Fiat: Italy’s First Car

Leonardo da Vinci ideated the predecessor of modern automobiles. He was the first to think in concrete terms of a modern-era automobile. Then in 1769, Nicolas-Joseph Cugno invented the steam dray. The invention of this steam machine was the beginning of the history of motorization. Three decades later in 1807, François Isaac de Rivaz presented the first prototype of an internal combustion engine. life in italy

Most think immediately of Ferrari when they think of Italian cars —and rightfully so— Ferrari is considered the king of luxury sports cars. If you have ever driven one you understand why it deserved such a title! VIRTUALLITTLEITALY.COM

Italian cars, however, had much humbler beginnings, Fiat played an important role in the development of the Italian auto industry. Fiat was the first to manufacture cars in Italy, they recorded very close to the beginning of the automobile industry in 1899.

The name Fiat is an acronym F.I.A.T. stands for Fabbrica Italiana Automobili Torino, which means: Italian Automobile Factory of Turin, in 1900 the factory opened in Turin with 150 workers, and so did the first model, it was the 3 ½ CV — which can be seen in some private collections and car museums.

But it wasn’t until the 1850s that the development of the modern car reached a turning point. Thanks to Nicolò Barsanti

In 1859, he succeeded in patenting their engines in England, France, Belgium, Prussia and Piedmont. Although Italy was not yet unified. So it could not guarantee the protection of an international patent. The construction began in 1860 at the mechanical workshops of Pietro Benini in Florence.

Nascido a 24 de agosto de 1881 na pequena vila de Fobello, nos arredores de Turim, era o filho mais novo de um “oriundi” que tinha feito fortuna na Argentina, para regressar a Itália e fazer uma fábrica de sopas. Com jeito para os números, de inicio pensou ser contabilista, mas depois apaixonou-se pela engenharia, especialmente pela novidade que era o motor de automóvel.

Em 1898, aos 17 anos, tornou-se contabilista de um importador de bicicletas, Giovanni Battista Ceirano, onde nas horas livres, aprendia o oficio da engenharia, bem como o design e construção de máquinas. Com o tempo, aprendeu o suficiente para fazer reparações mecânicas quer em bicicletas, quer no novo brinquedo da alta sociedade. No ano seguinte, Ceirano e a sua empresa virou a Fiat e Lancia tornou-se num dos seus empregados, nomeadamente, inspector dos veículos que iam para a estrada.

Italian Cars History: Aquila Italiana 1912

FIAT (Fabbrica Italiana Automobili Torino) was born on July 11th, 1899. Its first model was the Fiat 3 ½ HP in 1899. The manufacturer produced just eight units. But at the end of 19th Century

As suas qualidades impressionaram os patrões e aos 19 anos, era o principal piloto de testes da marca, e no ano seguinte, seria piloto da marca nas competições em que participava. Em 1900, na segunda corrida em que participou, o Torino-Sassi-Superga, terminou como vencedor, dando a primeira vitória de sempre à marca de Turim.

A few years later Fiat achieved the first of many victories in car racing. Thanks to Vincenzo Lancia, winning the Torino Sassi-Superga in 1902.

In 1902 with a 24-horsepower Fiat, Vincenzo Lancia won the Sassi-Superga uphill race. Fiat continued to make a name for itself in the racing world and in 1908 it opened a factory in the USA, at that time Fiat was considered a luxury car only for the rich. LA BELLA VITA

Um piloto forte e determinado, que se tornou um construtor por mérito próprio e uma pessoa influente na história dos automóveis em Itália, um dos primeiros nomes automobilísticos que a Itália teve. A sua carreira não foi longa como corredor, mas teve a força suficiente para se tornar um construtor e fazer da sua marca uma das mais duradouras em Itália e ter nome no automobilismo até aos dias de hoje. Continental Circus

In 1905 the “Aquila Italiana” (Italian Eagle) opened in Turin. The engineer Giulio Cesare Cappa mounted a new prototype of engine on an automobile.The prototype marked the evolution of future four wheel models. In fact, it was the first to adopt important engineering solutions, such as the use of ball bearings for surfaces subject to friction. Plus the piston alloy and the use of the pedal clutch to initiate the ignition.

Lancia mostrou-se como um piloto veloz, normalmente o mais veloz de todos os seus concorrentes, mas as suas máquinas normalmente não conseguiam acompanhar o seu ritmo e destruíam-se pelo caminho, por isso que não alcançou a vitória em três provas importantes: a Taça Gordon Bennett de 1905, a Targa Flório de 1906 e o primeiro Grande Prémio de França, no mesmo ano. Contudo, já tinha feito nome em Itália, quando venceu a Coppa Flório de 1904.

Em 1906, aos 25 anos, funda a marca com o seu próprio nome, apesar de continuar a guiar pela Fiat por mais dois anos, até começar a construir os seus próprios automóveis, como o Alfa 12HP, vendendo mais de cem exemplares, alguns deles servindo para corrida. Em poucos anos, outros modelos sucederam-se, e Lancia dedicou-se mais aos negócios do que à competição.

Lancia was opened in Turin in 1906 by the famous Fiat driver Vincenzo Lancia, who, together with Claudio Fogolin, founded the company called Lancia & C. The company logo design was entrusted to Count Carlo Biscaretti di Ruffia, a big fan of the motorsports (who later founded the homonymous car museum). The first model produced was the Lancia 12HP in 1908. Vincenzo’s brother Giovanni suggested using Greek letters to name the different models, and the Lancia Alfa was born, selling 108 models. Able to reach speeds up to 90 kmh (56mph), the Alpha had a 28hp 2544cc engine with a shaft drive instead of the more popular chain, and without a doubt was a really attractive car.

And on April 5, 1908, won first place in the straight section race at Padova-Bovolenta, and two years later earned “best performance in class”. Also in 1908 during its first year of racing activity, Lancia obtained two important victories in the U.S., thanks to William Hilliard. The first was placing third overall at the Meadowbrook Sweepstakes in Long Island on October the 10th; the second was on November the 25th , when Lancia won The International Light Car Race of the Automobile Club of America.

Alfa Romeo was founded on June 24, 1910 under the name A.L.F.A. (Anonima Lombarda Fabbrica Automobili). Like Lancia, the name again recalls the Greek alphabet, but this time Alfa wished to express the beginning of a new type of automobile, cars especially built to be sports cars.

In 1914, after the murder of Archduke Francesco Ferdinando in Sarajevo, Austria declared war on Serbia. Indeed, it was the beginning of World War I. And yes, it affected the development in the history of Italian cars.

Most European car companies had to convert their production to something more lucrative. Of course, it was warfare. At the end of WWI, the industry re-converted to civil vehicles. While Italians were trying to return to everyday life, a new struggle was born. In 1919, Benito Mussolini founded the “Fasci Italiani di Combattimento”. Later in 1922, Mussolini’s party marched on Rome. Hence Fascism was born.

Se Lancia em público era um homem perfecionista com os seus carros, em privado, era um “bonvivant”. Amante da boa comida e da ópera (especialmente Richard Wagner). Apesar de tudo, a sua dedicação à empresa é tal que se casa tarde, aos 41 anos, com a sua secretária, Adele Miglietti, tendo três filhos, entre eles Gianni Lancia. Ao longo dos anos, para além da sua marca, torna-se apoiante do automobilismo no seu país. Torna-se num dos apoiantes da construção do Autódromo de Monza, em 1922, e é um dos fundadores da casa de design Pininfarina, em 1930.

Italian Car history: Fiat 509 Coupe 1925

Senator Giovanni Agnelli wasn’t one to think small. He created the Lingotto, aka the factory. In 1925, it produced a new model the Fiat 509. In one year, it sold over 90000 units. The poet Gabriele D’annunzio compared the 509 to a woman. The poet said they both had grace, slenderness, and the vitality of a femme fatale. In 1932, Fiat launched the “Fiat 508 Balilla”, replacing the 509.

So, in 1928, Lancia birthed the “Dilambda”. Dilambda’s engine was an 8-cylinder V 24° with a maximum power output of about 100hp. About 1700 Dilambdas units sold. But, tellingly, the exit of the car coincides with the collapse of Wall Street and the ensuing financial crisis, and that the Dilambda’s selling price was prohibitive in 1931, costing 58,000 Lire, while later, an Artena would cost 24.500 Lire.

The Pininfarina company was born in Turin on May 22, 1930 thanks to Battista Farina. In the first years of production until the outbreak of World War II, the company became known for its craftsmanship of a small number of special bodyworks designed for Alfa Romeo, the Hispano-Suiza, the Lancia, and the FIAT. Of course, today the Pininfarina brand is international.

Furthermore, in 1931, the Artena and Astura replaced the Lambda and the Dilambda. The Astura became the official government transport for high dignitaries of Mussolini’s regime. Mussolini himself loved the Astura and had a custom 1939 Lancia Astura designed by Pininfarina in which he paraded several times through fascist Italy streets.

Italian Cars: Lancia Lambda 1926

On the Italian side, in 1936, Fiat sold the new Fiat 500. A true icon in the history of Italian cars.

Vincenzo Lancia morre a 15 de fevereiro de 1937, aos 55 anos, vitima de ataque cardíaco. Foi enterrado no mausoléu da família, em Fobello.

Enzo Ferrari drove for Alfa Romeo. But the real birth of Ferrari is on September 1, 1939, when Enzo Ferrari founded the “Auto Avio Costruzioni”. The “Auto Avio Costruzioni” later became the “Scuderia Ferrari” -in 1947.

Palavras Perdidas: Fiat 147 a álcool, 40 anos., Porsche, Fusca: a volta dos que não foram., Koenigsegg and Pinchcliffe Grand Prix, Fusca de Lego, DeLorean elétrico, Lamborghini Countach LPI800-4

Maria Montessori

Maria Montessori, a criadora do método pedagógico que leva seu nome, era uma mulher de caráter enérgico, cujo nascimento completou 150 anos em 31 de agosto, projetou seu revolucionário sistema educacional para ajudar crianças confinadas em hospícios, crianças presas em reformatórios, as crianças mais pobres e desfavorecidas. Irene Hernández Velasco – BBC News Mundo

Hoje, paradoxalmente, as beneficiadas com seu método são principalmente famílias ricas, capazes de arcar com as altas despesas para seus filhos estudarem em uma das 65 mil escolas montessorianas que existem no mundo e que recebem uma educação exclusiva e potencialmente melhor do que a tradicional.

Um fato é que os criadores da Amazon (Jeff Bezos) e Google (Sergey Brin e Larry Page), todos eles hoje multimilionários, estudaram em escolas que seguem o método Montessori.

Montessori tinha 28 anos quando, em 1898, começou a visitar um hospício em Roma e contemplou, horrorizada, como os pequenos internados naquela instituição eram tratados de forma absolutamente desumana, praticamente como animais. Alguns romanos iam ao local para atirar comida para as crianças, como faziam com animais do zoológico.

Vestidas com aventais sujos e esfarrapados, deixadas à própria sorte, essas crianças eram chamadas de “retardadas”, “deficientes” ou simplesmente “idiotas”. Entre elas estavam crianças com deficiência mental, epilépticas, cegas, surdas e autistas, que eram vistas como incuráveis.

Ela já havia visitado bairros pobres de Roma como médica voluntária (ela foi a terceira mulher em Roma a se formar em Medicina). Também havia ido ao reformatório, e ficou tão escandalizada quanto no hospício quando viu o abandono das crianças confinadas.

Com base nisso, ela moldou um método didático revolucionário para a época. Um método baseado em confiar nas crianças.

Os pequenos, disse Maria Montessori, não devem ser perseguidos, forçados ou dirigidos. Nem recompensados, nem punidos, nem mesmo corrigidos. Devem ser respeitados e, sem interferência, liberados em um ambiente em que tudo (espaço, móveis, objetos) esteja sob medida.

Ao defender o respeito às necessidades e aos interesses de cada estudante, de acordo com os estágios de desenvolvimento correspondentes às faixas etárias, Montessori argumentava que seu método não contrariava a natureza humana e, por isso, era mais eficiente do que os tradicionais. Os pequenos conduziriam o próprio aprendizado e ao professor caberia acompanhar o processo e detectar o modo particular de cada um manifestar seu potencial. Márcio Ferrarinovo escola

“Sigmund Freud descobriu o inconsciente; Albert Einstein, a relatividade; e Maria Montessori, a criança. Seu pensamento inaugurou uma nova era e muitas das coisas que consideramos naturais hoje, como respeito pelas crianças e escola democrática, são fruto das suas ideias”, diz à BBC News Mundo Cristina de Stefano, autora da biografia de Maria Montessori.

“Foi ela quem explicou que a criança é uma criatura com um cérebro muito poderoso, capaz de se concentrar muito e até se autoeducar, desde que seja respeitada desde o início e tenha permissão para trabalhar, tanto na família como na escola, no seu próprio ritmo”, acrescenta De Stefano.

Por causa dessa perspectiva desenvolvimentista, Montessori elegeu como prioridade os anos iniciais da vida. Para ela, a criança não é um pretendente a adulto e, como tal, um ser incompleto. Desde seu nascimento, já é um ser humano integral, o que inverte o foco da sala de aula tradicional, centrada no professor. Não foi por acaso que as escolas que fundou se chamavam Casa dei Bambini (Casa das crianças), evidenciando a prevalência do aluno. Foi nessas “casas” que ela explorou duas de suas ideias principais: a educação pelos sentidos e a educação pelo movimento.

A biografia, intitulada Il bambino è il maestro: Vita di Maria Montessori (A criança é a professora: Vida de Maria Montessori, em tradução livre), levou cinco anos de pesquisa.

Foi em 1907 que Maria Montessori abriu em San Lorenzo, então um dos bairros mais pobres de Roma, sua primeira escola: a Casa das Crianças. A partir daí, em alguns anos, seu método daria a volta ao mundo e a tornaria uma pessoa famosa.

Foi em 1907 que Maria Montessori abriu em San Lorenzo, então um dos bairros mais pobres de Roma, sua primeira escola: a Casa das Crianças. A partir daí, em alguns anos, seu método daria a volta ao mundo e a tornaria uma pessoa famosa.

Hoje, entretanto, muitas escolas Montessori estão em áreas abastadas e custam uma fortuna.

“É uma contradição. Um método que nasceu em um bairro pobre de Roma e que foi pensado com base na inclusão, para ajudar as crianças em dificuldade, tornou-se um método para os ricos”, disse Cristina de Stefano.

“Sem dúvida é um paradoxo. Mas também é preciso dizer que nos países em desenvolvimento o método montessori é usado para ajudar, por exemplo, crianças que passaram por guerras. Ainda há pessoas que continuam aplicando seu método para ajudar crianças em dificuldade”, complementa.

Individualidade, atividade e liberdade do aluno são as bases da teoria, com ênfase para o conceito de indivíduo como, simultaneamente, sujeito e objeto do ensino. Montessori defendia uma concepção de educação que se estende além dos limites do acúmulo de informações. O objetivo da escola é a formação integral do jovem, uma “educação para a vida”. A filosofia e os métodos elaborados pela médica italiana procuram desenvolver o potencial criativo desde a primeira infância, associando-o à vontade de aprender – conceito que ela considerava inerente a todos os seres humanos.

O método Montessori é fundamentalmente biológico. Sua prática se inspira na natureza e seus fundamentos teóricos são um corpo de informações científicas sobre o desenvolvimento infantil. Segundo seus seguidores, a evolução mental da criança acompanha o crescimento biológico e pode ser identificada em fases definidas, cada uma mais adequada a determinados tipos de conteúdo e aprendizado.

Mas essa não é a única incongruência relacionada a Maria Montessori. A mulher que dedicou sua vida às crianças, que nos ensinou a respeitá-las e valorizá-las, não foi a responsável por criar seu próprio filho.

Ela havia iniciado um relacionamento amoroso com um colega médico, Giuseppe Montesano. Era uma relação livre, sem vínculos.

A ideia do casamento não entrou nos planos de Montessori porque ela não acreditava na instituição do casamento e porque naquela época uma mulher casada não podia trabalhar fora de casa sem a autorização do marido.

Mas um dia, no final de 1897, Montessori descobriu que estava grávida de Montesano. Ela sabia que um filho fora do casamento encerraria sua carreira.

As duas famílias concordam que ela daria à luz em segredo. E quando em 31 de março de 1898 nasceu um menino, Mario, eles o registraram como filho de pai e mãe desconhecidos e o entregaram a uma enfermeira para criá-lo em Vicovaro, a 45 quilômetros de Roma.

Montesano e Montessori concordaram que os dois cuidariam da criança à distância. E também concordaram que nenhum dos dois jamais se casaria. Ela manteve o acordo, mas ele, não.

“Quando Montesano se casou com outra mulher e reconheceu a criança perante a lei como seu filho, Maria perdeu todos os direitos sobre a criança, que tinha 3 anos na época”, afirma De Stefano.

A emocionante biografia de Montessori tem outro ponto obscuro: sua colaboração, por exemplo, com o regime fascista de Benito Mussolini.

Mussolini ascendeu ao poder em 1922, iniciando um regime que desmantelou instituições democráticas italianas e se converteu em totalitário em 1925. Ele fora professor durante a juventude. E sonhava em fazer das escolas italianas uma fábrica de pequenos fascistas, de jovens disciplinados e obedientes.

Ela e Mussolini se encontram várias vezes e começaram uma estranha colaboração que durou dez anos. Até que, em 1933, profundamente decepcionada ao ver que Mussolini não cumpriu suas promessas de transformar as escolas italianas de acordo com seu método pedagógico, Montessori decidiu romper qualquer relação com o fascismo.

Mas essa mancha em sua biografia cobrou seu preço: ela foi indicada três vezes ao Prêmio Nobel da Paz, mas nunca ganhou.

Eduze-se: Índio Educa, A Educação Proibida, Outras famílias, Brincadeiras ao ar livre, Dia da baderna, Um sonho, Elisa de Oliveira Flemer e o Homeschooling, Jovens chineses minimalistas!, Capitão Fantástico

Você aprendeu errado na escola

A História é um conjunto de mentiras sobre as quais se chegou a um acordo.

Napoleão Bonaparte – Pensador

1) DOM JOÃO VI ERA UM BOBÃO

2) A DECLARAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA FOI UMA CENA MAGISTRAL

3) CANUDOS ERA UMA COMUNIDADE IGUALITÁRIA

Todo o homem luta com mais bravura pelos seus interesses do que pelos seus direitos.

Napoleão Bonaparte – Pensador

4) MANIPULAÇÕES INGLESAS CAUSARAM A GUERRA DO PARAGUAI

5) LAMPIÃO DEFENDIA OS POBRES

6) O CARNAVAL É UMA FESTA POPULAR ESPONTÂNEA

Um líder é um vendedor de esperança.

Napoleão Bonaparte – Pensador

7) O MILAGRE ECONÔMICO NÃO BENEFICIOU O PAÍS

8) OS CARA-PINTADAS DERRUBARAM COLLOR

9) OS GRUPOS CONTRA A DITADURA QUERIAM UMA DEMOCRACIA. Mundo estranho

Enxergue mais: NEGUINHO DA BEIJA-FLORSANDUÍCHES SEM PÃOARROZ BASMATI COM GENGIBRE, LENTILHAS E CEBOLA CARAMELIZADANAARA BEAUTY DRINK!!!BRAZILIANIZE YOURSELF!DIA MUNDIAL DO ROCK (SÓ NO BRAZIL)EMVBE MY EYES APPMERCADÃOINSTANTLY AGELESS ™POBRE É “SUB-RAÇA”ÍNDIO EDUCA,, VIDACELL®CAMPANHA RECOLHE ÓLEO DE FRITURA PARA FABRICAÇÃO DE BIODIESELPIB???O BOM MOÇO DO BRASILSÉRIE URNA ELETRÔNICA, RESERVE™IDONEIDADE MORAL E SOCIALANIVERSÁRIO DA REVOLUÇÃO DE 1964