MTST protesta no Morumbi

https://exame.abril.com.br/brasil/apos-cancelamento-de-show-de-caetano-mtst-protesta-no-morumbi/

Após cancelamento de show de Caetano, MTST protesta no Morumbi

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1861993333830224&id=100000587263712

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10208072428647865&id=1814045420

 Decisão da juíza Ida Inês Del Cid que proíbe que Caetano Veloso se apresente com seu violão para os moradores da ocupação de S. Bernardo.

Recomendo de verdade que, antes de sair emitindo opinião sobre o que essa turma quer, precisa ou representa, visitem esse lugar. 

PS: a tal juíza já foi outrora afastada por conta de gravações telefônicas que levantaram suspeitas de lavagem de dinheiro para o PCC. 

PS 2: 500.000, o valor da multa, é o que deve de IPTU o proprietário desse terreno, abandonado há 40 anos, que hoje 8.000 famílias ocupam.
 https://oglobo.globo.com/brasil/justica-manda-doria-devolver-area-publica-invadida-em-campos-de-jordao-20164524

 Justiça manda Doria devolver área pública invadida em Campos de JordãoA. Açõescontra Russomanno cobram aluguel atrasado e dívida trabalhista.

http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/fazenda/servicos/iptu/index.php?p=2463

https://m.oglobo.globo.com/rio/os-30-maiores-devedores-de-iss-iptu-5443679

No caso do IPTU, só o espólio de Abílio Soares de Souza responde por mais de R$ 5,3 bilhões referentes a terrenos na Barra que, desde 1975, a prefeitura não consegue descobrir onde ficam. Em seguida aparece a Parques Temáticos (Terra Encantada) com R$ 164,2 milhões, que o TCM entende ser de difícil recuperação, porque a empresa declarou concordata. O Itanhangá Golf Club vem logo depois, com dívida de R$ 164,2 milhões, seguido de Caixa de Funcionários do BB (R$ 142,7 milhões), Pasquale Mauro (R$ 79,6 milhões), Pargim (R$ 65,2 milhões), FGV (R$ 62,4 milhões), Hotel Copacabana Palace (R$ 58,7 milhões) e Sendas (R$ 57,3 milhões). Itanhangá, Pasquale Mauro e Pargin não retornaram as ligações.

Editado via celular.

Mude conceitos, você pode e deve Relatos SalvajesLUMINESCE™THE IMITATION GAMEA RAINHA DE MAIONAARA BEAUTY DRINK!!!15 robôs icônicos do cinemaNEVOBATMÓVEL – INFOGRÁFICOMUTAÇÃOINSTANTLY AGELESS ™A QUARTA PAREDE!BESOURINHAVIDACELL®Three Little PigsRESERVE™O ESCARAVELHO DO DIABOTURA SATANAJÁ NÃO ME SINTO EM CASA NESSE MUNDO

Chico Mendes

Francisco Alves Mendes Filho nasceu no dia 12 de dezembro de de 1944 em Xapuri, no Acre, mesma cidade onde foi assassinado.

chicomendesdoodle
Ambientalista, sindicalista e ativista brasileiro ganha um Doodle para lembrar seu legado. El País

chicomendes

Chico Mendes was a Brazilian rubber tapper, trade union leader andenvironmentalist. He fought to preserve the Amazon rainforest, and advocated for the human rights of Brazilian peasants and indigenous peoples. PLANTATIONS

Chico se transformou numa figura lendária, um herói do povo brasileiro, mas o tratamento midiático de sua história tende a ocultar a radicalidade social e política de seu combate. A CASA DE VIDRO.COM

23ua35c

“Amazônia – De Galvez a Chico Mendes”, minissérie de Glória Perez que apresenta a história do Acre, mostrando como o estado tornou-se território brasileiro. Baseada nos romances “O Seringal”, de Miguel Ferrante e “Terra Caída”, de José Potyguara, a minissérie narra a história do Acre, a última região a ser anexada ao território brasileiro. vcfaz.tv

Chico Mendes saiu da floresta brasileira para mobilizar o mundo. Acreano, Francisco Alves Mendes Filho nasceu em 15 de dezembro de 1944, no seringal Porto, em Xapuri. Desde criança trabalhava com o pai no seringal. Sua história de líder sindical é simples, como foi sua vida, mas forte e grande como uma Amazônia.

1973 – Participou dos conflitos de terra na fazenda Santa Fé.

1975 – Cria o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Brasiléia, quando é indicado a secretário geral.

1976 – Inicia uma luta sem tréguas a favor dos seringueiros para impedir desmatamentos e organiza várias ações em defesa da posse da terra.

1977 – Em pleno período militar, Chico Mendes funda o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri e é eleito vereador, pelo MDB, à Câmara Municipal local.

1978 – Começam as ameaças de morte por parte dos fazendeiros, e as divergências partidárias porque o MDB não era solidário às lutas dos trabalhadores rurais.

1979 – Chico Mendes leva para a Câmara Municipal debates entre lideranças sindicais, populares e religiosas. É acusado de subversão por denunciar as arbitrariedades dos torturadores contra ele e outros presos políticos.

1980 – Surge o Partido dos Trabalhadores – PT. Chico, um dos fundadores no Acre, passa à direção do partido naquele estado, participando de comícios na região juntamente com Lula. Chico Mendes é enquadrado na Lei de Segurança Nacional, a pedido dos fazendeiros da região, que procuravam envolvê-lo no assassinato de um capataz de fazenda que poderia estar envolvido no assassinato de Wilson Pinheiro, presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Brasiléia.

1981 – Chico Mendes assume a direção do Sindicato de Xapuri, do qual foi presidente até o momento de sua morte.

1985 – Lidera o 1º Encontro Nacional dos Seringueiros, durante o qual é criado o Conselho Nacional dos Seringueiros (CNS), com Chico na liderança.

1986 – A luta dos seringueiros ganha repercussão nacional e internacional, surge, então a proposta de “União dos Povos da Floresta”, que busca unir os interesses de índios e seringueiros em defesa da floresta amazônica, propondo ainda a criação de reservas extrativistas nas áreas indígenas, na própria floresta, ao mesmo tempo em que garantem a reforma agrária desejada pelos seringueiros.

1987 – Representantes da ONU visitam Chico Mendes, em Xapuri, onde puderam ver de perto a devastação da floresta e a expulsão dos seringueiros provocadas por projetos financiados por bancos internacionais, inclusive o Banco Mundial. Chico Mendes levava estas denúncias ao Senado norte-americano e à reunião do BID. Logo os financiamentos aos projetos devastadores são suspensos e Chico é acusado por fazendeiros e políticos de prejudicar o “progresso” do Acre.

1988 – Chico Mendes é homenageado e ganha vários prêmios, entre eles o “Global 500”, oferecido pela própria ONU. Surge a União Democrática Ruralista – UDR, no Acre, criada por proprietários de terras que não se conformam com a possibilidade de uma reforma agrária e criação de reservas ecológicas. Chico Mendes percorre várias regiões do Brasil, participando de seminários, palestras e congressos, com o objetivo de denunciar a ação predatória contra a floresta e as ações violentas dos fazendeiros da região contra os trabalhadores de Xapuri. Participa da implantação das primeiras reservas extrativistas criadas no Acre e consegue a desapropriação do Seringal Cachoeira, de Darly Alves da Silva, em Xapuri.

1989 – Chico assume a presidência do CNS em março, no 2º Encontro Nacional dos Seringueiros. Em 17 de novembro, Chico Mendes denunciou ao juiz da Comarca, ao secretário de Segurança Pública, ao Governo Estadual e ao Superintendente da Polícia Federal que Darli e Alvarino estavam tramando seu assassinato. No mesmo mês e com o mesmo teor, ele escreveu carta ao secretário de Segurança Pública, ao Governo Estadual e ao Superintendente da Polícia Federal. Ainda em novembro, o Sindicato de Brasiléia, Conselho Nacional dos Seringueiros e o Centro de Trabalhadores da Amazônia remeteram telex ao governador Flaviano Melo, ao diretor geral da Polícia Federal, Romeu Tuma e ao Secretário da Segurança Publica, denunciando ameaças de assassinato de trabalhadores rurais em Xapuri e Brasiléia. Não obteve resposta.

198922 de dezembro – Apesar das denúncias, dos pedidos de proteção por parte de entidades ambientalistas, personalidades políticas e dirigentes sindicais, do governador ter colocado dois PMs como segurança, Chico Mendes foi assassinado no quintal de sua casa com um tiro de escopeta. Silvestre Gorgulho

“Se descesse um enviado dos céus e me garantisse que minha morte iria fortalecer nossa luta até que valeria a pena. Mas a experiência nos ensina o contrário. Então eu quero viver. Ato público e enterro numeroso não salvarão a Amazônia. Quero viver.” Chico Mendes 

Observe mais: Comida de genteTráfico de águas, DIA MUNDIAL SEM CARROSANDUÍCHES SEM PÃOPHILIP K. DICKNAARA BEAUTY DRINK!!!COMO A SUÉCIA RECICLA 99% DO LIXO QUE PRODUZ?, Bandeirantes ModernosEMVA verdade pode estar no ovo, Controle SocialQUEM MATOU O CARRO ELÉTRICO?INSTANTLY AGELESS ™TUMBLER VW BUG CONCEPTÍNDIO EDUCAVIDACELL®Eu, não, meu senhor, Pedala Mundo!RESERVE™A HISTÓRIA DO JARDINEIRO DE OXALÁRELIGIÃO MENTALSUPERNATURAL

Incêndio, apenas 4° andar é salvo.

Em algum lugar neste país, um prédio de 4 andares foi totalmente destruído pelo fogo, um incêndio terrível. Todas as pessoas das 10 famílias de Sem-teto, que haviam invadido o 1º andar, faleceram no incêndio.

No 2º andar, todos os componentes das 12 famílias de retirantes, que viviam dos proventos da “Bolsa Família”, também não escaparam.

O 3º andar era ocupado por 4 famílias de ex-guerrilheiros, todos beneficiários de ações bem sucedidas contra o Governo, filiados a um Partido político influente, com altos cargos em estatais e empresas governamentais, que também faleceram.

No 4º andar viviam engenheiros, professores, empresários, bancários, vendedores, trabalhadores com suas famílias. Todos escaparam.

Imediatamente o “Presidente da Nação” e toda a sua assessoria mandou instalar um inquérito para que o “Chefe do Corpo de Bombeiros” explicasse a morte somente dos cumpanheiros e porque somente os moradores do 4º andar haviam escapado. Após uma extensa investigação, o Chefe dos Bombeiros respondeu:

– “Eles não estavam em casa. Estavam trabalhando ou na escola …”

Ademir P. Silva

Veja também: Ouro de tolo, Problemas sociais, Empoderamento dos recursos, Universidades do mundo, En+coleira+ar, Juan dos Mortos, O tempo chegará, Virtude, O Coxinha – uma análise sociológica, O mar de Aral virou areia., Economia de mercado