CDB e Olímpiadas, as Cannalimpíadas!

Desde o surgimento da WADA, em 1999, os cannabinóides THC e CBD eram considerados de uso ilegal em competições esportivas oficiais, essa será a primeira Olimpíada onde atletas poderão se beneficiar dos efeitos do CBD em sua recuperação muscular e outros usos voltados ao esporte. Dr. Banz! 

Liberado pela Agencia Mundial Antidoping (WADA) em 2017 e retirado da lista de substâncias proibidas no esporte pela organização em 2018, o CBD já é uma realidade nas Olimpíadas de Tóquio deste ano. Atletas como o maratonista Daniel Chaves, que faz uso do CBD desde 2016 por conta uma depressão, afirma que a substância salvou sua carreira no esporte. João R. Negromonte – Sechat

De início, ele buscou ajuda nos remédios de tarja preta. “Não foi legal. Tomar aqueles medicamentos me deixava prostrado, por causa dos efeitos colaterais. Então parei de usá-los, mas não conseguia ficar estável”, relembra o corredor, que conheceu o óleo de canabidiol, também chamado de CBD, em 2018, por meio de um amigo que o utilizava para tratar dores resultantes de uma batida de carro. ANITA KREPP – piauí

Outros atletas brasileiros reforçam o time de Daniel, como o catarinense Pedro Barros, de 25 anos, considerado hoje o maior nome do skate brasileiro e Bruno Soares, tenista de 39 anos que faz uso do CBD há três anos.

O médico neurologista Renato Anghinah, professor da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) afirma também que não há relatos de efeitos colaterais relacionados com o uso da substância e que por isso, pode ser que cada vez mais atletas se interessem por esse medicamento.

Sha’Carri Richardson era a grande esperança dos Estados Unidos para acabar com o domínio da Jamaica na prova mais nobre do atletismo. O problema é que a norte-americana de 21 anos corre risco de ficar fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio por ter testado positivo para o uso de maconha. Kauê Vieira – Hypeness

Os outros compostos da cannabis, porém, continuam vetados. Não à toa, Sha’Carri Richardson, velocista norte-americana favorita ao ouro em Tóquio, foi suspensa dos cem metros rasos por testar positivo para o THC, a parte psicoativa da cannabis, que exibe propriedades terapêuticas similares às do canabidiol, mas também causa euforia e, dado o nível de estimulação dos atletas é um composto que possivelmente não sairá da lista de substâncias proibidas no esporte nos próximos anos.

O maratonista Daniel Chaves: atleta diz que o canabidiol o ajudou a vencer a depressão
O maratonista Daniel Chaves: atleta diz que o canabidiol o ajudou a vencer a depressão – FOTO: CADU VIGILIA/DIVULGAÇÃO

O episódio reavivou um debate antigo: por que seguir proibindo o THC se hoje os cientistas já sabem que o consumo da substância não influencia no rendimento dos atletas? Tanto é assim que até a Casa Branca, ainda em cima do muro sobre a legalização da cannabis em todos os Estados Unidos, vem tentando uma reunião com a Wada para discutir o afrouxamento das regras sobre o uso da planta por esportistas.

“Acredito que já na Olimpíada de 2024 o THC será permitido. Tomara, pois vai melhorar a qualidade de vida de muita gente. Eu sou a prova dos benefícios que a cannabis pode trazer quando ministrada na quantidade certa”, afirma Chaves. Com a pandemia, a procura pelo CBD aumentou no Brasil. Muita gente começou a buscá-lo para neutralizar a insônia e outros distúrbios psíquicos trazidos pela crise sanitária.

O tratamento de Chaves é patrocinado pela USA Hemp, empresa que produz desde medicamentos até sais de banho à base de cannabis. Criada em 2014 por uma família de Goiás que se estabeleceu nos Estados Unidos há 25 anos, a companhia reserva 500 mil reais por ano para apoiar atletas e doar produtos a brasileiros de baixa renda que necessitam de tratamento canábico. “A história de superação do Daniel nos inspirou tanto que vamos lançar uma linha com seu nome”, diz a matriarca Corina Silva, CEO da empresa.

Cada vez mais, empreendedores do gênero buscam patrocinar atletas de alto rendimento no Brasil como parte de um plano de marketing, uma vez que a publicidade explícita de produtos de cannabis está proibida no país, assim como o seu plantio (já importação, venda e uso são permitidos desde 2015 por uma resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a RDC 17/15). Motivar um esportista a relatar sua experiência positiva com a erva pode ser um golaço.

Na verdade, o óleo nunca enfrentou grandes barreiras no universo desportivo. Ao contrário, foi recebido com curiosidade por boa parte dos atletas profissionais no mundo. Só que a maioria dos adeptos ainda teme tocar publicamente num assunto que é tabu há várias décadas.

Dr Banz - CBD legalizado nas Olimpíadas do Japão 2020

O fato é o seguinte, alguns atletas por medo de perder seus patrocínios usarão produtos com CBD, mas não vão divulgar. Mas outros atletas seres humanos maravilhosos, vão levantar a bandeira, vão divulgar e por consequência levarão nossa torcida pelas medalhas!

Hoje Chaves se considera um porta-voz dos benefícios da cannabis. Nascido e criado numa comunidade em Petrópolis, na serra fluminense, precisou bater um papo sobre o assunto com a mãe, que até então só relacionava a maconha a uma série de malefícios

Foi o triatleta amador Fernando Paternostro quem colocou a USA Hemp em contato com Chaves. Ele também fez a ponte entre quase cem outros esportistas e seus patrocinadores. Sócio da Atleta Cannabis com Peu Guimarães, Paternostro oferece toda a assessoria necessária para os interessados em aliar o esporte à erva. No mês retrasado, a empresa patrocinou o reality show de jiu-jitsu The New Star, exibido no YouTube. Treze dos dezesseis participantes tomaram CBD. Dois preferiram não experimentar o novo hype do esporte, e um foi desaconselhado a consumir o óleo por fazer uso de medicamentos controlados. 

Nos Estados Unidos, o uso de compostos da cannabis no contexto esportivo, seja na forma de óleo, cigarro, pastilha, bebida, creme, pomada e mesmo biscoito, vem se normalizando rapidamente. Vários atletas norte-americanos já admitem consumir a substância, como Megan Rapinoe, eleita melhor jogadora de futebol do mundo em 2019, e de sua companheira de equipe, Alex Morgan. De tão encantada com o tema, Morgan até criou a Just Live, marca de CBD feita por e para desportistas.

Mike Tyson também investe milhões em plantações da erva e promove debates sobre o assunto, que é especialmente interessante aos lutadores de boxe e MMA, não raro acometidos por problemas neurológicos devido às recorrentes pancadas na cabeça. Estima-se que pelo menos 30% desses atletas desenvolvam algum tipo de demência ou disfunção psicológica, como depressão e agressividade.

Foi o que aconteceu com o ex-companheiro da empresária Rose Gracie, cujo sobrenome é internacionalmente associado à prática do jiu-jitsu. “Vi meu então marido tentar o suicídio na minha frente. Ele lutava MMA na época e sofria de depressão. Quando conheceu a cannabis, passou a usá-la. Foi o que o salvou.”

Depois disso, Gracie fez parceria com uma marca norte-americana de produtos à base da erva e os colocou à venda em várias academias do grupo. A empresária virou uma espécie de consultora canábica dentro da própria família, que não estava muito confortável em relacionar o sobrenome de peso a algo que muitos enxergam como droga. Ela planeja abrir uma ONG para tratar com cannabis os atletas e ex-atletas que desenvolveram patologias decorrentes da luta.

De acordo com Gracie, cerca de 70% dos lutadores nos Estados Unidos já utilizam a erva recreativa ou terapeuticamente. A Comissão Atlética do Estado de Nevada (NSAC), que regulamenta algumas das lutas mais vistas no mundo, se juntou à Comissão de Boxe do Estado da Flórida e, no início de julho, decidiu acabar com as punições aos esportistas por uso de qualquer substância presente na cannabis.

No Brasil, o Sindicato de Atletas de São Paulo (Sapesp) será pioneiro na implementação de pesquisas sobre a planta com o intuito de oferecer maior conforto e apoio aos lutadores. A previsão é de que os estudos comecem ainda este ano. O presidente da instituição, Rinaldo Martorelli, já está testando em si mesmo o potencial da cannabis contra enfermidades como a dor no ombro que carrega desde os anos 1980, quando foi goleiro do Palmeiras. 

O médico Renato Anghinah, professor de neurologia na Universidade de São Paulo aposta que, a partir de 2022, as discussões acerca da cannabis irão avançar no mundo inteiro. “Cerca de 40% dos pacientes que tiveram Covid-19 se queixam de cansaço crônico e déficit de memória prolongados. Há indícios de que o CBD pode ajudar a vencer tais problemas, com poucos efeitos colaterais, como diarreia ou sonolência, mas nada muito intenso. Por isso, a tendência é que se abra um campo de estudos muito grande sobre o uso da erva em síndromes pós-Covid.”

Dr Banz - CBD legalizado nas Olimpíadas do Japão 2020

“Meu sonho é rodar o mundo disseminando informações sobre a planta enquanto me preparo para a Olimpíada de 2024. Quero levar o CBD às favelas do Rio, por exemplo, e dizer que se trata de um remédio de verdade. As comunidades quase não têm acesso a essas informações, e o Estado, quando pega um morador de lá com alguma quantidade de cannabis, só pensa em punir. Ninguém pergunta se o cara precisa daquilo para ficar estável psicologicamente.” Chaves planeja depois dos Jogos comprar um motorhome.

Olimpize-se: Que comecem os Doodle Champion Island Games!, Patrono do esporte brasileiro, Centro de Esportes Radicais, Toda bike importa, Capitão Fantástico, Canabidiol, o CBD, Os benefícios da cannabis no tratamento da Covid, Seus pés e sua saúde, Invista na cannabis ativa, Máquinas Voadoras, Van movida a energia solar ou com banheiro?!?

Museu Transgênero de História da Arte

Um acervo virtual, preparado e gerido por pessoas de todo o Brasil e dedicado ao resgate histórico da memória trans no Brasil. Essa é a mensagem por trás do Museu Transgênero de História e Arte (Mutha), o primeiro do tipo no Brasil e vanguarda na América Latina. 

Criado pelo pesquisador Ian Habib, o Mutha começou a tomar forma no começo de 2020, mas só no fim do ano é que o projeto começou a sair do papel de fato. Com a entrada da primeira verba, foi possível organizar um sarau com dez artistas e levantar o que hoje é o museu. Por meio da página do museu no Instagram é possível acompanhar as novidades.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

A primeira exposição, dividida em duas partes “Transespécie” e  “Transjardinagem” já foi inaugurada e pode ser acessada de forma virtual. Ela é formada por obras de artistas da Bahia e de outros estados brasileiros. Para visitá-la, basta clicar aqui.

O Mutha é um museu que pretende catalogar dados sobre a população transgênero no Brasil, seja ela do passado ou presente, e ainda apresentar possibilidades para “um novo futuro”. 

Falar de História é falar de um passado, presente e futuro coexistente. Se a gente faz um resgate do passado no presente, a gente possibilita um novo futuro. Nesse sentido, o Mutha, através de um resgate histórico, ele pretende dizer: ‘nós sempre existimos’. A transgeneridade não existe em um momento específico da História, pessoas trans sempre existiram”,  explica Ian Habib, pesquisador e criador do projeto, em entrevista ao “Hypeness”. 

Muze-se: Felipe Guamán Poma de Ayala, 10 livros que ensinam as criancas cuidar do planeta, Carta da Terra, Jesuis Gay, Ana Smile, Quebrada Queer, Mulheres russas falam português, Museu virtual Oba L’Okê 360°, Arte Fora do Museu, A primeira biblioteca de livros censurados

Mapa 3D do cérebro humano

O conjunto de dados H01 inclui uma grande quantidade de dados, mais de 50.000 células e 130 milhões de conexões sinápticas. O mundo 3D do cérebro é navegável no Neuroglancer , tudo incluído, desde grandes neurônios até sinapses únicas. 

Pyramidal neurons are the main excitatory neuron in the cerebral cortex, you can find them in all layers except L1, they have a characteristic look and vary in their projections and for example how spiny the dendrites are.
Interneurons come in different shapes and sizes across the cerebral cortex, they are mainly inhibitory and vary a lot in the number of synapses.
Astrocytes perform numerous functions, some of their main functions are supporting the neurons with energy and neurotransmitter recycle, their endfeet are surrounding the blood vasculature as part of the blood brain barrier.
Oligodendrocytes main function is myelination of neuronal axons, insulating for faster transmission, potentially also involved in providing axons with energy. Most oligodendrocytes are found in the myelin dense white matter.
Oligodendrocyte precursor cells (OPC’ s, also called NG2 cells)) are a versatile group of cells that differentiate into oligodendrocytes. Microglia are the local macrophages of the brain, involved in maintaining a healthy brain. OPC’s and microglia share morphological details and are therefore combined in the dataset.

Uma parceria entre cientistas do Google e do laboratório Lichtman, da Universidade de Harvard, se lançaram a uma complexa e monumental tarefa: mapear o cérebro humano em suas múltiplas e complexas funcionalidades. Para construir o mapa de 1.4 petabytes disponível online foram levantadas 225 milhões de imagens a partir de um milímetro cúbico de tecido do córtex cerebral, onde funções cognitivas vitais como o pensamento, a memória, a linguagem e outras percepções ocorrem – o petabyte é equivalente a 1024 terabytes, ou aproximadamente 1.024.000 gigabytes. Vitor Paiva – Hypeness

Cerca de 4000 fibras nervosas conectadas a um único neurônio

O milímetro cúbico do córtex cerebral utilizado como base para o mapeamento foi dividido em 5.300 fragmentos, medindo 30 nanômetros de espessura – como exemplo, para mensurar um nanômetro é preciso multiplicar 1 metro por 1 bilhão a fim de alcançar tal dimensão. No tecido utilizado como base encontram-se milhões de neurônios, 130 milhões de sinapses anotadas e muito mais – as 225 milhões de imagens em 2D foram “costuradas” para criar um dos mais elaborados mapas cerebrais já montados.

Cérebro humano

O mapa permite a exploração online de células segmentadas, partes celulares, vasos sanguíneos, mielina, sinapses inibitórias e excitatórias,100 células revisadas manualmente, e mais – é possível explorar neurônios de perto, assim como uma única sinapse, e cada aspecto do mapa está explicado na página do mapa. Junto da publicação do mapa, um estudo detalhando o processo e os resultados do levantamento foi publicado no servidor BioRxiv – a dimensão do mapeamento e as possibilidades que se abrem são tantas a partir do estudo que o feito está sendo comparado ao Projeto Genoma, iniciado nos anos 1990 para mapear o genoma humano.

The vascular system of the H01 brain sample includes different types of blood vessels, including arteries/arterioles and veins/venules, however, the narrowness of the volume limits the possibility to track the blood flow.

Cerebroze-se: Prato do dia: Cérebro, Doenças que podem ser tratadas com Canábis Medicinal, O que acontece quando amamos?, A Meditação e seu cerébro, Timothy Leary, Uncanny Valley, Emergencia Lingüística, Biblioteca Web, Sexo frequente ajuda a turbinar o cérebro dos idosos, Implante de Estimulador Cerebral Profundo e o Alzheimer

Cassey de ser gorda!!!

Há séculos as mulheres são pressionadas a se adequar a padrões de beleza para se encaixar nos modelos que a sociedade considera mais agradáveis para os homens. Para mostrar como o conceito de belo muda com o tempo e como a tentativa de padronização é estúpida, Cassey Ho decidiu usar o Photoshop para “se encaixar” em diferentes décadas.

A educadora física criticou a mídia, que define quais tipos de corpo estão na moda através da publicidade, televisão e cinema, e as próprias redes sociais onde ela se destaca, com influenciadoras que ficam famosas e desaparecem tão logo seu padrão de beleza é trocado pelo próximo.

Durante a realização do projeto eu pensei que poderia gostar de algum dos resultados, mas nenhum pareceu certo para mim. Prefiro meu corpo como é, com peito e bunda pequenos, mas pernas e ombros fortes, formando uma silhueta que é minha”, reflete. “Por favor, trate seu corpo com amor e respeito e não sucumba ao padrão de beleza. Abrace seu corpo porque ele é SEU corpo perfeito”, concluiu Cassey. Hypeness

Corpoze-se: A Ditadura da Beleza. PhotoChallenge 2019, Modelos da Playboy recriam capas que protagonizaram 30 anos atrás, O que é colágeno?!?, Ugly Models, Pin-up, Simulação de Estupro?!?, 400 Nudes, Baleia ou sereia., O Poder Que A Bunda Tem

Beterraba

A beterraba é uma hortaliça tuberosa, originária da Europa, da família Quenopodiácea, assim como a acelga e o espinafre verdadeiro. Apesar de comumente qualificada de raiz, ela é resultante do engrossamento de uma porção do caule. Existem três tipos de beterraba: a beterraba açucareira, usada para produção de açúcar, a beterraba forrageira, usada para alimentação animal e a beterraba cujas raízes são consumidas como hortaliça, que é a mais conhecida no Brasil. Milza Moreira Lana – Embrapa Hortaliças

A beterraba é rica em açúcares. Destaca-se entre as hortaliças pelo teor de fibras alimentares, manganês, potássio e zinco. Também fornece vitamina B9 (ácido fólico) e vitamina C.

Essa raiz possui diversos benefícios para a saúde, pois é rica em antioxidantes e está associada com a prevenção de alterações e degenerações celulares, ajudando a prevenir o câncer e o surgimento de algumas doenças doenças crônicas. Tatiana ZaninTua Saúde

Esse vegetal é rico em vitamina C, carotenoides, compostos fenólicos e flavonoides. Além disso, contém um composto de pigmentação conhecido como betalaína, o que garante a cor escura característica, e é uma substância rica em antioxidantes e possui propriedades anti-inflamatórias.

O consumo das folhas e do talo desse vegetal tão saboroso também é benéfico para a saúde. Seja cru ou batido para um belo suco, esse alimento roxo ajuda a controlar a pressão arterial e pode aumentar a irrigação sanguínea na hora do sexoHypeness

11 benefícios da beterraba para a saúde

Favorece a relação sexual

A beterraba ajuda a aumentar a irrigação sanguínea inclusive para os órgãos sexuais. O fluxo sanguíneo mais abundante tem tudo para favorecer a relação. Além disso, o alimento é rico em boro, que ajuda na produção de testosterona.

Boa para a prática de exercícios

A beterraba é rica em um tipo de nitrato que ajuda a aumentar o oxigênio nos músculos. Assim, o corpo pode responder de forma mais intensa aos estímulos do exercício. 

Intestino como um reloginho

Se você tem problemas gastrointestinais, o consumo frequente de beterraba pode te ajudar a regular seu corpo. Isso porque o alimento é rico em fibras e ajuda a combater a prisão de ventre. No estômago, a ação de compostos da beterraba pode prevenir a gastrite.

Rica em potássio

A beterraba é um alimento rico em potássio. Essa raiz roxa possui quase a mesma quantidade do composto químico por grama do que a banana, fruta que é bastante conhecida por isso. A substância ajuda o coração a trabalhar melhor e bombear sangue para o resto do corpo com menos esforço.

Sistema imunológico brilhando

O zinco presente na beterraba ajuda o sistema imunológico a se fortalecer para combater organismos invasores que ameaçam o organismo. 

Pode prevenir doenças como a de Alzheimer

A raiz roxa é um alimento rico em antioxidantes que ajudam a evitar problemas degenerativos. A presença de vitamina C também ajuda a fortalecer o corpo e evitar que os neurônios morram. A doença de Alzheimer, causadora de 60% a 70% entre os casos de demência, é uma das que pode ser prevenida.

11 benefícios da beterraba para a saúde

Os principais benefícios que a beterraba poderia trazer para a saúde são:

  1. Diminui a pressão arterial, pois contém nitratos que ajudam relaxar os vasos sanguíneos e melhorar a circulação sanguínea;
  2. Melhora o rendimento do treino, já que ajuda a relaxar os vasos sanguíneos, permitindo que mais nutrientes cheguem aos músculos;
  3. Fortalece o sistema imune, pois contém vitamina C e A e zinco, composto que aumentam a produção das células de defesa do organismo;
  4. Previne e combate anemia, por conter ferro e vitaminas do complexo B e vitamina C;
  5. Mantém a saúde dos músculos, pois contém potássio e cálcio, que são importantes para a manutenção de fibras musculares saudáveis;
  6. Protege o sistema nervoso, por ser rica em vitamina B1 e B2;
  7. Previne o envelhecimento precoce, já que contém elevados níveis de vitamina C, A e betalaínas, que funcionam como potentes antioxidantes e ajudam a proteger as células do dano oxidativo causado pelos radicais livres;
  8. Controla o colesterol e protege o coração, porque contém antioxidantes e e fibras, principalmente celulose, que ajudam a reduzir da absorção de colesterol no intestino;
  9. Previne o câncer, porque contém não só vitamina C e A,mas também outros antioxidantes, como betalaína, que evitam os danos causados pelos radicais livres às células, além de possuir propriedades anti-inflamatórias. Além disso, também proporcionam um efeito antiproliferativo, prevenindo o câncer de mama, fígado, cólon e bexiga;
  10. Mantém a saúde dos olhos e previne cataratas, pois contém vitamina A que é importante na manutenção da saúde ocular;
  11. Previne problemas no fígado e nos pulmões, já que evitam o dano oxidativo das células hepáticas, podendo ter benefício em caso de hepatite, câncer de fígado e para evitar o acúmulo de gordura no fígado.

Além disso, a beterraba poderia também ajudar a manter a saúde do cérebro, já que melhora o fluxo de sangue no cérebro e diminui o risco de alteração cognitiva.

Beterraze-se: COMO FAZER UMA DIETA DETOX, 3 RECEITAS DE CONSERVAS DE FERMENTAÇÃO SELVAGEM, Gastronomia Funcional, Sugestão de desintoxicação ayurvédica após os excessos., Sucos caseiros cheios de saúde.

Brinquedos transplantados

Cerca de 14 mil pessoas esperam por um transplante no Japão, mas apesar disso, apenas 300 delas conseguem os órgãos necessários a cada ano. Para chamar a atenção para o problema e estimular a população a falar sobre isso desde os primeiros anos de vida, foi criada a organização Second Life Toys, que promove “transplantes de órgãos entre brinquedos”. Hypeness

pelucia5

Pessoas que tenham brinquedos em desuso podem doá-los à instituição para que partes deles sirvam para consertar brinquedos de outras crianças. Após o transplante, a criança que recebe o brinquedo transplantado escreve uma carta de agradecimento ao doador, mostrando que cada transplante oferece uma nova vida e muita felicidade para quem recebe a doação. Vivimetaliun

pelucia11

pelucia12

azultransplate

transplateslife

transplatesecondlife

Engenheiro conserta brinquedos quebrados em Mato Grosso do Sul

Tranzplante-se: Brincadeiras ao ar livreIndígenas doam alimentosDia Mundial do Doador de SangueCórnea feita de células-tronco “reprogramadas”80 atividades para crianças: simples, divertidas, de baixo custo e todas dentro de casaCotação de histórias no InstagramLAGARTO-TATU (Cordylus cataphractus)

Waldschule für kränkliche Kinder

Em 1904, surgia nas proximidades de Berlim a primeira escola ao ar livre do mundo. A Waldschule für kränkliche Kinder havia sido criada por Walter Spickendorff em conjunto com o pediatra Bernhard Bendix e o inspetor escolar Hermann Neufert, com o objetivo de atender crianças com tuberculose latente. Ainda no início do século 20, a ideia viria a se transformar em um movimento que se espalhou pela Europa e pelos Estados Unidos. Hypeness

O objetivo dessas instituições era permitir que as crianças continuassem estudando em um ambiente com menos chances de transmissão da tuberculose. Normalmente, as escolas ofereciam “salas” ao ar livre, longe de grandes centros urbanos. Algumas delas tinham paredes, enquanto outras ficavam em plena floresta.

Em comum, as escolas ofereciam áreas ao ar livre em ambientes rurais, geralmente próximos a florestas, adotavam rotinas de exercícios físicos e dietas controladas, além de oferecer revisões médicas regularmente.

Escola ao ar livre na França. Foto: CC BY-SA 4.0Thomas BRENAC

À medida que antibióticos foram se tornando mais acessíveis, a tuberculose passou a ser uma doença controlada. Ela ainda existe e, segundo a Agência Brasil, se encontra entre as 10 principais causas de morte no mundo.

No Brasil, são registrados cerca de 200 novos casos por dia. Um dos principais problemas relacionados à tuberculose no país é o abandono do tratamento, que tem uma duração de cerca de seis meses e está disponível pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Graças à melhoria das condições para tratar da doença, as escolas ao ar livre foram pouco a pouco se tornando obsoletas, mas podem voltar a inspirar arquitetos e educadores a encontrar uma solução que permita retomar o ensino com mais segurança em um mundo pós-Coronavírus.

Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo. Redação Hypeness

““Quem não quer aprender a Física observando o trânsito, lançando um foguete de plástico? Aprender Ciências e Geografia dentro de uma piscina? Aprender sobre diferentes culturas com brincadeiras temáticas no pátio? Aprender sobre sustentabilidade em um bosque?” (…) “A aprendizagem é um processo complexo: cada um de nós faz novas e diferentes conexões a cada momento. Levar os alunos para fora da sala de aula permite ampliar as possibilidades dessas conexões”, questiona Hannyni Mesquita, gestora de Educação Infantil do Colégio Positivo. ” Gazeta do Povo

“Os benefícios da aprendizagem ao ar livre foram analisados em um estudo pioneiro realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). Segundo a pesquisa, aulas em contato direto com a natureza, oferecem um contraponto à vida urbana e ajudam a desenvolver nos estudantes habilidades como trabalho em grupo e autonomia, que levam a uma maior capacidade ética e moral. “

 |

“Os benefícios da aprendizagem ao ar livre foram analisados em um estudo pioneiro realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). Segundo a pesquisa, aulas em contato direto com a natureza, oferecem um contraponto à vida urbana e ajudam a desenvolver nos estudantes habilidades como trabalho em grupo e autonomia, que levam a uma maior capacidade ética e moral. Um estudo realizado pela pesquisadora Amanda Lloyd, do centro de pesquisa em educação da Western Sydney University, indica que as habilidades desenvolvidas em ambiente externo permanecem com os estudantes e melhoram seu desempenho durante toda a vida acadêmica.

“A educação ao ar livre provê múltiplas oportunidades de tarefas cooperativas entre seus alunos”, aponta o estudo. “Na medida em que a vida nos grandes centros urbanos, por diferentes razões, restringe o acesso do jovem às áreas naturais, a educação pela experiência que se dá em tais locais ganha relevância para o desenvolvimento de indivíduos atentos às questões éticas.”

A educação ao ar livre, por meio de cursos no formato expedição, ainda acontece de forma tímida no Brasil. Entende-se por cursos no formato expedição, experiências educacionais contínuas, de múltiplos dias, em que alunos e instrutores se aventuram em um trajeto em área remota na natureza, de forma autossuficiente. Culturamix.com

A educação ao ar livre potencializa a apropriação de um largo conjunto de experiências que enriquecem o currículo. Sair da sala de aula para desenvolver todo um conjunto de atividades liga os alunos ao seu meio ambiente, à sua comunidade, à sociedade em geral e a eles próprios. A riqueza das experiências vividas que a educação ao ar livre proporciona pode ser relevante na aquisição de conhecimentos, na compreensão dos fenômenos estudados e no desenvolvimento das mais diversas habilidades. O governo escocês aposta decididamente nesta via e disponibiliza on-line todo um conjunto de informações bem interessantes.

Outro aspecto decorrente das experiências vividas nos cursos de educação ao ar livre, segundo relatos dos alunos adolescentes, dos alunos adultos e dos educadores, está na oportunidade de adquirir conhecimento sobre si mesmo. As experiências que abordam disciplina, esforço, superação e coragem também permitem que a pessoa se conheça melhor. Além das menções diretas ao autoconhecimento, reconhecimento dos próprios limites e sobre a autopercepção dos pontos fracos e fortes.

O método de educação ao ar livre foi o grande legado do Filósofo Sócrates, que vivia de maneira humilde, percorrendo descalço as ruas de Atenas. Tornou-se o filósofo por excelência, “amigo do saber”. Passou a ensinar em praça pública, sem cobrar pelos seus ensinamentos, ao contrário do que faziam os sofistas. Seu método consistia em fazer perguntas que conduziam o discípulo à descoberta da verdade.

Sócrates reformulou a filosofia grega, fazendo com que a busca de conhecimento, antes centrada no estudo da natureza, passasse a ocupar-se do homem e das suas ações. Tudo isso se deu de maneira espontânea, nas ruas, percorrendo os bosques, as praças, os rios. O intuito dele era fazer com que as pessoas pensassem e que, através da observação do mundo, fossem capazes de fazer sua própria analise de tudo.

Apesar de nunca ter escrito uma obra, a atividade filosófica de Sócrates está documentada nos livros do também filósofo grego Platão, que foi um dos seus discípulos. Os célebres diálogos de Platão incluem o “Êutifron”, o “Critão”, o “Fédon” e “Um Banquete”. Em todos eles, Sócrates aparece como personagem.

Acreditávamos na tecnologia como vetor saudável para solucionar problemas humanos que também poderiam distrair as crianças sem deixá-las dependentes, ledo engano. Para elas, a tecnologia não é nada emancipatória. Se para nós já é difícil desconectar, imaginem para a meninada. A tecnologia, infelizmente, tem um viés altamente alienante e abusivo quando se refere às crianças, São como ímãs do mal, visto que os motores de recomendação tendem a se ativar e vão chover vídeos similares nas telinhas. Maria Inês Vasconcelos – O Debate

Subir em árvores passou a ser tão improvável como escalar o Everest. O mundo está cheio de novas metáforas, e foi decretado o fim do quintal. Os novos hábitos das crianças digitais nos mostra que estamos perdidos num mundo tecnológico, onde o algoritmo e o dinheiro fazem a tecnologia se tornar paradoxal. Rousseau dizia que “o único hábito que se deve permitir a uma criança é o de não adquirir nenhum”.

escolaarlivre

O contato com a natureza melhora todos os marcos mais importantes de uma infância saudável – imunidade, memória, sono, capacidade de aprendizado, sociabilidade, capacidade física – e contribuiu significativamente para o bem estar integral das crianças e jovens. As evidências apontam que os benefícios são mútuos: assim como as crianças e adolescentes precisam da natureza, a natureza precisa das crianças e jovens. (Programa Criança e Natureza e Sociedade Brasileira de Pediatria, 2019) – Criança e Natureza

Diversos fatores são responsáveis pelo contexto de confinamento ao qual todos estamos sujeitos: dinâmica familiar, planejamento urbano, mobilidade, uso de eletrônicos, consumismo, desenvolvimento econômico, desigualdade social, insegurança, violência, conservação da natureza e educação. Trata-se de um cenário complexo, cujos fatores estão inter-relacionados e que variam de intensidade, dependendo da condição socioeconômica e da realidade específica de cada um. Assim, os impactos do confinamento e da falta de contato com natureza e ambientes saudáveis são mais agudos e presentes nas cidades e bairros densamente     habitados e de alta vulnerabilidade social, onde as condições para uma vida saudável e plena estão ameaçadas. Esse cenário vem se agravando nos últimos anos e é particularmente crítico quando se trata da infância e da adolescência, com indicadores que se destacam em diversos setores. Laís Fleury (Instituto Alana) e Luciana Rodrigues Silva (SBP)

Arze-se: São Paulo ganha escola de hortas para pessoas em situação de ruaVocê aprendeu errado na escolaESCOLA DO LEGISLATIVO, ESCOLA DE DEMOCRACIADedo Verde na Escola: terrários aproximam biodiversidade das criançasCASES SEBRAE: BANCO PÉROLA, HERSELF E SUMÁHome office: dicas posturaisCentro de Mídias SP

 

 

Dinamarca, combate depressão com vitamina de cultura

Segundo a OMS, até 2020 a depressão será a doença mental mais incapacitante do mundo. Porém, alguns países estão buscando maneiras alternativas de lidar com ela, como a Dinamarca. Através do programa Kulturvitaminer (Vitamina de Cultura), as pessoas estão sendo incentivadas a participar de atividades culturais. A iniciativa envolve reunir pacientes em pequenos grupos, com o intuito de evitar drogas e seus efeitos colaterais. Gabriela Glette – hypeness

Por enquanto o tratamento já foi implementado em 4 cidades: Aalborg, Silkeborg, Nyborg e Vordingborg. Na cidade de Aalborg, por exemplo, o programa possui um convênio com a orquestra sinfônica local, para que desta maneira os pacientes participem de ensaios e concertos. Já foi comprovado cientificamente que ouvir música reduz o estresse e a ansiedade, ambos diretamente associados à depressão.


No entanto, também faz parte do programa passeios na praia, sessões de leitura e passeios à galerias de arte e museus. Por enquanto em fase de testes, os participantes são convidados a participar de 2 ou 3 excursões culturais por semana durante 10 semanas. Já são 200 pessoas que participam em Aalborg. Além das atividades, o simples fato de compartilhar suas experiências com outras pessoas na mesma situação tem ajudado estas pessoas.

A abordagem dinamarquesa tem mostrado resultados promissores, segundo os pesquisadores. A depressão afeta 300 milhões de pessoas no mundo e, por ser a doença mais desabilitante que existe, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, tem impactos sobre indivíduos e também sobre a riqueza das nações: estima-se que ela custe à economia global US$ 1 trilhão por ano. Scandinavianway


Além de evitar o uso de remédios e seus efeitos colaterais, o”vitamina de cultura” não requer o envolvimento direto do pessoal clínico, mas pode ser administrado por leigos treinados. A abordagem envolve reunir pessoas em pequenos grupos para experimentar tudo, desde concertos a corais comunitários, segundo registra o blog do Fórum Econômico Mundial.

Poetize-se: CVV, Efeito Werther, A MEDITAÇÃO E SEU CERÉBRO, SAUDAÇÃO AO SOL, A arte de culpar, OS JOVENS, O SUICÍDIO E A AUTOMUTILAÇÃO, VANUSA SABBATH,EM BUSCA DA VERDADE, LIVROS QUE ENSINAM AS CRIANCAS CUIDAR DO PLANETA, MEDO?, ATARI 2600,VIDACELL®, I WILL SURVIVE,HO’OPONOPONO, BESOURINHA, OS CINCO PRINCÍPIOS DE BEM VIVER, Love vigilantes, Setembro Amarelo

Concurso de Moda Inclusiva

O Concurso Moda Inclusiva faz com que jovens estilistas lancem um novo olhar e soluções que facilitem o cotidiano da pessoa com deficiência. Projeto Moda Inclusiva

O francês JC Sheitan perdeu o antebraço direito 22 anos atrás, mas isso não o fez desistir do sonho de se tornar tatuador. Lado B Moda Inclusiva

A deficiência visual não os impede de receber informações sobre moda, apenas a consomem de outra maneira. Duas Moda e Arte

 

Enxergue mais: LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIAINSTANTLY AGELESS ™LUMINESCE™ CELLULAR REJUVENATION SERUMTHE STREET STOREEMPREGO APOIADODEMÃOS DADASBE MY EYES APPBESOURINHAUMA CAMISETA DO RAMONES INCOMODA MUITA GENTEPCD LEGAL: ACESSÍVEL PARA TODOS