A CARTA DE DEUS À POPULAÇÃO DO BRASIL!

Petição para cada ser humano e autoridades máxima de cada PAÍS do PLANETA TERRA!

Principalmente a todas as igrejas que se dizem ser representante de CRISTO e tampam os seus olhos, negam a nossa existência. Não conheço uma igreja hoje no Brasil e no mundo em estejam orando e intercedendo por nós!

Aos pastores dessa terra em nome de “ÑANDE RU” de leiam “JEREMIAS 5” e vejam o que “Deus” em nome de JESUS CRISTO, fará com o profeta deste século, não importa a sua religião pois, Deus não é religioso e abomina os Doutores da Lei!

Esta é a palavra de Deus: O céu e a terra passarão, mas a minha palavra vou cumprir em nem o til se perderá!

Será que o povo de Deus se tornou covarde? Ou simplesmente vão consentir e lavar as mãos, preferindo ser filho de Pôncio Pilatos e não o Filho de Deus.

Portanto, nos povos os indígenas AVA GUARANI, escravo em seu próprio território e escravo do sistema.
Apela a cada um de vocês contra construção de 7 barragens no Paraná que serão construídas nas terras indígenas e contra a remoção dos MBYA GUARANI da ilha da Vontinga, Aldeia Pindoty (17 famílias) e aldeia Sambaqui do Guaraguaçu (4 famílias) supostamente em prol do progresso.

Prezados terráqueos, as vossas assinaturas não tem sentido, nem valor e nem os vossos juramentos na justiça Divina, pois, assim diz o Deus ÑANDERU:

Por cada árvore cortada “Os índios” A população pagará por este crime com o seu sangue e nada servirá mesmo que consiga 70 bilhões de vezes, 7 assinaturas. Assim dize a boca de Deus!

Atualmente tem 17 famílias no total de 62 pessoas, esta grande árvore “Os guardiões da Florestas” O Brasil esta matando pouco a pouco de uma forma sutil e macabro através da Funai, tirando-lhes as suas casacas de uma forma sutil, hoje encontram-se ilhados sem poder sair da ilha, estão sendo mortos por asfixia alimentar (negando-lhe o que é mais sagrado, a comida, falta remédio, saúde, educação e está a ponto para serem expulso da sua área, pois, o Brasil considera a terra da população indígena devoluta e pertence a união, e que os povos originários são uns atrasos para o progresso, onde o artigo 231 no seu parágrafo 4 diz: “As terras que trata este artigo são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas imprescritíveis”. QUE GRANDE MENTIRA. Como a reunião de COPENHAGUE e as vossas assinaturas, informo-lhe com muito pesar meus caros senhores desta terra de vale de lágrima, não pretendo tampar o sol com a peneira. Deus atenderá as vossas assinaturas, nem as vossas súplicas e todas as promessas que fizerem enquanto manterem obra de genocídios contra um povo inocente que não podem se defender, toda terra sofrerá as conseqüências por esse delito.

A Terra Indígena Pindoty é formada por duas ilhas, a da Cotinga e a Rasa da Cotinga, totalizando 1.701,20 ha.

Localização: A Ilha da Cotinga está situada a 2 km a leste da cidade de Paranaguá, em frente à foz do Rio Itiberê.

FONTE: EMBRAPA

Endereço: Estrada da Ribeira km 111 – CP 319
Rodigheri /
Fone / Fax: (0**) 41 3675-5600
Ivar Wendling / Maria Augusta Doetzer Rosot / Patrícia
E-mail: sac@cnpf.embrapa.br
Para reclamações e sugestões Fale com o Ouvidor: www.embrapa.br/ouvidoria

Nunca houve uma razão tão forte para você participar, portanto, SOLICITAMOS QUE ESTA mensagem seja entregue a cada ser humano e para os chefes de estado do planeta para garantir a segurança do planeta TERRA frente ao aquecimento global catastrófico de 2 graus, ou como queiram 5 graus, depende de cada um de nós.

Não percam tempo comece a correr, não adianta assinar, assuma, arregace as mangas e vamos trabalhar contra a retirada da população indígena MBYA GURANI da ilha cotinga e contra as 7 barragens no Estado do Paraná.

VOCÊ QUER PRESERVAR O PLANETA? OU VAI FICAR EM CIMA DO MURO? – Sunamita Oliveira

Tupã Oporaiva
TA AÑETE!

Enxergue mais: SÓ É ÍNDIO QUEM OPTA POR SER!VIA LÁCTEA PELO NAVEGADOROUTROS VIAJANTES DO TEMPONAARA BEAUTY DRINK!!!TIMOPLANETARIOÍNDIO EDUCAEMVBE MY EYES APPTODO DIA ERA DIA DE ÍNDIOINSTANTLY AGELESS ™, ERAM OS DEUSES ASTRONAUTAS??10 LIVROS QUE ENSINAM AS CRIANCAS CUIDAR DO PLANETAO BRASIL CORRE O RISCO DE PERDER ATÉ 60 DIFERENTES LÍNGUAS INDÍGENASVIDACELL®CAMPANHA RECOLHE ÓLEO DE FRITURA PARA FABRICAÇÃO DE BIODIESELTHE MARTIANVLIBRASHINO NACIONAL EM DIALETO TICUNAEMDRIVE – O MOTOR IMPOSSÍVELRESERVE™MEDICINA TRADICIONAL YANOMAMI ON-LINEBIT E BYTE: QUE MUNDO É ESSE?O BICHO CORRUPTO

Recadastramento Eleitoral Biométrico

Solicitação de Dispensa

O CMind sugere que o eleitor apresente uma Petição ao Juiz Eleitoral para que seja dispensado de fornecer seus dados biométricos ao comparecer para o recadastramento, sem que venha a ser por isso impedido de votar.

Para isto:

Identifique a Zona Eleitoral onde você está inscrito e as datas do recadastramento.
Baixe o modelo da Petição, clique aqui.
Complete a petição com seus dados pessoais e com os dados da Zona Eleitoral.
Protocole a petição na Zona Eleitoral e aguarde a resposta do Juiz.
Caso obtenha alguma resposta, envie um email para: recadastramento@votoseguro.com
Se seu pedido for negado, você pode recorrer ao TRE do seu estado, e pode escolher, no mesmo site do Movimento, qual recurso serve como modelo para o seu caso. Entre os recursos já apresentados e compartilhados com o Movimento, escolha um que contenha a mesma desculpa apresentada para negar o seu pedido. E se a desculpa na negação do seu pedido for nova, entre logo em contato com o Movimento pois o prazo para recorrer é de apenas 3 dias. E depois disso, recorra ao TSE.

Para mais informações consulte a página sobre o “Movimento de Obediência Civil“, no endereço a seguir: http://www.brunazo.eng.br/voto-e/textos/recadastramento.htm ou através do CMind, no endereço: http://pt.wikipedia.org/wiki/CMind

Veja também: Urna fraudetrônica, São as pequenas atitudes que fazem o mundo valer a pena., Estupidez, Nota 10!, Experimento científico?, Viabilidade???, A importância do Doutorado, Vinte centavos, Suco de limão e Bicarbonato, Veneno ecológico para matar ratos.

Inicie um abaixo-assinado

Multiplique seu impacto. Change.org

Multiplique sua assinatura por 10, compartilhando esta petição e recrutando assinaturas de pessoas que você conhece.

share-pane-circles

1. VOCÊ     2. SEUS AMIGOS:170média     3. AMIGOS DOS SEUS AMIGOS: 10.000aprox.

Change.org é uma plataforma apartidária que encoraja qualquer um, em qualquer lugar, a lançar campanhas e conquistar vitórias por mudanças sociais, que geram mudanças significativas usando as ferramentas de mobilização mais fáceis de usar e poderosas da web.

Veja também: Isso é normal?, Saramago, I Have a Dream, Somos todos doadores, Juan dos Mortos, Mídia Ninja, A onda, Carnaval é Perfeição!, Estrito cumprimento do dever, Cadê os Amarildos?, Empoderamento dos recursos, Ferramentas de destruição em massa., Águas de março

A guerra do vintém

A guerra do vintém

Exploradas por militantes republicanos, manifestações contra taxa sobre transporte urbano tumultuam capital do Império e deixam mortos e feridos pelas ruas.
José Murilo de Carvalho

No dia 28 de dezembro de 1879, a capital do Império viu algo inédito desde 1863, quando o Brasil rompeu relações com a Inglaterra por conta da Questão Christie: a multidão protestando na rua. A manifestação aconteceu no campo de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em frente ao palácio imperial. Cerca de cinco mil pessoas, lideradas por um militante republicano, o médico e jornalista Lopes Trovão, reuniram-se para entregar a d. Pedro II uma petição solicitando a revogação de uma taxa de 20 réis, um vintém, sobre o transporte urbano, ou seja, bondes puxados a burro. O vintém era moeda de cobre, a de menor valor da época. A polícia não permitiu que a multidão se aproximasse do palácio. Enquanto os manifestantes se retiravam, o imperador mandou dizer que receberia uma comissão para negociar.
(…)
O novo imposto e a taxa atingiram diretamente duas categorias, os funcionários públicos e os usuários de bondes. Em 1870, a capital tinha 192 mil habitantes na área urbana, dos quais 11 mil funcionários públicos, entre civis, militares e eclesiásticos, já que naquela época o catolicismo era a religião oficial do Estado. Havia quatro grandes companhias de ferro-carris urbanos, ou de bondes, como ficaram conhecidos: a Botanical Garden Co., que cobria a zona sul, saindo da rua Gonçalves Dias, a Cia. de São Cristóvão, concentrada na zona norte, com ponto final no Largo de São Francisco, a Ferro-carril de Vila Isabel, que partia da Praça Tiradentes, e a Cia. de Carris Urbanos, que atendia ao centro, incluindo a zona portuária.
(…)
Desse clima de insatisfação, tiraram vantagem os agitadores republicanos. Ao que parece, na demonstração de São Cristóvão estavam presentes, sobretudo, pessoas de melhor situação social, certamente muitos funcionários públicos. Na do dia 1º, teria entrado em ação a massa dos usuários mais pobres, acrescida da tropa barra-pesada do centro e da zona portuária. Não por acaso, os líderes do movimento perderam o controle da multidão nesse dia.

Embora legal, a taxa do vintém era profundamente impolítica, como se dizia na época. O ministro fora alertado para as possíveis reações. Mas Afonso Celso era tão competente quanto teimoso. Pagou por isso alto preço em 1880, como pagaria em 1889, por ocasião da proclamação da República. A reação da polícia foi infeliz em 28 de dezembro, ao não negociar a audiência com o imperador, e imprudente em 1º de janeiro. A do Exército, simplesmente desastrada.
(…)
Mas a revolta não foi republicana, afirmaram seus próprios líderes. Muitos interesses feridos nela se fundiram, de grandes e de políticos, de gente miúda e de simples cidadãos. Uma grande explosão social, detonada por um pobre vintém.

José Murilo de Carvalho é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro da Academia Brasileira de Letras, do IHGB e da Academia Brasileira de Ciências e autor de D. Pedro II: ser ou não ser. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

Veja também: Impostômetro, Pneu, Vasos e flores, Cantar, Mata Atlântica, Miniusina de energia, Água mata?, Efeito Borboleta, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Se sentindo só? Anúncios de solteiros., Todo Dia Era Dia de Índio