A Maçonaria que conheço tem TDAH?

Realmente, não é possível conhecer totalmente a Maçonaria, pois, do ponto de vista vivencial pode-se conjecturar a existência de muitas formas de ser Maçom; por vezes, exagero pensando que a sua prática seja quase individualizada; há um senso comum, contudo, reina uma série enorme de convicções individuais. Walter Roque Teixeira (Médico Neurologista)

A Maçonaria que conheço tem TDAH?

Assim pensando, cada Loja, unidade legal básica e fundamental, para não nos estendermos além deste microambiente, tem características próprias e isto, naturalmente, faz com que, do ponto de vista prático, afora os Rituais e a legislação específica, a Instituição, igualmente ao seu elemento mais básico, o Homem Maçom, acabe comportando-se como um mosaico. BIBLIOT3CA FERNANDO PESSOA

O que eu falo é bem pensado. Não receio escaramuça. E que aceite a carapuça quem se sente melindrado”. Victória de Noel Rosa

TDAH, significa “Transtorno do Défice de Atenção com (… ou sem) Hiperactividade”.

O Transtorno do Défice de Atenção com Hiperactividade é um transtorno neurobiológico, de causas genéticas, que aparece na infância e frequentemente acompanha o indivíduo por toda a sua vida, caracterizada por sintomas de desatenção, inquietude e impulsividade”.

Metáfora, é uma figura de linguagem em que se transfere o nome de uma coisa para outra com a qual é possível estabelecer uma relação de comparação, segundo o autor.

O título talvez devesse ser “parte dos líderes maçónicos comporta-se como se tivesse TDAH”, pois a Maçonaria tem a organicidade de uma Instituição juridicamente reconhecida e, antes de tudo, é iniciática, filosófica, filantrópica, progressista e evolucionista. Logo, não é portadora de TDAH!

Crítica é somente uma figura linguística que se refere à expressão de uma reacção pessoal que algo, seja um tema ou comportamento, me provoca; desta forma, como visão individual não pode pretender representar verdades e, assim, não deve ter outra interpretação além da intenção de estimular discussões que possibilitem mudanças.

Como base comportamental do portador de TDAH, especialmente no adulto, para a qual devemos atentar-nos e priorizar é a habitual e prejudicial característica de desatenção às consequências futuras do que fazemos ou deixamos de fazer, as decisões, estabelecimento de prioridades, acções e atitudes adoptadas no presente é que determinarão como será o nosso futuro.

O “presente nada mais é do que a preparação para as consequências futuras”, e esta é uma das maiores dificuldades dos portadores de TDAH!

Temos um condicionamento neurobiológico no funcionamento dos nossos lobos frontais, isto inclui um sistema de recompensas voltado para, socialmente, obter-se algo no futuro a partir do se faz agora. A conquista de metas planejadas dá prazer e prestígio. Se estivermos desatentos para o que pode acontecer depois, não conseguiremos dar a importância, o peso real, para fazer o que se deve fazer agora.

Existem, portanto, sintomas que poderiam ser considerados comuns, como dificuldade de focar e persistir, procrastinação e subvalorização do tempo, como se pudéssemos resolver qualquer problema tão logo surja, e sem qualquer dúvida, poderá dar errado lá na frente!

Se a isto não dermos a devida importância, acabaremos cumprindo o básico das nossas obrigações, deixando apenas o tempo passar, esperando sair aparentemente ilesos das responsabilidades que, social e institucionalmente, nos foram atribuídas.

Indivíduos que agem buscando caminhos para antecipar consequências são taxados de “extemporâneos”, “apressados”, “nervosos” ou “ansiosos”, invariavelmente são pouco entendidos ou valorizados no presente, talvez o serão no futuro!

Outros, mais voltados para o presente, têm, portanto, uma insensibilidade às consequências futuras dos seus actos no presente, não activam o sistema de recompensas futuras, pois as buscam no presente e pelas suas aparentes “proactividades” (ou impulsividade?) são taxados como “realizadores” e valorizados.

E estas são características comumente encontradas naqueles portadores de TDAH! Foco no presente e sem condições neurobiológicas de planear o futuro!

somos responsáveis não só pelo que fazemos, mas também pelo que deixamos de fazer” (Molière)

O futuro sempre é responsabilidade do presente! Será? Como denominou Daniel Kahneman, uma ilusão cognitiva do Viés da Validade ou Heurística da Auto Validação.

A Maçonaria do autor continua a navegar em “mar de almirante”, confiante de que nenhuma marola vai afectar o seu percurso, independentemente dos fartos exemplos existentes (“Somos um grupo que está fora de moda e com o número de membros a diminuir – talvez não nos países em desenvolvimento, mas no mundo desenvolvido, somos vistos como um anacronismo, com um modo de estar que constitui um embaraço” – Michael W. Walker).

Aprender a aproximar o futuro do presente, estratégia psicoterapêutica frequentemente usada nos portadores de TDAH deveria também ser fonte de discussão e ensinamento persistente nas Lojas Maçónicas criando cenários e preparando a Instituição para possíveis impactos negativos no futuro do que já está a acontecer hoje.

Palavras Perdidas: Tim Maia – Racional, AS BABUCHAS DE ABU KASEM, Uma Viagem Extraordinária, Ghost Writer ou Escritor Fantasma!!!, Gatoterapia, Pessoas com autismo se surpreendem menos com eventos inesperados

Little Free Libraries

Num mundo cada vez mais tecnológico, isso não impede que os livros continuem a existir e sejam parte essencial de nossa formação enquanto cidadãos e seres humanos, o norte americano Todd Bol desenvolveu o projeto Little Free Libraries (pequenas bibliotecas livres), em 2009.

As bibliotecas nada mais são do que pequenas caixas, que podem ser instaladas em qualquer lugar, garantindo que todo mundo possa ter acesso a um bom livro, sem precisar pagar nada. Um projeto simples, colaborativo e de uma importância imensa, que está sendo levado para diversos países e acaba de instalar sua 75.000 biblioteca, na cidade de Jenks – Oklahoma. Vivimetaliun

Editado via celular

Maior biblioteca de magia e ocultismo do mundo digitaliza seu acervo

da em 1957, a Biblioteca de Ritman, ou Bibliotheca Philosophica Hermetica, só foi aberta ao público em 1984. Seu fundador, Joost Ritman, começou a juntar livros raros sobre espiritualidade quando ainda era adolescente, iniciando com uma edição do século 17 de Aurora, do filósofo alemão Jakob Böhme. Vivimetalium

Em junho de 2016, Dan Brown, escritor e autor de livros como O Código Da Vinci e Anjos e Demônios e que havia feito várias pesquisas por lá durante seus processos criativos, anunciou uma doação de 300 mil euros para que a Biblioteca pudesse digitalizar seu acervo e tornar as obras acessíveis a um público maior. Vivimetalium

Veja também: Vida inteligente.; Fome; Homem e o diabo; Ser ou não ser.; Virtude, Flash na Biblioteca, Fome, Ser ou não ser.

Fim de bibliotecas em ônibus faz leitura despencar em SP

São Paulo – Em 1936, seu último ano como diretor do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo, o escritor Mário de Andrade questionou: em vez de esperar que o público fosse às bibliotecas, por que elas não vão ao público?

Holanda transforma igrejas em livrarias, cafés e casas de shows

http://www.techguru.com.br/com-44-da-populacao-de-ateus-holanda-transforma-igrejas-em-livrarias-cafes-e-casas-de-shows/

Essa transformação ocorreu porque as instituições religiosas não têm mais recursos para manter as construções e elas ficam cada vez mais vazias por lá. Afinal, a última pesquisa realizada no país indica que 44% da população são de ateus. Enquanto os católicos ocupam 28%; os protestantes, 19%; os muçulmanos, 5%, e os fiéis das demais religiões, 4% da população.

Editado via celular.

Biblioteca Web

Consulte enciclopédias e bibliotecas virtuais de todo o mundo

Portal Domínio Público – Lançado em novembro de 2004, propõe o compartilhamento de conhecimentos de forma equânime, colocando à disposição uma biblioteca virtual que deverá se constituir em referência para professores, alunos, pesquisadores e para a população em geral.

Bibliotheca Alexandrina – A Biblioteca de Alexandria está em processo de digitalização de seu conteúdo. A maior parte do material disponível está em árabe.

Encyclopaedia Britannica – Restrita ao ambiente virtual desde março de 2012, a enciclopédia oferece consultas ao conteúdo gratuitamente e também por meio de um serviço pago.

Biblioteca Nacional Digital de Portugal – O endereço virtual disponibiliza para consulta cerca de 24 mil obras em português e outras línguas.

Biblioteca Nacional Digital – A Bliblioteca Nacional tem um catálogo com mais de 25 mil itens digitalizados disponíveis para consulta.

Biblioteca Digital Mundial – Iniciativa da Unesco e da Biblioteca do Congresso dos EUA, o endereço virtual tem como propósito reunir conteúdo histórico de todas as regiões do mundo.

Projeto Gutenberg – Tem mais de 100 mil livros digitais que podem ser baixados e lidos em diferentes plataformas eletrônicas.

Biblioteca do Congresso dos EUA –A biblioteca digitaliza seu conteúdo desde 1994. No endereço estão disponíveis fotografias, manuscritos, mapas, filmes e gravações de áudio.

Wikipedia – Enciclopédia virtual mais famosa entre todas as listadas, reúne milhões de artigos em idiomas em inglês, francês e alemão e português.

Domínio Público – No ar desde 2004, reúne mais de 200 mil obras em português entre textos, imagens, vídeos e arquivos em áudio que – como o nome sugere – caíram em domínio público.

Perseus Digital Library – O projeto é especializado em material das culturas greco-romanas, mas também possui conteúdo de outros períodos históricos.

Open Library – Projeto que ambiciona criar uma página na internet para cada livro já publicado no mundo, já tem um acervo com 20 milhões de itens.

Internet Archive – Integrante da Open Library, é um projeto que tem como proposta armazenar todos os sites do mundo desde 1996.

Veja também: Consumo colaborativo, Livro suspenso, Curupira, Flash na Biblioteca, Hoje., Art.sy, Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz – UMAPAZ, Em progresso, Casas de Mediação, Ministério da Saúde, Princípio do ou não, 3º opção