Bolsonaro

“Eu era um agente do Estado, comandante de uma unidade militar dentro da cadeia de comando. Durante meu comando, nunca fui punido, nunca fui repreendido, recebi os melhores elogios da minha vida militar”, afirmou ao fazer a declaração inicial. Conversa Afiada com Paulo Henrique Amorim

bolsonaroCarlos-Alberto-Brilhante-Ustra

“Nesse dia de glória para o povo brasileiro tem um nome que entrará para a história nessa data, pela forma como conduziu os trabalhos nessa casa. Parabéns, presidente Eduardo Cunha. Perderam em 1964. Perderam agora em 2016. Pela família e pela inocência das crianças em sala de aula que o PT nunca teve, contra o comunismo, pela nossa liberdade, contra o Foro de São Paulo, pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo Exército de Caxias, pelas nossas Forças Armadas, por um Brasil acima de tudo e por Deus acima de todos, o meu voto é sim.” Jair Bolsonaro (PP-RJ)

Em audiência pública da Comissão Nacional da Verdade em Brasília, o coronel reformado Carlos Alberto Brilhante Ustra afirmou que os militares que participaram da ditadura militar no Brasil “defendiam a democracia”. Portal EBC

bolsonaroCarlos-natalini

“Tiraram a minha roupa e me obrigaram a subir em duas latas. Conectaram fios ao meu corpo e me jogaram água com sal. Enquanto me dava choques, Ustra me batia com um cipó e gritava me pedindo informações”, relembra Gilberto Natalini, PV-SP. 
bolsonaroCarlos-mae

Aniversário da revolução de 1964

itauniver1964

“Hoje estamos esculachando não uma pessoa, como fizemos até agora, mas duas empresas, que são mais representativas de toda uma estrutura: a Fiesp e o Itaú. A Fiesp foi uma das principais organizadoras das reuniões, chamadas de grupos de trabalho, onde os empresários se reuniam para contribuir para a caixinha da ditadura”, explicou Lavínia Clara Del Roio. Secretaria de Imprensa Sindicato dos Bancários do ABC

banco-rico-pobre
iraucartazditadura

“A Fiesp é o símbolo da ditadura, que beneficiou a classe dominante. Não à toa Geraldo Resende de Mattos ia todos os dias ao Dops entregar listas com nomes dos trabalhadores a serem perseguidos pelo regime”, disse ao microfone Ivan Seixas, ex-militante do Movimento Revolucionário Tiradentes e atual assessor da Comissão Nacional da Verdade e da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”. CartaCapital

Veja também: Cliente preferido do Brazil, Livros de histórias infantis grátis., Relatório Figueiredo, Dura, Marcha Fúnebre da Arte, Colabora ai gente!, Chico Xavier, Empoderamento dos recursos, Parabéns Néstle, O país da piada pronta!, A história de sempre?, Manifestantes ou vândalos?, I Have a Dream