Dia da consciência negra e dos seres humanos

A foto é capa do disco “Samba Enredo”, do Martinho da Vila.

“Saíram da África 12 milhões e meio de seres humanos. Chegaram 10 milhões e 700 mil. Morreram na travessia 1 milhão e 800 mil pessoas. Se dividir isso pelo número de dias, dá 14 cadáveres, em média, lançados ao mar todos os dias ao longo de 350 anos. Um número tão alto que, segundo depoimentos da época, isso mudou o comportamento dos cardumes de tubarões no Oceano Atlântico, que passaram a seguir os navios negreiros”. Conversa Com Bial – gshow
20 músicas para 20 de Novembro, tem música afirmativa, música combativa e música de celebração. Toca Fitas

Sandra de Sá – Olhos Coloridos (1982)
Gilberto Gil – Sarará Miolo (1979)
Martinho da Vila – Nego, Vem Cantar (1974)
Tássia Reis – Se Avexe Não (2014)
Rappin’ Hood (part. Leci Brandão) – Sou Negrão (2001)

Ellen Oléria – Zumbi (2013)
Emicida – Mufete (2015)
Emílio Santiago – Brother (1975)
Tim Maia – O Caminho do Bem (1976)
Dona Ivone Lara (part. Jorge Ben Jor) – Sorriso Negro (1981)

Wilson Simonal – Tributo a Martin Luther King (1967)
Xênia França – Respeitem Meus Cabelos, Brancos (2017)
Itamar Assumpção – Vá Cuidar da Sua Vida (1998)
Rashid – Estereótipo (2017)
Toni Tornado – Podes Crer, Amizade (1972)

Thaíde & DJ Hum (part. Paula Lima e Ieda Hills) – Sr. Tempo Bom (1996)

Daúde – Ilê Ayê (Que Bloco é Esse?) (2002)
Margareth Menezes – Raça Negra (1993)
Rincon Sapiência – A Coisa Tá Preta (2017)
Jorge Ben Jor – Negro é Lindo (1971)

“Na economia escravagista havia até um negócio paralelo, tão constrangedor que nunca recebeu grande destaque na história da escravidão: a reprodução sistemática de escravos, com objetivo de vender as crianças, da mesma forma como se comercializam animais domésticos. Era uma prática tão repulsiva que são esparsos os relatos de experiências conduzidas em Portugal, na Espanha e nos Estados Unidos. Uma delas foi registrada no palácio ducal de Vila Viçosa, sede dos duques de Bragança, a dinastia que assumiria o trono de Portugal a partir do fim da União Ibérica, em 1640, com a ascensão de dom João IV ao poder. Ao visitar o local, em 1571, o italiano Giambattista Venturino se surpreendeu com a existência ali de um centro de reprodução de escravos. Segundo ele, eram tratados da ‘mesma forma como manadas de cavalos são na Itália’, com objetivo de obter o maior número possível de crianças cativas, que seriam vendidas em seguida por preços entre trinta e quarenta escudos”. Rodrigo Casarin – UOL Entretê

Negre-se: Manuel Edmilson da Cruz, 30 Matrix indígenas, África Liberdade, Santo Padre José de Anchieta, Cultura da paz?, Bandeirantes Modernos, Te desejo Vida, O que é ser defensor dos direitos humanos, afinal?, Boas Práticas Legislativas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s