Aquaman é Indígena

katumirim

Joseph Jason Namakaeha Momoa nasceu no Havaí, no dia 1º de Agosto de 1979. FERNANDO MAIDANALegião dos Heróis

Quando ainda era muito pequeno, mudou-se com seus pais para uma pequena cidade rural no interior do Iowa.

Sua mãe tem descendência alemã e irlandesa, enquanto seu pai é um nativo havaiano.

O pai de Jason Momoa, havaiano, é descendente de polinésios, o povo de origem dos índios Maori. Foi ele quem ensinou ao ator o Haka, uma dança de guerra típica da região que os Maori entoavam para intimidar os inimigos. Beard

Enquanto estava no Tibet, Momoa passou por uma verdadeira jornada espiritual e afirma que a viagem foi a melhor experiência de sua vida.

Momoa começou a seguir os ensinamentos do Budismo e estudar mais a fundo a religião.

Quando não está atuando, Jason pode ser encontrado surfando nas ondas gigantes do Havaí ou mesmo andando de skate.

Em dias frios, o ator gosta de praticar ciclismo, mas também é fã de escalada e snowboard. Além, é claro, da clássica corrida.

“Os oceanos estão em estado de emergência. O ecossistema marinho inteiro está desaparecendo com o aquecimento dos oceanos. E como o lixo do mundo acaba em nossas águas, nós encaramos uma devastadora crise de poluição de plástico. Nós somos uma doença que infecta nosso planeta. Da atmosfera até a zona abissal, nós estamos poluídos”, declarou. Isto é

Em um discurso emocionado em frente a integrantes da ONU, o ator criticou a visão daqueles que tentam negar a existência dos problemas climáticos. “Nós sofremos uma amnésia coletiva de uma verdade que já foi entendida uma vez, a verdade de que causar dano irreversível à Terra é trazer o mesmo para nós. Como uma espécie humana, nós precisamos da Terra para sobreviver. Mas não cometam o erro de achar que a Terra não precisa de nós”, disse.

Ele ficou sabendo das gravações de Baywatch Hawaii e decidiu realizar o teste para integrar o elenco da produção.

Durantes as audições, Jason mentiu, dizendo que já havia trabalhado como modelo para Gucci e Louis Vuitton. Graças a essa informação, o jovem havaiano foi escolhido e interpretou Jason Ioane entre 1999 e 2001.

Durante a adolescência, ele trabalhou como um salva-vidas, com certificado comprovando sua viabilidade na tarefa. E a eficiência fez dele o Salva-Vidas mais novo na Costa do Golfo americana.

Apesar do papel ter sido o pontapé na carreira de ator de MomoaJason afirma que, durante muito tempo, não conseguiu sair da sombra do personagem, o que acabou prejudicando-o.

O ator não possui celular, computador e nem mesmo televisão. Apesar disso ele não priva sua esposa e seus filhos de possuírem tais aparelhos, ele apenas prefere não utilizá-los.

Durante os testes para o papel de Khal Drogo em Game of ThronesJason Momoa decidiu apresentar um Haka, a dança típica do povo Maori, utilizada para intimidar seus adversários no campo de batalha.

Momoa aprendeu a dança com seu pai, descendente direto dos polinésios, e achou que seria apropriado retratá-la, pois era assim que ele imaginaria Khal Drogo se preparando para um combate.

Momoa, outras celebridades como Dwayne “The Rock” JohnsonEzra Miller e ativistas indígenas têm protestado contra o projeto de US$1,4 bilhão para um telescópio de trinta metros, sendo construído sobre um vulcão no Havaí, Mauna Kea, que os nativos consideram sagrado. De acordo com o Escritório de Assuntos Havaianos, a montanha é um lugar profundamente sagrado que é “reverenciado nas tradições havaianas”, e é “considerado como um santuário para a adoração, como um lar para os deuses”. Débora LiaoGarotas Geek

Actor Jason Momoa holds the hands of his children, Nakoa-Wolf Momoa, left, and Lola Momoa, right, as he is welcomed with a hula while visiting elders and Native Hawaiian protesters blocking the construction of a giant telescope on Hawaii’s tallest mountain, at Mauna Kea Access Road on Wednesday, July 31, 2019, in Mauna Kea, Hawaii. (Hollyn Johnson/Hawaii Tribune-Herald via AP)

Cientistas americanos têm usado o Mauna Kea como um lugar para observar o espaço desde que o Havaí se tornou o 50º estado dos EUA em 1959. O problema é que se você sabe… bom, qualquer coisa sobre a história do estado do Havaí, você sabe que tem muito a ver com americanos brancos querendo colonizar a área e derrubar a monarquia dos havaianos. Uma ação que o presidente Bill Clinton pediu desculpas anos depois porque o governo americano extrapolou os limites durante a anexação.

Pride of Gypsies é a produtora de filmes e comerciais fundada em 2010.

A produtora independente que Jason Momoa montou para organizar os seus projetos pessoais, além de trabalhos em potencial de novos diretores, roteiristas e produtores. O primeiro projeto, Road to Paloma, foi lançado em 2014, e desde então já está envolvida em outros projetos.

O ativismo de Jason Momoa está longe de ser uma jogada de marketing. Pelo contrário, a estrela de Hollywood usa o alcance de sua imagem para debater e jogar luz sobre a importância de pensar métodos para evitar o aumento da emergência climática. Hypeness

Natize-se: Marco temporal ou Direito?!?, Preconceitos, padrões, estigmas e outras anomalias, Pambu Njila, O Universo em 6 minutis, Ranking da poluição plástica nos oceanos, Multiverso MARVEL

Quando me amei de verdade

‘Quando me amei de verdade’, Charles Chaplin

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância eu estava no lugar correto e no momento preciso. E então, consegui relaxar. Hoje sei que isso tem nome… Autoestima.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha angústia e o meu sofrimento emocional não são mais que sinais de que estou agindo contra as minhas próprias verdades. Hoje sei que isso é… Autenticidade.

Quando me amei de verdade, deixei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a perceber que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje sei que isso se chama… Maturidade.

Quando me amei de verdade, compreendi por que é ofensivo forçar uma situação ou uma pessoa só para alcançar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou que a pessoa (talvez eu mesmo) não está preparada. Hoje sei que isso se chama… Respeito.

Quando me amei de verdade, me libertei de tudo que não é saudável: pessoas e situações, tudo e qualquer coisa que me empurrasse para baixo. No início a minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que isso se chama… Amor por si mesmo.

Charles Chaplin

Quando me amei de verdade, deixei de me preocupar por não ter tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os megaprojetos do futuro. Hoje faço o que acho correto, o que eu gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é… Simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muito menos. Assim descobri a… Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. E isso se chama… Plenitude.

Quando me amei de verdade, compreendi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, é uma aliada valiosa. E isso é… Saber viver! A mente é maravilhosa

Ameze-se: Charles M. Schulz desenhando Charlie Brown, Preconceitos, padrões, estigmas e outras anomalias, Tornar-se adulto…, Miguelitos façam alguma coisa!, 11 músicas que falam de saudade, O filho eterno, Os índios nos gibis.

Cachimbo da Paz

Cachimbo da Paz – Gabriel O PensadorLetras.mus

A criminalidade toma conta da cidade
A sociedade põe a culpa nas autoridades
Um cacique oficial viajou pro Pantanal
Porque aqui a violência tá demais
E lá encontrou um velho índio que usava um fio dental
E fumava um cachimbo da paz
O presidente deu um tapa no cachimbo
E na hora de voltar pra capital, ficou com preguiça
Trocou seu paletó pelo fio dental
E nomeou o velho índio pra ministro da justiça
E o novo ministro, chegando na cidade
Achou aquela tribo violenta demais
Viu que todo cara-pálida vivia atrás das grades
E chamou a TV e os jornais
E disse: “Índio chegou trazendo novidade
Índio trouxe o cachimbo da paz”

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Apaga a fumaça do revólver, da pistola
Manda a fumaça do cachimbo pra cachola
Acende, puxa, prende, passa
Índio quer cachimbo, índio quer fazer fumaça

Todo mundo experimenta o cachimbo da floresta
Dizem que é do bom, dizem que não presta
Querem proibir, querem liberar
E a polêmica chegou até o congresso
Tudo isso deve ser pra evitar a concorrência
Porque não é Hollywood, mas é o sucesso
O cachimbo da paz deixou o povo mais tranquilo
Mas o fumo acabou porque só tinha oitenta quilos
E o povo aplaudiu quando o índio partiu pra selva
E prometeu voltar com uma tonelada
Só que quando ele voltou, “sujou”
A polícia federal preparou uma cilada
“O cachimbo da paz foi proibido
Entra na caçamba, vagabundo, vamo pra DP
Êêê, índio tá fodido porque lá o pau vai comer”

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Apaga a fumaça do revólver, da pistola
Manda a fumaça do cachimbo pra cachola
Acende, puxa, prende, passa
Índio quer cachimbo, índio quer fazer fumaça

Na delegacia só tinha viciado e delinquente
Cada um com um vício e um caso diferente
Um cachaceiro esfaqueou o dono do bar
Porque ele não vendia pinga fiado
E um senhor bebeu uísque demais
Acordou com um travesti e assassinou o coitado
Um viciado no jogo apostou a mulher
Perdeu a aposta e ela foi sequestrada
Era tanta ocorrência, tanta violência
Que o índio não tava entendendo nada
Ele viu que o delegado fumava um charuto fedorento
E acendeu um da paz pra relaxar
Mas quando foi dar um tapinha
Levou um tapão violento e um chute naquele lugar
Foi mandado pro presídio e no caminho
Assistiu um acidente provocado por excesso de cerveja
Uma jovem que bebeu demais
Atropelou um padre e os noivos na porta da igreja
E pro índio nada mais faz sentido
Com tantas drogas por que só o seu cachimbo é proibido?

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Apaga a fumaça do revólver, da pistola
Manda a fumaça do cachimbo pra cachola
Acende, puxa, prende, passa
Índio quer cachimbo, índio quer fazer fumaça

Na penitenciária o índio fora da lei
Conheceu os criminosos de verdade
Entrando, saindo e voltando
Cada vez mais perigosos pra sociedade
“Aí, cumpádi, tá rolando um sorteio na prisão pra reduzir a superlotação”
Todo mês alguns presos tem que ser executados
E o índio, dessa vez, foi um dos sorteados
E tentou acalmar os outros presos
“Peraí, vamo fumar um cachimbinho da paz”
Eles começaram a rir e espancaram o velho índio
Até não poder mais e antes de morrer ele pensou
“Essa tribo é atrasada demais
Eles querem acabar com a violência
Mas a paz é contra a lei e a lei é contra a paz”
E o cachimbo do índio continua proibido
Mas se você quer comprar é mais fácil que pão
Hoje em dia ele é vendido pelos mesmos bandidos
Que mataram o velho índio na prisão

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Maresia, sente a maresia
Maresia, uh

Apaga a fumaça do revólver, da pistola
Manda a fumaça do cachimbo pra cachola
Acende, puxa, prende, passa
Índio quer cachimbo, índio quer fazer fumaça

Observe mais: VENDE-SE MACONHALUMINESCE™PRINCÍPIO DO OU NÃO, NAARA BEAUTY DRINK!!!COMIDINHAS DE MACONHA, I AM BRUCE LEE, INSTANTLY AGELESS ™ MEDINA SLATERO PODER DA MACONHAVIDACELL®BECAUSE I GOT HIGH, AMOR DO PAIRESERVE™BURGUESIA (VERSION ME)JEUNESSE, VERDADE OU MENTIRA?DEIXA EU FALARFUMAÇA LOUCA

Jay and Silent Bob

Now you can see them live at The Hollywood Improv recording their comedy podcast Jay & Silent Bob Get Old. Ranked #1 on iTunes Comedy podcasts, this is a sometimes touching, always hilarious, look at what happens when two people grow up in Hollywood’s gaze.  These limited engagements will be recorded as the stories evolve live in front of the audience, and released for free on www.smodcast.comThe Pageant
Popular film director Kevin Smith (CLERKS, CHASING AMY, MALLRATS) brings his world-famous slacker creations Jay & Silent Bob to life as their “super-hero” personas: Bluntman & Chronic!

A fan trailer of Bluntman and Chronic. Jay and Silent Bob take over for Batman after he has retired. Clips from Batman v Superman were all pulled from the released trailers.
The “super-heroes” known as Bluntman and Chronic first appeared as a back-up story in Banky Edwards and Holden McNeil’s indie comic 37. ComicVine
I like the concept of Jay and Silent Bob Strike Back.  The idea of a movie like Cannonball Run or Pee-wee’s Big Adventure that has celebrities, Hollywood, and a road trip all mixed together is fun…even something further back like It’s a Mad, Mad, Mad, Mad World.  Unfortunately, there is a big problem…Jay and Silent Bob. Basement Rejects
The film could almost qualify as a 90-minute gay joke, but only the most militant of homos (with absolutely no sense of humor) could possibly be offended by the imbecilic antics of Jay (Jason Mewes) and Silent Bob (Smith), the two snootchie-bootchie goofballs who have appeared in all of Smith’s feature films thus far. Besides, gays aren’t exactly singled out; this movie is definitely an equal-opportunity offender. mike rucker writes
We goin’ back to the MALL, ya’ll! Stan Lee, Jay and Silent Bob and Michael Rooker are making a number 2. Talking about in this picture, not the movie. I’m aiming for the movie to be good. (This pic was taken yesterday, as all four of us gathered to shoot a really adorable Stan-centric spot for Audi that you’ll see online as we get closer to the release of Marvel’s Avengers: Age of Ultron.) Consequence of Sound
The guys on stage are just two average people who have extraordinary stories to tell. Some of the stories make us laugh, some make us cringe, and some even make us feel a pang of sadness as Mewes tells of his period of drug abuse. Sending a message of hope and positivity to the audience, it’s definitely a DVD that’s worthy of your time.  Bring the Noise
Kev Smith & Jay Mewes have survived the apocalypse thanks to their new found SUPER POWERS! by cheshirecatart – DeviantArt

Relatório Figueiredo

“O brasileiro costuma assistir a filmes de Hollywood onde cauboís matam índios e acha bonito. O que o americano fez com os índios foi brincadeira em relação ao que foi feito aqui. Lá foi uma matança, aqui foi genocídio. Uma coisa nazista, hitlerista. E o brasileiro não tem consciência disso. Isso é uma coisa que o mundo precisa saber”, revolta-se o filho Jader Figueiredo Correia Júnior.

relatoriofigueiredo
museudoindio

Veja também: Santo Padre José de Anchieta, Urna fraudetrônica, Bandeirantes Modernos, Cinquenta Tons de Cinza, A história de sempre?, Eu, não, meu senhor, Ranking Políticos, Arena, Que País É Esse?, Eu sou Guarani Kaiowá, A verdade pode estar no ovo, Makota Valdina, X-Maus, Polícia 24 horas

3º opção

3º opção – Trilha Sonora Do Gueto

celular óctoc
na mão,
do zé polvim é uma arma poderosa nisso eu acredito sim
embocamo num assalto de pistola e matraca
e eu grudei logo o gerente
com a quadrada engatilhada
o meu parceiro com a matraca
dominava o salão
zé povim era mato
tudo deitado no chão
nóis achava que é o seguinte
que o baguio tava aguentado
mó engano sangue bom ,
tava memo era cercado
tinha rota
tava o goe a pm mais o gate
tava tipo aquela fita que cê viu na reportagem e eu grudado cum refém , comecei raciocinar
os motivos que fizeram eu no crime ingressar
residente do capão ,
ser humano pique jão
que não teve uma cultura
uma boa educação
morador de uma favela
que aprendeu morre por ela
nego ,né comédia não ,
sofredor que num dá guela
voltando para a real ,
eu me vi logo enquadrado
me lembrei ni um minuto
que eu tava ni um assalto
escutava gritaria
vamo pega ele já
vagabundo num tem vaga nesse mundo que deus dá
veja bem como é as coisa ninguém tinha coração
só eu e deus sabia da minha situação
eu peguei minha quadrada fui pa guerra com o sistema
só que pá é o seguinte sempre existe um dilema
a vida traiçoeira me pregou uma lição
eu só tinha 2 minutos pra vive 3 opção
se eu saisse pelo fundo eu morria assassinado
se eu vazasse pela frente pelos bico era linchado
e a 3º opção
era eu engatilhar a quadrada na cabeça
e eu mesmo me matar
só que deus tava presente
acredite eu
não me engano
em fração de 2 segundo
eu bolei aquele plano
“ai chara é o seguinte
eu só vo me entrega
quando aquele sem futuro
do datena me filma
to ligado que pu seis
eu nun valo um real
só que seis invadi
o refém vai passa mal
ele tá todo borrado ta mijado ta com medo
ta pagando até com juros
o racismo e o preconceito
derrepente” pá pá
caraio que tiroteio
fiquei com a cabeça a mil
me bateu um desespero
mais se eu sai daqui eu vo muda (2x)
parece que é hoje
quando eu da cena lembro
minha roupa cheia de sangue
eu algemado mo veneno
linchado pelos bico
com ajuda dos gambé
desacerto no crime
eu to ligado qual que é
um dia é da caça
outro do caçador
ditado que meu pai
já herdara do meu vô
quando eu era pivete
me lembro ele dizia
um homem sem moral
sempre entra numa fria
mas só que eu cresci
desandei virei ladrão
eu só tinha 18
quando eu fui pra detenção
ai choque a rua tá daquele jeito hó
mo par de mano armado nun
encherga um palmo na frente do nariz
pensa que é super ladrão
super heroi
só que ai jão
são paulo nun é hollywood
os cara ta iludido o diabo dá o pé
pra suaga até a alma
sorte que eu tenho os parceiros
lado a lado comigo
pra debater minhas loucuras
seis deve ta achando que isso é ibope
ibope é trabalha
eu encano era lok
os manos na ventana
gritava “vai morre
triagem na cadeia
se não tive proceder”
foi lá que eu conheci
a tal dá rua 10
também foi lá que eu li a história de moises
o tempo foi passando
eu fui me adaptando
e quando eu fui nota
já passara 7 ano
bem que o meu pai dizia
“filho o tempo é rei
tentei te dar o melhor me desculpe se eu falhei”
aquilo na minha mente batia tipo tyson
viver na detenção tem que ser homem de aço
o homem só é grande quando ele se ajoelha diante do senhor pra tomar puxão de orelha
naquela madrugada
não consigui dormi
fazendo um castelo
liberdade vem ni mim
o tempo foi passano
meu corpo foi cansano
o dia clariano
na seqüência eu fui deitano
mais se eu sai daqui eu vo muda
dá meu revolver enquanto cristo não vem
mais se eu sai daqui eu vo muda
mais de 15 caras lá fora diversos calibres
mais se eu sai daqui eu vo muda
quero sair do inferno e não volta mais
mais se eu sai daqui eu vo muda
vida loka o os bandido beneficente, maluco consciente
mais se eu sai daqui eu vo muda
este é um testemunho de um homem

Veja também: Oitavo Anjo, Brô Mc´s, No Capão Redondo, ninguém sonha em ser médico, Brasil de bandidos, Portal da Transparência, Respeito É Pra Quem Tem, Medo?, Touché Turtle, Eu sou Guarani Kaiowá, UM “DEVOGADO” E… DUS BÃO!‏, Carta da Terra, Biblioteca Web, Somos todos doadores, Carlos Marighella, V de Vingança, Aquela Paz, Cheirando Cola, Como a indústria do fumo enganou as pessoas?