista aceitou.

Pararam o carro e trocaram as roupas. O palestrante assumiu a direção do corro e foram. Chegaram em cima da hora, com o auditório já repleto. O “palestrante” foi recebido pomposamente, ficando o “motorista” sentado no meio da plateia. Fez uma brilhante palestra. Todos bateram palmas.

Terminada a fala, vieram as perguntas. Eram também as mesmas de sempre, cujas respostas o motorista sabia de cor. Foi respondendo a todas, com a maior desenvoltura.

Mas, de repente, surgiu uma pergunta nova. O motorista foi criativo. Disse para os ouvintes: “Eu já estou com a voz um pouco cansada, mas como esta pergunta é muito fácil, peço ao meu motorista que a responda”.

O palestrante verdadeiro, que nesta hora já estava um pouco melhor, devido ao uso de algumas pastilhas, subiu no palco, pegou o microfone e respondeu de forma magistral aquela pergunta e as demais que surgiram. No final, os dois foram aplaudidos de pé. E os ouvintes saíram comentando: “O homem é um gênio mesmo; até o motorista dele nos supera de longe!”

Existe certa semelhança entre essa história e Jesus, trocando de liderança conosco. Ele não ficou rouco, mas foi para o Céu, deixando-nos no seu lugar.

Em 1918, o professor alemão Max Plank ganhou o Prêmio Nobel de Física pelo seu excelente trabalho com a intricada Mecânica Quântica. Com a notoriedade, Plank foi convidado para inúmeras palestras pelo país e passou praticamente o ano inteiro viajando com seu motorista particular de cidade em cidade pela Alemanha. Wagner BrennerUpdate or Die

Certo dia o motorista falou brincando:

“Professor Plank, eu já assisti a sua palestra tantas vezes que eu seria capaz de repetí-la!”

O professor ficou imediatamente obcecado pela ideia e pela possibilidade. E misturando seu lado científico, naturalmente inclinado por experiências, mais uma boa dose de entediamento, propôs:

“Pois é exatamente isso o que nos vamos fazer. Vamos trocar de lugar. Na próxima cidade, você vai subir ao palco e fazer a palestra. E eu vou ficar sentado na primeira fileira, com uniforme e quepe de chofer. Vamos ver se conseguimos enganar a platéia!”

E assim foi. O motorista proferiu uma longa palestra completa sobre mecânica quântica avançada para uma platéia inteira de intelectuais, professores e universitários que o aplaudiram de pé.

Porém, após a ovação, um dos convidados resolveu levantar a mão e disparou um pergunta complicadíssima sobre o tema.

O motorista, sem pestanejar, respondeu:

“Humpf. Ora…  mas essa pergunta é tão… tão ridícula… mas tãããão ridícula… que eu vou até deixar essa pro meu motorista , aqui na primeira fileria, responder. Explica pra ele vai.”

Um matemático seguia em sua limusine para dar mais uma palestra de geometria simplética, quando seu motorista comentou:

– Patrão, ouvi sua palestra tantas vezes que tenho certeza de que poderia fazê-la em seu lugar. Brainly

– Impossível!

– Quer apostar?

Ao chegar ao local, trocaram de roupa e o motorista foi para o palco, enquanto o matemático se sentou na última fileira. No fim da palestra, começou a sessão de perguntas e o motorista respondeu todas com precisão até que, a certo momento, um sujeito fez uma pergunta dificílima.

O motorista, muito calmo, disse:

– Meu jovem, essa pergunta é tão fácil que vou pedir para meu motorista responder.

O motorista de aplicativo Filipe Mota ajudou uma jovem no parto, que ocorreu dentro do carro. Uma das muitas experiências transformadoras que esses trabalhadores têm com frequência. Victor Furtado – O Liberal

Faltava pouco para chegar. A estimativa do GPS era de 10 minutos. Foi quando a jovem disse “minha bolsa estourou”. Foi um susto imediato e Filipe disse ter buscado na memória tudo o que sabia sobre partos. “Lembrei que entre o rompimento da bolsa e o parto em si leva algum tempo”, conta. Mas o conhecimento empírico de nada valeu. Em cinco minutos após o chocante comunicado, saía um menino.

Palestrize-se: Qual sua vestimenta?, Industria da multa, Toda bike importa, Mas que dogs, AMAZON APRESENTA TÁXI ROBÔ,

3000 anos de engenharia, arquitetura e construção

Trecho do código para os engenheiros

Na imagem retirada do livro 3000 anos de engenharia, arquitetura e construção, temos o trecho que se enquadra para os construtores. E nele diz as seguintes regras:

  • Se um empreiteiro construir uma casa para um homem e completá-la, (este homem) deverá lhe pagar dois siclos por SAR da casa como remuneração;
  • Se um empreiteiro construir uma casa para um homem e não fizer sua construção sólida e a casa que ele construiu desabar, causando a morte do dono da casa, o empreiteiro será condenado à morte;
  • Se ela causar a morte do filho do dono da casa, o filho do empreiteiro será condenado a morte;
  • Se ela causar a morte de um escravo do dono da casa, ele dará ao proprietário da casa um escravo do mesmo valor;
  • Se o colapso destruir alguma coisa, o empreiteiro restituirá tudo aquilo que foi destruído e, como a casa que ele construiu não ficou firme e ruiu, ele deverá reconstruir a casa que desabou com seus próprios recursos;
  • Se um empreiteiro construir uma casa para um homem e não garantir que sua construção seja adequada e uma parede cair, o empreiteiro irá reforçar a parede às suas custas. Guilherme Menezes – engenharia 360

O Código de Hamurabi é um conjunto de leis criadas pelo sexto rei da Suméria Hamurábi, da primeira dinastia babilônica, no século XVIII a.C., na Mesopotâmia. É um código baseado na lei do Talião, que representa uma dura retaliação do crime praticado e de sua pena. A lei do Talião se baseia no “Olho por olho, dente por dente”. As 282 leis referentes ao código de Hamurabi foram talhadas em uma rocha de diorito. Elas foram escritas em letras cuneiformes e continham normas e penalidades para os fatos que costumam ocorrer diariamente na vida dos cidadãos. Tatuapé

Construze-se: Gangorra EUA x Mexico, CopenHill, a usina de lixo., Cursos online e gratuitos sobre agrofloresta, permacultura e ecodesign, O TEATRO BARROCO DE O ALEIJADINHO, Concentrador Solar Luminescente, Grafite na rua, Essênios, eventos externos, Lei Nacional de Defesa do usuário dos serviços públicos – Brasil

WORLD CUPolice

pelebrazuca
alckimeimcopaescola

Veja também: Quem é o povo?, 2014, Ano do Pão e Circo, Bode expiatório, Manifestantes ou vândalos?, Sal e vinagre, Polícia 24 horas, Saramago, Não Foi Acidente, Os cinco princípios de bem viver, Porquê eu quis?, Qual o volume ocupado por 1 trilhão de reais?, FIFA World Cup 2014 – THE REAL BRAZIL, PRESÍDIOS NO REGIME MILITAR, BBB por Antonio Barreto, UM MEDICO DE BELZONTE, Voto Nulo, Bolsa família, Feliz dia do índio!!!

Sonegômetro

sonegometro
O estudo ainda afirma que a arrecadação tributária brasileira poderia se expandir em 23,9%, caso fosse possível eliminar a evasão fiscal. Ou, melhor ainda, o peso da carga tributária poderia ser reduzido em quase 30%, com o país mantendo o mesmo nível de arrecadação.

R$ 415,1 bilhões equivalem a:

5.156.521 ambulâncias;
1.441.319 postos de saúde equipados;
8.647.916 postos policiais equipados;
12.456.996 salários anuais de policiais (SP);
30.079.710 salas de aula;
20.377.006 salários anuais de professores do ensino fundamental (piso MEC);
612.241.888 salários mínimos;
1.241.699.072 cestas básicas;
2.986.330 ônibus escolares;
4.010.628 km de asfalto ecológico;
18.672.964 carros populares (Fiat Mille Economy 2p);
13.836 presídios de segurança máxima;
143.137.931 iphone 5 (16Gb);
11.860.000 casas populares (40m²);
16.000.000 de bolsas família por 31 anos (básico R$70,00).

Veja o conteúdo integral do estudo do SINPROFAZ.

Veja também: Mídia estão de luto, O de Otário, Impostômetro, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Vinte centavos, Portal da Transparência, Semana do Consumidor, Casas de Mediação, De Quem é a Culpa?, Jesus era Peripatético., A arte de ler., Na trave!, Só um minuto!

Vinte centavos

Pra quem não entendeu ainda: os vinte centavos, um por um:

00,01 – a corrupção
00,02 – a impunidade
00,03 – a violência urbana
00,04 – a ameaça da volta da inflação
00,05 – a quantidade de impostos que pagamos sem ter nada em troca
00,06 – o baixo salário dos professores e médicos do estado
00,07 – o alto salário dos políticos
00,08 – a falta de uma oposição ao governo
00,09 – a falta de vergonha na cara dos governantes
00,10 – as nossas escolas e a falta de educação
00,11 – os nossos hospitais e a falta de um sistema de saúde digno
00,12 – as nossas estradas e a ineficiência do transporte público
00,13 – a prática da troca de votos por cargos públicos nos centros de poder que causa distorções
00,14 – a troca de votos da população menos esclarecida por pequenas melhorias públicas (pagas com dinheiro público) que coloca sempre os mesmos nomes no poder
00,15 – políticos condenados pela justiça ainda na ativa
00,16 – os mensaleiros terem sido julgados, condenados e ainda estarem livres
00,17 – partidos que parecem quadrilhas
00,18 – o preço dos estádios para a copa do mundo, o superfaturamento e a má qualidade das obras públicas
00,19 – a mídia tendenciosa e vendida
00,20 – a percepção que não somos representados pelos nossos governantes

Se precisarem tenho outros vinte centavos aqui, é só pedir.

Veja também: Comida de gente, Individualidade fugaz, Mosquitos vinho na foto, Ai meu Deus!, Não Foi Acidente, Casas de Mediação, Inside Job, Pra quem não entendeu ainda os vinte centavos, Jô Soares explica um por um

Quem paga o Carnaval!

“A gente não quer só comida, a gente quer bebida diversão e arte”. E quem disse que eu quero diversão e arte uma vez por ano? Quem disse que o catador de latinha tem quer esperar o ano todo para que em fevereiro possa finalmente comprar o leite do filho? As cotas de patrocínio para o Carnaval de Salvador 2012 têm valor mínimo estipulado em R$ 300 mil e máximo de R$ 4,9 milhões. O anúncio foi feito no dia 19/10 por Alexandre San Galo, Antônio Barreto Jr., Paulo Salum, Bruno Duarte e Fabio Duarte, diretores do consórcio OCP Mago, que agencia e comercializa, desde o ano passado, todas as cotas de patrocínio da festa.
Cláudio Tinoco, presidente da Empresa Salvador Turismo (Saltur), responsável pela realização da festa, o Carnaval de Salvador movimenta anualmente R$ 1 bilhão, e o retorno financeiro tem sido cada vez maior ao longo dos anos. A captação pública de recursos privados para a cidade passou de R$ 7,5 milhões em 2009 para R$ 15,6 milhões, em 2011, o evento conta com cerca de sete patrocinadores oficiais e 200 marcas associadas, sendo 80% deles de São Paulo. (Promoview)

O Carnaval é uma ótima oportunidade de lembrar como gastamos mal nosso dinheiro. Gastamos milhões em festas enquanto nossas escolas caem aos pedaços e nossa polícia ganha mal. Você sabe quanto vai custar o Carnaval dito “popular” de Recife? Fala-se em 35 milhões de reais em gastos com o Carnaval. Só pela prefeitura da cidade! Enquanto você vai de carro para Recife, aprecie nossas estradas cheias de buracos, pois quando você chegar, terá uma festa de primeira, paga com dinheiro público, com uma escola fuleira e um posto de saúde sem médicos.
Em Salvador, empresários profissionalizaram o evento e movimentam milhões de reais com blocos e camarotes. Mesmo assim, o dinheiro público ainda é determinante, o Estado patrocinando a festa, enquanto as nossas delegacias não têm a menor estrutura e nossos professores recebem salário de fome. (Adrualdo Catão)

O lazer é direito constitucional. “A gente não quer só comida, a gente quer bebida diversão e arte”. E quem disse que eu quero diversão e arte uma vez por ano? Quem disse que o catador de latinha tem quer esperar o ano todo para que em fevereiro possa finalmente comprar o leite do filho? (Papo de um Garoto)

Dizem que o Brasil tem duas paixões: futebol e carnaval.
O futebol e o carnaval são atividades privadas, organizadas por clubes e entidades carnavalescas, são sociedades civis, que deveriam ser mantidas com recursos próprios, alcançados por seus sócios e não pela sociedade que não participa, por qualquer motivo, de seu quadro social.
Interesse público é aquilo que interessa a parcela considerável da comunidade. A exemplo da lei de incentivo à cultura, traz algumas exigências objetivas que podem ser conhecidas de todos os interessados e que, desde que preenchidas, permitem que todos participem, e não dois ou três. “Eu, posso garantir, não peço dinheiro público para atender as minhas necessidades privadas.”
(João Marcos Adede y Castro)

O carnaval é uma indústria que propicia milhares de empregos diretos e indiretos, movimenta nossa economia, incrementa o turismo, nesta terra repleta de riquezas, habilidades, costumes, é preciso se ficar refém de festejos carnavalescos vai uma grande distância. o Brasil pode ser o país da honestidade, da cultura, da saúde, da tecnologia, da educação.
O Brasil é o país onde há a maior e mais avançada rede de captação de leite humano. É exemplo no combate à AIDS. O único país do hemisfério sul a participar do projeto genoma. Com dimensões continentais, consegue tempo recorde em apuração de e eleições.
(Correio Fraterno)

Veja também: 35 verdades ditas sobre o Brasil, pelos olhos de um Turista, Coleira para crianças, absurdo?, Ministério da Saúde, Procon divulga listas de empresas, O de Otário, Saramago, O Combate a Corrupção nas Prefeituras do Brasil, Cabeças de bagre, DECLARAÇÃO IRPF 2012

Incêndio, apenas 4° andar é salvo.

Em algum lugar neste país, um prédio de 4 andares foi totalmente destruído pelo fogo, um incêndio terrível. Todas as pessoas das 10 famílias de Sem-teto, que haviam invadido o 1º andar, faleceram no incêndio.

No 2º andar, todos os componentes das 12 famílias de retirantes, que viviam dos proventos da “Bolsa Família”, também não escaparam.

O 3º andar era ocupado por 4 famílias de ex-guerrilheiros, todos beneficiários de ações bem sucedidas contra o Governo, filiados a um Partido político influente, com altos cargos em estatais e empresas governamentais, que também faleceram.

No 4º andar viviam engenheiros, professores, empresários, bancários, vendedores, trabalhadores com suas famílias. Todos escaparam.

Imediatamente o “Presidente da Nação” e toda a sua assessoria mandou instalar um inquérito para que o “Chefe do Corpo de Bombeiros” explicasse a morte somente dos cumpanheiros e porque somente os moradores do 4º andar haviam escapado. Após uma extensa investigação, o Chefe dos Bombeiros respondeu:

– “Eles não estavam em casa. Estavam trabalhando ou na escola …”

Ademir P. Silva

Veja também: Ouro de tolo, Problemas sociais, Empoderamento dos recursos, Universidades do mundo, En+coleira+ar, Juan dos Mortos, O tempo chegará, Virtude, O Coxinha – uma análise sociológica, O mar de Aral virou areia., Economia de mercado