Giorggio Abrantes

Conhecido nas redes sociais como Gari Ecológico, o paraibano tornou-se um dos maiores exemplos da reciclagem no país, mas a guinada aconteceu somente depois que ele conheceu o “fundo do poço”. – QUOKKA MAG

Depois de vencer o alcoolismo, gari brasileiro torna-se exemplo de reciclagem e cria canal no Youtube 1

Natural de Aparecida, sertão do Paraíba, enfrentou uma longa e dura luta contra o alcoolismo, nesse período que permaneceu internado em uma clínica de reabilitação, no entanto, entre as atividades propostas pela instituição, ele acabou conhecendo a reciclagem, hoje responsável por esta guinada, que o transformou em youtuber famoso. Razões para Acreditar

Desta forma, além de ajudar o meio ambiente, ele vem inspirando milhares de pessoas a enxergar nas dificuldades uma oportunidade. Depois de sair da clínica e voltar a trabalhar nas ruas de Aparecida, Giorggio, começou a colocar todo o aprendizado em prática e passou a recolher garrafas PET e a guardar em casa e juntar com outros equipamentos que encontra no lixo e ferramentas que ele mesmo comprou, todo este plástico é transformado em vassouras, varal para roupas e até mesmo caixa de som.

O plástico tornou-se um dos maiores desafios, o trabalho do gari é tão essencial quanto fascinante. As vassouras, assim como os varáis, são altamente resistentes e possuem uma durabilidade de cerca de 3 anos. Para um varal de 15 metros de extenção, ele utiliza 4 garrafas, que “se não fosse por ele, acabaria nos oceanos”.

gari-ecologico-4

Se todo mundo compreendesse a importância de se compartilhar conhecimento, o mundo certamente seria um lugar muito mais generoso. Ainda bem que Giorggio entendeu, e por isto criou o seu canal Gari Ecológico no Youtube, onde ensina suas técnicas para quem quiser aprender.

Nos vídeos, ele não somente orienta as pessoas a como transformar garrafas em outros instrumentos, como fala da importância de separar bem o lixo e de lavá-lo antes de jogar fora. A prática, é uma demonstração de respeito por aqueles profissionais que passam boa parte de suas vidas limpando nossas cidades.

Foi pensando nos mais vulneráveis que Abrantes inventou uma caixinha de som inteiramente feita de garrafas PET. Acessível, sustentável e eficaz, o equipamento é a prova de inteligência e criatividade deste brasileiro, que encontrou toda sua força na adversidade.

Georggio Abrantes - Fotos: arquivo pessoal

Giorggio Abrantes Pordeus, de 37 anos, trabalha há 9 anos na cidade de Aparecida, no sertão da Paraíba, e nas horas vagas, faz os vídeos em casa. SóNotíciaBoa

Num dos vídeos ele usa uma engenhoca que corta a garrafa pet e tece o fio, que mais tarde é usado para fazer a tira do varal. Ele diz que produziu a máquina com ferro velho, um motor de tanquinho, uma roda de bicicleta, algumas partes de ventilador e uma bobina para armazenar o fio.

“Meus amigos me chamavam de louco porque eu estava compartilhando detalhes e segredos dos produtos como forma de capacitar pessoas com poucos recursos”, lembra.

“Eu sonho um dia fazer palestras para formadores novos de recicladores para juntos diminuir os resíduos que poluem nossos Rios e cidades”.

Convivendo diariamente com materiais que encontra na rua, ele se preocupa com a importância da reciclagem.

“Demora muito tempo para uma garrafa se decompor. Então a forma que a gente achar de fazer alguma coisa com ela já é uma utilidade”, concluiu.

Pordeuze-se: Dia do Gari, Trabalho e desigualdade social na contemporaneidade: reflexões sobre os agentes de limpeza pública, OURO VERDE E PROTEÇÃO DO PLANETA, Coleta Seletiva e Reciclagem em condomínios, Lixo é dinheiro., O TEATRO BARROCO DE O ALEIJADINHO, Jeremias 5, Idiocracy, Tijolo

Cão Coragem

Cachorro nada e recolhe lixo no Rio Tietê em São Paulo. O comportamento curioso do animal foi flagrado pelo Globocop nesta quinta. Poluído, o Rio sofre com o despejo irregular e o descaso na capital paulista. Do G1 São Paulo (28/05/2015)

A reportagem acompanhou o cão por 20 minutos e, durante essa brincadeira, ele deu uma contribuição considerável para a limpeza do Tietê. O cachorro retirou do rio 25 garrafas. FCS Brasil

poluicao_china__12

carro-rio-tiete-8458743306_615x300

onibusanfibio

Veja também: Petrecos, Lixo! Eu?, COURAGE ?, EU LEVO UMA VIDA DE CACHORRO!, Meu amigo!, Compartilhe, Reputação ilibada e notável saber jurídico., Ensaio sobre a cegueira hídrica, Conheça 13 maneiras de reaproveitar sobras e cascas de frutas e vegetais, Cerveja no trabalho pode?, Velozes e Incompetentes, Eustácio Bagge

Aposentadoria da Água

onu-agua

maparecursohidrico2011

crisehidricafgts

“Nós [da construção civil] somos responsáveis pela metade dos materiais consumidos na sociedade”, afirma o professor Agopyan. Agência Universitária de Notícias

Conheça o consumo de água em algumas atividades:

Para se produzir 1 litro de cerveja utiliza-se de 5 a 25 litros de água.
Para se produzir 1 kg de cimento utiliza-se 35 litros de água.
Para se produzir 1 kg de aço utiliza-se de 300 a 600 litros de água.
Para se produzir 1 litro de álcool utiliza-se 2.700 litros de água.
Para se produzir 1 litro de leite utiliza-se de 2,5 a 5 litros de água.
Para se produzir 1 kg de estreptomicina utiliza-se 4 milhões litros de água.
Para abater 1 cabeça de gado utiliza-se 500 litros de água.
Para se fabricar 1 carro utiliza-se 35.000 litros de água.
Para se produzir 1 kg de forragem utiliza-se 1.100 litros de água.
Para se produzir 1 kg de arroz utiliza-se 4.500 litros de água.
Para se produzir 1 kg de algodão utiliza-se 10.000 litros de água.
Para lavar 1 metro de sarjeta utiliza-se 25 litros de água.
Para limpar 1 m² de um mercado utiliza-se 5 litros de água.
Para suprir o consumo de 1 criança na escola utiliza-se 100 litros de água/dia.
Para suprir o consumo de 1 paciente num hospital utiliza-se 450 litros de água/dia.
Na limpeza das mãos utiliza-se 5 litros de água.
Tomar uma ducha utiliza-se de 20 a 50 litros de água.
Na lavagem, manual, de pratos utiliza-se 20 litros de água.
Na lavagem, automatizada, de pratos utiliza-se 80 litros.
Na lavagem, automatizada, de roupas utiliza-se de 50 a 120 litros de água.
Para lavar 1 carro utiliza-se 90 litros de água.
(Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Paranaíba – AMVAP)

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Veja também: Por que falta água?, Águas de março, Caso Sério, Parabéns Nestlé, De onde você vem?, Catastrofe natural?, O mar de Aral virou areia., Ho’oponopono, Clima louco?, Symphony Of Destruction, Homem e o diabo, Robin Hulk, Exame com uma gota de sangue, Empoderamento dos recursos, RECICLE MAIS, PAGUE MENOS, Quem matou o carro elétrico?, Hora do Planeta, O que, de quem?, A história das coisas, Simulador Solar, Qual o volume ocupado por 1 trilhão de reais?, Manguetown, O Amaranto Inca Kiwicha invade plantações de soja transgênica da Monsanto nos Estados Unidos, A Revolta dos Macacos, Controle Social, Bicarbonato de Sódio e a Máquina de Lavar

Lâmpadas fritas

lamparinalampada(1)

Material

– Uma lâmpada queimada; Óleo de cozinha usado e filtrado; Sal ou areia (material granular); Uma tampinha metálica;
– Cola; Arruela; Fita crepe; Martelo; Chave de fenda; Alicate; Prego pequeno; Tesoura; Régua; Meia velha.

lamparinamaterial

Método

1º passo: preparo da lâmpada. Tire o fundo de metal da lâmpada com auxílio do alicate, a seguir quebre o vidro preto, também do fundo, com a chave de fenda. É necessário ter cuidado com a força, para não quebrar a lâmpada. Observe que a lateral metálica irá permanecer intacta. Depois de tirar ambas as partes, pegue a chave de fenda e quebre a parte que tem dentro da lâmpada. Depois de “limpa” e com um buraco no fundo do bulbo, a lâmpada está pronta para receber o sal, que deve ser usado somente em caso de escolha por uma lâmpada branca. O sal ou a areia, irá tirar a “tinta” presente na lâmpada como demonstrado no vídeo. Para isso, coloque uma quantidade de sal grosso dentro do bulbo, tampe o fundo e agite até o vidro ficar transparente. Feito isso, o sal pode ser descartado.

2º passo: pegue uma folha de jornal, coloque sobre a mesa para não sujá-la com cola. Coloque em cima do jornal um pedaço de fita crepe que seja capaz de segurar a arruela e as laterais da lâmpada. Em seguida, posicione a arruela no centro desta tira de fita crepe e passe uma fina camada de cola no círculo interno da arruela. Cole a lâmpada na arruela e envolva-a com as abas da fita que sobraram para fixar. Espere secar por uma hora para que fique seguramente fixado e retire a fita. Este será o suporte da lamparina.

3º passo: pegue a tampinha e com a ajuda do martelo e do prego, faça um furo no meio da tampa. Corte uma tira da meia velha, com aproximadamente 1,5 cm de largura por 15 cm de comprimento.

4º passo: observe que a tampa não se encaixa perfeitamente na boca do bulbo. Portanto, para que fique fixo de forma segura envolva-o com fita crepe. O excesso de fita pode ser cortado com uma tesoura.

5º passo: pegue a tampinha metálica furada e com auxílio do prego, passe a tira de meia pelo buraco. Deixe para fora 1,5 cm de tecido. Rasgue um pedaço do jornal que estava sendo utilizado como proteção e faça um funil. Despeje o óleo dentro da lâmpada até a metade ou um pouco menos. Tire o funil e tampe a lâmpada, apertando bem. Assim, a lamparina estará pronta para uso, basta acender com um isqueiro ou fósforo.

Veja também: E fez-se a luz, Hora do Planeta, Infinito sustentável, Águas de março, Clima louco?, Barriga verde, Conhecimento Ancestral, Casa da árvore, Luzes, Ar condicionado caseiro, Simulador Solar, Dia Mundial do Meio Ambiente., Reciclável e/ou não!

Do lixo ao luxo!

no_lixo_brasil
catadorlixocopa
carrinhocatador
mundonolixo
O Dia Nacional do Catador de Material Reciclável é comemorado na data de 10 de dezembro, uma atividade é reconhecida pelo Ministério do Trabalho desde 2002, o que garante direitos e obrigações de um(a) trabalhador(a) autônomo(a), mesmo apesar da falta de reconhecimento pela sociedade, o trabalho do(a) catador(a) é de grande importância para a preservação do meio ambiente. Humberto Pessoa

Veja também: Fair Play, A importância do Doutorado, Neil Armstrong, Hour guitar, Cospe logo!, Em progresso, Cadê os Amarildos?, PRESÍDIOS NO REGIME MILITAR