Paulo Freire plagiou professor americano e destruiu a educação brasileira

Paulo Freire plagiou professor americano e destruiu a educação brasileiraVisão Libertária

Em 1943, durante a segunda guerra, com as filipinas invadidas pelos japoneses, Laubach esteve um tempo em Recife, onde deu palestras e aulas em várias escolas e universidades. Ele já era famoso pelo método Laubach de alfabetização. Paulo Freire então pegou o exato mesmo método Laubach, mas o adaptou não as realidades brasileiras. Isso já havia sido feito antes. Adaptou eles para a doutrinação socialista. Incluiu palavras e frases ligadas a opressão, trabalho, indústria. Incluiu jargões socialistas nas primeiras frases e ideias de seu método. Ou seja, ao final, não ajudou em nada a quem queria aprender, mas garantiu aos professores brasileiros uma cartilha de doutrinação que poderiam usar com facilidade para justificar impor ideias socialsitas a seus alunos. Quanto aos livros escritos por ele, são folhetins socialistas da pior espécie.

Se você um dia tiver estômago para ler esse amontoado de besteiras e chavões sem sentido, vai se deparar com coisas como o uso extensivo de dialética marxista do inicio ao fim. A “pedagogia do oprimido”, lógico, vem em contraposição com a “pedagogia bancária”. Que seria a forma tradicional de ensino. Enquanto a pedagogia das classes opressoras, a pedagogia tradicional, encara o aluno como uma conta bancária vazia a ser enchida de conhecimento, a pedagogia do oprimido busca libertar o aluno das amarras capitalistas e criar um agente da mudança social.

Vize-se: Doodle celebrantes the Centennial birthday Paulo Freire, Marx escreve uma carta de repúdio ao professor, Xibom Bombom

Doodle celebrantes the Centennial birthday Paulo Freire

Today’s Doodle celebrates the centennial birthday of Brazilian philosopher, educator, and author Paulo Freire. He is widely regarded as one of the most influential educational thinkers of the 20th century. 

Paulo Reglus Neves Freire was born on this day in 1921 in Recife, Brazil, then a mostly impoverished region affected by the echoes of colonialism and slavery. Coming of age alongside poor rural families while his own family experienced hunger, grounded his understanding of the interconnected relationship between socioeconomic status and education. From then on, Freire made it his mission to improve the lives of marginalized people.

In 1962, he applied conscientização with radical success—teaching 300 farmworkers to read and write in only 45 days! However, these ideals proved too radical for the newly established Brazilian government in 1964 and he was forced into exile until 1979. During this period, Freire published his acclaimed 1968 book “Pedagogy of the Oppressed” which brought his revolutionary teaching philosophy to a wide international audience.

He continued his educational journey abroad before returning to Brazil in 1980 to lead an adult literacy project. In 1988, Freire began working as São Paulo’s Minister of Education, implementing innovative literary programs. Today, his work lives on at the Freire Institute, an international organization devoted to educational advancement and societal transformation through his teachings. 

Happy Birthday, Paulo Freire!

Freire-se: Paulo Freire, Olimpíadas Brasileiras de Astronomia e Astronáutica, Ausonia Donato, entre outras., Eduardo Vilas-Bôas!!!, Capital Cultural, Little Free Libraries

Ausonia Donato, entre outras.

Ausonia Favorido Donato – Escavador

A participação da Ausonia foi especialmente dirigida por Cacau Rhoden, pai de ex-aluno da escola. Acreditamos que esse material possa ser inspirador e motivador para muitos educadores que trabalham diariamente procurando formar pessoas justas e solidárias. Direção do Colégio Equipe

O pequeno burguês

Felicidade, passei no vestibular

Mas a faculdade é particular

Particular, ela é particular

Particular, ela é particular

Livros tão caros tantas taxas pra pagar

Meu dinheiro muito raro,

Alguém teve que emprestar

O meu dinheiro, alguém teve que emprestar

O meu dinheiro, alguém teve que emprestar

Morei no subúrbio, andei de trem atrasado

Do trabalho ia pra aula, sem

Jantar e bem cansado

Mas lá em casa à meia-noite tinha

Sempre a me esperar

Um punhado de problemas e criança pra criar

Para criar, só criança pra criar

Para criar, só criança pra criar

Mas felizmente eu consegui me formar

Mas da minha formatura, não cheguei a participar

Faltou dinheiro pra beca e também pro meu anel

Nem o diretor careca entregou o meu papel

O meu papel, meu canudo de papel

O meu papel, meu canudo de papel

E depois de tantos anos,

Só decepções, desenganos

Dizem que sou um burguês muito privilegiado

Mas burgueses são vocês

Eu não passo de um pobre-coitado

E quem quiser ser como eu,

Vai ter é que penar um bocado

Um bom bocado,

Vai penar um bom bocado. (Martinho da Vila, 1969)

A canção inicia com uma expressão que carrega em si um conjunto de sonhos e desejos, “felicidade!”, seguido daquilo que motivou esse sentimento: “passei no vestibular!”. Essa frase se transformou ao longo do tempo na expressão de uma conquista que estabelecia um limite muito claro entre dois grupos sociais, aqueles que teriam o reconhecimento expresso em aspectos simbólicos, traduzido pelo título de doutor, e aos que se negavam a possível continuidade dos estudos. Essa diferença, estruturante quando pensamos na constituição da sociedade brasileira, tem início em tempos em que ainda nem se cogitava compreender o Brasil como nação. O samba nos revela, em seus dois primeiros versos, um mecanismo que constitui um dos maiores impasses quando pensamos quais seriam as finalidades de um processo educacional. Afinal, a educação não deveria ser pensada como uma estratégia de emancipação de todos e de cada um? (Freire, 1987, p.30). Os preteridos e os preferidos: sinal dos tempos da educação. AUSONIA DONATO e MONIQUE BORBA CERQUEIRA. Instituto de Saúde, São Paulo, São Paulo, Brasil. In: Scielo


Assim, quando pequenos, vão com suas bicicletas de rodinhas e aos poucos vão aprendendo a se equilibrar, prescindindo delas e se tornando capazes de dar várias voltas na pista. É claro que alguns tombos e esfolados acontecem. Afinal, aprender nem sempre é fácil! Estadão
Veja também: O crime compensa, Deixa o menino brincar!, Todos querem ser felizes!, Sexo seguro!, FHC = THC, A onda, A Revolta dos Macacos, Não sou de postar coisas religiosas, mas as vezes, esse tipo de coisa é que me deixa com muita raiva da sociedade!, Criacionismo., Feliz dia do índio!!!, 3º opção, Paulo Freire, The Sustainability Treehouse, O dízimo da educação!