Padre Caio Fábio

https://m.youtube.com/watch?v=cbhUEhvm7W0

Editado via celular.

Mude conceitos, você pode e deve: ATARI 2600LUMINESCE™THE IMITATION GAMEA RAINHA DE MAIONAARA BEAUTY DRINK!!!STORY OF MY LIFENEVOBATMÓVEL – INFOGRÁFICOVIA LÁCTEA PELO NAVEGADORINSTANTLY AGELESS ™KIERU, UM JOGO INSPIRADO EM SAMURAI JACKBESOURINHAVIDACELL®Three Little PigsRESERVE™GTA IV – GCM : Duster Guarda Civil Metropolitana de São Paulo.JOGO ANTI-DENGUE

O Dia Em Que a Terra Parou

O Dia Em Que a Terra Parou – Raul Seixas. Letras.mus

Composição: Cláudio Roberto / Raul Seixas

Essa noite eu tive um sonho
de sonhador
Maluco que sou, eu sonhei
Com o dia em que a Terra parou
com o dia em que a Terra parou

Foi assim
No dia em que todas as pessoas
Do planeta inteiro
Resolveram que ninguém ia sair de casa
Como que se fosse combinado em todo
o planeta
Naquele dia, ninguém saiu saiu de casa, ninguém

O empregado não saiu pro seu trabalho
Pois sabia que o patrão também não tava lá
Dona de casa não saiu pra comprar pão
Pois sabia que o padeiro também não tava lá
E o guarda não saiu para prender
Pois sabia que o ladrão, também não tava lá
e o ladrão não saiu para roubar
Pois sabia que não ia ter onde gastar

No dia em que a Terra parou (Êêê)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou

E nas Igrejas nem um sino a badalar
Pois sabiam que os fiéis também não tavam lá
E os fiéis não saíram pra rezar
Pois sabiam que o padre também não tava lá
E o aluno não saiu para estudar
Pois sabia o professor também não tava lá
E o professor não saiu pra lecionar
Pois sabia que não tinha mais nada pra ensinar

No dia em que a Terra parou (Ôôôô)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou (Uuu)
No dia em que a Terra parou

O comandante não saiu para o quartel
Pois sabia que o soldado também não tava lá
E o soldado não saiu pra ir pra guerra
Pois sabia que o inimigo também não tava lá
E o paciente não saiu pra se tratar
Pois sabia que o doutor também não tava lá
E o doutor não saiu pra medicar
Pois sabia que não tinha mais doença pra curar

No dia em que a Terra parou (Oh Yeeeah)
No dia em que a Terra parou (Foi tudo)
No dia em que a Terra parou (Ôôôô)
No dia em que a Terra parou

Essa noite eu tive um sonho de sonhador
Maluco que sou, acordei

No dia em que a Terra parou (Oh Yeeeah)
No dia em que a Terra parou (Ôôô)
No dia em que a Terra parou (Eu acordei)
No dia em que a Terra parou (Acordei)
No dia em que a Terra parou (Justamente)
No dia em que a Terra parou (Eu não sonhei acordado)
No dia em que a Terra parou (Êêêêêêêêê…)
No dia em que a Terra parou (No dia em que a terra parou)

O alienígena Klaatu viaja, juntamente do robô Gort, por 200 milhões de milhas para chegar à Terra e mandar uma mensagem a todos os seus representantes: se continuarem constituindo uma ameaça a outros planetas, todo o planeta deve ser exterminado! Filmes Cult

Repleto de cenas icônicas como a excelente chegada da nave de Klaatu (Michael Rennie) à Terra e seu primoroso pouso em Washington são alguns dos momentos que mostram a habilidade de Wise em fazer um filme com um tema alarmante (na linha do sensacionalismo característico das ficções científicas clássicas) e colocar em seu contexto uma reflexão profunda sobre a atitude violenta dos homens, seus meandros políticos quase infantis e a Guerra Fria então em andamento.  – Plano Critico

Enxergue mais: PROJETO DE LEI 4.330INSTANTLY AGELESS ™ERAM OS DEUSES ASTRONAUTAS??NAARA BEAUTY DRINK!!!MANTRAJEUNESSE, VERDADE OU MENTIRA?JUAN DOS MORTOS, LUMINESCE™ CELLULAR REJUVENATION SERUMPERDIDO NA TRADUCÃOESTES TODOS QUE AÍ ESTÃO

Só Pra Variar

Só Pra Variar – Raul Seixas

Tem que acontecer alguma coisa, neném
Parado é que eu não posso ficar
Quero tocar fogo onde bombeiro não vem
Vou rasgar dinheiro, tacar fogo nele
Só pra variar

Antes d’eu me confessar pro padre, neném
Vou comer três quilos de cebola
Ver de perto o papa, ai, que luxo, meu bem
Vou rasgar dinheiro, tacar fogo nele
Só pra variar

Pena não ser burro
Não sofria tanto
Essa noite eu vou dormir
Botar as manguinhas de fora
Dizer que eu estou chegando
Botando pra quebrar

Vou jogar no lixo a dentadura, neném
Vou ficar banguelo numa boa
É que eu vou fundar mais um partido também
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele
Só pra variar

Diz que o paraíso já tá cheio, neném
Vou levar um lero com o diabo
Antes que o inferno fique cheio também
Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele
Só pra variar

Vou rasgar dinheiro, tocar fogo nele
Só pra variar

Veja também: O de Otário, Coleira para crianças, absurdo?, Portal da Transparência, Ministério da Saúde, Carlos Marighella, Saramago, Santa Buceta, Brasil de bandidos, Inside Job, Catastrofe natural?, Justiça em trânsito, Xeque Monte

Cidadão

Cidadão – Zé Ramalho

Tá vendo aquele edifício moço
Ajudei a levantar
Foi um tempo de aflição
Eram quatro condução
Duas prá ir, duas prá voltar
Hoje depois dele pronto
Olho prá cima e fico tonto
Mas me vem um cidadão
E me diz desconfiado
“Tu tá aí admirado?
Ou tá querendo roubar?”
Meu domingo tá perdido
Vou prá casa entristecido
Dá vontade de beber
E prá aumentar meu tédio
Eu nem posso olhar pro prédio
Que eu ajudei a fazer…

Tá vendo aquele colégio moço
Eu também trabalhei lá
Lá eu quase me arrebento
Fiz a massa, pus cimento
Ajudei a rebocar
Minha filha inocente
Vem prá mim toda contente
“Pai vou me matricular”
Mas me diz um cidadão:
“Criança de pé no chão
Aqui não pode estudar”
Essa dor doeu mais forte
Por que é que eu deixei o norte
Eu me pus a me dizer
Lá a seca castigava
Mas o pouco que eu plantava
Tinha direito a comer…

Tá vendo aquela igreja moço
Onde o padre diz amém
Pus o sino e o badalo
Enchi minha mão de calo
Lá eu trabalhei também
Lá foi que valeu a pena
Tem quermesse, tem novena
E o padre me deixa entrar
Foi lá que Cristo me disse:
“Rapaz deixe de tolice
Não se deixe amedrontar
Fui eu quem criou a terra
Enchi o rio, fiz a serra
Não deixei nada faltar
Hoje o homem criou asa
E na maioria das casas
Eu também não posso entrar
Fui eu quem criou a terra
Enchi o rio, fiz a serra
Não deixei nada faltar
Hoje o homem criou asas
E na maioria das casas
Eu também não posso entrar”

Hié! Hié! Hié! Hié!
Hié! Oh! Oh! Oh!

Veja também: Na trave!, Carta de um policial nos protestos de São Paulo, Batman – O Livro dos mortos, Mão Santa, Assédio moral (bullying, manipulação perversa, terrorismo psicológico)., Brasileiro Reclama De Quê?, Candidato Caô Caô, Miniusina de energia, Omissão.

Ouro de tolo

Ouro de Tolo – Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês…

Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso
Na vida como artista
Eu devia estar feliz
Porque consegui comprar
Um Corcel 73…

Eu devia estar alegre
E satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado
Fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa…

Ah!
Eu devia estar sorrindo
E orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
E um tanto quanto perigosa…

Eu devia estar contente
Por ter conseguido
Tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado
Que eu estou decepcionado…

Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto “e daí?”
Eu tenho uma porção
De coisas grandes prá conquistar
E eu não posso ficar aí parado…

Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Prá ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos…

Ah!
Mas que sujeito chato sou eu
Que não acha nada engraçado
Macaco, praia, carro
Jornal, tobogã
Eu acho tudo isso um saco…

É você olhar no espelho
Se sentir
Um grandessíssimo idiota
Saber que é humano
Ridículo, limitado
Que só usa dez por cento
De sua cabeça animal…

E você ainda acredita
Que é um doutor
Padre ou policial
Que está contribuindo
Com sua parte
Para o nosso belo
Quadro social…

Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar…

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador…

Ah!
Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar…

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador…

Veja também: Carnaval é Perfeição!, RAUL SEIXAS OFICIAL FÃ-CLUBE, Clarice Lispector do Samba, Clara Nunes.Homem e o diabo, Quem é o povo?, Anestesia mental., De Quem é a Culpa?