O HOMEM BICENTENÁRIO

Em 2005, uma família americana compra um novo utensílio doméstico: o robô chamado Andrew (Robin Williams), para realizar tarefas domésticas simples. Entretanto, aos poucos o robô começa a apresentar traços característicos de um ser humano, como curiosidade, inteligência e personalidade própria. Começa, então, o início da saga de Andrew em busca de liberdade e de se tornar, na medida do possível, humano.

 O Homem Bicentenário

Este filme de ficção-científica é baseado em uma história do consagrado escritor Isaac Asimov. filmow

A obra original fala sobre os medos e angústias da existência humana e foi adaptada para o cinema.

E dentro dessa situação, a reflexão filosófica é direcionada para a discussão sobre a questão do uso das funções que nos caracterizam como seres humanos: se temos que ter necessariamente uma alma, ou se bastariam apenas de componentes físicos, como os de um computador, ou seja, o importante é a estrutura física da pessoa humana ou seve-se levar em contar o íntimo, as sensibilidades, as imperfeições e aspectos que o diferencia dos demais seres, com suas singularidades. Prof. Esp. Francisco das C. M. dos Santos

Bize-se: Um anticorpo de Gaia para o vírus ser humano, 9 criptomoedas para movimentar o mercado em maio, 10 fatos sobre inteligência artificial, Repo man, Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial. Como Fazer um Robô, A evolução dos robôs., O mito da caverna

Um Homem Chamado Ove

En man som heter Ove / A Man Called Ove

Ove é um senhor mal-humorado de 59 anos que leva uma vida totalmente amargurada. Aposentado, ele se divide entre sua rotina monótona e as visitas que faz ao túmulo de sua falecida esposa. Interfilmes.com

Um homem chamado Ove Filme completo e dubladoDCS Um Canal de Bênção

Ze-se: CVV, 57 anos!!!, 188, Tura Satana, 50 filmes que são melhores do que o livro, Repo man, 10 palavras positivas para todos os dias, Care me!, Oito filmes que retratam o suicídio, Jardim da Empatia, 13 Reasons Why: trilha sonora da série, Depois de 13 Reasons Why

Eles Vivem

Eles Vivem (1988)

John Carpenter, escolheu símbolos que, ao mesmo tempo, martelam o patriotismo e o controle estatal exercido pela América daquele período – para contextualização: o filme foi lançado na era Reagan, quando o autoritarismo de seu governo e de sua guerra às drogas resultaram em inúmeros eventos de violência policial –, como também evoca elementos da construção mitológica da nação  e de ícones da cultura do país que servem como ferramenta de alienação. Matheus FiorePLANO ABERTO

Baseado no conto de Ray Nelson, Eight O´Clock in the Morning, Eles Vivem conta a história de um trabalhador que encontra um óculos muito diferente. Ele faz com que se possa enxergar a real aparência de seres que estão manipulando os humanos. Carol Suiter – ScifiBrasil

filme Eles Vivem dublado 1988Tairo Pedralli

Realizado dez anos antes de Matrix, o filme de Carpenter aborda de maneira mais adulta, áspera e consistente a ideia de uma manipulação coletiva das consciências e percepções. José Geraldo CoutoOUTRAS PALAVRAS

Mas é aí que reside uma inversão desconcertante. Se os filmes B dos anos 1950 sobre invasores (O dia em que a terra parouA guerra dos mundosVampiros de almasA bolha assassina) refletiam e exorcizavam o medo do comunismo na época da Guerra Fria, os vilões alienígenas de Eles vivem são representantes do capitalismo mais voraz e sem limites. “São empreendedores”, diz um líder da resistência clandestina. “A Terra, para eles, é só mais um planeta em desenvolvimento. O Terceiro Mundo deles.”

Sob a capa de diversão popular e ligeira (o que não deixa de ser), esse filme cujos heróis são dois operários é um estudo da alienação, isto é, da ideologia que passa por normalidade.

Viveze-se: A Odisseia dos Tontos, La Science des rêves, SÓ É ÍNDIO QUEM OPTA POR SER!, O dízimo da educação!, Capital Cultural, Preconceitos, padrões, estigmas e outras anomalias, O POVO BRASILEIRO, Um sonho, Cabeza borradora – Eraserhead, Parenti Serpenti, Ready Player One

Uma Viagem Extraordinária

Conhecido por O Fabuloso Destino de Amélie Poulain (2001), mas também responsável pelo duvidoso Alien – A Ressurreição (1997), Jean-Pierre Jeunet é dono de uma vasta imaginação. Sua marca como cineasta é misturar lúdico e inusitado e em Uma Viagem Extraordinária (L’Extravagant voyage du jeune et prodigieux T.S. Spivet, 2013) esse estilo está em todos os cantos da tela. Omelete

A psiquiatra suíça Elizabeth Kubler-Ross, em 1969, escreveu seu livro mais famoso, intitulado “On Death and Dying”. A obra ficou marcada pelo discurso dos cinco estágios que a pessoa pode sofrer no processo do luto: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação. Estágios que não precisam estar necessariamente nesta ordem e também podem acontecer em qualquer outro momento doloroso na vida de alguém. Focando mais em alguns e deixando outros sem muito aprofundamento, o novo filme de Jean-Pierre Jeunet lida com este tema delicado até certo ponto com maestria, porém o diretor se perde quando escolhe não se aprofundar no assunto. Guilherme AugustoCinema com Rapadura

De uma forma geral, o longa tem um tom ingênuo que pode parecer desconexo com a contemporaneidade. Porém, talvez resida nele a efetiva capacidade crítica social do filme baseado no livro O Mundo Explicado por T.S. Spivet, de Reif Larsen, que centra foco no núcleo familiar e nas indústrias científicas e midiáticas. Papo de Cinema

Spiveze-se: George Orwell, 1984 e Revolução dos Bichos, Eu Me Importo, Unesco disponibiliza mais de 80 filmes indígenas gratuitamente, Repo man, Cabeza borradora – Eraserhead, Free Energy, Micro hidrelétrica e redemoinhos, Quem matou o carro elétrico?, Empoderamento dos recursos, Planta autosuficiente, Miniusina de energia, Funcional Obsoleto

E…que Deus nos ajude!!

Assista aqui: FILMES GOSPEL CASSELI

O longa-metragem oferece uma bem humorada visão das igrejas protestantes dos EUA numa comédia de humor negro. TOM ROCHADestrutor

O roteiro é de Doug Max Stone e George Ratliff, e o último também se encarregou da direção. O filme se baseia num livro homônimo, Salvation Boulevard (2018), de autoria de Larry Beinhart.

E...que Deus nos ajude!!!

Set in the world of mega-churches in which a former Deadhead-turned-born again-Christian finds himself on the run from fundamentalist members of his mega-church who will do anything to protect their larger-than-life pastor. IMDb

Deuze-se: Oh My Gog!, CAMAZOTZ, O BATMAN DO MUNDO MAIA, A espera de Deus na linha verde!!!, Adeus Lênin, A igreja de todos os Deuses, Deus existe, Contos Indianos, O Estado Laico, Juan dos MortosReign Over Me, Eu, Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída, In Time, Na Natureza Selvagem (spoiler)

Eu Me Importo

A exibição de Eu Me Importo para aqueles que leram “comédia” na descrição do filme pode ser confusa. Dificilmente você vai soltar alguma risadinha durante a projeção. De fato, na maioria do tempo, o longa causa muito mais ojeriza. Então, ele não é exatamente uma comédia. 

Sabemos que a comédia enquanto gênero não exige tanto de si mesma e que se difere da comédia enquanto senso comum. Blakeson – que também assinou o roteiro do filme – resolveu levar esse descompromisso com a comédia sensorial até o limite, apresentando ao público uma história que se apoia na mais abjeta personificação da vilania: aquela que se aproveita de velhinhos indefesos.

Importeze-se; Aposentadoria da Água, O filtro de barro, Ecovila para idosos, Convivir, Preconceito, é preciso admitir!?!, CLE – Consolidação das Leis do Escravo, INSs com desconto, A ÚLTIMA SACANAGEM DO CRIADOR CONTRA NÓS, Manuel Edmilson da Cruz, 11 filmes para quem é apaixonado por Psicologia

Unesco disponibiliza mais de 80 filmes indígenas gratuitamente

e que aborde a diversidade cultural dos povos originários, o evento disponibiliza 82 filmes – entre longas-metragens e curtas – de diversos países, com maior foco em países da América Latina e Caribe. Lunetas

As obras estão disponíveis online em uma lista de reprodução no YouTube, e podem ser acessados gratuitamente por quem se interessar em aprofundar conhecimentos e olhares sobre os saberes indígenas. O festival é parte das ações da agência da ONU para comemorar o Ano Internacional das Línguas Indígenas (2019).

Capitão Fantástico

Ben (Viggo Mortensen) tem seis filhos com quem vive longe da civilização, no meio da floresta, numa rígida rotina de aventuras. As crianças lutam, escalam, leem obras clássicas, debatem, caçam e praticam duros exercícios, tendo a autossuficiência sempre como palavra de ordem. Adoro Cinema

Em uma clara inspiração ao filme e à história de Na Natureza Selvagem, nos divertimos e nos emocionamos com uma família que se recusa a ser retratada como “aberrações da natureza” ou “bichos do mato”. Apenas por uma opção de vida, percebemos, portanto, que não significa que seus filhos são menos educados do que aqueles que vão regularmente à escola. As crianças são estimuladas todo o tempo a desenvolver o senso crítico e a argumentação.

A família mora na floresta e rapidamente aprendemos a forma como eles vivem: caçam e plantam seus próprios alimentos, tocam instrumentos musicais, praticam esportes e outros treinamentos de resistência e condição física diariamente e são educados pelo próprio pai, o qual mantém este estilo de vida justamente para evitar que seus filhos sejam contaminados pela cultura consumista e materialista da sociedade urbana.

Qual pai ou mãe não se identifica com alguém que faz enormes sacrifícios, que às vezes carrega o fardo por errar ou tropeçar no meio do caminho, mas que sempre faz tudo em nome de seus filhos, para que eles tenham um futuro melhor e digno? Quem não quer proteger seus filhos dos males de uma sociedade falha e que se apresenta muitas vezes corrompida? Gabriella Tomasi – Cabine Cultural

Fantastique: Brazil, o filmeLavar as mãos (Mão)O Último Cine Drive-inPK12 MonkeysJay and Silent BobI, pet goat IIIdiocracyThe MartianRepo manOutro Olhar, Elisa de Oliveira Flemer e o Homeschooling

Memória dos Campos

Em 1945, Alfred Hitchcock ficou em choque. O “mestre do suspense” ficou tão horrorizado ao ver as imagens da chegada das tropas aliadas aos campos de concentração, no fim da Segunda Guerra Mundial, que ficou uma semana sem conseguir voltar aos estúdios. Em seguida, empenhou-se na produção do filme, que editaria as imagens chocantes para mostrar aos alemães a dimensão dos horrores do Holocausto. Folha Social

Veja também: No gás, Mídia Ninja, Processo licitatório?, Mídia estão de luto, Atrás de mim!, Scoring drugs, Sua segurança?, Via Láctea pelo navegador, Terceira Onda, O mundo dos espertos, Brasileiro Reclama De Quê?, Homem e o diabo, Carta da Terra, Indivíduos perigosos, FORDISMO??, Vergonha alheia!!!, Individualidade fugaz, Cabo Jardim

Juan dos Mortos

O diretor Alejandro Brugués se perguntou o que aconteceria se uma epidemia zumbi afetasse a socialista Cuba.

O protagonista, Juan (Alexis Díaz de Villegas), é o malandro cubano. Ele não trabalha, prefere rum a alimentos, é divorciado, tem uma relação conturbada com a filha e gosta de se divertir com a mulher do vizinho. Quando é convidado pelo amigo Lazaro (Jorge Molina) a fugir para Miami, ele responde com sinceridade: “Mas lá eu ia ter que trabalhar”.

Uma epidemia misteriosa transforma os cidadãos em mortos-vivos. Pela televisão, a imprensa logo anuncia que a epidemia é obra de dissidentes cubanos financiados pelo governo norte-americano. Mariane Zendron – Do UOL, em São Paulo
poster_juan

Veja também: A indústria farmacêutica está fora de controle?, De quem é o poder?, Candidato Caô Caô, Incêndio, apenas 4° andar é salvo., Inside Job, Somos todos doadores, O Coxinha – uma análise sociológica, Casas de Mediação, Justiça em trânsito, Empoderamento dos recursos, Hortas e temperos, Legalize Já

John Titor , o VIAJANTE-ZERO

O Tempo ocupa o imaginário desde as mais remotas civilizações, pensadores e pesquisadores como Aristótenes, Galileu Galilei, Newton e Albert Einstein. A possibilidade do homem se deslocar tanto para o passado como para o futuro, segundo John Titor (pseudônimo) isso já aconteceu!

Em novembro de 2000, John Titor que se autodenominava VIAJANTE-ZERO (TimeTravel_0), declarou ser um viajante do tempo proveniente do ano 2036, porém foi desacreditado. O que define por “WORMHOLE” seria uma estrutura do espaço-tempo com a aparência de um túnel, conectando pontos separados no espaço e no próprio tempo. O Viajante-Zero “sumiu do mapa” em Março de 2001, em suas mensagens anunciou que deixaria o nosso tempo e retornaria ao ano 2036.

As razões e os motivos das suas viagens eram recolher informações ou certos itens necessários no ano 2036, vai ocorrer um bug em 2038. As missões realizaram-se entre os anos de 1960 e 1980, em 1975 deveria se apropriar de um computador IBM chamado 5100, um dos primeiros computadores portáteis e dotado de uma rara interface entre sua codificação e o emulador, a qual permitiria a qualquer programador acessar TODOS os códigos da IBM, este executa as linguagens de programação APL e BASIC.

Foto: Reabertura da ponte Fork South Bridge após inundação em novembro de 1940 no Canadá.

Fonte: In Ta na Lixeira

1928-cell-phone-cropped

Veja também: John Titor, CONSCIÊNCIAS NOTÓRIAS: ALBERT EINSTEIN, Morreu de que?, Vida inteligente., Via Láctea pelo navegador, Luzes, E fez-se a luz, El futuro, Batman – O Livro dos mortos, FORDISMO??, Processo licitatório?, Vamos acabar com o domínio da Monsanto, LEVITATION