mundo quântico x mundo clássico

As diferenças são muito grandes, mas alguns poucos exemplos podem dar uma ideia: Você bate na porta e sua mão impacta a madeira, que lhe oferece uma resistência, com a energia sendo transformada em um pouco de aquecimento e um som de “toc toc” – no reino quântico, as partículas simplesmente tunelam, atravessando barreiras sólidas. Você joga uma pedra no lago e a pedra afunda, gerando ondas na superfície – no reino quântico, a própria “pedra” se transforma em uma onda. E, tão logo saiu da sua mão, a pedra não sofre mais nenhuma influência sua – no reino quântico, vocês poderão ficar indissociavelmente ligados. E por aí vai. Inovação Tecnológica

A equipe dos laboratórios LIGO, nos EUA, detectou as ondas gravitacionais, essas ondas criam variações espaciais minúsculas, detectá-las exigiu construir alguns dos equipamentos mais sensíveis já feitos pelo ser humano, capazes de detectar uma variação de tamanho na escala de um milésimo do diâmetro de um próton. Isso é feito monitorando o tempo que um feixe de laser leva para percorrer os longos túneis do laboratório depois de se refletir em um espelho quase perfeito.

A flutuação quântica deu um pequeno “chute” no superfície de cristal, fazendo o espelho de 40 quilogramas mover-se ligeiramente – muito pouco, é certo, mas o suficiente para que o balanço induzido espelho fosse medido.

Mais especificamente, o espelho moveu-se 10-20 metros, jogando por terra teorias que propunham que algo deveria suprimir os efeitos quânticos sobre o mundo clássico.

Para fazer a medição, os pesquisadores usaram um instrumento especial que eles projetaram, chamado “espremedor quântico”, para “manipular o ruído quântico do detector e reduzir seus chutes nos espelhos, de uma maneira que poderá ser usada para melhorar a sensibilidade do LIGO na detecção de ondas gravitacionais,” explicou Haocun Yu, principal responsável pela medição.

Os laboratórios LIGO – são dois – têm um formato de L, com os braços formados por túneis com quatro quilômetros de extensão.

Para detectar uma onda gravitacional, um laser localizado na entrada do interferômetro envia um feixe de luz em cada túnel do detector. No fim de cada túnel há um espelho, onde o laser se reflete e retorna ao seu ponto de partida.

Laze-se: Memória Quântica made in Rusnet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s