Milk blood

Um homem de 39 anos na Alemanha foi até um hospital sentindo náuseas, vômitos, dores de cabeça e muita agonia. Logo os médicos perceberam que o problema era mais grave do que aparentava: o paciente tinha no lugar do sangue uma substância branca e espessa como o leite. Na verdade, o homem tinha muita gordura em seu sangue, uma condição que poderia tê-lo matado se os médicos não tivessem recorrido a um tratamento há muito tempo abandonado, iniciado e utilizado por curandeiros milhares de anos atrás.


🖤Crystxl Hearts🔮 Blood and Milk. Red White Blood Milk

Como não era possível realizar a plasmaférese, os médicos do Hospital Universitário de Colônia se voltaram para uma opção muito mais antiga e agora desacreditada, um tratamento praticamente esquecido que em grande parte não é praticado na medicina tradicional desde os séculos 18 e 19: a famosa sangria.

Essa antiga técnica, que intencionalmente retira o volume sanguíneo do corpo, pode ser rastreada até o antigo Egito há cerca de 3.000 anos, e já foi uma das formas mais comuns de operação “médica”. Naqueles tempos, entretanto, a medicina em si era um conceito completamente diferente do que é hoje, e atualmente a sangria é vista principalmente como uma forma anacrônica de pseudociência que causava muito mais mal do que bem aos pacientes.

A condição com a qual o paciente se apresentou ao hospital é conhecida como hipertrigliceridemia extrema: uma doença marcada por altos níveis de moléculas de triglicerídeos gordurosos no sangue.

Os pesquisadores pediu uma abordagem diferente para de alguma forma sugar o nível extremo e perigoso de gordura do sangue do homem – um nível normal de triglicerídeos no sangue de uma pessoa seria inferior a 150 miligramas por decilitro (mg / dl), enquanto uma leitura alta seria entre 200 a 499 mg / dl e 500 mg / dl seria considerado “muito alto”. Nesse caso, porém, o sangue do paciente estava completamente congestionado, com sua contagem de triglicerídeos chegando a 36 vezes mais alta do que a muito alta, a cerca de 18.000 mg / dL.

Os sintomas com os quais o paciente se apresentou no hospital são típicos de uma condição conhecida como síndrome de hiperviscosidade, que acontece quando o sangue anormalmente espesso pode, em casos graves, desencadear convulsões e coma.

O homem desenvolveu essa condição rara e bizarra provavelmente a vários fatores relacionados à obesidade, dieta, resistência à insulina e uma possível predisposição genética – sem mencionar o fato de que, enquanto estava sob medicação para diabetes, ele admitiu que nem sempre tomava.

Os médicos supõem que a “cascata de eventos” do paciente poderia ter sido inicialmente desencadeada pela cetoacidose, uma condição grave derivada da diabetes, quando o corpo começa a produzir perigosos ácidos sanguíneos.

Na unidade de terapia intensiva, os médicos acabaram retirando dois litros de sangue do homem, substituindo-o por um suprimento de concentrados de hemácias, plasma fresco congelado e uma solução fisiológica salina, a técnica funcionou, diminuindo com sucesso os níveis de triglicerídeos do paciente. No quinto dia após o início do tratamento, ele estava livre de sintomas neurológicos residuais. via [Live Science, Science Alert]
Poetize-se: Scientists Claims RH Negative Blood Type Peoples Not Belong From Earth, Repo man, Exame com uma gota de sangue, The X-Files, Sugestão de desintoxicação ayurvédica após os excessos., Setembro Vermelho, Somos todos doadores, Cospe logo!, Ministério da Saúde, Coleira para crianças, absurdo?, Sangue dourado ou rh nulo, Dia Mundial do Doador de Sangue, No Capão Redondo, ninguém sonha em ser médico, Tratamento caseiro para Baixar o Colesterol, Olhos Azuis, O colágeno, Juan dos Mortos