Invista na cannabis ativa

Nos últimos anos, a cannabis tornou-se uma indústria de US $ 9,7 bilhões, e deverá atingir quase US $ 25 bilhões em 2021. Nos EUA, a maconha é legal em oito estados, além do Distrito de Columbia, para uso recreativo, e 29 estados mais DC para uso medicinal. O índice de estoque de cannabis (sim, existe) aumentou 88,8% em 2016 e 91,8% em 2017. The GreenHub

E se é para apoiar a causa, ganhar algum dinheiro ou ambos, muitos de nós agora queremos colocar o nosso dinheiro onde está o mercado mais promissor da atualidade.

Em qualquer mercado que envolva commodities, quem produz a matéria-prima normalmente fica com as menores margens de lucro. Para recuperar o investimento e ganhar algum dinheiro, o agricultor, o pecuarista, o minerador e o pescador precisam produzir e vender grandes volumes. Com a cannabis não é diferente. Nos locais onde é permitido plantá-la, o preço da erva in natura vem caindo consistentemente, principalmente porque a demanda pelo produto legal não acompanha o crescimento da oferta, cada vez maior. Essa foi uma das primeiras lições que aprendi quando comecei a acompanhar esse universo mais de perto. As melhores oportunidades estão nas atividades que agregam valor aos insumos e entregam produtos mais sofisticados aos consumidores: remédios, concentrados, comestíveis, cosméticos etc. Ricardo Amorim

Aqui no Brasil, o plantio de cannabis segue proibido, mas a dinâmica é a mesma. Os negócios mais atrativos para investidores e lucrativos para seus donos estão na indústria, não na agricultura (a afirmação aqui é um tanto óbvia, mas no mundo da cannabis ainda há uma tendência de supervalorização do cultivo). Nesse contexto, avalio como extremamente positivo o anúncio feito pela brasileira Entourage Phytolab na semana passada. A startup de biotecnologia, com sede em Valinhos (SP), desenvolveu uma fórmula que dobra o potencial de absorção do canabidiol (CBD) pelos pacientes. Na prática, significa que o mesmo efeito terapêutico pode ser obtido com metade da dose, tornando o tratamento mais barato e mais eficiente.

A cannabis é, sem dúvida, uma oportunidade de investimento emocionante. Mas, como com qualquer coisa, você deve fazer sua pesquisa primeiro. Certifique-se de examinar completamente todas as empresas em potencial e ficar em cima do que está ocorrendo em termos de legislação. Comece por “paper trading” – escrevendo o que e quando você compraria e venderia.

“A quantidade de informações por aí é esmagadora – como é a quantidade de desinformação”, disse William Petruski, vice-presidente de vendas da Arcview. “Em qualquer estratégia de investimento, a informação é rei. E neste vertical, mais do que qualquer outro”.

Só pra deixar claro e evitar confusão: no Brasil, o porte e a comercialização da maconha é ilegal. Mas isso não te impede de investir lá fora (vou falar mais sobre aqui embaixo). Luis Ottoniseudinheiro

Aliás, até 2022, a expectativa é que esse mercado movimente US$ 23 bilhões só nos EUA, segundo estima a “Arcview Market Research”. No mundo, o valor deve chegar aos US$ 57 bilhões em 2027, segundo a “Forbes”. As razões que devem levar a esse “boom” estão ligadas a uma tendência na flexibilização das regulamentações, tornando esse mercado mais comum e promissor.

O setor funciona da seguinte forma:

  • Plantadores: Essas empresas, como é o caso da Canopy Growth, cultivam a maconha geralmente em estufas, colhem e distribuem os produtos aos consumidores finais.
  • Empresas de biotecnologia – Focam no desenvolvimento de drogas que têm como base a cannabis. Esse é o caso da GW Pharmaceuticals, por exemplo.
  • Fornecedores de produtos e serviços – Essas empresas fornecem equipamentos aos plantadores que facilitam no processo de desenvolvimento dos produtos e na experiência do usuário. Esse é o caso da empresa Scotts Miracle -Gro, por exemplo.

Já para a especialista em direito e processo penal, Anna Julia Menezes, da Vilela, Silva Gomes & Miranda Advogados, o investidor deve ficar atento aos riscos desse tipo de aplicação. “Se algo der errado, você não terá a ajuda da CVM, já que a aplicação foi feita sobre regra de outro país”, explica. 

Portanto, além de monitorar o desempenho das empresas que pretende aplicar, é necessário ficar de olho na legislação do país (e no caso dos EUA, no estado) em que a empresa possui sede.

Comoditize-se : Vende-se Maconha, Fibra de “maconha” na produção têxtil, Produtos para Consumo de Maconha, Como enriquecer e educar licitamente falando!?!, Cachimbo da Paz, VIDACELL®

Elisaldo Carlini

Pioneiro na farmacologia e nos estudos sobre a cannabis para controle de epilepsia no Brasil nos anos 70, o médico tinha uma grande frustração: nunca foi ouvido com atenção pelas autoridades brasileiras. Esse desabafo aconteceu no início de novembro de 2019, durante um simpósio promovido pelo Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID) e associação Cultive na USP, conforme foi registrado pelo Sechat

“Enquanto eu durar e tiver cabeça, pretendo continuar brigando pela mesma causa. É preciso que o Brasil crie vergonha e modifique o que está acontecendo no país. Não é possível! Eu me dedico aos estudos da maconha há 50 anos, nunca consegui ser ouvido, por que que isso acontece?”, questionou.

O professor Elisaldo Carlini, médico e pesquisador brasileiro considerado um marco que colocou o canabidiol no mapa da ciência brasileira e do mundo quando o assunto é o tratamento de convulsões, faleceu nesta quarta-feira (16). Sechat

A pesquisa de Carlini foi realizada na Escola Paulista de Medicina, em São Paulo, e teve a participação da equipe da Universidade Hebraica de Israel, que agregou nomes como o de Raphael Mechoulam, considerado o pai da Cannabis medicinal. 

Carlini era médico, pesquisador, fundador do CEBRID e professor emérito da UNIFESP. Ele tinha 90 anos e deixa um legado de mais de 50 anos dedicados ao estudo de drogas psicotrópicas no Brasil. Em especial, seus trabalhos sobre a maconha medicinal, colocou o CBD no foco da ciência brasileira e do mundo para o tratamento de convulsões, epilepsia, esclerose múltipla e dor crônica.

Entre 1995 e 1997 esteve à frente da Secretaria Nacional de Vigilância Sanitária, tentou criar uma “Anvisa da cannabis”, projeto que nunca saiu do papel por desprezo da classe médica com o tema. “Publiquei mais de 700 trabalhos científicos em inglês, porque eu publicava aqui e ninguém lia. Se o Ministério da Saúde quiser discutir esse assunto, mesmo numa maca eu irei”, infelizmente esse dia não vai acontecer. Sechat

O pai da maconha medicinal moderna

Os primeiros registros sobre o uso da maconha com fins medicinais são atribuídos ao imperador ShenNeng da China, 2737 AC, que prescrevia chá de maconha para o tratamento da gota, reumatismo, malária e, por incrível que pareça, memória fraca.  AMA+ME

No começo do século 20, com a proibição gradual da maconha nos EUA, o mundo moderno deu as costas para as pesquisas com a planta sagrada e poderosa usada por médicos, xamãs e druidas por três mil anos. A Pen-T’sao Ching, a mais antiga farmacopeia existente, registra o uso da cannabis na China por volta de 2700 A.C. para tratar dores reumáticas, constipação, transtornos reprodutivos femininos (como endometriose) e malária. De maneira similar, o pai da cirurgia chinesa, Hua Tuo, desenvolveu um componente anestésico de vinho e maconha durante o século 1 A.C. Registros parecidos estão em documentos e relatos da Índia, Oriente Médio, África e até Europa, onde em 1838, William Brooke O’Shaughnessy, um médico irlandês, publicou – após experimentos com animais e humanos – um livro intitulado On the Preparations of the Indian Hemp, or Gunjan. No Tibete, em 6 A.C., a cannabis era usada em rituais budistas tântricos para “facilitar a meditação”, enquanto assírios a usavam como incenso. VICE

O psiquiatra paranaense José Alexandre Crippa, com apenas 47 anos, chefia uma das maiores referências de estudo em sua área, o Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, está entre os poucos profissionais no mundo que comprovaram a eficácia do composto no tratamento da epilepsia, doença que atinge cerca de 600 000 brasileiros. Thaís Botelho

O canabidiol, uma das 480 substâncias derivadas da Cannabis sativa, a maconha, encontrado sobretudo no caule e nas flores, compõe cerca de 1% da planta da maconha. Ele não é psicoativo nem tóxico. Não altera o raciocínio, não produz lapsos de memória nem perda cognitiva, tampouco causa dependência. VEJA de 19 de setembro de 2018, edição nº 2600

O canabidiol age nas áreas onde há maior concentração de receptores dos chamados canabinoides, que são o hipocampo (região ligada à memória), a amígdala (ligada à ansiedade e ao stress), o córtex cerebral (da cognição) e o cerebelo (da coordenação motora).

O canabidiol aplacou sintomas, como os delírios, as alucinações e os problemas de coordenação. Além disso, a substância não provocou as reações adversas típicas dos antipsicóticos, como tremores no corpo e sonolência.

O cientista também considerado o pai da Cannabis medicinal, o israelense Raphael Mechoulam, químico orgânico israelense e professor de química medicinal na Universidade Hebraica de Jerusalém, fez descobertas inovadoras em torno da estrutura dos compostos de cannabis CBD e THC em 1963 e 1964, seguidos de testes clínicos com CBD publicados em 1980. Sechat

Em 1980, uma equipe de investigadores da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo publicou um estudo que deveria mudar a vida de 50 milhões de epiléticos pelo mundo.

As descobertas da investigação, realizada em parceria com a Universidade Hebraica de Jerusalém, em Israel, eram, no mínimo, encorajadoras. Os pesquisadores administraram doses diárias de 300 miligramas de canabidiol, o componente não-psicoativo mais importante da maconha, para um grupo de oito pacientes epiléticos. Quatro meses depois do começo do tratamento, quatro deles pararam de ter convulsões e três outros viram a frequência de seus ataques diminuir.

O senhor de 85 anos mora numa casa pequena, sóbria mas elegante, no oeste de Jerusalém, onde o prédio de mármore e as árvores no jardim da frente fazem você esquecer que Israel está em alerta militar permanente. Todo dia ele dirige seu Peugeot prata pelos arredores da cidade, onde passou as últimas cinco décadas decifrando os mistérios químicos da maconha, principalmente o modo como o corpo humano interage com os compostos encontrados na planta. Raphie, como seus colegas o chamam, isolou e especificou a estrutura molecular dos “canabinoides”, os compostos químicos da maconha. Em particular, decifrou o tetraidrocanabinol (THC), a molécula responsável pelo barato da cannabis, e o canabidiol, o principal composto não-psicoativo da planta que carrega várias qualidade medicinais.

Paze-se: Contrapropaganda sobre a Cannabis, História da Maconha, Doenças que podem ser tratadas com Canábis Medicinal, Fibra de “maconha” na produção têxtil, Como enriquecer e educar licitamente falando!?!, Tabaco e álcool sim, Maconha não. Por que?!?, Leite de Mamaconha, Luto, maconha mata!!!

Canabidiol, o CBD

O canabidiol, também conhecido por CBD, é um dos princípios ativos da Cannabis sativa, nome científico da maconha. Compõe até 40% dos extratos da planta e pode ser usado como medicamento para diversas doenças, que variam epilepsia severa a fibromialgia. É uma substância canabinoide (que age nos receptores canabinóides do cérebro).

Visto com desconfiança por ser feito a partir de uma planta ilegal e com efeitos psicoativos, o CBD conquistou espaço na mídia a partir de 2014, quando uma mãe ganhou, na justiça, o direito de importar a substância para o tratamento de sua filha que tinha a síndrome CDKL5, que causa epilepsia grave. Minuto Saudável

Na medicina, o canabidiol pode ser usado como anticonvulsivante, anti-inflamatório, ansiolítico e antitumoral, pode ser consumido em spray, em óleo ou fumado, mas não há um consenso de qual é mais efetivo. O óleo de CBD é o método mais usado para a administração do medicamento.
Apenas pessoas com laudos e receitas médicas podem comprar o medicamento, que é controlado. A ANVISA disponibiliza, em seu site, um cadastro para pessoas físicas. O cadastro exige diversos documentos e informações.
Você pode se cadastrar através do site da ANVISA, por e-mail (med.controlados@anvisa.gov.br) ou pelo correio.

A Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (ABRACE) conseguiu uma liminar de uma juíza federal que autoriza a produção e fornecimento do óleo de cannabis para cerca de 400 pacientes com receita médica.

Cassiano Teixeira começou bancando a produção do óleo através de doações, mas em 2015 criou uma associação de pacientes.

Cada família paga 150 reais mensais para a associação, com exceção de 30 famílias de baixa renda. Quase 400 pacientes são atendidos e há mais de 200 em uma lista de espera. Você pode entrar no site deles clicando aqui.

O CBD é um canabinoide que, assim como o THC, se liga aos receptores de canabinoides espalhados pelo corpo humano, conhecidos como CB1 e CB2. Growroom

O Canabidiol não é psicoativo, ou seja, ele não causa o famoso “barato”, e contrapõe alguns dos efeitos do THC, interagindo diretamente com ele. Pacientes informam que com o THC usado isoladamente, como na forma de dronabinol (THC sintético), os efeitos psicoativos são muito fortes, podendo causar paranoia, tontura e outros efeitos desagradáveis.
O CBD possui um efeito sedativo. Plantas com alto teor tendem a causar mais sono e relaxamento quando consumidas.

O CBD foi estudado como um potencial neuroprotetor, sendo testado como tratamento para a epilepsia de difícil tratamento, mas ainda não há evidências suficientes de sua eficácia, parece ter propriedades anti-inflamatórias, demonstrando potencial para o tratamento de diversas doenças inflamatórias, como a artrite reumatoide, a esclerose múltipla, a doença de Crohn, diabetes tipo 1, entre muitas outras.
Diferente do THC, o CBD isolado não possui efeito analgésico. Utilizado em conjunto com o THC, contudo, ele parece potencializar os efeitos do THC no combate à dor crônica, sobretudo a dor neuropática (comum em pacientes com câncer ou AIDS, por exemplo). Ao que tudo indica, o CBD e o THC em conjunto são mais eficazes do que o THC isolado no tratamento da dor.

A cannabis não bloqueia a dor como opiáceos, por exemplo. Ela parece simplesmente aumentar a capacidade do usuário em tolerar a dor, no tratamento da dor, a planta já é aceita como um analgésico pela medicina tradicional. Em estados americanos onde o uso medicinal da cannabis foi legalizado, as vendas de analgésicos a base de opiáceos caiu consideravelmente, indicando uma preferência pela cannabis por parte de muitos pacientes.

O CBD tem efeito antipsicótico. Diversas pesquisas indicaram esse efeito, inclusive estudos realizados no Brasil, na USP de Ribeirão Preto.
Pesquisas com pacientes que automedicam com cannabis identificaram um alto número de pessoas utilizando a erva para tratar problemas psiquiátricos; com ou sem acompanhamento médico. Uma pesquisa realizada na Califórnia, em 1999, identificou 660 (26,6%) pacientes automedicando problemas psiquiátricos com cannabis. Entre eles, 274 sofriam de stress pós-traumático; 162 de depressão; 73 de ansiedade; 46 de depressão neurótica; 34 de desordem bipolar; 26 de esquizofrenia; 15 de déficit de atenção; 8 de distúrbio obsessivo-compulsivo; 5 de síndrome do pânico; 17 de outras enfermidades.
É importante, portanto, ter muito cuidado e somente se medicar com acompanhamento médico.
Em diversos estudos pré-clínicos (em laboratório ou em animais, não em humanos), o CBD demonstrou forte potencial no tratamento de diferentes tipos de câncer. Centenas de estudos demonstram efeitos antitumorais e anticancerígenos por parte do Canabidiol isolado.

Faltam investimentos em estudos, não somente com o CBD, mas com a cannabis como um todo, já que diversos de seus componentes parecem agir no organismo e até potencializar os efeitos terapêuticos uns dos outros, mais conhecimento sobre esse e outros componentes pode significar uma expansão na compreensão da biologia humana e um passo à frente no tratamento de dezenas de enfermidades, e assim avançar na luta pelo direito à vida e ao tratamento de escolha de pacientes-usuários.

Vote a favor da descriminalização do cultivo da cannabis sativa para uso pessoal terapêutico, clicando aqui

Eduardo Vilas-Bôas!!!

O general Eduardo Vilas-Bôas, ex-comandante do Exército e atual assessor do Gabinete de Segurança Institucional do Palácio do Planalto, está com uma doença neuromotora e corre o risco de não falar mais. Ele conheceu o uso medicinal do canabidiol e cedeu uma entrevista falando em “hipocrisia social” ao mencionar as dificuldades de quem precisa do acesso ao tratamento. Facebook – Veja a matéria completa no link: http://bit.ly/2Zzx9WW

“Eu não entendo por que ao mesmo tempo que tem gente lutando aí, defendendo a legalização da maconha, está tão difícil se obter esses medicamentos para efeito medicinal. Eu acho, de certa forma, até uma hipocrisia social e vejo a luta de algumas pessoas que dependem disso para minimizar sintomas de efeitos de algumas doenças que têm dificuldade”, disse o general com dificuldade para respirar. defesanet

Ele afirmou que vai abrir um instituto com sua filha Adriana para ajudar pessoas que sofrem com doenças incapacitantes, assim como ele. Do UOL, em São Paulo 03/08/2019 21h30
O uso da cannabis para produção do medicamentos nos Brasil é criticado pelo ministro da Cidadania, Osmar Terra. Em 23 de julho, o ministro disse que pode encerrar as atividades da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) caso o órgão aprove regras sobre cultivo de Cannabis no Brasil para o fim.


Portador de ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica), doença neuromotora degenerativa, Villas Bôas foi diagnosticado com a doença em dezembro de 2016 e, com perda dos movimentos de forma acelerada, está sob o risco de perder a fala. Respeitado por militares, pela sociedade civil e classe jurídica, o general falou sobre as consequências da depressão, doença que o assola desde 2001. Poder360

Poetize-se: FHC = THC, José Mujica maconheiro?, Scoring drugs, Quarto poder, Doenças degenerativas, Suco de limão e Bicarbonato, Vamos acabar com o domínio da Monsanto, O Coxinha – uma análise sociológica, Paulo Freire, Jesus Negão, Carmina Burana: Introduction (O Fortuna), Índice de Desenvolvimento Humano, Cadê os Amarildos?, Ricardo LSD Boechat Doidão

Gustavo Guedes

“Minha família é militar. Sempre fui careta. Nunca vi maconha na minha vida. Se eu paro para pensar que eu dou três drogas para meu filho hoje (Topiramato e o Depakene, e dou o Klobazam, um tarja preta), para um bebê de um ano e três meses, por que não posso dar o CBD? Se a luz no fim do túnel é essa e se o CBD dá na maconha, OK. A gente vai usar maconha. Se desse no abacaxi, a gente usava folha do abacaxi, mas não dá”, diz Camila Guedes em cena do documentário Ilegal. Flavia Guerra , O Estado de S. Paulo – 08 Outubro 2014

1stnnif0i7_9ewfaaieu6_file

A morte do menino Gustavo Guedes, de um ano e quatro meses, que sofria da Síndrome de Dravet, no último domingo (1º), em Brasília, no Distrito Federal. A criança sofria uma doença rara que provoca crises epilépticas, assim como os pais da menina Anny Fischer, de 5 anos, a mãe de Gustavo Guedes lutava pela liberação de um medicamento derivado da maconha, o canabidiol (CBD), que diminui consideravelmente o número de crises.. DISTRITO FEDERAL – Do R7

camila-2

Uma caixa pequena protegida no fundo de um armário guarda as primeiras vezes de uma vida breve. Nela, há a mecha do primeiro corte de cabelo de Gustavo, a roupa usada nos primeiros dias, um par de sapatinhos e a chupeta. Os itens formam uma singela, porém significativa, coleção de lembranças do primeiro filho de Camila e Cristiano Guedes. O tempo passou diferente, em 25 de janeiro de 2013, às 6h, quando Gustavo nasceu. A vida começou a correr como os números de um cronômetro, diante dos olhos preocupados dos pais. LEILANE MENEZESMetropoles

20140603094715334345e

A morte do menino Gustavo Barbosa, de um ano e quatro meses, no domingo (1º/6), passará por um processo de investigação conduzido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A substância é proibida no Brasil, mas a Anvisa autorizou, em caráter excepcional, a família a importar o medicamento, no dia 17 de abril. No entanto, o medicamento ficou mais de 10 dias retido na Receita Federal. Por causa disso, o garoto só conseguiu usar o medicamento por nove dias, até ser internado no Hospital Santa Helena, e não resistir a uma série de convulsões. Roberta Pinheiro – Correio Braziliense

A nutricionista cearense, radicada em Brasília, Camila Guedes, foi a primeira pessoa, em 2014, a entrar com pedido na Anvisa para importar canabidiol dos Estados Unidos. Diagnosticado com Síndrome de Dravet, o filho dela, Gustavo, sofria desde os quatro meses com convulsões mensais que só paravam com medicações fortes e internação, ela recorreu à pediatra do filho, “Era algo que tinha de ser feito”, rememora a médica Cláudia Bueno, atualmente coordenadora da UTI Pediátrica do Hospital Regional de Marabá, no Pará. Ela foi a primeira médica brasileira a prescrever CBD. O povo

Mude conceitos, você pode e deve vidacell ®COMO A INDÚSTRIA DO FUMO ENGANOU AS PESSOAS?instantly ageless ™PIAUÍ AUTORIZA PRODUÇÃO DE ÓLEO DE CANABIDIOLnaara beaty drink!!!SUCOS VERDESJEUNESSE, VERDADE OU MENTIRA?ARROZ BASMATI COM MILHO (VEGANA)luminesce ™#ASCO: #ALCOHOL IS #CANCER RISKHERBICIDA ROUNDUP, CANCERÍGENO?!?!Pesticidas caseiros ecológicos para plantasPARATUDO DO LAR