TERRA DE MINAS (Land of Mine) – COMPLETO HD

Filme TERRA DE MINAS – COMPLETO HD. Clube Dahx

Um grupo de soldados alemães, outrora combatentes nazistas, recebem uma nova tarefa ao fim da Segunda Guerra Mundial. A missão consiste em escavar e remover com as próprias mãos 2 milhões de minas terrestres em “terras inimigas”, mesmo que alguns deles não tivessem sequer experiência na guerra. Rodrigo de OliveiraPapo de Cinema

Em 1945, na Dinamarca pós-Segunda Guerra Mundial e ocupação alemã, milhões de minas terrestres tornam perigoso o litoral do país. Os nazistas pensavam que uma invasão inimiga poderia se dar por lá e, portanto, prepararam o local para tal possibilidade. Com o combate terminado, oficiais dinamarqueses tinham de assegurar que sua terra estaria segura novamente. Para tanto, soldados alemães, prisioneiros de guerra, foram obrigados a desarmar tais bombas com suas próprias mãos, uma espécie de punição pelos horrores perpetrados pelo Terceiro Reich. Acontece que vários desses combatentes germânicos eram jovens demais, muitos deles nem haviam chegado ao conflito, de fato. O longa-metragem dinamarquês Terra de Minas, indicado ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira em 2017, conta a história de um pequeno batalhão que fez esse trabalho perigoso.

Na trama, acompanhamos o sargento Carl Rasmussen (Roland Moller) e seu verdadeiro asco por qualquer alemão que lhe passe na frente. Ele foi designado a comandar uma pequena equipe de soldados para limpar as praias da costa oeste da Dinamarca. O batalhão é bastante jovem, sendo grande o contingente de recém-ingressos nos pelotões nazistas. Isso, no entanto, não incomoda Carl, de início. Ele será duro, pois eles devem pagar pelos males da guerra em que participaram. Com o passar do tempo, no entanto, Carl começa a perceber que o que tem nas mãos são apenas garotos, muitos deles imaturos demais. O líder da equipe, Sebastian (Louis Hofmann), se mostra preocupado com o próximo, sempre tentando comunicar-se com o sargento da melhor forma possível. A maior vontade dos soldados é apenas voltar para casa. Mas, com o explosivo trabalho sendo realizado, é pouco provável que alguém retorne.

Por mais que existam filmes de guerra sendo produzidos todos os anos, ainda mais ambientados na Segunda Guerra Mundial, é impressionante como sempre é possível encontrar um ponto de vista ou um momento pouco explorado. No caso de Terra de Minas, essa história só poderia ser contada com um bom distanciamento de tempo e perspectiva, visto que aqui somos levados a torcer pelos jovens alemães. Nenhum crime pode ser pago com o tratamento brutal que eles recebem. Não sabemos o que eles fizeram durante o conflito, ou se foram ativos na guerra. Pela idade, tudo leva a crer que são inocentes. O diretor Martin Zandvliet, em seu terceiro longa-metragem de ficção, coloca o dedo na ferida, mostrando atitudes pouco abonadoras dos oficiais dinamarqueses da época.

O destaque do elenco fica para Roland Moller, como o sargento dinamarquês que enxerga a verdade através do seu ódio. Embora a mudança pela qual passa o personagem soe um tanto abrupta e artificial, Moller consegue nos conduzir bem por suas dúvidas e atitudes, entregando uma atuação corretíssima. A culpa da alteração de comportamento pouco convincente se deve mais ao próprio filme, curto demais para que possamos sentir o peso das ações do sargento o perturbando. Para alguém que até um dia antes deixava soldados passarem fome, a cordialidade que segue – mesmo com as mortes e as explosões que ocorrem – surge de forma estranha.

A Dinamarca é um país de cinematografia consistente, que invariavelmente acaba por emplacar títulos na categoria de Melhor Filme em Língua Estrangeira no Oscar. Com três vitórias ao longo da história da premiação (A Festa de Babette, 1987; Pelle, o Conquistador, 1988; e, mais recentemente, Em um Mundo Melhor, 2010), o país tem beliscado sua quarta vitória há um bom tempo, com títulos fortes como O Amante da Rainha (2012), A Caça (2013) ou Guerra (2015). Terra de Minas talvez não valha à Dinamarca sua quarta estatueta, mas é uma produção que consegue ir além do lugar-comum, não sendo apenas mais um filme de guerra.

Mineze-se: O Anjo de Auschwitz, A Educação Proibida, Um Homem Chamado Ove, Parenti Serpenti, Se Enlouquecer, Não se Apaixone, Observar e Absorver, I AM BRUCE LEE

Memória dos Campos

Em 1945, Alfred Hitchcock ficou em choque. O “mestre do suspense” ficou tão horrorizado ao ver as imagens da chegada das tropas aliadas aos campos de concentração, no fim da Segunda Guerra Mundial, que ficou uma semana sem conseguir voltar aos estúdios. Em seguida, empenhou-se na produção do filme, que editaria as imagens chocantes para mostrar aos alemães a dimensão dos horrores do Holocausto. Folha Social

Veja também: No gás, Mídia Ninja, Processo licitatório?, Mídia estão de luto, Atrás de mim!, Scoring drugs, Sua segurança?, Via Láctea pelo navegador, Terceira Onda, O mundo dos espertos, Brasileiro Reclama De Quê?, Homem e o diabo, Carta da Terra, Indivíduos perigosos, FORDISMO??, Vergonha alheia!!!, Individualidade fugaz, Cabo Jardim

Ouro de tolo

Ouro de Tolo – Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês…

Eu devia agradecer ao Senhor
Por ter tido sucesso
Na vida como artista
Eu devia estar feliz
Porque consegui comprar
Um Corcel 73…

Eu devia estar alegre
E satisfeito
Por morar em Ipanema
Depois de ter passado
Fome por dois anos
Aqui na Cidade Maravilhosa…

Ah!
Eu devia estar sorrindo
E orgulhoso
Por ter finalmente vencido na vida
Mas eu acho isso uma grande piada
E um tanto quanto perigosa…

Eu devia estar contente
Por ter conseguido
Tudo o que eu quis
Mas confesso abestalhado
Que eu estou decepcionado…

Porque foi tão fácil conseguir
E agora eu me pergunto “e daí?”
Eu tenho uma porção
De coisas grandes prá conquistar
E eu não posso ficar aí parado…

Eu devia estar feliz pelo Senhor
Ter me concedido o domingo
Prá ir com a família
No Jardim Zoológico
Dar pipoca aos macacos…

Ah!
Mas que sujeito chato sou eu
Que não acha nada engraçado
Macaco, praia, carro
Jornal, tobogã
Eu acho tudo isso um saco…

É você olhar no espelho
Se sentir
Um grandessíssimo idiota
Saber que é humano
Ridículo, limitado
Que só usa dez por cento
De sua cabeça animal…

E você ainda acredita
Que é um doutor
Padre ou policial
Que está contribuindo
Com sua parte
Para o nosso belo
Quadro social…

Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar…

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador…

Ah!
Eu que não me sento
No trono de um apartamento
Com a boca escancarada
Cheia de dentes
Esperando a morte chegar…

Porque longe das cercas
Embandeiradas
Que separam quintais
No cume calmo
Do meu olho que vê
Assenta a sombra sonora
De um disco voador…

Veja também: Carnaval é Perfeição!, RAUL SEIXAS OFICIAL FÃ-CLUBE, Clarice Lispector do Samba, Clara Nunes.Homem e o diabo, Quem é o povo?, Anestesia mental., De Quem é a Culpa?