Bolo de queijadinha

Nathaly Dias vai fazer um bolo de queijadinha super fácil. É perfeito para aquele lanche da tarde ou para vender para os amigos da faculdade/os colegas de trabalho na hora de levantar aquela grana extra, principalmente depois da quarentena. Faça hoje mesmo!

INGREDIENTES

  • 2 xícaras de açúcar
  • 500ml de leite
  • 395g de leite condensado
  • 4 ovos
  • ⅓ xícara de farinha
  • ¼ xícara de açúcar
  • 2 xícaras de coco ralado
  • 1 xícara de queijo parmesão ralado de pacotinho

INSTRUÇÕES

  1. Em uma panela, derreter o açúcar e caramelar uma forma de pudim. Reservar.
  2. No liquidificador, adicionar o leite, o leite condensado, os ovos, a farinha, o açúcar, o coco, o queijo e bater bem.
  3. Dispor a mistura na forma e levar ao forno preaquecido a 200 graus por, aproximadamente 30 minutos ou até que o palito saia limpo.
  4. Deixar esfriar, aquecer a forma para derreter o caramelo e desenformar.

Onde Investir o meu dinheiro? O tempo

Definir o tempo disponível para atingir os objetivos financeiros nos permite saber se estamos mais ou menos dispostos a correr riscos no investimento. Cadê Meu Tesouro

O 3ª fator que temos que considerar ao escolher o melhor investimento é o fator TEMPO. Para quando você pretende usar? Em quanto tempo o investimento vai ser retirado da aplicação?

Uma vez definido o tempo necessário para atingir os objetivos financeiros escolhemos investimentos com perfil de curto, médio ou longo prazo exatamente de acordo com esse tempo necessário.

Investimentos de longo prazo nos permite corrigir a rota permitindo correr mais riscos. Do outro lado prazo mais curto, sem tempo de correção, exige investimento com maior precisão de renda, ou seja, mais seguros e menor risco.

Se por exemplo dispomos de pouco tempo – daqui a 2 anos por exemplo, não queremos correr muito risco, afinal caso aconteça uma perda monetária não haverá tempo disponível para reverter esta perda.

Neste caso você pode estar querendo juntar dinheiro para trocar de carro, fazer aquela tão sonhada viagem, reformar a casa, a data do casamento esta sendo marcada, a festa de 15 anos da filha esta quase chegando.

O prazo de utilização do recurso é curto. O grau de risco que se deveria correr em relação a esse investimento é zero. Valores destinados à emergência e imprevisto devem ter aplicação para curto prazo.

Já ao contrário, se o prazo é longo – 5, 10 anos ou mais, há muito mais margem para arriscar permitindo em caso de perda, tempo para reverter e recuperar o valor.

Aqui estamos falando em investir principalmente para a aposentadoria, mas não só isso; pode até ser para pagar lá na frente a faculdade dos filhos menores, ou ainda quem esta no começo da carreira e considera no futuro construir uma família, ou ainda a realização de um sonho, um projeto maior como empreender.

Na tabela abaixo alguns exemplos de aplicações que melhor se encaixam em curto e longo prazo. Lembrando que em alguns casos a aplicação serve tanto para curto como longo.

Até aqui falamos que o tempo tem importância por causa do risco que a aplicação pode sofrer, ou seja, para prazo curto, riscos menores, e para prazo longo, riscos maiores.

Porém este não é o único fator que devemos considerar ao escolher o investimento considerando o fator tempo.

Verifique qual é a obrigação do tempo da aplicação. Existem alguns investimento que não podem ser retirados antes de um período X de aplicação, e se o fizer perde boa parte do rendimento, em alguns casos inclusive parte do capital investido.

Também é necessário verificar a incidência do IR, que varia conforme o tempo que o dinheiro fica na aplicação.

E por fim também a taxa de administração, que em alguns casos a depender do período que o recurso ficar disponível pode haver isenção.

Pesquise muito e faça comparações.

Os outros fatores a considerar que já vimos são:

Onde Investir o meu dinheiro? Os riscos.

Onde Investir o meu dinheiro? O perfil.

Onde investir o meu dinheiro? A Utilidade Marginal

Onde Investir o meu dinheiro? A diversidade

Onde Investir o meu dinheiro? A divisão

Roda Viva – Ailton Krenak – 19/04/2021

Roda Viva | Ailton Krenak | 19/04/2021

No Roda Viva, a jornalista Vera Magalhães recebe o ambientalista e escritor Ailton Krenak. Considerado uma das maiores lideranças indígenas do Brasil,

Ailton Krenak é filósofo, escritor, poeta e jornalista. Se dedica à defesa dos direitos indígenas desde a década de 80. Fundou a ONG Núcleo de Cultura Indígena, organizou a Aliança dos Povos da Floresta e é doutor honoris causa pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais.

Krenak nasceu na região do Vale do Rio Doce, uma área profundamente afetada pela atividade de mineração, uma das maiores ameaças aos povos indígenas, que também sofrem com as invasões das terras demarcadas e com a exploração da madeira. #RodaViva

Krenakze-se: Ailton Krenak: próxima missão do capitalismo é se livrar de metade da população do planeta, 20 ideias para girar o mundo – Ailton Krenak, Ailton Krenak, CONSTELAÇÕES INDÍGENAS, Society 5.0, Martírio

Os Atores do Controle Social da Sociedade

O Cidadão – Ações individuais

A Constituição Federal, no seu art. 5º, confere esse direito ao cidadão garantindo a livre manifestação do pensamento e assegurando a todos o acesso à informação (incisos IV e XIV). Escola Nacional de Administração PúblicaEnap

A disponibilização de informações pelos Portais de Transparência e a Lei de Acesso à Informação dão ao cidadão comum a oportunidade de buscar os dados sobre a eficiência dos gastos dos gestores e agir.

As descobertas que você fizer podem dar origem a compartilhamentos nas redes sociais, a propostas de melhoria na gestão e, caso necessário, a denúncias aos órgãos de controle. As matérias da imprensa podem acelerar o processo de mudança.

A Sociedade – Manifestações coletivas

A Constituição Federal, no seu art. 5°, inciso XVI, garante o direito de se reunir, para fins pacíficos, em locais abertos. Com base nela as manifestações coletivas não podem ser proibidas.

As redes sociais, os portais de abaixo-assinado, como a AVAAZ, são espaços em que a sua manifestação, associada com a de outros internautas, ganha voz para ser ouvida pelas autoridades. Já exploradas para mobilização e participação social, mas ainda não muito usadas para o controle da gestão pública, as manifestações públicas acompanhadas da intensa movimentação social que ocorre nas redes sociais estão, sem dúvida, entre as principais ferramentas para o exercício da pressão popular sobre as autoridades responsáveis pela condução das políticas públicas, em todas as esferas e Poderes.

Grupos Sociais Organizados

Em seu artigo 5º, inciso XVII, a Constituição Federal afirma que é plena a liberdade de associação.

A liberdade de associação dá aos cidadãos a oportunidade de se associarem buscando interesses comuns. Os grupos se organizam por demandas comuns e buscam, por meio de sua atuação, chamar atenção para as pautas pelas quais lutam e mobilizar mais pessoas em torno delas.

O potencial da associação em grupos está em demonstrar que uma parcela expressiva está engajada em prol da solução de um problema “x”, o que pode despertar o interesse do poder público por resolver a questão.

O surgimento de iniciativas de grupos organizados atentos a observar o cumprimento do interesse público na aplicação dos recursos públicos é sinal de amadurecimento da nossa democracia, da nossa cidadania.

São vários os grupos que têm atuado em nível nacional, entre eles temos:

O controle social pressupõe a efetiva participação da sociedade, não só na fiscalização da aplicação dos recursos públicos como também na formulação e no acompanhamento da implementação de políticas. Um controle social ativo e pulsante permite uma maior participação cidadã, o que contribui para a consolidação da democracia em nosso país. Controladoria-Geral da União – CGU

Estimular o controle social implica incentivar a sociedade a participar da vida pública em todas as nuances, enfatizando o viver coletivo e a busca pelo bem-estar comum. É importante que os governos estimulem e fortaleçam a participação de uma multiplicidade de atores na gestão pública, pluralizando as vozes no espaço público e possibilitando a construção de uma Administração mais eficiente, aberta e democrática.

Atoreze-se: Controle Social, CIDADES DEMOCRÁTICAS, Código de defesa do usuário do serviço público da Prefeitura de São Paulo, Rotina, Você tem poder de possuir o que quiser!, O rapaz comprou um passarinho por $10 reais, Piauí autoriza produção de óleo de canabidiol, Chico Mendes, Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), Portal da Transparência

Todo maconheiro é vagabundo

“Eu fumo maconha desde os 15 anos. Eu estou com 54. Então já faz 39 anos.
Eu sempre tive um relacionamento bom com a maconha, ela nunca me deixou leso demais, nem alegre demais… Ela me deixa relaxado, feliz e pronto. Rafael Bahia – Claro
Mas já que você está entrevistando um neurologista, ouça bem: o problema é a frequência. Quanto mais maconha uma pessoa usa, mais embotada ela fica. Um amigo meu teve esclerose e botou uma prótese. O coitado fica tonto que nem um louco. Então, ele usa diariamente quatro, cinco baseados. Aí já não é uso recreativo.
Eu uso recreativamente. Que nem: ontem eu fumei, anteontem também. Amanhã já não vou fumar, nem segunda, nem terça… Geralmente, fumo de dia. Ontem, por exemplo: acordei umas 10h, era sábado, não tinha o que fazer, só umas coisas que são chatas para mim: dar uma olhada em uns papéis, preparar umas aulas… Fumei um e relaxei. Aí você se perde um pouco, ri, brinca, mas acaba produzindo e resolvendo aquilo.
Mas não uso droga no exercício da profissão. A maconha te deixa tão relaxado que como você vai atender uma pessoa, sendo médico ou qualquer outra coisa, e tomar uma conduta meio embotado com o reflexo da droga? Eu vou falar: ‘Muda de Gardenal para Tegretol’? Não tem como eu realizar o procedimento médico fumado!
Quando eu era residente e tinha supervisão, fumava. Na faculdade, vixe! Metade do que eu aprendi na faculdade foi usando maconha, e muita! Mas a partir do momento que você começa a exercer a profissão, não dá.
Isso depende do tipo de trabalho. Se você é artista e vai pintar um quadro, tranquilo. Mas no ato médico é complicado, você toma decisões que refletem na continuidade da vida de uma pessoa. Se eu fosse psicanalista, seria uma boa fumar para aguentar algum paciente chato por 45 minutos! (risos) Agora, num pronto-socorro, discutindo com residente, não dá! A maconha te tira a atenção.
Já fumei muito mais do que fumo hoje. Mas também já parei de fumar. Quando fui fazer residência médica, por exemplo, porque eu tinha que produzir e ganhar meu dinheiro. Então, percebi que eu ficava lento. Tem diferença de você usar maconha para outras drogas.
Quantas pessoas bebem todo dia e nem falam? O álcool é uma droga, cujo efeito cumulativo e destrutivo é muito mais complicado que o da maconha. E ele tem uma penetração diferente, mais aceitável, não enfrenta tanto preconceito. Mas é a causa mais comum de doenças, principalmente psiquiátricas. Tanto é que você tem CID* alcoólatra, mas não tem CID maconheiro.
Já ouviu falar de overdose de maconha? A pessoa pode usar maconha de forma aditiva com outros propósitos. Tenho amigos que fumam para contrabalancear o efeito da coca. Mas pense: se eu uso recreativamente a maconha, ela não me acompanha no lado profissional; se eu uso recreativamente o álcool, ele pode piorar meu lado profissional.
Eu não percebo que o uso dela tenha me trazido efeitos colaterais de longo prazo. Não tenho perda de memória. O problema, eu disse, é a frequência, o momento e a quantidade que você usa. É como tomar um cálice de vinho e tomar três; você fumar um baseadinho e fumar três…
Hoje em dia, talvez entre os usuários de droga tenha só uma pequena porcentagem de maconheiro. Acho que a molecadinha se embala tanto mais com bolinha, com droga momentânea, que com o ritual de fumar. É tudo sintético, é tomar comprimidinho e acabou.
Se eu vou numa balada hoje, chego para um monte de moleque e peço um baseado, vão me chamar de careta. Antigamente, isso tinha um outro viés. Quando minha mãe descobriu que eu fumava, quase me deu uma surra: ‘Meu Deus, meu filho é maconheiro!’
Depois eu cheguei a ouvir paciente dizer: ‘Quem dera se meu filho usasse só maconha’.
Entendeu?”

*CID – Classificação Internacional de Doenças

4:20-se: Cannabis, I’m around., Direito ao cultivo individual ou aceita um hamburger?, O pai da maconha medicinal moderna, Doenças que podem ser tratadas com Canábis Medicinal, Leite de Mamaconha, Uma Noite de 12 Anos

Dia Internacional da Maconha – Weed`s Day

Hoje, dia 20 de abril, grafado como 4/20 em inglês, é comemorado internacionalmente o Weed`s Day. Traduzindo, é o Dia Internacional da Maconha. Ou Pot Day, como é conhecido em outros países. A data sempre foi marcada pela realização de mobilizações, marchas e manifestações, cujas lutas se centram na descriminalização e na regulamentação da maconha a nível global. Sociedade Brasileira de Estudos da Cannabis (SBEC)

14249

Originária da região do norte do Afeganistão, a planta Cannabis Sativa, a maconha, é utilizada há aproximadamente 6.000 anos. O primeiro escritor a mencionar o uso do cânhamo em cordas e tecidos é Heródoto, um historiador grego que é considerado o pai da história. A fibra do cânhamo, presente no caule da maconha, foi muito utilizada nas cordas e velas dos navios gregos e romanos, e era usada também para fabricar tecidos, papel, palitos e óleo. ENTRETENIMENTOS

Há registros do uso medicinal de maconha desde a era de Assurbanípal, o último grande rei da Assíria, que morreu em 626 a.C., de acordo com relato histórico no livro Cannabinoids as therapeutic agents (Canabinoides como agentes terapêuticos), publicado em 1986 pelo bioquímico israelense Raphael Mechoulam. Também há registros no Egito antigo, na Grécia e na Roma antigas. O naturalista Plínio, o Velho (23-79 d.C.), da Roma Antiga, descreveu em detalhe o uso médico.

Da Idade Média ao século XIX os registros continuaram na Europa, na Índia e na Pérsia (atual Irã), na medicina tradicional chinesa. Com o uso generalizado, tanto do ponto de vista geográfico como em tipos de tratamentos, o surpreendente é que a partir do século XX tenha se tornado uma substância tão proibida nos países de cultura ocidental. Aconteceu por motivos principalmente políticos, com liderança norte-americana.

flor coracao vermelho São Paulo pode criar hoje o “Dia Municipal da Maconha Terapêutica”

Mas como surgiu o código 4:20? O que, dentro da cultura canábica, é um número usado para se referir ao ritual do uso da maconha, tem a origem em um mito da Califórnia. Por coincidência, um dos primeiros estados americanos a autorizar o uso medicinal (1996) e recreativo (2016) da maconha.

Segundo o jornalista Steven Hager, de uma das mais conhecidas revistas especializadas em cannabis, a High Times, o termo surgiu em 1971 na Califórnia com um grupo de adolescentes da San Rafael High School, uma espécie de confraria chamada “Os Waldos”. Eles se encontravam sempre às 4:20 pm (16:20) para fumar maconha perto de um muro, na parte externa da escola.

Em certa ocasião, os jovens, que já curtiam a erva, receberam um mapa de um trabalhador da guarda costeira que levaria a uma plantação de maconha em Point Reyes, próximo à São Francisco. Outra referência era que 4:20 era um código usado para se referir ao momento que eles deveriam se encontrar para sair em busca do tesouro nunca encontrado.

Uma outra crença comum é que 420 era a polícia da Califórnia ou o código penal para a maconha. Mas não há muitas evidências sobre essa teoria. Cannabis & Saúde

20 de abril ou 4/20: O Dia Mundial da Erva

Há também a versão de que existem 420 compostos químicos ativos na maconha, daí uma conexão óbvia entre a droga e o número. Mas esse número é, na verdade, superior a 500 – sendo mais de 100 canabinoides.

Segundo Steve Bloom, editor High Times, uma das primeiras publicações sobre a maconha nos Estados Unidos. o termo virou uma um código semiprivado, que os usuários de maconha vão encontrar por todos os lados. O número aparece até no filme Pulp Fiction, de Quentin Tarantino, no relógio de um dos personagens. BBC

Bom, seja como for, 4:20 se tornou universal símbolo da cultura canábica em todo o mundo. Em países onde o consumo adulto da Cannabis já está legalizado, festas e festivais são amplamente promovidos para celebrar o Dia da Maconha.

A promessa de contribuir para todos esses tratamentos tem gerado interesse na esfera acadêmica sobre a farmacopeia produzida pela planta Cannabis sativa. Uma busca na base de dados Pubmed revela um número quintuplicado de artigos científicos entre 2000 e 2019 sobre essa classe de substância. Na mídia, as menções também se tornaram mais e mais frequentes em anos recentes, assumindo ares de novidade apesar do histórico de uso que remonta a cerca de 2 mil anos. É por isso que a empresária Viviane Sedola, fundadora da empresa Dr. Cannabis e eleita pela High Times – revista norte-americana que defende a legalização da erva – como uma das 50 mulheres que se destacaram nessa área no mundo, qualifica a planta e seus derivados como uma novidade milenar. Em alguns países, como parte dos Estados Unidos, Uruguai e Canadá, a medida adotada foi liberar o uso medicinal da maconha – por vezes a própria erva a ser fumada –, uma decisão controversa. Nos Estados Unidos também está disponível uma profusão de preparados vendidos como suplementos alimentares, cremes para a pele, biscoitos que prometem acalmar bichos de estimação estressados ou com dor, entre outros. Maria GuimarãesRevista Pesquisa FAPESP

4:20-se: CANNABIS LIVRE DA ONU, A OMS removeu a maconha da categoria de drogas?, História da Maconha, Contrapropaganda sobre a Cannabis, Milton Friedman, Fibra de “maconha” na produção têxtil, Como enriquecer e educar licitamente falando!?!, Tabaco e álcool sim, Maconha não. Por que?!?, Luto, maconha mata!!!, Canadá Legalize

Cuaracy Ra’Angaba – O céu Tupi Guarani

Documentário Cuaracy Ra’Angaba – O céu Tupi Guarani. Portal EBC

Dirigido pela documentarista Lara Velho, que se dedica à divulgação científica através do audiovisual, e codirigido pelo professor Germano Bruno Afonso, pioneiro na pesquisa da etnoastronomia brasileira, o filme mostra a trajetória do físico e astrônomo, no resgate deste conhecimento, que sem o devido registro, pode se perder em apenas duas gerações.

‘Cuaracy’ em tupi-guarani quer dizer Sol. ‘Ra’angaba’ significa imagem. O documentário adota a contração destas duas palavras para batizar a produção “Cuaracy Ra’Angaba – O Céu Tupi-Guarani” que traz ainda relatos de pajés sobre o seu conhecimento da leitura do céu.

Céuze-se: Guarani Kaiowa, Resistência Guarani, Pico do Guarani, Mapa Guarani Digital – Lançamento, Eu sou Guarani Kaiowá, AGUYJEVETE, Vamos plantar água? , LITERATURA INDÍGENA: POR ONDE COMEÇAR?, Índio? No Brazil? Nunca existiu?!?

CONSTELAÇÕES INDÍGENAS

“Para nós, o sol e a lua são irmãos gêmeos que deram origem de tudo. É o princípio de tudo, assim temos que conhecer a origem, que é o mito do sol e da lua”, comenta Kerexu Yxapyry (Eunice Antunes), líder indígena da etnia Mbiá Guarani, que vive no Sul do país. Leyberson Pedrosa – EBC

A observação do céu esteve na base do conhecimento de todas as sociedades antigas, pois elas foram profundamente influenciadas pela confiante precisão do desdobramento cíclico de certos fenômenos celestes, tais como o dia-noite, as fases da Lua e as estações do ano. O indígena brasileiro também percebeu que as atividades de pesca, caça, coleta e lavoura obedecem a flutuações sazonais. Assim, ele procurou entender essas flutuações cíclicas e utilizou-as, principalmente, para a sua subsistência. Germano Bruno Afonso

A Etnoastronomia nos ensina que existem tantos seres no céu quanto os povos humanos podem observar, cada cultura tem um modo único de olhar o céu. JOSEANE PEREIRA – Aventuras na Historia

None

A observação do céu noturno e a utilização dos astros como forma de orientação no tempo e no espaço são partes dos conhecimentos de diversas civilizações do mundo inteiro. Povos como os Indígenas Guarani e os Aborígenes Australianos já utilizavam as estrelas para projetarem constelações e a associarem à passagem do tempo, épocas de plantio e colheita, períodos de chuvas e estiagem, calor e frio ou mesmo a mal presságios. Espaço Ciência

A visão indígena do Universo deve ser considerada no contexto dos seus valores culturais e conhecimentos ambientais. Esse conhecimento local se refere às praticas e representações que são mantidas e desenvolvidas por povos com longo tempo de interação com o meio natural. O conjunto de entendimentos, interpretações e significados
faz parte de uma complexidade cultural que envolve linguagem, sistemas de nomes e classificação, utilização de recursos naturais, rituais e espiritualidade.


Em 1612, o missionário capuchinho francês Claude d’Abbeville passou quatro meses com os Tupinambá do Maranhão, perto da Linha do Equador. No seu livro “Histoire de la Mission de Pères Capucins en l’Isle de Maragnan et terres circonvoisins”, publicado em Paris, em 1614, considerado uma das mais importantes fontes da etnografia dos Tupi, ele registrou o nome de cerca de 30 estrelas e constelações conhecidas pelos índios da ilha. Infelizmente, ele identificou apenas algumas delas.

Abaixo, listaremos algumas constelações indígenas que estão visíveis no céu. Você pode instalar algum aplicativo em seu celular para observar melhor. Algumas sugestões são o SkyMap, Star Walk 2, SkyView,  SkySafari e Stellarium. Depois compartilhe conosco o que você conseguiu observar, por meio de fotos, desenhos e descrições. Confira as constelações:

Via Láctea indios

Tapi’i rapé – Via Láctea

Tapi’i rapé significa Caminho da Anta, e era assim que os índios brasileiros conheciam os braços da Via Láctea. Seu nome (Caminho da Anta) pode até soar estranho, mas a Via Láctea, que é a maneira que conhecemos, também tem sua estranheza, afinal significa Caminho do Leite. De qualquer forma, tanto a cultura grega quanto a indígena sul-americana viam os braços da nossa Galáxia como caminhos (de alguma coisa). Para os povos indígenas, a Via Láctea também representa a morada dos deuses. Galeria do Meteorito

A Constelação do Veado ou Cervo do Pantanal – Guaxu (guarani)

A constelação do Veado é conhecida principalmente pelas etnias de índios brasileiros que habitam na região sul do Brasil, tendo em vista que para as etnias da região norte ela fica muito próxima da linha do horizonte.


Na segunda quinzena de março, o Veado surge ao anoitecer, no lado Leste, indica uma estação de transição entre o calor e o frio para os índios do sul do Brasil e entre a chuva e a seca para os índios do norte do Brasil.

Quando aparece totalmente no céu, anuncia a chegada do Equinócio de Outono no Hemisfério Sul, uma estação de transição entre o calor e o frio. Esse evento marca o Tempo Velho, que vai do início do outono até o início da primavera, para os índios Guarani.

A constelação do Veado fica na região do céu limitada pelas constelações ocidentais Vela (Vela) e Crux (Cruzeiro do Sul). Ela é formada utilizando, também, estrelas da constelação Carina (Carina) e Centaurus (Centauro).

Se você olhar na direção Sul, a partir das 18h, vai conseguir enxergar algumas estrelas que compõem esta constelação, que inclui algumas das que formam o que nós conhecemos como Cruzeiro do Sul e a Falsa Cruz, composta por estrelas das constelações Carina e Vela.

A Constelação do Homem Velho – Tuivaé (tupi) – Tuya’i (guarani)

Em relação à constelação do Homem Velho, d’Abbeville relatou: “Tuivaé, Homem Velho, é como chamam outra constelação formada de muitas estrelas, semelhante a um homem velho pegando um bastão”.


Na segunda quinzena de dezembro, quando o Homem Velho (Tuya, em guarani) surge totalmente ao anoitecer, no lado Leste, indica o início do verão para os índios do sul do Brasil e o início da estação chuvosa para os índios do norte do Brasil.


A constelação do Homem Velho é formada pelas constelações ocidentais Taurus e Orion.
Conta o mito que essa constelação representa um homem cuja esposa estava interessada no seu irmão. Para ficar com o cunhado, a esposa matou o marido, cortando-lhe a perna. Os deuses ficaram com pena do marido e o transformaram em uma constelação.


A constelação do Homem Velho contém três outras constelações indígenas, cujos nomes em guarani são: Eixu (as Pleiades), Tapi’i rainhykã (as Hyades, incluindo Aldebaran) e Joykexo (O Cinturão de Orion).


Eixu significa ninho de abelhas. Essa constelação marca o início de ano, quando surge pela primeira vez no lado oeste, antes do nascer do Sol (nascer helíaco das Plêiades), na primeira quinzena de junho. Segundo d’Abbeville, os Tupinambá conheciam muito bem o aglomerado estelar das Plêiades e o denominavam Eixu (Vespeiro). Quando elas apareciam afirmavam que as chuvas iam chegar, como chegavam, efetivamente, poucos dias depois. Como a constelação Eixu aparecia alguns dias antes das chuvas e desaparecia no fim
para tornar a reaparecer em igual época, eles reconheciam perfeitamente o intervalo de tempo decorrido de um ano a outro.


Tapi’i rainhykã significa a queixada da anta e anunciava que as chuvas estavam chegando, para os Tupinambá. Joykexo representa uma linda mulher, símbolo da fertilidade, servindo como orientação geográfica, pois essa constelação nasce no ponto cardeal leste e se põe no ponto cardeal oeste. Joykexo também representa o caminho dos mortos.

Na primeira quinzena de dezembro, quando ela surge totalmente no céu, anuncia a chegada do solstício de Verão. Este evento marca o meio do Tempo Novo para os índios Guarani. 

Para encontrar a parte desta constelação que estará visível, olhe na direção Noroeste a partir das 18h. Fazem parte dela estrelas das constelações ocidentais de Órion e Touro.

A Constelação da EmaLandutim (tupi) – Guirá Nhandu (guarani).

Em relação à constelação da Ema, d’Abbeville relatou: “Os Tupinambá conhecem uma constelação denominada Iandutim, ou Avestruz Branca, formada de estrelas muito grandes e brilhantes, algumas das quais representam um bico. Dizem os maranhenses que ela procura devorar duas outras estrelas que lhes estão juntas e às quais denominam uirá-upiá”. Ele chamou de Avestruz Branca a constelação da Ema, no entanto, a avestruz
(Struthio Camelus Australis) não é uma ave brasileira. A ema parece com a
avestruz, mas é menor e de família diferente.


Na segunda quinzena de junho, quando a Ema (Guirá Nhandu, em guarani) surge totalmente ao anoitecer, no lado leste, indica o início do inverno para os índios do sul do Brasil e o início da estação seca para os índios do norte do Brasil.

Quando ela surge totalmente no céu, anuncia a chegada do solstício de inverno. Esse evento marca o meio do Tempo Velho para os índios Guarani.

Para encontrar algumas estrelas que compõem essa constelação, basta olhar para a direção Sudeste a partir das 19h.  Fazem parte da constelação da Ema alguns astros que integram as constelações ocidentais do Cruzeiro do Sul e do Escorpião.

A Constelação da Anta do NorteTapi’i (guarani)

A constelação da Anta do Norte é conhecida principalmente pelas etnias de índios brasileiros que habitam na região norte do Brasil, tendo em vista que para as etnias da região sul ela fica muito próxima da linha do horizonte. Ela fica totalmente na Via Láctea, que participa muito nas definições de seu contorno, fornecendo uma imagem impressionante dessa constelação. Existem outras constelações representando uma Anta (Tapi’i, em guarani) na Via Láctea, por isso chamamos essa constelação de Anta do Norte. A Via Láctea é chamada de Caminho da Anta devido, principalmente, à constelação da Anta do Norte.


Na segunda quinzena de setembro, a Anta do Norte surge ao anoitecer, no lado Leste, indica uma estação de transição entre o frio e calor para os índios do sul do Brasil e entre a seca e a chuva para os índios do norte do Brasil.

A Constelação da Queixada da Anta – Tapi’i Rainhykã (tupi)

constelação de Tapi’i Rainhykã, que significa Queixada da Anta também simbolizava o início das chuvas para os tupinambás, no norte do país. Ela ocupa o espaço no firmamento que conhecemos como Hyades.

A Constelação da CobraMboi / Mboi Tatá (tupi)

A constelação que conhecemos como Scorpius é vista como uma cobra pelos índios, e é chamada de Mboi (cobra em guarani) ou Mboi Tatá (Cobra de fogo), popularmente conhecida como Boi Tatá (que por sua vez não tem nada a ver com boi), e sua cabeça começa com a estrela Antares.

Mboi Tatá é uma cobra de fogo de olhos brilhantes, que devora os olhos dos outros animais para que os seus se tornem cada vez mais reluzentes. Assim como Ema, Mboi também simbolizava o início do inverno e da estação seca.

A Constelação do Vespeiro – PlêiadesEixu (guarani)

Eixu significa “ninho de abelhas” ou “vespeiro” em guarani, e marca o início do ano, quando surge pela primeira vez no lado leste, antes do nascer do Sol (nascer helíaco das Plêiades). na primeira quinzena de junho. Segundo d”Abbeville, os índios conheciam muito bem a constelação de Eixu, e quando ela chegava, eles comemoravam a chegada da chuva, que vinha logo depois. Era com essa constelação que eles contavam os anos.

A Constelação de Joykexo

Joykexo representa uma linda mulher, símbolo da fertilidade na cultura indígena. Essa constelação servia como orientação geográfica, pois ela nasce exatamente no leste, e se põe exatamente à oeste. Joykexo, além de ser o símbolo da fertilidade, também representa o caminho dos mortos. Joykexo é representada pelas estrelas que formam o Cinturão de Orion,

A Constelação da CanoaYar Ragapaw (tenetehara)

constelação da Canoa (Yar Ragapaw em tenetehara, idioma dos índios da etnia Tembé) indica exatamente a posição do ponto cardeal norte. A constelação da Canoa se encontra da região das constelações ocidentais Ursa Maior e Leão Menor, e era conhecida principalmente pelos índios do norte e nordeste do Brasil, uma vez que ela se encontra muito baixa no céu quando vista a partir do sul do país. Portanto, quando ela surgia para os índios do norte e nordeste em meados de março, indicava tempo de chuvas.

A Constelação da Cobra GrandeMboi Guassu (tupi)

Segundo a mitologia indígena, a Cobra Grande (Mboi Guassu) acordou faminta e saiu em busca de alimentos, comendo os olhos dos animais e das pessoas que encontrava, e posteriormente se tornou a Mboi Tatá, que já é outra constelação. A constelação de Mboi Guassu é vista em Taipi’i rapé (Via Láctea).

A Constelação da OnçaYai (tukano)

constelação da Onça (Yai no idioma tukano) está dividida em cinco pequenas constelações, que seriam Yai siõkhã (estrela que ilumina a onça), Yai useka poari (bigode), Yai duhpoa (cabeça), Yai ohpu (corpo) e Yai pihkorõ (rabo).

Yai fica na região do céu onde encontramos as constelações de Cassiopéia, Andrômeda e Perseus. Infelizmente ainda não encontramos uma ilustração que mostrasse tal constelação, por isso, a imagem da constelação é apenas uma especulação de sua forma. Por outro lado, a região do céu está correta.

A Constelação Caminho da Cruz ou Grande RelógioWirar Kamy (tenetehara)

A primeira constelação Wirar Kamy é o Caminho da Cruz, que representa um grande relógio/calendário para os índios do Brasil, pois ela começa a ser visível no mês de março, deitada no horizonte com a parte de cima apontando para o leste, indicando o ápice da estação das chuvas e o fim da semeadura. Os rios ficam altos fazendo a pesca mais difícil, os frutos silvestres se tornam raros, e as doenças tropicais como malária se proliferam, e por isso, essa é considerada a época mais difícil para os índios.

Passados três meses, o cruzeiro se encontra bem alto no céu de junho, indicando o início do período da seca, fartura de colheitas, fartura de banhos de rios, pescas, agradecimentos aos deuses e iniciação das moças da aldeia. Já em setembro, quando a constelação de Wirar Kamy se aproxima do horizonte oeste no início da noite, indica o ápice da estação seca e o início do plantio para o próximo ano.

A Constelação A Cruz dos MortosWirar Kamy (tenetehara)

A segunda constelação Wirar Kamy dos índios tenetehara é conhecida também como A Cruz dos Mortos. Ela se localiza na região do céu que conhecemos como Constelação de Orion, O Caçador. As estrelas conhecidas popularmente como Três Marias e a Nebulosa de Órion (M42) compõem essa constelação indígena. Ela nasce exatamente no ponto cardeal leste e se põe exatamente à oeste, percorrendo a linha equatorial, caminho dos mortos pela cultura indígena.

A Constelação da SiriemaAzim (tenetehara)

Quando Azim aparece na região alta do céu noturno, ela também indica o início da estação da seca, no mês de junho e julho. Ela encontra-se abaixo de Wiranu (constelação da Ema), onde encontramos as constelações ocidentais Coroa Austral, Telescópio, Sagitário e Escorpião. Um fato interessante dessa constelação é que algumas partes que a constituem (como o bico), são na verdade manchas claras e escuras da Via Láctea.

Siriema possui um penacho em sua cabeça, e os índios Tembé dizem que na constelação, a Siriema carrega seus dois ovinhos para que a Ema, a comedora de ovos, não os devore.

A Constelação do Beija-FlorMainamy (tenehara)

Conta a lenda que o chefe dos beija-flores (Mainamy) vê um lugar chamado Karu-Peahary, que era um lugar seco e sem água. E assim, a deusa Mayra com todos os beija-flores fez um poço para saciar a sede de Mainamy, que é representado pela região que encontramos a constelação ocidental de Corvo. Ela se encontra muito alto no céu entre o norte e o sul, e surge no mês de maio, ficando visível até setembro, época de festas nas aldeias Tembé-Tenetehara, que são comemoradas com banhos de rio e a Festa da Moça, que é um ritual de passagem das jovens e dos jovens índios para a vida adulta.

A Constelação do JabutiZauxihu Ragapaw (tenetehara)

constelação Zauxihu Ragapaw se encontra no lado norte do céu, ocupando a região que conhecemos como Coroa Boreal. A medida que o Jabuti vai percorrendo o céu noturno, entre maio e agosto, significa que os índios estão enfrentando o final da época das chuvas.

Observatório situado no município de Garopaba, em Santa Catarina

Pode-se dizer que existem dois tipos principais de constelação indígena: uma
relacionada ao clima, à fauna e à flora do lugar, conhecida pela maioria da comunidade e que regula o cotidiano da aldeia; a outra está relacionada aos espíritos indígenas, sendo conhecida, em geral, apenas pelos pajés e é mais difícil de visualizar. Os guaranis, por exemplo, chamam de Nhanderu a mancha escura que aparece perto da constelação ocidental do Cisne. O Deus Maior Guarani aparece sentado em seu banco sagrado, utilizando seu cocar divino e segurando o Sol e a Lua em suas mãos. Ele anuncia a primavera. Germano Afonso – SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL

Consteleze-se: Desmatamento astronômico Amazônia, Astronauta, ERAM OS DEUSES ASTRONAUTAS??, Dia do Índi(o)gena!!!, Feliz dia do índio!!!, DIA INTERNACIONAL DOS POVOS INDÍGENAS, Todo Dia Era Dia de Índio, Ailton Krenak: próxima missão do capitalismo é se livrar de metade da população do planeta, Brô Mc´s

Observatório Social do Brasil

O Observatório Social é um movimento pela transparência na administração pública, que começou em Maringá, no Paraná, no ano de 2006. Escola Virtual.Gov

É um espaço para o exercício da cidadania, que deve ser democrático e apartidário e reunir o maior número possível de entidades representativas da sociedade civil, com o objetivo de contribuir para a melhoria da gestão pública.

O Observatório Social do Brasil (OSB) é uma entidade civil sem fins lucrativos que coordena a rede de Observatórios Sociais existentes em mais de 100 municípios distribuídos em 18 estados, dados de 2015, assegurando a disseminação da metodologia padronizada para atuação dos observadores sociais, promovendo capacitação e oferecendo suporte técnico aos OS, além de estabelecer parcerias estaduais e nacionais para o melhor desempenho das ações locais de controle social.

Desenvolvem várias ações, mas a principal é o monitoramento das compras públicas em nível municipal. A metodologia, desenvolvida por eles, acompanha o processo desde a publicação do edital de licitação até o acompanhamento da entrega do produto ou serviço, de modo a agir preventivamente no controle social dos gastos públicos.

Atuando como pessoa jurídica, em forma de associação, um Observatório Social do Brasil prima pelo trabalho técnico, fazendo uso de uma metodologia de monitoramento das compras públicas em nível municipal, desde a publicação do edital de licitação até o acompanhamento da entrega do produto ou serviço, de modo a agir preventivamente no controle social dos gastos públicos. Além disso, os Observatórios Sociais do Brasil atuam em outras frentes, como

• a educação fiscal, demonstrando a importância social e econômica dos tributos e a necessidade do cidadão acompanhara aplicação dos recursos públicos gerados pelos impostos.

• a inserção da micro e pequena empresa nos processos licitatórios, contribuindo para geração de emprego e redução da informalidade, bem como aumentando a concorrência e melhorando qualidade e preço nas compras públicas.

• a construção de Indicadores da Gestão Pública, com base na execução orçamentária e nos indicadores sociais do município, fazendo o comparativo com outras cidades de mesmo porte. E a cada 4 meses realiza a prestação de contas do seu trabalho à sociedade.

Cada Observatório é integrado por cidadãos brasileiros que transformaram o seu direito de indignar-se em atitude: em favor da transparência e da qualidade na aplicação dos recursos públicos. São empresários, professores, estudantes, funcionários públicos e outros cidadãos que, voluntariamente, entregam-se à causa da justiça social.

Saiba mais! Para conhecer mais sobre os Observatórios, acesse o sítio: http://www.observatoriosocialdobrasil.org.br. Nele você encontrará muitas informações, inclusive orientações de como começar um Observatório na sua cidade. O OSB produziu um vídeo de apresentação, assista: www.youtube.com/user/osdobrasil.

Observeze-se: Controle Social, Piratas do Tietê vão invandir os cinemas, I AMazonia, Shenlongwan, uma mão., Direito do avesso, Avesso do direito, Você tem poder de possuir o que quiser!, O rapaz comprou um passarinho por $10 reais, Piauí autoriza produção de óleo de canabidiol, Chico Mendes, Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil (MROSC), Portal da Transparência

Feng Shui

Resumidamente, que a energia vital, ou Chi como também é conhecida pelos orientais, se comporta dentro de uma casa. Essa energia criadora e impulsionadora da vida está presente em tudo o que existe no universo, desde o sol, a lua e os planetas até o nosso corpo, as plantas e os animais. decorfácil

Quando ela consegue fluir harmoniosamente tudo se equilibra. E dentro de uma casa não seria diferente. Ao se movimentar livremente pelos ambientes, o Chi é capaz de promover saúde, bem estar, equilíbrio, prosperidade e relacionamentos estáveis e felizes.

Mas como exatamente o Feng Shui funciona? Bem, para responder essa pergunta precisamos falar sobre o baguá. O baguá é uma placa em formato octogonal, onde cada lado expressa uma área da vida – Sucesso, Relacionamento, Criatividade, Amigos, Trabalho, Espiritualidade, Família e Prosperidade.

O Baguá é posicionado em cada cômodo da casa com o objetivo de determinar onde estão cada uma dessas áreas. Ao serem identificadas, o espaço é tratado e harmonizado a partir do reposicionamento, colocação ou retirada de objetos.

Para cada cômodo da casa existem conceitos específicos do Feng Shui que devem ser aplicados. Mas alguns outros são gerais e podem – e devem – ser usados na casa toda. Confira quais são logo abaixo:

  • Evite o acúmulo de objetos;
  • Deixe a luz e o ar entrar;
  • Jogue fora tudo o que está quebrado;

Uma arte milenar, o feng shui, corretamente utilizado, cria um ambiente positivo e energizado. Deve compreender os 5 elementos: terra, fogo, água, madeira e metal.

Cada um deles influencia uma área particular da vida. Curiosando

  • Metal: O metal é usado para representar a eficiência e clareza de espírito e propósito. O seu trabalho irá ter tanto, um efeito bem definido, como boa qualidade, quando o elemento metal está presente.
  • Água: A água flui livremente trazendo boa sorte em abundância. O elemento água acrescenta pureza, abundância de energia e uma sensação de frescura.
  • Terra: O elemento Terra traz uma sensação de estabilidade e segurança à casa e alimenta cada membro da família.
  • Madeira: Árvores. Elas fornecem o oxigênio para os seres vivos. O elemento madeira equivale à saúde do corpo. As curasque usam o feng shui, incluem o elemento madeira na sua composição. A prosperidade em casa também é regida pelo elemento madeira.
  • Fogo: O fogo inspira paixão que queima no interior profundo. O elemento fogo acrescenta uma quantidade elevada de energia, a qualquer coisa que faça, isso inclui o trabalho, atividades de lazer e até à vida sexual.

A sua vida costuma ser atribulada e estagnada? Comece a olhar para sua própria casa e faça pequenas mudanças para que a energia flua.

Boas energias para você!

Referência: www.decoracaointeriores.org

Feng Shuize-se: Global Citizen Festival, Buddhist Philosophy 8 – Zen: Bodhidharma, Huineng & Mazu, Joan e contos zen, ZEN BODI, 11 benefícios da semente de abóbora, 10 sites para aprender um pouco de tudo, Algumas dicas de jardinagem, Receita de Spa em casa

Quintais produtivos

Quintais produtivos é a nova tendência da horticultura

O quintal Produtivo Agroecológico é uma tecnologia de fácil replicação e possibilidade de ampliação conforme disponibilidade de espaço e recursos (modular), utilizamos espaçamento de 30mx30m, com grande diversidade de culturas agrícolas (utilizando mudas de Acerola, Pinha, Pitanga, Caju, Goiaba, Graviola, Banana, Abacaxi e Mamão; Manivas de Aipim; milho, variedade com mais de 10 tipos de hortaliças, abóbora, pimenta em sementes e ainda mudas de essências florestais e sementes de plantas medicinais), foi fornecido adubo orgânico (esterco) e orientado a produção de compostagem, defensivos e fertilizantes naturais. Associação de Apoio ao Desenvolvimento Social Sustentável – Mandacaru

Os Quintais Produtivos fazem parte da composição da paisagem de uma pequena
propriedade baseada na produção familiar. No quintal próximo a casa a família planta e
cultiva plantas alimentícias, frutíferas, ornamentais, leguminosas e medicinais.
Para a família agricultora é no quintal que está grande parte dos alimentos para o
consumo do dia-a-dia é nesse espaço que os membros da família desempenham suas
atividades destacando a importante presença e participação da mulher como a principal
colaboradora na composição da diversidade de plantas e espécies que compõem essa
paisagem.

Outro aspecto importante é a geração de trabalho para os integrantes da família, pois é
um espaço onde todos participam desde as mulheres, crianças e idosos existe uma correlação de responsabilidade e troca de saberes de forma constante. Os idosos compartilham sua sabedoria popular, as crianças e os adultos aprendem aplicar a sabedoria popular e os conhecimentos na prática do trabalho diário. A IMPORTÂNCIA DOS QUINTAIS PRODUTIVOS NA ECONOMIA FAMILIAR – Rosangela Aparecida Pedrosa

Dessa forma pode-se afirmar que os quintais produtivos geram qualidade de vida por
meio de uma produção de alimentos saudáveis que respeitam princípios agroecológicos em sua produção. É local de reprodução do conhecimento tradicional onde é feito a seleção e multiplicação de sementes de variedades crioulas que passam por gerações.


Em suma o quintal produtivo possibilita colheitas de várias espécies durante todos os
meses do ano devido à diversidade existente. Os alimentos colhidos tem certificado de
origem, pois quem planta e colhe sabe melhor que ninguém a procedência do alimento.

Quintais Produtivos

Quintaze-se: Waldschule für kränkliche Kinder, Plantas Alimentícias Não Convencionais, alternativaS?!?, 80 atividades para crianças: simples, divertidas, de baixo custo e todas dentro de casa, As MELHORES PLANTAS pra HORTA, São Paulo ganha escola de hortas para pessoas em situação de rua, Projeto oferece coleta de lixo orgânico por assinatura e devolve adubo ou hortaliças, Sua horta

Bitcoins de graça

O Bitcoin é uma criptomoeda que tem ganhado cada vez mais espaço no mercado financeiro. Entre um dos principais motivos para a sua forte adesão, está o alto nível de segurança, proporcionado pelo sistema de Blockchain, que assegura as transações online e controla a criação de novas unidades de moedas. Além disso, o Bitcoin, que dispensa a intermediação de instituições financeiras, pode ser usado para compras em todos os lugares do mundo. Kris Gaiato – tecmundo

A forma mais comum de adquirir esse “dinheiro virtual” é através da conversão de um valor em real (ou dólar, por exemplo) para essas criptomoedas — o que pode ser feito através de plataformas, como o Mercado Bitcoin ou por casas de câmbio. Alguns usuários ainda utilizam a técnica de mineração por meio de softwares como o Bitcoin Miner. Contudo, há ainda uma terceira forma de aquisição, em alguns sites e aplicativos que distribuem essa criptomoeda gratuitamente.

É importante esclarecer que uma unidade de Bitcoin equivale a uma grande quantidade de dinheiro em real — aproximadamente R$ 335.095 na conversão do dia. No entanto, ela pode ser fracionada e essas frações são chamadas de “Satoshis”: justamente o que é distribuído de forma grátis na web. Para fins de comparação, um Bitcoin gera até cem milhões de Satoshis.

Conheça formas de ganhar Bitcoins de graça:

Freebtico.in: Uma espécie de loteria virtual que oferece um mínimo de 340 bônus Bitcoins por hora e que pode chegar a 47 milhões de unidades distribuídas gratuitamente. No site há ainda a possibilidade de multiplicar as moedas adquiridas em um jogo de cassino ou comprando bilhetes sorteados.

777Bitco.in: Semelhante ao anterior, esse site pode distribuir até 11 milhões de Satoshis.

Boxbit: Aqui, o usuário pode escolher duas entre 10 caixas, que possuem prêmios entre 18 a 18.818 Satoshis.

Paidbooks: Nesta opção, o usuário recebe 150 Satoshis a cada dez minutos para ler livros.

Bitvisitor: A cada cinco minutos, são oferecidos 240 bônus Bitcoins se o usuário visitar três sites.

Ads4Btc: Paga até 500 Satoshis a cada 20 segundos de link aberto para visitar sites e visualizar anúncios.

PlayBitco.in: Trata-se de um jogo que entrega bônus Bitcoins para quem participar de uma votação que elegerá o animal mais popular entre os usuários. Apenas para votar, você recebe 200 bônus Bitcoins e se o seu animal for o escolhido, são transferidos mais 150 Satoshis. Cada votação tem uma duração de 10 minutos e é preciso participar até o final.

Coinad: Esse site paga até 600 Satoshis por publicidade visualizada.

Btcclicks: Funcionando da mesma forma, aqui o usuário recebe até 144 Satoshis para ver anúncios de até 30 segundos.

SaruTobi: Outro game que dá prêmios em dinheiro virtual oferecendo até 1 mil Satoshis. Com um estilo que lembra Mario Bros, o app está disponível apenas para iOS.

Getyourbitco.in: A cada 5 minutos, o usuário recebe 250 Satoshis para responder corretamente captchas.

Btc-tree: Esse site funciona da mesma forma, mas paga entre 100 e 500 bônus Bitcoins.

Bitcoinzebra: Aqui, o usuário também precisa responder captchas, podendo faturar até três mil Satoshis por hora.

Free Bitcoin: Mais um jogo, dessa vez para Android, que possui uma pegada de cassino e oferece até 1 mil bônus Bitcoins por tentativa.

Bitcoinker: Paga 58 criptomoedas a cada 15 minutos apenas para o usuário permanecer no site.

Visitbit: Oferece até 200 Satoshis por visitas em sites que podem durar entre 5 e 30 segundos.

Blockchain Game: Trata-se de jogo para Android que explora a agilidade e reflexo do usuário, que pode faturar até 30 mil bônus Bitcoins por dia.

Bitcoinze-se: Bitcoin, O que o Google sabe sobre você?, Pitaia e o blockchain, Segurança da informação, Poupatempo Digital, O dinheiro e suas ordas, Extra, mais roubado!!! Black Friday, Paper Planes, Super Trunfo

A inteligência emocional em 15 frases

  1. “Quando eu digo controlar emoções, me refiro às emoções realmente estressantes e incapacitantes. Sentir as emoções é o que torna a nossa vida rica”. Daniel Goleman.

Nossas emoções moldam nosso caráter, nossa maneira de ser e como os outros nos veem.

  1. “Todo aprendizado tem uma base emocional”. Platão.

Não existe um único momento em nosso dia a dia em que estejamos livres de emoções, ainda que não saibamos identificá-las. Tudo o que aprendemos em nossa vida está, em parte, determinado pelo nosso estado emocional de base e sua origem.

  1. “Não existe correlação entre QI e empatia emocional. Eles são controlados por diferentes partes do cérebro”. Daniel Goleman.

Não existe relação direta entre o que entendemos por inteligência acadêmica e inteligência emocional. Uma pessoa pode ser altamente inteligente e se destacar na escola, mas, no entanto, não se destacar em sua vida pessoal.

15 frases que nos ajudarão com a inteligência emocional
Imagens cortesia de nuvolanevicata e Alta Oosthuizen
  1. “A confiança, como a arte, nunca tem todas as respostas, mas está aberta a todas as perguntas”. Earl Gray Stevens.

Somente fazendo as melhores perguntas podemos obter as melhores respostas. Isso é determinado com base em nossa consciência sobre o que pensamos, dizemos e fazemos na frente dos outros e de nós mesmos.

  1. “Quem não compreende um olhar, tampouco entenderá uma longa explicação”. Provérbio Árabe.

Esta frase é uma das melhores definições de empatia que existem. Sabemos que a empatia é um dos principais pilares da inteligência emocional. Sentir-se como os outros se sentem e saber como usar isso é tão importante quanto o autoconhecimento.

  1. “As emoções são contagiosas. Todos sabemos disso por experiência. Depois de um bom café com um amigo, você se sente bem. Quando encontra um balconista rude em uma loja, se sente mal”. Daniel Goleman.

Podemos neutralizar nossos sentidos, mas não somos capazes de escapar de nossos sentimentos e emoções. Façamos o que façamos nos sentiremos bem ou mal em diferentes graus, atendendo aos diferentes níveis de um mesmo estado contínuo.

  1. “O cérebro emocional responde a um evento mais rapidamente do que o cérebro pensante”. Daniel Goleman.

E isso é porque, como disse Blaise Pascal: “O coração tem razões que a própria razão desconhece”.

  1. “Não esqueçamos que as pequenas emoções são as grandes capitãs de nossas vidas, e as respeitamos sem perceber”. Vincent Van Gogh.

Sentir e entender porque, como, onde, quando e o que podemos fazer é a única maneira de conduzirmos nossas vidas sem o prejuízo que as emoções podem nos causar.

  1. “Cuide de suas próprias emoções e nunca as subestime”. Robert Henri.

As emoções são armas poderosas que podemos usar a nosso favor ou contra nós.

  1. “Esteja ciente de que, neste momento, você está criando. Você está criando seu próximo momento com base no que sente e pensa. Isso é o que é real”. Doc Childre.

Na verdade, nossa realidade atual é baseada em cada segundo que passa e caminha diante de nós, moldando o nosso futuro.

  1. “Use a dor como uma pedra em seu caminho, não como uma área para acampar”. Alan Cohen.

Esvazie o seu interior de ausências presentes, recolha a pedra e leve-a até a próxima estação para que saiba que é capaz de avançar. Para expressar isso mais claramente: até um pé na bunda é capaz de nos empurrar para frente.

  1. “É importante compreender que a inteligência emocional não é o oposto de inteligência, não é o triunfo do coração sobre a cabeça, é a interseção de ambas”. David Caruso.

A verdade é que o coração nos diz o que precisa ser feito, mas a razão nos diz o que devemos evitar e nos ajuda a entender. Manter o coração e a razão trabalhando juntos deve ser nossa maior aspiração.

  1. “A diferença essencial entre a emoção e a razão é que a emoção leva à ação, enquanto razão leva a conclusões”. Donald Calne.

Sentimentos nos ajudam a avançar conforme desenvolvemos uma melhor forma de interagir com eles. Assim, conhecer a nós mesmos em ambos os aspectos nos encoraja a sermos mais eficazes ao tomar decisões e ao direcionarmos as nossas vidas.

  1. “Como seres humanos, todos queremos ser felizes e livres da miséria, todos aprendemos que a chave para a felicidade é a paz interior. Os maiores obstáculos à paz interior são as emoções perturbadoras como raiva, o apego, o medo e a desconfiança, enquanto o amor e a compaixão são as fontes de paz e felicidade”. Dalai Lama.

Há emoções saudáveis ​​e não saudáveis, ​ que nos capacitam e que não nos capacitam. Devemos dar as boas-vindas à alegria, a tristeza, a surpresa e ao tédio, enquanto devemos evitar a ira, a vingança, o ódio e a depressão.

  1. “A verdadeira compaixão não significa apenas sentir a dor de outra pessoa, mas ser motivado a eliminá-la”. Daniel Goleman.

O nosso coração não permite a opção dos outros se sentirem mal. Na medida do possível devemos tentar evitar todo o sofrimento dos quais tivermos conhecimento. A mente é maravilhosa

Emoze-se: Neurocientistas explicam que o esquecimento constante é um sinal de inteligência extraordinária, Avós da Razão, Neon, QI: a história de uma farsa, A Teoria de Tudo

Lei Nacional de Defesa do usuário dos serviços públicos – Brasil

LEI Nº 13.460, DE 26 DE JUNHO DE 2017.

Dispõe sobre participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos da administração pública.

(…)

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º Esta Lei estabelece normas básicas para participação, proteção e defesa dos direitos do usuário dos serviços públicos prestados direta ou indiretamente pela administração pública.

§ 1º O disposto nesta Lei aplica-se à administração pública direta e indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nos termos do inciso I do § 3º do art. 37 da Constituição Federal .

Defendaze-se: MANUAL PARA A VIDA, Manual dos remédios tradicionais Yanomami, Manual sobre os usos de plantas amazônicas, MANUAL DE REDAÇÃO DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, Manual de agricultura urbana, Les Avanchets