A FÁBULA DO PORCO ESPINHO

Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio. Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente.

image

Mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que forneciam calor. E, por isso, tornaram a se afastar uns dos outros.

Voltaram a morrer congelados e precisaram fazer uma escolha: desapareceriam da face da Terra ou aceitavam os espinhos do semelhante.

Com sabedoria, decidiram voltar e ficarem juntos. Aprenderam, assim, a conviver com as pequenas feridas que uma relação muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro. E assim sobreviveram.

O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro e consegue admirar suas qualidades …

Para os judeus fiz-me judeu, a fim de ganhar os judeus. Para os que estão debaixo da lei, fiz-me como se eu estivesse debaixo da lei, embora o não esteja, a fim de ganhar aqueles que estão debaixo da lei. Para os que não têm lei, fiz-me como se eu não tivesse lei, ainda que eu não esteja isento da lei de Deus – porquanto estou sob a lei de Cristo -, a fim de ganhar os que não têm lei. Fiz-me fraco com os fracos, a fim de ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, a fim de salvar a todos.

dilema-do-ouric3a7o

“Como para mim as pessoas com quem vivo nada podem ser, meu maior prazer na vida são os pensamentos monumentais deixados por seres semelhantes a mim, que, como eu, uma vez vaguearam por entre a gente do mundo.”
 “(…) decidi dedicar o resto da minha vida efémera totalmente a mim mesmo e, assim, perder o menor tempo possível com aquelas criaturas, a quem o facto de andarem sobre duas pernas, conferiu o direito de nos tomarem por seus iguais (…)” (Arthur Schopenhauer) Masturbação Psicologica

A História do Porco Espinho (Schopenhauer) – PeNaVia Deptur UFJF

Em 1851, o filósofo alemão, Arthur Schopenhauer, expôs a parábola do porco-espinho, na sua obra Parerga e Paralipomena, como uma metáfora acerca dos desafios subjacentes às relações de intimidades dos seres humanos, e chegou à conclusão de que se alguém possui suficiente calor interno pode evitar a sociedade e a irritação proveniente da interacção social – do dar e receber e do desconforto psicológico que esta mesma interacção pode causar. Masturbação Psicologica

Observe mais: A hora do sufocoLUMINESCE™PRINCÍPIO DO OU NÃO, NAARA BEAUTY DRINK!!!, LEVITATION, I AM BRUCE LEE, INSTANTLY AGELESS ™ MEDINA SLATER, A PROVA DE TUDO!VIDACELL®MANTRA, AMOR DO PAI, RESERVE™BURGUESIA (VERSION ME)JEUNESSE, VERDADE OU MENTIRA?SANTO PADRE JOSÉ DE ANCHIETA

Uma resposta para “A FÁBULA DO PORCO ESPINHO”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s