O carro flutuante

Em 1999, estes dois amigos italianos – Marco Amoretti e Marcolino De Candia, cruzaram o Atlântico a bordo de um carro flutuante.

A ideia veio do pai de Marco – Giorgio, que um ano antes de ser diagnosticado com câncer terminal, criou um “automóvel marítimo”. No entanto, ele estava muito doente para concluir a viagem, então seu filho partiu para realizar seu sonho.


Em 4 de maio de 1999, os quatro jovens partiram das Ilhas Canárias para alcançar o outro lado do Oceano Atlântico. Eles usaram um Volkswagen Passat destruído e um Ford Taunus cheio de poliuretano flutuante para completar a viagem.


Depois de 4 longos meses, os dois viajantes chegaram ao seu destino – o Caribe. No entanto, esta história representa muito mais do que o percurso das primeiras – e, talvez as últimas pessoas a atravessar o oceano Atlântico em um carro flutuante. Ela fala sobre superação, realização de sonhos, e sobretudo, ela fala sobre amor. “Agora estou orgulhoso porque mostrei ao mundo que o sonho de meu pai não era impossível”, completa o italiano. Gabriela Glettehypeness

Rr

Tapetes do fundo do mar e reflexão sobre preservação dos oceanos

Nós adoramos toda e qualquer forma de arte, porém quando ela possui um caráter crítico e nos instiga a pensar sobre determinado ponto, melhor ainda. A artista portuguesa Vanessa Barragão, vem criando tapetes incríveis, que além de nos propor uma reflexão sobre a importância da preservação dos oceanos, recupera técnicas ancestrais de tapeçaria manual. Recriando paisagens do fundo do mar, suas obras são produzidas inteiramente de maneira artesanal e são 100% sustentáveis.

Sediada na cidade de Porto, a artista é natural de Albufeira, litoral do país, portanto o mar sempre foi sua realidade. Após estudar Design de Moda e estar em contato direto com a indústria têxtil, a preocupação com o meio ambiente tornou-se real, já que a indústria da moda é uma das que mais poluem o meio ambiente. Vanessa Barragão

Retratando algas, corais e aspectos da vida marinha que encontram-se em constante ameaça, sua obra não poderia ser mais atual e direta. A complexidade de seu trabalho caminha lado a lado com sua criatividade, trabalhada a partir de técnicas tradicionais, como feltragem, tricô, macramê, crochê e tecelagem, muitas destas que vêm sido engolidas pela industrialização. Vivimetaliun

Palavras Perdidas: A ILHA DE LIXO, CUCO, O MAR DE ARAL VIROU AREIA., BE MY EYES APP, PEIXE-BOI MARINHO, Plástico Pena, XEQUE MONTE, Kamikatsu, como separar o lixo?!?, CARTA DA TERRA, ÁGUAS DE MARÇO, A culpa das velhas plásticas, PLANETARIO, Embalos de bananas

Barulho D’água

Montado em diversos países, o espetáculo critica a falta de uma política mundial de refugiados, narrando a tragédia de imigrantes que atravessam o mar mediterrâneo.

O elenco conta com o ator Alexandre Rodrigues, protagonista do filme Cidade de Deus. A dramaturgia do espetáculo, por sua vez, tem como eixo central o depoimento de cinco refugiados, que foram colhidos pelo próprio escritor na Ilha de Lampedusa, na região da Sicília (Itália). O texto original é um monólogo, em que um general conta a história desses refugiados.

A peça “Barulho D’água”, é do autor italiano Marco Martinelli, a versão brasileira da montagem nasceu do encontro dos artistas Carina Casuscelli e Lenerson Polonini, fundadores da Companhia Nova de Teatro. O Beijo

NOISE IN THE WATER, by the Italian playwright Marco Martinelli, which tells the story of the drama of thousands of refugees trying to cross the Mediterranean sea in precarious boats. The piece is in the repertoire of @cianovadeteatro and was in print in the years 2016/2017, supported of the Prize Ze Renato de Teatro.

Organismos da ONU ativamente envolvidos nesta abordagem em grupo incluem a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Escritório de Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), o Programa Mundial de Alimentos (PMA), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos (ACNUDH).
Acesse também a página especial da ONU sobre o tema: http://refugeesmigrants.un.org

Poetize-se: 35 verdades ditas sobre o Brasil, pelos olhos de um Turista, As aventuras de Alice sob a terra, Somos Harmonicos!?!, Convite à Filosofia, Olney Alberto São Paulo, Claude Monet, Garota indígena de 13 anos é indicada ‘Nobel infantil’ da paz, Turn around, Roberto Lage

Patinhos, versão combustível!

A Caça dos Patinhos navegantes expôs as preocupações sobre o acúmulo de lixo nos oceanos. Em janeiro de 1992, um carregamento com 28 mil bichinhos de brinquedo acabou derramado no meio do Oceano Pacífico.

Por serem projetados para flutuar, eles foram guiados pela correnteza e se esparramaram em áreas diversas dos mares. Alguns deles chegaram a percorrer um trajeto de mais de 3 mil quilômetros, chegando por exemplo na costa do Alasca. Outros patinhos foram encontrados na Austrália e Escócia. Vivimetaliun

Desde 2000, a empresa canadense Enerkem se dedica a estudar e implementar maneiras de transformar lixo orgânico em biocombustível, o projeto da companhia consiste em uma parceria com a The Ocean Legacy Foundation, que faz limpeza na costa do país, para aplicar a mesma tecnologia usada em detritos urbanos ao lixo que a organização retirar dos mares canadenses. Vivimetaliun

Com apenas 18 anos, o estudante holandês Boyan Slat impressionou o mundo ao criar um sistema de limpeza dos oceanos, a ferramenta funciona como um filtro que recolhe o lixo flutuante e o leva até um sistema em terra, onde pode ser reciclado. Durante o transporte, o lixo permanece em contato com a água, o que evitaria a morte de animais que fossem arrastados por engano pelo equipamento.

Para transformar a ideia em realidade, Boyan criou a empresa The Ocean Cleanup, segundo as estimativas do jovem, as correntes dos oceanos poderiam ser usadas para acelerar a limpeza das águas e retirar metade de todo o plástico da Ilha de Lixo do Pacífico em apenas cinco anos. Vivimetaliun

Um mar de informações!!!

Na cultura digital atual, estamos inserindo tecnologia em tudo para tornar nossas vidas mais efetivas e produtivas, tornando-a praticamente inescapável.

A chave não é desconectar, mas entender o porquê precisamos desconectar: para apreciar a constância da vida sem tecnologia. Breno França – Papo de Homem

As pessoas estão ansiosas demais, inseguras demais e cansadas demais. Nesse cenário correm em busca de respostas e fórmulas prontas, o que certamente não existe. É como se todo mundo estivesse em busca de respostas imediatas, dicas de como se sair bem em determinadas situações sem muito esforço.  LUCIA FARIA – 

As pesquisadoras Suely Fragoso (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), Raquel Recuero (Universidade Católica de Pelotas) e Adriana Amaral (Universidade do Vale do Rio dos Sinos) são as responsáveis pela edição do livro Métodos de pesquisa para a internet (Porto Alegre: Sulina, 2011), que surge como um farol no mar de informações que os pesquisadores costumam navegar desde o advento da web.  Arquimedes Pessoni – Mergulho no mar de informações da Web

A informação confiável e em tempo hábil é um fator primordial para a tomada de decisão, para muitas pessoas a informação passa a ser um fardo, tornando cada vez mais complexo o gerenciamento das informações no âmbito pessoal e profissional.  – LinkedIn

O ser humano adora viver a vida alheia, assim não precisa pensar na sua. Pensar cansa, gera trabalho e se for a nossa, haja transformação. Tenha o controle de sua vida e escolha você mesmo seu destino, você pode! Você quer? Tânia Gorodniuk

Observe mais: LIBERDADE PRIVATIZADAHUMANSVIDACELL®GOVERNO ABERTOPERFEIÇÃONAARA BEAUTY DRINK!!!UNIVERSIDADES DO MUNDOLIBERDADE DE EXPRESSÃOJEUNESSE, VERDADE OU MENTIRA?O ESPELHO ENEVOADO, LUMINESCE™, EXPERIMENTO CIENTÍFICO?