Mapa do envenenamento de alimentos no Brasil

O atlas de envenenamento, um trabalho de geografia que mapeou o nível de envenenamento dos alimentos produzidos no Brasil, lançado em Berlim, Alemanha, país que sedia as maiores empresas agroquímicas do mundo: a Bayer/Monsanto (incorporada pelo grupo Bayer) e a Basf, que dominam a produção de toda a cadeia alimentar – sementes, fertilizantes e agrotóxicos.

Fotomontagem: Moisés Dorado

O atlas Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia apresenta informação sobre o elevado índice de resíduos agrotóxicos permitidos em alimentos, na água potável, e que, potencialmente, contamina o solo, provoca doenças e mata pessoas. A obra, que já foi publicada no Brasil, é de autoria da geógrafa Larissa Mies Bombardi, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.O Brasil é campeão mundial no uso de pesticidas na agricultura, alternando a posição dependendo da ocasião apenas com os Estados Unidos. O feijão, a base da alimentação brasileira, tem um nível permitido de resíduo de malationa (inseticida) que é 400 vezes maior do que aquele permitido pela União Europeia; na água potável brasileira permite-se 5 mil vezes mais resíduo de glifosato (herbicida); na soja, 200 vezes mais resíduos de glifosato, de acordo com o estudo, que é rico em imagens, gráficos e infográficos. “E como se não bastasse o Brasil liderar este perverso ranking, tramita no Congresso nacional leis que flexibilizam as atuais regras para registro, produção, comercialização e utilização de agrotóxicos”, relata Larissa.

Segundo a geógrafa, as perdas não se limitam à contaminação de alimentos e dos cursos d’água. O atlas traz informações de que, depois de extensa exposição aos agrotóxicos, ocorrem também casos de mortes e suicídios associados ao contato ou à ingestão dessas substâncias.

Mapa de intoxicação por agrotóxicos de uso agrícola (2007-2014)
O atlas Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia, em português, foi lançado no Brasil em 2017 e traz um conjunto de mais de 150 imagens entre mapas, gráficos e infográficos que abordam a realidade do uso de agrotóxicos no Brasil e os impactos diretos deste uso no País. A pesquisa que deu origem à publicação teve o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Jornal da USP


Geógrafa Larissa Bombardi, autora da pesquisa que deu origem ao atlas da Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

Mais informações: Larissa Mies Bombardi, larissab@usp.br ou pelo telefone (11) 3091-3769. Atlas versão em português Atlas versão inglês.
Veja também: Veneno ecológico para matar ratos., Ana Primavesi, Engenheira agrônoma., Agrotóxicos da mesa nossa de cada dia., Brasil: o mercado internacional dos agrotóxicos, Pés no chão, Suíça, veneno aqui não!!!, Monsanto, Opção de escolha?, Pai (de quem) trocinio!, Você é o que você come., Bolsa ruralista, quer que desenhe?, Manual sobre os usos de plantas amazônicas, Manual de Apicultura em Pequena Escala

Habitat III

A Habitat III, conferência da Organização das Nações Unidas (ONU) dedicada às cidades, vai explorar as possibilidades da agricultura urbana como solução para garantir a segurança alimentar, acontecerá de 17 a 20 de outubro, em Quito, capital do Equador. Aruna Dutt, da IPS/Envolverde. In: Outras Palavras

Enxergue mais: SP CIDADE LIMPALUMINESCE™ CELLULAR REJUVENATION SERUMINSTANTLY AGELESS ™23ª FEIRA INTERNACIONAL DO COOPERATIVISMO (FEICOOP)DIA INTERNACIONAL DO YOGALICITAÇÃO SUSTENTÁVELPRIVATIZAÇÃO DE PARQUES!?!HINO NACIONAL EM DIALETO TICUNAQUEENSTOWN – NOVA ZELÂNDIA

Neste Chão Tudo Dá

“O Roundup é o espelho do completo ignorante”. Ernest Gotsch

“Neste Chão Tudo Dá – semeando conhecimento e colhendo resultados”.

Documentário realizado em 2008. Como registro de uma viagem à Bahia, o filme fala sobre o pensamento e o trabalho desenvolvido pelo pesquisador e agricultor suiço Ernest Gotsch, que transformou, por meio da prática agroflorestal, uma área de solo pobre em um dos locais com o solo mais fértil do estado. Por meio do contato com essa prática, alguns agricultores rurais começaram a aprimorar suas técnicas agrícolas e melhorar a qualidade de vida de suas famílias. Tv Escola

Veja também: Comer faz bem, Instituto Pindorama, voluntariado., Financiando árvores, Ana Primavesi, Engenheira agrônoma., Clima louco?, O Amaranto Inca Kiwicha invade plantações de soja transgênica da Monsanto nos Estados Unidos, Infinito paralelo, Repo man, Steve’n’Seagulls, Hortas e temperos, Minhocário., Manual de agricultura urbana

Instituto Pindorama, voluntariado.

O Instituto Pindorama é uma organização independente e sem fins lucrativos (ONG) com sua sede em Nova Friburgo – RJ registrada desde 2004, localizados em uma propriedade rural de 480.000m² de área verde, cercado pela Mata Atlântica. Buscamos oferecer uma oportunidade para aquelas pessoas que estejam preparadas para uma vida simples com pensamento elevado, trabalho abnegado e silêncio à noite, mantendo um ambiente com muita harmonia que proporciona um crescimento espiritual, auto-conhecimento e clareza mental para adquirir novos hábitos e conhecimentos em tecnologias não-convencionais. Aqueles que não podem permanecer por pelo menos 14 dias no Instituto podem optar pela opção de Visitante. Atualmente estamos buscando candidatos para preencherem as seguintes vagas:

Serviços Gerais – Disponibildade para permancência mínima de 14 dias
– Não é necessária experiência prévia, idade mínima 18 anos
– Receberá treinamento em diversas funções
– Prática em limpeza geral (banheiros, cozinha, varrer, aspirador de pó, lavar roupas de cama, etc)

Marceneiro/Bambuzeiro – Desejável prática em movelaria com madeira ou bambu
– Disponibildade para permancência mínima de 14 dias

Bioconstrutor – Desejável prática em construções convencionais ou bioconstrução
– Disponibildade para permancência mínima de 14 dias

Permacultor – Desejável prática em agricultura orgânica, agrofloresta ou permacultura.
– Desejável prática no uso de roçadeira e motoserra e utensílios agrícolas (enxada, foice)
– Necessário possuir condicionamento físico para tarefas de esforço
– Disponibildade para permancência mínima de 14 dias

Assistente Geral e Cozinheiro – Prática em cozinha vegana ou viva
– Deve ter Carteira de Motorista a pelo menos 1 ano
– Prática com internet e tarefas de secretaria (atender telefone, responder emails)
– Disponibildade para permancência mínima de 14 dias

O QUE O INSTITUTO OFERECE AOS VOLUNTÁRIOS

1 – Prática diária de Yoga e Meditação e 1 Suco Vivo pela manhã
2 – Três refeições veganas diárias (alimentos cozidos e vivos)
3 – Aulas de culinária vegana e Alimentação Viva
4 – Acesso à internet durante 30 minutos por dia após o expediente
5 – Acomodação em dormitório coletivo
6 – Treinamento em sua função (marcenaria, bioconstrução, agricultura orgânica, alimentação consciente)
7 – Certificado de Participação no Programa de Voluntariado
8 –Participação gratuita nos cursos que ocorrerem durante sua estadia
9 – Convivência em um local confortável em meio a exuberante Mata Atlântica

Diariamente praticamos Sivananda Yoga, Meditação e Satsangs com leituras dos textos de Paramahamsa Yogananda e Cantos Cósmicos.

A contra-partida dos Voluntários
Todos voluntários e visitantes que desejarem participar de nossa rotina comprometem-se com nossa política de tolerância zero com uso de álcool, canabis, ayhuasca e outras plantas enteógenas e devem se comprometer a participar das meditações da manhã e noite, aulas de yoga e serviços de leitura, além do compromisso usual com suas tarefas e horários de trabalho, recreação e de silêncio.

Como se candidatar
Os interessados devem preencher o formulário abaixo e enviar um curriculum para o email contato@pindorama.org.br

Veja também: Sucos verdes, Somos todos doadores, X-Maus, Ministério da Saúde, Catador de ministros, Miniusina de energia, José Mujica maconheiro?, Cultura da paz?, Rotina, Saudação ao Sol, Bicicleta emprestada!, Feliz dia do índio!!!, Brasileiro Reclama De Quê?