O HOMEM BICENTENÁRIO

Em 2005, uma família americana compra um novo utensílio doméstico: o robô chamado Andrew (Robin Williams), para realizar tarefas domésticas simples. Entretanto, aos poucos o robô começa a apresentar traços característicos de um ser humano, como curiosidade, inteligência e personalidade própria. Começa, então, o início da saga de Andrew em busca de liberdade e de se tornar, na medida do possível, humano.

 O Homem Bicentenário

Este filme de ficção-científica é baseado em uma história do consagrado escritor Isaac Asimov. filmow

A obra original fala sobre os medos e angústias da existência humana e foi adaptada para o cinema.

E dentro dessa situação, a reflexão filosófica é direcionada para a discussão sobre a questão do uso das funções que nos caracterizam como seres humanos: se temos que ter necessariamente uma alma, ou se bastariam apenas de componentes físicos, como os de um computador, ou seja, o importante é a estrutura física da pessoa humana ou seve-se levar em contar o íntimo, as sensibilidades, as imperfeições e aspectos que o diferencia dos demais seres, com suas singularidades. Prof. Esp. Francisco das C. M. dos Santos

Bize-se: Um anticorpo de Gaia para o vírus ser humano, 9 criptomoedas para movimentar o mercado em maio, 10 fatos sobre inteligência artificial, Repo man, Indústria 4.0 ou Quarta Revolução Industrial. Como Fazer um Robô, A evolução dos robôs., O mito da caverna

Roda Viva – Ailton Krenak – 19/04/2021

Roda Viva | Ailton Krenak | 19/04/2021

No Roda Viva, a jornalista Vera Magalhães recebe o ambientalista e escritor Ailton Krenak. Considerado uma das maiores lideranças indígenas do Brasil,

Ailton Krenak é filósofo, escritor, poeta e jornalista. Se dedica à defesa dos direitos indígenas desde a década de 80. Fundou a ONG Núcleo de Cultura Indígena, organizou a Aliança dos Povos da Floresta e é doutor honoris causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais.

Krenak nasceu na região do Vale do Rio Doce, uma área profundamente afetada pela atividade de mineração, uma das maiores ameaças aos povos indígenas, que também sofrem com as invasões das terras demarcadas e com a exploração da madeira. #RodaViva

Krenakze-se: Ailton Krenak: próxima missão do capitalismo é se livrar de metade da população do planeta, 20 ideias para girar o mundo – Ailton Krenak, Ailton Krenak, CONSTELAÇÕES INDÍGENAS, Society 5.0, Martírio

Narciso de ébano

capaovidentedarua46

Osvaldão foi menor abandonado, adolescente fugitivo da Febem, e agora, passados os seus trinta anos de idade, tornara-se um homem desempregado e sem perspectivas. Um cidadão exemplar do terceiro mundo. Sem que disso tivesse consciência, Osvaldão era a estatística mais bem-acabada do capitalismo globalizado e dos excluídos pelo neoliberalismo. E, além disso, negro.

Osvaldão carregou sempre o estigma de viver numa sociedade morena sem preconceitos de raça e de doce miscigenação. Seu único orgulho, adquirido em meio a mitos e tabus de uma forçada promiscuidade pela sobrevivência, era o membro viril que carregava sob as calças rotas de algodão. Troféu de pouco uso, dada a sua condição social, mas manuseado a saciedade. Já fora procurado por homens e mulheres que tinham ouvido falar do instrumento. Alguns, por curiosidade; outros, pelo desejo de consumo. Era o único capital que dispunha Osvaldão.

Tratava o membro da melhor maneira possível, venerava-o quase. Costumava exibi-lo nos finais de tarde junto às paredes da catedral da Sé, sem preocupações, sem malícias, com carinho. Empinando-o, como a um cabo de um látego de ébano, vendia seu produto como qualquer outro ambulante da região.

ALMADA, Izaias. O vidente da Rua 46: contos eróticos. Editora Mania de Livro. SP, 2001. p. 23.

14-08-07_izac3adas-almada_rodrigueanos

Quem lê melhora o mundo. Leia e deixe um livro em algum lugar público.

Veja também: CHICO XAVIER, Turismo sexual, SAUDOSA MALOCA, 400 Nudes, NELSON NED D’ÁVILA PINTO, Candelária, EVOLUSEX, 3º opção, CRASSEFICADOS‏, TEXT ME SOMETHING DIRTY, NÃO ERA BEM ASSIM., SENSIBILIDADE, RAPE ME, COMEÇOU O CARNAVAL!, LIVROS PARA COLORIR, SEXO SEGURO!, CONSCIÊNCIAS NOTÓRIAS: ALBERT EINSTEIN

Burguesia (Version me)

Burguesia – Cazuza

A burguesia fede
A burguesia quer ficar (“mais”) rica
Enquanto houver burguesia
Não vai haver poesia (haverá democracia)

A burguesia não tem charme nem é discreta
Com suas perucas de cabelos de boneca
A burguesia quer ser sócia do Country
A burguesia quer ir a New York fazer compras

Pobre de mim que vim do seio da burguesia
Sou rico mas não sou mesquinho
Eu também cheiro mal
Eu também cheiro mal

A burguesia tá acabando com a Barra
Afunda barcos cheios de crianças
E dormem tranqüilos
E dormem tranqüilos

Os guardanapos estão sempre limpos
As empregadas, uniformizadas
São caboclos querendo ser ingleses
São caboclos querendo ser ingleses

A burguesia fede
A burguesia quer ficar rica
Enquanto houver burguesia
Não vai haver poesia

A burguesia não repara na dor
Da vendedora de chicletes
A burguesia só olha pra si
A burguesia só olha pra si
A burguesia é a direita, é a guerra

A burguesia fede
A burguesia quer ficar rica
Enquanto houver burguesia
Não vai haver poesia

As pessoas vão ver que estão sendo roubadas
Vai haver uma revolução
Ao contrário da de 64
O Brasil é medroso
Vamos pegar o dinheiro roubado da burguesia
Vamos pra rua
Vamos pra rua
Vamos pra rua
Vamos pra rua
Pra rua, pra rua

Vamos acabar com a burguesia
Vamos dinamitar a burguesia
Vamos pôr a burguesia na cadeia
Numa fazenda de trabalhos forçados
Eu sou burguês, mas eu sou artista
Estou do lado do povo, do povo

A burguesia fede – fede, fede, fede
A burguesia quer ficar rica
Enquanto houver burguesia
Não vai haver poesia

Porcos num chiqueiro
São mais dignos que um burguês
Mas também existe o bom burguês
Que vive do seu trabalho honestamente
Mas este quer construir um país
E não abandoná-lo com uma pasta de dólares
O bom burguês é como o operário
É o médico que cobra menos pra quem não tem
E se interessa por seu povo
Em seres humanos vivendo como bichos
Tentando te enforcar na janela do carro
No sinal, no sinal
No sinal, no sinal

A burguesia fede
A burguesia quer ficar (“mais”) rica
Enquanto houver burguesia
Não vai haver poesia (haverá democracia)

Veja também: Candelária, No Capão Redondo, ninguém sonha em ser médico, Mídia estão de luto, E agora???, Fumaça Louca, PENA DE MORTE, Aniversário da revolução de 1964, Exu tranca-copa, Presidente FDP, O bom moço do Brasil, O Coxinha – uma análise sociológica, O analfabeto político

Ignorância e sucesso?

stevewoziak georgesaunders arianahuffington 1oanosptignorante

icebergesconde

Veja também: Universidades do mundo, UM “DEVOGADO” E… DUS BÃO!‏, Os sentidos da política – problemas e perspectivas, Vergonha alheia!!!, De onde você vem?, Akai Kōdan Zillion, A culpa é de quem!, Saramago, Impostômetro, , PÁTRIA MADRASTA VIL, Ministério da Saúde, Remédio que cura qualquer doença, O Coxinha – uma análise sociológica, Cadê os Amarildos?, Ceguetas, Marx escreve uma carta de repúdio ao professor, Problemas sociais, Incêndio, apenas 4° andar é salvo.