Ausonia Donato, entre outras.

Ausonia Favorido Donato – Escavador

A participação da Ausonia foi especialmente dirigida por Cacau Rhoden, pai de ex-aluno da escola. Acreditamos que esse material possa ser inspirador e motivador para muitos educadores que trabalham diariamente procurando formar pessoas justas e solidárias. Direção do Colégio Equipe

O pequeno burguês

Felicidade, passei no vestibular

Mas a faculdade é particular

Particular, ela é particular

Particular, ela é particular

Livros tão caros tantas taxas pra pagar

Meu dinheiro muito raro,

Alguém teve que emprestar

O meu dinheiro, alguém teve que emprestar

O meu dinheiro, alguém teve que emprestar

Morei no subúrbio, andei de trem atrasado

Do trabalho ia pra aula, sem

Jantar e bem cansado

Mas lá em casa à meia-noite tinha

Sempre a me esperar

Um punhado de problemas e criança pra criar

Para criar, só criança pra criar

Para criar, só criança pra criar

Mas felizmente eu consegui me formar

Mas da minha formatura, não cheguei a participar

Faltou dinheiro pra beca e também pro meu anel

Nem o diretor careca entregou o meu papel

O meu papel, meu canudo de papel

O meu papel, meu canudo de papel

E depois de tantos anos,

Só decepções, desenganos

Dizem que sou um burguês muito privilegiado

Mas burgueses são vocês

Eu não passo de um pobre-coitado

E quem quiser ser como eu,

Vai ter é que penar um bocado

Um bom bocado,

Vai penar um bom bocado. (Martinho da Vila, 1969)

A canção inicia com uma expressão que carrega em si um conjunto de sonhos e desejos, “felicidade!”, seguido daquilo que motivou esse sentimento: “passei no vestibular!”. Essa frase se transformou ao longo do tempo na expressão de uma conquista que estabelecia um limite muito claro entre dois grupos sociais, aqueles que teriam o reconhecimento expresso em aspectos simbólicos, traduzido pelo título de doutor, e aos que se negavam a possível continuidade dos estudos. Essa diferença, estruturante quando pensamos na constituição da sociedade brasileira, tem início em tempos em que ainda nem se cogitava compreender o Brasil como nação. O samba nos revela, em seus dois primeiros versos, um mecanismo que constitui um dos maiores impasses quando pensamos quais seriam as finalidades de um processo educacional. Afinal, a educação não deveria ser pensada como uma estratégia de emancipação de todos e de cada um? (Freire, 1987, p.30). Os preteridos e os preferidos: sinal dos tempos da educação. AUSONIA DONATO e MONIQUE BORBA CERQUEIRA. Instituto de Saúde, São Paulo, São Paulo, Brasil. In: Scielo


Assim, quando pequenos, vão com suas bicicletas de rodinhas e aos poucos vão aprendendo a se equilibrar, prescindindo delas e se tornando capazes de dar várias voltas na pista. É claro que alguns tombos e esfolados acontecem. Afinal, aprender nem sempre é fácil! Estadão
Veja também: O crime compensa, Deixa o menino brincar!, Todos querem ser felizes!, Sexo seguro!, FHC = THC, A onda, A Revolta dos Macacos, Não sou de postar coisas religiosas, mas as vezes, esse tipo de coisa é que me deixa com muita raiva da sociedade!, Criacionismo., Feliz dia do índio!!!, 3º opção, Paulo Freire, The Sustainability Treehouse, O dízimo da educação!

Substituto de agrotóxico: eucalipto

Uma pesquisadora baiana dedicou um olhar mais sensível para esta problemática e questionou se poderia haver um agrotóxico capaz de prevenir pragas, mas que não ameaçasse a saúde. A partir daí, a engenheira florestal Cátia Libarino desenvolveu um estudo com óleo de eucalipto para reduzir a manifestação de doenças em plantas.

A pesquisadora conta que há um déficit sobre estudos do controle de doenças em plantas com o uso de produtos de origem vegetal, em vez de químicos.

A extração do óleo é produzida através de um processo chamado hidrodestilação. As árvores de eucalipto atualmente são utilizadas desde a sua madeira, para construção de vigas, fabricação de móveis, etc, passando pelas suas flores que dão origem a essências, até a celulose que dá origem ao papel. Neste processo, é comum que as folhas sejam desprezadas, entretanto, utilizá-las para gerar um agrotóxico natural pode ser uma alternativa para evitar que as mesmas sejam descartadas.

O projeto recebeu apoio dos professores Quelmo Novaes e Dalton Júnior, da Uesb – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, além da professora Patrícia Krepsky, da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Correio

Um dos parasitas mais comuns nas criações de gado leiteiro, a mosca-do-chifre alimenta-se do sangue das vacas debilitando o animal. Atualmente são utilizados no controle do vetor inseticidas sintéticos altamente tóxicos que acabam contaminando o leite produzido.Na busca por alternativas menos tóxicas, o laboratório de pesquisa em entomologia da Universidade Anhanguera Uniderp, com a coordenação do engenheiro agrônomo Prof. Silvio Fávero, trabalha há mais de seis anos na produção de um óleo de eucalipto que seja capaz de atuar como repelente destes vetores. IAGRO
“Já temos resultados positivos na utilização do óleo de eucalipto no combate às pragas agrícolas como a lagarta do cartucho e o percevejo marrom da soja, além de ser eficaz em vetores como o barbeiro e a mosca doméstica”, afirma Fávero.
Segundo o pesquisador, o óleo possui uma ação inseticida que age diretamente no sistema nervoso do inseto nos sítios octopaminérgicos. “Esta solução é menos tóxica para o homem e fatal para a mosca”, garante o pesquisador. Fundect – Publicado por: kventorim@semagroEm consequência a alta demanda de alimentos, existe a necessidade de aumentar a produtividade, sem perdas qualitativas e quantitativas. As perdas nos processos de armazenagem do feijão ocorrem, principalmente, pelo ataque do caruncho Acanthoscelides obtectus, sendo seu controle feito por
inseticidas líquidos aplicados diretamente nos grãos ou por expurgos. A aplicação destes produtos
químicos tornam preocupante o consumo dos grãos na alimentação, tendo em vista o resíduos que
permanece nos mesmos (Mazzonetto e Vendramin, 2003). Segundo a ANVISA (2006) o consumo de
produtos que contenham agrotóxicos envolvem riscos para a saúde humana, pois seus efeitos cumulativos podem ser desconhecidos em longo prazo.
Em razão destes resíduos existe uma necessidade crescente na busca por métodos alternativos
no controle do caruncho Acanthoscelides obtectus. Neste sentido, os óleos essenciais surgem como uma opção para esse controle, não deixando resíduos nos alimentos e sendo de fácil obtenção. De acordo com Gallo et al. (2002), a utilização de plantas como inseticida apresentam inúmeras vantagens, dentre elas
menor toxicidade a mamíferos, baixa probabilidade de desenvolver resistência e grande disponibilidade
de matéria prima na natureza. USO DE ÓLEOS ESSENCIAIS DE Eucalyptus NO CONTROLE DE Acanthoscelides obtectus EM GRÃOS DE FEIJÃO
ARMAZENADO – UFRGS
Os tratamentos folha de eucalipto, expurgo e tratamento ténnico-folha de eucalipto se equivalem em eficiência. Os tratamentos ténnico-folha de eucalipto, expurgo-folha de eucalipto, inseticida, tratamento ténnico-inseticida e expurgo-inseticida também se equivalem em eficiência e foram os que se mostraram mais eficazes no controle do caruncho do feijão armazenado, sendo que o tratamento alternativo mais indicado para a conservação do produto foi o tratamento ténnico- folha de eucalipto. Ester Rodrigues – Unicamp

A pesquisadora Cátia Libarino deu início a um estudo com eucaliptos, que vem sendo desenvolvido no Mestrado em Ciências Florestais da Uesb.

A ideia de trabalhar com produtos menos nocivos surge em meio à divisão entre ruralistas, entidades de saúde e meio ambiente, devido ao Projeto de Lei 6299/02, que visa atualizar a legislação dos Agrotóxicos de 1989. A proposta segue em tramitação no legislativo, mas, na prática, a flexibilização na liberação dos produtos, que está entre os pontos da pauta, já vem acontecendo. Resultado disso é que, até junho deste ano, o Ministério da Agricultura liberou 239 novos agrotóxicos no país, de acordo com publicações do Diário Oficial da União (DOU). Uesb – Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

“Os pequenos agricultores podem comercializar um novo produto, que são as próprias plantas, mas agora com um viés diferente, que é vender o óleo fungicida natural. Além disso, caso não possa produzi-lo, o próprio extrato das folhas pode ser uma opção imediata (mesmo não sendo tão eficaz quanto o óleo), pois é fácil de preparar com um processador mecânico, e sua capacidade de biodegradabilidade no ambiente torna o processo mais acessível”, concluiu Cátia Libarino. Ascom/Fapesb
Poetize-se: CIDADES DEMOCRÁTICAS, EXAME COM UMA GOTA DE SANGUE, Café com Dengue., VIA LÁCTEA PELO NAVEGADOR, MEDICINA TRADICIONAL YANOMAMI ON-LINE, Monsanto é condenada a pagar indenização bilionária para jardineiro com câncer terminal, VIDACELL®, Remédio caseiro para controle de pulgas, A HISTÓRIA DO JARDINEIRO DE OXALÁ, VIDA INTELIGENTE., Inseticida Natural contra lesmas e lagartas, Amazônia S. A., Repelente de pescador

Umbrella Corporation

Indústria farmacêutica expande diagnósticos e inventa novas doenças.

Adriane Fugh-Berman é formada pela escola de medicina da Universidade Georgetown com especialização em medicina familiar, declara pesquisa a respeito das práticas da indústria farmacêutica e da facilidade com que ela manipula os médicos, usados não apenas para vender remédios, mas também para promover doenças.

Adriane Fugh-Berman
Professora adjunta do Departamento de Farmacologia e Fisiologia da Georgetown, ela recebeu uma verba para estruturar o programa voltado para a educação dos médicos e para expor as práticas de marketing da indústria, os métodos que ela emprega para influenciar a prescrição de medicamentos.
Vendedores bem preparados identificam possíveis formadores de opinião nos centros médicos das universidades: médicos, enfermeiros e assistentes, recebem presentes, atenção, são convidados para jantar. Depois de uma checagem, são escolhidos os que poderão falar em nome da indústria e servir aos propósitos mercadológicos.

The_Umbrella_Corporation_by_Laama_Harakas
“Preserving the Health of the People”. Wikipédia, a enciclopédia livre.

Veja também: A indústria farmacêutica está fora de controle?, Juan dos Mortos, Ervas medicinais, Saudação ao Sol, Mídia Ninja, O que, de quem?, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, Salário justo?, Sonegômetro, Semana do Consumidor, Cadê os Amarildos?