Na Natureza Selvagem (spoiler)

A vida começa a acabar no momento em que você entra na escola. Com sorte, depois dela você vai para a faculdade, mesmo que ainda não tenha a menor maturidade para escolher uma carreira. Com mais sorte ainda, depois da faculdade você vai arranjar um emprego, mesmo que ainda não tenha a menor condição de saber o que está fazendo ali. Então você vai passar os seus anos sonhando com férias e se aposentar quando a melhor fase da vida tiver ficado pra trás. O roteiro do que esperam de você já está pronto: casar, ter filhos, pagar as contas, tentar juntar algum patrimônio, pensar no seu futuro, pensar no futuro da sua família, pagar previdência, planos de saúde e seguro de vida. Paralelamente a isso tudo, você precisa aproveitar a vida, viver intensamente, aproveitar cada segundo, carpe diem, para não sentir que viveu em vão. Então você preenche o vazio com viagens, sexo, filhos, animais de estimação, comida, futebol, filmes, sei lá. E mesmo se conseguir fazer tudo isso, sempre vai aparecer alguém para dizer que você jogou a sua vida fora, que poderia ter feito muito mais, que é acomodado, fraco ou pouco ambicioso. A pressão só aumenta. Nunca fica mais fácil. Renato Thibes

“Na Natureza Selvagem” conta a história real de Christopher McCandless (Emile Hirsch), o jovem que fugiu de casa depois da formatura, em 1990, para viver como um andarilho pelos EUA sob o codinome Alexander Supertramp, até morrer no Alasca dois anos depois. Sua trajetória foi contada no livro de mesmo nome de Jon Krakauer e adaptada para o cinema por Sean Penn. Um road movie de grandes paisagens e muita contemplação, montado com flashbacks, recortes, narrações, improvisos, quebras da quarta parede e citações — ele abre com um poema de Lord Byron sobre amar mais a natureza do que o homem e depois são citados Tolstoi, Thoreau e Jack London. Medium

O cantor Eddie Vedder, que compôs toda a trilha sonora do filme e deu voz ao interior do personagem, disse em uma entrevista que Alexander talvez fosse a última pessoa no mundo a querer ver sua trajetória transformada em algo comercial e trivial, mas que o filme conseguiu capturar a visão simbólica que o garoto tinha e repassá-la de maneira comovente e verossímil, importando-se mais em contar a verdade do que apenas em vender ingressos. Laís Dias – Super interessante

Selvazem-se: Faça uma EvoluçãoGlobal Citizen FestivalIsolamento Domiciliar, Covid-19Nise – O Coração da LoucuraAssédio moral (bullying, manipulação perversa, terrorismo psicológico).Top 50 Cover Songs from MoviesA pele que habitoJay and Silent BobJosé Mojica MarinsBesourinha

A guerra do vintém

A guerra do vintém

Exploradas por militantes republicanos, manifestações contra taxa sobre transporte urbano tumultuam capital do Império e deixam mortos e feridos pelas ruas.
José Murilo de Carvalho

No dia 28 de dezembro de 1879, a capital do Império viu algo inédito desde 1863, quando o Brasil rompeu relações com a Inglaterra por conta da Questão Christie: a multidão protestando na rua. A manifestação aconteceu no campo de São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em frente ao palácio imperial. Cerca de cinco mil pessoas, lideradas por um militante republicano, o médico e jornalista Lopes Trovão, reuniram-se para entregar a d. Pedro II uma petição solicitando a revogação de uma taxa de 20 réis, um vintém, sobre o transporte urbano, ou seja, bondes puxados a burro. O vintém era moeda de cobre, a de menor valor da época. A polícia não permitiu que a multidão se aproximasse do palácio. Enquanto os manifestantes se retiravam, o imperador mandou dizer que receberia uma comissão para negociar.
(…)
O novo imposto e a taxa atingiram diretamente duas categorias, os funcionários públicos e os usuários de bondes. Em 1870, a capital tinha 192 mil habitantes na área urbana, dos quais 11 mil funcionários públicos, entre civis, militares e eclesiásticos, já que naquela época o catolicismo era a religião oficial do Estado. Havia quatro grandes companhias de ferro-carris urbanos, ou de bondes, como ficaram conhecidos: a Botanical Garden Co., que cobria a zona sul, saindo da rua Gonçalves Dias, a Cia. de São Cristóvão, concentrada na zona norte, com ponto final no Largo de São Francisco, a Ferro-carril de Vila Isabel, que partia da Praça Tiradentes, e a Cia. de Carris Urbanos, que atendia ao centro, incluindo a zona portuária.
(…)
Desse clima de insatisfação, tiraram vantagem os agitadores republicanos. Ao que parece, na demonstração de São Cristóvão estavam presentes, sobretudo, pessoas de melhor situação social, certamente muitos funcionários públicos. Na do dia 1º, teria entrado em ação a massa dos usuários mais pobres, acrescida da tropa barra-pesada do centro e da zona portuária. Não por acaso, os líderes do movimento perderam o controle da multidão nesse dia.

Embora legal, a taxa do vintém era profundamente impolítica, como se dizia na época. O ministro fora alertado para as possíveis reações. Mas Afonso Celso era tão competente quanto teimoso. Pagou por isso alto preço em 1880, como pagaria em 1889, por ocasião da proclamação da República. A reação da polícia foi infeliz em 28 de dezembro, ao não negociar a audiência com o imperador, e imprudente em 1º de janeiro. A do Exército, simplesmente desastrada.
(…)
Mas a revolta não foi republicana, afirmaram seus próprios líderes. Muitos interesses feridos nela se fundiram, de grandes e de políticos, de gente miúda e de simples cidadãos. Uma grande explosão social, detonada por um pobre vintém.

José Murilo de Carvalho é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), membro da Academia Brasileira de Letras, do IHGB e da Academia Brasileira de Ciências e autor de D. Pedro II: ser ou não ser. São Paulo: Cia. das Letras, 2007.

Veja também: Impostômetro, Pneu, Vasos e flores, Cantar, Mata Atlântica, Miniusina de energia, Água mata?, Efeito Borboleta, DECLARAÇÃO IRPF 2012, Se sentindo só? Anúncios de solteiros., Todo Dia Era Dia de Índio

Reign Over Me

REINE SOBRE MIM – Título original: Reign Over Me (2007)

reign-over-me-vs-fahrenheit-911

Atores: Adam Sandler, Don Cheadle, Jada Pinkett Smith, Liv Tyler, Saffron Burrows, Donald Sutherland, Robert Klein, Melinda Dillon, Mike Binder, Jonathan Banks, Rae Allen, Paula Newsome, John de Lancie, Paul Butler
Gênero: Drama
Direção: Mike Binder
País de origem: EUA

Veja também: Inside Job, A onda, Terceira Onda, FORDISMO??, Planeta dos Macacos, Michael Moore, Xeque Monte, Por que falta água?, Ana Primavesi, Engenheira agrônoma., Viabilidade???, Carlos Marighella, Carta da Terra