Quando me amei de verdade

‘Quando me amei de verdade’, Charles Chaplin

Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância eu estava no lugar correto e no momento preciso. E então, consegui relaxar. Hoje sei que isso tem nome… Autoestima.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha angústia e o meu sofrimento emocional não são mais que sinais de que estou agindo contra as minhas próprias verdades. Hoje sei que isso é… Autenticidade.

Quando me amei de verdade, deixei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a perceber que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje sei que isso se chama… Maturidade.

Quando me amei de verdade, compreendi por que é ofensivo forçar uma situação ou uma pessoa só para alcançar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou que a pessoa (talvez eu mesmo) não está preparada. Hoje sei que isso se chama… Respeito.

Quando me amei de verdade, me libertei de tudo que não é saudável: pessoas e situações, tudo e qualquer coisa que me empurrasse para baixo. No início a minha razão chamou essa atitude de egoísmo. Hoje sei que isso se chama… Amor por si mesmo.

Charles Chaplin

Quando me amei de verdade, deixei de me preocupar por não ter tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os megaprojetos do futuro. Hoje faço o que acho correto, o que eu gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é… Simplicidade.

Quando me amei de verdade, desisti de querer ter sempre razão e, com isso, errei muito menos. Assim descobri a… Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro. Agora me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. E isso se chama… Plenitude.

Quando me amei de verdade, compreendi que a minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando eu a coloco a serviço do meu coração, é uma aliada valiosa. E isso é… Saber viver! A mente é maravilhosa

Ameze-se: Charles M. Schulz desenhando Charlie Brown, Preconceitos, padrões, estigmas e outras anomalias, Tornar-se adulto…, Miguelitos façam alguma coisa!, 11 músicas que falam de saudade, O filho eterno, Os índios nos gibis.

Outros viajantes do tempo

time1

É possível viajarmos para o passado? A ciência diz “NÃO”. Mas nossos olhos insistem em dizer o contrário… . Surrealista

Skateboarding In Central Park

post-11-16-9

Um dos argumentos dos céticos sobre viagens no tempo é que, se ela fosse possível, os viajantes do tempo poderiam visitar a nossa era, e serem flagrados usando tecnologia avançada. Onde estão estes viajantes do tempo distraídos ou espertalhões? Viajantes do tempo: as 11 melhores “evidências” de que eles existem – hypescience

time0001

timetravel_cellphone_1

O Brânico chamado George Clarke encontrou neste filme de 1928 uma intrigante cena, onde aparece toda faceira uma senhora “supostamente” falando em um celular. Blogchaplin.com

timehipster

Algumas fotografias do passado também chamam a atenção pela semelhança de pessoas que já morreram com personalidades da atualidade. Juliana Miranda. 10 fotos que provam que a viagem no tempo é possível – Site de Curiosidades.

79227

Stephen Hawking certa vez, decidiu fazer um experimento para comprovar que viajantes do tempo não existiam. Para tal, ele planejou uma festa exclusiva e totalmente secreta, mas só enviou e disponibilizou os convites depois de terminada. O resultado foi que ninguém aparece em sua festa, o que evidenciou ao famoso físico que viajantes do tempo não são possíveis de existir. 6 Histórias Curiosas sobre Viajantes do Tempo – Show do Medo

o-tempo-c3a9-o-sc3a1bio

Enxergue mais: VIAGEM NO TEMPOLUMINESCE™ CELLULAR REJUVENATION SERUMINSTANTLY AGELESS ™O EXTERMINADOR DO FUTURO: GÊNESISSÓSIA CRIA UM CURIOSO SITE NA REDESTAR TREKO MISTÉRIO DO DISCO SUBMERSO NO BÁLTICOJOHN TITOR , O VIAJANTE-ZERO

 

 

Não sou de postar coisas religiosas, mas as vezes, esse tipo de coisa é que me deixa com muita raiva da sociedade!

Domo

Foi o seguinte artigo que mostra como realmente as pessoas são:

pastor

“O pastor Jeremias Steepek (foto) se disfarçou de mendigo e foi a igreja de 10 mil membros onde ia ser apresentado como pastor principal pela manhã. Caminhou ao redor da igreja por 30 minutos enquanto ela se enchia de pessoas para o culto. Somente 3 de cada 7 das 10.000 pessoas diziam “oi” para ele. Para algumas pessoas, ele pediu moedas para comprar comida. Ninguém na Igreja lhe deu algo. Entrou no templo e tentou sentar-se na parte da frente, mas os diáconos o pediram que ele se sentasse na parte de trás da igreja. Ele cumprimentava as pessoas que o devolviam olhares sujos e de julgamento ao olhá-lo de cima à baixo.

Enquanto estava sentado na parte de trás da igreja, escutou os anuncios do culto e logo em seguida a liderança subiu ao altar e anunciaram que…

Ver o post original 359 mais palavras