COISAS BARATAS NO BRASIL E QUE VALEM OURO NA RÚSSIA!!

COISAS BARATAS NO BRASIL E QUE VALEM OURO NA RÚSSIA!! RUSSA EXPLICAOlga Do Brasil

Rusze-se: 8 de março, mesmo na Rússia, A Educação Proibida, Memória Quântica made in Rusnet, Bad Estacionamento, 5 novas ilhas no Ártico, Marx escreve uma carta de repúdio ao professor, CORTA-JACA

T-shirt da Chapecoense e o resto do Brazil

A empresa informou, ainda, que “lamenta profundamente e se solidariza com os familiares, torcida e amigos de todos os envolvidos neste triste episódio”. Do UOL, em São Paulo

A nota da empresa dividiu opiniões. Enquanto alguns usuários agradeceram o esclarecimento, outros não acreditaram na resposta. Também tiveram aqueles que comentaram a “coincidência” das informações. “Que infeliz coincidência hein? Dá pra acreditar não”, escreveu um internauta. HuffPost Brasil – Exame.com

A Associação Chapecoense de Futebol foi fundada em 10 de maio de 1973 e, atualmente, é o maior, mais vitorioso e bem estruturado time de futebol profissional da região oeste de Santa Catarina.

chapecoense

Enxergue mais: NIGHTSWIMMINGO BOM MOÇO DO BRASILPHILIP K. DICKGLÂNDULA PINEALDIA MUNDIAL DO ROCK (SÓ NO BRAZIL)BE MY EYES APPADORO ESSA PARTE DA ANATOMIA FEMIMINA.ERA PRA COPA? NÃO VAI SAIR, PARECE.ÍNDIO EDUCACAMPANHA RECOLHE ÓLEO DE FRITURA PARA FABRICAÇÃO DE BIODIESELREMÉDIO QUE CURA QUALQUER DOENÇAQUEM PAGA O CARNAVAL!A HISTÓRIA DO JARDINEIRO DE OXALÁBBB POR ANTONIO BARRETO

17 VEZES EM QUE VOCÊ CAIU EM UMA ESTRATÉGIA DE MARKETING

17marketing

O cérebro humano tem dificuldades em avaliar opções caso não existam formas de comparação.  É raro que façamos escolhas absolutas, pois nos concentramos na vantagem entre uma coisa e outra. Prêmio Top Blog 2015

17marketing-750x422

Os estabelecimentos, para evitar que sempre escolhamos o mais barato podem adotar estratégias, conheça mais sobre elas. superstorm

Entenda mais: NAARA BEAUTY DRINK!!!A ONDAO BOM MOÇO DO BRASILDIA NACIONAL DO TURISMOUMBRELLA CORPORATIONFAIR PLAYO PAÍS DA PIADA PRONTA!CONTROLE SOCIALBURGUESIA (VERSION ME)MÍDIA ESTÃO DE LUTO

 

Vinte centavos

Pra quem não entendeu ainda: os vinte centavos, um por um:

00,01 – a corrupção
00,02 – a impunidade
00,03 – a violência urbana
00,04 – a ameaça da volta da inflação
00,05 – a quantidade de impostos que pagamos sem ter nada em troca
00,06 – o baixo salário dos professores e médicos do estado
00,07 – o alto salário dos políticos
00,08 – a falta de uma oposição ao governo
00,09 – a falta de vergonha na cara dos governantes
00,10 – as nossas escolas e a falta de educação
00,11 – os nossos hospitais e a falta de um sistema de saúde digno
00,12 – as nossas estradas e a ineficiência do transporte público
00,13 – a prática da troca de votos por cargos públicos nos centros de poder que causa distorções
00,14 – a troca de votos da população menos esclarecida por pequenas melhorias públicas (pagas com dinheiro público) que coloca sempre os mesmos nomes no poder
00,15 – políticos condenados pela justiça ainda na ativa
00,16 – os mensaleiros terem sido julgados, condenados e ainda estarem livres
00,17 – partidos que parecem quadrilhas
00,18 – o preço dos estádios para a copa do mundo, o superfaturamento e a má qualidade das obras públicas
00,19 – a mídia tendenciosa e vendida
00,20 – a percepção que não somos representados pelos nossos governantes

Se precisarem tenho outros vinte centavos aqui, é só pedir.

Veja também: Comida de gente, Individualidade fugaz, Mosquitos vinho na foto, Ai meu Deus!, Não Foi Acidente, Casas de Mediação, Inside Job, Pra quem não entendeu ainda os vinte centavos, Jô Soares explica um por um

A guerra do vintém

A guerra do vintém

Exploradas por militantes republicanos, manifestações contra taxa sobre transporte urbano tumultuam capital do Império e deixam mortos e feridos pelas ruas.
José Murilo de Carvalho

No dia 28 de dezembro de 1879, a capital do Império viu algo inédito desde 1863, quando o Brasil rompeu relações com a Inglaterra por conta da Questão Christie: a multidão protestando na rua. A manifestação aconteceu no campo de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em frente ao palácio imperial. Cerca de cinco mil pessoas, lideradas por um militante republicano, o médico e jornalista Lopes Trovão, reuniram-se para entregar a d. Pedro II uma petição solicitando a revogação de uma taxa de 20 réis, um vintém, sobre o transporte urbano, ou seja, bondes puxados a burro. O vintém era moeda de cobre, a de menor valor da época. A polícia não permitiu que a multidão se aproximasse do palácio. Enquanto os manifestantes se retiravam, o imperador mandou dizer que receberia uma comissão para negociar.
(…)
O novo imposto e a taxa atingiram diretamente duas categorias, os funcionários públicos e os usuários de bondes. Em 1870, a capital tinha 192 mil habitantes na área urbana, dos quais 11 mil funcionários públicos, entre civis, militares e eclesiásticos, já que naquela época o catolicismo era a religião oficial do Estado. Havia quatro grandes companhias de ferro-carris urbanos, ou de bondes, como ficaram conhecidos: a Botanical Garden Co., que cobria a zona sul, saindo da rua Gonçalves Dias, a Cia. de São Cristóvão, concentrada na zona norte, com ponto final no Largo de São Francisco, a Ferro-carril de Vila Isabel, que partia da Praça Tiradentes, e a Cia. de Carris Urbanos, que atendia ao centro, incluindo a zona portuária.
(…)
Desse clima de insatisfação, tiraram vantagem os agitadores republicanos. Ao que parece, na demonstração de São Cristóvão estavam presentes, sobretudo, pessoas de melhor situação social, certamente muitos funcionários públicos. Na do dia 1º, teria entrado em ação a massa dos usuários mais pobres, acrescida da tropa barra-pesada do centro e da zona portuária. Não por acaso, os líderes do movimento perderam o controle da multidão nesse dia.

Embora legal, a taxa do vintém era profundamente impolítica, como se dizia na época. O ministro fora alertado para as possíveis reações. Mas Afonso Celso era tão competente quanto teimoso. Pagou por isso alto preço em 1880, como pagaria em 1889, por ocasião da proclamação da República. A reação da polícia foi infeliz em 28 de dezembro, ao não negociar a audiência com o imperador, e imprudente em 1º de janeiro. A do Exército, simplesmente desastrada.
(…)
Mas a revolta não foi republicana, afirmaram seus próprios líderes. Muitos interesses feridos nela se fundiram, de grandes e de políticos, de gente miúda e de simples cidadãos. Uma grande explosão social, detonada por um pobre vintém.

José Murilo de Carvalho é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro da Academia Brasileira de Letras, do IHGB e da Academia Brasileira de Ciências e autor de D. Pedro II: ser ou não ser. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

Veja também: Impostômetro, Pneu, Vasos e flores, Cantar, Mata Atlântica, Miniusina de energia, Água mata?, Efeito Borboleta, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Se sentindo só? Anúncios de solteiros., Todo Dia Era Dia de Índio