ÁRVORES COM FORMATOS INTRIGANTES

Como em um passe de mágica, a natureza altera a paisagem sem piedade e prova que nem a mais arrojada tecnologia consegue prever com exatidão a sua força e deter os seus momentos de fúria.

A natureza é mesmo uma autora bastante criativa, capaz de fazer brotar do solo criações incrivelmente surreais. Megacurioso

Mude conceitos, você pode e deve: DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS, TERRA SEM MALES, O mar de Aral virou areia., Território, Índias, Árvore mágica e suas 40 faces, Brô Mc´s, Todo Dia Era Dia de Índio, De que lado você esta?, Reputação ilibada e notável saber jurídico., Cadê os Amarildos?, Homem planta uma árvore por dia por 40 anos em ilha remota, Cama, mesa e banho!

Caminhada

2amigos

“Dois amigos caminhavam pela rua. De repente, no meio da conversa banal, os dois começaram a discutir e quase se atracaram.

Mais tarde – já com os ânimos serenados – sentaram em um bar. Um deles pediu desculpas ao outro.

“Tenho reparado que é muito mais fácil ferir pessoas que estão próximas”, disse. “Se você fosse estranho, eu teria me controlado muito mais. Entretanto, justamente pelo fato de sermos amigos e de me entender melhor que ninguém, eu terminei sendo muito mais agressivo, desculpe”.

“Esta é a natureza humana”. Disse o outro.

Talvez esta seja a natureza humana. Mas vamos lutar contra isto. Não devemos deixar que o amor seja uma desculpa para fazer tudo que temos vontade. São justamente com as pessoas próximas que devemos ser mais cuidadosos.”

Veja também: HO’OPONOPONO, EFEITO BORBOLETA, A SOLUÇÃO DO PROBLEMA, CARRY ON WAYWARD SON, CAPITÃO GANCHO

Ensaio sobre a cegueira hídrica

crisehidricaprojeto

1. O abastecimento do precioso líquido será feito de modo a atender apenas às necessidades mais elementares, como a preparação de alimentos, tomar uma breve ducha e escovar os dentes. Para descarregar a privada, fazer a limpeza da casa e dar banho no cachorro, o jeito será contar com a água das chuvas.
2. Restaurantes serão obrigados a baixar as portas. Não haverá água para lavar tanta louça. Outros estabelecimentos podem vir a ser obrigados a restringir o uso de seus banheiros.
3. Empresas que dependem do uso intensivo de água começarão a se preparar para sair de São Paulo, já que não há previsão para o término da crise. Vão em busca de melhores condições hídricas.
4. Depois do colapso do Sistema Alto Tietê, que abastece a zona leste de São Paulo, a água potável passou a ser um bem raro e caro. Bandidos já fazem sequestros-relâmpagos de caminhões-pipa cheios, a fim de vender a carga em condomínios fechados. Uma carga de 15 mil litros de água pode facilmente ser repassada por R$ 2.500.
5. O tráfico de água campeia. Em Itu, durante o apogeu da falta d’água, em setembro de 2014, quadrilhas comercializavam a água que deveria ser distribuída gratuitamente à população. É previsível que o mesmo ocorra por aqui.
6. Todos os 50 mil poços em funcionamento na cidade de São Paulo serão “confiscados”, mesmo os localizados em terrenos privados. Só o Estado estará autorizado a explorá-los.
7. Moradores de casas humildes terão de ir trabalhar sem tomar banho e com a mesma roupa do dia anterior. Quando eles chegaram em casa, não havia água; quando saíram, a água ainda não havia voltado. E a caixa d´água nem chegou a encher por causa da redução da pressão.
8. Haverá creches que interromperão os serviços por falta de água, gerando um efeito cascata. Se as crianças não puderem ir para a creche, a mãe terá de faltar no emprego.
9. Começarão os pedidos de socorro por parte de idosos, acamados, e de gente com deficiência de mobilidade, que não conseguirão colocar uma lata enorme de água na cabeça e levá-la para casa.
10. Surgirão aqui e ali focos de desidratação, atingindo principalmente indivíduos de terceira idade e crianças até 4 anos, mais vulneráveis.
11. Já se esperam protestos. Em Itu, vizinho de São Paulo, até donas de casa colocaram fogo nas ruas. “Aqui em São Paulo, vai haver um escalonamento de manifestações e de violência porque a água mexe com a questão da dignidade. Quantos dias nós aguentamos sem poder dar descarga?”, pergunta Marussia Whately. A tropa de choque da PM dará show de truculência, como sempre. Conta D’Água

logoarsesp

LEI Nº 9.433, DE 8 DE JANEIRO DE 1997, institui a Política Nacional de Recursos Hídricos.

ana_ag_nac_agua

Veja também: Parabéns Nestlé, Empoderamento dos recursos, Fome, Um Monte de mentiras, Ana Primavesi, Engenheira agrônoma., Rios do céu!, Por que falta água?, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Michael Moore, Fátima, Qual o volume ocupado por 1 trilhão de reais?, Air Purifier Bike, Santa Buceta, Feliz dia do índio!!!, Quem paga o Carnaval!, Mídia Ninja, Aniversário da revolução de 1964, No gás, Bolsa ruralista, quer que desenhe?

José Mujica maconheiro?

José Mujicacanamo-capa
exemploops

mujicacool

O Uruguai criou polêmica em todo o mundo ao se tornar o primeiro país a legalizar a maconha. Essa foi a solução encontrada pelo presidente José Mujica para combater a violência e o narcotráfico. Jornal da Band

pepemujica
Chico Lopes solto depois de pagar fiança de R$ 300. (Senado Federal)

Veja também: Legalize Já, Ervas medicinais, FHC = THC, Saudação ao Sol, Comida de gente, Convite à Filosofia, Chás que Ajudam a Emagrecer, Paulo Freire, Jesus Negão, Umbrella Corporation, Piada sem sabor!, Sorvete de cachaça, Casa da árvore

Parabéns Nestlé

african_activis wAter
Peter Brabeck-Letmathe, presidente mundial da Nestlé, uma das maiores empresas de gêneros alimentícios mundiais, afirma que a água é como qualquer outra commoditie agrícola, e deveria ser privatizada, explorada comercialmente e precificada, e acredita que “o acesso à água não é um direito público nem um direito humano.”.
Grandes empresas multinacionais de bebidas, como a Coca-Cola e Nestlé sugam milhões de litros de água de poços subterrâneos, deixando o público sofrer com tais faltas e geralmente recebem privilégios sobre a água (e até isenções fiscais) e sobre a sociedade porque criam postos de trabalho.
água5motivos

vendendo_nossa_agua
“Obrigado por compartilhar a felicidade”.

nestleaguasaolourenco

Veja também: Sucos caseiros cheios de saúde., Planeta dos Macacos, Individualidade fugaz, Piada sem sabor!, Juan dos Mortos, Como a indústria do fumo enganou as pessoas?, O Amaranto Inca Kiwicha invade plantações de soja transgênica da Monsanto nos Estados Unidos, Sugestão de desintoxicação ayurvédica após os excessos., Um Monte de mentiras, O mar de Aral virou areia., Baleia ou sereia., Carta da Terra, Reciclável e/ou não!, Peixinho!!!, O de Otário

Carta de um policial nos protestos de São Paulo

Ser policial e andar com uma lupa de análise política no bolso quase sempre é trágico. Leva-nos a conflitos internos, terremotos morais, furacões éticos. Sim: estou falando da atuação da Polícia Militar do Estado de São Paulo, digo, estou falando da minha atuação nos protestos em favor da redução das tarifas de transporte público em São Paulo.

No front, companheiros, sabemos todos nós policiais (caso este texto seja publicado), no front não há raciocínio. “A determinação é desocupar a Avenida”. Um sentimento de dever nos une, e a determinação será cumprida. Deve ser cumprida. Por nós, que pegamos ônibus e metrô, e somos pouquíssimos partidários dos governos: são eles, afinal, que nos submetem a condições de trabalho questionáveis, que nos pagam salários inadequados com a natureza da função que exercemos, que incita a polícia a agir, mas que degola o primeiro que parecer abusivo à opinião pública. Afinal, soldado morto, farda noutro.

Vi baderneiros e atos descontrolados de manifestantes: danos desnecessários, resistências à ação policial, incitação à violência. Cá para nós, coisa natural em protestos e manifestações contra os governos. Diferentemente de tropas militares, manifestantes civis em reivindicações não possuem controle central, determinação uniformizada de ordens. Diferentemente da polícia, que quando é violenta com certeza acata a um interesse específico, a população em protesto pode tender à irresponsabilidade de uns poucos. E isto não deslegitima a causa.

Vi policiais assumindo a lógica “nós contra eles”, como se na guerra estivessem, vi colegas ingenuamente assumindo-se engrenagem de uma máquina que está longe de ter como fim “a manutenção da ordem pública”. Vi o despendimento de uma estrutura militar significativa para calar a voz de cidadãos, para evitar sua permanência no espaço público, para negar a insatisfação que, lá em nosso âmago, faz parte de cada policial militar (salvo alguns que, certamente, estão bem privilegiados nos altos escalões de poder).

Cumprimos ordens, é verdade, mas elas pelo menos devem ser investigadas quanto às suas naturezas, quanto ao que representam politicamente, quanto a seus desdobramentos sociais. Ouço colegas dizerem que, “se os baderneiros são violentos, não podemos nos omitir, a repressão deve ocorrer, a violência tem que ser devolvida”. Obviamente, permitir-se apanhar é absurdo: tão absurdo que não sei se alguém acha mesmo que pedir respeito à manifestação popular significa pedir para apanhar. Mas a violência institucional policial, que, repito, é organizada e obedece a um comando central, é uma contradição do ponto de vista dos fins da própria instituição, que está sustentada (a princípio) na produção da paz.

Policiais são profissionais, têm deveres, modo de atuação especificado, direitos a garantir, deveres a fazer cumprir. A sociedade, neste momento se reconhecendo enquanto corpo político reivindicatório, tem um elemento que vez ou outra surge, sempre incomodando bastante quem quer as coisas do modo que elas estão: ideal, coragem política e insatisfação coletiva. Como deveria ser a relação entre esses dois setores da mesma sociedade?

Sou a favor do que defendem os manifestantes. Sou a favor da ação policial que evite ações violentas de manifestantes. Sou a favor de ações policiais não violentas. Sou a favor que cada policial militar paulista reflita sobre o que representa seu bastão erguido, seu espargidor acionado, seu tiro de borracha disparado. Trabalhamos para sobreviver, sem nossa profissão, não sustentaríamos nossas famílias, mas não é pequeno o conflito existencial de quem percebe que está jogando, porque é obrigado a jogar, o jogo de uns poucos, encerrados em seus gabinetes, presos afetiva e ambiciosamente à cadeira do poder. Lamento, tristeza e vergonha.

A carta acima foi recebida pelo Abordagem Policial de um leitor anônimo, de modo que não podemos afirmar a veracidade de qualquer ponto explicitado no texto. Pela temática e peculiar posição defendida pelo autor, resolvemos publicá-la.

Autor: Danillo Ferreira – Tenente da Polícia Militar da Bahia, associado ao Fórum Brasileiro de Segurança Pública e graduando em Filosofia pela UEFS-BA. | Contato: abordagempolicial@gmail.com

Veja também: Quem é o povo?, Polícia 24 horas, Candidato Caô Caô, Coleira para crianças, absurdo?, Saudação ao Sol, Sua segurança?, REVENGE!, Arena, Flash na Biblioteca, A indústria farmacêutica está fora de controle?, Marvel, A culpa é de quem!

Veteranas de guerra

UMA HOMENAGEM ÀS ÁRVORES SOBREVIVENTES DA MATA ATLÂNTICA

São Paulo é o dinâmico resultado da demolição e reconstrução de sucessivas cidades em pouco mais de um século. Nesse curto espaço de tempo, a cidadela com 30 mil habitantes tornou-se a metrópole com 20 milhões de habitantes, e sua natureza praticamente desapareceu. Originalmente muito rica em biodiversidade, São Paulo apresentava extensas florestas de Mata Atlântica, araucárias, cerrados e várzeas, que formavam uma paisagem única. Durante o processo de urbanização, a vegetação ancestral foi sendo eliminada e substituída por espécies de origem estrangeira, motivação cultural que acarretou na extinção em massa da fauna e flora nativas e a situação atual de 80% da vegetação urbana ser de origem estrangeira, ou seja, exótica.

Mesmo com esse grave quadro ambiental, alguns exemplares da Mata Atlântica alcançaram nossa época, resistindo a gerações de interesses contrários, loteamentos e aberturas de ruas e avenidas que poderiam em poucos minutos acabar com a sua história, assim como aconteceu a inúmeras outras que não pudemos conhecer.

Árvores da Mata Atlântica sobreviventes em condições tão adversas podem ser consideradas monumentos vegetais e históricos paulistanos, um patrimônio ambiental que representa uma imensa herança não reconhecida. Muitas dessas árvores estão ameaçadas pelo descaso, poluição e idade avançada, e são sobreviventes de populações quase ou extintas e detentoras de genética única resultante de milhares de anos de evolução com o clima, solo e biodiversidade local, precisando ser valorizadas, tombadas e reproduzidas para sua perpetuação e repovoamento na cidade de São Paulo.

O meio ambiente urbano deve ser uma prioridade no século XXI, o século das cidades.

Ricardo Cardim, botânico e ambientalista

Veja também: Veteranas de Guerra, Fundação SOS Mata Atlântica, Monte seu Fusca, Vegeta, Miniusina de energia, John Titor , o VIAJANTE-ZER, Chás que Ajudam a Emagrecer, Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, Saudação ao Sol, Via Láctea pelo navegador, Arveres somos nozes

Curupira

O termo Curupira é justificado por Curu como sendo abreviatura de curumi, menino e Pira, corpo. Assim, Curupira pode ser entendido como “aquele que tem corpo de menino”. No lendário indígena amazônico o Curupira apresenta-se como um moleque de aproximadamente sete anos, com o corpo coberto de longos pêlos e tendo os pés virados para trás.

Um deus nativo das selvas, um protetor das florestas, castiga impiedosamente aquele que caça por prazer, que mata as fêmeas prenhes e os filhotes indefesos. Entretanto, ampara caçadores e pescadores, que têm na caça ou na pesca seus únicos recursos alimentares, ou que abate um animal por verdadeira necessidade. (J Coelho)

Curupira ou currupira é uma figura do folclore brasileiro, citado por José de Anchieta em 1560. Ele protege a floresta e os animais, espantando os caçadores que não respeitam as leis da natureza, isto é, que não respeitam o período de procriação e amamentação dos animais e que também caçam além do necessário para a sua sobrevivência e lenhadores que fazem derrubada de árvores de forma predatória. (Wikipédia)

O curupira é descrito como um menino de estatura baixa, cabelos cor de fogo e pés com calcanhares para frente que confundem os caçadores, dizem que o curupira gosta de sentar nas sombras das mangueiras e se deliciar com os frutos. Para proteger os animais, o curupira usa mil artimanhas, procurando sempre iludir e confundir os caçadores, utilizando gritos, assobios e gemidos, fazendo com que o caçador pense que está atrás de um animal e vá atrás do Curupira, e este faz com que o caçador se perca na floresta. (Brasil Escola)

De acordo com a lenda, ele costuma também levar crianças pequenas para morar com ele nas matas. Após encantar as crianças e ensinar os segredos da floresta, devolve os jovens para a família, após sete anos. (Sua Pesquisa)

Entidades análogas são conhecidas como Caapora ou Caipora, no Nordeste do Brasil e Espírito Santo; Kilaino, entre os bacaeris do Mato Grosso; Maguare, na Venezuela; Selvaje, na Colômbia; Chudiachaque, no Peru; e Kaná, na Bolívia. (Fantastipedia)

Índios e Jesuítas o chamavam de Caiçara, o protetor da caça e das matas, os índios já conheciam desde a época do descobrimento, para os Índios Guaranis ele é o Demômio da Floresta. Às vezes é visto montando um Porco do Mato. É um anão de Cabelos Vermelhos com Pelo e Dentes verdes, muito poderoso, forte e é impossível capturá-lo. (Liliana R.)

Veja também: O Curupira, Carta da Terra, Ferramentas de destruição em massa., Dia Mundial do Meio Ambiente., Mata Atlântica, Árvores?, Tudo isso, Maldito homem!

Sal e vinagre

O sal, somado a produtos de limpeza ou simplesmente diluído em água, também é um poderoso agente de limpeza. Usando o sal para limpar sua casa, você poupa seu bolso e a natureza de resíduos de produtos industrializados nocivos ao meio ambiente.
salcasavegetariana
A partir da ação conjunta de oxigênio e bactérias, o vinagre é o ácido acético produto da fermentação de álcool e de açúcares. O nome vem do francês, vinaigre, e significa vinho azedo.

As utilidades do vinagre ainda não acabaram. O poder desinfetante e neutralizante de odores do líquido pode ser um grande aliado na limpeza da sua casa.

Além de serem mais caros, os produtos de limpeza disponíveis no mercado são mais agressivos e quase sempre contêm substâncias perigosas nem sempre tão eficazes quanto o vinagre.

Sal e pimenta

Veja também: Refrigerante, Café com Dengue., Inseticida Natural contra lesmas e lagartas, Sucos verdes, Desinfetante ecológico., Suco de limão e Bicarbonato, Leite de aveia, Ouro de tolo, Piada sem sabor!, Veneno ecológico para matar ratos.