Aumento da Desigualdade ou Diminuição da Pobreza: o que mais importa para a sociedade?

http://wp.me/pMzez-d4O

https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2017/10/16/aumento-da-desigualdade-ou-diminuicao-da-pobreza-o-que-mais-importa-para-a-sociedade/
Editado via celular.

Mude conceitos, você pode e deve: EU ESCOLHI VOCÊ400 NUDESINSTANTLY AGELESS ™MONÓLOGO AO PÉ DO OUVIDO / BANDITISMO POR UMA QUESTÃO DE CLASSEVIA LÁCTEA PELO NAVEGADORLUMINESCE™, INSTITUTO ALANAVIDACELL®5 experimentos horríveis feitos com seres humanos4 SINAIS DE QUE VOCÊ E SUA CARREIRA SÃO IDIOTASNAARA BEAUTY DRINK!!!PRIMEIRAS FOTOS ERÓTICAS COLORIDAS DA HUMANIDADEDOUTOR ESTRANHORESERVE™REPO MANASSÉDIO MORAL

Ignorância e sucesso?

stevewoziak georgesaunders arianahuffington 1oanosptignorante

icebergesconde

Veja também: Universidades do mundo, UM “DEVOGADO” E… DUS BÃO!‏, Os sentidos da política – problemas e perspectivas, Vergonha alheia!!!, De onde você vem?, Akai Kōdan Zillion, A culpa é de quem!, Saramago, Impostômetro, , PÁTRIA MADRASTA VIL, Ministério da Saúde, Remédio que cura qualquer doença, O Coxinha – uma análise sociológica, Cadê os Amarildos?, Ceguetas, Marx escreve uma carta de repúdio ao professor, Problemas sociais, Incêndio, apenas 4° andar é salvo.

A guerra do vintém

A guerra do vintém

Exploradas por militantes republicanos, manifestações contra taxa sobre transporte urbano tumultuam capital do Império e deixam mortos e feridos pelas ruas.
José Murilo de Carvalho

No dia 28 de dezembro de 1879, a capital do Império viu algo inédito desde 1863, quando o Brasil rompeu relações com a Inglaterra por conta da Questão Christie: a multidão protestando na rua. A manifestação aconteceu no campo de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em frente ao palácio imperial. Cerca de cinco mil pessoas, lideradas por um militante republicano, o médico e jornalista Lopes Trovão, reuniram-se para entregar a d. Pedro II uma petição solicitando a revogação de uma taxa de 20 réis, um vintém, sobre o transporte urbano, ou seja, bondes puxados a burro. O vintém era moeda de cobre, a de menor valor da época. A polícia não permitiu que a multidão se aproximasse do palácio. Enquanto os manifestantes se retiravam, o imperador mandou dizer que receberia uma comissão para negociar.
(…)
O novo imposto e a taxa atingiram diretamente duas categorias, os funcionários públicos e os usuários de bondes. Em 1870, a capital tinha 192 mil habitantes na área urbana, dos quais 11 mil funcionários públicos, entre civis, militares e eclesiásticos, já que naquela época o catolicismo era a religião oficial do Estado. Havia quatro grandes companhias de ferro-carris urbanos, ou de bondes, como ficaram conhecidos: a Botanical Garden Co., que cobria a zona sul, saindo da rua Gonçalves Dias, a Cia. de São Cristóvão, concentrada na zona norte, com ponto final no Largo de São Francisco, a Ferro-carril de Vila Isabel, que partia da Praça Tiradentes, e a Cia. de Carris Urbanos, que atendia ao centro, incluindo a zona portuária.
(…)
Desse clima de insatisfação, tiraram vantagem os agitadores republicanos. Ao que parece, na demonstração de São Cristóvão estavam presentes, sobretudo, pessoas de melhor situação social, certamente muitos funcionários públicos. Na do dia 1º, teria entrado em ação a massa dos usuários mais pobres, acrescida da tropa barra-pesada do centro e da zona portuária. Não por acaso, os líderes do movimento perderam o controle da multidão nesse dia.

Embora legal, a taxa do vintém era profundamente impolítica, como se dizia na época. O ministro fora alertado para as possíveis reações. Mas Afonso Celso era tão competente quanto teimoso. Pagou por isso alto preço em 1880, como pagaria em 1889, por ocasião da proclamação da República. A reação da polícia foi infeliz em 28 de dezembro, ao não negociar a audiência com o imperador, e imprudente em 1º de janeiro. A do Exército, simplesmente desastrada.
(…)
Mas a revolta não foi republicana, afirmaram seus próprios líderes. Muitos interesses feridos nela se fundiram, de grandes e de políticos, de gente miúda e de simples cidadãos. Uma grande explosão social, detonada por um pobre vintém.

José Murilo de Carvalho é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro da Academia Brasileira de Letras, do IHGB e da Academia Brasileira de Ciências e autor de D. Pedro II: ser ou não ser. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

Veja também: Impostômetro, Pneu, Vasos e flores, Cantar, Mata Atlântica, Miniusina de energia, Água mata?, Efeito Borboleta, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Se sentindo só? Anúncios de solteiros., Todo Dia Era Dia de Índio

Ficha Limpa!!!

votecalcanova
Lei da Ficha Limpa valerá já nas eleições de 2010
Tatiana Félix – Jornalista – 11.06.10A Lei da Ficha Limpa, que altera a Lei das Inelegibilidades (LC 64/90), proíbe que políticos com condenação na Justiça em segunda instância ou por decisões colegiadas se candidatem em eleições. De acordo com o TSE, “a nova lei prevê que candidatos com condenação criminal por órgão colegiado, ainda que caiba recurso, ficarão impedidos de obter o registro de candidatura, pois serão considerados inelegíveis”. O tempo de inelegibilidade passou de três para oito anos.Eleições-limpas1-300x209

Veja também: Cliente preferido do Brazil, Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Voto Nulo, Ferramentas de destruição em massa., A culpa é de quem!, Problemas sociais, Orçamento doméstico, Carta à Sra. “Presidenta” da República, Os cinco princípios de bem viver, Terceira Onda, Eleições, A culpa é sua!,