Oitavo Anjo

Oitavo Anjo – 509-e

Acharam, que eu estava derrotado,
Quem achou estava errado,
Eu voltei, to aqui, se liga só, escuta aí:
Ao contrário do que você queria, to firmão, to na correria,
Sou guerreiro e não pago pra vacilar,
Sou vaso ruim de quebrar, oitavo anjo, do apocalipse, tenebroso,
como um eclipse. É, seu pesadelo tá de volta, no puro ódio, cheio de revolta, vou te apresentar o que você não conhece, anote tudo, vê se não esquece, você verá que não deixei me envolver, pra sobreviver por aqui tem que ser, mesmo no inferno é bom saber com quem se anda, se não embaça, vira, desanda. Vejo, vários irmãos tomando baque, o barato é feio, bem pior que o craque.
Quiaca todo dia Cabo branco na mão, encontrar a morte é um, dois, ladrão.
Mas um pilantra foi sentenciado, sua pena, morrer esfaqueado.
Aqui é foda, não tem comédia, o clima é de tensão maldade, inveja, a destruição, mora nesse lugar, e mesmo assim não deixei me levar,
soube chegar na humildade pá, faça o contrário, caro pode te custar.
Obrigado Deus, por me guiar, só em ti eu tenho forças para lutar.
(Descobri que além de ser um anjo, eu tenho cinco inimigos)
Irmãos de atitude, moram comigo, é, manos de estilo, Zé carnero doidera até os ossos, patrão de renome, vários sócios.
Facínoras contaminados pelo ódio, rejeição, abandono, é óbvio . Estar em cana é embaçado, quem nunca esteve, não tá ligado.
Uns querem te ajudar, outros te afundar, jogue o dado em quem confiar.
Quem é quem, difícil saber, só mesmo Deus, pra te proteger, fulano entra aqui, pede licença até pro boi, chega de vagar se vacilar, já foi.
Maluquinho primário, é cruel, sem tirar o gosto amargo do fél.
As grades, te fazem chorar, a saudade na direta, vem ti visitar.
É difícil ter a mente sã, detenção, pior que o vetinã, um cristão me ligou para me dar uma idéia, disse pra mim que jesus ta a minha espera, disse também, pra eu mudar de vida, ae mano, eu não me escondo atrás da bíblia.
Sou quem sou, assim sigo em frente, Deus está comigo, não preciso virar crente, nada contra quem é na fé, mas tem canalha que se esconde né?
Muitas coisas aprendi, várias fitas erradas, na prisão eu vi.
Injustiças aqui, humilhação ali, cadáveres sangrando, perto de mim, obrigado meu Deus por me guiar, só em ti eu tenho forças para lutar.
(Descobri que além de ser um anjo, eu tenho cinco inimigo).
Cadeia, um cômodo do inferno, seja no outono, no inverno.
Sem anistia, todo dia é foda, cadeia, ae maluco, to fora.
Continuar no crime, não to afim, não quero mais essa vida pra mim.
Num pássaro voando enxerguei minha verdade, compreendi o valor da liberdade. Na paz, sigo sempre mais, pena que esta idéia pra você tanto faz.
Escutar ou não, qual a diferença?
Representei, não tive recompensa.
Se conselho fosse bom, não se dava, luz pra cego, que piada.
Ae mano, pelos ouvidos, não seja você mesmo seu próprio inimigo. Termino por aqui, espero que me entenda, pra que depois não se arrependa.
É tudo no seu nome, decide aí, escolha seu caminho, o exemplo tá aqui.
Obrigado meu Deus,por me guiar, só em ti eu tenho forças pra lutar.
(Descobri que além de ser um anjo, eu tenho cinco inimigo,preciso de uma casa para minha velhice, porém preciso de dinheiro para fazer investimentos).

Veja também: Atrás de mim!, The wall, Fátima, Procon divulga listas de empresas, Reputação ilibada e notável saber jurídico., Justiça de mierda, Advogados, No Capão Redondo, ninguém sonha em ser médico, Ta foda ser brazileiro!!!, PÁTRIA MADRASTA VIL

Conhecimento Ancestral

Letra: Gideon dos Lakotas
Voz e Violão: Lucas Avelar
Percussão: Dudu Sanábio

Eis que o 11 se cumpriu a rigor
Em DNA e espírito, o meu amor

O passado sai das sombras e revive
No DNA , todo conhecimento ancestral
teus ancestrais vivos em você
marcha coletiva e marcha individual
Viverá nas gerações que virão
São regras da evolução universal

Herdeiros de conhecimentos acumulados
Eco da experiência humana de gerações
Que orienta a humanidade em teus atos
Sabedoria e experiência, são suas lições
Ouçam a voz dos séculos, é o nosso legado
Ouvidos abertos as tuas recomendações

Eis que o 11 se cumpriu a rigor
Em DNA e espírito, o meu amor

O animal já nasce com os instintos dos pais
Encontra o alimento sem ninguém ensinar
Já com roupagem que lhe dá proteção
Mas o neném humano apenas sabe chorar
Sente fome e não sabe onde procurar
Nasceu nu e precisou alguém lhe amparar
Mas crescendo ganha força e memória
A experiência ancestral fortalecendo a razão
Mas não permita as travas do passado
Travas tradição, preconceito, trava supertição .
Sobrecargas de um passado morto
Teus conceitos atualizados , boa remodulação

Eis que o 11 se cumpriu a rigor
Em DNA e espírito, o meu amor

Quanto vale tua vida, na tristeza e na alegria ?
Amar a vida nos momentos de satisfação
E não existir nos momentos de tristeza ?
A vida não é a culpada da sua desilusão
Nem pela tua alegria, fartura ou pobreza
Veja ancestralidade com bom senso e razão

A vida esta acima da dor e da alegria
Na vida , rosa e chicote experimentado
Precisa amar a vida, ela é tua companheira
Momentos vitorioso e momentos derrotado
Dominar a própria dor, eis a vitória certeira
Tristeza e sofrimento pela vontade suplantado

Eis que o 11 se cumpriu a rigor
Em DNA e espírito, o meu amor

O poder da vontade é a firmeza universal
Esta em toda a parte, poderosa eminência
Quem deseja desenvolver a vontade
Decisão de não temer a resistência
Ser integro e justo na adversidade
Manter-se amável na sua convivência

Influências contrária e conflitos no coração
Aproveite a batalha, exercite a tua vontade
Aprender apaziguar e acalmar tua emoção
A luz da vontade acaba com a tempestade
O frio do cérebro passivo será em vão
Alcançará uma fonte que jorra felicidade

A verdadeira vitória é saber se relacionar
Olhar homens e ver bons companheiros
Ser parte da grande família humana
Na vontade com bom senso, será um luzeiro
Mas no amor de Mitakue Oasin
É força ancestral na luz do teu candeeiro

Eis que o 11 se cumpriu a rigor
Em DNA e espírito, o meu amor.

Veja também: Só Por Hoje, Amor do pai, Batman – O Livro dos mortos, Individualidade fugaz, O Livro de Eli, Licitações, Efeito Borboleta, A Escalada do Monte Improvável, de Richard Dawkins, Olá, mundo!, Via Láctea pelo navegador